Gestão de projetos aplicados a paradas de Manutenção Industrial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão de projetos aplicados a paradas de Manutenção Industrial"

Transcrição

1 Resumo Gestão de projetos aplicados a paradas de Manutenção Industrial Luciano Zorzett Cirqueira MBA em Gerenciamento de Projetos de Engenharia e Arquitetura Instituto de Pós-Graduação e Graduação IPOG Goiânia, GO, 04/10/2012 A gestão de projeto aplicado á parada de manutenção na empresa influencia de forma significativa o resultado de produção, uma vez que o cenário empresarial exige alta competitividade, e a busca constante de melhorias em todos os aspectos de produção, bem como a inserção, no mundo globalizado do comércio, da pequena, média e grande empresa. Com base nos levantamentos bibliográficos, foram explorados os conceitos de gerenciamento, administração e as ferramentas da qualidade, em busca dos fatores que contribuem para o gerenciamento da manutenção como ferramenta importante no sucesso da empresa. O planejamento deve primar pela excelência dos serviços realizados e pela eficiência e eficácia da execução, visto que os riscos deste tipo de serviço são de grande responsabilidade, porém o retorno financeiro, quando os trabalhos são executados perfeitamente, é compensador. É importante que as Empresas busquem métodos eficazes com o intuito de maximizar o desempenho, superar a concorrência mantendo se compatível no mercado. Serão utilizados, para tal propósito, os conhecimentos de gerenciamento de projetos descritos no PMBOK2000 (Project Management Book of Knowledge) do PMI (Project Management Institute), instituto que reúne as principais práticas adotadas em gerenciamento de projetos. A TPM (Manutenção Produtiva Total) objetiva operar e implementar esse método na gestão estratégica, evidenciando aprimorar-se à medida que adquire maior rendimento operacional. Palavras chaves: Organização. Gerenciamento. Planejamento. Manutenção. Empresa. 1. Introdução O presente trabalho tem o objetivo de refletir a importância do gerenciamento de projetos na empresa com foco na Parada de Manutenção, uma vez que essas intervenções devem ocorrer em determinados períodos de tempos pré-definidos, cuja finalidade é a realização de uma manutenção preventiva em equipamentos ou sistemas. A metodologia de pesquisa escolhida foi a exploratório-descritiva uma vez que o trabalho baseou se em pesquisas previamente realizados por meio de obras importantes que trata o assunto em questão, o que permitiu demonstrar as melhorias nos resultados de disponibilidade de compreensão. A questão manutenção na empresa tem fator preponderante na redução de custos, visto que esta é considerada como atividade importante um setor de suporte a produção e consequentemente, está interligada diretamente a todas as áreas de produção e faz parte contexto de Gestão Empresarial, trata-se de uma área fundamental para as empresas. Nessas premissas, as paradas de manutenção devem ser tratadas como investimento na empresa, pois, além de manter determinado o bom funcionamento, mantém também o processo produtivo. A prática da gestão de projetos é uma realidade fundamental em qualquer tipo de empresa. Os resultados obtidos com a implementação são significativos e não podem ser ignorados pelas

2 empresas do setor buscando identificar a real necessidade da empresa através de um plano gradativo de desenvolvimento visto que as empresas progridem em função de suas respectivas habilidades em promover mudanças, avanços e melhorias. A sobrevivência e prosperidade das empresas dependem da qualidade da condução dos seus projetos. Mais do que isso, o sucesso no mundo dos negócios depende de profissionais fortemente qualificados na condução destes projetos, para aumentar a probabilidade de se produzir bons resultados. (NETTO, 2005:52) Para que a empresa continue competitiva no mercado é necessário que todos os setores estejam focados no objetivo da empresa e trabalhem para que o mesmo venha a ser realizado. Para que isso ocorra é necessário que o setor de manutenção tenha um gerenciamento estruturado a partir de um conjunto de práticas de manutenção bem definidas, sólidas e disseminadas por todo o setor, assegurando os resultados e metas para sobrevivência da empresa. Uma manutenção gerenciada adequadamente contribuirá para qualidade e produtividade do produto, minimizará custos de produção, terá controle total e será mais ágil nos processos industriais garantindo uma vantagem competitiva para a empresa, sobre os concorrentes. Em relação à manutenção industrial, esta torna se uma ferramenta tão importante quanto outras áreas industriais, bem como torna o relevante quanto a logística, qualidade, manufatura ou engenharia. Considera se que a boa manutenção industrial contribui da mesma forma para a produtividade e a qualidade industrial, sendo vital para garantir o sucesso produtivo favorecendo a empresa. Portanto é importante fazer um bom planejamento de manutenção na empresa, pois o mesmo vai gerar produtividade e, consequentemente, lucratividade. Devido ao aumento da disponibilidade dos equipamentos, as ações preventivas podem favorecer paradas imprevistas, garantindo assim a produtividade em índices mais elevados. Além disso, as organizações têm se dedicado intensivamente às suas atividades fins, deixando as atividades meio, como manutenção, para as empresas e profissionais especializados. O objetivo da Gestão de Paradas. Estas buscam assegurar que o processo de planejamento siga um modelo estruturado no qual os riscos de cada etapa, que envolve recursos humanos e materiais, sejam avaliados e validados. (BRANCO FILHO, 2008: 58) Nesta premissa é importante ressaltar que a função da parada de manutenção deve estar ligada à missão da organização, para que possa ser abordada de uma forma geral, caracterizando como fator responsável pelo funcionamento das instalações, dentro de condições que garantam, basicamente, a qualidade dos produtos finais e a produtividade dos processos. De forma geral, manutenção nada mais é que qualquer técnica que visa manter e/ou prolongar o bom funcionamento de equipamentos, ferramentas e estrutura pelo maior tempo possível Na atual conjuntura, a concorrência entre as empresas se torna cada vez mais acirrada. Portanto, percebe-se a importância de ter um fluxo de trabalho produtivo eficaz. Nessa perspectiva a visão, da manutenção torna se um dos fatores de fundamental importância para a sobrevivência de uma organização, garantindo o prolongamento da vida útil de equipamentos, estrutura, ferramentas e até mesmo pessoas. Na fase de planejamento as informações e os dados são processados e organizados para formar um macro planejamento o qual fornece a dimensão da parada. É nessa fase que tem de ser iniciado o planejamento de SMS e o detalhamento das manobras operacionais, buscando o reconhecimento dos riscos, a análise e a identificação das medidas de controle para os riscos evidenciados, bem como os planos de contingências para o evento.

