UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA LABORATÓRIO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA LABORATÓRIO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA LABORATÓRIO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA PROJETO DE PESQUISA Programa de Pós-Graduação em Medicina Veterinária - Doutorado Área de concentração: Patologia e Patologia Clínica Veterinária ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DO CÂNCER EM CÃES DA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL: 50 ANOS ( ) Doutorando: Mariana Martins Flores Orientador: Rafael Almeida Fighera Santa Maria RS Novembro 2014

2 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Identificação do projeto Título do projeto Aspectos epidemiológicos do câncer em cães da Região Central do Rio Grande do Sul : 50 anos ( ) Executor Mariana Martins Flores, Médica Veterinária, aluna de doutorado do Programa de Pós-graduação em Medicina Veterinária da UFSM, área de concentração em Patologia e Patologia Clínica Veterinária (matrícula ). Laboratório de Patologia Veterinária (LPV), Ramal: 8168; Equipe de trabalho Orientador Rafael Almeida Fighera, Médico Veterinário, Doutor, Professor Adjunto III do Departamento de Patologia Veterinária da UFSM CCS (SIAPE ). Laboratório de Patologia Veterinária (LPV), Ramal: 8168; Colaboradores Monique Togni Martins, Médica Veterinária, aluna de doutorado do Programa de Pós-graduação em Medicina Veterinária da UFSM, área de concentração em Patologia e Patologia Clínica Veterinária (matrícula ). Laboratório de Patologia Veterinária (LPV), Ramal: 8168; 2

3 Renata Dalcol Mazaro, aluna do curso de graduação de Medicina Veterinária da UFSM (matrícula ). Bolsista PIBIC junto ao Laboratório de Patologia Veterinária (LPV). Ramal: 8168; Luiz Francisco Irigoyen. Médico Veterinário PhD. Professor Associado IV do Departamento de Patologia Veterinária da UFSM CCS (SIAPE ). Laboratório de Patologia Veterinária (LPV), Ramal: 8168; Glaucia Denise Kommers. Médica Veterinária, PhD. Professora Associada II do Departamento de Patologia Veterinária da UFSM CCS (SIAPE ). Laboratório de Patologia Veterinária (LPV), Ramal: 8168; Local de execução Laboratório de Patologia Veterinária (LPV), prédio 97 B, Ala 5, Hospital Veterinário Universitário (HVU), Centro de Ciências Rurais (CCR), Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Ramal: RESUMO O câncer tem ganhado uma notável importância em Medicina Veterinária nos últimos anos, o que tem estimulado a realização de alguns estudos acerca dos aspectos epidemiológicos desta condição. Esses estudos, quando realizados de forma aprofundada, contribuem com dados bastante úteis para clínicos e patologistas. Apesar da importância de tais aspectos, não existem estudos brasileiros com ênfase em epidemiologia do câncer em cães. Diante disso, o propósito deste estudo é analisar o padrão de ocorrência do câncer como causa de morte em cães necropsiados no LPV-UFSM ao longo de 50 anos, com ênfase 3

4 na prevalência e nos aspectos epidemiológicos (raça, porte, sexo e idade). Para isso, os arquivos de necropsia de cães referentes aos anos entre 1964 e 2013 serão revisados. Deles, serão retiradas informações referentes à raça, ao porte, à idade e ao sexo com o objetivo de determinar o perfil epidemiológico da população de risco. Posteriormente, serão separados apenas os casos diagnosticados como câncer, grupo denominado população doente, e deles, serão retirados dados acerca do tipo de neoplasma diagnosticado e sistema corporal/órgão afetado. Será feita uma análise cruzada das raças, portes, sexos e idades das duas populações ( de risco e doente ). Com isto, espera-se obter um perfil epidemiológico dos tumores diagnosticados em cães no LPV. Considerando a grande prevalência do câncer como causa de morte em cães no LPV, julgamos importante a investigação epidemiológica desta condição na Região Central do RS, principalmente diante da ausência de estudos epidemiológicos aprofundados acerca do câncer em cães no Brasil. Palavras chave: doenças de cães, epidemiologia, patologia, oncologia, tumores, neoplasmas. 3. REVISÃO DE LITERATURA Com frequência, o câncer é considerado uma das duas principais causas de morte em cães (FLEMING et al., 2011; FIGHERA et al., 2008; BENTUBO et al., 2007; MOORE et al., 2001; BONNETT et al., 1997), chegando a representar 13% a 23% das causas de morte nessa espécie (BENTUBO et al., 2007; PROSCHOWSKY et al., 2003; BRONSON, 1982). Quando se fala em cães com 10 anos ou mais, a prevalência do câncer é ainda maior, subindo de 23% em cães adultos para 45% em cães idosos no estudo de BRONSON (1982) e de 7,8% para 32% no estudo de FIGHERA et al. (2008). A busca por tratamentos cada vez mais eficazes e específicos para cada tipo de câncer tem crescido na medicina veterinária, o que, obviamente, requer cada vez mais estudos de prevalência, epidemiologia e patogênese do câncer 4

5 (WITHROW et al., 2013). Além da preocupação cada vez maior dos proprietários pelo bem estar de seus cães, há, também, um ramo no estudo do câncer em cães voltado para o uso destes animais como modelos comparativos para a oncologia humana, com o objetivo de elucidar aspectos relacionados à etiologia e à patogênese de determinados tumores de humanos (PAOLONI; KHANNA, 2007). Alguns autores enfatizam que a prevalência do câncer em cães tem aumentado ao longo dos últimos anos (PAOLONI; KHANNA, 2007; WITHROW et al., 2013). Os três fatores que podem estar causando este possível aumento, segundo eles, são: um aumento da própria incidência do câncer, um aumento na população total de cães (população de risco) e/ou um aumento no interesse e no conhecimento da população acerca da qualidade de vida de seus cães, levando a um maior número de casos diagnosticados (PAOLONI; KHANNA, 2007, WITHROW et al., 2013). Uma causa para um possível aumento na incidência de câncer é a maior expectativa de vida dos cães nos dias de hoje, atribuída a uma série de fatores relacionados à nutrição e ao desenvolvimento de medicinas preventivas e terapêuticas mais eficientes (PAOLONI; KHANNA, 2007; WITHROW et al., 2013; NELSON; COUTO, 1998). Embora se saiba da importância do câncer na população de cães, é difícil estimar com precisão a prevalência e a incidência espontâneas dessa afecção em animais de estimação (BUTLER et al., 2013). Muitos autores justificam que a inexistência de censos da população total e a escassez de bancos de dados de diagnóstico de câncer em cães dificultam a determinação da incidência do câncer nessa espécie (DOBSON, 2012; BUTLER et al., 2013). Outro fator agravante é a variação na metodologia dos estudos acerca do assunto, o que muitas vezes torna difícil comparar resultados de estudos diferentes. Alguns autores incluem em seus levantamentos todos os diagnósticos de câncer feitos em hospitais e clínicas veterinárias, muitos dos quais não possuem confirmação histopatológica (BENTUBO et al., 2007; BONNETT et al., 1997). Outros estudos se baseiam apenas em informações relatadas pelos proprietários dos animais, sem sequer a confirmação de um veterinário (PROSCHOWSKY et al., 2003; MICHELL, 1999). 5

6 Esses são dois exemplos de metodologia que podem não ser muito fidedignos à real ocorrência de câncer na população. A determinação das taxas de mortalidade do câncer em cães é geralmente menos complexa, e se baseia, na maioria das vezes, em estudos de necropsia (FIGHERA et al., 2008; MOORE et al., 2001). Esses estudos têm resultados bastante úteis em vários aspectos, e seus dados podem ser facilmente comparados a outros estudos semelhantes (BONNETT et al. 2005; FLEMING et al., 2011). Isto ocorre principalmente porque eles se baseiam em uma população fixa e facilmente determinada a população de cães necropsiados, o que nem sempre ocorre com estudos de prevalência, como vimos no parágrafo anterior. Além disto, geralmente, estudos de necropsia seguem metodologias semelhantes, que incluem diagnóstico microscópico de todos os tumores observados como causa de morte na necropsia (FIGHERA et al., 2008; MOORE et al., 2001). Apesar disso, deve-se levar em conta que o estudo do câncer como causa de morte, obviamente, subestima a ocorrência de neoplasmas incidentais e tende a superestimar aqueles tumores agressivos e frequentemente fatais. Com base nas diferentes metodologias adotadas, a comparação entre estudos de prevalência/incidência do câncer em animais vivos e estudos de câncer como causa de morte deve ser feita com cautela. O diagnóstico dos diferentes tipos de câncer na clínica veterinária está se tornando cada vez mais importante, visto que cada tipo diferente de câncer responde a um tratamento específico (WITHROW et al. 2013). Cada vez menos, os proprietários optam pela eutanásia, principalmente quando há opções terapêuticas viáveis (NELSON; COUTO,1998; WITHROW et al., 2013). O papel do patologista e dos estudos do câncer como causa de morte em cães são importantes para que se saibam quais são os tipos de câncer mais comuns por idade, raças, sexos e portes de cães. Este embasamento teórico voltado para os aspectos patológicos e epidemiológicos do câncer é bastante útil no diagnóstico de novos casos na clínica, bem como no tratamento e na determinação prognóstica dos diferentes tumores (EHRHART et al. 2013). 6

7 4. JUSTIFICATIVA O câncer tem ganhado uma notável importância na área de Medicina Veterinária nos últimos anos. Estudos europeus e americanos baseados em populações de cães necropsiados (FLEMING et al., 2011), registrados em companhias de seguro de vida (BONNETT et al., 2005; BONNETT et al,. 1997; MICHELL, 1999), pertencentes ao serviço militar (MOORE et al., 2001), cadastrados em associações de criadores (ADAMS et al., 2010; PROSCHOWSKY et al., 2003), atendidos em clínicas (O NEILL et al., 2013) ou selecionados de forma aleatória (BENTUBO et al., 2007) chamam atenção para um único fato: pelo menos nas últimas décadas, o câncer se mantém entre as duas primeiras causas de morte ou razões para eutanásia em cães em diferentes países ao redor do mundo. Há poucos estudos relacionados à prevalência do câncer em populações de cães no Brasil (TRAPP et al., 2010; FIGHERA et al., 2008; BENTUBO et al., 2007) e mais especificamente no Rio Grande do Sul (FIGHERA et al., 2008). Embora estes estudos reflitam a realidade observada nos outros países ao redor do mundo, eles são voltados apenas para aspectos clínicos e patológicos do câncer em cães e não abordam os seus aspectos epidemiológicos de forma aprofundada. Com base nisto, podemos inferir que não existem estudos epidemiológicos aprofundados acerca da mortalidade por câncer em populações de cães do Brasil, à semelhança dos estudos existentes nos Estados Unidos (FLEMING et al., 2011) e na Suíça (BONNETT et al., 2005). O estudo dos aspectos epidemiológicos do câncer vai muito além de determinar a prevalência dos diferentes tipos de tumores nos segmentos de uma população. Estudos aprofundados podem trazer informações realmente úteis para clínicos e patologistas veterinários. FLEMING et al. (2011), por exemplo, demonstrou que os cães norte-americanos das raças Pinscher e Dachshund miniaturas tinham um menor risco de morrer por câncer quando comparados às outras 80 raças analisadas. Esse estudo também demonstrou que o risco de 7

8 morte relacionada a câncer era muito maior em cães de grande porte quando comparado ao risco dos cães de pequeno porte. De forma semelhante ao que é relatado mundialmente, o câncer é responsável por 7,8% das causas de morte ou razões para eutanásia de cães que chegam ao LPV-UFSM para realização de necropsia. Em cães idosos, a prevalência sobe para 32%. Apesar de já se conhecer a prevalência do câncer em cães no LPV por meio de um estudo prévio ( ) (FIGHERA et al, 2008), não se sabe se esta categoria de doenças tem realmente se tornado mais comum como causa de morte em relação às outras doenças nos últimos 50 anos. Além disto, os dados relacionados ao diagnóstico do câncer como causa de morte no LPV nunca foram analisados de forma detalhada e com ênfase nos aspectos epidemiológicos, à semelhança dos estudos de FLEMING et al. (2011) e BONNETT (2005), que trouxeram resultados realmente importantes no que diz respeito ao risco de morte por câncer em cães norte americanos e europeus, respectivamente. 5. METAS Visando o aumento da importância do câncer em cães nos últimos anos, a meta desse projeto é gerar conhecimento acerca da prevalência e dos aspectos epidemiológicos do câncer em cães na Região Central do RS nos últimos 50 anos, contribuindo para a identificação de segmentos da população que tenham uma maior predisposição a morrerem de câncer e auxiliando, assim, clínicos de pequenos animais e patologistas veterinários na prevenção e no diagnóstico do câncer em cães dessa região. 6. HIPÓTESE CIENTÍFICA A nossa principal hipótese com a realização deste trabalho é de que o câncer tem sido mais frequentemente diagnosticado em cães nas últimas duas décadas, mas que este aumento seja proporcional ao aumento no número das 8

9 necropsias de cães, o que significa dizer que o câncer não esteja se tornando mais incidente na população canina da região central do RS. Também hipotetizamos que alguns tipos de câncer ocorrem de forma mais frequente em determinadas raças, portes e idades, e que poderemos observar determinadas mudanças no padrão de ocorrência de alguns tipos de câncer ao longo das cinco décadas incluídas neste estudo, principalmente no que se refere à mudança do perfil racial da população de risco. 7. OBJETIVOS 7.1. Objetivos Gerais Analisar a prevalência e os aspectos epidemiológicos dos neoplasmas diagnosticados como causa de morte ou razão para eutanásia em cães necropsiados no LPV nos últimos 50 anos ( ), possibilitando comparar a incidência dos casos de câncer a cada década e em cada parcela da população, e determinar possíveis fatores de risco relacionados à morte por câncer em cães da Região Central do Rio Grande do Sul Objetivos Específicos Definir a população de risco: analisar o número de cães necropsiados a cada ano no período de 1964 a 2013 e segregar a população por raça, porte, sexo e idade, possibilitando calcular o número de machos, fêmeas, filhotes, adultos e idosos e a proporção das diferentes raças que constituem a população total de cães necropsiados ( ), denominada por nós como população de risco. Definir a população acometida por câncer; diante do conhecimento dos dados epidemiológicos da população de risco, separar todos os casos de cães que tiveram o câncer diagnosticado como causa de morte ou razão para eutanásia. 9

10 Calcular a prevalência total do câncer em cães no LPV e segrega-la: (a) por década ( ), (b) por sexo, (c) por raça, (d) por porte, (e) por idade, (f) por sistema ou órgão acometido e (g) por diagnóstico específico (por exemplo: linfoma). Comparar os dados resultantes entre si e responder aos seguintes questionamentos abaixo. Quanto à prevalência do câncer no LPV: (a) Qual a prevalência total do câncer em cães necropsiados no LPV?; (b) Essa prevalência aumentou ao longo das cinco décadas?; (c) Quais os órgãos/sistemas mais acometidos pelo câncer?; (d) Quais os tipos de câncer mais comuns?; (e) Há variação nos tipos de câncer mais comuns ao longo de cinco décadas?; (f) Se sim, essa variação pode ser explicada? Quanto à faixa etária dos cães acometidos por câncer no LPV: (a) Qual a média de idade da população acometida por câncer no LPV?; (b) Essa média de idade é diferente entre os diferentes tipos de câncer?; (c) Esta média de idade é diferente entre as diferentes raças de cães?;; (d) Quais as faixas etárias com menor risco de morrerem de câncer? Quanto às raças dos cães acometidos por câncer no LPV: (a) podemos observar algum tipo de predisposição racial nas raças predominantes em nossa região?; (b) Podemos observar algum tipo de predisposição ligada ao porte das raças acometidas?; (c) Existe algum porte ou raça na nossa região que parece ter um risco diminuído para desenvolvimento de câncer? 8. METODOLOGIA O levantamento dos dados será realizado (1) separando todas as fichas de necropsias de cães entre 1964 e 2013, (2) analisando individualmente cada laudo e identificando o sexo, a raça, o porte (quando possível) e a idade de todos os cães necropsiados, (3) separando todos os casos cuja causa de morte ou razão para eutanásia tenha relação com câncer, (5) analisando e contabilizando todos os tipos de câncer diagnosticados nos cães que morreram por esta categoria de doenças e (6) procurando os blocos e confeccionando lâminas histológicas para 10

11 uma análise mais detalhada de casos de câncer que julgarmos interessantes ou incomuns em cães em nosso laboratório. A análise epidemiológica do câncer em cães será baseada na comparação do número de casos de câncer diagnosticados no período total do estudo ( ) com o número de casos por ano. Também serão analisados sexo, raça, porte e idade dos cães acometidos e comparados aos mesmos parâmetros da população total. Posteriormente, será possível correlacionar a frequência de ocorrência de determinados tipos de câncer em diferentes sexos, raças, portes e idades e determinar se há diferenças na prevalência dos diversos tipos de câncer de um ano para outro. 9. POSSÍVEIS RESTRIÇÕES E SOLUÇÕES Por ser um estudo retrospectivo, este projeto poderá apresentar restrições relacionadas à ausência de fichas e à presença de fichas incompletamente preenchidas (com a ausência de dados essenciais para o estudo epidemiológico, incluindo sexo, raça, idade e diagnóstico definitivo). Isso talvez seja o maior empecilho no estabelecimento de uma prevalência e análise epidemiológica fidedignas. Um número baixo de casos, que resulta em um N pequeno, é também um grande problema encontrado em alguns estudos retrospectivos, embora acreditemos que não existirão problemas relacionados ao número de indivíduos incluídos neste estudo. A fim de minimizar um possível baixo número baixo de casos, o estudo irá abranger 50 anos. No entanto, espera-se encontrar dificuldades em relação aos primeiros anos, pois é sabido que nas primeiras décadas de funcionamento do LPV-UFSM, eram utilizados protocolos muito diferentes dos atuais e alguns dados epidemiológicos não eram registrados. Se um item relevante ao trabalho não for descrito no protocolo, será computado como não informado (n.i.). Serão excluídos da análise, casos de protocolos não encontrados, incompletos ou de cães oriundos de experimentos. 11

12 10. RESULTADOS PRELIMINARES Os resultados a seguir serão enviados para tramitação no periódico Pesquisa Veterinária Brasileira: 11. CRONOGRAMA Atividades para 2013 Atividade Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 1 x x x x x x x x x x 2 x x x x x x Atividades para 2014 Atividade Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 2 x x x x x x 3 x x x x 4 x x Atividades para 2015 Atividade Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 5 x x x x x x 6 x x x x x x Atividades para 2016 Atividade Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 6 x x x x x x x x x x 7 x x x x x x Atividades para 2017 Atividade Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 7 x 8 x x 1. Confecção do projeto. 2. Procura e leitura dos laudos nos arquivos do LPV e obtenção dos resultados. 3. Organização dos resultados parciais para exame de qualificação. 4. Período de qualificação 12

13 5. Adequações do projeto e consequentemente padronização dos resultados obtidos conforme estabelecido na qualificação 6. Elaboração dos artigos científicos 7. Elaboração da tese 8. Preparação para a defesa de tese 12. ORÇAMENTO Quant idade Unidade Discriminação Valor unitário Total (R$) (R$) 01 Frasco 100g Eosina Y 45,00 45,00 01 Frasco 50 g Hematoxilina 270,00 270,00 10 Frasco 1L Xilol 30,00 300,00 01 Frasco 1L Formol 37,00 37,00 10 Pacote 1 Kg Parafina 10,00 100,00 10 Caixa 50 unid. Lâmina para microscopia 3,90 39,00 05 Caixa 100 unid Lamínula 24x50 6,20 31,00 01 Frasco 100 ml Entellan New 85,00 85,00 01 Caixa 100 unid. Navalhas descartáveis 200,00 200,00 02 Caixa 100 unid. Luvas para procedimentos 9,50 19,00 Total 1126, REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. ADAMS, V.J.; EVANS, K.M.; SAMPSON, J.; WOOD, J.L.N. Methods and mortality results of a health survey of purebred dogs in the UK. Journal of Small Animal Practice, v.51, p ,

14 2. BENTUBO, H. D. L. et al. Expectativa de vida e causas de morte em cães na área metropolitana de São Paulo (Brasil). Ciência Rural, v.37, p , BONNETT, B. N.; EGENVALL, A.; OLSON, P.; HEDHAMMER, A. Mortality in insured Swedish dogs: rates and causes of death in various breeds. The Veterinary Record, v.141, p.40-44, BONNETT, B.N.; EGENVALL, A.; HEDHAMMAR, A.; OLSON, P. Mortality in over 350,000 insured Swedish dog from : I. Breed-, gender-, age- and cause-specific rates. Acta vet. Scand. V.46, p , BRONSON, R. T. Variation in age at death of dogs of different sexes and breeds. American Journal of Veterinary Research, v.43, p , BUTLER, L.M.; BONNETT, B.N.; RODNEY, L.P. Epidemiology and evidencebased medicine aproach. In.: WITHROW, S. J.; VAIL, D. M.; PAGE, R.L. Withrow & MacEwen s Small Animal Clinical Oncology. 5 th edition. Saunders, Elsevier. St. Louis DOBSON, J. M. Breed-predispositions to cancer in pedigree dogs. Veterinary Science, v.2013, EHRHART, E.J.; KAMSTOCK, D.A.; POWERS, B.E. The pathology of neoplasia. In.: WITHROW, S. J.; VAIL, D. M.; PAGE, R.L. Withrow & MacEwen s Small Animal Clinical Oncology. 5 th edition. Saunders, Elsevier. St. Louis FIGHERA, R. A. et al. Causas de morte e razões para eutanásia de cães da Mesorregião do Centro Ocidental Rio-Grandense ( ). Pesquisa Veterinária Brasileira, v.28, p ,

15 10. FLEMING, J. M.; CREEVY, K. E.; PROMISLOW, D. E. L. Mortality in North American dogs drom 1984 to 2004: an investigation into age-, size- and breed-related causes of death. J Vet Intern Med, v.25, pg , MICHELL, A. R. Longevity of British breeds of dog and its relationships with sex, size, cardiovascular variables and disease. The Veterinary Record, v.145, p , MOORE, G. E. et al. Causes of death or reasons for euthanasia in military working dogs: 927 cases ( ). Journal of American Veterinary Medical Association, v.219, p , NELSON, R. W.; COUTO, C. G. Medicina interna de pequenos animais. 2ª edição. Guanabara Koogan. Rio de Janeiro O NEILL, D.G.; CHURCH, D.B.; McGREEVY, P.D.; THOMSON, P.C.; BRODBELT, D.C. Longevity and mortality of owned dogs in England. The Veterinary Journal, v.198, p , PAOLONI, M.; KHANNA, C. Comparative oncology today. Veterinary Clinics Small Animal Practice, v.37, p , PROSCHOWSKY, H. F.; RUGBJERG, H.; ERSBOLL, A. K. Mortality of purebred and mixed-breed dogs in Denmark. Preventive Veterinary Medicine, v.58, p.63-74, TRAPP, S.M. et al. Causas de óbito e razões para eutanásia em uma população hospitalar de cães e gatos. Braz.J.Vet.Res.Anim.Sci., v.47, p ,

16 18. WITHROW, S. J.; VAIL, D. M.; PAGE, R.L. Why worry about cancer in companion animals? In.: Withrow & MacEwen s Small Animal Clinical Oncology. 5 th edition. Saunders, Elsevier. St. Louis RESULTADOS E IMPACTO ESPERADOS Espera-se obter dados que nos permitam conhecer quais os tipos de câncer são mais comuns no LPV e quais as idades, portes e raças mais acometidas pelos diferentes tipos de câncer. Além disso, espera-se responder se realmente têm havido mudanças na prevalência e nos aspectos epidemiológicos do câncer nos últimos 50 anos. A publicação dos dados obtidos é uma etapa importante do projeto, visto que a prevalência do câncer em cães na Região Central do RS é um dado ainda desconhecido, e que estudos epidemiológicos aprofundados em populações de cães que morrem de câncer ainda não existem no Brasil. Esperamos que as informações epidemiológicas publicadas sejam úteis para clínicos, patologistas e criadores de cães, principalmente no diagnóstico e na prevenção da ocorrência de câncer em cães desta região. 16

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA LABORATÓRIO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA LABORATÓRIO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA LABORATÓRIO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA PROJETO DE PESQUISA Programa de Pós-Graduação em Medicina Veterinária - Doutorado

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010

ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010 1 ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010 CAIO FERNANDO GIMENEZ 1, TATIANE MORENO FERRARIAS 1, EDUARDO FERNANDES BONDAN 1 1 Universidade

Leia mais

INCIDÊNCIA DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM FÊMEAS CANINAS ATENDIDAS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - CURITIBA

INCIDÊNCIA DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM FÊMEAS CANINAS ATENDIDAS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - CURITIBA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 INCIDÊNCIA DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM FÊMEAS CANINAS ATENDIDAS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães Ciro José Sousa de Carvalho 1, Sâmmya Roberta Barbosa 2, Francisco Assis Lima Costa 3, Silvana Maria Medeiros

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

Tabagismo e Câncer de Pulmão

Tabagismo e Câncer de Pulmão F A C U L D A D E D E S A Ú D E P Ú B L I C A D E P A R TA M E N T O D E E P I D E M I O L O G I A U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O Série Vigilância em Saúde Pública E X E R C Í C I O N º 3

Leia mais

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO *

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * 1 05/06 TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * OBJETIVOS Este exercício utiliza o estudo clássico de Doll e Hill que demonstrou a relação entre tabagismo e câncer de pulmão. Depois de completar este exercício,

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007.

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA TERAPÊUTICA E POSOLOGIA DO TRILOSTANO MANIPULADO EM CÃES COM HIPERADRENOCORTICISMO ESPONTÂNEO

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA TERAPÊUTICA E POSOLOGIA DO TRILOSTANO MANIPULADO EM CÃES COM HIPERADRENOCORTICISMO ESPONTÂNEO TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA TERAPÊUTICA E POSOLOGIA DO TRILOSTANO MANIPULADO EM CÃES COM HIPERADRENOCORTICISMO ESPONTÂNEO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA VETERINÁRIA

Leia mais

Expectativa de vida e causas de morte em cães na área metropolitana de São Paulo (Brasil)

Expectativa de vida e causas de morte em cães na área metropolitana de São Paulo (Brasil) Ciência Rural, Santa Expectativa Maria, v.37, de vida n.4, e p.1021-1026, causas de morte jul-ago, em cães 2007na área metropolitana de São Paulo (Brasil). ISSN 0103-8478 1021 Expectativa de vida e causas

Leia mais

EDITAL Nº 01/COREMU/UFRA/2016 ANEXO III ROTEIRO DA PROVA PRÁTICA ESPECÍFICA POR ÁREA

EDITAL Nº 01/COREMU/UFRA/2016 ANEXO III ROTEIRO DA PROVA PRÁTICA ESPECÍFICA POR ÁREA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM ÁREA PROFISSIONAL DE SAÚDE EM MEDICINA VETERINÁRIA EDITAL Nº 01/COREMU/UFRA/2016

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 ESTUDO RETROSPECTIVO DE NEOPLASIAS DE PELE EM CÃES, NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM-PA, NO PERÍODO DE 2013 A 2014. RENZO BRITO LOBATO¹, ADRIANA MACIEL DE CASTRO CARDOSO¹, BRENO COSTA DE MACEDO¹, KARINA

Leia mais

CASTRAÇÃO DE ANIMAIS DE COMPANHIA: MITOS E VERDADES

CASTRAÇÃO DE ANIMAIS DE COMPANHIA: MITOS E VERDADES 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CASTRAÇÃO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE Mariane Alves Gomes da Silva Eliana Zandonade 1. INTRODUÇÃO Um aspecto fundamental de um levantamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

INCIDÊNCIA DE METÁSTASE PULMONAR EM CADELAS DIAGNOSTICADAS COM TUMORES DE GLÂNDULA MAMÁRIA

INCIDÊNCIA DE METÁSTASE PULMONAR EM CADELAS DIAGNOSTICADAS COM TUMORES DE GLÂNDULA MAMÁRIA V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INCIDÊNCIA DE METÁSTASE PULMONAR EM CADELAS DIAGNOSTICADAS COM TUMORES DE GLÂNDULA MAMÁRIA Marcela Nunes Liberati

Leia mais

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três Perfil do proprietário de cães e gatos da cidade de Jataí GO em relação aos cuidados odontológicos de seus animais RESENDE, Lara Gisele¹; PAIVA, Jacqueline de Brito¹; ARAÚJO, Diego Pereira¹; CARVALHO,

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Edmilson Cursino dos Santos Junior (1); Renato Filipe de Andrade (2); Bianca Alves Vieira Bianco (3). 1Fisioterapeuta. Residente em Saúde

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

FIBROLEIOMIOMA EM UMA CADELA DA RAÇA PASTOR ALEMÃO - RELATO DE CASO FIBROLEIOMYOMAS IN ONE BITCH OF GERMAN SHEPHERD BREED CASE REPORT

FIBROLEIOMIOMA EM UMA CADELA DA RAÇA PASTOR ALEMÃO - RELATO DE CASO FIBROLEIOMYOMAS IN ONE BITCH OF GERMAN SHEPHERD BREED CASE REPORT 1 FIBROLEIOMIOMA EM UMA CADELA DA RAÇA PASTOR ALEMÃO - RELATO DE CASO FIBROLEIOMYOMAS IN ONE BITCH OF GERMAN SHEPHERD BREED CASE REPORT ¹JÉSSICA DO ROCIO RIBAS MACHADO, ¹KELLI CRISTINA GRACIANO, ¹CAROLINA

Leia mais

Prováveis causas para agressividade canina e os ataques de cães nas Cidades Brasileiras

Prováveis causas para agressividade canina e os ataques de cães nas Cidades Brasileiras Prováveis causas para agressividade canina e os ataques de cães nas Cidades Brasileiras Stefany Pinho Palma e Milton Passipiéri Palma, S. P. 1,* ; Passipiéri, M. 1 stefanypp@gmail.com; milton@bio.feis.unesp.br

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES PRÁTICAS E TEÓRICO-PRATICAS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL - ANO DE 2013

PLANO DE ATIVIDADES PRÁTICAS E TEÓRICO-PRATICAS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL - ANO DE 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA UFSM/RS PRO-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E EM ÁREA PROFISSIONAL DA SAÚDE-MEDICINA VETERINARIA

Leia mais

UFPI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL/ 2015-2018

UFPI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL/ 2015-2018 Hospital de ensino, com funcionamento 24 horas, inaugurado em 09 de setembro de 2003. - Atende ao ensino de graduação em Medicina Veterinária - Pós-graduação - Execução das atividades dos Programas de

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS DADOS DOS ATENDIMENTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO HV/EVZ/UFG

LEVANTAMENTO DOS DADOS DOS ATENDIMENTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO HV/EVZ/UFG LEVANTAMENTO DOS DADOS DOS ATENDIMENTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO HV/EVZ/UFG BRAGATO, Nathália. 1 ; PÁDUA, Fernanda Maria Ozelim de 1 ; COSTA, Ana Paula Araújo.; SILVA,

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 RAPHAEL CARDOSO CLIMACO¹, MAIRA SANTOS SEVERO CLIMACO 2, CAMILA CAROLINE CARLINI 3, WEMERSON DE SANTANA NERES 3, MORGANA OLIVEIRA EUGÊNIO 3 ¹Médico Veterinário, Centro Médico Veterinário Mr. Zoo, Aracaju,

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIEVANGÉLICA - 2015/2016. Projeto de Pesquisa do Coordenador e Subprojeto do Discente

PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIEVANGÉLICA - 2015/2016. Projeto de Pesquisa do Coordenador e Subprojeto do Discente PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIEVANGÉLICA - 20/20 Projeto de Pesquisa do Coordenador e Subprojeto do Discente Projeto de Pesquisa NOME DO COORDENADOR EM CAIXA ALTA INFORMAÇÕES GERAIS

Leia mais

INTERAÇÃO HOMEM x ANIMAL SOB A PERSPECTIVA DO PRODUTOR RURAL ESTUDO PRELIMINAR. ¹ Discente de Medicina Veterinária UNICENTRO

INTERAÇÃO HOMEM x ANIMAL SOB A PERSPECTIVA DO PRODUTOR RURAL ESTUDO PRELIMINAR. ¹ Discente de Medicina Veterinária UNICENTRO INTERAÇÃO HOMEM x ANIMAL SOB A PERSPECTIVA DO PRODUTOR RURAL ESTUDO PRELIMINAR Carolina REMLINGER 1, karorem@hotmail.com, Raphaéli Siqueira BAHLS Raphabahls@hotmail.com 1 Felipe Lopes CAMPOS², campos.79@gmail.com

Leia mais

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 BETIM/MG Márcia Dayrell Secretaria Municipal de Saúde de Betim (MG) Serviço de Vigilância

Leia mais

Serviço de Diagnóstico por Imagem serviço de ultrassonografia e radiologia

Serviço de Diagnóstico por Imagem serviço de ultrassonografia e radiologia TÍTULO Serviço de Diagnóstico por Imagem serviço de ultrassonografia e radiologia AUTORES NUNES, H.R. 1 ; BRAGATO, N. 2 ; PÁDUA, F.M.O².; BORGES, N.C.³. PALAVRAS-CHAVE Diagnóstico por imagem, exame complementar,

Leia mais

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES Veruska Martins da Rosa 1, Caio Henrique de Oliveira Carniato 2, Geovana Campanerutti Cavalaro 3 RESUMO: O hiperadrenocorticismo

Leia mais

Bastian Ignacio Olivares Flores ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER DO APARELHO DIGESTIVO

Bastian Ignacio Olivares Flores ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER DO APARELHO DIGESTIVO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CURSO DE ESTATÍSTICA Bastian Ignacio Olivares Flores ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER

Leia mais

AVALIAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA EM CÃES PORTADORES DE LINFOMA.

AVALIAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA EM CÃES PORTADORES DE LINFOMA. 79 AVALIAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA EM CÃES PORTADORES DE LINFOMA. Osimar de Carvalho Sanches, Rogério Giuffrida, Liliane Giroto Pereira, Paula Keiko Anadão Tokawa, Vanessa Cristina Pereira Medicina Veterinária

Leia mais

TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) - REVISÃO DE LITERATURA TRANSMISSIBLE VENERAL TUMOR (TVT) REVIEW

TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) - REVISÃO DE LITERATURA TRANSMISSIBLE VENERAL TUMOR (TVT) REVIEW TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) - REVISÃO DE LITERATURA TRANSMISSIBLE VENERAL TUMOR (TVT) REVIEW SANTOS, Mariana Soares Pereira dos Acadêmica do curso de Medicina Veterinária da Faculdade de Medicina

Leia mais

CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS

CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS Ana M.B. Menezes 1 e Iná da S. dos Santos 2 1 Prof a Titular de Pneumologia Faculdade de Medicina UFPEL 1 Presidente da Comissão de Epidemiologia da SBPT

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS

PROGRAMA DE CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS PROGRAMA DE CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS O crescimento populacional de cães e gatos tem representado um problema de saúde pública, devido à possibilidade de transmissão de doenças entre animais

Leia mais

MANUAL DE NORMALIZAÇÃO PARA PROJETO DE PESQUISA DA FACULDADE DE IMPERATRIZ

MANUAL DE NORMALIZAÇÃO PARA PROJETO DE PESQUISA DA FACULDADE DE IMPERATRIZ MANUAL DE NORMALIZAÇÃO PARA PROJETO DE PESQUISA DA FACULDADE DE IMPERATRIZ IMPERATRIZ 2010 MANUAL DE NORMALIZAÇÃO PARA MONOGRAFIAS DA FACULDADE DE IMPERATRIZ Curso de Odontologia Faculdade de Imperatriz

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

TÍTULO: DIAGNÓSTICO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS VÍTIMAS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA-SP

TÍTULO: DIAGNÓSTICO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS VÍTIMAS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA-SP Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DIAGNÓSTICO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS VÍTIMAS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA-SP

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico 1. Assunto: Indicadores epidemiológicos, de morbidade: incidência, prevalência, taxa de ataque e taxa de ataque secundária..

Leia mais

Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais

Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais Bibliografia e tópicos para a prova de seleção 2013 (Mestrado / Doutorado) Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais Tópicos - Mestrado e Doutorado (prova teórica*) *O candidato poderá excluir um número

Leia mais

HIPERFLEXÃO DO CARPO EM CÃO ADULTO RELATO DE CASO

HIPERFLEXÃO DO CARPO EM CÃO ADULTO RELATO DE CASO 1 HIPERFLEXÃO DO CARPO EM CÃO ADULTO RELATO DE CASO JULIANO MORELLI MARANGONI¹, RICARDO LIMA SALOMAO 2, ELZYLENE LÉGA PALAZZO 3, PAULA FERREIRA DA COSTA 3, PATRICIA NADJA DE OLIVEIRA REY 4, MARINA LAUDARES

Leia mais

Dicas sobre o projeto de pesquisa.

Dicas sobre o projeto de pesquisa. Dicas sobre o projeto de pesquisa. Profa. Dra. Ana Mauriceia Castellani Oferecimento e apoio: Objetivos desta palestra Destacar os principais pontos de um projeto de pesquisa. Indicar problemas que podem

Leia mais

1ª Retificação do Edital Nº 024/2015

1ª Retificação do Edital Nº 024/2015 1ª Retificação do Edital Nº 024/2015 O Diretor Geral do Câmpus Juiz de Fora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais (IF Sudeste MG), no uso de suas atribuições

Leia mais

Características epidemiológicas de sarcomas de tecidos moles caninos e felinos: levantamento de 30 anos

Características epidemiológicas de sarcomas de tecidos moles caninos e felinos: levantamento de 30 anos [T] Características epidemiológicas de sarcomas de tecidos moles caninos e felinos: levantamento de 30 anos [I] Epidemiological characteristics from canine and feline soft tissue sarcomas during a 30 year

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO INTERINSTITUCIONAL EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO INTERINSTITUCIONAL EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO INTERINSTITUCIONAL EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE RESÍDUOS QUÍMICOS E O PROCESSO DE DESCARTE EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Diagnóstico do Problema em Santa Catarina

Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Diagnóstico do Problema em Santa Catarina Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Diagnóstico do Problema em Santa Catarina Heloisa Côrtes Gallotti Peixoto Introdução Os acidentes e violências passaram a figurar, no início da década

Leia mais

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Cruzeiro SP 2008 FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Projeto de trabalho de formatura como requisito

Leia mais

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS Proposta Final Salvador, Agosto de 2011 1 PROTOCOLO DE AÇÃO PARA AS SITUAÇÕES DE SURTOS CLASSIFICADOS COMO EMERGÊNCIA EM SAÚDE PÚBLICA O conceito de emergência de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PPG CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO EM MEDICINA VETERINÁRIA Edital nº 03/2013 -

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Apresentação -PRAVALER www.creditouniversitario.com.br

Apresentação -PRAVALER www.creditouniversitario.com.br Apresentação -PRAVALER Setembro/ 2011 Filme PRAVALER - Produto Crédito Universitário PRAVALER O Crédito Universitário PRAVALER Fundado em 2006, O PRAVALER é hoje o maior programa de crédito universitário

Leia mais

Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015

Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015 Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015 1. Descrição Este programa procura desenvolver nos estudantes de graduação

Leia mais

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA IDENTIFICAÇÃO DO PESQUISADOR Nome do pesquisador responsável MODELO DE PROJETO DE PESQUISA Instituição Titulação Departamento CPF Endereço Telefone Fax E-Mail EQUIPE COLABORADORA Nome Departamento Titulação

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 MARCELA BENEVENTE [1], LUCIANA MOURA CAMPOS PARDINI [2], ADRIANA CAMARGO FERRASI [1,3], MARIA INES DE MOURA CAMPOS PARDINI [3], ALINE FARIA GALVANI [3], JOSE JOAQUIM TITTON RANZANI [2] 1. Instituto de

Leia mais

Deve ser claro, conciso e conter de forma resumida o assunto a ser pesquisado.

Deve ser claro, conciso e conter de forma resumida o assunto a ser pesquisado. MODELODEPROJETODEPESQUISA (Form_pesq_01) TÍTULO DO PROJETO Deve ser claro, conciso e conter de forma resumida o assunto a ser pesquisado. AUTORES Relacionar todos os autores participantes do projeto: coordenador,

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Intoxicação por Ramaria flavo-brunnescens em bovinos.

Intoxicação por Ramaria flavo-brunnescens em bovinos. Intoxicação por Ramaria flavo-brunnescens em bovinos. Doenças de bovinos Laboratório de Patologia Veterinária, Departamento de Patologia, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil. http://www.ufsm.br/lpv

Leia mais

FUNDAÇÃO PIO XII - HOSPITAL DE CÂNCER DE BARRETOS APRIMORAMENTO EM RADIOLOGIA MAMÁRIA ( Fellowship ) EDITAL DE SELEÇÃO PARA O ANO DE 2014

FUNDAÇÃO PIO XII - HOSPITAL DE CÂNCER DE BARRETOS APRIMORAMENTO EM RADIOLOGIA MAMÁRIA ( Fellowship ) EDITAL DE SELEÇÃO PARA O ANO DE 2014 FUNDAÇÃO PIO XII - HOSPITAL DE CÂNCER DE BARRETOS APRIMORAMENTO EM RADIOLOGIA MAMÁRIA ( Fellowship ) EDITAL DE SELEÇÃO PARA O ANO DE 2014 EDITAL N.º 11/2013-IEP/HCB A Fundação Pio XII, Hospital do Câncer

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO SEAD ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ - EGEPI EDITAL Nº 01/2014

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO SEAD ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ - EGEPI EDITAL Nº 01/2014 EDITAL Nº 01/2014 PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU, SOB A RESPONSABILIDADE DA ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ- EGEPI, DA SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO-SEAD EM PARCERIA

Leia mais

Regulamento do Curso de Especialização em Sanidade Animal

Regulamento do Curso de Especialização em Sanidade Animal Regulamento do Curso de Especialização em Sanidade Animal DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º - O curso de Especialização em Sanidade Animal destina-se à qualificação de profissionais fornecendo elementos de capacitação

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Campanha Contra Câncer do Colo do Útero e da Mama

Mostra de Projetos 2011. Campanha Contra Câncer do Colo do Útero e da Mama Mostra de Projetos 2011 Campanha Contra Câncer do Colo do Útero e da Mama Mostra Local de: Maringá Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Avenorte Avícola Cianorte Ltda.

Leia mais

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 *

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Maria Elizete Gonçalves Alexandar de Brito Barbosa Palavras-chave: mortalidade;

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: passo a passo

PROJETO DE PESQUISA: passo a passo UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROFª MSC. RITA LÍRIO DE OLIVEIRA PROJETO DE PESQUISA: passo a passo ILHÉUS - BAHIA 2013 PROFª MSC. RITA LÍRIO DE OLIVEIRA PROJETO DE PESQUISA: passo a passo Módulo

Leia mais

Residência em Patologia Veterinária

Residência em Patologia Veterinária Residência em Patologia Veterinária Paulo César Maiorka Departamento de Patologia FMVZ-USP I Seminário Nacional de Residência em Medicina Veterinária CFMV 16-17 junho 2008 - São Paulo Na Resolução nº 824,

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Políticas de saúde: o Programa de Saúde da Família na Baixada Fluminense *

Políticas de saúde: o Programa de Saúde da Família na Baixada Fluminense * Políticas de saúde: o Programa de Saúde da Família na Baixada Fluminense * ALINE DE MOURA SOUZA 1 SUZANA MARTA CAVENAGHI 2 Introdução Este trabalho tem por objetivo apresentar informações referentes à

Leia mais

Marília Ávila Acioly 1 ; Maria do Carmo Carvalho de Abreu e Lima 2

Marília Ávila Acioly 1 ; Maria do Carmo Carvalho de Abreu e Lima 2 ESTUDO CLÍNICO-PATOLÓGICO E IMUNOHISTOQUÍMICO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES JOVENS DIAGNOSTICADAS E TRATADAS NO HOSPITAL DE CÂNCER DE PERNAMBUCO NO PERÍODO DE 1996 A 2006. Marília Ávila Acioly 1 ; Maria

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA DAS FINALIDADES Artigo 1º - O estágio curricular obrigatório do curso de graduação em Medicina Veterinária é

Leia mais

Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011

Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Marina Guimarães Lima, Cristiane Olinda Coradi Departamento de Farmácia Social da Faculdade de Farmácia

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS Michele Muller 1 Gabriele Bester Hermes 2 Liziane Maahs Flores 3 1 Apresentadora, Acadêmica do Curso

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal.

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR

REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR O Coordenador do Curso de Medicina Veterinária da Universidade de Marília UNIMAR, no uso de suas atribuições legais, expede o presente regimento, regulamentando

Leia mais

Experiências dos Hospitais da Rede Sentinela: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein

Experiências dos Hospitais da Rede Sentinela: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein 1 Experiências dos Hospitais da Rede Sentinela: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein Fernanda P. Fernandes dos Anjos Consultora de Gerenciamento e Vigilância do Risco Diretoria de

Leia mais

GUIDELINES ACESSO ÀS PLATAFORMAS ORDEM DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS

GUIDELINES ACESSO ÀS PLATAFORMAS ORDEM DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS GUIDELINES ACESSO ÀS PLATAFORMAS ORDEM DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS OMV-TV PLATAFORMA DE ENSINO E-LEARNING SOBRE PROCEDIMENTOS CLÍNICOS, MÉDICOS E CIRÚRGICOS A OMV-TV está organizada numa área aberta ao público

Leia mais

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR (UC)

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR (UC) Ano letivo 2014/2015 Ano/Semestre curricular Curso Unidade Curricular [designação e tipo/se é do tipo obrigatório ou optativo] 1º Ano/1º semestre Ano letivo 2013/2014 Língua de ensino ECTS - tempo de trabalho

Leia mais

SIGPROJ Nº: 145618.654.49425.06032013

SIGPROJ Nº: 145618.654.49425.06032013 SIGPROJ Nº: 145618.654.49425.06032013 DIAGNÓSTICO DO CÂNER BUCAL ATRAVÉS DO EXAME CLÍNICO E ANATOMOPATOLÓGICO COM ENFOQUE NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E CENTRO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS ROSA,

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA HOSPITALAR Unidade Dias

Leia mais

Associação de Ensino Superior da Amazônia - AESA Faculdade de Ciências Humanas, Exatas e Letras de Rondônia - FARO

Associação de Ensino Superior da Amazônia - AESA Faculdade de Ciências Humanas, Exatas e Letras de Rondônia - FARO Coordenação de Pesquisa e Extensão. Título do Projeto de pesquisa/ Iniciação Cientifica. Coordenador do projeto: Curso de: Instruções para Preenchimento do Formulário. PESQUISA Caracterização e Objetivos:

Leia mais

LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO LAI. Lei Federal nº 12.527/11 - Lei Distrital nº 4.990/12

LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO LAI. Lei Federal nº 12.527/11 - Lei Distrital nº 4.990/12 LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO LAI Lei Federal nº 12.527/11 - Lei Distrital nº 4.990/12 RELATÓRIO CONSOLIDADO ABRIL/2013 a NOVEMBRO/2014 APRESENTAÇÃO Os dados utilizados na elaboração deste relatório correspondem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Curso de Capacitação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação. 1.2 Câmpus

Leia mais

Colaboradores Acadêmicos Selene Círio Leite Diego Lunelli Marcelle Círio Leite

Colaboradores Acadêmicos Selene Círio Leite Diego Lunelli Marcelle Círio Leite 3267-4303 Orientações para Colheita e Remessa de Material para Exames Laboratoriais VOLUME 1 Histopatologia Citologia Necropsia www.petimagem.com PET IMAGEM - Diagnósticos Veterinários foi criado em abril

Leia mais

SEGALLA 1, José G M, CAPRA 1, Rute M M, VENEZIANO 1, Claúdia L A, VENEZIANO 1, Donaldo B, ZULIANI 1, Selma A R, MAUAD 2, Lenira M Q

SEGALLA 1, José G M, CAPRA 1, Rute M M, VENEZIANO 1, Claúdia L A, VENEZIANO 1, Donaldo B, ZULIANI 1, Selma A R, MAUAD 2, Lenira M Q DISTRIBUIÇÃO DOS TUMORES DE COLO DE ÚTERO NAS MICRO- REGIÕES DA DRS-VI (BAURU) E CORRELAÇÃO COM O PROGRAMA DE PREVENÇÃO DO HOSPITAL AMARAL CARVALHO (HAC) SEGALLA 1, José G M, CAPRA 1, Rute M M, VENEZIANO

Leia mais

Rede Nacional de Câncer Familial: Sub-rede de Epidemiologia

Rede Nacional de Câncer Familial: Sub-rede de Epidemiologia Fórum INCA-ASCO sobre Câncer Hereditário Predisposição Genética ao Câncer 21 e 22 de novembro de 2011 Hotel Novo Mundo Flamengo Rio de Janeiro Brasil Rede Nacional de Câncer Familial: Sub-rede de Epidemiologia

Leia mais

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante.

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante. Estudo de sobrevida de mulheres com câncer de mama não metastático tico submetidas à quimioterapia adjuvante Maximiliano Ribeiro Guerra Jane Rocha Duarte Cintra Maria Teresa Bustamante Teixeira Vírgilio

Leia mais

INFORMATICA PARA A VIGILANCIA E GESTAO DE INFORMACOES EM SAUDE: Prof. Dr. Joao Bosco Siqueira

INFORMATICA PARA A VIGILANCIA E GESTAO DE INFORMACOES EM SAUDE: Prof. Dr. Joao Bosco Siqueira INFORMATICA PARA A VIGILANCIA E GESTAO DE INFORMACOES EM SAUDE: Epi-INFO Prof. Dr. Joao Bosco Siqueira No nosso exercício, vamos investigar um surto de gastroenterite aguda ocorrido após um jantar. Vamos

Leia mais