Página Portal de Comunicação da Universidade do Minhoe

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Página Portal de Comunicação da Universidade do Minhoe"

Transcrição

1 1 de 11 homepage recortes imprensa universidade do minho ensino superior outras universidades pesquisa eventos conferências, encontros cultura e lazer cerimónias solenes prémios outros externos pesquisa provas académicas agregação doutoramento pesquisa serviços on-line intranet estágios curriculares lembranças institucionais portal académico acção social informação boletim UMinho RUM on-line UM-Dicas visitantes visitas escolas como chegar à UM O impacto da crise no ensino superior terça-feira, Diário Económico / Quem é Quem O impacto da crise no ensino superior Questões 1. A crise veio afectar ou não a procura de formação por parte de alunos e empresas? 2. O que mudou naquilo que procuram as empresas e os alunos na formação de executivos? 3. Estão a delinear-se algumas novas tendências na formação no contexto desta crise? IESF Paulo Tavares - Presidente do IESF voltar 1. O sector Português e internacional do ensino / formação está a atravessar a maior revolução de sempre. A pressão colocada pelo processo de Bolonha na perspectiva vigente da valorização profissional através de cursos de graduação e pósgraduação, transformou completamente essa perspectiva para ambos, educandos e empregadores, e alterou definitivamente o "mix" deste mercado. Adicionalmente, a mais recente crise financeira e económica diminuiu o poder de compra e deprimiu bastante este mercado. Para além disso, a assunção por parte do Estado Português de uma fatia importante da formação qualificante, contribuiu muito significativamente para diminuir ainda mais o potencial do sector. 2. O que mudou naquilo que procuram as empresas e os alunos na formação de executivos? O efeito mais visível da actual crise no sector é o aumento claro da procura de formação mais aplicada que dê resposta às necessidades imediatas das empresas. Essa procura traduz-se ao nível pós secundário nos cursos vocacionais de especialização e ao nível pós-graduado nos MBAs e pósgraduações reputadas pelas suas características de aplicação prática, tais como um corpo docente constituído por especialistas nas áreas em que ensinam e uma direcção clara para as necessidades do mercado. De igual modo os alunos e as empresas procuram agora mais um ensino graduado de 1 e 2 ciclos mais aplicado. 3. Estão a delinear-se algumas novas tendências formação no contexto desta crise? Os institutos politécnicos com uma oferta de qualidade na formação graduada e pós-graduada parecem poder agora posicionar-se melhor no mercado com uma oferta de um ensino mais aplicado. As próprias empresas consideram e decidem-se muitas vezes pela constituição de academias internas que assegurem esta visão de um ensino mais pragmático e de acordo com a visão da empresa. Os temas da inovação e do empreendedorismo, tão caros às empresas e aos alunos, começam finalmente a fazer parte integrante dos currículos escolares ao nível do ensino superior, mas ainda temos um caminho longo pela frente até conseguirmos que o sistema de ensino bipolar Português atinja as metas propostas inicialmente e o equilíbrio de que o Estado Português necessita neste domínio. ISCTE António Gomes Mota - Presidente da ISCTE Business School 1. No que concerne às empresas, como é natural as despesas com formação tendem a ter acrescida contenção em épocas de crise, pelo que se assistiu sem surpresa a alguma redução na procura de programas de formação intra e de inscrições em programas abertos.

2 2 de 11 Relativamente aos quadros que financiam a sua própria formação, geralmente em programas mais longo como os mestrados executivos e pós graduações, há dois efeitos contrários: por um lado a crise reduz, em vários casos, a disponibilidade financeira para investimento na formação mas, ao mesmo tempo, torna ainda mais importante a aquisição de novos conhecimentos e competências como forma de valorização e diferenciação num mercado de trabalho mais difícil. 2. Há uma crescente e saudável exigência de maior articulação da experiência em sala de aula com a realidade empresarial, procurando-se cada vez mais que o desenho e conteúdos dos programas respondam a necessidades concretas das empresas e das funções exercidas e que o processo formativo possa de imediato aportar valor ao desempenho o que obriga a uma maior confluência nos temas, métodos e instrumentos formativos com a prática empresarial. 3. Há uma maior focalização na valorização das dimensões comportamentais dos profissionais no quadro das actividades das organizações, cuidando-se não só de aspectos meramente técnicos como na sua actuação, em equipa ou enquanto líder, como comunicador, como gestor de tempo, de tarefas, de stress, apenas para citar alguns exemplos. Por outro lado, há uma maior consciência de um adequado planeamento das actividades de formação ao longo da evolução profissional, na qual vão sendo exigidas o desenvolvimento de competências distintas nas diferentes funções desempenhadas, sobretudo quando se passam a assumir funções de gestão e de maior responsabilidade a nível de coordenação. ISG Carlos Vieira - Administrador do Grupo Ensinus e da Codepa 1. A resposta é positiva no lado dos indivíduos e negativa por parte das empresas. Do lado das pessoas individualmente, para além de situações de desemprego que levaram muitas pessoas a procurar estar em melhores condições em termos de reforço de competências que já detinham e obtenção de novos conhecimentos, há a clara percepção que a qualificação profissional e o aumento dos conhecimentos lhes permite ambicionar melhorias profissionais e uma protecção ou preparação para eventuais contingências futuras que os obriguem a mudar de actividade profissional. Do lado das empresas, as dificuldades financeiras vieram inibir em muitas delas, os gastos com formação e educação dos seus quadros. Pelo menos quando se tratam de cursos fora da esfera das empresas propriamente ditas, pois ao mesmo tempo observa-se um incremento da actividade das suas academias internas que têm muito mérito mas que, no nosso entender, têm algumas limitações que, posteriormente, os trabalhadores procuram individualmente nas instituições de ensino e formação. Curiosamente a presente crise ocorreu no mesmo momento em que se tem definido como prioridade nacional a melhoria das qualificações da população. Acreditamos que passada a crise, a competição laborai vai ser significativamente notada e que existirá um conjunto significativo de indivíduos que terão ferramentas e conhecimentos capazes de melhorar a produtividade laboral das organizações (privadas e públicas). Será interessante daqui a cerca de 5 anos poder estudar os impactos da melhoria generalizada das qualificações. 2. As empresas continuam a privilegiar o aumento de competências específicas dos seus quadros, designadamente nas áreas comportamentais (liderança, negociação, trabalho em equipa, coaching). Os alunos individualmente estão claramente a percepcionar alterações estruturais na economia e a buscar outras áreas de conhecimento em que se antevêem mais oportunidades futuras. Isto observa -se claramente nas áreas ligadas ao transporte e logística, saúde e gestão, nas áreas financeira, fiscal, comercial e comportamental. 3. Tem havido bastantes discussões e análises ao nível das business schools, também porque tem havido acusações de responsabilização das mesmas nalguma inadequação da formação dos seus alunos, o que veio também a contribuir para a crise com que nos deparamos. Assim, o papel das business schools, está a ser avaliado nas suas componentes de educação formal e prática (fora da sala de aula) e a componente muito valorizada de networking dos alunos e professores deve ser revista numa perspectiva mais colaborativa e de integração dos conhecimentos formais e de integração transversal nas organizações, reflectindo-se se também se deve analisar a um código de ética nos negócios. Nestes pontos aconselhamos a leitura da Harvard Business Review de Julho-Agosto do corrente ano. Assim, tem-se observado uma preocupação por parte das Business Schools em geral e do Instituto Superior de Gestão em particular em reforçar as componentes de ética nos negócios nas várias formações desenvolvidas. Ao mesmo tempo assiste-se a uma procura nos cursos referidos

