A definição das partes interessadas (stakeholders) e o gerenciamento da comunicação em projetos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A definição das partes interessadas (stakeholders) e o gerenciamento da comunicação em projetos"

Transcrição

1 A definição das partes interessadas (stakeholders) e o gerenciamento da comunicação em projetos Nelson Junqueira Neto - MBA Gestão de Projetos em Engenharias e Arquitetura Instituto de Pós-Graduação e Graduação IPOG Goiânia, 13 de maio de 2013 Resumo A definição das partes interessadas e o gerenciamento da comunicação em projetos são ações diretamente relacionadas com o sucesso do projeto, pois é comprovado que um gerente de projetos passa a maior parte de seu tempo se comunicando. As ocorrências de conflitos e/ou crises provocadas por um registro equivocado das partes interessadas (stakeholders) resultam em atraso de cronogramas, aumento de custos e mudanças indesejáveis no projeto, tornando a abordagem deste tema crucial para o esperado sucesso do projeto. A provável hipótese para esses fracassos relacionados à área de comunicação em projetos podem estar relacionados com o que usualmente é observado na maioria dos projetos: um plano de gerenciamento da comunicação incompleto ou até muitas vezes inexistente. O objetivo deste estudo está em direcionar os diversos gerentes de projeto em uma eficaz identificação e classificação das partes interessadas (stakeholders) mitigando assim os possíveis fracassos decorrentes de uma falha de comunicação ou mesmo pela não identificação de algum grupo primordial para o sucesso do projeto. Para o estudo e detalhamento proposto, foi realizada uma pesquisa bibliográfica, comparando as diversas teorias encontradas e procurando extrair as melhores práticas que resultem em um confiável registro das partes interessadas. O resultado desta pesquisa originou um modelo eficaz e confiável para que o processo de identificação das partes interessadas de um projeto possa ser realizado por qualquer gerente de projeto que esteja comprometido com o sucesso de seu trabalho. Palavras-chave: Partes Interessadas. Stakeholders. Gestão da Comunicação, Gestão de Projetos 1. Introdução O processo identificação das partes interessadas (stakeholders) é de grande importância para o projeto, sendo seu registro e sua classificação os documentos resultantes deste processo e que darão ao gerente de projetos as condições para realização de um gerenciamento da comunicação em concordância com as boas práticas propostas pelo PMBOK. A identificação das partes interessadas (stakeholders) faz parte do grupo de processos de iniciação da área de conhecimento Gerenciamento das Comunicações, conforme a classificação realizada pelo PMBOK Project Management Body of Knowledge. Ainda, de acordo com o PMBOK, as principais entradas e saídas do processo identificar as partes

2 interessadas são: ENTRADAS FERRAMENTAS E TECNICAS SAIDAS - Analise das partes interessadas; - Opinião especializada. - Termo de abertura do projeto; - Documentos de aquisição; - Fatores ambientais da empresa; - Ativos de processos organizacionais. - Registro das partes interessadas; - Estratégia para gerenciamento partes interessadas. Figura 1 - Identificar as partes interessadas: entradas, ferramentas e técnicas, e saídas Fonte: Adaptado do PMBOK (2008) O tema objeto de estudo deste trabalho me chamou a atenção, pois é notório que muitos dos problemas enfrentados pelos gerentes de projetos nos dias de hoje poderiam ser mitigados ou mesmo evitados a partir de uma identificação prévia do público de interesse e da elaboração de um plano de ação sustentado em um registro das partes interessadas confiável. Foi notado que a ausência de uma metodologia para identificação das partes interessadas (stakeholdres) muitas vezes dificultou a elaboração do registro das mesmas de forma confiável, tornando o plano de gerenciamento da comunicação ineficaz no seu propósito de promover a apuração, armazenamento, recuperação e destinação final das informações. Portanto, o objetivo desta pesquisa será o de descrever, através da pesquisa das diversas propostas encontradas nos estudos, uma metodologia para que a prévia identificação das partes interessadas seja realizada com o intuito de municiar o gerente de projetos com um documento atualizado e confiável. Uma das razões para que a identificação das partes interessadas seja realizada muitas vezes de forma equivocada pode estar relacionado a fatores ambientais da empresa como o de não dar a devida importância a este processo. Outra razão para os fracassos que ocorrem no gerenciamento das comunicações em projetos é a ausência de atualização/reavaliação das partes interessadas (stakeholders) durante a execução do mesmo, o que torna o projeto frágil em relação a novos grupos que podem se tornar partes interessadas após o início do projeto. Para o desenvolvimento do presente artigo, vamos compreender os conceitos de comunicação e de partes interessadas (stakeholders) de um projeto Comunicação: De acordo com Matos (2009: XXVII), a palavra comunicação é originária do latim communicare, que significa tornar comum, partilhar, repartir, associar, trocar opiniões, conferenciar. Por outro lado, para Cunha (2009: 12) a comunicação é praticada pelo ser humano para interagir com seres humanos ou com os animais e é basicamente a capacidade de se fazer entender pela outra parte. Para ajudar no entendimento do conceito de comunicação, vamos acompanhar a observação realizada por Bordenare (1994: 20): Na comunicação há sempre uma intenção básica: como fonte codificadora, certamente o emissor espera que o receptor selecione sua mensagem, a compreenda, a aceite e, finalmente, a aplique. Por sua vez, o receptor ao decodificar a mensagem também tem uma intenção das