3 A evolução do macro planejamento para o micro detalhado permite a consolidação dos diversos planejamentos. São confirmados os prazos e os custos previstos e iniciada a contratação para execução dos diversos serviços, bem como das atividades meio que darão suporte a execução da parada, tais como os serviços de infraestrutura. A fase de execução da pré-parada pode ser vista como aquela onde é feita: a verificação final das ações previstas no planejamento de parada; com a finalidade de propor meios para execução dos serviços, que estão previstos na parada; A etapa denominada parada pode ser entendida como a realização do evento em toda a sua plenitude, entretanto requer um grande envolvimento de toda a equipe, para que os objetivos traçados e o resultado desejado sejam alcançados. Portanto necessita de acompanhamento constante, o que permite o redirecionamento de ações ou redimensionamento dos recursos, caso seja necessário. Além de uma parceria muito estreita entre os segmentos de operação, manutenção e engenharia, que tem de ser comprometidos, para que os valores de SMS, prazos, custos e a qualidade desejada dos serviços sejam alcançados, o que permitirá o retorno do processo produtivo. A pós-parada é aquela que ocorre após as fases de condicionamento e partida e consequentemente do retorno produtivo O nível da organização da manutenção reflete as particularidades do estágio de desenvolvimento industrial de um país, a partir do momento em que começa a ocorrer o envelhecimento dos equipamentos e instalações, surge a necessidade de uma racionalização das técnicas e dos procedimentos de manutenção. 2. Figuras Planejar (Plan) Executar (Do) Agir (Action) Verificar (Check)

4 Figura 1: Fases do Projeto PDCA Fonte: Cavalieri (2008) Manutenção Industrial Manutenção Corretiva Manutenção Preventiva Manutenção Rotineira Manutenção baseada em inspeções do estado das máquinas Manutenção baseada em confiabilidade (RCM- Reability Centred) Figura 2 Gerenciamento de manutenção Fonte: Dados produzidos por Cavalieri (2008) MANUTENÇÃO EMPRESARIAL Tipos Ações Vantagens Desvantagens Preditiva - Troca de acordo com a vida útil prevista pelo fabricante - Mantém a equipe com moral elevado; - Redução de acidentes - Equipamentos sempre funcionando - Melhoria da produtividade - Serviço técnico mais barato, negociação com antecedência - Maior valor de revenda - Possui alto custo se olharmos somente pelo lado do custo da peça - Baixo risco de acidentes Preventiva - Troca de acordo com a vida útil real do equipamento - Registra histórico de manutenção - Mantém a equipe com moral elevado; - Redução de acidentes; - Equipamentos sempre funcionando; - Melhoria da produtividade; - Serviço técnico mais barato, negociação com antecedência; - Maior valor de revenda - Exige maior atenção - Baixo risco de acidentes Corretiva - Troca quando quebra; - Nenhuma - Baixa produtividade;

5 - Não tem registro histórico - Elevados custos com serviços de urgência; - Elevado risco de acidentes. Tabela 1 Tipos de manutenção empresarial ressaltando vantagens e desvantagens Fonte : Netto Revisão de Literatura 3.1 Organização, planejamento, programação e controle da manutenção O plano de manutenção é o desenvolvimento das regras e normas para a realização da manutenção. Etapas que devem ser estudadas com cuidado por gerentes e líderes de produção, pois o plano tende a modificar diretamente a produção da gráfica. É preciso pontuar algumas questões ao desenvolvê-lo tais como: - Identificar o responsável pelo controle administrativo do projeto. Geralmente, ele fica a cargo dos líderes de produção, representante da manutenção. - Registrar e especificar os equipamentos/estruturas que farão parte do plano de manutenção e quais são suas especificações técnicas. - Observar o fluxo produtivo da empresa e como o plano de manutenção vai afetá-lo. - Programar o tempo disponível para a manutenção. - Verificar a necessidade de treinamento para os fun cio ná rios envolvidos direta e indiretamente na execução do plano. - Criar suporte à documentação: toda atividade relacionada com a manutenção deve ser documentada, sobretudo para que questões como quem, quando, como e por que sejam respondidas. - Suporte à integração: é importante que os setores que acabam sendo envolvidos com o plano de manutenção tenham acesso às informações das atividades feitas pela manutenção, promovendo uma interação com os demais departamentos da empresa. - Garantia da qualidade: periódica é analisada a característica dos impressos, sendo levantadas informações de quais problemas foram ocasionados por motivos mecânicos e como fazer para que não se repitam. - Análise de defeitos nos impressos que possam ter sido causados por problemas mecânicos e identificação de ações para evitar que os defeitos se repitam. - Testes: análise de relatórios de manutenção para verificar Diante destes princípios, é importante destacar que a falta de uma manutenção planejada de máquinas também provoca problemas de qualidade e a diminuição da velocidade das máquinas. Mas antes de criar um plano de manutenção é preciso entender por que os equipamentos quebram. É natural que as máquinas se desgastem com o tempo. Alguns fatores, como esforço adicional e sobrecarga em componentes elétricos, tendem a aumentar esse desgaste, tornando a depreciação do equipamento mais precoce do que o estimado. Quando analisamos esses problemas, podemos concluir que os principais motivos para chegarmos nessas condições são a falta de lubrificação adequada, sujeira, poeira, impurezas, filtros deficientes, sistemas de troca de calor e de resfriamento deficientes e operação incorreta da máquina e ferramentas em más condições de uso. (CAVALIERI, 2008:110)

