CAPITAL FEDERAL, * i#ooo. 16* aooo. A correspondência 9 roctamiçò** devam itr dirigidas. mbà. i te- r.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPITAL FEDERAL, 1891. 20*000 115000 i#ooo. 16*000 91000 5aooo. A correspondência 9 roctamiçò** devam itr dirigidas. mbà. i te- r."

Transcrição

1 CAPITAL FEDERAL, * aooo A correspondência 9 roctamiçò** devam itr dirigidas 20* i#ooo mbà ^ r o f - i m o i / J i te- r.

2 REVISTA ILLUSTRADA Capital Federal, Julho ESCRIPTORIO E REDACÇÃO RUA DE GONÇALVES DIAS, 50, SOBRADO. LUIZ DE ANDRADE Brevemente teremos o prazer de abraçar o nosso caro companheiro Luiz de Andrade, e muito digno representante do estado de Pernambuco, na Camara geral. ECIIOS E NOTAS O Guedes nascera em Paracatú. Desde muito criança sentindo verdadeira vocação para musica, cedo se dedicara á ella com corpo e alma. Desnecessário é dizer-se que, já aos cincoenta annos, o Guedes dava concertos e era, em sua cidade natal, considerado um onça no mundo das notas. Leitor assiduo de certo jornal de grande tiragem na America do Sul, trazia sempre em memoria o pseudonymo doce de uma escriptora que, a seu ver, tinha certa affinidade affectivacom o typo sympathico de um romance puro e escandalosamente brasileiro. Passar, pois, da admiração á veneração, foi cousa que não se fez muito esperar. Por essa epocha presente, já o Guedes tornara-se maestro immortal e residia, então, alli pelas bandas da Praia Grande. Como o serviço das barcas fazia-se pessimamente, o nosso heroe resolveu vir poucas vezes á capital. E d'ahi, em meio aquelle silencio perfumado e carinhoso, sem uma rodinha onde melhor pudesse esparzir as egemulas do seu génio, começou, para matar o tédio, a fazer estudos especiaes sobre a arte dramatica. E euque não sabia, resmungava sempre, que dispunha de tanta facilidade para a critica! Ah! seu Guedes, você está na Praia Grande está nas columnas edictoriaes do maior jornal em tiragem d esta terra de burros. Deixa-te estar, maganão, ainda hão de coroar-te como a certo poeta melifluo e primoroso. Estuda e serás coroado. Por sua vez, também, a escriptora apaixonada do Guedes fazia critica theatral Cada artigo que lhe sabia da í^chola era uma sentença eterna em fraldas de camisa. Muito bem. Um dia chegara da Europa um trágico, geralmente admirado. O Guedes, que havia em tal tempo realisado o seu sonho dourado, impunha-se com mais saliência d'entre os redactores do Facho da Civilisação. Maestro, critico dramatico, dramaticomusical, musical-dramatico, humorista, jornalista e mais algumas cousas acabadas em ista, entendeu, de commum acordo com a sua adorada Corina, oppor-se ao veredictum desses abalisados collegas do jornalismo para, dizia por um sorriso pallido, assim abrir brecha e com ella vôar ao 48 céo da immortalidade, onde Jehovah esperal-os-ia soprando a busina da Penha. Sabbado, o dia da estróa do tal actor, chegara. Barulho, festa, foguetorio, o diabo. A' noite theatro cheio. E, com o Rei Lear, o estreiante angariou mais uma pérola para a sua coròa de gloria. O Guedes e a sua adorada escriptora não faltaram, e, ao correr da tragedia, elles, os dous turunas, os críticos dos críticos, de quando em quando abriam, ora um tratado de physiologia, ora um tratado de alienista celebre. Um dia depois, o Facho da Civilisação, (não se esqueçam que é este o nome do jornal do Guedes e da sua adorada escriptora ) publicava um artigalhaço do Guedes sobre a estréa do sobredito artista. A massaroca começava assim : «O senhor Qualquer Cousa, o estreante de sabbado, é um artista falso. «Abrindo importante obra de um alienista, lá fomos encontrar a base da presente critica, sincera e illustrada, sem as fímbrias angulosas da admiração systematica que serve somente para aqueiles que nunca penetraram o labyrintho inconcusso da critica moderna e apocalyptica da arte dramatica. Onde o naturalismo do homem estreiante? Onde o naturalismo? Onde o naturalismo?» E por esse mundo fora ia o Guedes acavallo. A sua escriptora adorada também deitava artigo de escachar pecegueiro, e concluía rendendo homenagem ao João Minhoca, dos bonecos. Consequência natural : O Guedes e a sua adorada escriptora estiveram expostos ao consenso publico que os victoriou, e o tal artista não teve outro remedio senão suicidar-se num grande pé de couve que existe na horta do Guedes. A quanto chegas, ó natureza humana! FARFARELLO. A TYSICA Estava em ultimo período. Luctar, pois, ainda contra o mal, não se fazia possível. Por isso o medico assistente aconselhara á enfermeira que fosse tenteando até que, de vez para sempre, alli pelos fins da semana, aquelle espirito lúcido de moça aos vinte e dois annos, se apagasse n'um suspiro derradeiro. E de facto. Quinta feira ahi estava. Como por contraste o dia amanhecera límpido, alegre, immerso n'um banho suave de luz carinhosa e bòa. Pelas arvores do jardim, passaros esvoaçavam gárrulos, cheios de vida, cheios de contentamento. Havia em tudo, pela natureza toda, a expansibilidade do principio vital, extravasamento de sol, extravasamento de seiva. A doente apresentava sensível melhora. Era a visita da saúde. Magríssima de cera, fraca, trôpega, em seu longo peignoir lilaz querido, os cabellos pretos de azeviche em duas tranças fartas e compridas, fôra, apoiada ao hombro da enfermeira, tomar lá fora umas baforadas salutares de oxygenio. Ao passar perto do caramanchão, onde outr'ora passara momentos de estranha e rara felicidade, pedira, com enfraquecimento de voz, quasi em sopro, que a sentasse um pouco. Como a natureza é bôa, dissera. Quanta luz, quanta vida ha por aqui... Um accesso de tosse rouca e secca, embargára-lhe a voz. Os seus lábios descorados, a humidade sanguínea da saliva pulmonar lubrificara. As suas faces descarnadas e exangues um esbatimento de calor derradeiro collorira. Levantou-se de súbito para aspirar, difficilmente, o bafio das flores e das arvores. Depois, sentando-se, a cabeça encostada ás grades do caramanchão tecidas de eras, os braços esqueleticos pendidos aos flancos do corpo mumico, fitou fixamente o fio d'agua cristalina que jorrava o xafariz. E pouco a pouco, os seus grandes olhos pretos destacados por duas olheiras roxas e profundas, foram paulatinamente vidrando... vidrando...na expressão vaga e attonita da morte, que vem por um suspiro leve, levíssimo, imperceptível... De longe, de lá pelas bandas da cidade, chega o zum-zum da luta pela existencia, o rom-rom monotono e pesado das fabricas, das grandes fabricas e das grandes olhcinas. ARTHUR DE MIRANDA. EM ABRIL O céo poz termo, emfim, aos impiedosos dias Em que campeia ingente um sol abrasador, E entorna a cornucopia azul das alegrias Dos amplos areiaes no scintillante albor. Andam vagas de luz, repletas de harmonias Soltando pelo espaço uns cânticos de amor, E invadem-me o pulmão emanações sadias Das moutas de jasmins, da mongubeira em flôr. A vastidão do mar enflora-se de espumas, E agita o coqueiral as vigorosas plumas A' caricia taful dos zéfiros subtis ; Vergel em fóra o orvalho alveja, scintillando, E o sorridente azul vào céleres cortando. Como flechas de luz, os louros bemtevis. ANTONIO SALLES.