3 3 de 11 anteriormente - Gestão Financeira, Transportes e Logística e nas áreas de Liderança e Negociação (com as áreas comerciais a serem muito estimuladas). INA FRANCISCO RAMOS - Presidente da INA 1. O Instituto Nacional de Administração (INA) é a uma entidade de formação especialmente vocacionada para os recursos humanos de organismos da Administração Pública Central e Regional. Apesar de a "crise" ter inícios em finais de 2008, a formação do INA apresentou ainda durante esse ano e no ano seguinte, indicadores muito positivos. Em 2009, inclusive, o INA registou o número máximo de participantes em acções de formação dos últimos 30 anos, ultrapassando a fasquia dos alunos. No 1º semestre de 2010 esta tendência sofre alguma redução sobretudo devido às fortes restrições orçamentais impostas pelo Plano de Estabilidade e Crescimento. A excepção é feita à formação de dirigentes/ executivos que desde o início do ano já cumpriu mais de 90% dos indicadores obtidos na globalidade do ano anterior. Esta aparente tendência em contra ciclo deve-se sobretudo ao financiamento do QREN-POPH, ao qual o INA submeteu as edições descentralizadas de dirigentes. 2. Em concreto na formação de executivos, o INA tem vindo a desenvolver um esforço considerável na oferta formativa em todo ao país para abranger quadros superiores e intermédios espalhados pelo país. Neste sentido, em 2010 foram levadas a cabo acções de média e longa duração em 14 capitais de distrito (incluindo regiões autónomas). As áreas mais procuradas estão relacionadas com a gestão pública, nomeadamente, gestão por objectivos, estratégica ou gestão de projectos. Ainda as áreas relacionadas com a Reforma da Administração Pública continuam a manter um elevado grau de interesse, sobretudo ao nível de workshops práticos, pois permitem aplicar os conhecimentos já sedimentados em problemas do dia-a-dia. Destacamos, neste âmbito, cursos como o SIADAP (Avaliação de Desempenho), LVCR (Lei dos Vínculos Carreiras e Remunerações) ou o CCP (Código da Contratação Pública). Por outro lado, registamos um crescente interesse na formação por encomenda ou à medida. Se no passado este nicho de mercado tinha um impacto residual na actividade do INA, hoje já representa cerca de 30% do nosso volume de negócio, confirmando a tendência de procura de formação adaptada às necessidades de cada serviço. 3. O Estado e a Administração estão hoje muito mais preocupados com a importância dos instrumentos de gestão, da simplificação dos processos de forma a obter ganhos de eficiência e racionalidade no serviço prestado e na qualidade apreendida pelo cidadão. Neste sentido o INA vai apostar em 2011 nas áreas da reengenharia de processos, do apoio aos serviços sobre as novas metodologias de gestão por objectivos e de sistemas de mediação e avaliação de resultados. O momento actual não se pauta por avançarmos em novas ondas de mudança, mas sim de consolidar e aplicar os conhecimentos apreendidos. Outra área que contamos desenvolver, em linha com as orientações ministeriais, será a aposta em programas de apoio à excelência e de reconhecimento do mérito a trabalhadores que se destacaram no exercício das suas funções. Estes passam sobretudo por apoiar programas de estudo de nível avançado em universidades nacionais e internacionais. É fundamental que a Administração Pública consiga atrair e reter talentos, capazes de prestar um serviço de qualidade e de excelência. ISEG Mário Caldeira - Vice-presidente do ISEG 1. A crise económica resulta, em meu entender, em muito, da insuficiência de conhecimento e de falta de responsabilidade na implementação de "boas práticas" de gestão. Penso que a formação em economia e gestão tem um papel importante para ajudar a ultrapassar este tipo de situações de crise. Sendo assim, não é de estranhar que tenhamos sentido um aumento muito significativa na procura de cursos de formação pós-graduada. 2. O que mudou naquilo que as empresas e os alunos procuram na formação de executivos? As pessoas perceberam que para poderem ter acesso ou garantir empregos interessantes têm de estar preparadas e actualizadas, têm de ter capacidades "únicas". Neste sentido, sentimos uma maior procura de cursos e cadeiras especializadas, que permitam aos seus participantes desenvolver competências diferenciadoras, apesar das áreas de procura de cursos de formação serem as

4 4 de 11 tradicionais: marketing, finanças, economia, contabilidade, sistemas de informação, estratégia, gestão de projectos, gestão de recursos humanos, etc. 3. Estamos a desenvolver cursos mais especializados, dirigidos a sectores específicos, e de menor duração, para responder de forma mais rápida e precisa às necessidades da procura. Cursos como gestão e avaliação imobiliária, wine management, IT governance, gestão de bancos e seguradoras, management and business consulting, international business, economia e gestão do turismo, apresentam-se como muito interessantes no contexto actual. Mário Caldeira Dias - Director da Faculdade de Ciências da Economia e da Empresa 1. Embora não seja facilmente quantificável, é certo que a crise coloca as empresas sob pressão relativamente às despesas mais urgentes e imediatas (não necessariamente as mais importantes) e faz projectar o desemprego, o aumento dos impostos e outras restrições salariais sobre as famílias. 2. Procuram formações mais próximas das necessidades do mercado de trabalho e cursos com maior nível de empregabilidade, ou então, com um leque de saídas mais disperso. 3. As tendências inclinar-se-ão, ou pelo menos inclinar-se, para os factores de inovação, para as novas tecnologias e para os factores e sectores que melhor suportem a competitividade internacional, sem esquecer o grande peso das profissões relacionais (que implicam o estabelecimento de relações pessoais). THE LISBON MBA Tania Roquette - Directora de Marketing de Admissões da Lisbon MBA 1. Normalmente quando se verifica uma recessão económica existe um efeito positivo de curto prazo em que existe uma procura maior de valorização pessoal e profissional. Este ano, registámos um aumento de 62% nas candidaturas ao o programa Part -Time 2010/2012 que vem demonstrar que existe um sentimento generalizado de que mesmo havendo um panorama pessimista relativamente à recuperação económica, esta deixa de ser um aumento de curto prazo e as pessoas continuam a querer investir na sua formação. Foi também visível um aumento do número de alunos patrocinados por empresas pois é normal as empresas sentirem necessidade de demonstrar reconhecimento aos seus colaboradores e beneficiando também da aquisição de conhecimento e valorização dos mesmos. 2. Os alunos que procuram um MBA vêm à procura de ferramentas de gestão e em busca de uma valorização pessoal e profissional. Alguns têm como objectivo uma mudança de carreira, outros procuram ganhar competências para progredir na sua actual empresa ou mesmo criar o seu próprio negócio. Um MBA garante o conhecimento técnico necessário a um futuro gestor e desenvolve o potencial de liderança, de trabalho em equipa, a capacidade de inovação e a criatividade. Todas estas características são depois altamente valorizadas por potenciais empregadores. Existem certas áreas e empresas que valorizam muito os MBAs, usando mesmo estes cursos como mecanismos de progressão de carreira. Muitas empresas, nomeadamente na área de Consultoria e Finanças. Durante os estágios de verão de 2010 as áreas que mais recrutaram alunos de MBA foram o sector Financeiro (31%), FMCG (16%) e Energias Renováveis (16%). Depois do MBA, a maioria dos alunos aceitaram funções nas áreas de Estratégia e Planemento (39%), Consultoria de Gestão (22%) e Gestão Geral (17%). 3. Não considero que se estejam a delinear novas tendências ao nível do MBA que derivem directamente como consequência do contexto económico-financeiro. Tal como no resto do mundo, as novas tendências ao nível do MBA prendem-se com um maior preocupação em abordar questões de ética, gestão de risco, responsabilidade social e sustentabilidade nos programas curriculares. Querem que os nossos alunos sejam conscientes de que é necessário dar o seu contributo para o desenvolvimento sustentável, independentemente da área onde trabalham. PWC Nuno Nogueira - Academy manager da PWC 1. As empresas e os seus profissionais têm elevadas exigências quanto ao retorno do investimento que aplicam em acções de formação profissional em que participam e tais requisitos não se alteram em função da actual conjuntura económica, continuando a investir em formação de qualidade e de excelência. As dificuldades financeiras das empresas constituem uma oportunidade para reverem investimentos, apostarem cada vez mais na qualidade e em formação prática que crie, de facto,

