Progresso Global nas Políticas de Eficiência e Controle de GEE de Veículos Pesados

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Progresso Global nas Políticas de Eficiência e Controle de GEE de Veículos Pesados"

Transcrição

1 Progresso Global nas Políticas de Eficiência e Controle de GEE de Veículos Pesados Cristiano Façanha 1 o Seminario Internacional sobre Eficiência Energética de Veículos Pesados! Confederação Nacional de Transportes! Brasilia, 5-6 de Junho, 2013!

2 Conselho Internacional de Transporte Limpo Países com padrões aprovados ou propostos 2

3 Veículos pesados representam um importante setor no Brasil Consumo de Combustível Rodoviário (equiv. energético), 2010 Brasil EUA Veículos Pesados! 62%! Veículos Leves! 38%! Veículos Pesados! 25%! Veículos Leves! 75%! 3

4 Caso de Negócios para Eficiência de Pesados no Brasil Crescimento do setor de carga rodoviário maior do que o crescimento do setor de transportes Vital para desenvolvimento econômico Falta de substitutos modais Benefícios se expandirão a outros mercados Políticas comprovadas baseadas em tecnologias existentes e custoefetivas 120%% 100%% 80%% 60%% 40%% 20%% 0%%!20%% Crescimento+nas+Emissoes+de+GEE+do+ Setor+de+Transportes+( )+ HDV% Land%Transport% Global% U.S.% EU!27% Brazil% Fonte: ICCT Roadmap Model v1-0! 4

5 Portfolio Integrado de Políticas de Eficiência Veicular PADRÕES DE EFICIÊNCIA VEICULAR INSTRUMENTOS FISCAIS MEDIDAS DE MERCADO Implementar e regularmente fortalecer padrões. Estabelecer e harmonizar procedimentos de testes para eficiência veicular. Impostos sobre veículos e combustível para incentivar compra de veículos eficientes. Apoio para melhoria na infrasestrutura e incentivos fiscais para veículos eficientes. Programas voluntários como U.S. SmartWay e outros programas green freight MEDIDAS DE INFORMAÇÃO Programas de etiquetagem veicular Melhora da eficiencia veicular através de medidas operacionais como eco-driving. 5

6 Padrões de emissão veicular incentivam a introdução de tecnologias e reduzirão emissões de NOx e MP por 50% até Emissões de CO 2 dobrarão no mesmo período. Road%Emssions%(2000%=%1.0)%!2.0!!!1.8!!!1.6!!!1.4!!!1.2!!!1.0!!!0.8!!!0.6!!!0.4!!!0.2!!!"!!!! TTW Emissões Rodoviárias Globais Relativas a 2000! 2000! 2005! 2010! 2015! 2020! 2025! 2030! CO2! PM! NOx! Fonte: ICCT Global Transportation Roadmap! 6

7 Países que implementaram padrões de eficiência veicular poderão esperar reduções substanciais de GEE. WTW Emissões Rodoviárias de GEE nos EUA! 30%! Fonte: ICCT Global Transportation Roadmap! 7

8 Padrões de Eficiência para Veículos Pesados HDV POPULATION BY REGULATORY STATUS! Resto do Mundo! 21%! Padrāo Adotado! 20%!!! Fase 1! Final! Estudos Técnicos! Em consideração! 7%! política em Desenvolvimento! 52%! Fase 1 Final! Fase 2 Planej! Engajamento!!!!! Regra Proposta!!! Scoping! Regra Final! SCOPING ENGAJAMENTO MODELAGEM PROPOSTA FINAL 8

9 Desenho de Políticas Tipos de Veículos Nível de Exigência Forma do padrão Exemplos Timing Conformidade 9

10 Complexidade de Veículos e Aplicações Veículos considerados no padrão americano x! x! x! x! x!

11 Determinando o nível de exigência de um padrão Exemplo de Veículos Leves Economia de Combustível (km/l)! 14.6 km/l! 18 km/l! Tendência! Alvo! 1,400 kg!! Peso Médio dos Veículos Novos! Peso do Veículo! 11

12 Forma do Padrão Comparação Valores absolutos Alvo único Alvo baseado em atributo UPI Curva contínua Categorias Certeza na melhora da eficiência média de todas as frotas Certo Certo Relativamente certo* Incerto (aumento no peso ou tamanho do veículo médio pode piorar eficiência média) Imparcialidade Flexibilidade para montadoras escolherem melhores estratégias para atingir alvo Parcial (devido ao mix de vendas diferentes de cada montadora) Potencialmente parcial (devido a diferentes esforços anteriores de cada montadora) Boa Boa Boa Justo (leva em consideração o mix de vendas de cada montadora) Justo (leva em consideração o mix de vendas de cada montadora) Limitada (quando somente um numero limitado de tecnologias está disponível) 12

13 Japão: Padrão de Eficiência Top Runner Novembro 2005: Japan introduziu o primeiro padrão de eficiência para veículos pesados Veículos comerciais com peso bruto acima de 3.5 toneladas Ônibus com capacidade > 11 passageiros Métrica: km/l Alvos disagregados por tipo de veículo, classe, e peso Baseline = veículo mais eficiente ( top runner ) no ano modelo 2002 Veículos híbridos excluídos na determinação do top runner Montadoras devem atingir alvo com ano modelo 2015 Tecnologias para eficiência incorporadas na frota devem estar à mostra em catálogos a partir de 2006 Incentivos fiscais para cumprimento prévio 13

14 EUA: Estrutura Geral do Padrāo Padrāo Motores! Padrāo Tractor*! Padrāo Pickup e Vans! Gal ou gco 2 / bhp-hr! Gal ou gco 2 /ton-mile! Gal ou gco 2 /mile! Vocacional= Todo o resto!! *Trailers nāo estāo incluídos! Gal ou gco 2 /ton-mile! 14