6 Essas ocorrências tornam fundamentais as ações de prevenção no sentido de fazer com que os problemas tornem se menos frequentes. Por isso a elaboração, execução e documentação de um plano de manutenção se torna importante para uma organização. Com relação à operação incorreta, a melhor solução é o treinamento dos operadores. É importante que a empresa elabore rotinas e procedimentos de operação da máquina e destaque os cuidados que deve haver com relação aos ajustes de máquina, lubrificação e limpeza, entre outros fatores que colaboram com o desenvolvimento satisfatório da empresa. Deve se reservar um tempo para elaboração e revisão do plano de manutenção, bem como formar uma equipe responsável pela aplicação direta do projeto, dentre eles mecânicos, operadores entre outras pessoas envolvidas. A equipe de manutenção deve estar diretamente conectada com os setores gerenciais da empresa, informando as atividades que estão sendo ou serão feitas nos equipamentos para que haja a troca de informações entre os setores. Ela também deve ser treinada para efe tuar as atividades que serão desenvolvidas para que não haja problemas durante a manutenção por falta de conhecimento da mesma. (JONES, 1983: 30) Sendo assim, o autor destaca que esta equipe deve dispor de todos os equipamentos necessários para a atividade e esses devem estar em perfeita ordem e calibrados para serem utilizados, garantindo um menor tempo e eficiência na execução das operações realizadas. Portanto é importante que o projeto contemple um planejamento que possa englobar todas as ações pertinentes. Para Limmer (1997:63) Gerenciar um projeto é assegurar também que o mesmo seja planejado em todas as suas fases, emitindo, através de mecanismos de controle, uma vigilância contínua, diante dessa afirmação, pode-se perceber onde os impactos de prazos e/ou custos devem ser analisados e projetados para um horizonte de curtos e médios prazos, possibilitando antecipar decisões gerenciais que garantam a execução do projeto no curso desejado. Cada vez mais exigida no mercado atual, o Gerenciamento de Projetos é uma atividade que envolve a utilização de técnicas visando a clareza, a objetividade e a qualidade na sua execução. Torna se nescessário que cada empresa adote práticas estabelecidas pelo Project Management Body of Knowledge - PMBOK). Utilizando este procedimento, os profissionais desenvolverão suas atividades de forma organizada, fazendo com que sejam reconhecidos através da sua determinação. A gestão de projeto aplicado a Parada de manutenção busca garantir os resultados esperados, ressaltando a importância da função planejamento nas diversas fases de uma parada programada, evidenciando bem como ao planejamento da parada geral de manutenção, permitindo desse modo, a operacionalização dos serviços, de modo seguro. Conforme preceitua Theobald e Lima (2006) a implementação de ações que visam à melhoria do rendimento humano tem sido considerada fundamental para o desempenho das organizações que buscam a excelência, como forma de obtenção da sustentabilidade dos negócios. Igualmente a implementação do referido planejamento, dentro do cronograma previsto, tende a propiciar um clima organizacional favorável para a realização do evento. No planejamento desses eventos em unidades de produção de processo contínuo, uma das principais razões para valorização da estratégia operacional são os impactos técnico e econômico a serem gerados pelo aumento do consumo de insumos, decorrente da perda de eficiência do processo pela queda do desempenho operacional de equipamentos, a partir do não tratamento estratégico adequado às intervenções de manutenção durante a parada. No panorama das empresas de hoje, existem muitas estruturas de manutenção que podem ser influenciadas pela área de negócio da empresa, sua localização geográfica entre outros que

7 possibilitam a facilidades de contratação, compra de peças e até mesmo pela diretriz organizacional da mesma. Porém existe um conjunto mínimo de atividades que todos os órgãos de manutenção desempenham. Numa análise preliminar deste conjunto de atividades, podemos identificar possíveis blocos de atuação: Execução; englobando as atividades de manutenção de instalações industriais, oficina de apoio, manutenção de outros tipos de equipamentos tais como telecomunicações e limpeza da área industrial. A Organização da Manutenção de qualquer empresa deve estar voltada para a gerência e a solução dos problemas na produção, de modo que a empresa seja competitiva no mercado. A organização da manutenção depende da definição dos objetivos, dos princípios e da filosofia a ser adotada em função das atividades que serão executadas pela manutenção. (KEELING, 2002: 69) Nessa afirmação o autor esclarece que organização da manutenção depende da definição dos objetivos, dos princípios e da filosofia a ser adotada em função das atividades que serão executadas pela manutenção e deve estar voltada para a gerência e a solução dos problemas na produção, de modo que a empresa seja competitiva no mercado. A função Planejamento deve ser dinâmica, para que o objetivo possa corresponder exatamente ao planejado inicialmente, pois os rendimentos considerados nas tarefas são estimados, e frequentemente ocorrem imprevistos, variando o volume de serviços e também ocorrendo retrabalhos. Portanto, a evolução da obra deve considerar estas ocorrências através de retorno de informações ao planejador pelos executantes e ou supervisores de modo que esta interação resulte uma via de duas mãos entre o planejamento e a execução. (XAVIER, 2009: 96) A Programação é a maneira pela qual a informação do planejamento conduz as ações, tais como descrição dos serviços, durações, datas e horas de inicio e término previstos e recursos necessários, ferramentas, procedimentos, percentual de avanço etc., são passadas para as equipes de execução incluindo todos os interessados tais como supervisores, segurança, operação, inspeção e coordenadores etc., podendo ser diária, semanal ou até mensais dependendo das características. Segundo o PMBOK (2000), projeto é um empreendimento temporário com o objetivo de criar um produto ou serviço único. Temporário significa que cada projeto possui início e fim bem definidos. É importante identificar alguns elementos que devem estar presentes em um modelo de gestão da manutenção apropriado para garantir o sucesso empresarial. Por essa ferramenta, uma operação deve ser compreendida, formando um ciclo contínuo de aperfeiçoamento. No entender de Chaves (2006: 52), é necessário obter informações precisas de quando o de inicio e custos e principalmente qual o produto e subprodutos serão gerados. Desta forma, se acontecer uma descrição errada do produto, ou se no planejamento do escopo não estiver claro o que está dentro e fora do escopo, o projeto pode não ter fim. Para isto, além de aplicar todas as técnicas e habilidade de planejamento de escopo, também é interessante a obtenção de uma ajuda da área de comunicação, pois é necessário adquirir informações de pessoas especializadas no desenvolvimento do produto. Conforme Xavier: Basicamente, as atividades de manutenção existem para evitar a degradação dos equipamentos e instalações causada pelo seu desgaste natural e pelo uso e ou para recuperar a boa funcionalidade e confiabilidade dos equipamentos. Esta degradação se manifesta de diversas formas, desde a aparência externa ruim dos equipamentos até perdas de desempenho e paradas da produção, até a fabricação de produtos de má qualidade e a