5 5 de 11 valor. 2. Acreditamos que acções de formação assentes em formatos práticos, de curta duração, com objectivos pedagógicos claramente definidos e mensuráveis, que se traduzam em alterações visíveis em comportamentos profissionais e no domínio de conhecimentos e competências traduzem uma visão de um futuro próximo, em que a formação profissional se encontra com as crescentes expectativas de empresas e dos seus quadros médios e superiores, quanto à percepção do valor criado para o desenvolvimento contínuo do seu negócio e da sua carreira, respectivamente. 3. Saber gerir. Saber criar valor e negócio. Saber estar com clientes e colaboradores. Compreender as múltiplas dimensões dos desafios económicos e empresariais exige o desenvolvimento de competências estratégicas e tácticas que apoiem os executivos nas suas decisões diárias quanto à sustentabilidade da actividade das suas empresas e do seu novo enquadramento social e económico que corresponda a um novo quadro geracional e cultural dos seus consumidores. FCEE UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA José Filipe Rafael - Director Adjunto da Católica Lisbon Executive Education 1. Pode-se ver a "crise" por dois ângulos diferentes. Para muitas empresas e pessoas significará menos actividade e mais inacção. Estas têm claramente reduzido orçamentos e portanto feito menos formação. Mas para muitas outras empresas e pessoas "crise" significa adaptação a um mundo em mudança, necessidade de actualização, de reconversão, pois as oportunidades que têm são diferentes das que tinham há uns anos. E uma das melhores formas de estimular essa mudança e actualização é justamente através da formação. Felizmente a FCEE- Católica tem essencialmente entre os seus clientes empresas dinâmicas e em evolução permanente, que enfrentam as dificuldades com determinação e que procuram reunir condições para o sucesso que naturalmente passam por quadros muito bem preparados. O mesmo acontece com quem procura os nossos programas a título individual: são quadros proactivos que se preparam para novos desafios. No entanto, é claro que as empresas e particulares são mais criteriosos nas escolham que fazem, procuram soluções mais eficientes e eficazes e por isso temos desenvolvido soluções mais flexíveis, é com satisfação que podemos dizer que vamos crescer num ano tão difícil como Há claramente uma procura crescente por programas mais curtos e mais especializados. Não podemos falar dum efeito de substituição da procura por programas longos e abrangentes, porque continuam a ser muito procurados sobretudo em fases iniciais de carreira, mas nota-se que, em função do estádio da carreira ou do sector de actividade, há interesse por aprofundar temas de especialidade. No que respeita aos domínios de formação, nota-se uma procura crescente por amadurecer a ligação da Gestão a preocupações de mudança e estímulo da eficiência e eficácia dos seus colaboradores. Lançámos o ano passado o programa de Gestão da Mudança que continua a ser muito procurado tanto individualmente como em programas intra-empresa. Nesta mesma linha de orientação, oferecemos pela primeira vez o programa Gerir por Objectivos e Avaliar o Desempenho. É inteiramente dedicado a aprender como numa empresa ou unidade de negócio se estabelecem e operacionalizam os objectivos individuais e de equipa. A perspectiva da formação permanente, ao longo de toda a carreira, tem-se claramente acentuado. A medida que os executivos vão evoluindo, também as suas necessidades de formação vão sendo diferentes. Nos primeiros anos, os executivos mais jovens procuram cursos mais abrangentes, mais longos, de um ano académico, que lhes dêem uma perspectiva alargada sobre as várias áreas da Gestão. Mais tarde, quando assumem mais responsabilidades, procuram melhorar as suas valências comportamentais, de comunicação, negociação ou liderança, bem como complementar a sua formação técnica com cursos de especialização, tipicamente mais curtos. Quando acedem a funções de administração ou direcção-geral, procuram uma visão mais estratégica e de alto nível que encontram no programa de Gestão Estratégica e Criação de Valor e no Advanced Management Program, programa que aborda temas de grande actualidade e é oferecido conjuntamente pela FCEE-Católica e pela Kellogg School of Management, dividido por duas semanas de formação, uma Lisboa e outra em Chicago. 3. Ao nível da formação intra-empresa claramente uma tendência para passar do tradicional plano de formação para um conceito de escola ou universidade corporativa, dando aos quadros possibilidades