15 EUA: Efeitos do Padrāo Efeitos no Consumo de Combustível Custos e Benefícios 25%! 20%! Combined! Vehicle! Veículo Custo Adicion al Economia de Combusti vel Total Retorno do Invest. 15%! Engine! Diesel ¾ ton! (e.g. F250) pick-up $1,050 $7,200 2 anos 10%! 5%! 0%! Gasoline Pickups and Vans! Diesel Pickups and Vans! Light Vocational Truck! Medium Vocational Truck! Heavy Vocational Truck! Tractor - Class 7 Low Roof Day Cab! Tractor - Class 8 High Roof Sleeper Cab! Vocacional Semipesado Class 8 high roof sleeper cab tractor (interstate freight) $380 $5,900 1 ano $6,220 $79,100 1 ano Based on 2018 standards and net present value 3% discount rate Source: US EPA (2011) 15

16 Engajamento com indústria é primordial História de sucessos August 9, 2011! Estrutura regulatória Colaboração desde o inicio Incentivar inovação Presidente Barack Obama com lideres da industria automotiva na divulgação do primeiro padrāo de eficiência e GEE de veículos pesados nos EUA.! 16

17 Programas regulatórios na China e Europa influenciados por condições locais China Velocidade caminhões operam em velocidades menores (70 km/h Vs 105 km/h nos EUA) Peso operam com peso bruto significativamente maior (49t Vs 36t nos EUA). Europa Preços de combustível mais alto incentivam investimentos em tecnologia e operação mais eficiente Limite de velocidade: ~90 km/h Aero: cab over engine Pneus: Supersingles / LRR já são predominantes Marcha lenta: caminhões raramente idle em paradas Ênfase em procedimentos de testes 17

18 China: Padrāo de Eficiência Veicular Padrāo da Indústria sendo implementado Primeiro padrāo nacional sendo adotado ( ) Padrāo de 2020 em desenvolvimento 60" 50" 11.5%% Fuel%consump,on%limit%(liter/100km)% 40" 30" 20" 10" 14%% Industry"standard"2"truck"(excl."dump"truck)" Na>onal"standard"2"truck"(excl."dump"truck)" Industry"standard"2"tractor" Na>onal"standard"2"tractor" Industry"standard"2"coach"(excl."city"bus)" 10.5%% Tractor! Truck! Na>onal"standard"2"coach"(excl."city"bus)" 0" 0" 5" 10" 15" 20" 25" 30" 35" 40" 45" 50" Gross%Vehicle%Weight%(ton)% Coach! 18

19 Timing and Conformidade Timing Padrões devem ser introduzidos em etapas. Alvos menos exigentes podem ser introduzidos no curto prazo. Alvos mais exigentes devem ser anunciados com suficiente antecedência para montadoras. Agências regulatórias precisam se capacitar para a implementação de tais padrões. Conformidade Governo precisa verificar conformidade e estabelecer multas para não cumprimento dos padrões. Governos também precisam monitorar eficiência de forma contínua e estabelecer novos alvos. Países com os mesmos regimes de testes podem comparar resultados de testes. 19

20 Technologias e Custos Oportunidades para melhora na eficiência Tecnologias Potencial de redução de emissões Payback 20

21 Oportunidades para Melhora na Eficiência Veicular Class 8 Tractor-Trailer Balanço de Energia Aerodynamic Drag! Highway 21%! Urban 5%! Engine! Highway 59%! Urban 58%! Auxiliaries! Highway 2%! Urban 7%! Drivetrain! Highway 2%! Urban 5%! Inertia/Braking! Highway 0%! Urban 16%! Rolling Resistance! Highway 16%! Urban 9%! Fonte: National Academy of Sciences (2010) and DOE Supertruck! 21

22 Tire Technologies Low RR tires: incorporating silica into tire to reduce rolling resistance Wide base tires: replacing standard two thinner tires with a single, wider tire Automatic tire monitoring and inflation Wide base tires Source: 22

23 Tractor Aerodynamics Drag inducing features: flat grill and bumper, protruding elements Roof fairing: 7-10% Aero-friendly style! Classic style Side extender: 2-3% Chassis fairing: 3-4% 23

24 Trailer Aerodynamics 4 trailer aerodynamic drag problems: Fuel use reduction (%)* USD* Gap reducers 1-3 $800 1,500 Side fairings 3-6 $1,500-4,000 Rear fairings (boat tails) 4-6 $1,500-2,000 Retrofit Aero Device Gap reducers Boat-tails Sources: Tiax (2009, NAS (2010)! Side fairings/skirts 24

25 Engine Efficiency Improvements Many opportunities exist for engine efficiency Combustion systems (piston, injectors, timing, aftertreatment ) Waste Heat Recovery Air Handling (turbocharger, EGR ) Parasitics and accessories (friction, cooling..) Downspeeding Downsizing Idle Efficiency Additional gains from integration of transmission and other advanced powertrain technologies with the engine Source: Fleetowner.com! 25

26 Europa: Estudo de Potencial Técnico (2020) Os ganhos de eficiência proporcionados pelas diferentes opções de inovação tecnológica dependem fortemente das características dos veículos e dos diferentes ciclos de trabalho a que estes são submetidos. A-R = AEA-Ricardo! 26

27 Payback Depende de: custo de capital, custo operacional, preço do combustível, quilometragem anual, economia de combustível inicial Basic Payback (years)! 4! 3! 2! 1! Examplo*: 6mpg (2.6km/l) baseline, 100,000 mi/year (161,000 km/year), $4.00/gallon ( 0.81/l) diesel! 0! Management and Coaching! Rolling Resistance! Aerodynamics (tractor+trailer)! Diesel Engine! Transmisison and Driveline! Hybrid (incl. idle reduction)! *Calculated from numbers from NAS report. Operational cost and interest rate not considered in this example.! 27

28 Medidas Teste de chassis com dinamômetro Teste do motor com dinamômetro Simulação 28

29 Visão Geral dos Métodos de Medição Tipo de Teste! Na rua! Parte Simulada! Vantagens! Desvantagens! Países! Nenhuma! Condições reais de uso! Possible biases in testing, poor reproducibility! Reino Unido! China! Teste de chassis com dinamômetro Estrada! Testes são reproduzíveis! Custos muito altos de laboratório, especialmente para veículos pesados! Teste de motor com dinamômetro Estrada e todos componentes com exceção do motor! Testes são reproduzíveis! Custos altos de laboratório! Japão, EUA, União Européia! Baixos custos de testes! Validação, confiabilidadade do software de modelagem! Japão, EUA, União Européia,! China! Simulação! Todas! 29