8 poluição ambiental. (XAVIER, 2009: 55) É preciso primeiro pensar na função manutenção dentro do fluxo produtivo para depois se alocar tarefas e responsabilidades a pessoas ou órgãos de uma empresa. Para aumentar a disponibilidade de um equipamento é preciso aumentar a confiabilidade ou reduzir o tempo médio de reparo, ou os dois, simultaneamente. Essa redução depende da manutenibilidade, da capacitação profissional de quem faz a intervenção e da característica de organização e planejamento da manutenção (PINTO, 2001:103). As ações de planejamento não poderão deixar de considerar alguns aspectos, como demanda potencial, variedade de produtos, capacidade instalada, capabilidade, confiabilidade, disponibilidade, entre outros. Um evento de Parada de Manutenção deve ser visto como um projeto específico, preparatório para a próxima campanha da unidade industrial, com seus resultados potencializando a eficácia operacional, de acordo estratégia adotada para o período. Segundo Vendrame (2005: 58), as paradas programadas de plantas industriais, principalmente aquelas de grande porte, são eventos marcantes em uma unidade industrial. O TPM, ou Manutenção Produtiva Total, tem como objetivo aumentar consideravelmente a produtividade e, ao mesmo tempo, a moral dos Colaboradores e sua satisfação no trabalho, pois coloca ênfase na manutenção como parte vital dos negócios, porque é considerada como atividade com fins lucrativos. Xavier (2009:180) ressalta que planejamento da manutenção executa as seguintes atividades: a) Detalhamento dos serviços: nesta fase são definidas as principais tarefas, os recursos necessários e o tempo de execução; b) Micro detalhamento dos serviços: nesta fase são incluídas ferramentas e máquinas de elevação ou carga que podem se constituir em gargalos ou caminhos críticos na cadeia de programação: c) Orçamento dos Serviços: nesta fase se definem os custos dos recursos humanos, hora/máquina e de materiais para a execução do serviço; d) Facilitação dos serviços: consiste na análise prévia dos orçamentos e aprovação dos custos do serviço a ser executado. Garante o suporte, durante as fases de planejamento tais como: preparação, execução e desmobilização das paradas de manutenção. Com esse proposito a possibilidade dos serviços associado ao planejamento organizado faz previsão das ações no tempo requerido; otimização do escopo de pré-parada, parada e pós-parada; prevenindo o controle eficiente da execução; para elevar a produtividade dos serviços e garantia do controle de qualidade. Para obtenção de um bom resultado da parada faz-se necessário elevar a integração das equipes bem como elevar o índice de previsibilidade dos serviços associado a um planejamento organizado realizando ações no tempo requerido, evidenciando a otimização do escopo dos diferentes momentos definidos como: pré-parada, parada e pós-parada. Gerando assim, o controle eficiente da execução, com promoção de elevada produtividade dos serviços, busca assegurar a garantia do controle de qualidade em favor dos serviços durante a parada. Cavalieri (2008:48-49) cita uma variedade de denominações para classificar a atuação da manutenção, porém as práticas básicas definem os tipos principais de manutenção, conforme os conceitos abaixo:

9 a) Manutenção corretiva: Melhora equipamentos e seus componentes, de forma que a manutenção preventiva possa ser executada de forma confiável. Equipamentos com problemas de projeto devem ser planejadas para melhorar a confiabilidade ou melhorar sua manutenção b) Manutenção corretiva planejada é a correção do desempenho menor que o esperado ou da falha, por decisão gerencial, isto é, pela atuação em função do acompanhamento da manutenção preditiva ou pela decisão de operar até a quebra da máquina. A decisão da adoção da política de manutenção corretiva planejada pode advir de vários fatores, tais como: negociação de paradas de produção, aspectos ligados à segurança dos funcionários, melhores planejamentos dos serviços, garantia de ferramentais e peças. c) Manutenção preventiva é a atuação realizada de forma a reduzir ou evitar a falha ou quebra no desempenho, obedecendo a um plano previamente elaborado, baseado em intervalos definidos de tempo, ou seja, o setor de Planejamento elabora planos de manutenção baseados nos tempos dos equipamentos definidos pelos fabricantes; com isto consegue antecipar as falhas que possam vir a ocorrer nos equipamentos. Assim, este tipo de manutenção caracteriza-se pela busca sistemática e obstinada para evitar a ocorrência de falhas, procurando prevenir, mantendo um controle contínuo sobre os equipamentos, efetuando operações julgadas convenientes. d) Manutenção preditiva: trata-se de um método no qual a vida útil de peças importantes é prevista com base em inspeção ou diagnóstico, a fim de usar as peças até o limite de sua vida útil. Comparada à manutenção periódica, a manutenção preditiva é uma manutenção baseada em condição Assim, baseia se no acompanhamento das inspeções. Para adoção da política de manutenção preditiva devem-se levar em consideração fatores, tais como: segurança, custos e disponibilidade dos equipamentos. e) Manutenção detectiva é a atuação efetuada em sistemas de proteção buscando detectar falhas ocultas ou não perceptíveis ao pessoal de operação e manutenção, esta forma de manutenção caracteriza-se por detectar correção das falhas, mantendo o sistema operando. Sua importância cresce a cada dia, em virtude da maior automação das plantas e utilização de microprocessadores. f) Engenharia de manutenção é deixar de ficar consertando continuadamente, para procurar as causas básicas, modificar situações permanentes de mau desempenho, deixar de conviver com problemas crônicos, melhorar padrões e sistemáticas, desenvolver a manutenibilidade, interferir tecnicamente nas compras. A engenharia de manutenção caracteriza-se pela utilização de dados para análise, estudos e melhorias nos padrões de operações e manutenção dos equipamentos, por meio de técnicas modernas, vencendo assim um obstáculo na cultura sedimentada das pessoas. Conforme Kardec cita no Documento Nacional ABRAMAN (2005), os recursos de manutenção são distribuídos da seguinte forma: - 31,8% em manutenção corretiva; - 38,3 % em manutenção preventiva; - 16,2 % em manutenção preditiva; - 13,5 % em manutenções de outros tipos (melhorias, detectiva) O PMBOK define três processos associados ao Gerenciamento da Qualidade, e estes incluem todas as atividades da organização executora que determinam as responsabilidades, os objetivos e as políticas de qualidade, de modo que o projeto atenda às necessidades que motivaram sua realização,. São eles: - Planejamento da qualidade identificação dos padrões de qualidade relevantes para o projeto e determinação de como satisfazê-los. Determinar qual vai ser a qualidade do projeto e como será medida. Ocorre durante o Planejamento.