6 6 de 11 de crescimento que superam largamente a formação nas funções que desempenham, frequentemente com adopção de novas tecnologias, usando metodologias de b-learning. Muitas das empresas têm inclusivamente aberto os programas que desenvolvem aos seus parceiros de negócios, porque ganham com esse crescimento conjunto, havendo diversos casos em que os programas são exclusivamente destinados a empresas clientes ou distribuidoras. É muito interessante constatar que as empresas percebem cada vez mais a formação como um investimento diferenciador e de elevado retorno, seja quando estão a investir nos seus próprios quadros, seja quando estão a investir nos gestores dos seus parceiros de negócio pois isso reforça a sua própria competitividade. EGP-UPBS Ana Paula Serra - Directora Executiva da EGP-UPBS e responsável pelo pelouro da Formação para Executivos da EGP-UPBS. 1. Em termos agregados, o principal impacto da crise na procura de formação sentiu-se em é um ano de recuperação Registaram-se algumas mudanças. Nas empresas acentuou-se a tendência de fazer programas inhouse, adequados às necessidades específicas das empresas. Já as empresas de média dimensão têm privilegiado temáticas relacionadas com a necessidade de uma postura mais competitiva por parte das empresas. Há uma maior procura de formações que suscitam reflexões e partilhas capazes de gerar ideias e soluções para desafios emergentes no contexto pós- crise, bem como de programas que oferecem técnicas e ferramentas de implementação e controlo de estratégias com utilidade imediata na gestão de empresas. Mantém-se ainda assim o interesse em formações nas temáticas de liderança e treino de equipas e desenvolvimento pessoal. Uma tendência marcante para as grandes e médias empresas é estruturar a formação em parceria com os responsáveis da formação de executivos das business schools, identificando cuidadosamente as necessidades de formação, em termos de hard skills e soft skills dos seus colaboradores, tendo por base os desafios que enfrentam e as competências internas existentes. IFB Luís Vilhena da Cunha - Director-Geral do Instituto de Formação Bancária (IFB) e Presidente da Direcção do Instituto Superior de Gestão Bancária (ISGB) 1. O Instituto de Formação Bancária (IFB) - como, aliás, o seu instituto-irmão, o Instituto Superior de Gestão Bancária (ISGB) - sendo integralmente detido pela Associação Portuguesa de Bancos (APB), está vocacionado para as necessidades de formação específicas do sector financeiro e, dentro dele, particularmente do bancário. A enorme crise económica e financeira actual, afectando todos os países e sectores de actividade, originou novas necessidades de formação e alterou algumas das prioridades anteriores neste domínio. A diminuição do nível de actividade do sector não bancário da economia tem originado o aumento da concorrência entre os bancos. Além disso, as acrescidas exigências dos reguladores, por um lado, e o necessário reforço da actividade de promoção comercial de produtos e serviços financeiros, por outro lado, têm feito aumentar os domínios em que a formação profissional se torna imprescindível. No sector bancário português a utilização da formação como importante instrumento de gestão dos recursos humanos é uma realidade já com muitos anos e consolidada, o que permitiu que o IFB esteja no seu trigésimo ano de vida e que exerça actividade não só para bancários portugueses como também de outros países da Europa e de África. Como exemplo, posso dizer que estamos neste momento a ministrar (em Lisboa) um curso para directores do Development Bank of Ethiopia que nos foi encomendado pelo Banco Europeu de Investimento. A procura de formação por parte de alunos e empresas continua forte. 2. Na formação de executivos bancários tem havido necessidade de formação em alguns aspectos específicos, como o de compliance e o de investimentos e mercados financeiros, e reforço da preparação em gestão de recursos humanos e gestão comercial e de marketing financeiro. Isto para

7 7 de 11 além do aumento de formação em técnicas bancárias desenvolvidas e técnicas comportamentais. 3. Continuando focado no sector bancário, posso dizer há a preocupação de entender com maior profundidade o funcionamento dos novos sectores de actividade económica, de aumentar as competências de gestão geral, e de dominar com maior agilidade os instrumentos de gestão do marketing moderno e de gestão de pessoas. CATÓLICA DO PORTO ÁLVARO NASCIMENTO - Director da Faculdade de Economia e Gestão e director da EGE do Centro Regional do Porto-Católica 1. Claro que sim, com a crise as empresas cortaram na formação e tal reflectiu-se na procura dos programas desenhados à medida. Este corte é natural e surge no topo da lista das prioridades quando a preocupação é a redução de custos. Não obstante, nem todos os nossos parceiros empresariais tiveram a mesma atitude. Conscientes de que a formação é um factor chave para a competitividade, continuaram com programas já iniciados e alguns lançaram novos desafios procurando respostas a um novo paradigma mais competitivo e num mundo global em que os choques se propagam com maior rapidez e maior intensidade. Nos programas que temos abertos (MBA ou de formação avançada),a queda da procura não ocorreu com idêntica intensidade. A crise, muito severa no Norte e Portugal, induziu uma importante quebra no rendimento das pessoas e, também, o aumento do desemprego. E estes factos justificariam fortes quebras na actividade de formação. No caso da Católica.Porto, na Atlantic Business School a quebra da procura neste segmento de mercado foi ainda assim moderada. 2. Mudou, sobretudo, o perfil dos programas de formação e os objectivos. Hoje há uma menor preocupação com o desenvolvimento de competências técnicas e um maior enfoque em aspectos relacionados com aquilo que nas escolas de economia e gestão se chama de competências transversais ou 'soft skills'. Procura-se hoje uma formação mais abrangente e multidisciplinar, num entendimento moderno de que os gestores de hoje necessitam de valências em áreas diversas, que extravasam os assuntos económicos e se estendem à cultura, às ciências e às engenharias, entre tantos outros. Esta capacidade pessoal de desenvolver uma visão abrangente e crítica - a par com a capacidade de capitalizar as redes de relações pessoais - está na base de ousados processos de inovação e desenvolvimento empresarial, assentes em novas estratégias que têm em vista reforçar a competitividade das empresas nos mercados tradicionais e descobrir novas oportunidades. Há também uma consciencialização crescente para a importância das redes e da cooperação no sucesso empresarial. 3. As escolas de negócios permanentemente sujeitas a processos de inovação, resultado da experiência e de novos avanços científicos. Em cada momento há que repensar a adequação das ofertas formativas à procura e às necessidades do mercado e, também, à sua utilidade para o desenvolvimento e progresso do país. A crise determina novas estratégias para as escolas de negócios e do perfil das ofertas e programas de formação. A resposta que as escolas dão, através de alterações no seu portfolio de oferta de formação, é distinto consoante o contexto. A resposta das escolas de negócios no Norte de Portugal é diferente das escolas do Sul, ou que a resposta das escolas Portuguesas não tem de ser igual à das escolas internacionais. Não é possível mimetizar experiências ignorando a envolvente. As escolas de negócios mantêm relações estreitas com as empresas - como ocorre na Católica.Porto com a Atlantic Business School e Associação Empresarial de Portugal - as respostas inserem-se numa estratégia em que a escola se coloca ao serviço da sua comunidade, procurando desempenhar o seu papel de inovação para o reforço da competitividade e pata o progresso económico. ISLA JOÃO ATANÁSIO - Administrador do ISLA 1. Contrariamente ao que habitualmente se supõe, em épocas de crise a procura de formação por parte de alunos individuais aumenta, por vezes até significativamente. Na realidade, confrontados com o espectro do desemprego ou do potencial desemprego, os

8 8 de 11 particulares tendem a procurar melhorar as suas qualificações de modo a reentrarem no mercado de trabalho ou a garantirem a manutenção do seu emprego. Nestes períodos, a procura de novas ferramentas diferenciadoras, que constituam uma mais-valia a nível pessoal, acentua-se consideravelmente, sendo o investimento em educação superior àquele que se regista em épocas de crescimento económico. Assim, não obstante a redução do poder de compra associada a tempos de crise, a aposta em educação e formação continua a ser efectuada a um ritmo crescente. Já em relação às empresas, verifica-se o fenómeno oposto, havendo uma clara retracção do investimento em formação por parte da esmagadora maioria das empresas, que reduzem as verbas disponíveis para financiar os seus recursos humanos, o que poderá ter consequências negativas no médio/ longo prazo. 2. Num contexto de crise económica, na formação de executivos alunos e empresas procuram, essencialmente, cursos que lhes permitam aumentar a sua rentabilidade, apostando em áreas predominantemente práticas, onde o nosso país possa beneficiar de vantagens competitivas. Assim, o Turismo e a Hotelaria, a Gestão nas suas várias vertentes (Estratégica, Marketing, Financeira, Recursos Humanos, etc.) e a Saúde têm conhecido uma forte procura por parte de alunos e de empresas, tendo os números superado aqueles que se registavam em períodos homólogos nos anos anteriores. As áreas mais penalizadas foram aquelas em que se registaram maiores quebras a nível económico, com as empresas, sobretudo, a reduzirem significativamente os valores de que dispõe para apoiar a formação dos seus colaboradores. No entanto, o ISLA- Lisboa não tem sido particularmente afectado por esta situação, uma vez que a esmagadora maioria dos seus cursos de formação se situa fora do domínio onde a redução tem incidido de forma mais acentuada. 3. Alguns dos cursos e alguns dos módulos que compõem diversos cursos foram adaptados de modo a reflectir nos seus conteúdos a preocupação existente no tecido empresarial português com as estratégias adequadas para minorar ou ultrapassar a crise económica que afecta o nosso país. Em diversas áreas, procura dotar-se os formandos de ferramentas que lhes possibilitem adoptar medidas de combate à crise e desenvolver as inúmeras oportunidades que surgem sempre nestes períodos. É que não nos devemos esquecer que estas épocas são sempre propícias ao aparecimento de oportunidades de afirmação no mercado. O importante é colocar o acento tónico na potenciação dos recursos humanos e na definição de estratégias vencedoras. Nos cursos da área de gestão ou com componentes de gestão, os programas foram desenhados com estes objectivos. EGE Nuno Côrte-Real - Director da EGE 1. Sim. Notamos desde 2009 alguma quebra na procura de formação executiva, de uma forma mais notória na procura por parte das empresas (in company). Claro que esta retração do investimento em formação por parte das empresas reftete-se igualmente nos programas abertos na medida em que muitos alunos são financiados pelas entidades patronais. 2. A esse nível não sentimos alterações sensíveis. Ou se trata de procura de temas muito específicos, tecnicamente focados (ex: Finanças, Marketing, SNC, etc) ou, se se tratam de programas de gestão de espectro mais alargado, há, como já havia, uma particular preocupação com os aspectos comportamentais (soft skills). É em períodos mais incertos e turbulentos que mais se apreciam nos quadros das empresas as competências de polivalência, flexibilidade e capacidade de adaptação a novos contextos. 3. Penso que não. Ainda andamos todos a "aprender" (leia-se a adaptar-nos), Escolas e mercado de trabalho, às consequências do processo de Bolonha. Quando houver tendências mais definidas sobre o comportamento dos alunos e dos empregadores sobre esta nova realidade é natural que tenha de haver adaptações e novas abordagens. AUTÓNOMA DE LISBOA Reginaldo Rodrigues de Almeida - Director da Administração Escolar Habitualmente diz-se, e é bem verdade, que as épocas de crise também são de oportunidades pois permitem diferentes ângulos de abordagem da realidade envolvente. No que à Universidade Autónoma de Lisboa diz respeito, a procura por formações especializadas, por exemplo, tem assinalado procura crescente. Uma procura de formação contínua e dirigida destinada a nichos

9 9 de 11 empresariais. 2. Conforme referido, as opções recaem cada vez em formações intensivas que tentam potenciar as novas abordagens da gestão a 360. Actualmente as empresas mais do que formarem na base, preferem a especialização através da denominada "banda estreita". 3. As crises como sabemos são cíclicas e as tendências formação serão fundamentalmente aquelas que permitam um desempenho mais qualificado na área de actividade em que cada um está inserido. Os desafios da Gestão passam pela leitura atenta da realidade envolvente e, a cada momento, tomar a mais ajustada decisão em matéria de formação. INSTITUTO PIAGET Marlene V. Silva - Vice- Presidente do Conselho Directivo do Instituto Piaget 1. Sem dúvida que a crise afecta todos os sectores da vida nacional daí que a realidade do ensino superior não seja excepção. Quando as famílias vivem o flagelo do desemprego sentem mais intensamente a necessidade de estabelecer prioridades, e infelizmente resulta muito difícil fazer com que a formação ocupe o primeiro lugar. 2. O ensino superior tem progressivas transformações que acompanham o natural evoluir da humanidade. Com o aumento da esperança média de vida assiste-se a um prolongamento do tempo de vida activa, e tanto as pessoas como as instituições/empresas estão cada vez mais conscientes da necessidade de formação, para além dos chamados ciclos iniciais. Daqui resulta uma procura de formações pós-graduadas que permitam uma actualização e aperfeiçoamento técnico-científico das competências profissionais. 3. Enfrentar e gerir os efeitos de qualquer crise exige uma atitude positiva e de confiança na capacidade de a superar. Acreditamos que algumas novas tendências na formação possam estar relacionadas com o recurso mais frequente às novas tecnologias, destacando-se aqui o ensino a distância. Se conseguirmos manter a acessibilidade à formação, reduzindo os seus custos e assegurando a sua qualidade, certamente estaremos no bom caminho, pois sem formação e qualificação não há competitividade. Nesta perspectiva o Instituto Piaget tem vindo a investir fortemente na formação de toda a comunidade académica, docente e discente, no sentido de a capacitar para novos modelos e metodologias de ensino aprendizagem. NOVA FORUM Nadim Habib - Administrador Executivo do Nova Forum 1. Os Programas de Formação para Executivos desenhados pela NOVA têm inerente uma lógica de longo prazo - 5 a 10 anos. Enquanto meios aceleradores do desenvolvimento das competências executivas dos líderes e futuros líderes do país, os nossos cursos focam questões tão fundamentais como a eficiência operacional e o planeamento estratégico. Ora sabemos que o mundo experimenta de forma cíclica períodos de crise e períodos de crescimento. Por isso, na concepção, oferta e implementação dos nossos Programas, a crise não teve grande efeito e irá continuar a não ter. Numa outra perspectiva, diria que a crise tem levado o mercado - executivos e organizações - a ser mais criterioso na escolha de Programas de Formação. E isto é bom para as escolas que têm vindo a investir em qualidade. Na NOVA, os últimos anos foram de grande investimento na investigação. Por um lado, a investigação científica, por outro, o estudo profundo das metodologias de ensino que têm impacto, que o aluno traduz em resultados a médio e longo prazo. Assim, a verdade é que para nós a crise tem um lado positivo - clientes selectivos tendencialmente escolhem a NOVA para fazer formação. Naturalmente que em momentos de "boom" económico, a premissa altera-se - ávido para comprar, o cliente não pára para avaliar a qualidade. 2. Independentemente do contexto - crise ou expansão - as organizações procuram/pedem que

10 10 de 11 entendamos profundamente os desafios que vivem. Que motivemos os seus quadros. Que aumentemos os seus conhecimentos. E pedem que conectemos os seus quadros... entre eles, mas também com profissionais de outras áreas, sectores e indústrias. 3. Gostaria de destacar uma única tendência na Formação de Executivos: independentemente do Programa em questão, estamos numa era de Leadership Development. Todos os Programas que desenvolvemos na NOVA têm uma lógica de Leadership Development, ou seja, o desenvolvimento de uma cultura de Liderança dentro das organizações. Simplesmente porque foram pensados para formar os futuros líderes do país. AESE Jorge Ribeirinho Machado - Director de Marketing e Comunicação da AESE 1. A crise afectou a procura de Formação de Executivos na medida em que exige das empresas e dos participantes um investimento mais prudente no desenvolvimento de competências e na empregabilidade dos seus colaboradores com resultados a curto e médio prazo. 2. A procura de formação de executivos mudou porque os dirigentes de todas as instituições perceberam que para além dos conhecimentos em gestão de que necessitam, importa desenvolver soft skills. Compreendendo os colaboradores, as suas necessidades e o seu talento consegue alinhar-se o melhor de cada um com a estratégia da organização e estimular um desempenho cada a vez melhor do indivíduo, das equipas e das empresas. 3. É natural que as escolas de negócios desenhem propostas formativas atendendo às necessidades de mercado e à conjuntura vivida. Na AESE, a ligação que mantemos com os Alumni e com as empresas permite-nos, desde há 30 anos, adequar os programas às exigências diariamente sentidas pelos dirigentes e executivos. A criação em 2010 do GSP - Gestão de Saúde de Proximidade, em Lisboa e no Porto, é um exemplo da resposta que a AESE dá aos responsáveis de empresas e instituições. LUSÓFONA Manuel José Oamásio - Professor Associado Escola de Comunicação, Artes e Tecnologias da Informação Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 1. Os sinais da crise não se manifestam tanto numa retração da procura mas sim na disponibilidade financeira dos discentes. Assim, assiste-se a uma procura crescente por instrumentos de financiamento à formação bem como por programas especiais de gestão do processo de pagamentos. 2. Alunos e empresas procuram cada vez mais uma formação que garanta resultados efetivos a curto prazo nomeadamente no que concerne à ligação efetiva da mesma às práticas reais de empresas e recursos humanos em desfavor de competências mais generalistas ou de banda larga. 3. Até ao momento não podemos afirmar que haja novas tendências. O que podemos assegurar é que as instituições procuram estar atentas a todos os sinais emergentes nomeadamente os que dizem respeito à procura de novos perfis profissionais e/ou competências consideradas relevantes num ambiente mais volátil e exigente como aquele em que nos movimentamos. ATLÂNTICA Artur Torres Pereira - Presidente do Conselho de Administração da EIA, SA (entidade institudora da Universidade Atlântica) 1. Sem dúvida que sim. As empresas e os alunos têm menor capacidade financeira e isso acaba por se reflectir na aposta que fazem na formação. A Universidade Atlântica, ciente dessas dificuldades, tem vindo a tomar decisões que facilitem o acesso à formação, como alguns descontos no pagamento dos cursos ou o pagamento faseado das propinas dos cursos pós-graduados. 2. Não creio que, na sua essência, haja uma mudança acentuada quanto ao objectivo estratégico deste tipo de formação. Contudo, julgamos que a nossa filosofia de ensino, vocacionada para adultos e assente numa formação tão prática quanto possível, acaba por ser mais apetecível numa conjuntura em que a aplicação prática dos conhecimentos é mais premente. 3. Se estão, ainda não são completamente perceptíveis.

11 11 de 11 FEP João F. Proença - Director da FEP 1. Penso que a crise pode ter algum efeito positivo na procura de formação na área da gestão e da economia, particularmente na formação dada por Universidades e Escolas de Economia e Gestão de elevada reputação. Apesar da crise, muitas pessoas tendem a aproveitar a dificuldade actual em obter um emprego (seja uma mudança para condições mais atraentes ou o primeiro emprego) para se reconverterem, desenvolverem novas competências e melhorar a sua posição num mercado de trabalho cada vez mais competitivo e exigente. Admito que em certas aéreas, como, por exemplo, na formação paga por empresas que a procura se esteja a ressentir, dada a forte crise económica. Contudo, interessa ainda perceber que a Faculdade de Economia da Universidade do Porto (FEP.UP) é procurada não só por exalunos da FEP, mas dada a sua elevada reputação também por graduados de outras escolas de economia e gestão que buscam a nossa excelência. Acresce ainda que depois de Bolonha, começamos a ser muito procurados por estudantes com formação muito diversificada, nomeadamente das áreas da medicina, engenharia, psicologia, direito, matemáticas e outras ciências, que procuram formação em economia e gestão, o que nos coloca provavelmente numa situação muito privilegiada face ao momento difícil actual. 2. Cada vez mais as empresas procuram pessoas com atitudes empreendedoras, pessoas que se adaptem mais aos valores da organização do que a funções muito específicas. Questões como a flexibilidade, o trabalho em equipa, a iniciativa e a autonomia são muito valorizados a par das competências técnicas. Estas são restritivas e para determinadas funções passaram a ser um dado adquirido... Nos postos de trabalho melhor remunerados as competências técnicas são essenciais e um factor de diferenciação. Por isso, na Faculdade de Economia da Universidade do Porto (FEP.UP) não descuramos a formação das competências técnicas onde somos muito bons e mesmo excelentes há muito tempo. Contudo, actualmente, os nossos programas também valorizam o desenvolvimento das soft skills, dado que o mercado de trabalho passou a valorizar muito estas competências que nalguns casos passaram a ser um dado diferenciador dos candidatos ao emprego, como, por exemplo, para alguns cargos executivos e outros profissionais da gestão. 3. Existe uma tendência crescente de diversificação de formação. As pessoas procuram cada vez mais diversificar a sua formação para abranger um maior leque de oportunidades profissionais. Procuram as competências técnicas de excelência, mas cada vez mais de natureza diversificada. Aliás a implementação de Bolonha persegue isso mesmo, o que criou alguma pressão no sentido de diversificação da formação no sistema de ensino superior português. Por isso, hoje nos corredores da Faculdade de Economia da Universidade do Porto encontramos estudantes oriundos de múltiplas áreas diferentes da Economia e Gestão, como a Medicina, o Direito, a Engenharia, a Psicologia, a Informática, a Matemática e outras Ciências, o que está a mudar de facto o ambiente da formação. Este cenário favorece cada vez mais a formação multidisciplinar, onde se abordam os problemas da gestão e da economia de forma abrangente. «o texto constante desta página foi gerado automaticamente por OCR (Optical Character Recogniser), pelo que é passível de conter gralhas ou erros ortográficos resultantes dessa conversão.» ficheiros anexos e1.pdf ( bytes) voltar domingo, Universidade do Minho

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Master in Management for Human Resources Professionals

Master in Management for Human Resources Professionals Master in Management for Human Resources Professionals Em colaboração com: Master in Management for Human Resources Professionals Em colaboração com APG Um dos principais objectivos da Associação Portuguesa

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho

27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho Análise da Michael Page sobre Recursos Humanos 27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho Manter a motivação das equipas é o principal desafio das empresas portuguesas, sendo apontado por 42%

Leia mais

Programa Avançado de Gestão para o Setor do Pós Venda Automóvel

Programa Avançado de Gestão para o Setor do Pós Venda Automóvel Programa Avançado de Gestão para o Setor do Pós Venda Automóvel ACAP de Portas Abertas para a Universidade RAZÃO DE SER Antes da Agenda O que sabe hoje chega para garantir a SUSTENTABILIDADE e o SUCESSO

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA De acordo com os últimos dados disponíveis do Observatório para a inserção profissional da Universidade Nova de Lisboa, a taxa de emprego dos alunos

Leia mais

MLM Master in Law and Management

MLM Master in Law and Management MLM Master in Law and Management diploma CONJUNTO novaforum.pt MLM Master in Law and Management Os participantes que completem com aproveitamento a componente lectiva do Programa receberão um Diploma de

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info.

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info. FICHA TÉCNICA Título Organização Curso Relatório de Avaliação Final Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais Entidade Leader Consulting, 08 de Dezembro

Leia mais

JumpStart FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

JumpStart FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA JumpStart FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Tem entre 30 e 45 anos? A sua experiência profissional é superior a 5 anos? Encontra-se numa situação de desemprego há pelo menos 6 meses? Está

Leia mais

Avaliação nos hospitais faz aumentar oferta de formação pós-graduada na área da saúde

Avaliação nos hospitais faz aumentar oferta de formação pós-graduada na área da saúde TEMA DE CAPA FORMAÇÃO EM GESTÃO DA SAÚDE Pág: II Área: 26,79 x 37,48 cm² Corte: 1 de 5 Avaliação nos hospitais faz aumentar oferta de formação pós-graduada na área da saúde Em 2010, os administradores

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA LITERACIA FINANCEIRA DA U.PORTO Outubro de 2012 Enquadramento do programa na Estratégia Nacional de Formação Financeira Plano Nacional de Formação Financeira

Leia mais

EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação)

EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação) EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação) Rua Castilho 90 2ºesq 1250-071 Lisboa, Portugal Rua José Gomes Ferreira nº219 - Aviz 4150-442 Porto, Portugal info@beill.pt / www.beill.pt Sobre A Beill

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Programa Avançado de Gestão

Programa Avançado de Gestão PÓS GRADUAÇÃO Programa Avançado de Gestão Com o apoio de: Em parceria com: Nova School of Business and Economics Com o apoio de: PÓS GRADUAÇÃO Programa Avançado de Gestão A economia Angolana enfrenta hoje

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos O passado, o presente e o futuro JOAQUIM AZEVEDO 16 MAR 2012 Uma aposta em quê, em particular? Desenvolvimento

Leia mais

Ganhar o Futuro com (a) Educação

Ganhar o Futuro com (a) Educação Começo por congratular todos os deputados, na pessoa da nossa Presidente, e, todos os membros do XI Governo, na pessoa do seu Presidente, certa que em conjunto faremos um trabalho profícuo para bem das

Leia mais

Marketing Estratégico

Marketing Estratégico Marketing Estratégico Neste curso serão abordadas as melhores práticas para a elaboração de uma estratégia de Marketing. Porquê fazer este curso? Numa abordagem centrada no cliente, propõe-se um curso

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo O Social pela Governança Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo 2 ÍNDICE EMPREENDEDORISMO... 3 OBJECTIVOS... 3 DESTINATÁRIOS... 4 CONDIÇÕES DE ACESSO E SELECÇÃO DOS CANDIDATOS...

Leia mais

Daniel. -, 30% de professores estrangeiros e 30% termos de trabalho e desenvolvimento, quer. feita desta forma?

Daniel. -, 30% de professores estrangeiros e 30% termos de trabalho e desenvolvimento, quer. feita desta forma? Daniel Bessa assinala no entanto que «esta maior proximidade é apenas um ponto de partida, tudo dependendo, no finai, do posicionamento e da capacidade das escolas, e de quem as dirige». Esta entrevista

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

HR Scorecard Linking Strategy, People and Performance

HR Scorecard Linking Strategy, People and Performance www.pwc.pt/academy Linking Strategy, People and Performance Lisboa, 8 e 9 de abril de 2013 Academia da PwC Um curso onde irá conhecer as tendências e melhores práticas de alinhamento da estratégia com

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

Uma conversa entre empresas e professores - os desafios da empregabilidade

Uma conversa entre empresas e professores - os desafios da empregabilidade Uma conversa entre empresas e professores - os desafios da empregabilidade No passado dia 15 de Novembro, a Share Associação para a Partilha de Conhecimento e a Faculdade de Ciências da Universidade de

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO F O R M A Ç Ã O A V A N Ç A D A CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FORMAÇÃO ESPECÍFICA PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS ENQUADRAMENTO O CEGE/ISEG é um centro de investigação e projectos do ISEG Instituto

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Comemoração dos 30 Anos APAF Análise Financeira: alicerce do mercado de capitais e do crescimento económico Intervenção de boas vindas

Comemoração dos 30 Anos APAF Análise Financeira: alicerce do mercado de capitais e do crescimento económico Intervenção de boas vindas Comemoração dos 30 Anos APAF Análise Financeira: alicerce do mercado de capitais e do crescimento económico Intervenção de boas vindas Exm.ªs Senhoras, Exm.ºs Senhores É com prazer que, em meu nome e em

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Escola de Ciências Universidade do Minho 1. Missão A Escola de Ciências tem como missão gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Exatas e da Natureza e domínios

Leia mais

Gestão de Equipas. Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC

Gestão de Equipas. Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC www.pwc.pt/academy Gestão de Equipas Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013 Academia da PwC O sucesso das organizações depende cada vez mais de equipas de alto desempenho. Venha conhecer connosco as melhores

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços Curso de Gestão Empresarial para Comércio e Serviços PROMOÇÃO: COLABORAÇÃO DE: EXECUÇÃO: APRESENTAÇÃO: > A aposta na qualificação dos nossos recursos humanos constitui uma prioridade absoluta para a Confederação

Leia mais

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição www.pwc.pt/academia Controlo de Gestão 2ª Edição Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013 Academia da PwC 2ª edição Este curso permite-lhe compreender melhor os princípios do controlo de gestão, com especial enfoque

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

MBA. Controladoria PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Controladoria

MBA. Controladoria PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Controladoria MBA Controladoria Controladoria O MBA Controladoria une a tradição do Ibmec em pesquisas avançadas em Administração, Economia e Finanças com a Controladoria. Com este embasamento, propõe-se desenvolver

Leia mais

A importância de um MBA

A importância de um MBA A importância de um MBA para dar o salto na carreira O investimento é grande e o retorno está longe de ser garantido, mas, ainda assim, continua a compensar tirar um MBA. Só que o título não chega. O mais

Leia mais

Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos

Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa 24 e 25 de Março de 2011 1 Senhor

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional

Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional Título Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional Autora Ana Paula Salvo Paiva (Doutorada em Ciências da Educação pela Universidade Católica Portuguesa) apaula.sintra.paiva@gmail.com

Leia mais

inter curso AVALIAÇÃO DE NEGÓCIOS E INVESTIMENTOS REAIS WWW.INTERNACIONAL.COMPANHIAPROPRIA.PT

inter curso AVALIAÇÃO DE NEGÓCIOS E INVESTIMENTOS REAIS WWW.INTERNACIONAL.COMPANHIAPROPRIA.PT Introdução / Apresentação do Curso: O presente aborda a avaliação de negócios e o uso de informação sobre o valor para tomar melhores decisões. Citando Copeland, Koller e Murrin (2000) Temos subjacente

Leia mais

Apuramento do resultado fiscal em SNC

Apuramento do resultado fiscal em SNC www.pwcacademy.pt Apuramento do resultado fiscal em SNC Lisboa, 23 e 29 de Novembro Academia da PwC Lisboa, 7ª edição Esta formação reúne conteúdos para a atribuição de créditos, nos termos previstos no

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO Prefácio A performance dos serviços públicos constitui um tema que interessa a todos os cidadãos em qualquer país. A eficiência, a quantidade e a qualidade dos bens e serviços produzidos pelos organismos

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional

90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional Michael Page lança Barómetro de TI 90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional Lisboa, 21 de Julho de 2015 A Michael Page, empresa líder em recrutamento de quadros médios e superiores,

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

Managing Team Performance

Managing Team Performance www.pwc.pt/academy Managing Team Performance Helping you push harder Lisboa, 22 e 24 de abril Academia da PwC Um curso onde irá conhecer as melhores práticas de gestão contínua de performance e de resultados

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

Plano Geral de Formação

Plano Geral de Formação Plano Geral de Formação 2 0 1 6 A Católica Business Schools Alliance é constituída por: Índice Mensagem de boas vindas Católica Business Schools Alliance 10 razões para nos escolher MBA Atlântico Oficina

Leia mais

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas ENQUADRAMENTO DO CURSO As escolas são estabelecimentos aos quais está confiada uma missão de serviço público, que consiste em dotar todos e cada um dos

Leia mais

Programa. Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012

Programa. Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012 Programa Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012 Programa Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012 3 Hemisfério esquerdo responsável pelo pensamento lógico e pela competência

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

DESAFIO PORTUGAL 2020

DESAFIO PORTUGAL 2020 DESAFIO PORTUGAL 2020 Estratégia Europa 2020: oportunidades para os sectores da economia portuguesa Olinda Sequeira 1. Estratégia Europa 2020 2. Portugal 2020 3. Oportunidades e desafios para a economia

Leia mais

Health Management Future

Health Management Future 2012 Health Management Future COM O PATROCÍNIO DE O grupo BIAL tem como missão desenvolver, encontrar e fornecer novas soluções terapêuticas na área da Saúde. Fundado em 1924, ao longo dos anos BIAL conquistou

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Os novos desafios do secretariado profissional

Os novos desafios do secretariado profissional www.pwc.pt/academy Os novos desafios do secretariado profissional Lisboa, 19 e 26 de fevereiro de 2013 Academia da PwC Um programa que mobiliza competências de eficiência pessoal e profissional apoiando

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas

Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas Guia das Funções Mais Procuradas Page Personnel 2015 Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas Lisboa, 16 de Junho de 2015 - A Page Personnel, empresa de recrutamento de quadros intermédios

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09 INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino Cerimónia de Abertura do WTPF-09 Centro de Congressos de Lisboa, 22 de Abril de 2009 (vale a versão

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO?

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? O mundo sindical tem tido várias reacções a este conceito, nem sempre favoráveis, sendo certo que deve haver consciência de que uma certa medida

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Segurança Alimentar. Pós-Graduação. 45 ECTS // www.esb.ucp.pt

Segurança Alimentar. Pós-Graduação. 45 ECTS // www.esb.ucp.pt Pós-Graduação Segurança Alimentar 45 ECTS // www.esb.ucp.pt Nesta pós-graduação estudam-se os perigos, riscos, metodologias e legislação com que a segurança alimentar é confrontada na atualidade, numa

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Inscrições. As inscrições para os cursos realizam-se em Setembro de 2012. O Sector Empresarial do Estado não se encontra abrangido por esta Aliança.

Inscrições. As inscrições para os cursos realizam-se em Setembro de 2012. O Sector Empresarial do Estado não se encontra abrangido por esta Aliança. Caderno de s 2 Objectivos A formação de executivos é, hoje em dia, uma necessidade incontornável, sendo um importante factor do sucesso, da competitividade e da sustentabilidade das organizações. Considerando

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

Finanças para Não Financeiros

Finanças para Não Financeiros www.pwc.pt/academy Finanças para Não Financeiros Academia da PwC Este curso permite-lhe compreender melhor as demonstrações financeiras, os termos utilizados e interpretar os principais indicadores sobre

Leia mais

Um mar de oportunidades. Mestrado em Gestão Portuária. Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique.

Um mar de oportunidades. Mestrado em Gestão Portuária. Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Um mar de oportunidades Mestrado em Gestão Portuária Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique A ENIDH é a Escola Superior pública portuguesa que assegura a formação de

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Como delegar eficazmente?

Como delegar eficazmente? www.pwc.pt/academy Como delegar eficazmente? How to improve your skills? 21 e 22 de maio de 2013 Academia da PwC Delegar é um conceito aparentemente claro, mas que na prática, nem todos aplicam. A base

Leia mais

Banco Popular, Espanha

Banco Popular, Espanha Banco Popular, Espanha Tecnologia avançada de automação do posto de caixa para melhorar a eficiência e beneficiar a saúde e segurança dos funcionários O recirculador de notas Vertera contribuiu para impulsionar

Leia mais

MARKETING RELACIONAL. Como Transformar a Fidelização de Clientes numa Vantagem Competitiva? Regime b-learning. mestrado 2012 > 2013

MARKETING RELACIONAL. Como Transformar a Fidelização de Clientes numa Vantagem Competitiva? Regime b-learning. mestrado 2012 > 2013 2012 > 2013 mestrado MARKETING RELACIONAL Regime b-learning escola superior de tecnologia e gestão instituto politécnico de leiria Como Transformar a Fidelização de Clientes numa Vantagem Competitiva?

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE O Ministério do Ambiente tem o prazer de convidar V. Exa. para o Seminário sobre Novos Hábitos Sustentáveis, inserido na Semana Nacional do Ambiente que terá

Leia mais