3 Um dos nossos reporters, menino levado da carepa, conseguio saber o motivo que levou o muito illustre Dr. Américo Braziliense rejeitar a pasta da fazenda. S. Ex. em conferencia com o presidente da republica, disse-lhe terminantemente: Não acceito a pasta, generalíssimo, porque não quero ser ministro actualmente. Gomo se deprehende, pois, o Dr. Braziliense é mesmo digno dos elogios que recebeu do generalíssimo. * Foi assignado na intendencia municipal o contracto celebrado com os Drs. Hilário de Gouvêa e Lima e Castro para o saneamento d'esta capital. Terá chegado, de verdade, o periodo do morticínio... * * Acha-se entre nôs, vindo de S. Paulo, o Leopoldo de Freitas, o bello Leopoldo de quem tanto gostamos. Venha de lá esse abraço, seu recemvindo. A lei dos contrastes é fatal, disse algures um qualquer typo. Pois é uma verdade, meus senhores ; emquanto cá por fóra vivemos a suar copiosamente, lá pelas salas da ex-quinta imperial, pilhas e pilhas de gelo se amontoam. Que Sibéria! * Tem estado ligeiramente enfermo, o barão Henrique de Lucena. As epidemias! as epidemias! Estamos em Julho, em pleno Julho, e no entanto a febre amarella e a varíola não pairam em sua carreira devastadora. Santa ingenuidade! emquanto conservarmos a celeberrima junta de morte, perdão! de hygiene, esta capital ha de ser sempre o que tem sido até hoje. Ainda agora acaba de chegar da Bahia mais um presidente para a patriótica junta. Certamente nào nos ha de faltar, então, a agua de còco e a pimenta cumari. ÁLBUM PUBLICO THOMÉ. Por occasião da estreia do Emanuel, colhemos 110 theatro Lyrico as seguintes phrases do DR. GOMENSORO Emanuel seria o rei dos actores caso cuidasse mais dos pés. DR. ROZENDO MUNIZ : Oh! depois dos Tributos e Crenças, só o Emanuel o filho do verbo. B. DE PARANAPIACABA : Mais sublime do que os meus versos da Marmita. C. DE LAET : O substantivo Emmanuel está ligado ao adjetivo arte, em numero e caso, menos em genero. CONSELHEIRO MAIA : Qual historia! depois d'isso nem comedia nem nada mais. REPORTAGEM. DE MAROMBA Estou embasbacado e muito seriamente com as opiniões criticas da alambicada senhora Cecy, que cose criticas com pontos de remendão nas columnas do cellega O Paiz. Eu até então tinha a critica em uma certa consideração e jamais pensei que ella commettesse disparates da ordem dos que ostentam com todo o sangue frio a Sra. Cecy e o Sr. Guanabarino, duas entidades que afinam magnificamente em arte e lá se entendem a seu modo. Nós outros somos todos uns botocudos sem orientação, sem gosto, sem accusação artística delineada e estamos aqui n'esta cidade que está para ser saneada (cuidado casal) vivendo unicamente para escutar a pleno ouvido as opiniões mais que sensatas do Sr. Guanabarino e da Sra. Cecy. Esta ultima então deitou uma sarrabulhada pathologica tal sobre arte e sobre um actor de merecimento inconteste que estive a ponto de mandar vir um desinfectante, quando me apresentaram a tal choldrice para ler. Li e confesso que estou profundamente arrependido porquanto após a leitura senti-me incómmodado por fortes nauseas. Eu sinto estar dizendo essas cousas a uma senhora, mas n'esses momentos desapparece o sexo frágil para apparecer em critica apenas a mulher-homem. Eu acho que a critica é egoista no seu modo de pensar. A distincta escriptora pode gostar do João Minhoca, da vespera de Reis, da Disputa da mulher com o marido por causa das botas que estavam sujas e de outras quejancfcs que andam por ahi escriptas e representadas. Mas querer que os outros leiam pela mesma cartilha só porque a mesma critica tem á disposição umas tiras de papel com que cacetéa o proximo, isso é barbaro, intolerante e deshumano. Depois a moça faz uma mixordia entre drama,dramalhão e scena cómica, que é mesmo do demo esticar mais as excres- cencias. E querendo se metter a defender a arte nacional chama á baila uns tantos actores (listinctos, é certo, mas que são os primeiros que applaudem Maggi, Emmanuel e outras personalidades artísticas, como é publico, nos theatros em que estes vultos representam. Mas é porque os actores brazileiros fazem justiça aos seus confrades estrangeiros e não se deixam levar pela mania de macaquear popularidade,por isso que elles tem a perfeita intuição do que é o mérito artístico e não andam por ahi com ares apalhaçados de Pierrot e Pierrette. A mesma senhora refere-se com ar de desdem á critica brazileira, quando ella é a legitima representante d'esta critica indígena, tola, enfatuada, aboborada, abananada, que nos persegue a toda hora, a ponto de não podermos abrir um jornal sem logo ver desenhada uma dessas medonhas silliouettes. Pense, como entender, que a liberdade de pensamento é uma das tolices modernas, mas, por amor á Arte, nunca procure impingil-a porque dá-se a um immenso desfructe. t BLONDIN. Pergunta a premio Que diíterença ha entre o extraordinário critico dramatico Oscar Guanabarino e um busca-pè? As respostas devem ser dirigidas ao signatário d'esta secção, em carta fechada, assignada e competentemente sellada. O praso é de tres dias, a contar do presente. ' - Ao turuna será conferido o seguinte premio : um exemplar de romance moderníssimo e um artigo laudatorio, por esta mesma secção, com os competentes nicas e nefas. O jury acha-se composto dos nossos collegas Farfarello, Thomè e Blondin. Então, meos caríssimos, mãos á obra. -Frechando PER-VERSO. Sordado? A s orde, seu tenente. Vá alli á redacção d 'O Paiz levá este bietinho a cidadôa escriptora do Toresmo. E diga mais a ella, de sua bocca própria, que cá fico batendo com a língua 110 paladá como se tivesse assaboreado um pratarrão de cuzido com moio de pimenta ardilosa. * Pam-pam-pam... Quem bate? Sou eu que venho trazê este bietinho que seo tenente da Guarda Nacioná manda á cidadóa escriptorajio Toresmo. Bem. Está entregue. «Cidadóa. «Aquellas coisas que V. S. tem escrivido sobre o Manué, do thriato Lyrico. Tá mémo a Matá. continua, moça, a pin-

4

5

6 chá essa Gente trapaiona que não sabe, nem si qué, fallá a linguage Portuguesa. Como Tenente da Guarda Nacioná, vou mandá encommendá ao Primo Manduca uma patente de vivandeira para você. Mas, excellencia, (discurpe a lembrança) porque não citou também a engraçada e ingénua Delorme, a sympathica Belegrande, e mais uns outro artista do nossos thriatros? Assim V a. S rí, pôde ficá inemisado cum elles. Queira acceitá a minha admiração e arrespeito, dona escriptora do Toresmo. Zé-Quadrado da Conceição Aranha, tenente da dieta. Sordado? A's orde, meo coroné! Quem é aquelles ofliciá que vai alli cum umas carças tão bem feita? E* o seu tenente Pancracio, sim senhô. Vai perguntá a elle onde mandou fazé aquella carça. A's orde de V. S. seo tenente. Que quer você, sordado? Seo coroné Marvino mandá perguntá onde V. a S r \ mandou fabricá essa carça. Diga a seo coroné que foi no arfaiate Pery, da rua do Matto-Dentro. TAFITÀRIM DE TARRASCON. CONTOS E LAPIDAÇÕES Teve a gentileza de vir pessoalmente a nosso escriptorio trazer um exemplar do seu sympathico livro Contos e Lapidações, a distincta autora Ignez Sabino. Agradecendo sobremodo tão delicada attenção, vamos, em poucas linhas, emittir a nossa opinião sobre o presente trabalho de tão modesta quanto intelligente escriptora, já bem conhecida do nosso publico. Os Contos e Lapidações formam um volume de 33G paginas em prosa e verso, bem impresso. Com quanto não seja um livro definitivo, que se imponha logo pela correcção da forma, todavia ha n'elle alguns trabalhos de mérito. Escripto, talvez, à vold'oiseaux, como um passatempo util em horas de descanso, a excellentissima senhora não se deixou levar pelo grande amor á Arte, que é o característico da escola moderna. Assim, se os Contos e Lapidações não são primorosos, também nào são máos. Bem certos, e garantimos mesmo, mas tarde, a excellentissima senhora Ignez Sabino dar-nos-ha um livro mais curado dos defeitos de que ora se resente o actual. Que não se agaste comnosco ; o que ahi fica dito nada mais é do que a expressão verdadeira e franca do que sentimos. A. Mundo elegante Na La Societé Française de Gymnastique tivemos o prazer de assistir, no mez corrente, mais um d'aquelles bailes chiques, adoraveis, que tanto deliciam pelo bom gosto e pela élite que lá se reúne sempre. O Club Guanabarense abrio, em 20 do vigente, a crescido numero de convidados e socios, os seus magníficos salões. As agradabilíssimas festas do Guanabarense são inesquecíveis, festas que a sente assiste, e guarda fundo uma saudade que dura até ás precedentes. Os aspirantes da marinha inauguraram, com um baile pomposo, o Grémio dos Aspirantes. A festa que começou ás 11 horas do dia prolongou-se com contentamento geral, ás 2 da madrugada. Parabéns aos bravos e futuros almirantes. No salão Bevilacqua houve logar o grande concerto Enrico La Rosa, com o gracioso concurso dos emeritos artista Gemma Luziani, Francisco do Nascimento, Jeronymo Silva Junior, Ronchini, Luiz Figueiredo e Tavares. Enrico La Rosa está acima de elogios. O seu talento inconteste de artista admiravel, impol-o ao publico como um facto consummado. Os acima citados estão, também, em condições idênticas. Sem mais adjectivos, indispensáveis, ahi vai o bello programma do concerto : Vil O G /M.7/J7.I I PARTE I IIAYDN. Quartetto in re-op. 04, n. 5. Alegro moderato. Adagio cantabile. Minuetto. Finale, vivace. Para 2 violinos, viola e violoncello. II POPPER. a) Preludio, b) Papillon. Para violoncello III a) CORELLI Gavota variata. b) BEETHOVEN Romanza in fa. c) RIES Tempo di Bourrée. Para violino. II PARTE. I VERACINI Concert, sonate, largo, allegro con fuoco, menuet gavotte, Para violino e piano. II BEETHOVEN Andante e finale delia sonata appassionata. Para piano. III a) VANZO Preludio romântico. b) LALO Scherzando. c) HAMDEL A ria. d) SCHUMANN Am Camin. e) WIENIAWSKI Scherzo, tarantella. Para violino. * A Directoria do Club Naval eítectuou, no dia 11 désta, uma sessão magna que esteve encantadora. DR. RAPHAEL. Se não fòra o dever a que se me impuz, em má hora, é verdade, de occupar-me dos theatros, trazendo a publico, friamente, calmamente, as impressões artísticas recebidas atravez o meu temperamento nevrotico, eu deixaria em branco a tira de papel destinada á estréa de Emmanuel, no theatro Lyrico, porque só assim, pela brancura immaculada, exprimiria melhor o que me foi pela alma e pelo cerebro, de extraordinário, de assombroso, diante um dos maiores interpretes das obras de Shakespeare, Fallar de Emmanuel é de uma responsabilidade maxima ; responsabilidade essa que cresce, que se irradia, quando o grande artista moderno incarna-se, especialmente, na personalidade sympathica e vibrante do Rei Lear a mais perfeita, a mais finamente exacta creação do immortal philosopho. A historia, ou por outra, a vida do Rei Lear, é a própria historia, a própria vida da loucura. Em um só exemplar, o analysta encontra todas as phazes do aniquilamento cerebral: desde o período da incubação, que chega a passar desapercebido e que se caracterisa pela concentração das faculdades mentaes, até o periodo terminal «em que todo o delirio se esbate ese affrouxa pela approximação da demencia Se não fosse um pouco fastidioso, iríamos buscar na Allemanha, na França e na Italia, as controvérsias existentes pela diíterenciação de escola ; e, ahi então, teríamos em Lear, senão a synthese das idéas capitaes das escolas predominantes, pelo menos em typo approximado, um exemplo discutível. Mas, deixando de parte a questão de escola que, valha o senso, nào seria descabida n'estas linhas despretensiosas, mormente agora, em período proprio, que algumas notas discordantes se têm feito salientes, ou pelas saias que envergam, ou pela batuta a invadir o domínio da arte dramatica, da pura e genuína arte dramatica, sem competencia para o fazer, passaremos a dizer do trabalho de Emmanuel, com toda a nossa franqueza habitual, simplesmente consciencioso e correcto.

7 Bem comprehendendo a envergadura difficilima do typo Shakesperiano, Emmanuel nada mais fez do que faria todo o artista de seu quilate : mostral-o tal qual elleé. Por umaanalyse muito fina e penetrante, o grande artista apoderando-se do tvpo complexo de Lear, representou-o sem tiradas romanticas e murros pelas paredes, e gritos aos céos, como faria algum trágico de carregação, que delicioso gosta excitar os temperamentos adequadíssimos á cria de filhos pallidos e de olhos azues. Nada passou desapercebido a Emmanuel: minudencias, nonadas secundários e incomprehensiveis pelo burguez que vai ao theatro mostrar a casaca feita no Raunier, porém que vibram intimamente aquelles que fizeram da arte o único bem possível, o único movei capaz de demarcar a fineza e a capacidade intellectual do individuo. Porque Lear não è somente o doudo ; em seus momentos de transição elle é também um ironico terrível, um sentencioso perfeito. E, como no correr da tragedia, essas qualidades nào podem ser apanhadas pelo espirito do espectador, em geral, ainda estonteado pelo lances mais ao alcançe d'elle, cumpre ao verdadeiro artista evidencial-as de modo que, sem destruir, sem discordar doconjuncto, consigam, todavia, saliental-as o mais possível, segundo o momento dado. Ora, isto exige um esforço sensível que, por sua vez, na maioria dos casos, não reage promptamente sobre o espirito das plateias mais aíteitas ás emoções maiores e brutaes. Só o fino, só o espirito preparado será capaz de comprehendel-as e apanhal-as de chofre. D'ahi uma opinião nossa, muito particular : o Hei Lear nào é para o palco. Dizer-se que o trabalho de Emmanuel foi exacto, o que deve ser, é, pois, repetir-se o qne dissemos acima, máo grado aos que não sendo aptos a comprehendelas atiram-lhe pelos cafés públicos e columnas baratas de jornaes, chufas que transformar-se-ião em elogios caso o Hei Lear tivesse um interprete de Bedengò ou de Sarilho ou de Frei Satanaz, e de outras quejandas babuseiras dignas de uns tantos enfatuados, pulhas e beocios. * Em Olhelo, Figaro, Fedora, Romeu e Julieta, Hamlet, o eminente artista foi sempre o mesmo, o mesmo Emmanuel discreto, quasi que impeccavel. A Sra. Virgínia Ueiter também merece de nossa parte um bravo sincero. Ao lado de seu rival de glorias, conservou-se com aquella galanteria natural, com aquella simplicidade dúctil de talento e comprehensão da arte que tanto a distinguem. A sympathica Suzana, a carinhosa Cordélia,' a bellissima Desdemona, Fedora correctíssima, a Julieta vaporosa, e a Ophelia attrahente,nada mais são do que a aflirmação precisa do valor intrínseco da Sra. Reiter, que já é também uma celebridade. PHENIX Os Sinos de Corneville tem feito uma revolução no agradavel theatrinho da rua da Ajuda. Escolhido para a estréa do Vasques, despertou por tal modo a attenção publica que não o tem abandonado até hoje. No typo de Gaspar, o Vasques sente-se bem ; e se ainda não é uma criação sua, todavia para lá chegar bem pouco lhe falta. Os outros artistas estiveram á altura da situação, concorrendo discretamente para o êxito da peça. SANTANNA O Patife do Calor vai indo de vento em pópa. Também alli está um patife incapaz de patifarias. Brevemente a Rosa dos Diamantes. THEATRO ILLUSIONISTA Todas as terças, quintas, sabbados e domingos, o publico não pôde deixar de ir em romaria assistir, n'aquelle theatro, o que o diabo esqueceu-se de fazer. Um successo o Theatro Illusionista, que muito justamente delicia os seus milhares de espectadores. Fechado. Fechado. POLYTIIEAMA APOLLO COMPANHIA LYRICA Deve estreiar n'esta semana a grande companhia Lyrica. A empreza Emmanuel passará, então, a trabalhar no S. Pedro de Alcantara. Acha-se á venda em casa, dos nossos amigos Castellões,/os libretos das operas Condor, Schiavo e outras. AHCADIANO. Pelas Corridas DERBY-CLUB Com a concurrencia do costume, com a animação que já se tornou habitual nas féstas do hyppodromo da rua Itamaraty, realisou o Derby-Club mais uma corrida, a 21 de Junho, corrida repleta de emoções para os sportsmen! * TURF-CLUB No dia 24 de Junho foi aproveitado pelo Turf-Club para a sua 9. a reunião hippica, correndo o divertimento dentro dos limites da bòa ordem e da moralidade. JOCKEY-CLUB O Jockey-Club funccionou a 28 do mez ultimo, com um programma constituído por 6 bons páreos. Predominou o azar, o que não é para admirar, em vista do estado lamacento da raia.. TREM-VELEZ Temos o prazer de annunciar aos nossos innumeros leitores, que, brevemente, teremos, n'esta capital o Trem-Velez, invento exequível pelo Sr. Miguel Velez. O inventor propõe-se a fazer em balões aereos captivos n'um systema de fios parallelos, o serviço de correios, entrega de jornaes e de conducção de passageiros que residem fóra do centro da cidade. A utilidade e promptidão do Trem-Velez, impõem-se.como se deprehende logo, e nó» fazemos votos para a sua inauguração em quanto antes. Livro da porta Durante a semana recebemos e agradecemos : Convite para assistirmos á experiencia da machina Fichet que tem que funccionar no primeiro sorteio dos recibos fiscaes. O systema não é máo, o que não quer dizer que não estejamos penhorados pelo que lá vimos e o modo porque fomos tratados. Por intermsdio do Sr. Adolpho Spann, um exemplar de arroz nacional, cultivado, preparado e beneficiado pela Companhia Central Paranaense, de Antonina. Magnifico. Dos Srs. Henri Nicoud & Comp. os ns. 24 e 25 do Mundo Elegante, correspondentes aos dias 18 e 20 de Junho. Salonde Mode, n os. 21, 22 e 23, equivalentes a 23 e 30 de Maio e a 6 de Junho. A casa Nicoud tornou-se incontestavelmente, uma das primeiras no genero, n'esta capital. Do illustre maestro Carlos Gomes, um exemplar da sua nova opera O Condor, que será cantada na próxima estração lyrica. Fragmentos Juridico-Philosophicos, pelo Dr. Isidoro Martins Júnior. E' um bello trabalho do illustre moço poeta, que tão sympathico se tornou pelo seu talento e caracter no mundo das lettras patrias. O Baptista, o mais velho dos cabeleireiros d'esta terra, um dos mais aptos e conscienciosos, acaba de preparar os seus salões á moda dos da velha e elegante Europa. O Salão Pariz, vae, certamente, ser o preferido pela nossa fina aristocracia, visto o apuro e gosto que por lá anda. Dos Srs. José Meyler da Silva e Lucio Moreira Pontes, G garrafas de vinho puro, fabricado pelos mesmos em Varre-Sahe. Gostamos tanto, por ser saborosíssimo e puríssimo, do moderno vinho que, caso os nossos amigos queiram repetir a dóse, não façam ceremonia. Typ. de J. Barbosa & C. r. d*ajuda n. 31.

8 m s HCC11PC ornemicpc e mpus procurei uim homem hp/rpi Ípío p Pi frio ti cos fims, nos, plpsplej.pi t com o maior prpizev, vos offcrccemos * S &x? ppiroi cohpljuvpii-o n es SFL CntpretoL. mm mmmi VTFS,'. - 'À. -.ft W' [PI! sej.ptnt vtm vindos, óntáo Conto se- fortim çle. feífas? Assim, p/ssmi. M a PjPlt foi O 111 PUS jovvjplçi\ Cpi pio. Q pi pi l f ^Opío, pt npto te. lem&rpís pio pjor Pimento pio fo^ictono t Ai PT? Até por si iptoil, VOPIO, cjpit PÍ o hppivt sesspto no ftpirlpimento. ÍPPÍIPL-U, dntonio, PL copies- Tçho í pie eh pi v pi... fomes todos prejuplicpidos-. isso t mens / p/mpiveij poppi(t>ires. -Mins oleixfnt-se tsíptr pptrpt o ptnno PL COI4S<H. CORRERÁ niptis pt contento. J\s ro diiifi t>i os ípttpts l os trpio^piis SUBSTITUIR pio OT chi4.v é

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Edição oficial do CICLUMIG Flor do Céu De acordo com revisão feita pelo Sr. Luiz Mendes do Nascimento, zelador do hinário. www.mestreirineu.org 1 01 - DIVINO PAI

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

Catequese da Adolescência 7º Catecismo Documentos de Apoio CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS. Documento I

Catequese da Adolescência 7º Catecismo Documentos de Apoio CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS. Documento I CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento I CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento 2 CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento 3 CATEQUESE 2 - QUEM SOU EU? Documento 1 CATEQUESE

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam.

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. Convite Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. As palavras não: quanto mais se brinca com elas mais novas ficam.

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

O Natal de Sabina. Francisco Candido Xavier. Pelo Espírito de Francisca Clotilde

O Natal de Sabina. Francisco Candido Xavier. Pelo Espírito de Francisca Clotilde O Natal de Sabina Francisco Candido Xavier Pelo Espírito de Francisca Clotilde (Chico Xavier) Conteúdo resumido E uma carta viva de uma mãe chamada Sabina que relata as grandes lutas travadas no corpo

Leia mais

Vai ao encontro! de quem mais precisa!

Vai ao encontro! de quem mais precisa! Vai ao encontro! 2ª feira, 05 de outubro: Dos mais pobres Bom dia meus amigos Este mês vamos tentar perceber como podemos ajudar os outros. Vocês já ouviram falar das muitas pessoas que estão a fugir dos

Leia mais

Flavia Mariano. Equilíbrio. a vida não faz acordos. 1ª Edição POD

Flavia Mariano. Equilíbrio. a vida não faz acordos. 1ª Edição POD Flavia Mariano Equilíbrio a vida não faz acordos 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2011 Edição e revisão KBR Editoração APED Capa KBR Imagem da capa fotomontagem sobre arquivo Google Copyright 2011 Flavia Mariano

Leia mais

TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA

TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA letreiro 1: Sem o modernismo dos tempos atuais, o samba sertanejo era uma espécie de baile rústico, que ia noite à dentro até o raiar do dia, com seus matutos dançando e entoando

Leia mais

UMA PIZZA CHAMADA DESEJO. por. Rodrigo Ferrari. Versão final 02/09/2011

UMA PIZZA CHAMADA DESEJO. por. Rodrigo Ferrari. Versão final 02/09/2011 UMA PIZZA CHAMADA DESEJO por Rodrigo Ferrari Versão final 02/09/2011 rodrigoferrari@gmail.com (21)9697.0419 Iluminados, no fundo do palco, BLANCHE e o. O Médico veste um jaleco branco, estetoscópio, óculos

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

HINÁRIO A ARTE DE AMAR

HINÁRIO A ARTE DE AMAR HINÁRIO A ARTE DE AMAR Tema 2012: Flora Brasileira Algodão do Cerrado (Cochlospermum vitifolium) CARLOS STRAZZER Carlos Augusto Strazzer 1 www.hinarios.org 2 I FÉ NA VIRGEM MARIA Oferecido por Isabela

Leia mais

Arte da Capa: Arte Digital: Luiz Alberto Costa

Arte da Capa: Arte Digital: Luiz Alberto Costa Arte da Capa: Arte Digital: Luiz Alberto Costa Esclarecimento Este trabalho nasceu após os estudos que fiz com Dr Moacyr Castellani sobre Psicologia Integral. Na bibliografia recomendada, dentre outros

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti!

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti! Durante as aulas de Português da turma 10.º 3, foi lançado o desafio aos alunos de escolherem poemas e tentarem conceber todo um enquadramento para os mesmos, o que passava por fazer ligeiras alterações

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão.

A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão. A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão. Há muitos anos, nesse reino encantado, morava uma linda menina,

Leia mais

Frequentemente você utiliza certos termos que não

Frequentemente você utiliza certos termos que não 10 Não se distraia demais Frequentemente você utiliza certos termos que não dão o mínimo problema na hora da fala, mas que, na escrita, podem fazê-lo oscilar entre uma forma ou outra. Ainda há muita gente

Leia mais

José da Fonte Santa. Magia Alentejana. Poesia e desenhos. Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa. Edições Colibri

José da Fonte Santa. Magia Alentejana. Poesia e desenhos. Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa. Edições Colibri José da Fonte Santa Magia Alentejana Poesia e desenhos Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa Edições Colibri índice Nota Prévia 3 Prefácio 5 O Amor e a Natureza Desenho I 10 A rapariga mais triste do

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal Sobral-CE, 17 de março de 2004 Meu caro governador do estado do Ceará, Lúcio Alcântara, Meu caro companheiro

Leia mais

Álbum: O caminho é o Céu

Álbum: O caminho é o Céu Álbum: O caminho é o Céu ETERNA ADORAÇÃO Não há outro Deus que seja digno como tu. Não há, nem haverá outro Deus como tu. Pra te adorar, te exaltar foi que eu nasci, Senhor! Pra te adorar, te exaltar foi

Leia mais

Neurivan Sousa. Pequenas Pérolas. Frases & Pensamentos. 2013 Curitiba 2ª edição

Neurivan Sousa. Pequenas Pérolas. Frases & Pensamentos. 2013 Curitiba 2ª edição Neurivan Sousa Pequenas Pérolas Frases & Pensamentos 2013 Curitiba 2ª edição Dedicatória Dedico esse singelo livreto especialmente a três mulheres que são o meu tesouro na terra: minha esposa Vânia Tereza,

Leia mais

CANTOS PARA O NATAL CANTO DE ENTRADA:

CANTOS PARA O NATAL CANTO DE ENTRADA: CANTO DE ENTRADA: CANTOS PARA O NATAL 01. PEQUENINO SE FEZ (SL 95): J.Thomaz Filho e Fr.Fabretti Pequenino se fez nosso irmão, Deus-conosco! Brilhou nova luz! Quem chorou venha ver que o Menino tem razão

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados.

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. 1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. É bonita a história que acabaste de contar. Vou dar este livro ao Daniel, no dia do seu aniversário. Ele adora

Leia mais

Desafio para a família

Desafio para a família Desafio para a família Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da espiritualidade. O sonho de Deus para a família é que seja um

Leia mais

Memórias de um Vendaval

Memórias de um Vendaval 3 4 Memórias de um Vendaval 5 6 Carlos Laet Gonçalves de Oliveira MEMÓRIAS DE UM VENDAVAL 1ª Edição PerSe São Paulo - SP 2012 7 Copyright 2011, Carlos Laet Gonçalves de Oliveira Capa: O Autor 1ª Edição

Leia mais

O GALO QUE NUNCA MAIS CANTOU

O GALO QUE NUNCA MAIS CANTOU ANA SALDANHA O GALO QUE NUNCA MAIS CANTOU - E OUTRAS HISTORIAS Índice O galo que nunca mais cantou... 11 A formiga diligente e o salazar... 17 A vindima da Dona Raposa... 23 Contrato de arrendamento...

Leia mais

Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS. 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 INTRODUÇÃO

Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS. 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 INTRODUÇÃO 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS Bom dia a todos. Preparados para mais um dia de aulas?! Muito bem! Hoje vamos falar como é importante dar comida a quem não

Leia mais

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE HINÁRIO O CHAVEIRÃO Tema 2012: Flora Brasileira Allamanda blanchetii Glauco Glauco Villas Boas 1 www.hinarios.org 2 01 HÓSPEDE Padrinho Eduardo - Marcha Eu convidei no meu sonho Meu mestre vamos passear

Leia mais

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho o príncipe lá de casa Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho e talvez queira outra vez um marido. Mas quando se tem um filho e já se teve um marido, um homem não nos serve exatamente para

Leia mais

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ 1 Prefácio A página está em branco e não é página digna do nome que lhe dou. É vidro. Écran. Tem luz baça e fere os olhos pretos. Eu tenho demasiado sono para escrever papel.

Leia mais

Furor suave. O Ar. À beira mar Está um homem a pescar Peixe está a apanhar E sem nunca parar. (Pedro Ernesto, 10 anos)

Furor suave. O Ar. À beira mar Está um homem a pescar Peixe está a apanhar E sem nunca parar. (Pedro Ernesto, 10 anos) 6 Furor suave Vou fazer um poema com ar; mas não é com este ar. Qual ar? Este, aqui, este ar. Este qual? O que se respira? Sim, esse, não é com o que se respira, é com o ar de ar. Qual ar? Queres dizer

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

Catálogo Livros. Editora: Minutos de Leitura REF: LB08 PVP: 12 euros (IVA incluído)

Catálogo Livros. Editora: Minutos de Leitura REF: LB08 PVP: 12 euros (IVA incluído) Crocodilo e Girafa Este livro aborda temáticas fundamentais para o desenvolvimento da criança tais como aceitação das diferenças, tolerância à frustração, regras de convivência em grupo; o respeito pelos

Leia mais

Amor em Perspectiva Cultural - Mário Quintana. 1. A amizade é um amor que nunca morre. (Mário Quintana)

Amor em Perspectiva Cultural - Mário Quintana. 1. A amizade é um amor que nunca morre. (Mário Quintana) Page 1 of 5 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Cultura Educador: João Nascimento Borges Filho Amor em Perspectiva

Leia mais

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto. Mateus 4, 1-11 Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.». Este caminho de 40 dias de jejum, de oração, de solidariedade, vai colocar-te

Leia mais

HINÁRIO NOVA DIMENSÃO

HINÁRIO NOVA DIMENSÃO HINÁRIO NOVA DIMENSÃO Tema 2012: Flora Brasileira Rabo de Galo (Worsleya rayneri) Padrinho Alfredo Alfredo Gregório de Melo 1 www.hinarios.org 2 01 BRILHANTES PEDRAS FINAS Marcha - Valsa Ao pai eterno

Leia mais

Quando for grande... QUERO SER PAI!

Quando for grande... QUERO SER PAI! Quando for grande... QUERO SER PAI! Ficha Técnica Autora Susana Teles Margarido Título Quando for grande...quero SER PAI! Ilustrações Joana Dias Paginação/Design Ana do Rego Oliveira Revisão Brites Araújo

Leia mais

2010 PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO

2010 PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO 2010 PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO NOME: Jaguarari, outubro de 2010. CADERNO DO 6º E 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 2010 Numa carta de Papai Noel destinada às crianças, ele comunica que não será

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

Mensageiros da Cura (1 a 34)

Mensageiros da Cura (1 a 34) Mensageiros da Cura (1 a 34) 1 2 1 Mensageiro (Mestre,95) Te levanta, te levanta Levanta quem está sentado Para receber o Mensageiro Dentro do Jardim Dourado. Vai seguindo, vai seguindo Dentro do jardim

Leia mais

EMPREGO DE PALAVRAS E EXPRESSÕES

EMPREGO DE PALAVRAS E EXPRESSÕES EMPREGO DE PALAVRAS E EXPRESSÕES ASPECTOS TEÓRICOS. POR QUE /POR QUÊ / PORQUE / PORQUÊ a) POR QUE: Equivale a POR QUAL MOTIVO ou a pelo qual e variações; vem também depois de EIS e DAÍ. b) POR QUÊ: Equivale

Leia mais

EDUARDO ZIBORDI CAMARGO

EDUARDO ZIBORDI CAMARGO EDUARDO ZIBORDI CAMARGO Dudu era o segundo filho do casal Flávio Camargo e Elza Zibordi Camargo, quando desencarnou, aos sete anos incompletos. Hoje, além de Flávia, a família se enriqueceu com o nascimento

Leia mais

HINÁRIO O PASSARINHO. Tema 2012: Flora Brasileira Stifftia chrysantha. George Washington

HINÁRIO O PASSARINHO. Tema 2012: Flora Brasileira Stifftia chrysantha. George Washington HINÁRIO O PASSARINHO Tema 2012: Flora Brasileira Stifftia chrysantha George Washington 1 www.hinarios.org 2 I HOMENAGEM A SÃO JOÃO Neucilene 14/09/2001 Marcha Eu estou perante esta mesa Aqui dentro deste

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

FUVEST 2003. Língua Portuguesa Segunda Fase 05/01/2003

FUVEST 2003. Língua Portuguesa Segunda Fase 05/01/2003 FUVEST 2003 Língua Portuguesa Segunda Fase 05/01/2003 Q.01 BR. Contribuindo para o cinema brasileiro rodar cada vez melhor. A Petrobras Distribuidora sempre investiu na cultura do País e acreditou no potencial

Leia mais

ATO I CENA I KENT: GLOUCESTER: KENT: GLOUCESTER: KENT: GLOUCESTER: KENT:

ATO I CENA I KENT: GLOUCESTER: KENT: GLOUCESTER: KENT: GLOUCESTER: KENT: ATO I CENA I (Salão nobre do palácio do Rei Lear. Entram Kent, Gloucester e Edmundo.) KENT: Pensei que o Rei preferisse o Duque de Albânia ao Duque de Cornualha. GLOUCESTER: Também sempre pensamos assim,

Leia mais

Anderson: Bem, qual é o manete? Legge: Deve ser uma alavanca preta no centro do painel. Isso aí. Deixe a aeronave voar por si própria.

Anderson: Bem, qual é o manete? Legge: Deve ser uma alavanca preta no centro do painel. Isso aí. Deixe a aeronave voar por si própria. Bem, sejam todos muito bem-vindos aqui. E parabéns por estarem aqui neste final de semana. Porque eu acho, em minha experiência Alpha, que as duas coisas mais difíceis para as pessoas são, em primeiro

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

Hino Nacional. Hino Nacional Hino à Bandeira Hino da Independência Hino da Proclamação da República

Hino Nacional. Hino Nacional Hino à Bandeira Hino da Independência Hino da Proclamação da República Hino Nacional Hino à Bandeira Hino da Independência Hino da Proclamação da República Hino Nacional Música: Francisco Manuel da Silva (1795/1865) Letra: Joaquim Osório Duque Estrada (1870/1927) Ouviram

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015 1 2 COM MARIA, EM JESUS, CHEGAMOS À GLÓRIA! 5º Dia (Dia 07/10 Quarta-feira) CRIANÇA: BELEZA DA TERNURA DIVINA! Na festa de Maria, unidos neste Santuário, damos graças a Deus, por meio de Maria, pela vida

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

01- NA CACHOEIRA. Eu vi Mamãe Oxum na Cachoeira, Sentada na beira do rio! (bis)

01- NA CACHOEIRA. Eu vi Mamãe Oxum na Cachoeira, Sentada na beira do rio! (bis) 01- NA CACHOEIRA Eu vi Mamãe Oxum na Cachoeira, Sentada na beira do rio! (bis) Colhendo lírio, lírio ê... Colhendo lírio, lírio a... Colhendo lírios, P'ra enfeitar nosso congá. (bis) 02- BRADO DE MAMÃE

Leia mais

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME Toda família tem um nome, este nome é o identificador de que família pertence esta pessoa, o qual nos aqui no Brasil chamamos de Sobrenome. Então este nome além de identificar

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

1. Ouça o depoimento de Diana, sem acompanhar a transcrição, e complete as lacunas.

1. Ouça o depoimento de Diana, sem acompanhar a transcrição, e complete as lacunas. Todos os dias Gramática: atividades RESPOSTAS De olho no mercado 1. Ouça o depoimento de Diana, sem acompanhar a transcrição, e complete as lacunas. Diana: E o meu trabalho, eu trabalho numa empresa chamada

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico)

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) Januária setembro/2011 CENÁRIO: Livre, aberto, porém, deve se haver por opção uma cadeira, uma toalha e uma escova

Leia mais

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44)

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Autora: Tell Aragão Colaboração: Marise Lins Personagens Menina Zé Bonitinho +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

Coaching para pessoas disponíveis, ambos

Coaching para pessoas disponíveis, ambos Nota da Autora 1001 maneiras de ser Feliz, é o meu terceiro livro. Escrevi Coaching para mães disponíveis e Coaching para pessoas disponíveis, ambos gratuitos e disponíveis no site do Emotional Coaching.

Leia mais

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia 1 Antologia Raízes Da Poesia 2 Copyrighr 2013 Editra Perse Capa e Projeto gráfico Autor Registrado na Biblioteca Nacional ISBN International Standar Book Number 978-85-8196-234- 4 Literatura Poesias Publicado

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia

É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia Entrevista a Carlos Amaral Dias É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia Andreia Sanches 04/05/2014 O politicamente correcto implica pensar que a praxe é uma coisa horrível.

Leia mais

Animação Sociocultural. No PAís do Amor

Animação Sociocultural. No PAís do Amor No PAís do Amor Há muito, muito tempo, num reino que ficava Mais Longe que Bué Bué longe, vivia-se com muito amor e alegria. Os dias eram passados em festa e eram todos muito amigos. Nesse reino havia

Leia mais

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa O PASTOR AMOROSO Alberto Caeiro Fernando Pessoa Este texto foi digitado por Eduardo Lopes de Oliveira e Silva, no Rio de Janeiro, em maio de 2006. Manteve-se a ortografia vigente em Portugal. 2 SUMÁRIO

Leia mais

FICHA SOCIAL Nº 121 INFORMANTE: SEXO: IDADE: ESCOLARIZAÇÃO: LOCALIDADE: PROFISSÃO: DOCUMENTADORA: TRANSCRITORA: DIGITADORA: DURAÇÃO:

FICHA SOCIAL Nº 121 INFORMANTE: SEXO: IDADE: ESCOLARIZAÇÃO: LOCALIDADE: PROFISSÃO: DOCUMENTADORA: TRANSCRITORA: DIGITADORA: DURAÇÃO: FICHA SOCIAL Nº 121 INFORMANTE: F.A.C. SEXO: Masculino IDADE: 51 anos ESCOLARIZAÇÃO: 9 a 11 anos LOCALIDADE: Alto da Penha Zona Urbana PROFISSÃO: Funcionário Público DOCUMENTADORA: Luciana Muniz da França

Leia mais

Ato Único (peça em um ato)

Ato Único (peça em um ato) A to Ú nico Gil V icente Tavares 1 Ato Único (peça em um ato) de Gil Vicente Tavares Salvador, 18 de agosto de 1997 A to Ú nico Gil V icente Tavares 2 Personagens: Mulher A Mulher B Minha loucura, outros

Leia mais

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história O Menino do futuro Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno

Leia mais

TEMPO DO NATAL I. ATÉ À SOLENIDADE DA EPIFANIA HINOS. Vésperas

TEMPO DO NATAL I. ATÉ À SOLENIDADE DA EPIFANIA HINOS. Vésperas I. ATÉ À SOLENIDADE DA EPIFANIA No Ofício dominical e ferial, desde as Vésperas I do Natal do Senhor até às Vésperas I da Epifania do Senhor, a não ser que haja hinos próprios: HINOS Vésperas Oh admirável

Leia mais

Rio de Janeiro, 3 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 3 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 3 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Elias Nunes Júnior, 20 do 10 de 1958. Nasci em Bom Jesus de Itabapoana, interior do estado. FORMAÇÃO Eu sou formado em Ciências Contábeis, tenho Pós em

Leia mais

www.encartedigitalmk.com.br Conheça mais esta inovação da MK Music Uma empresa que pensa no futuro

www.encartedigitalmk.com.br Conheça mais esta inovação da MK Music Uma empresa que pensa no futuro Encarte e letras disponíveis em www.encartedigitalmk.com.br Conheça mais esta inovação da MK Music Uma empresa que pensa no futuro Produção executiva: MK Music / Masterização: Max Motta no MK Studio /

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón www.sisac.org.br "No capítulo 7 da epístola aos Romanos, encontramos o grito desesperado de um homem que não conseguia viver à altura dos princípios que conhecia.

Leia mais

Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você!

Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você! Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você! Este Livro Digital (Ebook) é fruto de uma observação que eu faço no mínimo há dez anos nas Redes Sociais, e até pessoalmente na convivência

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Consagração do Aposento. Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO

Consagração do Aposento. Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO Oração Pai Nosso Ave Maria Chave Harmonia Hinos da ORAÇÃO Consagração do Aposento Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO Pai Nosso - Ave Maria Prece

Leia mais

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki Page 1 of 7 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Poética & Filosofia

Leia mais

CONVITE. Falecido em 2012, Manuel António Pina deixou uma obra singular, no campo da poesia, da crónica, da literatura infanto-juvenil e do teatro.

CONVITE. Falecido em 2012, Manuel António Pina deixou uma obra singular, no campo da poesia, da crónica, da literatura infanto-juvenil e do teatro. Dando continuidade a projetos anteriores, o Museu Nacional da Imprensa está a preparar várias iniciativas para assinalar o 71.º aniversário do nascimento (18.nov.1943) do jornalista e escritor Manuel António

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

1. CANÇÃO DE NATAL (TENOR) OUÇAM AO REDOR ANJOS A CANTAR PROCLAMANDO AS NOVAS DO CÉU EIS QUE O BEBÊ QUE ESTÁ NA MANJEDOURA É O REI DOS REIS

1. CANÇÃO DE NATAL (TENOR) OUÇAM AO REDOR ANJOS A CANTAR PROCLAMANDO AS NOVAS DO CÉU EIS QUE O BEBÊ QUE ESTÁ NA MANJEDOURA É O REI DOS REIS 1. CANÇÃO DE NATAL (TENOR) OUÇAM AO REDOR ANJOS A CANTAR PROCLAMANDO AS NOVAS DO CÉU EIS QUE O BEBÊ QUE ESTÁ NA MANJEDOURA É O REI DOS REIS REI DA GLÓRIA, O ADORADO VEIO PARA NOS REDIMIR PRÍNCIPE DA PAZ

Leia mais

Neste mês Festinclã 2001

Neste mês Festinclã 2001 Neste mês Festinclã 2001 No ano de 2001, a atividade estadual de Guias teve como tema Cantando a Vida. Os clãs de São Paulo soltaram a criatividade e o talento que incluiu além das tradicionais músicas

Leia mais

24º Dia 22 de Março TRANSFORMADO PELA VERDADE

24º Dia 22 de Março TRANSFORMADO PELA VERDADE 24º Dia 22 de Março TRANSFORMADO PELA VERDADE As pessoas precisam mais que de pão para a sua vida; elas precisam alimentar-se de cada palavra de Deus. Mateus 4.4 A palavra graciosa de Deus pode fazer de

Leia mais

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope A Vida Passada a Limpo Ayleen P. Kalliope 2011 Este livro é dedicado ao meu querido filho, Pedro Paulo, que ao nascer me trouxe a possibilidade de parar de lecionar Inglês e Português, em escolas públicas

Leia mais

MÚSICA E LITERATURAS INFANTIS Cursos Música nas AEC. Formação contíbua de professores de Música nas AEC

MÚSICA E LITERATURAS INFANTIS Cursos Música nas AEC. Formação contíbua de professores de Música nas AEC MÚSICA E LITERATURAS INFANTIS Cursos Música nas AEC Formação contíbua de professores de Música nas AEC Regina Silveira 18/06/2008 ACTIVIDADES FORMATIVAS Através do seguinte texto, explore uma forma de

Leia mais