10 - Realizar a garantia da qualidade aplicação das atividades de qualidade planejadas e sistemáticas para garantir que o projeto emprega todos os processos necessários para atender aos requisitos. Determinar se suas medidas de qualidade ainda são apropriadas. Ocorre durante a execução - Realizar o controle da qualidade monitoramento de resultados específicos do projeto a fim de determinar se eles estão de acordo com os padrões relevantes de qualidade e identificação de maneiras de eliminar as causas de um desempenho insatisfatório. Efetuar a medição e comparar com o Plano de Gerenciamento de Qualidade. O gerente de projetos deve ter a capacidade de coordenar a equipe a todo tempo, mesmo não sendo possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo, até mesmo porque seria humanamente impossível, mas ele tem que manter presença e contato com o time ao longo do projeto atento a tudo o que ocorre, sendo capaz de ser informado e informar as decisões que afetam os envolvidos no projeto. O gerente de projeto é a junção, o ponto de ligação que mantém todos os elementos do projeto integrados. Sem essa integração, todo o andamento do projeto fica comprometido. Um grande número de boas ideias as quais podem ser perdidas em função da dificuldade de administrar relacionamentos. 3.2 Estabilidade de escopo Segundo o PMI (PMBOK), a definição e o gerenciamento do escopo do projeto influencia o sucesso total do projeto. Cada projeto exige um balanceamento cuidadoso de ferramentas, fontes de dados, metodologias, processos e procedimentos, e de outros fatores, para garantir que o esforço gasto nas atividades de determinação do escopo esteja de acordo com o tamanho, complexidade e importância do projeto. O adequado gerenciamento do escopo minimiza mudanças quando as mesmas são necessárias ou inevitáveis, mitigando os seus efeitos negativos afetam o desempenho de uma parada de manutenção. Ainda segundo o PMBOK (2000) o controle do escopo do projeto trata de influenciar os fatores que criam mudanças no escopo do projeto e de controlar o impacto dessas mudanças, bem como garante que todas as mudanças solicitadas e ações corretivas recomendadas sejam processadas por meio do processo de controle integrado de mudanças do projeto. O controle do escopo do projeto também é usado para gerenciar as mudanças no momento em que efetivamente ocorrem e é integrado a outros processos de controle. Conforme explica SOUZA (2000:69), o trabalho de manutenção em paradas é significativamente diferenciado do trabalho de manutenção permanente ou realizado em condições normais. Trata-se de um trabalho concentrado, levado a cabo por um elevado contingente de trabalhadores de diferentes empresas terceirizadas, contratado para a realização de atividades específicas durante um período de tempo previamente delimitado. Este mesmo autor acrescenta que um dos principais fatores está no grande número de operações simultâneas que ocorrem em um espaço físico reduzido, o que propicia a exposição dos trabalhadores aos riscos e agentes relacionados às diversas outras atividades realizadas à sua volta, além daqueles referentes à sua própria. Portanto, é importante avaliar como esta grande concentração de serviços e o desempenho de segurança, definindo as medidas preventivas as quais podem ser tomadas para que se estabeleçam padrões aceitáveis de segurança. Em relação ao planejamento de riscos, é importante salientar que para a redução do risco faz se necessário aplicar planos de inspeção diferenciados para cada equipamento. Verifica-se também que a efetividade destes planos pode aumentar com um levantamento mais preciso dos riscos individuais dos equipamentos, criando inclusive padronizações para esta atividade. Com isto

11 procura-se intensificar os gastos com manutenção onde o risco é alto, e diminuí-los onde o risco é baixo. O intuito do gerenciamento do cumprimento dos objetivos é garantir a qualidade evitando riscos e aumentando a confiabilidade dos serviços em todos segmentos. A norma NBR ISO 9001:2000 para os sistemas de gestão da qualidade sugere a aplicação da metodologia PDCA para todos os processos. Segundo a International Organization for Standardization (ISO), esta metodologia pode ser descrita como: a) Plan (planejar): estabelecer os objetivos e processos necessários para fornecer resultados de acordo com os requisitos do cliente e políticas da organização. b) Do (fazer): programar os processos. c) Check (verificar): monitorar e medir processos e produtos em relação às políticas, aos objetivos e aos requisitos para o produto e relatar os resultados. d) Act (agir): executar ações para promover continuamente a melhoria contínua do desempenho do processo. O ciclo PDCA é um método gerencial para a promoção da melhoria contínua e reflete, em suas quatro fases, a base da filosofia do melhoramento contínuo, praticando-as de forma ininterrupta, acaba-se por promover a melhoria continua o que favorece a qualidade dos serviços prestados à empresa em prol de uma organização em que o sucesso a política empresarial é definida em torno da qualidade em todos aspectos. 4. Conclusão A parada de manutenção é um evento crítico, e a sua operacionalização deve ser composta por diversas atividades: de natureza operacional, que vai permitir a liberação e execução dos serviços propostos de engenharia para execução dos novos projetos; atividades de manutenção realizadas por mão-de-obra especializada em mecânica, elétrica, instrumentação, ou serviços complementares. Assim, a parada programada na empresa torna se uma ferramenta necessária para a obtenção da possibilidade de sucesso na execução dos trabalhos desenvolvidos com foco no bom desenvolvimento empresarial, o qual estabelece uma assistência de alta performance focada basicamente em segurança das pessoas,na lucratividade, entre outros fatores economicos tais como : custo competitivo, confiabilidade e sucesso da empresa.um bom gerenciamento de projeto executado, influencia diretamente na produçao dos custos de execução e no prazo de entrega, seja na diminuição dos riscos existentes ou no aumento da confiabilidade dos serviços prestados. Faz se necessario refletir que as empresas progridem em função de suas respectivas habilidades em promover mudanças, avanços e melhorias. Pois a sobrevivência e prosperidade da empresa dependem da qualidade da condução dos seus projetos. Mais do que isso, o sucesso no mundo dos negócios depende de profissionais fortemente qualificados na condução destes projetos, para aumentar a probabilidade de se produzir bons resultados. O projeto de manutenção para ser bem sucedido, tem comno ponto importante à conscientização dos profissionais envolvidos. Eles são as principais ferramentas para o sucesso de um projeto como esse. Faz se necessário que o funcionário entenda seu papel na organização e no projeto, que a sua colaboração trará benefícios não só para a empresa, mas também para si próprio, que o conhecimento que ele obterá no decorrer do processo poderá lhe trazer vantagens no futuro. Outro fator significativo é realizar a avaliação regular do desempenho do projeto para que possa gerar confiança no sucesso e alcançar os padrões esperados de qualidade observando e fazendo a monitoração dos resultados

