Título da Proposta ERNST & YOUNG E AUDITORES INDEPENDENTES S/A CRESCIMENTO ECONÔMICO E POTENCIAL DE CONSUMO. São Paulo, 31 de janeiro de 2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Título da Proposta ERNST & YOUNG E AUDITORES INDEPENDENTES S/A CRESCIMENTO ECONÔMICO E POTENCIAL DE CONSUMO. São Paulo, 31 de janeiro de 2008"

Transcrição

1 ERNST & YOUNG E AUDITORES INDEPENDENTES S/A Título da Proposta CRESCIMENTO ECONÔMICO E POTENCIAL DE CONSUMO São Paulo, 31 de janeiro de Proposta de Prestação de Serviços FGV Projetos Nº xxx/xx

2 Ficha Técnica Projeto: Brasil 2020: Desenvolvimento Econômico Sustentável Cliente: Ernst & Young e Auditores Independentes s/s Prazo: 31/03/2008 Empresa Consultora: Fundação Getulio Vargas Diretor do Projeto: Cesar Cunha Campos Supervisor: Ricardo Simonsen Coordenador: Fernando Garcia Corpo Técnico: Edney Cielici Dias Ana Maria Castelo Otávio Mielnik Robson Ribeiro Gonçalves Jorge de Oliveira Pires Ana Lélia Magnabosco 2

3 Sumário Ficha Técnica... 2 Sumário... 3 Apresentação Uma visão do percurso até Sob o signo da sustentabilidade Mapa de oportunidades de consumo Referências Bibliográficas

4 Apresentação Esta é a primeira de uma série de cinco publicações que analisam os horizontes da economia brasileira para as próximas décadas, com atenção especial para os seus setores mais estratégicos, vistos dessa forma tanto pela sua importância na geração da renda nacional como pelas oportunidades de negócios que representam ao longo do tempo. A abordagem dos temas leva em conta as potencialidades do Brasil em sua interação com o mercado mundial, de maneira a delinear cenários até o ano de Os temas abordados são os seguintes: 1. Crescimento da renda e do consumo no Brasil e no mundo 2. Potencialidades do mercado habitacional 3. Desafios do mercado de energia 4. Perspectivas tecnológicas do agronegócio 5. Horizontes da competitividade industrial Neste trabalho inicial, são apresentados os principais resultados do modelo de cenários desenvolvido pela Fundação Getulio Vargas, de forma a permitir uma discussão fundamentada da perspectivas da economia mundial. Trata-se de um conjunto de dados que abrange um universo de cem países, analisados não apenas em seu aspecto estritamente econômico, mas também em sua dinâmica demográfica, de qualidade de vida e de recursos humanos e naturais. Uma visão aprofundada do comportamento dos principais fatores condicionantes do cenário global é requisito para projeções válidas do crescimento brasileiro. O modelo é uma ferramenta capaz de fornecer informações que vão muito além dos dados gerais da economia, como o crescimento populacional e do PIB. Com ele, é possível estimar, por exemplo, a configuração das classes de renda e suas necessidades de consumo ao longo do tempo informações fundamentais para o planejamento das empresas que atuam ou pretendem atuar no país. Este trabalho, um esforço conjunto da Ernst&Young e da Fundação Getulio Vargas, procura também qualificar a concepção de desenvolvimento do Brasil para as próximas décadas. Mais importante do que questionar se o país crescerá muito ou pouco, é indagar se crescerá bem, ou seja, explorando ao máximo, mas sem excessos, suas possibilidades, numa trajetória sustentável de expansão de mercados e de negócios. 4

5 Crescer bem significa não só a ruptura com um passado ciclotímico de picos e retrocessos, mas também progressos significativos no desenvolvimento humano e no equacionamento das questões energética e ambiental. A intensidade em que esses avanços se darão envolve obviamente uma imponderabilidade que é própria do futuro e, nesse contexto, são apresentadas análises de fatores que podem favorecer ou retardar o processo. Por fim, a modelagem estatística desenvolvida para este estudo traz uma feliz constatação. O Brasil já percorre a trilha estreita do crescimento equilibrado, e não é irrealista antever sua participação progressivamente qualificada no contexto global. Mais do que um desejo, é uma conseqüência de conquistas verificadas desde os anos O otimismo com relação ao país, portanto, transcende os limites da retórica e se apóia em fundamentos sólidos. 5

6 1. Uma visão do percurso até 2030 O que esperar de um cenário Ao apresentar um cenário mundial para as próximas duas décadas, é necessário dar uma noção clara da perspectiva analítica adotada e da finalidade a que ela se dedica. As previsões econômicas são famosas por suas fragilidades, particularmente num horizonte de tempo sujeito a uma série de fatores imponderáveis, não só no plano estritamente econômico, mas também no comportamental, tecnológico, político, geopolítico. Há vinte anos, o conceito de internet soava como ficção científica e quem hoje concebe a vida sem ela? Qual empreendedor, naquela época, teria nítida a percepção das grandes oportunidades de negócios que surgiriam da conjunção de informática e entretenimento? O que dizer da disseminação quase universal da telefonia celular no Brasil? Quem imaginaria? No já longínquo 1988, estavam em moda discussões sobre o fim da história. De acordo com os defensores dessa teoria, a história acabaria porque a dinâmica de conflitos entre atores sociais teria chegado ao fim e, num futuro próximo, não existiriam mais guerras nem grandes disputas. Qual pessimista, numa perspectiva tão cor-de-rosa, arriscaria o prognóstico de que o século 21 começaria sob a nuvem pesada do terrorismo global? Uma pergunta então se impõe. Para um lapso de tempo em que podem ocorrer tantas transformações, qual a validade de construir um cenário ou num trabalho de composição de premissas e hipóteses um conjunto de cenários? A primeira consideração a ser feita é justamente que o cenário nos fornece elementos para pensar o futuro independentemente de fatores que não podemos prever. Assim, partindo de premissas razoáveis, pode-se afirmar com determinado grau de certeza que as coisas serão de tal maneira em tal ano. Essa confiabilidade é conferida pela capacidade explicativa do modelo estatístico adotado e pela validade dos pressupostos dos quais se parte. Em outras palavras, com base em séries históricas de variáveis interdependentes e de um conjunto de premissas, pode-se antever de que maneira se comportarão elementos importantes da realidade se nenhuma grande alteração inesperada ocorrer. A modelagem estatística é 6

7 concebida como uma usina de projeções. Adicionalmente, considera os fatores críticos que interferem nessas projeções e, portanto, traz implícita uma noção de riscos e potencialidades. Exemplo: a evolução do PIB está condicionada às tendências demográficas, às premissas de comportamento do investimento, ao histórico de desempenho da economia e à perspectiva de evolução da produtividade. Ao mesmo tempo, a expansão da renda sofre a restrição do que a sociedade entende por utilização aceitável dos recursos naturais não admitir o desmatamento indiscriminado para a expansão da fronteira agrícola é um exemplo disso. O modelo de cenários simula como a interação desses fatores determinará a evolução dos salários, dos lucros, dos investimentos, do consumo e da distribuição da renda. Neste trabalho, foram considerados os históricos de indicadores de cem países nos últimos 57 anos. Se o desempenho passado de uma economia não reflete obrigatoriamente sua performance futura, o registro de seus números descredencia, por exemplo, que se projete um crescimento da renda muito acima ou muito abaixo da média histórica, se não houver uma razão forte para isso. Complementarmente, a observação da história de outros países, de fatos relevantes que marcaram a evolução de suas economias, permite formular as premissas que orientam o cenário para um dado país, ou de um conjunto de países. Um aspecto fundamental da questão é que o modelo delineia qual a trajetória que dado país terá num horizonte de tempo mais amplo. Nesse aspecto, menos importante do que acertar na mosca qual será o PIB do país em 2030, é entender por que a economia tomará um rumo e não outro. Justamente pela capacidade de indicar tendências que os cenários se constituem em uma ferramenta valiosa para o planejamento. A dupla sustentabilidade A distinção entre crescimento e desenvolvimento é uma referência consagrada para qualificar a produção econômica de uma sociedade. Há décadas, o desenvolvimento é visto como o crescimento que se reflete em avanços proporcionais na qualidade de vida da população, o que implica um bom nível distribuição renda e de oportunidades de ascensão social. Mais recentemente, o uso não-predatório dos recursos naturais passou a integrar o conjunto de fatores que caracterizam o desenvolvimento. Surgiu então o conceito de sustentabilidade. 7

8 Trata-se de um termo com dupla leitura. Desenvolvimento sustentável pressupõe, por definição, o uso racional de recursos, em detrimento de tecnologias e formas de produção menos custosas, mas poluidoras. Nesse aspecto, restringe as potencialidades de crescimento de um país. A China, por exemplo, não ostentaria os números de produção industrial que possui se tivesse uma política restritiva de emissões de gases. Ao mesmo tempo, o conceito expressa o crescimento que se sustenta no tempo, ou seja, uma trajetória sem percalços, capaz de assegurar um certo ritmo de aumento do bem-estar ao longo dos anos, no contexto de uma sociedade equilibrada e comedida no consumo de recursos naturais. O cenário de referência pressupõe um mundo que terá cada vez mais pressões por políticas sustentáveis, no duplo sentido descrito acima. Para o Brasil, esse contexto de sustentabilidade implica a não adoção de políticas que podem gerar um crescimento maior, mas que implicam desequilíbrios econômicos e retrocessos no plano ambiental. Dessa maneira, não é factível imaginar que o país volte a ter os números verificados na época do milagre econômico. No início dos anos 1970, os ganhos adicionais de produtividade eram significativamente maiores e, paralelamente, a indústria e a fronteira agrícola se expandiam sem restrição. Hoje, para a economia crescer 7% ao ano, como ocorreu no milagre, seria necessário um investimento de 38% do PIB e o nível atual é de 21%. Dado que a estrutura previdenciária brasileira não prioriza a formação de poupança de longo prazo, um adicional tão expressivo do investimento só seria possível com um aumento sem precedentes das despesas do governo ou com um volume improvável do investimento estrangeiro. A expansão de gastos públicos teria como conseqüência um forte desequilíbrio fiscal, que causaria, além de pressões inflacionárias, grande grau de incerteza na economia. O crescimento de 7% ao ano implicaria um aumento do consumo de energia elétrica de igual magnitude e não haveria capacidade para atender a essa demanda. No mercado de trabalho, a procura por mão-de-obra traria ganhos reais de salários de 6% ao ano, taxa muito superior à elevação da produtividade, que causariam mais inflação. A aceleração acima dos limites teria como resultado desarranjos que comprometeriam a sustentabilidade do crescimento do país por anos, e no, balanço final, haveria muito mais perdas do que ganhos. 8

9 O exemplo acima procurou mostrar uma situação extrema. Porém, de uma forma geral, medidas que ignoram os fundamentos da gestão eficiente e equilibrada da economia têm como conseqüência desvios na rota do desenvolvimento. O cenário de referência pressupõe que o Brasil atingiu determinando nível de maturidade e não terá grandes problemas nesse aspecto. Sem excessos, PIB crescerá 150% O cenário de sustentabilidade da economia brasileira implica resultados significativos no longo prazo independentemente de reformas estruturais que potencializem o seu crescimento. O aperfeiçoamento do sistema tributário e a reforma da previdência, por exemplo, ampliariam a capacidade de geração de renda, como será detalhado na seção 2, mas, mesmo sem esses fatores, o país tem um alto potencial de melhorar sua posição no contexto mundial, tanto pelo seu nível de renda, como pela expansão de seu mercado consumidor. O desempenho e o aperfeiçoamento dos fundamentos econômicos dos últimos anos mostram que é possível sustentar uma taxa média de crescimento de 4% ao ano entre 2007 e A trajetória respeitaria uma média de 4,3% ao ano nos próximos dez anos e de 3,8% a partir de Assim o PIB brasileiro passará de US$ 963 bilhões para US$ 2,4 trilhões, um crescimento de 150%. As condições para esse resultado são factíveis: Taxa média de investimento de 22,7%; Expansão da força de trabalho a 0,95% ao ano, semelhante ao padrão mundial, porém superior ao dos países desenvolvidos; Aumento da escolaridade da mão-de-obra, que passará de 7,8 anos de instrução formal, em 2007, para 11,3 anos em 2030; Aumento médio da produtividade de 0,93% ao ano, número próximo aos dos países desenvolvidos, mas inferior ao ritmo da China, por exemplo. 9

10 Um mercado promissor O cenário de referência da economia brasileira projeta uma ampliação significativa do mercado de consumo no país, conseqüência de avanços importantes nos seguintes indicadores: Aumento da renda per capita de 3,1% ao ano, superior à taxa dos últimos 17 anos (1,3% ao ano), mas próxima da média dos anos mais recentes; Crescimento de 3,5% ao ano da massa de salários, levando o Brasil à oitava posição das economias que mais pagam salários em 2030 hoje o país é 11ª; Crescimento do consumo de 3,8% ao ano, o que levará o Brasil a ter o quinto maior mercado consumidor do mundo. Os 20 maiores mercados consumidores, US$ bilhões*, 2007 e 2030 Posição País 2007 Posição País Estados Unidos 9.125,00 1 Estados Unidos ,52 2 China 3.862,19 2 China ,94 3 Índia 2.530,19 3 Índia 5.265,46 4 Japão 2.357,55 4 Japão 2.818,44 5 Alemanha 1.489,64 5 Brasil 2.507,00 6 Grã-Bretanha 1.365,09 6 Grã-Bretanha 1.924,66 7 França 1.098,04 7 México 1.854,33 8 Brasil 1.066,55 8 Alemanha 1.813,34 9 Itália 1.019,76 9 França 1.528,25 10 Rússia 823,28 10 Itália 1.340,84 11 México 820,21 11 Indonésia 1.141,27 12 Espanha 723,65 12 Rússia 1.136,22 13 Canadá 626,76 13 Coréia do Sul 1.072,47 14 Coréia do Sul 618,77 14 Espanha 1.047,66 15 Indonésia 602,14 15 Canadá 989,68 16 Turquia 458,89 16 Turquia 974,73 17 Austrália 400,60 17 Filipinas 966,16 18 Argentina 373,76 18 Paquistão 734,93 19 Filipinas 373,15 19 África do Sul 729,95 20 Tailândia 353,94 20 Austrália 721,12 Fonte: FGV. (*) US$ de 2005 ajustados à Paridade do Poder de Compra. O crescimento e a distribuição de renda no período possibilitarão uma gradativa ascensão social das famílias com nível de renda mais baixo. É importante notar que a mobilidade é uma 10

11 conseqüência da universalização da educação, das novas oportunidades de emprego, do aumento da produtividade da mão-de-obra e da maturação da estrutura etária e familiar. Distribuição das famílias e da renda por classes de renda, 2007 e 2030 Classes de renda familiar E D C B A AA AAA até R$ de R$ a R$ de R$ a R$ de R$ a R$ de R$ a R$ de R$ a R$ mais de R$ Ano Renda total Famílias Fonte: FGV. 18,8% 22,1% 22,8% 18,2% 11,7% 5,0% 1,3% ,5% 15,0% 23,0% 22,7% 17,6% 10,6% 4,7% ,3% 24,5% 12,9% 5,2% 1,7% 0,4% 0,0% ,5% 28,9% 22,9% 11,6% 4,5% 1,4% 0,3% 2030 A base da pirâmide de renda terá um grande estreitamento. As famílias com recebimentos mensais até R$ 1.000, que representavam 55,3% do total em 2007, serão 30,5% em 2030 a grande parte delas irá migrar para a faixa de renda entre R$ a R$ Mas a faixa que terá o maior crescimento no número de famílias é a imediatamente superior, de R$ a R$ Em 2007, 12,9% dos lares brasileiros tinham rendimentos nessa faixa e, em 2030, esse percentual saltará para 22,9%. Haverá também uma proporção maior de famílias nos segmentos mais altos de renda, o que significa um alargamento do topo da pirâmide. Ao longo desse processo, será verificado um incremento importante no volume total de renda das faixas superiores a R$ de 36,2%, em 2007, para 55,6%, em Esses movimentos se consolidarão ao longo dos próximos 23 anos e terão como efeito uma relativamente rápida sofisticação da demanda das famílias brasileiras. Oportunidades à vista O processo de qualificação do mercado consumidor traz consigo um novo leque de oportunidades nos segmentos de negócio. As áreas de educação e saúde, por exemplo, terão uma taxa de crescimento anual de 4,4% até Ao crescimento da classe média, corresponderá a expansão dos serviços de maneira geral. 11

12 Mercado consumidor por ramos de produto, R$ bilhões, 2007 e 2030 Ramos de produtos Taxa de crescimento (%) ao ano Habitação 379,2 942,5 4,0% Serviços 296,7 676,0 3,6% Alimentos 195,5 378,7 2,9% Saúde, educação 140,2 376,8 4,4% Bens de consumo não-durável 116,2 249,1 3,4% Bens de consumo durável 119,1 283,4 3,8% Outros produtos e serviços 163,7 397,8 3,9% Total 1.410, ,3 3,8% Fonte: FGV. (*) R$ constantes de Nos próximos 23 anos, haverá também um forte aumento dos gastos com habitação, que envolvem construção, reformas e despesas de condomínio. Esse mercado, que hoje movimenta R$ 380 bilhões por ano, chegará a R$ 943 bilhões em 2030, em razão, principalmente, do aumento de demanda das classes média e média alta. As classes mais baixas de renda, por sua vez, vão sustentar em grande parte o crescimento 2,9% ao ano do mercado de alimentos. Esse mesmo segmento social também capitaneará o crescimento das vendas de bens não-duráveis, que duplicarão até O cenário de referência possibilita obter um mapeamento detalhado da demanda de diversos ramos de atividade por classes de renda, como será mostrado mais detalhadamente na última seção deste trabalho. Na próxima parte, serão apresentadas as condições gerais de desenvolvimento sustentável, para o mundo e para o Brasil. 12

13 2. Sob o signo da sustentabilidade Globalização e incertezas Para a elaboração do cenário de referência, adotou-se uma premissa conservadora com relação à globalização, um elemento determinante na análise das relações econômicas, seja em nível mundial, seja em nível local. São raros os mercados que não têm hoje alguma espécie de interdependência global, e seria cômodo supor um aprofundamento contínuo das inter-relações em nível mundial. Diferentemente disso, preferiu-se adotar uma linha de análise que prevê não necessariamente uma expansão acentuada, mas a consolidação em um nível elevado de interdependência. Essa perspectiva é orientada pela constatação que se trata de um processo sujeito a marchas e contramarchas. Dentro de uma visão estritamente econômica, a globalização nada mais é que o movimento da especialização e da divisão do trabalho além das fronteiras nacionais. Dessa perspectiva, é algo estritamente positivo, em benefício da produtividade e das vantagens comparativas. A história econômica após a Segunda Guerra Mundial, em particular a partir dos anos 1990, mostra que os movimentos dos fluxos de comércio cresceram a uma taxa significativamente superior ao incremento do PIB mundial 6,3% ao ano contra 2,8% ao ano, nessa ordem. Essa diferença é ainda maior se considerados os fluxos de capital, que se expandiram a uma velocidade muito superior (12,7% ao ano). O avanço além-fronteiras dos mercados financeiros aumentou a eficiência alocativa das poupanças mundiais, que se tornaram livres para buscar as melhores oportunidades no mercado por conseqüência, o livre trânsito de fundos aumentou a produtividade do capital em escala global. Fluxos mundiais de mercadorias, serviços e capitais, US$ bilhões* Períodos Mercadorias e serviços Capitais (IDE e portfólio) ,3 683, , ,8 Expansão (% ao ano) 6,3% 12,7% Fonte: FGV. (*) A preços de IDE: Investimento Direto Estrangeiro, aquisições de participações em empresas superiores a 10% do capital. Portfólio: Investimentos em ações, inferiores a 10% do capital das empresas. 13

14 Embora a globalização siga em ritmo forte, há fatores capazes de contê-la e mesmo promover retrocessos. É importante considerar que: Ao mesmo tempo em que premia a eficiência, a globalização provoca uma concentração de renda e afeta profundamente mercados locais, o que gera resistências e tensões permanentes. Os impasses nas negociações sobre os acordos mundiais de comércio são um exemplo emblemático disso; Conflitos, mesmo em escala regional, podem comprometer substancialmente importantes fluxos de comércio e de capitais; Não se pode avaliar com segurança os efeitos de uma profunda crise financeira mundial no contexto de mercados altamente interligados. Feitas as ressalvas acima, não parece exagero supor que o atual estágio de globalização é relativamente estável e, caso não se aprofunde, deverá no mínimo permanecer com está. As considerações sobre a economia global são importantes para o cenário de referência porque: A expansão do comércio e o livre trânsito de recursos são fatores determinantes do crescimento econômico em escala mundial; A interdependência econômica implica uma permeabilidade de valores, ou seja, o trânsito comercial e de serviços tem implícita uma dimensão cultural que tende a fomentar um consenso do que são procedimentos internacionalmente corretos; A globalização tende a favorecer países que têm parcela significativa de seu vigor econômico condicionada pelo comércio exterior, caso do Brasil e de seus principais parceiros, como os Estados Unidos e a China. Fontes de progresso e conflito As dimensões geopolítica e demográfica são essenciais para qualificar o processo de globalização e as perspectivas de crescimento e sustentabilidade. Dentro dos limites desta análise, é importante destacar algumas grandes tendências: 14

15 A Ásia e a Oceania, em grande medida alavancadas pelo desempenho econômico chinês, aumentarão expressivamente sua importância mundial, ostentando um crescimento médio da renda de 4,8% ao ano, superior ao verificado na América do Sul (3,5%), Estados Unidos (2,7%) e, sobretudo, Europa (1,7%). A população asiática crescerá menos do que a média mundial; Os Estados Unidos, mesmo com um crescimento do PIB comparativamente menor, continuará sendo a maior e uma das mais pujantes economias do mundo, com altas taxas de produtividade e de remuneração do capital; O Oriente Médio preservará sua condição de região estratégica, merecedora de particular atenção em razão de suas reservas de petróleo e do alto potencial de conflitos entre países e grupos religiosos ou étnicos; A América do Sul ganhará importância relativa em razão de seu crescimento econômico maior que o da média mundial, em especial o do Brasil, e do aumento da importância de suas reservas energéticas (petróleo, gás, biodiesel e etanol); A África Subsaariana terá a mais alta taxa de crescimento populacional do planeta (2,1%). Nesse contexto, o crescimento econômico acima da média mundial (3,8% contra 3,5%), não será suficiente para obter avanços superlativos de qualidade de vida; O crescimento econômico vigoroso de países em desenvolvimento com grande peso populacional, como o Brasil, o México e a Índia, será elemento importante de diminuição dos fluxos migratórios para as áreas mais desenvolvidas; Das cem economias analisadas, o número de países com alto Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) chegará a 59 em 2030, contra 37 em A melhora do indicador reflete a ampliação da renda per capita, dos níveis educacionais e também da expectativa de vida em nível mundial. 15

16 Desenvolvimento qualificado O crescimento global nos próximos 23 anos está em grande medida condicionado ao desempenho dos Estados Unidos e dos países em desenvolvimento, sobretudo a China, a Índia e o Brasil. Em razão disso, o PIB mundial deverá sofrer uma expansão mais forte no período , a uma taxa de 3,9% ao ano. No período posterior, sofrerá uma desaceleração pela perda de ímpeto da China, que sairá de uma média de 7,9%, no primeiro período, para 5,5%, entre 2017 e A Índia sofrerá uma diminuição de ritmo proporcionalmente maior, de 4,4% para 2,6%. Os Estados Unidos, em contrapartida, sofrerão uma aceleração, de 2,5% para 2,8%. A Europa apresentará taxas de crescimento menores, de 2,1% e 1,4%, respectivamente. Os melhores desempenhos serão de Grã-Bretanha (1,9% e 1,5%) e Espanha (2,2% e 1,5%). A Rússia sofrerá uma forte queda em seu ritmo de desenvolvimento (de 3,2% para 0,7%) em conseqüência da queda progressiva de produtividade e da diminuição significativa de sua força de trabalho, ocasionada por um processo de redução populacional observado desde os anos Os fatores gerais que condicionam o crescimento continuam sendo os mesmos que são consagradamente apontados pela teoria econômica: Respeito à propriedade e um ambiente de confiança para realizar negócios; Competição nos mercados e integração econômica mundial; Qualidade das instituições ligadas ao funcionamento da economia; Aplicação de políticas econômicas eficientes e estabilizadoras. Um elemento que se agrega aos princípios gerais mencionados acima é a questão ambiental, que se expressa por uma demanda crescente por sistemas produtivos que contemplem a sustentabilidade, mesmo que isso implique perda de eficiência. Nesse contexto, a utilização de insumo proporcionalmente mais caro papel reciclado, por exemplo justifica-se por expressar um posicionamento ambientalmente responsável da companhia que o adota. O custo extra, que implica uma perda imediata de eficiência ao aumentar os custos, é justificado por uma política mais ampla de relacionamento com clientes e parceiros. 16

17 O envelhecimento da população mundial Anos Expectativa de vida Idade média ,9 26, ,2 25, ,3 27, ,6 31, ,6 35,1 Fonte: Nações Unidas. Mapa-múndi do crescimento Região/País PIB per capita em 2030* Crescimento econômico, 2007 a 2030 (%) ao ano Crescimento da força de trabalho, 2007 a 2030 (%) ao ano Europa ,7% -0,2% Grã-bretanha ,7% 0,1% França ,6% 0,0% Portugal ,1% -0,3% Espanha ,8% -0,1% Alemanha ,0% -0,6% Rússia ,8% -0,9% NAFTA ,7% 0,6% EUA ,7% 0,5% México ,0% 1,0% América Central e Caribe ,9% 1,7% América do Sul ,5% 1,1% Argentina ,8% 0,9% Brasil ,0% 0,9% Chile ,5% 0,6% Venezuela ,1% 1,4% Ásia e Oceania ,8% 0,8% Japão ,8% -0,8% China ,5% 0,1% Coréia ,7% -0,4% Índia ,4% 1,5% Austrália ,9% 0,5% África Subsaariana ,8% 2,6% Oriente Médio e Norte da África ,4% 1,4% Mundo ,5% 0,9% Fonte: FGV. (*) US$ de 2005 ajustados à Paridade do Poder de Compra. 17

18 As 20 maiores economias em 2030 Países PIB ( US$ bilhões de 2005) População (em milhões de habitantes) Estados Unidos ,02 366,46 China , ,42 Japão 5.662,94 118,48 Alemanha 3.627,78 79,56 Grã-bretanha 3.416,00 66,21 França 3.209,14 66,71 Itália 2.531,08 57,63 Brasil 2.398,35 233,56 México 2.068,97 128,09 Índia 2.004, ,09 Canadá 1.916,46 39,15 Espanha 1.813,15 46,89 Coréia do Sul 1.600,74 48,51 Austrália 1.497,22 25,31 Rússia 1.271,19 124,42 Turquia 922,43 92,56 Holanda 872,01 17,17 África do Sul 612,83 53,33 Indonésia 605,27 280,00 Suécia 570,93 10,02 Mundo , ,50 Fonte: FGV. A implantação de tecnologias mais eficientes e sustentáveis, de acordo com o histórico de desenvolvimento capitalista, deve se dar primeiramente nos países desenvolvidos, que dispõem de alto investimento em pesquisa e desenvolvimento e sofrem uma pressão mais intensa por avanços nessa área. Esse processo se seguirá com considerável defasagem nos países em desenvolvimento, em especial na China. No horizonte das duas próximas décadas, é previsível o aumento da pressão por processos ambientalmente corretos, num mundo que assiste à crescente escassez de água e terras agriculturáveis. Entre os elementos que desenham os projetos de sustentabilidade, o padrão de consumo energético ocupa um papel central, pois condiciona fortemente tanto a intensidade do crescimento econômico como a interação da sociedade com o ambiente. 18

19 Um novo mix energético O cenário de referência pressupõe que a oferta internacional de energia sofrerá transformações substanciais a médio e longo prazos. A elevação dos preços do petróleo viabilizará novas áreas de produção, a extração de combustíveis líquidos de recursos petrolíferos não-convencionais e a implementação de alternativas energéticas. Os países em desenvolvimento aumentarão sua participação no consumo energético global, e a oferta de energia deverá incluir uma parcela importante de biocombustíveis e de energia nuclear. No entanto, é preciso levar em conta um amplo leque de fatores que introduzem incertezas a respeito do comportamento dos mercados energéticos no percurso até O cenário partiu de dois fatores críticos para o mercado de energia: (i) a proporção dos fluxos internacionais de energia e (ii) a introdução competitiva de fontes alternativas. A oferta e a demanda futuras de energia resultam de hipóteses sobre a evolução e a articulação desses fatores. É preciso considerar que a obtenção de um mix competitivo de fontes energéticas possibilita maior segurança de disponibilidade do insumo e contribui para a sustentabilidade de escolhas. Paralelamente, a ampliação dos fluxos de comércio e a concorrência em nível mundial ensejam a redução dos custos energéticos, uma maior pressão para reduzir emissão de gases de efeito estufa e a introdução de novas tecnologias para a produção de energia. Um cenário energético sustentável encontra-se em uma posição intermediária de equilíbrio entre um cenário restritivo, mais fechado às trocas internacionais e limitado no acesso à diversidade energética, e um cenário de abertura, com maior intensidade na concorrência internacional e aceitação de alternativas descoladas do compromisso ambiental. No cenário de referência, haverá uma reordenação nas proporções dos energéticos disponíveis na matriz energética global e na do Brasil, considerando a sustentabilidade das escolhas em termos de competitividade econômica, disponibilidade física de recursos e impactos ambientais. A evolução da demanda de energia estará relacionada à composição de uma oferta de energéticos que atenda a critérios de segurança de oferta, restrição gradual de emissões e introdução de medidas de eficiência energética. 19

20 A projeção do player Brasil As projeções para a economia mundial mostram um significativo aumento de importância do Brasil, fruto de uma trajetória de crescimento constante e da estabilidade. O país terá um crescimento de 4% ao ano entre 2007 e 2030, levando-o a saltar da décima para a oitava posição entre as maiores economias do mundo. O retorno do capital das 20 maiores economias em 2030 País* Estoque de capital (em US$ bilhões de 2005) Retorno do capital (% ao ano) Estados Unidos ,5 28,1% China ,5 19,9% Japão ,0 16,0% Alemanha ,4 19,1% Grã-bretanha 6.839,9 29,1% França 7.545,6 24,4% Itália 6.943,9 20,7% Brasil 6.280,6 24,2% México 5.357,2 23,6% Índia 6.215,0 22,5% Canadá 4.466,1 24,7% Espanha 5.404,0 19,2% Coréia do Sul 6.482,4 14,1% Austrália 4.499,5 18,6% Rússia 5.432,3 14,3% Turquia 2.557,0 22,2% Holanda 2.194,2 22,5% África do Sul 1.522,0 24,8% Indonésia 1.956,0 20,9% Suécia 1.221,6 26,4% Mundo ,46 22,2% Fonte: FGV. (*) Ordenados pelo PIB em Na evolução dos países emergentes, é importante pontuar que a China se tornará a segunda maior economia já em 2017 e que, nas próximas duas décadas, o México e a Índia ultrapassarão a Espanha e o Canadá, situando-se logo abaixo do Brasil. O crescimento da renda per capita brasileira será de 3% ao ano entre 2007 e 2030, bem acima da média mundial de 1,7%, o que levará esse indicador a dobrar em 23 anos. A massa de salários crescerá à taxa de 3,5% ao ano no mesmo período. Isso implica que o seu volume chegará a US$ 880,3 bilhões em 2030, sendo o oitavo maior do mundo. Crescimento semelhante da massa de 20

Brasil sustentável Crescimento econômico e potencial de consumo

Brasil sustentável Crescimento econômico e potencial de consumo A Brasil sustentável Crescimento econômico e potencial de consumo A BRASIL SUSTENTÁVEL CRESCIMENTO ECONÔMICO E POTENCIAL DE CONSUMO Índice Apresentação 3 Uma visão do percurso até 2030 4 Sob o signo da

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012 +Gás Brasil A energia que pode revolucionar a economia brasileira São Paulo, 17 de Outubro de 2012 A hora do gás na agenda nacional Mudanças tecnológicas, econômicas e políticas globais e locais impõem

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS Uma proposta de trabalho para apresentação ao SESC Serviço Social do Comércio Preparada pelo IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade Maurício Blanco

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

A emergência de um novo mundo no século XXI?

A emergência de um novo mundo no século XXI? A emergência de um novo mundo no século XXI? José Eustáquio Diniz Alves 1 A economia mundial deve crescer cerca de 4 vezes nos próximos 40 anos. Isto quer dizer que o Produto Interno Bruto (PIB) terá o

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho Press release Data Contato EMBARGO 00h01min (horário Brasília) Terça-feira, 7 de outubro de 2014 Márcia Avruch Tel: +55 11 3674 3760 Email: marcia.avruch@br.pwc.com Pages 4 Receita do Network PwC cresce

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas

Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas Fernando A. Veloso Ibmec/RJ XII Seminário Anual de Metas para a Inflação Maio de 2010 Crescimento da Renda per Capita Entre 1960 e 1980, a renda

Leia mais

Os determinantes do custo Brasil

Os determinantes do custo Brasil Os determinantes do custo Brasil PET-Economia: Reunião de Conjuntura 14 de Outubro de 2011 Entendendo o O é um termo genérico, usado para descrever o conjunto de dificuldades estruturais, burocráticas

Leia mais

CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL

CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL. O déficit habitacional brasileiro é da ordem de 7 milhões de unidades. A demanda por crescimento demográfico do número de famílias é da ordem de 700 MIL unidades

Leia mais

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique IGC Mozambique A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique 09 de Março de 2012 1 Introdução Uma visão retrospectiva mostra uma década que já aponta a grande clivagem da economia

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira continuarácrescendo firmemente nos

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia Workshop de Macroeconomia Avaliação de Conhecimentos Específicos sobre Macroeconomia Workshop - Macroeconomia 1. Como as oscilações na bolsa de valores impactam no mercado imobiliário? 2. OquemoveoMercadoImobiliário?

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 A Evolução do Funding e as Letras Imobiliárias Garantidas Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP O crédito imobiliário

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero

As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero Fausto Brito José Alberto Magno de Carvalho Cássio Maldonato Turra Bernardo Lanza Queiroz Nas três primeiras décadas da segunda metade do século

Leia mais

CORREÇÃO TAREFAS. Aulas 1 4 Pág. 24-31

CORREÇÃO TAREFAS. Aulas 1 4 Pág. 24-31 CORREÇÃO TAREFAS Aulas 1 4 Pág. 24-31 Paginas 24 e 25 1. a) População absoluta é a população total de um determinado local. b) População relativa é a densidade demográfica, ou seja, média de habitantes

Leia mais

FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA

FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA Inês Magalhães Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades Brasília, 24 de novembro de 2011 Política Nacional de Habitação

Leia mais

ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc

ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc Mercadante_ANEXOS.indd 225 10/4/2006 12:00:02 Mercadante_ANEXOS.indd 226 10/4/2006 12:00:02 QUADRO COMPARATIVO POLÍTICA EXTERNA Fortalecimento e expansão

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010 Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL Outubro de 2010 Aviso Esta apresentação contém declarações prospectivas. Tais informações não são apenas fatos históricos, mas refletem as metas e as expectativas

Leia mais

X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil. Porto Alegre, 27 de outubro de 2011.

X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil. Porto Alegre, 27 de outubro de 2011. X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil Porto Alegre, 27 de outubro de 2011. Brasil esteve entre os países que mais avançaram na crise Variação do PIB, em % média

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Por que Serviços? Serviços (% PIB) - eixo da esquerda PIB per capita ($ de 2005) - eixo da direita

Por que Serviços? Serviços (% PIB) - eixo da esquerda PIB per capita ($ de 2005) - eixo da direita Por que Serviços? Jorge Arbache 1 Bens e serviços estão se combinando por meio de uma relação cada vez mais sinergética e simbiótica para formar um terceiro produto que nem é um bem industrial tradicional,

Leia mais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Os oito anos do Plano Real mudaram o Brasil. Os desafios do País continuam imensos, mas estamos em condições muito melhores para enfrentálos.