3 básica. Ele deseja selecionar o que é importante para ele. Dessa forma, vai direcionar a sua compreensão e avaliação, para depois decidir se aceita ou não o conteúdo transmitido, e aplicar o que achar válido na mensagem. (BORDENAVE, 1994: 20) Portanto, conforme o que foi pesquisado, podemos afirmar que a comunicação é de essencial importância para a troca de informações entre as pessoas. Os autores listados e suas referências confirmam a complexidade deste processo que deve ser feito com planejamento e cuidado. É importante usarmos o recurso do feedback para assegurarmos e confirmarmos que a informação transmitida pelo codificador seja corretamente entendida pelo decodificador da mensagem. Sendo assim, Cunha (2009:12) ainda afirma que num ambiente de projetos, a comunicação clara, essencial, organizada e padronizada é fundamental para garantir o sucesso do projeto, evidenciando que a gestão da comunicação em projetos deve ser bem planejada e pensada para que a distribuição da informação seja realizada de acordo com as necessidades das partes interessadas (stakeholders). Temos ainda que considerarmos que para se comunicar, podemos fazê-lo de duas formas: por meio da comunicação verbal ou por meio da comunicação não verbal. A comunicação não verbal engloba as formas de comunicação que não faz uso das palavras. É, portanto, a maneira como o corpo, o tom de voz, a cor da pele, o tamanho da abertura da íris e todos os fatores que podemos perceber, não por meio de palavras, que são passadas pelo transmissor da mensagem Cunha (2009: 18). A comunicação verbal engloba diretamente o uso de palavras e frases. Essa é a forma de comunicação mais usual, pois o gerente de projetos está a todo o momento precisando se comunicar com as diversas partes interessadas (stakeholders) do projeto. Outro fator importante na comunicação é a maneira como a informação é transmitida. Ela pode ser transmitida através da fala (forma mais primitiva), da escrita, ou com o auxílio da tecnologia, fazendo o uso de telefones, s, internet e etc Partes interessadas (stakeholders): Os projetos podem influenciar e serem influenciados por pessoas ou grupos que fazem parte do ambiente em que estão sendo desenvolvidos. Então, é grande importância que os gerentes de projetos em entendam todas as interações, influências e também em como se comunicar com estes diferentes grupos, conhecidos no meio como partes interessadas (stakeholders) do projeto. O termo partes interessadas se refere diretamente à palavra de origem inglesa stakeholder onde stake significa estaca e holder significa detentor, sendo que sua simples tradução literal para o português seria "quem segura uma estaca". Normalmente este termo inglês quem segura uma estaca é usado para referenciar as pessoas que tomam as decisões. Para o melhor entendimento no português, decidiu-se usar o termo partes interessadas como sinônimo de stakeholder. A primeira abordagem das partes interessadas (stakeholders) ocorreu por volta do ano de 1933, segundo Preston (1990), apesar de ainda não existir o termo como ele é hoje conhecido. Naquela época, a General Eletric Company realizou a identificação de suas partes interessadas com sendo os acionistas, clientes, público e empregados.

4 Já Freeman (1984) considera que o princípio da abordagem das partes interessadas ocorreu em 1963, através da SRI International, que listou suas principais partes interessadas. Na visão do PMBOK 4ª EDIÇÃO (2008), partes interessadas (stakeholders) de um projeto são pessoas e organizações, tais como clientes, patrocinadores, a organização executora e o público, que estão ativamente envolvidas no projeto ou cujos interesses podem ser positiva ou negativamente afetados pela execução ou pelo término do projeto. Por outro lado, para Gerardi (2000:75), a definição de partes interessadas (stakeholder) é considerada como qualquer pessoa ou organização que está ativamente envolvida em um projeto, ou aqueles que seus interesses podem ser afetados positiva ou negativamente pela execução do mesmo. Já Freeman (1984) afirma que as partes interessadas são qualquer grupo ou indivíduo que pode afetar ou ser afetado pelo sucesso dos objetivos de uma organização. Em outro momento, Freeman (2004) já define as partes interessadas como aqueles grupos que são vitais para sobrevivência e sucesso das organizações. É importante lembrar que Freeman é considerado o pai da definição de stakeholdres pela literatura especializada da área. Portanto, podemos avaliar que as três primeiras definições de partes interessadas apresentadas pelos autores pesquisados mostram que há uma convergência no entendimento do termo, sendo este entendimento o mais aceito pelos diversos círculos acadêmicos. Quando os autores usam o termo afetados ou serem afetados eles acabam por incluir indivíduos externos às organizações e grupos que se consideram partes interessadas mesmo a organização não os considerando como tal. Assim temos este conceito como sendo o mais amplo e equilibrado dentre os existentes atualmente. Já a definição de Freeman (2004) é orientada para uma visão organizacional das partes interessadas, sendo mais adequada a avaliações internas das organizações. Por isso, esta definição não é muito empregada nos trabalhos realizados para elaboração do plano de gerenciamento das comunicações. Tendo o conceito de partes interessadas claro em nosso trabalho, poderemos agora discorrer sobre a importância de sua identificação para alcançar os objetivos esperados pela execução de um projeto. É importante lembrar que a identificação das partes interessadas (stakeholders) é um processo novo do PMBOK Guide 4ª Edição, no entanto não é uma tarefa necessariamente nova no gerenciamento de projetos, pois sempre foi necessário para o sucesso do projeto. Então, nesta sua última edição, o PMBOK procurou dar a devida atenção a este processo devido a sua grande importância e também ao fato de em vários momentos ele estar sendo negligenciado, provocando resultados desastrosos na condução e gerenciamento de projetos. 2. Desenvolvimento Neste tópico irei indicar uma modelo para a identificação eficaz das partes interessadas de um projeto. As atividades aqui propostas foram frutos de pesquisa onde se observou o emprego de boas práticas no processo de identificação das partes interessadas. Procura-se assim garantir a efitividade desta identificação através de uma metodologia de levantamento e registro das partes interessadas e sua atualização na periodicidade prevista no plano de gerenciamento das comunicações. É de responsabilidade do gerente de projetos gerenciar/desenvolver uma comunicação adequada com as várias partes interessadas identificadas no projeto. Diferentes expectativas e