12 Referências BRANCO FILHO, Gil. A organização, o Planejamento e o Controle da Manutenção. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, CAVALIERI, Adriane. Como se tornar um profissional em Gerenciamento de Projetos: livrobase de Preparação para Certificação PMP Project Management. 2. ed. Rio de Janeiro: Qualitymark, CHAVES, L. E., et al. Gerenciamento da comunicação em projetos. Rio de Janeiro, FGV, JONES, Ary Marques. Marketing de Serviços de Engenharia. LTC, KARDEC, ALAN; LAFRAIA, JOÃO R. Gestão estratégica e técnicas preditivas. Rio de Janeiro, RJ: Qualitymark: ABRAMAN, KEELING, Ralph. Gestão de Projetos. Uma abordagem global. São Paulo, LIMMER, C. Planejamento, orçamento e controle de projetos e obras. Rio de Janeiro: LTC NBR ISO 9001:2000. Sistema de Gestão da Qualidade Requisitos. Rio de Janeiro: ABNT, 2000.ia, 2005 NETTO, Ceciliano Barcellos. MBA em Gerenciamento de Projetos: Parada de Usina. Vitória, 2005 PINTO, A. K.; Manutenção: função estratégica. Rio de Janeiro: Qualitymark, PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE, Pmbok SOUZA, C. A. V. de. Análise de acidentes de trabalho em indústrias de process contínuo. São Paulo: Saraiva 2000 THEOBALD, R.; Lima, G. B. A. A excelência em gestão de SMS: uma abordagem orientada para os fatores humanos. Revista Eletrônica Sistemas & Gestão, Niterói, RJ, v. 2, n.1, p.50-64, 2006 VENDRAME, M. A. Gerenciamento de paradas programadas de plantas industriais. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, XAVIER, Carlos Magno da Silva. Gerenciamento de projetos: como definir e controlar o escopo do projeto. 2 ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

UNESA Sistemas de Transportes Currículo 108 / 2008 MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS

UNESA Sistemas de Transportes Currículo 108 / 2008 MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS 1 INTRODUÇÃO MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS O homem constrói máquinas, equipamentos, veículos, edificações, com o intuito de melhorar conforto e a segurança da sociedade. Entretanto, sabe-se que nada é

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial 46 Capítulo V Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* A busca incessante do lucro pelas empresas, focada relegando-a a uma posição secundária ou a ser vista

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: As Atividades de Manutenção devem ser pensadas estrategicamente de maneira a contribui para resultado da empresa rumo a Excelência

Leia mais

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA NICOLAS MACIEL SOARES WANDERLEY ANTONIO FAUSTINO JUNIOR AUDITORIA

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

O CICLO PDCA COMO FERRAMENTA PARA ALCANÇAR A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO

O CICLO PDCA COMO FERRAMENTA PARA ALCANÇAR A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO O CICLO PDCA COMO FERRAMENTA PARA ALCANÇAR A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO Sérgio Ribeiro e Silva Jailson Teixeira Medeiros Regional de Transmissão do Maranhão OMA Divisão de Transmissão

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Monitoramento Online de Máquinas e Equipamentos www.preditivaonline.com.br marceloterra@preditivaonline.com.br Tel. 15-997741518

Monitoramento Online de Máquinas e Equipamentos www.preditivaonline.com.br marceloterra@preditivaonline.com.br Tel. 15-997741518 Principais Conceitos Definição de manutenção : ato ou efeito de manter; cuidar de algum objeto ou bem. Conservação. Podemos entender manutenção como o conjunto de tratativas e cuidados técnicos, indispensáveis

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO Por que a HEAVYLOAD? Possibilidade garantida de contratar um único fornecedor com foco em: Gerenciamento dos Ativos; Desenvolvimento e implementação de novas tecnologias; Centro de Treinamento Próprio

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Manutenção preventiva

Manutenção preventiva A UU L AL A Manutenção preventiva Consideremos o motor de um automóvel. De tempos em tempos o usuário deverá trocar o óleo do cárter. Não realizando essa operação periódica, estaria correndo o risco de

Leia mais

TPM Planejamento, organização, administração

TPM Planejamento, organização, administração TPM Planejamento, organização, administração A UU L AL A Durante muito tempo as indústrias funcionaram com o sistema de manutenção corretiva. Com isso, ocorriam desperdícios, retrabalhos, perda de tempo

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE 1 PMI- Project Management Institute Fundado nos Estudos Unidos em 1969; Instituto sem fins lucrativos, dedicado ao

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Informações sobre a disciplina: Professor: Eng. Carlos Bernardo Gouvêa Pereira Site: www.carlosbernardo.com Email: prof_carlospereira@camporeal.edu.br

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W.