30 Comparação dos Procedimentos de Testes Feature U.S./ Canada Japan China EU* Test Cycles Transient 5%, 55-mph cruise 9% and 65-mph cruise 86% for sleeper cab tractor trucks. Transient 90% Highway (with grade) 10% for heavy tractor trucks Tractor trucks: Road (rural) 10% Highway 90% Mission-based cycles (may include road grade, altitude, stops) Test Payload 19 short tons 20 tons (half payload) Full payload Average payload Test Method Simulation using standard engine and transmission; standard trailer depending on roof height Simulation using engine fuel consumption map and transmissions specs; standard trailer Chassis test required for baseline. Simulation or chassis for improved model Simulation based on actual vehicle values Engine vs Full Vehicle Engine certification for fuel consumption separately No separate engine certification for fuel consumption No separate engine certification for fuel consumption No separate engine certification for fuel consumption Aerodynamic drag (C d ) Rolling Resistance (C rr ) Manufacturer testing to determine C d (coastdown preferred) OEM or tire manufacturer testing to determine C rr for steer and drive tire Standard value Standard value Manufacturer testing to determine C d (coastdown preferred) or standard value Manufacturer testing to determine C rr, or default values used Manufacturer testing to determine C d (constant speed test preferred) Standard values from tire labels * Technical studies only to date! 30

31 Necessidade de Dados Dados de vendas são geralmente bons, mas não detalhados o suficiente e geralmente não são publicos Dados de veículos em uso são limitados (ciclos de operação, peso, utilização, quilometragem total, velocidade media); pesquisas nacionais são altamente valiosas Programas voluntários com frotas provêm dados importantes, mas nem sempre representativos Programas regulatórios com múltiplas fases podem gerar dados importantes nas primeiras fases 31

32 Looking Ahead Alinhamento global Caminhos de políticas Conclusões 32

33 Alinhamento Global Tecnologias são capturadas de formas diferentes Motor Transmissão Japão EUA e Canada* China EU # Sim Somewhat Atraves de padrões separados Opcional; atraves de testes fora do protocolo de teste Sim Sim Sim Sim * Potencialmente Mexico! ** Opção de usar valores default! # Se refere a pesquisa e protocolos de teste. Não ha um padrāo adotado.! Hibridização Incerto Atraves de testes fora do protocolo de teste Sim Sim Resistencia aerodinamica e de rolamento Nāo Sim Sim** Sim Trailer Nāo Nāo Nāo Nāo Governo e indústria interessados em alinhamento Facilitar cumprimento e redução de custos para uma indústria global Acelerar redução de consumo e emissões em um mercado em expansão Elementos Métricas, segmentação de veículos, ciclos de testes, protocolos de testes, níveis de exigência Começar identificando ciclos (ou segmentos) de trabalho comuns e coordenar protocolos de testes 33 Based on work by Therese Langer, Siddiq Khan!

34 Caminhos de Políticas 1 Decide scope, type and schedule of policies! PLAN! 2 Decide measurement method! 3 Secure resources! 4 Design policies! IMPLEMENT! MONITOR! EVALUATE! 5 Certify fuel economy! 6 Make information accessible to public! 7 Check compliance with fuel economy policies! 8 Publish monitoring data! 9 Evaluate and enforce policies! 10 Revise policies! Fonte: IEA - Improving the Fuel Economy of Road Vehicles! 34

35 Outlook Internacional Estamos em um período importante para o desenvolvimento de políticas de eficiência de veículos pesados - mundialmente Padrāo único para veículo ou padrões separados para motor e powertrain Procedimentos de testes: teste físico Vs teste de componentes + simulação Incorporação de tecnologias Transmissão Híbridos Pneus, kits aerodinâmicos, redução de peso Trailers Oportunidades para alinhamento global 35

36 Obrigado! Para mais informações: ICCT Heavy-duty Vehicles website: ICCT Global Transportation Roadmap Cristiano Façanha: 36

Inovações das Tecnologias Diesel

Inovações das Tecnologias Diesel Inovações das Tecnologias Diesel Seminário Frotas e Fretes Verdes Dezembro 2013 Marco Rangel Cummins América do Sul 2 Inovações Tecnológicas Diesel e as Mudanças Climáticas Globais Qual o ambiente regulamentador

Leia mais

Utilização de óleo diesel e emissões de CO 2 por veículos rodoviários pesados

Utilização de óleo diesel e emissões de CO 2 por veículos rodoviários pesados Utilização de óleo diesel e emissões de CO 2 por veículos rodoviários pesados Brasília, 9 de abril de 2013 Milhões de tep Uso de energia fóssil no transporte rodoviário Título do Gráfico 60 50 GNV 40 2011

Leia mais

A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros

A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros Brasíli, 05 de junho de 2013 1 Consumo Final Energético por Queima de Combustíveis

Leia mais

SAE - Simpósio Novas Tecnologias na Indústria Automobilística

SAE - Simpósio Novas Tecnologias na Indústria Automobilística SAE - Simpósio Novas Tecnologias na Indústria Automobilística 13 de abril de 2009 1 O Papel da Tecnologia para o Futuro da GM Jaime Ardila Presidente, GM do Brasil & Operações Mercosul 2 O Papel da Tecnologia

Leia mais

CleanDrive - An Educational Simulator for Safe and Environmental Driving

CleanDrive - An Educational Simulator for Safe and Environmental Driving CleanDrive - An Educational Simulator for Safe and Environmental Driving João A. Madeiras Pereira INESC-ID/IST Pavilhão Atlântico, Lisboa, 20 Maio 2009 Apresentação Criar um simulador de condução económica

Leia mais

World Bank Banco Mundial

World Bank Banco Mundial World Bank Banco Mundial Green Freight Transport for Brazil Iniciativa de Transporte Verde: Estratégias para um setor de transporte de cargas mais ecológico e eficiente no Brasil Georges Darido, Especialista

Leia mais

VEICULAR COMO VOCÊ DECIDE A COMPRA DO SEU CARRO

VEICULAR COMO VOCÊ DECIDE A COMPRA DO SEU CARRO VEICULAR A COMPRA DO? COMO VOCÊ DECIDE SEU CARRO Como você decide a compra do seu carro? A escolha de um veículo é resultado de uma análise que considera várias características. O preço é certamente uma

Leia mais

Segmento Eletricitário na Visão da Montadora 16.06.2015. Andria Cristina Giusti

Segmento Eletricitário na Visão da Montadora 16.06.2015. Andria Cristina Giusti Segmento Eletricitário na Visão da Montadora Andria Cristina Giusti Agenda 1 MAN Latin America 2 Informações de Mercado 3 Volkswagen Sob Medida 4 Segmento Eletricitário 5 Tendências Página 2 256 anos MAN

Leia mais

nos Transportes na República

nos Transportes na República Política de Eficiência Energética nos Transportes na República da Coreia Maio de 2011 Seung Hyun Lee Índice www.kemco.or.kr Sobre a KEMCO II Uso de Energia na República da Coreia III Programas de Eficiência

Leia mais

9o. Salão Latino-Americano de Veículos Elétricos, Componentes e Novas Tecnologias Motores de combustão interna para os veículos elétricos híbridos

9o. Salão Latino-Americano de Veículos Elétricos, Componentes e Novas Tecnologias Motores de combustão interna para os veículos elétricos híbridos Motores de combustão interna para os veículos elétricos híbridos Waldyr Luiz Ribeiro Gallo DE FEM - UNICAMP São Paulo, 12 de setembro de 2013 Sumário 1. Por que não veículos elétricos? 2. O papel do veículos

Leia mais

Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012

Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012 Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012 FETRANSPOR Sindicatos filiados: 10 Empresas de ônibus: 208 Frota: 20.300 Passageiros/mês: 240 milhões Viagens/mês: 4,5 milhões Empregos diretos: 100.000 Idade média:

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2013 Ford Nome fantasia: Ford - CNPJ: 03.470.727/0001-20 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias de transformação

Leia mais

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 O CONSUMO MUNDIAL DE ENERGIA CONTINUARÁ A CRESCER, MAS AS POLÍTICAS DE EFICIÊNCIA TERÃO UM FORTE IMPACTO

Leia mais

World Bank Brasil: Eco-Transporte de Cargas NLTA Mainstreaming Green Trucks in Brazil Resumo do Relatório: Green Freight Transport for Brazil

World Bank Brasil: Eco-Transporte de Cargas NLTA Mainstreaming Green Trucks in Brazil Resumo do Relatório: Green Freight Transport for Brazil World Bank Brasil: Eco-Transporte de Cargas NLTA Mainstreaming Green Trucks in Brazil Resumo do Relatório: Green Freight Transport for Brazil Georges Darido, gdarido@worldbank.org Shomik Mehndiratta, smehndiratta@worldbank.org

Leia mais

Segundo Seminário Internacional sobre Uso Eficiente do Etanol

Segundo Seminário Internacional sobre Uso Eficiente do Etanol Segundo Seminário Internacional sobre Uso Eficiente do Etanol Rio de Janeiro 17 e 18 de Setembro de 2015 CELSO RIBEIRO BARBOSA DE NOVAIS Chefe da Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável & Coordenador

Leia mais

Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto

Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto Apresentação Paulo Butori Presidente do Sindipeças Elaboração: Assessoria Econômica do Sindipeças São Paulo, novembro de 2013 Números do

Leia mais

Uso da tecnologia GPS para estimativa das emissões dos gases causadores do efeito estufa (GEE)

Uso da tecnologia GPS para estimativa das emissões dos gases causadores do efeito estufa (GEE) Centro de Inovação em Sistemas Logísticos Uso da tecnologia GPS para estimativa das emissões dos gases causadores do efeito estufa (GEE) Flávio G. Vaz de Almeida Fo. Hugo Tsugunobu Yoshida Yoshizaki Cláudio

Leia mais

Volvo HÍBRIDO. Ônibus HÍBRIDO TECNOLOGIA, ECONOMIA E RESPEITO AO MEIO AMBIENTE

Volvo HÍBRIDO. Ônibus HÍBRIDO TECNOLOGIA, ECONOMIA E RESPEITO AO MEIO AMBIENTE Volvo HÍBRIDO Ônibus HÍBRIDO TECNOLOGIA, ECONOMIA E RESPEITO AO MEIO AMBIENTE O DESAFIO VERDE O cuidado com o meio ambiente está no centro das discussões da agenda social em todo o mundo. Cada vez mais,

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Mudança tecnológica na indústria automotiva

Mudança tecnológica na indústria automotiva ESTUDOS E PESQUISAS Nº 380 Mudança tecnológica na indústria automotiva Dyogo Oliveira * Fórum Especial 2010 Manifesto por um Brasil Desenvolvido (Fórum Nacional) Como Tornar o Brasil um País Desenvolvido,

Leia mais

13º Encontro Internacional de Energia - FIESP. Mudanças. Geopolítica Energética: Energia no Contexto da Economia Sustentável

13º Encontro Internacional de Energia - FIESP. Mudanças. Geopolítica Energética: Energia no Contexto da Economia Sustentável 13º Encontro Internacional de Energia - FIESP Mudanças Geopolítica Energética: Energia no Contexto da Economia Sustentável Rodrigo C. A. Lima Gerente-geral do ICONE www.iconebrasil.org.br São Paulo 6 de

Leia mais

PLANO SETORIAL DE TRANSPORTE E DE MOBILIDADE URBANA PARA MITIGAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS - TRANSPORTE DE CARGAS

PLANO SETORIAL DE TRANSPORTE E DE MOBILIDADE URBANA PARA MITIGAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS - TRANSPORTE DE CARGAS PLANO SETORIAL DE TRANSPORTE E DE MOBILIDADE URBANA PARA MITIGAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS - TRANSPORTE DE CARGAS Rio de Janeiro 11 de Dezembro de 2012 PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PSTM - Lei 12.187/2009,