5 caracaterísticas devem ser avaliadas para a carreta identificacao das mesmas, buscando sempre maximizar as influências positivas e mitigar os impactos negativos, conforme mencionado pelo PMI (2009: 206). Sabendo que as partes interessadas são qualquer pessoa ou organização que está ativamente envolvida no projeto, ou seus interesses podem ser afetados negativa ou positivamente pela execução do projeto, é crítico que se identifique todas elas o quanto antes possível. Um gerente de projetos deve ter a certeza de estar identificando todas as potenciais partes interessadas para o projeto. Potenciais stakeholders incluem, mas não se limitam a: - Concorrentes; - Funcionários; - Possiveis novos funcionários; - Consumidores; - Possíveis novos consumidores; - Governo; - Entidades de classe; - Investidores; - Sindicatos trabalhistas; - Comunidade; - Acionistas; - Fornecedores. Com a intenção de facilitar o trabalho de identificação das partes interessadas (stakeholders) de um projeto, apresentarei abaixo uma lista de tarefas em que a obediência e execução de sua sequência permitirá ao gerente de projetos uma qualidade no trabalho desenvolvido: - Identificar e documentar a lista de todos as partes interessadas do projeto. Esta tarefa inclui: o Determinar quem são as partes interessadas internas; o Identificar/documentar as partes interessadas externas; o Priorizar, na lista de partes interessadas, aquelas com maior participação e importância no projeto. - Validar o registro (lista) das partes interessadas. Esta tarefa inclui: o Reuniões com as partes interessadas para determinarem interesses e necessidades específicas; o Avaliar a influência das partes interessadas (stakeholders) na organização para determinar seu posicionamento perante ao projeto. - Definir a maneira de comunicação a ser adotada com cada uma das partes interessadas identificadas. Esta tarefa inclui: o Preparar documento descrevendo qual o estilo de abordagem (tipo de comunicação) que será realizada com cada uma das partes interessadas (stakeholders); o Desenvolver um plano de comunicação preliminar registrando as necessidades das partes interessadas (stakeholders) identificadas. - Definir as responsabilidades do gerente de projetos e de todos as outras partes interessadas (stakeholders) do projeto. Esta tarefa inclui: o Definir em qual fase ou ciclo do projeto que cada uma das partes interessadas estará participando e/ou que seus interesses podem estar sendo impactados;

6 o Apresentar às partes interessadas principais (neste caso geralmente o patrocinador), o registro e a estratégia para gerenciamento das partes interessadas do projeto. O gerente de projetos deverá registrar as informações mais relevantes de cada uma das partes interessadas identificada. Essa informação pode incluir os interesses das partes interessadas, envolvimento, expectativas, importância, influência, e impacto para a execução do projeto assim como de qualquer necessidade específica de informação requerida. Mesmo que algumas partes interessadas não necessitem de nenhum tipo de informação/comunicação, e importante que estes grupos ou indivíduos estejam identificados. Segundo Gerardi (2012: 31) é através de uma identificação eficaz das partes interessadas de um projeto que os gerentes de projetos podem evitar a ocorrência de crises e estresse desnecessários e entendendo as funções e responsabilidades de todos os envolvidos Listar as potencias partes interessadas (stakeholders) do projeto: Esta tarefa consiste em garantir uma ampla identificação e listagem das potenciais partes interessadas de um projeto. Para esta tarefa temos como documentos de suporte para analisar e listar possíveis partes interessadas o Termo de Abertura do Projeto, documentos de aquisição e ativos de processos organizacionais, além de considerarmos os fatores ambientais da empresa. A opinião especializada também é importante neste momento e podem ser obtidas através de consultas ou reuniões em grupos. Geralmente se consegue listar novas potenciais partes interessadas (stakeholders) ao se entrevistar as partes interessadas já listadas anteriormente, fazendo isso sucessivamente até que todas partes estejam incluídas. Esta listagem servirá como entrada para todas as outras atividades do processo de identificação das partes interessadas (stakeholders) Matriz de representação de grau de poder/interesse: No momento da identificação das partes interessadas e classificação de seu nível de interesse e envolvimento no projeto, será importante usar algum tipo de ferramenta para auxílio nesta tarefa. Neste artigo, vou sugerir o uso do matriz de representação de grau de poder/interesse para a identificação do nível de autoridade e preocupação que a parte interessada pode exercer sobre o projeto. Abaixo segue o modelo de matriz de representação de grau de poder/interesse para utilização nesta fase do processo:

7 Figura 2 Matriz de representação de grau de poder/interesse Fonte: Inêz (2010) A matriz de representação de grau de poder/interesse é uma ferramenta que auxiliará na classificação das partes interessadas e no preenchimento do registro das partes interessadas (documento que iremos abordar posteriormente). Para o uso desta matriz, é necessário já ter realizado uma listagem das potenciais partes interessadas do projeto. Esta listagem é realizada analizando o termo de abertura do projeto, documentos de aquisição referentes ao projeto, entrevistas e através de opiniões especializadas. A Figura 2 demostra alguns exemplos de partes interessadas classificadas de acordo com seu grau de poder e interesse no projeto. Normalmente, os eixos poder e interesse são graduados de 0 até 10, sendo que notas são atribuidas às partes interessadas listadas, fazendo sua locação em um dos quatro quadrantes da matriz. Essa graduação pode variar de acordo com a vontade do gerente de projetos que está avaliando as partes interessadas. Por exemplo, as partes interessadas B, H e F possuem alto poder e alto interesse no projeto, razão pela qual estão no quadrante ʹgerenciar com atençãoʹ. Já a parte interessada A possui alto poder mas baixo interesse no projeto, por isso se encontra no quadrante ʹmanter satisfeitoʹ. Assim, sucessivamente, podemos fazer a análise das partes interessadas de acordo com o quadrante em que foram locadas.

8 2.3. Questionário de necessidades e expectativas: Para a realizar a classificação de importância e impacto de cada parte interessada no projeto, devemos também fazer o uso de uma ferramenta chamada questionário de necessidades e expectativas das partes interessadas. Este questionário focará na importância das partes interessadas para o projeto e para a organização, na influência exercida por elas, na sua participação e em suas expectativas. Segue abaixo um modelo de questionário para ser usado nesta parte do processo: PARTES INTERESSADAS NO PROJETO: QUESTIONÁRIO DE NECESSIDADES E EXPECTATIVAS Projeto: Data: Parte Interessada: Departamento: Objetivo: Quais os resultados esperados ou desejados para o projeto? Categorias de objetivos incluem: finalidade, custo, prazo, flexibilidade e efetividade. Item Expectativa Avaliação: De que forma nós poderemos avaliar se conseguimos alcançar os objetivos esperados? Impacto: Quais as mudanças você acredita que sua área deverá realizar para se adaptar às mudanças provocadas pela implementação e/ou desenvolvimento do projeto? Envolvimento: Como você enxerga o papel de sua área dentro do projeto? Colaboração: Que mudanças você acredita que sua área ou você podem implementar no projeto para que ele seja mais eficiente/adequado? Você seria o responsável por essas contribuições? Figura 3 - Questionário de necessidades e expectativas

9 Fonte: O autor (2013) Este questionário de necessidades e expectativas é altamente indicado para a identificação interesses e/ou expectativas que muitas vezes não são evidenciadas em uma conversa ou entrevista. É sabido que algumas pessoas se sentem mais avontade e seguras com a impessoabilidade que esta ferramenta proporciona. O questionário acima pode antecipar alguns sentimentos, desejos e expectativas que normalmente ficam ocultos até que se tornem críticos para o sucesso do projeto Registro das partes interessadas: Após fazer a listagem das potencias partes interessadas no projeto, validar a lista com o patrocinador, realizar a classificação destas partes interessadas no projeto através das ferramentas ʹmatriz de representação de grau de poder/interesseʹ e ʹquestionário de necessidades e expectativasʹ, o gerente de projetos estará preparado para elaborar o registro das partes interessadas que servirá como documento de entrada para a elaboração do plano de gerenciamento das comunicações. O processo de identificação das partes interessadas tem duas importantes saídas: o registro das partes interessadas e a estratégia para gerenciamento das partes interessadas. Em nosso trabalho, a estratégia para gerenciamento das partes interessadas estará incluso no mesmo documento do registro das partes interessadas e assim vai ser chamado. Portanto, o registro das partes interessadas é um produto da identificação das partes interessadas. Este registro será usado para documentar as características, expectativas, necessidades e objetivos de cada uma das partes interessadas do projeto. Abaixo segue um formulário como exemplo para o registro das partes interessadas: Parte Interessada Cargo Depart. REGISTRO DAS PARTES INTERESSADAS (STAKEHOLDERS) IMPACTO Inform. Contato Papel no Projeto Principais Requisitos Principais Expectativas Prioridade Classsif. Estilo de Com. Ações para geren. das partes interessadas Figura 4 - Registro das partes interessadas Fonte: Adapatado de Mulcahy (2011) e Cássia (2011) A Figura 4 é exemplo para registro das partes interessadas que já possui informações em que se define a estratégia para gerenciamento das partes interessadas (colunas estilo de comunicação e ações para grenciamento das partes interessadas). Esta estratégia se dará conforme os requisitos de comunicação de cada uma das partes interessadas identificadas.