GESTÃO DE PROJETOS. Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem. O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W. GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Francisco César Vendrame "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." W. Shakespeare O que é um projeto? Projeto é um empreendimento não repetitivo (único), caracterizado

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE PLANEJAMENTO E CONTROLE COMPETÊNCIAS Conhecer os conceitos de manutenção corretiva, preventiva e preditiva; Elaborar planejamento, programação e controle de manutenção; Empregar o tipo de manutenção adequada,

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Objetivo dessa aula é mostrar a importância em utilizar uma metodologia de implantação de sistemas baseada nas melhores práticas de mercado

Leia mais

Os principais equipamentos utilizados nas empresas de beneficiamento de mármore e granito, suas funções e importância no processo.

Os principais equipamentos utilizados nas empresas de beneficiamento de mármore e granito, suas funções e importância no processo. Os principais equipamentos utilizados nas empresas de beneficiamento de mármore e granito, suas funções e importância no processo. Armando Marques (UTFPR / CEFET-ES) amarques@cefetes.br Rui Francisco Martins

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Gestão Laboratorial GESTÃO DE. Prof. Archangelo P. Fernandes

Gestão Laboratorial GESTÃO DE. Prof. Archangelo P. Fernandes Gestão Laboratorial GESTÃO DE EQUIPAMENTOS II Prof. Archangelo P. Fernandes GESTÃO DE EQUIPAMENTOS II Manutenção: conjunto de medidas necessárias, que permitam manter ou restabelecer um sistema no estado

Leia mais

A APLICAÇÃO DA GESTÃO DE MUDANÇAS DE ESCOPO E A SUA INFLUÊNCIA NAS RELAÇÕES GERENCIAIS. Marcelo Pereira da Conceição

A APLICAÇÃO DA GESTÃO DE MUDANÇAS DE ESCOPO E A SUA INFLUÊNCIA NAS RELAÇÕES GERENCIAIS. Marcelo Pereira da Conceição A APLICAÇÃO DA GESTÃO DE MUDANÇAS DE ESCOPO E A SUA INFLUÊNCIA NAS RELAÇÕES GERENCIAIS Marcelo Pereira da Conceição Resumo Respostas rápidas as mudanças pode ser uma ação de sobrevivência, este fato leva

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

ATIVIDADES DE SUPORTE FATOR DETERMINANTE PARA O SUCESSO NAS PARADAS DE MANUTENÇÃO

ATIVIDADES DE SUPORTE FATOR DETERMINANTE PARA O SUCESSO NAS PARADAS DE MANUTENÇÃO H. G. Costa / Organização & Estratégia 1 (2006) 1-30 2 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN 1984-9354 ATIVIDADES DE SUPORTE FATOR DETERMINANTE PARA O SUCESSO NAS PARADAS DE MANUTENÇÃO Candido Luis Queiroz da

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Gestão da Qualidade em manutenção

Gestão da Qualidade em manutenção 1 Gestão da Qualidade em manutenção Leonardo França de Araújo leofranca13@yahoo.com.br MBA Gestão de Projetos em Engenharia e Arquitetura Instituto de Pós-Graduação - IPOG Brasília, DF, 14/03/2015 Resumo

Leia mais

INDICADOR DA QUALIDADE DO PROCESSO PARADA PROGRAMADA

INDICADOR DA QUALIDADE DO PROCESSO PARADA PROGRAMADA INDICADOR DA QUALIDADE DO PROCESSO PARADA PROGRAMADA Santos, Julio Cezar Jeronimo (1) Melo, Welerson dos Reis Amaral (2) RESUMO Este trabalho fornece informações genéricas sobre o conceito de paradas programadas,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE ALESSANDRA TEDORO BARBARA LIMA GABRIELA SPOLAVORI LEANDRO MARTINIANO MARCUS LOURENÇO RICARDO

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE ALESSANDRA TEDORO BARBARA LIMA GABRIELA SPOLAVORI LEANDRO MARTINIANO MARCUS LOURENÇO RICARDO SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE ALESSANDRA TEDORO BARBARA LIMA GABRIELA SPOLAVORI LEANDRO MARTINIANO MARCUS LOURENÇO RICARDO HISTÓRICO 1990 Mudanças no Pais e no Setor da Construção Civil - Abertura do

Leia mais

Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo

Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo A metáfora bala de prata se aplica a qualquer ação que terá uma extrema

Leia mais

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES.

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. Evandro de Paula Faria, Claudia Cristina de Andrade, Elvis Magno da Silva RESUMO O cenário competitivo exige melhoria contínua

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva

Carlos Henrique Santos da Silva GOVERNANÇA DE TI Carlos Henrique Santos da Silva Mestre em Informática em Sistemas de Informação UFRJ/IM Certificado em Project Management Professional (PMP) PMI Certificado em IT Services Management ITIL

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC ANEXO IV A Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC Diante desta nova regulamentação no setor de Transmissão de Energia Elétrica, os agentes de transmissão devem buscar estratégias para evitar as penalizações

Leia mais

Capítulo II. Considerações sobre manutenção Aspectos relacionados à manutenção de equipamentos e de instalações. Manutenção de transformadores

Capítulo II. Considerações sobre manutenção Aspectos relacionados à manutenção de equipamentos e de instalações. Manutenção de transformadores 46 Capítulo II Considerações sobre manutenção Aspectos relacionados à manutenção de equipamentos e de instalações Por Marcelo Paulino* No estabelecimento de um sistema de manutenção para um determinado

Leia mais

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA Prof. Ms. Sidney E. Santana 1. Identificando os custos da qualidade Controlar a origem das receitas, produto da venda de

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA PARA GERENCIAMENTO DA EXECUÇÃO DE PROJETOS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO BASEADO NOS PARÂMETROS DA METODOLOGIA PMI

DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA PARA GERENCIAMENTO DA EXECUÇÃO DE PROJETOS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO BASEADO NOS PARÂMETROS DA METODOLOGIA PMI UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/AUTOMAÇÃO HENRY MEINELECKI BUENO BARBOSA LUCAS PEVIDOR DE CARVALHO CAVALLARI MURILO

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis MBA em Gestão de Projetos Gerenciamento de Projetos Prática essencial para gerar negócios sustentáveis Prof: Ângelo Braga, PMP, MBA angelo.braga@fgv.br eu@angelobraga.com.br 2/154 Contatos Prof. Ângelo