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Laboratório de Políticas Públicas Municipais (LPPM) Nota Técnica n 02 ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE CARUARU

Laboratório de Políticas Públicas Municipais (LPPM) Nota Técnica n 02 ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE CARUARU Laboratório de Políticas Públicas Municipais (LPPM) Nota Técnica n 02 ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE CARUARU Caruaru, 2013 Diretor Presidente da Associação Caruaruense de Ensino Superior Prof. Paulo Muniz Lopes

Leia mais

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO Educação Profissional e Tecnológica Sergio Moreira BRASIL ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2013/2014 Ranking Global de Competitividade BRICS: 2006 a 2013 Brasil ficou em 56º

Leia mais

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Contexto

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Fundação Getúlio Vargas 11º Fórum de Economia Ministro Guido Mantega Brasília, 15 de setembro de 2014 1 Por que fazer ajustes macroeconômicos? 1. Desequilíbrios

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

Workshop - Mercado Imobiliário

Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário 1. O que está acontecendo com o Brasil? 2. Por que o Brasil é a bola da vez? 3. Por que o Mercado imobiliário

Leia mais

Núcleo de Inovação e Empreendedorismo. CRI Nacional. Relatório de Evento 11 de Dezembro de 2013

Núcleo de Inovação e Empreendedorismo. CRI Nacional. Relatório de Evento 11 de Dezembro de 2013 Data Núcleo de Inovação e Empreendedorismo CRI Nacional Relatório de Evento 11 de Dezembro de 2013 Encontro do CRI Nacional 11 de Dezembro de 2013 Cenários Econômicos e Impactos para a Inovação em 2014

Leia mais

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040 212 - Panorama Energético: Perspectivas para Índice Fundamentos globais 2 Residencial/comercial 3 Transportes 4 Industrial 5 Geração de eletricidade 6 Emissões 7 Fornecimento e tecnologia 8 Conclusão 9

Leia mais

A nova classe média vai às compras

A nova classe média vai às compras A nova classe média vai às compras 18 KPMG Business Magazine Cenário é positivo para o varejo, mas empresas precisam entender o perfil do novo consumidor Nos últimos anos o mercado consumidor brasileiro

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação

de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação De Olho nas Metas 2011Quarto relatório de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação Investimentos em Educação: comparação internacional Brasil investiu US$ 2.416 por aluno/ ano em 2008. Média dos

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 Quem disse que nada é impossível? Tem gente que faz isso todos os dias!. Alfred E. Newman O Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional Gráfico 1 Produção da construção civil e PIB Variações anuais % 1 8 6 4 2-2 -4 1999 2 21 22 23 24 25 26 27 28 Construção civil PIB A indústria

Leia mais

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08 Resumo Executivo A Sondagem Industrial procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como Sonho Brasileiro.(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Rio de Janeiro, 17 de setembro de 2009 Fórum Especial INAE Luciano

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos ipea 45 anos NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Rio de Janeiro, maio de 2009 1 Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Marcio Pochmann

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo

Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo A grande janela de oportunidades (O Brasil decola) A grande janela de oportunidades Linha do tempo das conquistas

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

Pessoas que cuidam de pessoas

Pessoas que cuidam de pessoas Pessoas que cuidam de pessoas Agenda Cenário Econômico Mundial Ranking PIB 2012 15,68 8,22 5,96 3,40 2,60 2,44 2,39 2,02 2,01 1,82 Estados Unidos China Japão Alemanha França Reino Brasil Rússia Itália

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

ALTERNATIVAS PARA A APOSENTADORIA. Visão geral de previdência

ALTERNATIVAS PARA A APOSENTADORIA. Visão geral de previdência ALTERNATIVAS PARA A APOSENTADORIA Visão geral de previdência Agenda 4Conceitos assistência, previdência, seguro 4Regimes e grandes números 4Sustentabilidade 4Previdência privada 4Saúde-Previdência 2 CONCEITOS

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

José Eustáquio Diniz Alves 1

José Eustáquio Diniz Alves 1 China e Índia: população, economia e desenvolvimento humano José Eustáquio Diniz Alves 1 A Chína e a Índia são os dois países mais populosos do mundo e que também já foram, antes de 182, os dois países

Leia mais

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial 4o. Congresso Internacional de Inovação FIERGS Política Industrial em Mercados Emergentes Porto Alegre, 17 de novembro de 2011 Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial João Carlos

Leia mais

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Conclusão é do novo relatório do Earth Security Group, lançado hoje em São Paulo na sede da Cargill São Paulo, 23 de

Leia mais

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC 27.03.12 Paulo Safady Simão Presidente da CBIC REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL DAS ENTIDADES EMPRESARIAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E CÂMARAS 62

Leia mais

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 21 dezembro de 2014

Leia mais

A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs

A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs José Eustáquio Diniz Alves 1 O acrônimo BRIC (tijolo em inglês), formado pelas letras iniciais dos nomes de quatro países de dimensões continentais Brasil,

Leia mais