10 As classificações das partes interessadas realizadas através da matriz de representação de grau de poder/interesse e do questionário de necessidades e expectativas vão permitir ao gerente de projetos a possibilidade de definir o estilo de abordagem e demais estratégias para o gerenciamento das partes interessadas, promovendo a potencialização dos impactos positivos e suprimindo os possíveis impactos negativos que possam ocorrer. Para o preenchimento do registro acima proposto, segue abaixo um detalhamento de cada uma das colunas, esclarecendo quaisquer dúvidas que passa ocorrer durante este processo: - Partes Interessadas: esta coluna deverá ser preenchida com o nome da pessoa ou grupo identificada na tarefa de identificação das potenciais partes interessadas do projeto; - Cargo: nesta coluna, identificar o cargo da parte interessada na empresa em que trabalha. Em caso de grupos ou indivíduos sem cargos específicos, preencher com N/A (não aplicável; - Departamento: nesta coluna, identificar o departamento da empresa em que a parte interessada se encontra trabalhando. Da mesma forma que a coluna ʹcargoʹ, preencher com N/A (não aplicável) caso a parte interessada seja um grupo ou indivíduo sem cargo específico; - Informações de Contato: colocar neste campo qualquer informação de contato disponível da parte interessada identificada, como telefones, s e etc.; - Papel no Projeto: Documentar nesta coluna o papel que a parte interessada possui perante o projeto. Esse papel pode ser o de patrocinador, cliente, usuário, colaborador, fiscalização e etc.; - Principais Requisitos: Evidenciar os principais requisitos das partes interessadas nesta coluna. O questionário de necessidades e expectativas, as entrevistas realizadas com as diversas partes interessadas deverão ser consultadas para o preenchimento desta coluna. Este campo é de grande importância para o sucesso do projeto pois, caso algum requisito não tenha sido evidenciado, certamente poderá provocar mudanças no projeto, ocasionando atrasos e onerações indesejáveis; - Principais Expectativas: Este campo também contem informações levantadas através das entrevistas das partes interessadas e do questionário de necessidades e expectativas. Esta coluna incluirá o que as partes interessadas esperam que ocorra com elas, seu departamento, sua comunidade e/ou empresa durante e após a implantação do projeto. - Prioridade: Neste campo será considerado a prioridade da parte interessada identificada em relação à estratégia de comunicação no projeto, considerando para isso o uso de três letras em que ʹAʹ significa alta prioridade, ʹBʹ significa baixa prioridade e ʹMʹ significa média prioridade. Esta classificação se dará através da experiência do gerente e sua equipe de projetos, com o auxílio da matriz de representação de grau de poder/interesse. - Classificação: Mais uma coluna em que os registros matriz de representação de grau de poder/interesse e questionário de necessidades e expectativas e a opinião especializada poderão auxiliar no preenchimento. As classificações serão ʹ+ʹ (positivo) caso a parte interessada seja a favor do projeto, ʹ-ʹ (negativo) caso a parte interessada seja contra o projeto e ʹ+/-ʹ (neutro) caso a parte interessada seja indiferente em relação ao projeto; - Estilo de comunicação: evidenciar como será realizada a comunicação com a parte interessada e a periodicidade desta comunicação. Relatórios de status físico/financeiro mensal, releases periódicos, informações antecipadas de transtornos, contato direto e

11 notas semanais são exemplos de estilos de comunicação. Esta coluna faz parte da estratégia para gerenciamento das partes interessadas do projeto; - Ações para Gerenciar as Partes Interessadas: Nesta coluna, que também faz parte da estratégia para gerenciamento das partes interessadas, o gerente de projetos irá descrever e indicar as ações que podem ser implantadas para que os aspectos negativos e positivos do envolvimento das partes interessadas no projeto possam ser gerenciadas, potencializando os impactos positivos e diminuindo os impactos negativos de cada uma das partes interessadas. Abaixo segue figura em que se atribui as ações de gerenciamento das partes interessadas de acordo com a classificação das mesmas: DESCRIÇÃO DA PARTE INTERESSADA Alto interesse no projeto, baixa influência, extremamente especializada em áreas de alto risco Baixo interesse, fonte de importantes requisitos no projeto (alta influência), difícil para se trabalhar Alto interesse, grande influência, não apoia o projeto Alto interesse, grande influência, apoia o projeto Interesse moderado, grande influência, realiza muitas atividades no projeto, apoia o projeto Interesse moderado, grande influência porque identificou um grande número de riscos potenciais para o projeto, apoia o projeto AÇÕES PARA GERENCIAR AS PARTES INTERESSAS Convidar as partes interessadas para participarem do processo de gerenciamento dos riscos Assegurar que os requisitos sejam claros. Enviar relatórios Saber por que as partes interessadas não apoiam o projeto e basear seu plano para gerenciar estas partes interessadas em lidar com esses motivos Envolver as partes interessadas nas reuniões da equipe, reportar a essas pessoas e incluir as informações solicitadas pelas partes interessadas Convidar as partes interessadas para ingressarem oficialmente na equipe de gerenciamento de projetos Planejar reuniões periódicas com as partes interessadas durante o projeto para verificar se elas identintificaram mais riscos Planejar encontrar e encaminhar literatura relevante para ajudar as partes interessadas e providenciar treinamento, se necessário Figura 5 - Ações para gerenciar as partes interessadas Fonte: Mulcahy (2011) Interesse moderado, nervosa com o término de suas atividades designadas