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO MODELO INTEGRADO DE GESTÃO - UM ESTUDO DE CASO

APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO MODELO INTEGRADO DE GESTÃO - UM ESTUDO DE CASO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Os atalhos para a implantação da TPM Haroldo Ribeiro

Os atalhos para a implantação da TPM Haroldo Ribeiro Os atalhos para a implantação da TPM Haroldo Ribeiro Embora no Japão e Estados Unidos exista uma adesão vertiginosa por parte das indústrias para a Manutenção Produtiva Total (TPM), no resto do mundo são

Leia mais

Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br

Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br abraman Congresso de Manutenção - 2001 EFEITOS DA TERCEIRIZAÇÃO SOBRE A MANUTENÇÃO Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br Terceirização é a transferência para terceiros de atividades que

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GESTÃO DE PROJETOS: UM ESTUDO DE CASO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE UM SOFTWARE PMIS Área de conhecimento

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE - UMA PROPOSTA DE INSTRUMENTALIZAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE - UMA PROPOSTA DE INSTRUMENTALIZAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE - UMA PROPOSTA DE INSTRUMENTALIZAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS Maíra Cecília Lewin (LATEC/UFF) Resumo Em uma organização certificada e projetizada,

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil 9000 8000 8690 7000 6000 5000 4000 3000 4709 3948 2000 1000 29 4 0 Indústria Comércio e Serviços Agropecuária Código Nace Inválido TOTAL Fonte: Comitê

Leia mais

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001 Capítulo 8 Gerenciamento da Qualidade do Projeto O Gerenciamento da Qualidade do Projeto inclui os processos necessários para garantir que o projeto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi

Leia mais

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Coordenadoria de Manutenção Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Sumário 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FUNCIONAL 3 3. ORGANOGRAMA: 3 4. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO

GESTÃO DA MANUTENÇÃO GESTÃO DA MANUTENÇÃO EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO Mudanças sofridas nos últimos 20 anos Nas Organizações Aumento e diversificação das instalações e equipamentos; projetos mais complexos; surgimento de novas

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA ESTUDO DE CASO

DESENVOLVIMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA ESTUDO DE CASO ESCOLA FEDERAL DE ENGENHARIA DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA ESTUDO

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora Texto Introdutório Questão 1 MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DE EQUIPAMENTOS Shélica Colonhezi Castro. Biomédica do Hospital São Paulo Unifesp e Pós-Graduada em Gestão em Saúde. A manutenção

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009.

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. Introdução Segundo as informações disponíveis no site do

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO: UM ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA MANUTENÇÃO PREDITIVA NA DISPONIBILIDADE DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS EM PROCESSOS DE FABRICAÇÃO

GESTÃO DA MANUTENÇÃO: UM ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA MANUTENÇÃO PREDITIVA NA DISPONIBILIDADE DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS EM PROCESSOS DE FABRICAÇÃO GESTÃO DA MANUTENÇÃO: UM ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA MANUTENÇÃO PREDITIVA NA DISPONIBILIDADE DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS EM PROCESSOS DE FABRICAÇÃO Michele Costa Ramos (1) (micheleramosc@gmail.com) RESUMO:

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada com os participantes do de APRESENTAÇÃO O perfil do profissional de projetos Pesquisa realizada durante o 16 Seminário Nacional de, ocorrido em Belo Horizonte em Junho de, apresenta

Leia mais

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1)

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1) EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1) Wilson Roberto Nassar (2) Siméia Mendes do Amparo Dias (3) RESUMO A eliminação das lacunas na gestão da manutenção, com base na metodologia TPM, possibilita

Leia mais

Alinhando ABNT-NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 para a Administração Pública -USP

Alinhando ABNT-NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 para a Administração Pública -USP Alinhando ABNT-NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 para a Administração Pública -USP César Augusto Asciutti Agência USP de Inovação, São Paulo (SP), 3091-2933, asciutti@usp.br Resumo Este artigo apresenta uma breve

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

A MANUTENÇÃO CENTRADA NA CONFIABILIDADE UMA PRÁTICA CONTEMPORÂNEA

A MANUTENÇÃO CENTRADA NA CONFIABILIDADE UMA PRÁTICA CONTEMPORÂNEA A MANUTENÇÃO CENTRADA NA CONFIABILIDADE UMA PRÁTICA CONTEMPORÂNEA MARCELO JOSÉ SIMONETTI 1 ; ANDERSON LUIZ DE SOUZA 2 ; CLAUDIO ROBERTO LEANDRO 3, ALDIE TRABACHINI 4 ; SANDRA MAUREN ELL 5 ; 1 Professor,

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

A Gestão da Qualidade e sua Importância em Projetos

A Gestão da Qualidade e sua Importância em Projetos IETEC Instituto de Educação Tecnológica A Gestão da Qualidade e sua Importância em Projetos Christiane Carraro Poubel Belo Horizonte, fevereiro de 2007. A Gestão da Qualidade e sua Importância em Projetos

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas ECONOMISTA - RIVAS ARGOLO 2426/D 62 9905-6112 RIVAS_ARGOLO@YAHOO.COM.BR Objetivo deste mini curso : Mostrar os benefícios do gerenciamento de projetos

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Karla Pires de Souza (FPM ) karlapsouza@hotmail.com Angelita Moutin Segoria Gasparotto (FPM ) angelita@usp.br A atividade de teste de

Leia mais

CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software. Conceitos de Qualidade. CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA

CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software. Conceitos de Qualidade. CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA 2º SEMESTRE 2002 CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software Prof. Dr. Adilson Marques da Cunha Conceitos de Qualidade CES-32 / CE-230

Leia mais

Com a globalização da economia, a busca da

Com a globalização da economia, a busca da A U A UL LA Introdução à manutenção Com a globalização da economia, a busca da qualidade total em serviços, produtos e gerenciamento ambiental passou a ser a meta de todas as empresas. O que a manutenção

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Projetos

Manual de Gerenciamento de Projetos TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ESCRITÓRIO DE PROJETOS ESTRATÉGICOS (EPE) Manual de Gerenciamento de Projetos SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Anexo da Portaria

Leia mais