Leia mais

9. Regulação do Cap-And-Trade

9. Regulação do Cap-And-Trade 9. Regulação do Cap-And-Trade O Plano de Escopo recomendou o desenvolvimento de um Programa de Cap-and-Trade na Califórnia que se conecte com outros programas parceiros da Iniciativa Climática do Oeste

Leia mais

1º. Seminário Internacional Sobre Eficiência Energética de Veículos Pesados DESPOLUIR/CNT PNEUS VERDES. 06 de Junho de 2013

1º. Seminário Internacional Sobre Eficiência Energética de Veículos Pesados DESPOLUIR/CNT PNEUS VERDES. 06 de Junho de 2013 01 1º. Seminário Internacional Sobre Eficiência Energética de Veículos Pesados DESPOLUIR/CNT PNEUS VERDES 06 de Junho de 2013 02 Índice A Indústria Brasileira de Pneus ANIP pg 03-09 Pneus Verdes ou Biopneus

Leia mais

Recife terá ônibus HíbridoBR durante a Copa das Confederações

Recife terá ônibus HíbridoBR durante a Copa das Confederações Ônibus Informação à imprensa Recife terá ônibus HíbridoBR durante a Copa das Confederações 10 de junho de 2013 Veículo tem tecnologia nacional e baixa emissão de poluentes A Eletra, empresa brasileira

Leia mais

Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel

Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel Brasília, 28 de Outubro de 2015 O que é a APROVE DIESEL Associados: Apoio Institucional: Contexto econômico e tecnológico brasileiro atual difere muito

Leia mais

Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática.

Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática. Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática. Marcelo Pereira Bales (1) ; Cristiane Dias (1) ; Silmara Regina da Silva (1) (1) CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Suzana Kahn Ribeiro Programa de Engenharia de Transportes COPPE/UFRJ IVIG Instituto Virtual Internacional de Mudanças Climáticas Estrutura

Leia mais

Volvo Buses Volvo Buses

Volvo Buses Volvo Buses O Grupo Volvo é um dos líderes mundiais na fabricação de caminhões, ônibus, equipamentos de construção, motores marítimos e industriais. Volvo na América dos Sul Volvo Colômbia Bogotá Volvo Peru Lima Mack

Leia mais

CONVERSÃO DE VEÍCULOS EQUIPADOS COM MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA PARA VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS PLUG IN

CONVERSÃO DE VEÍCULOS EQUIPADOS COM MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA PARA VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS PLUG IN CONVERSÃO DE VEÍCULOS EQUIPADOS COM MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA PARA VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS PLUG IN Aluno: Pedro Nieckele Azevedo Orientador: Sergio Leal Braga Introdução A preservação do meio ambiente

Leia mais

MAN LATIN AMERICA. Uso de Biogás em Frotas de Transporte de Cargas e Passageiros 31 de Outubro de 2012

MAN LATIN AMERICA. Uso de Biogás em Frotas de Transporte de Cargas e Passageiros 31 de Outubro de 2012 MAN LATIN AMERICA Uso de Biogás em Frotas de Transporte de Cargas e Passageiros 31 de Outubro de 2012 MAN Latin America [opcional: departamento] Autor Título 00.00.2012 < 1 > Tecnologi Agenda 1 Tradição

Leia mais

Tecnologia de Tração Elétrica

Tecnologia de Tração Elétrica REV.00 01 Tecnologia de Tração Elétrica Veículos a Bateria Trólebus Híbridos Hidrogênio Fuel Cel ou Pilha a Combustível 02 Veículos a Bateria VANTAGENS 1. TOTALMENTE ELÉTRICO. POLUIÇÃO PRATICAMENTE ZERO.

Leia mais

Evolução do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PBE Veicular. 05/11/2010 PBE Veicular

Evolução do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PBE Veicular. 05/11/2010 PBE Veicular Evolução do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PBE Veicular Sumário - Histórico do Programa - Fatores de Correção do Consumo - Acompanhamento e Controle da Produção AcP 2010 - Declaração dos Dados

Leia mais

INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar

INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar Marcello Cuoco Rio de Janeiro, 28/11/11 AGENDA Overview dos mercados de Energia e Açúcar Perspectivas do mercado de Etanol ETH AGENDA Overview dos mercados

Leia mais

Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo. Paulo R. Feldmann- FEA USP

Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo. Paulo R. Feldmann- FEA USP Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo Paulo R. Feldmann- FEA USP Nossa experiência no IEE A recarga da bateria de 1 V.E. requer 24 kwh equivalente

Leia mais

HISTÓRIA DO VEÍCULO ELÉTRICO

HISTÓRIA DO VEÍCULO ELÉTRICO HISTÓRIA DO VEÍCULO ELÉTRICO Veículo elétrico híbrido projetado por Ferdinand Porsche em 1900 Thomas Edson inspecionando um carro elétrico em 1913 1832 a 1839 Robert Anderson Eficiência energética Facilidade

Leia mais

É Semipesado. É Scania. É seu negócio sempre em movimento.

É Semipesado. É Scania. É seu negócio sempre em movimento. SCANIA Caminhões Semipesados É Semipesado. É Scania. É seu negócio sempre em movimento. Rentabilidade é o que nos move. Caminhões Semipesados Scania. Com um autêntico Scania, você sempre conta com resistência,

Leia mais

XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES

XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES Sílvia Velázquez São Paulo, 17 de setembro de 2009. Resíduos Urbanos e Agrícolas Briquetes

Leia mais

As mais-valias da Eco-Condução

As mais-valias da Eco-Condução As mais-valias da Eco-Condução Encontros com Energia Montijo, 21 de Novembro de 2013 Ana Isabel Cardoso Energia no sector dos transportes Consumo de energia final por sector em 2011 Dados: DGEG, 2013/Tratamento:

Leia mais

Inovação aberta na Engenharia de Powertrain da FIAT

Inovação aberta na Engenharia de Powertrain da FIAT Inovação aberta na Engenharia de Powertrain da FIAT Saulo Soares saulo.soares@fiat.com.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica ITA Centro de Competência em Manufatura CCM Fiat Chrysler VIII WORKSHOP DE

Leia mais

MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO III SISCA 21 e 22 de agosto de 2013 Felipe Jané Bottini Green Domus Desenvolvimento Sustentável felipe@greendomus.com.br +55 (11) 5093 4854 http://storymaps.esri.com//globalfootprint/

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

RASTREAMENTO DE FROTAS COMO FORMA DE ECONOMIZAR COMBUSTÍVEL E TORNAR MAIS SUSTENTÁVEL O TRANSPORTE

RASTREAMENTO DE FROTAS COMO FORMA DE ECONOMIZAR COMBUSTÍVEL E TORNAR MAIS SUSTENTÁVEL O TRANSPORTE RASTREAMENTO DE FROTAS COMO FORMA DE ECONOMIZAR COMBUSTÍVEL E TORNAR MAIS SUSTENTÁVEL O TRANSPORTE por Cileneu Nunes Painel 3: Tecnologias para monitoramento de risco e produtividade logística O mercado

Leia mais

Tecnologia Alternativa Combustíveis renováveis

Tecnologia Alternativa Combustíveis renováveis 1 2 Tecnologia Alternativa Combustíveis renováveis Portaria nº 3-A/2007 de 2 de Janeiro Promoção da utilização de biocombustíveis nos transportes foi objecto do Decreto - Lei nº 62/2006 Decreto - Lei nº

Leia mais

Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010

Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010 Combustíveis Alternativos e a Redução das Emissões de Poluentes 12ª Transpo-Sul Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010 Tecnologias, Combustíveis mais limpos e Redução das

Leia mais

Inovação Colaborativa Ricardo Abreu 29.10.2015 MAHLE

Inovação Colaborativa Ricardo Abreu 29.10.2015 MAHLE Ricardo Abreu 29.10.2015 Resultados de Inovação 131 Novas Ideias 23 Projetos 4 Novos Produtos 55 Espontâneas 65 Campanhas 11 Externas Ideação Seleção de Ideias Projetos de P&D Desenvolvimento Lançamento

Leia mais

Mercedes-Benz destaca na Rio+20 as vantagens ambientais do uso de diesel de cana e biodiesel em caminhões e ônibus

Mercedes-Benz destaca na Rio+20 as vantagens ambientais do uso de diesel de cana e biodiesel em caminhões e ônibus Rio+20 Mercedes-Benz destaca na Rio+20 as vantagens ambientais do uso de diesel de cana e biodiesel em caminhões e ônibus Informação à imprensa 13 de junho de 2012 10 ônibus rodoviários O 500 RS da Mercedes-Benz,

Leia mais

índice A Empresa Nossa Infra Estrutura Porque utilizar Simulação Benefícios do Treinamento Metodologia de Ensino Simuladores Sistema de Treinamento

índice A Empresa Nossa Infra Estrutura Porque utilizar Simulação Benefícios do Treinamento Metodologia de Ensino Simuladores Sistema de Treinamento índice A Empresa Nossa Infra Estrutura Porque utilizar Simulação Benefícios do Treinamento Metodologia de Ensino Simuladores Sistema de Treinamento Modalidades de Treinamento Avaliação Profissional Nossos

Leia mais

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Ethanol Summit Painel: Biocombustíveis e a Mitigação das Mudanças Climáticas Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Géraldine Kutas International Advisor, Brazilian Sugarcane

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída (GD) Estudo de caso: Porto de Santos AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída

Leia mais

O Impacto de Padrões Avançados para Combustíveis e Veículos na Mortalidade Prematura e Emissões: Brasil no Contexto Global

O Impacto de Padrões Avançados para Combustíveis e Veículos na Mortalidade Prematura e Emissões: Brasil no Contexto Global www.theicct.org INFORMATIVO SÉRIE: GLOBAL TRANSPORTATION ROADMAP OUTUBRO 213 O Impacto de Padrões Avançados para Combustíveis e Veículos na Mortalidade Prematura e Emissões: Brasil no Contexto Global O

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

INDICADOR DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

INDICADOR DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA INDICADOR DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Resultados Brasil 2013 1 Copyright 2013 Johnson Controls, Inc. Indicador de Eficiência Energética 2013 DETALHAMENTO REGIONAL A pesquisa do Indicador de Eficiência Energética

Leia mais

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Agenda Cadeia de valor e inovação em saúde Desafios e oportunidades Investimentos em P &

Leia mais

ENERGY EFFICIENCY INDICATOR

ENERGY EFFICIENCY INDICATOR ENERGY EFFICIENCY INDICATOR Resultados 2011 Parceiros Brasil 1 A PESQUISA ENERGY EFFICIENCY INDICATOR Em sua quinta edição, a pesquisa atingiu quase 4 mil respondentes A pesquisa global Energy Efficiency

Leia mais

Motorização Diesel Medidas para atender os requisitos em eficiência energética e emissões

Motorização Diesel Medidas para atender os requisitos em eficiência energética e emissões Motorização Diesel Medidas para atender os requisitos em eficiência energética e emissões mario.massagardi@br.bosch.com 1 Segmento: Carros e LD Motorização Diesel para carros e veículos leves 2 EU: Metas

Leia mais

FILTROS. Filtros / Filters. Catálogo Catalogo Catalog. Vehicles: Passenger Cars & Light Trucks, Heavy Trucks, Buses & Off Highway

FILTROS. Filtros / Filters. Catálogo Catalogo Catalog. Vehicles: Passenger Cars & Light Trucks, Heavy Trucks, Buses & Off Highway FILTROS Filtros / Filters Catálogo Catalogo Catalog Vehículos: Paseo y Camionetas, Camiones, Autobuses y Vehículos Fuera de Carretera Veículos: Passeio e Pickups, Caminhões, Ônibus e Máquinas Agrícolas

Leia mais

NOVO REGIME AUTOMOTIVO INOVAR-AUTO

NOVO REGIME AUTOMOTIVO INOVAR-AUTO NOVO REGIME AUTOMOTIVO INOVAR-AUTO OBJETIVOS Atração de Investimentos Inovação Tecnológica Incorporação Tecnológica Competitividade da Cadeia Automotiva Adensamento da Cadeia Automotiva Abrangência Automóveis,

Leia mais

Aproveitamento dos Potenciais de Veículos Híbridos e da Mobilidade Elétrica

Aproveitamento dos Potenciais de Veículos Híbridos e da Mobilidade Elétrica Aproveitamento dos Potenciais de Veículos Híbridos e da Mobilidade Elétrica Implicações para Políticas de Transportes Pietro Erber 18/06/2012 Fluxo de Energia em Automóvel EUA/DOE 100 6 3 13 4 87 Emissões

Leia mais

Desafio Societal 3 Energia segura, não poluente e eficiente

Desafio Societal 3 Energia segura, não poluente e eficiente Desafio Societal 3 Energia segura, não poluente e eficiente Ana Raposo ana.raposo@fct.pt Ponto de Contacto Nacional Eunice Ribeiro eunice.ribeiro@fct.pt Ponto de Contacto Nacional Programa de Trabalhos

Leia mais

FUSO A Daimler Group Brand NOVA CANTER ECO HYBRID. Green light for efficiency

FUSO A Daimler Group Brand NOVA CANTER ECO HYBRID. Green light for efficiency FUSO A Daimler Group Brand NOVA CANTER ECO HYBRID Green light for efficiency RENTABILIDADE E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Quando os desafios e tarefas dos transportes modernos se juntam às exigências europeias

Leia mais

Tecnologia de powertrain elétrico e auxiliares para veículos pesados. Drive Systems para aplicação Mobil

Tecnologia de powertrain elétrico e auxiliares para veículos pesados. Drive Systems para aplicação Mobil Tecnologia de powertrain elétrico e auxiliares para veículos pesados Drive Systems para aplicação Mobil September 13, 2013 Plataforma para Veículos Elétricos Linha Pesada Aplicação Mobil Veículos e Implementos

Leia mais

Uma forma de reduzir o consumo de combustível. Existe outra! www.ecodrive.org

Uma forma de reduzir o consumo de combustível. Existe outra! www.ecodrive.org Uma forma de reduzir o consumo de combustível Existe outra! ECO-CONDUÇÃO modo de condução eficiente e equipamentos de bordo Aumenta a segurança rodoviária, reduz o consumo de combustível, reduz custos

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 14001 EM SUA NOVA VERSÃO ESTÁ QUASE PRONTA Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 14000 foram emitidas pela primeira vez

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

Gerenciamento dos Custos

Gerenciamento dos Custos Gerenciamento dos Custos Baseado no PMBOK Guide 2000 Hermano Perrelli hermano@cin.ufpe.br Objetivos desta aula Apresentar os processos, ferramentas e técnicas utilizadas para gerenciar os custos de um

Leia mais

LEVANTAMENTO DO PERFIL E AVALIAÇÃO DA FROTA DE VEICULOS DE PASSEIO BRASILEIRA VISANDO RACIONALIZAR AS EMISSÕES DE DIÓXIDO DE CARBONO

LEVANTAMENTO DO PERFIL E AVALIAÇÃO DA FROTA DE VEICULOS DE PASSEIO BRASILEIRA VISANDO RACIONALIZAR AS EMISSÕES DE DIÓXIDO DE CARBONO LEVANTAMENTO DO PERFIL E AVALIAÇÃO DA FROTA DE VEICULOS DE PASSEIO BRASILEIRA VISANDO RACIONALIZAR AS EMISSÕES DE DIÓXIDO DE CARBONO Leonardo Eustáquio Guimarães Francis Lee RESUMO: O objetivo deste trabalho

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Versão resumida BANCO BRADESCO S.A.

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Versão resumida BANCO BRADESCO S.A. INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Versão resumida BANCO BRADESCO S.A. 2008 1 Inventário de GEE O Inventário de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) permite que uma

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE PROPULSÃO. Antonio C. Prataviera CALCAGNOTTO Vice-Presidente da ANFAVEA

NOVAS TECNOLOGIAS DE PROPULSÃO. Antonio C. Prataviera CALCAGNOTTO Vice-Presidente da ANFAVEA NOVAS TECNOLOGIAS DE PROPULSÃO (VEÍCULOS LEVES DE PASSAGEIROS E COMERCIAIS LEVES) Antonio C. Prataviera CALCAGNOTTO Vice-Presidente da ANFAVEA Diretor de Relações Institucionais RENAULT NISSAN PUBLIC AFFAIRS

Leia mais

Mercosul Line Fórmula BAF

Mercosul Line Fórmula BAF Mercosul Line Fórmula BAF Para o uso de nossos clientes Junho, 2010 1 Preços do combustível e frete justo Por que não faz sentido manter a taxa de combustível (BAF) com valor fixo Os custos de combustível

Leia mais

Wesley Vaz, MSc., CISA

Wesley Vaz, MSc., CISA Wesley Vaz, MSc., CISA Objetivos Ao final da palestra, os participantes deverão ser capazes de: Identificar e compreender os princípios do Cobit 5; Identificar e conhecer as características dos elementos

Leia mais

Experiência americana e incentivo ao mercado de GNV. Richard Nicolas De Jardin

Experiência americana e incentivo ao mercado de GNV. Richard Nicolas De Jardin Experiência americana e incentivo ao mercado de GNV Richard Nicolas De Jardin Missão Técnica USA as Nossas expectativas Fenômeno Shale Gás Foco frotas Públicas e Pesadas Políticas de Incentivos OBJETIVO

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 1. Dados do inventário Banco Santander S.A. (Brasil) Tipo de preenchimento: 1.1 Responsável pela elaboração do inventário

Leia mais

A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014

A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014 A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014 SOBRE LOG-IN QUEM SOMOS? Quem Somos Números 96% 96% DE REDUÇÃO EM EMISSÕES DE CO 2 EM RELAÇÃO AO

Leia mais

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos São José dos Campos, 7 de novembro de 2008 A Embraer (BOVESPA:

Leia mais

Cidade: Curitiba Data: 12 de Julho de 2012

Cidade: Curitiba Data: 12 de Julho de 2012 CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima - PSTM Cidade: Curitiba Data: 12 de Julho de

Leia mais

Estratégias Empresariais de Adaptação

Estratégias Empresariais de Adaptação Estratégias Empresariais de Adaptação Seminário: Cenários Corporativos de Riscos Climáticos no Brasil e a Inovação Regulatória da Administração Barack Obama 29 de setembro, 2015 MISSÃO Expandir continuamente

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Régis Rathmann e Maurício Francisco Henriques Jr. Identificação do Projeto Agência implementadora: PNUMA Financiamento: Doação

Leia mais

PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL

PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL Marcelo Cavalcanti Guerra Recife, 22 de julho de 2014. 11 PRODUÇÃO / CONSUMO ETANOL BRASIL ÚLTIMOS 5 ANOS ANIDRO (M3) HIDRATADO (M3) ANO PRODUÇÃO

Leia mais

Braskem Máxio. Maio / May 2015

Braskem Máxio. Maio / May 2015 Maio / May 2015 Braskem Máxio Braskem Máxio Braskem Maxio é um selo que identifica resinas de PE, PP ou EVA dentro do portfólio da Braskem com menor impacto ambiental em suas aplicações. Esta exclusiva

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis.

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. GNV Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. REUNIÃO DE ESPECIALISTAS SOBRE TRANSPORTE URBANO SUSTENTÁVEL MODERNIZAR E TORNAR ECOLÓGICA A FROTA DE TÁXIS NAS CIDADES LATINO AMERICANAS

Leia mais

Por: Marco Lassen. Diesel

Por: Marco Lassen. Diesel Por: Marco Lassen Diesel Óleo Diesel e a Evolução do Teor de Enxofre Evolução do Teor de Enxofre 3 Legislação e Teor de Enxofre 2000 ppm 350 ppm 500 ppm 10 ppm 50 ppm 10 ppm EUROPA EURO III EURO IV EURO

Leia mais

Caminhoneiros no Brasil RELATÓRIO SÍNTESE DE INFORMAÇÕES AMBIENTAIS. Autônomos e Empregados de Frota

Caminhoneiros no Brasil RELATÓRIO SÍNTESE DE INFORMAÇÕES AMBIENTAIS. Autônomos e Empregados de Frota Caminhoneiros no Brasil RELATÓRIO SÍNTESE DE INFORMAÇÕES AMBIENTAIS e Empregados de Frota Relatório síntese de informações ambientais ÍNDICE Apresentação... 1. Dados da Pesquisa... 3. Perfil do Caminhoneiro.1

Leia mais

Vantagens do Veículo Híbrido:

Vantagens do Veículo Híbrido: Vantagens do Veículo Híbrido: VANTAGENS PARA O OPERADOR É um veículo que não tem câmbio, sua aceleração e frenagem é elétrica, o motor a combustão, além de pequeno, opera numa condição ideal (rotação fixa).

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

nova geração de motores a gasolina Guia de produtos

nova geração de motores a gasolina Guia de produtos nova geração de motores a gasolina Guia de produtos VOLVO PENTA MOTORES MARÍTIMOS A GASOLINA O futuro está aqui. A Volvo Penta, líder absoluta em inovações náuticas, estabelece o novo padrão em tecnologia

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

PROCONVE. As Fases Passadas e Futuras

PROCONVE. As Fases Passadas e Futuras PROCONVE (PROGRAMA DE CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR POR VEÍCULOS AUTOMOTORES) As Fases Passadas e Futuras Henry Joseph Jr Comissão de Energia e Meio Ambiente ANFAVEA Seminário sobre Emissões de Veículos Diesel

Leia mais

Incentivos a Economia de Baixo Carbono no Brasil: Vendo para Depois de 2020 Ronaldo Seroa da Motta ronaldo.seroa@ipea.gov.br

Incentivos a Economia de Baixo Carbono no Brasil: Vendo para Depois de 2020 Ronaldo Seroa da Motta ronaldo.seroa@ipea.gov.br Incentivos a Economia de Baixo Carbono no Brasil: Vendo para Depois de 2020 Ronaldo Seroa da Motta ronaldo.seroa@ipea.gov.br Workshop Fomento à Economia de Baixo Carbono e Crescimento Verde da Indústria

Leia mais

Os projectos de Sistemas Cooperativos Comunicação infra-estrutura veículo APCAP - CP3

Os projectos de Sistemas Cooperativos Comunicação infra-estrutura veículo APCAP - CP3 Os projectos de Sistemas Cooperativos Comunicação infra-estrutura veículo APCAP - CP3 APCAP Day, 22 de Outubro 2009 Índice Definição; Objectivos; Benefícios; Projectos em desenvolvimento (3); Definição:

Leia mais

Mariano Colini Cenamo mariano@idesam.org.br

Mariano Colini Cenamo mariano@idesam.org.br IntroduçãoaosMercadosde de Carbono Mariano Colini Cenamo mariano@idesam.org.br CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SERVIÇOS AMBIENTAIS PARA TÉCNICOS DO GOVERNO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE SEMA FOREST

Leia mais

ISEL. Sérgio Faias. Engenheiro Electromecânico. Seminário O Futuro do Engenheiro Electromecânico 18 Maio 2005

ISEL. Sérgio Faias. Engenheiro Electromecânico. Seminário O Futuro do Engenheiro Electromecânico 18 Maio 2005 ISEL Sérgio Faias Engenheiro Electromecânico Seminário O Futuro do Engenheiro Electromecânico 18 Maio 2005 1 Curriculum Vitae Escola Profissional de Setúbal Técnico Manutenção Electromecânica Estágios

Leia mais

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis Jun/2009 MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL E NACIONAL - 2008 54,9 45,1 Brasil (2008)

Leia mais

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança Informativo Boeing Commercial Airplanes P.O. Box 3707 MC 03-XW Seattle, Washington 98124-2207 www.boeing.com Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança A Boeing projeta e fabrica aeronaves

Leia mais

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros 15 de Agosto 2013 Agenda Conceitos e Evolução Atuação do Setor Financeiro O Mercado

Leia mais

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco Responsável: Controle de Riscos Aprovação: BRCC Propósito deste documento Promover transparência quanto à estrutura de gestão de riscos

Leia mais