12 A identificação das partes interessadas também deve ser realizada durante a implantação do projeto, e não apenas na fase de planejamento do mesmo. Conforme afirmado por Cunha (2009:26), ao longo do projeto outras partes interessadas surgem e precisam ser identificadas para que o gerenciamento das comunicações possa contemplá-las em suas definições. Portanto, os gerentes de projetos devem se preocupar em fazer novas análises das partes interessadas do projeto com uma periodicidade que atenda o nível de complexidade do projeto que gerenciam. 3. Conclusão Como foi demonstrado neste estudo, é fator primordial para o sucesso do projeto a definição da forma de comunicação que será realizada com as partes interessadas (stakeholders), garantindo que essa comunicação ocorra de forma eficaz, suficiente e pró ativa quando necessária. Este estudo procurou expor a importância do processo identificar as partes interessadas (stakeholders) no gerenciamento de projetos nas organizações, detalhando tarefas e atividades necessárias para a geração do registro das partes interessadas (stakeholders). Ainda, de acordo com o que foi demonstrado neste estudo, a identificação falha das partes interessadas (stakeholders) de um projeto pode provocar seu total fracasso sendo responsável pelo aumento nos custos, prazo e possíveis mudanças indesejáveis no projeto, lembrando que mudanças sempre são mais críticas quando têm de ser implantadas e integradas após o início do projeto. Portanto, é seguro afirmar que a obediência a esta forma proposta pela pesquisa de se realizar a identificação das partes interessadas (stakeholders) de um projeto certamente conduzirá o gerente de projetos a entregar um documento confiável e que servirá como base para a elaboração do plano de gerenciamento das comunicações do projeto. O estudo revela ainda que os gerentes de projetos devem garantir, através do processo proposto neste estudo, a correta identificação das partes interessadas, a correta classificação das partes interessadas assim como a atualização do registro das partes interessadas na periodicidade adequada para o projeto. Espero, com esta pesquisa, ter contribuído para que os gerentes de projetos tenham ferramentas suficientes para a confiável identificação das partes interessadas (stakeholders) de um projeto, já que muitas vezes este é um processo negligenciado nas organizações. Foi mostrada toda a sistemática do processo e também relacionado alguns problemas que podem ser provocados pela identificação equivocada de alguma das partes interessadas (stakeholders) do projeto. 4. Referências ARAÚJO, Carla de Cássia. Gerenciamento da Comunicação em Projetos. Apostila pós graduação IPOG-GO. Goiânia, BORDENAVE, Juan E. Diaz. Além dos Meios e Mensagens: Introdução à comunicação como processo, tecnologia, sistema e ciência. 5ª ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1994.

13 CUNHA, Bruno C. A importância da comunicação e os elementos que a influenciam no gerenciamento de projetos. Monografia de Pós Graduação. PUC-Rio. Rio de Janeiro,2009. FONTAINE, Charles; HAARMAN, Antoine; SCHMID, Stefan. The Stakeholder Theory FREEMAN, Robert E. Strategic Management: A Stakeholder Approach. Boston: Pitman, GERARDI, Bart. Gerenciamento de Projetos sem Crise. Tradução: Rafael Zanolli. São Paulo: Novatec Editora; New York, EUA: Apress Inc, INÊZ, Patrícia. Como aumentar evitar o fracasso e aumentar as chances de sucesso Parte I. acessado em 05 de maio de MATOS, Gustavo G. Comunicação Empresarial sem complicação: como facilitar a comunicação na empresa, pela via da cultura e do diálogo. 2ª ed. (Revisada e Ampliada). Barueri, São Paulo: Manole, MULCAHY, Rita. Preparatório para o exame PMP. Tradução: Roberto Pons, PMP. 5ª ed. Estados Unidos: RMC Plubications, Preparatório para o exame PMP. Tradução: Roberto Pons, PMP. 7ª ed. Estados Unidos: RMC Plubications, PRESTON, L.E. Research in corporate social performance and policy. v. 10, Greenwich, CT: JAI Press, PMI (Project Management Institute). Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ). 4ª Ed. Newton Square, Pensilvânia (EUA): Project Management Institute, Inc, 2009.

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br A importância da aplicação de técnicas de gerenciamento de riscos em projetos de desenvolvimento de software: estudo de caso do sistema de controle de veículos AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br

Leia mais

Crise na fase de execução de Projetos de engenharia

Crise na fase de execução de Projetos de engenharia 1 Dário Denis Braga Vital vitaldario@ig.com.br MBA em Gerenciamento de Projetos em Engenharia e Arquitetura Instituto de Pós-Graduação - IPOG Manaus, AM, 10, junho de 2014 Resumo Este artigo é sobre gerenciamento

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Aula Nº 13 Fechamento do projeto

Aula Nº 13 Fechamento do projeto Aula Nº 13 Fechamento do projeto Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam apresentar como se encerra o ciclo de vida de um projeto. Para tal, pretende-se verificar as derradeiras providências que

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades que constituem a fase inicial dos projetos. Alem disso, vamos discorrer sobre

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Portifólio de Serviços

Portifólio de Serviços Portifólio de Serviços A PM11K conta com uma abrangência de mercado muito grande graças ao seu modelo inovador. Aqui você contrata um consultor e, junto dele, mais centenas de outros consultores em rede,

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A Aplicação do Gerenciamento de Risco nos Projetos de Implantação de ERP - Protheus. Por: Gisele Santos Ribeiro Orientador

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS I

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

Questões atualizadas no PMBoK 5ª edição versão 2015. Respostas comentadas com justificativa e seção do PMBoK correspondente.

Questões atualizadas no PMBoK 5ª edição versão 2015. Respostas comentadas com justificativa e seção do PMBoK correspondente. Copyright 2015 PMtotal.com.br - Todos os direitos reservados PMI, Guia PMBOK, PMP, CAPM são marcas registradas do Project Management Institute, Inc Simulado de 20 questões para as provas CAPM e PMP do

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

FABIO FRECH GOUVEIA JUSTINE BEIRITH MONTALVÃO MANUELA DE SOUZA BRITO MARCUS VINICIUS RIBAS MOCELLIN GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO

FABIO FRECH GOUVEIA JUSTINE BEIRITH MONTALVÃO MANUELA DE SOUZA BRITO MARCUS VINICIUS RIBAS MOCELLIN GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO FABIO FRECH GOUVEIA JUSTINE BEIRITH MONTALVÃO MANUELA DE SOUZA BRITO MARCUS VINICIUS RIBAS MOCELLIN GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO AGENDA Introdução Apresentação do referencial teórico Metodologia

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS BRUNO ROBERTO DA SILVA CESAR HENRIQUE MACIEL RIBEIRO GUSTAVO HENRIQUE PINHEIRO RICARDO SALLUM DE SOUZA VITOR

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação

Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam analisar as necessidades de informação para se manter os stakeholders internos e externos bem como a equipe de projetos

Leia mais

Gestão de Portfólio de Projetos

Gestão de Portfólio de Projetos Dez/2010 Gestão de de Projetos Prof. Américo Pinto FGV, IBMEC-RJ, PUC-RJ, COPPEAD Email: contato@americopinto.com.br Twitter: @americopinto Linkedin: Americo Pinto Website: www.americopinto.com.br Por

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA UM GERENCIAMENTO EFETIVO DE STAKEHOLDERS

GUIA PRÁTICO PARA UM GERENCIAMENTO EFETIVO DE STAKEHOLDERS 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 SOBRE A ÁREA DE CONHECIMENTO... 5 Mas afinal quem são os stakeholders do meu projeto?... 8 OS PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DAS PARTES INTERESSADAS... 10 Grupo envolvido... 11 Afetados...

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

As partes interessadas incluem todos os membros da equipe de projetos, assim como todas entidades interessadas, tanto externas quanto internas; Cabe

As partes interessadas incluem todos os membros da equipe de projetos, assim como todas entidades interessadas, tanto externas quanto internas; Cabe Aula 04 1 2 As partes interessadas incluem todos os membros da equipe de projetos, assim como todas entidades interessadas, tanto externas quanto internas; Cabe ao gestor de projetos compreender e gerenciar

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Apresentar o caderno;

OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Apresentar o caderno; IRAIR VALESAN (PMP) OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS Apresentar o caderno; Exemplo de projetos bem sucedidos http://g1.globo.com/minas-gerais/triangulomineiro/noticia/2015/02/produtores-ruraisaprendem-como-recuperar-nascentes-de-riosem-mg.html

Leia mais

Gerenciamento. de projetos. Bart Gerardi. Novatec. Como evitar problemas previsíveis para o sucesso do projeto

Gerenciamento. de projetos. Bart Gerardi. Novatec. Como evitar problemas previsíveis para o sucesso do projeto Gerenciamento de projetos Sem Crise Como evitar problemas previsíveis para o sucesso do projeto Bart Gerardi Novatec Original English language edition published by Apress Inc., Copyright 2011 by Apress

Leia mais

Palavras-Chave: Aquisições; Planejamento de Aquisições; Controle de Aquisições; Projeto; Lead time; Processo; Meta.

Palavras-Chave: Aquisições; Planejamento de Aquisições; Controle de Aquisições; Projeto; Lead time; Processo; Meta. 1 A INFLUÊNCIA DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA AQUISIÇÃO NO PRAZO FINAL DO PROJETO Euza Neves Ribeiro Cunha RESUMO Um dos grandes desafios na gerência de projetos é planejar e administrar as restrições de

Leia mais

Aula 04 - Planejamento Estratégico

Aula 04 - Planejamento Estratégico Aula 04 - Planejamento Estratégico Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você saiba definir o escopo do projeto. Para tal, serão apresentados elementos que ajudem a elaborar

Leia mais

Engenharia de Software Software Requirements

Engenharia de Software Software Requirements Requisitos Engenharia de Software Software Requirements SWEBOK, Capítulo 2 Primeira Classificação de Requisito 1. Requisito do usuário: declarações sobre as funções que o sistema deve oferecer 2. Requisito

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Calendário das Aulas 12/08 19/08 26/08 02/09 06/09 Atividade Extra 09/09 16/09 23/09 30/09 07/10 - Avaliação

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos 1 ADM 0395 Elaboração e Análise de Projetos Isnard Martins Referencial Bibliográfico Gerenciamento de Projetos Cláudio Jordão et Al O Projeto pode ser entendido como a alocação de recursos com um objetivo

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro Gerenciamento de Projetos Douglas Farias Cordeiro Conceito de Organização Uma organização pode ser descrita como um arranjo sistemático, onde esforços individuais são agregados em prol de um resultado

Leia mais

Desafio Profissional PÓS-GRADUAÇÃO 2012. Gestão de Projetos - Módulo C Prof. Me. Valter Castelhano de Oliveira

Desafio Profissional PÓS-GRADUAÇÃO 2012. Gestão de Projetos - Módulo C Prof. Me. Valter Castelhano de Oliveira Desafio Profissional PÓS-GRADUAÇÃO 12 Gestão de Projetos - Módulo C Prof. Me. Valter Castelhano de Oliveira 1 DESAFIO PROFISSIONAL Disciplinas: Ferramentas de Software para Gestão de Projetos. Gestão de

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Novidades do Guia PMBOK 5a edição

Novidades do Guia PMBOK 5a edição Novidades do Guia PMBOK 5a edição Mauro Sotille, PMP O Guia PMBOK 5 a edição (A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide) Fifth Edition), em Inglês, vai ser lançado oficialmente pelo

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração.

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 5 Set/2013 Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração Execução Áreas de conhecimentos de gerenciamento de projetos ESCOPO TEMPO CUSTO QUALIDADE

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS I

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 2 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Introdução Conceitos básicos Riscos Tipos de

Leia mais

Desenvolvimento Produto e Projetos

Desenvolvimento Produto e Projetos 1 ADM Desenvolvimento Produto e Projetos Isnard Martins Referencial Bibliográfico Gerenciamento de Projetos - Ralph Kelling Gestão de Projetos - Cláudio Jordão et Al A Natureza de um Projeto Projeto é

Leia mais

Gerência de Projetos

Gerência de Projetos Gerência de Projetos Escopo Custo Qualidade Tempo CONCEITO PROJETOS: são empreendimentos com objetivo específico e ciclo de vida definido Precedem produtos, serviços e processos. São utilizados as funções

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Gerência de Projetos Gerência de Comunicação

Gerência de Projetos Gerência de Comunicação Gerência de Projetos - Gerência de Comunicação Anderson César Pandolfo Salvati 5890048 Diógenes Vieira Pereira 5889602 Felipe Barreto Bergamo 5889706 Mauricio Tadayuki Sako 5890271 Thales Azevedo Sugiyama

Leia mais

Gerenciamento de Riscos (Principais Conceitos)

Gerenciamento de Riscos (Principais Conceitos) Gerenciamento de Riscos (Principais Conceitos) Carlos Sérgio Mota Silva, PMP, CBPP Instrutor Certificado PMP pelo PMI e CBPP pela ABPMP MBA Executivo pela COOPEAD-UFRJ Bacharel em Ciências da Computação

Leia mais

Palavras-chave: comunicação, plano de comunicação, impactos organizacionais, ambiente organizacional.

Palavras-chave: comunicação, plano de comunicação, impactos organizacionais, ambiente organizacional. A COMUNICAÇÃO ENTRE SETORES NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL AUTORES Fernanda Hiromi Iwai Okabe Jocimara Jane dos Santos Paula e Oliveira Marlon Subtil Pazinato Mayra de Albuquerque Vita Ulisses Fernandes Alves

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

Gerenciamento de Recursos Humanos e Gerenciamento de Comunicações. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Recursos Humanos e Gerenciamento de Comunicações. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Recursos Humanos e Gerenciamento de Comunicações Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Just to remember... Interação entre os processos segundo PMBOK... Cada processo

Leia mais

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Débora Noronha¹; Jasmin Lemke¹; Carolina Vergnano¹ ¹Concremat Engenharia e Tecnologia S/A, Diretoria Técnica de Estudos, Projetos

Leia mais

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Fevereiro/2014 AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento de Riscos em Projetos Parte 10 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Termo de Abertura do Projeto. Identificando as Partes Interessadas

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

NÃO RESPONDA AS QUESTÕES QUE VOCÊ NÃO SABE

NÃO RESPONDA AS QUESTÕES QUE VOCÊ NÃO SABE Easy PMP - Preparatório para o Exame de Certificação PMP Simulado Inicial versão 5_22 Prof. André Ricardi, PMP Todos os direitos reservados Registre suas respostas na planilha Easy PMP-Simulado Inicial-5ª

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Risk Tecnologia Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Aplicável às Atuais e Futuras Normas ISO 9001, ISO 14001,

Leia mais

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com.

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com. Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil bbbrothers@bbbrothers.com.br O equilíbrio necessário para se tornar um excelente gerente

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

Gerentes de projetos e gerentes

Gerentes de projetos e gerentes Biblioteca Virtual PMI 2010 Jarno Marchetto O duplo papel do Gerente de Projeto/Gerente Funcional: Funciona? Por Jarno Marchetto, MSc, PMP Resumo Em uma ampla gama de organizações, uma pessoa pode ser

Leia mais

MGP Manual de Gerenciamento de Projetos

MGP Manual de Gerenciamento de Projetos MGP Manual de Gerenciamento de Projetos v. 1.2 Diretorias: DT / DE / DA DTPE Superintendência Planejamento de Empreendimentos 1 Sumário 1. Introdução 2. Ciclo de Vida dos Projetos 3. 4. Ciclo de Vida do

Leia mais

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 29 3.1 GERENCIAMENTO DO ESCOPO O Gerenciamento do Escopo do Projeto engloba os processos necessários para assegurar que o projeto inclua todas

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS Versão 1 2010 A SIX SIGMA BRASIL apresenta a seguir seu portfolio de capacitação e consultoria de serviços de gerenciamento de projetos, processos (lean e seis sigma)

Leia mais

Por que gerenciar comunicação nos projetos?

Por que gerenciar comunicação nos projetos? Por que gerenciar comunicação nos projetos? Rogério Magno Pires Rezende Engenheiro Mecânico, Gerente de orçamento, MIP Engenharia SA e pósgraduado em Gestão de Projetos pelo Ietec. Gerenciar comunicação

Leia mais

Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados

Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados Meg Lima Andrade Agenda Objetivos; Conceito de Sistemas Computadorizados; Conceito de Risco; Identificação de Riscos; Avaliação de Riscos; Classificação;

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Gerenciando a Implantação de Sistemas de Automação Industrial

GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Gerenciando a Implantação de Sistemas de Automação Industrial GERENCIAMENTO DE PROJETOS Gerenciando a Implantação de Sistemas de Automação Industrial DO QUE VAMOS FALAR Entender as fases e ciclos de uma implantação de um sistema de automação industrial; Estruturar

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

Implantação de ERP com sucesso

Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso, atualmente ainda é como um jogo de xadrez, você pode estar pensando que está ganhando na implantação, mas de repente: Check Mate. Algumas

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais