Simone Zattar **(Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba) RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Simone Zattar **(Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba) RESUMO"

Transcrição

1 DOBRAR-SE SOBRE SI MESMO - O APRENDER A SER REFLEXIVO Profa. Dra. Evelise Maria Labatut Portilho* (Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba) Simone Zattar **(Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba) RESUMO Este estudo tem origem na investigação realizada junto a docentes universitários (2005) de áreas diversas com o objetivo de identificar o significado da palavra reflexivo. As principais categorias de análise levantadas dizem respeito à análise de fatos, organização e planejamento para a ação, interiorização e transformações de atitude e respeito ao outro. Com base nas pesquisas e nos autores relevantes sobre o tema, realizou-se uma outra investigação, junto aos alunos universitários de dois cursos diferentes com os seguintes questionamentos: O que é ser reflexivo para você? Você se considera reflexivo? O aluno que demonstra ser reflexivo tem ou teve como referência professores reflexivos? As aulas na universidade são reflexivas? O que diferencia uma aula reflexiva de uma outra aula? Para os autores que trabalham na linha do profissional reflexivo, o professor em uma prática pedagógica reflexiva leva o aluno a (re)construir uma compreensão crítica da realidade e de produção de intervenções transformadoras da sociedade. O processo de mudança neste paradigma sugere uma nova forma de agir. O professor com uma prática reflexiva, questionador, mediador e envolvido criticamente em um projeto educativo competente pode transformar idéias em atitudes, indispensáveis à ação docente, provocando mudanças de metodologia e estratégias que favorecem uma aprendizagem transformadora.o presente estudo objetiva descrever a prática pedagógica pelo olhar do aluno e identificar, a partir da sua ação, os caminhos que levem a um profissional reflexivo, capaz de construir suas próprias concepções teóricas, sua própria prática pedagógica e seu envolvimento pessoal com a realidade do ser numa prática reflexiva na, para e sobre a ação. Palavras-chave: aprendizagem aluno reflexivo prática pedagógica * Orientadora - Área de Educação **Mestranda em Educação -

2 1308 Os desafios de um novo paradigma Com o intuito de contextualizar o estudo desta pesquisa voltou-se primeiramente a leitura dos paradigmas educacionais, na tentativa de observar ou até mesmo justificar o porquê de atualmente se falar em profissional reflexivo. Numa forma de sistematizar esta leitura iniciamos aqui pelo Paradigma da Ciência, caracterizado pelo pensamento Newtoniano-Cartesiano que influenciou por décadas a Educação formal, bem como, hábitos e conceitos de nosso cotidiano, podendo ser observada sua influência ainda nos dias de hoje. Conforme CARDOSO (1995 in: BEHRENS, 2000, p.18): (...) o paradigma newtoniano-cartesiano orienta o saber e a ação propriamente pela razão e pela experimentação, revelando assim culto do intelecto e o exílio do coração. Ao utilizar-se do pensamento cartesiano, o homem dissociou-se de questões relativas a ele mesmo, a emoções, a natureza, ao convívio com outros seres, voltando-se somente para questões como lucro, produtividade, exploração e a razão. Com base neste pensamento, observamos nos paradigmas conservadores a fragmentação do conhecimento, a ênfase no produto, a repartição do todo, o culto do intelecto e uma forte influência positivista, com valorização na reprodução do conhecimento e não na sua produção. Neste paradigma o que se pode constatar é que a reflexão, como sinônimo de pensar, ponderar, voltar sobre si mesmo (Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa), não acontece, porque o importante é a aquisição de uma técnica eficaz, com ênfase na transmissão e repetição do conhecimento, numa visão modeladora de comportamento, de especificidade, sem considerar o ser humano na sua totalidade. O novo paradigma, em suas denominações emergente, sistêmico, da complexidade nos remete a uma prática diferenciada, reflexiva e crítica, buscando o pensamento complexo sobre o todo, ou seja, visão de globalidade, trazendo para o século XXI a visão, segundo Capra (1996), de totalidade, visão de rede, de teia, de conexão e, de sistemas integrados e também os princípios de relatividade e interdependência; de inter-relação e inter-conexão; de movimento (ação- reaçãoação-reação). Mas sabemos que não é nada fácil a transformação. Nas palavras de Portilho e Parolin (2003, p. 125) encontramos respaldo ao que afirmamos: Ao olharmos a nossa volta, deparamo-nos com um paradoxo presente no contexto educacional. Ao mesmo tempo em que a maioria dos educadores concorda que o modelo

3 1309 tradicional de aprendizagem-ensino é inadequado para os novos tempos, ao entrarem em suas salas de aulas e fecharem suas portas, acabam traduzindo o modelo negado em ações que substanciam a sua prática. Nos discursos ouvidos e em estudos realizados, manifestamse contra as práticas fundamentadas no modelo tradicional, no entanto, apesar da difusão dos novos paradigmas, das novas tendências educacionais, os professores ainda não sabem agir diferente. No paradigma contemporâneo o aluno recebe um saber sistematizado, uma visão de mudança da realidade onde poderá transformar e reconstruir o meio, é consciente e participante. Ele revela-se como um indagador da realidade e do contexto social. Com valores críticos, os alunos democratizam o saber, contextualizando a si mesmos e tudo em sua volta. O indivíduo é participativo e em parceria com o professor elabora a construção do conhecimento. O processo de aprendizagem do aluno passa por sua conscientização do problema e a sua efetiva participação como co-responsável pela produção do conhecimento elaborado. O professor nesta visão é o direcionador do conhecimento, com autoridade pela competência. Existe nesta abordagem uma relação horizontal, onde a aprendizagem acontece por meio do diálogo e decorre de processos reflexivos. O professor atua como um mediador do processo de ensino-aprendizagem, passando a interpretar a realidade, levando seus alunos a fazer o mesmo. (FREIRE, 1986, p.104). A metodologia é baseada no acesso e procura da produção do conhecimento, tanto pelos alunos, quanto pelos professores, com enfoque na criticidade e reflexão, oportunizando a investigação, problematização e autonomia para sistematizar o conhecimento, estimulando o aprender a aprender. Ao mediar a produção do conhecimento nos alunos, o docente estimula o exercício da reflexão e questionamento, que conduzem a formulações próprias, na e para a ação. Observa a conciliação entre o diferente, os erros (que passam a ser desafios para alcançar o acerto), numa construção sistêmica do conhecimento. Teoria e prática se completam e se interconectam. Nesta abordagem a escola encontra-se em processo de transformação. A instituição requerida refere-se a um espaço democrático, onde a realidade da sociedade é debatida e sua problematização é analisada, vivenciada integralmente no contexto histórico, resultando em ações de mudança social. A avaliação neste paradigma é formativa, processual, contínua. Analisa a participação do aluno e do grupo. Os critérios de avaliação são discutidos entre professor e aluno, em uma verdadeira parceria.

4 1310 O desafio no novo paradigma é transpor a visão fragmentada do paradigma conservador para o saber do todo. O indivíduo não é só razão, mas também sentimentos. O aluno é levado a perceber que suas ações refletem no sistema ecológico, na transformação da sociedade e da sua família. Ele é um indivíduo único, mas que vive em coletividade, portanto o respeito para com o próximo é algo a ser trabalhado em sala de aula pelo professor e pelo aluno. O professor é desafiado a buscar alternativas pedagógicas competentes. Assim, para Cardoso, nessa abordagem educar significa utilizar práticas pedagógicas que desenvolvam mutuamente razão, sensação, sentimento e intuição e que estimulem a integração intercultural e a visão planetária das coisas, em nome da paz e da unidade do mundo. (1995, p.53) Este paradigma nos leva a uma re-flexão sobre a prática pedagógica, um novo posicionamento com pressupostos básicos voltados a uma prática reflexiva, a uma metodologia baseada no diálogo, na troca, na investigação. Requer um comprometimento e envolvimento crítico pessoal, social e profissional de todos os envolvidos no processo ensino-aprendizagem. O Pensamento reflexivo Considerando que o novo paradigma nos mostra alunos críticos, indagadores e reflexivos, posicionando o professor como articulador entre o saber e a realidade, e vice-versa; num processo bilateral aonde aluno e professor são reflexivos, surge a questão: o que é ser reflexivo? Encontramos em Dewey (1959) a contextualização do que é o pensamento reflexivo. Em sua obra Como pensamos (1910), Dewey buscou o significado do pensar. Diz que o pensar limita-se ao que ultrapassa à observação direta e que o pensamento nos leva à convicções que se apóiam em alguma espécie de prova ou testemunha. O pensar em seu sentido mais elevado subentende o exame das bases e das conseqüências das crenças num pensamento reflexivo. O pensamento reflexivo faz um ativo, prolongado e cuidadoso exame de toda crença ou espécie hipotética de conhecimentos, exame efetuado à luz dos argumentos que apóiam a estas e das conclusões a que as mesmas chegam. (DEWEY, 1959). É um esforço consciente e voluntário.

5 1311 A prática reflexiva refere-se ao ato de pensar reflexivo. Sobre a prática reflexiva Dewey (1959) diz que acontece em duas fases. A primeira fase configurase no surgimento de um estado de perplexidade, hesitação ou dúvida e esta leva a um segundo momento que é o da pesquisa, da investigação tendo o fim imediato de desvendar outros fatos que sirvam para corroborar ou destruir o conhecimento sugerido. A natureza do problema a resolver determina o objetivo do pensamento e este objetivo orienta o processo do ato de pensar. (DEWEY, 1959). Segundo Dewey (1959) A reflexão não é simplesmente uma seqüência, mas uma conseqüência uma ordem de tal modo consecutiva que cada idéia engendra a seguinte com seu efeito natural e, ao mesmo tempo, apóia-se na antecessora ou a esta se refere. Quando o professor reflete sobre a sua prática, a reflexão passa a ser um instrumento de desenvolvimento de seu pensamento e da ação. O pensamento reflexivo, como conseqüência natural, incorpora-se em sua prática. Dobrar-se sobre si mesmo - O aprender a ser reflexivo Na reflexão sobre a própria prática, numa visão crítica do sistema educativo como um processo que envolve todas as questões relacionadas com o ensino e a aprendizagem, considerando ambos como processos aonde interagem professores e alunos e, portanto bilateral, nossa investigação com os alunos universitários buscou perceber a prática pedagógica, procurando identificar os caminhos que nos levam a um profissional reflexivo, capaz de construir seu próprio conhecimento, sua própria prática pedagógica e seu envolvimento com a realidade do ser numa prática reflexiva na, para e sobre a ação, em resposta as colocações feitas pelos docentes sobre o ser reflexivo. A análise dos dados nos remete a dois autores: Schön (2000) e Perrenoud (2002) que contemplam a reflexão na ação e a prática reflexiva na formação do professor como veremos a seguir. A prática pedagógica deve proporcionar condições para a aprendizagem do aluno. Vista como fonte de conhecimento através da experiência e da reflexão, media teoria e prática. Segundo Schön (2000) os problemas da prática profissional docente não são meramente instrumentais todos eles comportam situações

6 1312 problemáticas que obrigam a decisões num terreno de grande complexidade, incerteza, singularidade e de conflito de valores. Schön (2000) formula a epistemologia da prática profissional num triplo movimento: conhecimento na ação, reflexão da ação, reflexão sobre a ação e sobre a reflexão sobre a ação. Para ele, o professor aprende a partir da análise e interpretação de sua própria atividade, na sua prática diária, pois a própria prática conduz à criação de um conhecimento específico e ligado à ação. Considera como um conhecimento tácito, pessoal e não sistemático. É o conhecimento na ação. Na medida em que o professor coloca para si as questões do cotidiano como situações problemáticas, ele está refletindo, está buscando uma interpretação para aquilo que é vivenciado. Quando este profissional faz esta reflexão ao mesmo tempo em que está vivenciando uma determinada situação, segundo Schön (2000), ele faz uma reflexão na ação. A reflexão sobre a ação dá-se no momento em que o professor reflete sobre algo que já aconteceu, após a ação, num novo olhar sobre o que experenciou, com certo distanciamento: olhar de fora. Na reflexão sobre a reflexão na ação se dá um processo mais elaborado onde ele busca a compreensão da ação, elabora sua interpretação e tem condições de criar outras alternativas para aquela situação e outras similares. Segundo Schön (2000) Os professores possuem teorias (práticas, implícitas, de ação) sobre o que é o ensino, que influenciam a forma como pensam e atuam em sala de aula. Neste triplo movimento da prática reflexiva, o professor, enquanto profissional reflexivo, dobra-se sobre si mesmo, reflete sobre sua própria prática. Neste paradigma contemporâneo e segundo categorias levantadas na pesquisa com alunos em sua metodologia o professor necessita desenvolver a capacidade de individualizar, ser curioso, ouvir, ir de encontro ao aluno e entender seu processo de conhecimento para servir de articulador entre o saber escolar e a reflexão na, para e sobre a ação (Schön, 2000). Para Perrenoud (2002) neste momento em que podemos observar as transformações que ocorrem provocadas pelo uso da tecnologia, constatamos a necessidade do professor, para sua formação, considerar sua preparação para três aspectos essenciais: a prática reflexiva, a inovação e a cooperação. Consideramos relevantes os três aspectos mencionados no trabalho de Perrenoud não somente

7 1313 pelo uso da tecnologia, mas além, nas mudanças provocadas pelo efeito globalizador, pela diversidade cultural, para um posicionamento e um melhor desenvolvimento enquanto profissão numa visão sistêmica do processo educacional, pois os professores são mediadores e interpretes ativos de culturas, valores, de conhecimentos prestes a se transformar (PERRENOUD, 2002). Sobre a prática reflexiva na formação do professor, pode ser vista sobre dois pontos: como método (articulação teoria-prática) e como objetivo (autonomia e responsabilidade social). O paradigma do professor reflexivo exige um trabalho maior, com mais responsabilidades, mais cooperação, mais transparência, envolvendo a resistência frente a mudanças própria dos indivíduos e a própria burocracia conservadora. Uma prática reflexiva metódica leva o professor a observar, memorizar, descrever, analisar, avaliar e assumir novas opções. Utiliza-se dos processos cognitivos e afetivos. A postura reflexiva na identidade profissional dos professores leva-os a construir seus próprios procedimentos em função dos alunos, da prática, do ambiente, das parceiras e cooperações possíveis, dos recursos e limites próprios de cada instituição, dos obstáculos encontrados ou previsíveis. (Perrenoud, 2002 pg. 198) Em uma postura reflexiva podemos observar que na ação ela permite uma melhor compreensão e um remanejamento constante frente a problematização, sem ater-se a procedimentos prontos ou previamente planejados, diz Perrenoud (2002) a reflexão permite analisar com mais tranqüilidade os acontecimentos e construir saberes que envolvam situações comparáveis que possam surgir. Além de procedimentos investigativos e analíticos a formação de uma prática reflexiva requer saberes metodológicos e teóricos, atitudes relacionais entre a profissão e a realidade. Os saberes metodológicos estão relacionados aos processos cognitivos e a linguagem. Sobre os saberes teóricos Perrenoud ressalta o bom senso como primeiro nível de reflexão, o domínio dos saberes a serem ensinados e para avançar nesta reflexão, dispor de conhecimento na área das ciências humanas. O essencial, segundo Perrenoud(2002) refere-se à relação com o saber, com a ação, com o pensamento, com a liberdade, com o risco e com a responsabilidade. O processo de mudança neste paradigma sugere uma nova forma de agir. O professor com uma prática reflexiva, questionador, mediador e envolvido

8 1314 criticamente em um projeto educativo competente pode transformar idéias em atitudes, indispensáveis à ação docente, provocando mudanças de metodologia e estratégias que favorecem uma aprendizagem transformadora. Em nossa pesquisa encontramos na fala dos alunos, participantes ativos e críticos deste paradigma, num processo de reflexão sobre a ação, alguns caminhos para uma prática pedagógica reflexiva. O Método Objetivos da pesquisa: - Conhecer o significado da palavra reflexivo para alunos universitários - Saber se o aluno que demonstra ser reflexivo tem ou teve como referência professores reflexivos. - Estabelecer a diferença entre uma aula reflexiva e uma outra aula não reflexiva. - Identificar os caminhos que levam a uma prática pedagógica reflexiva, pelo olhar do aluno. Participantes da pesquisa: Este estudo contou com a participação de: - 33 alunos do curso de graduação em Pedagogia 4 período - 32 alunos do curso de graduação em Administração 1 e 2 período. O instrumento: Quanto aos procedimentos metodológicos, optou-se nesta investigação, pela pesquisa qualitativa, por acreditar que as indagações sobre o pensamento e a prática reflexiva nesse enfoque seriam adequadamente aplicáveis. A coleta de dados deu-se através da observação participante e questionário semi-estruturado. A investigação qualitativa proporcionou um enfoque interpretativo da ação docente, com a intenção de investigar como se dava a prática pedagógica dos professores e como agiam os alunos frente a essas práticas na sala de aula, permitindo situar a ação pedagógica do professor na sua realidade social, que é dinâmica e está em constante modificação. Para a realização desta pesquisa foram selecionadas quatro perguntas respondidas individualmente pelos alunos participantes, na presença das pesquisadoras. São elas:

9 O que é reflexivo para você? 2. Você considera-se reflexivo? 3. Você tem aulas reflexivas? 4. O que diferencia uma aula reflexiva de uma outra aula? Resultados e Análise dos dados: Procuramos identificar com esta investigação três pontos referentes a prática reflexiva: O aluno que demonstra ser reflexivo tem ou teve como referência professores reflexivos? Qual a diferença entre aulas reflexivas e as não reflexivas na universidade? Quais os caminhos que levam a uma prática profissional reflexiva? Em nossa investigação realizada com o objetivo de identificar o significado de reflexivo, as principais categorias de análise levantadas dizem respeito à análise de fatos, organização e planejamento para a ação, interiorização e transformações de atitude e respeito ao outro. No que se refere as questões: Você tem aulas reflexivas? O que diferencia uma aula reflexiva de uma outra aula? Identificamos como os alunos percebem a prática pedagógica e qual metodologia remete a uma prática reflexiva. Segundo relato dos alunos uma aula não reflexiva é aquela que não permite questionamentos, o conhecimento é passado sem ligação com sua aplicação, os assuntos já vem prontos, são aulas técnicas e exatas, não prende a atenção, é algo vago. Descrevem aulas reflexivas como as que abrem espaço para reflexões e discussões, dinâmicas e envolventes, que mobilizam o aluno a buscar o conhecimento pela sua própria vontade; referem-se particularmente ao modo como o professor conduz a aula. Sobre a ação do aluno neste processo, quando perguntamos se ele é reflexivo, constatamos que pelos dados levantados na pesquisa que 95% consideram-se reflexivos e os demais relatam que às vezes, mas nenhum se considera como não reflexivo. As principais categorias referem-se a valores, análise de fatos, tomadas de decisão, pensar antes de agir, necessidade de ser instigado. Consideram importante a compreensão e discussão sobre o conhecimento, o diálogo e o questionamento como formar de levar a reflexão para sua aprendizagem. Considerações finais

10 1316 Após analisarmos os relatos da pesquisa e contextualizarmos o pensamento reflexivo e a fazermos um apanhado geral sobre a epistemologia da prática reflexiva, vem o questionamento principal - Quais os caminhos que levam a uma prática profissional reflexiva? Os caminhos que se revelaram na fala dos alunos convergem para alguns ícones já expostos como aulas elaboradas (e não simplesmente preparadas). Descrevem aulas reflexivas como as que abrem espaço para reflexões e discussões, dinâmicas e envolventes, mobilizam o aluno a buscar o conhecimento pela sua própria vontade; referem-se particularmente ao modo como o professor conduz a aula, o que pode ser interpretado como uma questão de atitude do professor frente ao processo de aprender e ensinar. E sobre a aula não reflexiva dizem que é aquela que não permite questionamentos, o conhecimento é passado sem ligação com sua aplicação, os assuntos já vem prontos, são aulas técnicas e exatas, não prende a atenção, é algo vago. A inovação, o envolvimento e a reflexão, exigem uma visão global, participativa, que promove a investigação sobre a ação, na qual se encontram os fatores cognitivos, culturais, sociais e emocionais, mobilizando o que está dentro e fora da escola, desenvolvendo, no professor e no aluno, a reflexão na, para e sobre a ação, articulando teoria e prática. Neste paradigma contemporâneo e segundo categorias levantadas na pesquisa com alunos em sua metodologia o professor necessita ser curioso, ouvir, ir de encontro ao aluno e entender seu processo de conhecimento para servir de articulador entre o saber escolar e a reflexão na, para e sobre a ação (Schön, 2000). O professor foi concebido, nesta pesquisa, como um formador, facilitador da aprendizagem, que deve desempenhar, conforme SCHÖN (1987), basicamente, três funções: abordar os problemas que a atividade coloca, escolher na sua ação os procedimentos formativos que são mais adequados à personalidade e aos saberes do aluno e tentar estabelecer com ele uma relação propícia à aprendizagem. Para elucidar transcrevemos alguns relatos: Uma aula reflexiva, na minha opinião, nos torna alunos mais críticos, pensantes, analisar sempre as situações. Uma aula reflexiva é aquela que o professor propõe o tema e age como mediador do conhecimento, interagindo com os alunos, abrindo discussões e

11 1317 levando o aluno a pensar e a questionar sobre o tema proposto, diferente daqueles que são conteudista e cumprem horário. Depende da maneira como o professor encaminha o processo de aprendizagem. É de sua responsabilidade valorizar o assunto para despertar o interesse do aluno se o mesmo ainda não o tiver. A prática reflexiva torna-se imprescindível neste novo paradigma. Neste triplo movimento da prática reflexiva proposto por Schön, o professor, enquanto profissional reflexivo dobra-se sobre si mesmo, reflete sobre sua própria prática. Adotou-se a definição de competência de PERRENOUD (2002), como sendo a capacidade de agir eficazmente em determinado tipo de situação, apoiada em conhecimentos, mas sem limitar-se a eles. Uma prática reflexiva metódica leva o professor a observar, memorizar, descrever, analisar, avaliar e assumir novas opções. Utiliza-se dos processos cognitivos e afetivos. A postura reflexiva na identidade profissional dos professores leva-os a construir seus próprios procedimentos em função dos alunos, da prática, do ambiente, das parceiras e cooperações possíveis, dos recursos e limites próprios de cada instituição, dos obstáculos encontrados ou previsíveis. (Perrenoud, 2002) Este pesquisa teve o propósito de contribuir, de forma geral, com os professores, discutindo e analisando a prática pedagógica reflexiva, por meio da proposta de investigar e descrever a prática pedagógica dos professores na sua ação, as condutas e atitudes expressas pelos professores durante as aulas na sua ação pedagógica, pelo olhar do aluno. Contribuir com a transformação e a construção de professores, visando um educador que se utiliza da ação reflexiva na sua prática pedagógica. Segundo os dados da pesquisa a atividade prática do professor foi percebida como mediação na construção do conhecimento aliando saberes teóricos, a experiência e a reflexão, reportando-se a habilidade no agir do professor, dialogando com os alunos e com a própria ação e aceitando os desafios e dificuldades que provoca por esta prática. O ato reflexivo é subjetivo e não existe uma metodologia pronta e específica para uma prática pedagógica reflexiva, que independe da área de atuação ou disciplina. Ela reflete-se nos momentos em que o professor, mesmo sem se dar conta, preocupa-se com as dificuldades e problemas expressos pelos alunos; diversifica sua ação didática; proporciona momentos de descontração; e

12 1318 principalmente, que erra e procura aprender a aprender com seu erro, trocando idéias e buscando outras formas de pensar com ações e gestos. A reflexão-na-ação é um processo que podemos desenvolver sem que precisemos dizer o que estamos fazendo (SCHÖN, 2000, pg 35) Refletir sobre sua própria prática, rever os processos de avaliação, a metodologia empregada e aonde realmente quer chegar. As dificuldades precisam ser exploradas e compreendidas. Somente refletindo-se sobre o que se faz é que se tem condição de ter atitudes conscientes, optar pela metodologia mais adequada para organizar e transformar a ação pedagógica, tornando-a compatível com o contexto educativo atual, num conjunto que seja amplo, sistêmico e holístico do contexto ensino-aprendizagem. Referências BEHRENS, M. A. O paradigma emergente e a prática pedagógica. 2 ed. Curitiba: Champagnat, 2000 CAPRA, F. A teia da vida. Uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Cultrix, 1996 CARDOSO, C.M. A canção da inteireza. São Paulo: Summus, 1995 DEWEY, J. Como pensamos : Como se relaciona o pensamento reflexivo com o processo educativo. 3 a. ed. São Paulo : Nacional, 1959 Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa FREIRE, P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. 11 ed. São Paulo: Paz e Terra, FREIRE, P./ SHOR, I. Medo e ousadia: O cotidiano do professor. Rio de Janeiro : Paz e terra PERRENOUD, P. A prática reflexiva no ofício de professor. Porto Alegre: Artmed, 2001 PORTILHO, EML; PAROLIN, I. Conhecer-se para Conhecer. IN: Psicopedagogia. Um portal para a inserção social. São Paulo: Vozes, SCHÖN, D. Educando o profissional reflexivo : um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre : Artmed, 2000

A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR

A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR Gisele Mugnol Santos (PUCPR) Jayme Ferreira Bueno (PUCPR) RESUMO Este pôster expõe os principais tópicos de uma pesquisa

Leia mais

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ana Paula Loureiro Cunha, PUCPR Eliani de Souza Arruda, PUCPR Marilda Aparecida Behrens,

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A CONEXÃO DAS ABORDAGENS PEDAGÓGICAS NUM PARADIGMA EMERGENTE

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A CONEXÃO DAS ABORDAGENS PEDAGÓGICAS NUM PARADIGMA EMERGENTE FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A CONEXÃO DAS ABORDAGENS PEDAGÓGICAS NUM PARADIGMA EMERGENTE Marilda Aparecida Behrens PUC-PR Eva Sueli Nasser Vidal PUC-PR Simone de Miranda PUC-PR RESUMO - Este trabalho foi

Leia mais

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Resumo Maria Marly de Oliveira Coelho 1 Francinete Massulo Corrêa 2 O texto em pauta tem como foco reflexões,

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO

A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO Kátia Maria Biesek Marilda Aparecida Behrens RESUMO Esta pesquisa teve como foco a investigação sobre

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA I DA JUSTIFICATIVA PROJETOS DE ENSINO O cenário educacional atual tem colocado aos professores, de modo geral, uma série de desafios que, a cada ano, se expandem em termos de quantidade e de complexidade.

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS FREITAS, M.L.L 1 PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS

Leia mais

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO VAITEKA, SANDRA; FERNANDEZ, CARMEN Instituto de Química da Universidade de São Paulo, Brasil; Programa de Pós Graduação Interunidades

Leia mais

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA Maio de 2008 Marina Caprio Faculdade Interativa COC marinacaprio@coc.com.br Karen Bortoloti Faculdade Interativa COC bortoloti@coc.com.br Categoria

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

A METODOLOGIA DE PROJETOS COM O USO DA TECNOLOGIA NA

A METODOLOGIA DE PROJETOS COM O USO DA TECNOLOGIA NA A METODOLOGIA DE PROJETOS COM O USO DA TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL RITA ANDRÉIA MORO SENCO ZEM PUC PR PROFª DRA MARILDA APARECIDA BEHRENS- PUC PR RESUMO Esta pesquisa

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL.

INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL. 1 INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL Paradigmas da educação Competências Paradigmas contemporâneos

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE KOGUT, Maria Cristina - PUCPR Cristina.k@pucpr.br SOUZA, Franciely Prudente de Oliveira - PUCPR franciely.oliveira@pucpr.br TREVISOL,

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE: SUBSÍDIOS PARA UMA REFLEXÃO

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE: SUBSÍDIOS PARA UMA REFLEXÃO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE: SUBSÍDIOS PARA UMA REFLEXÃO Monique da Silva de Araujo UNESA monique_msa@yahoo.com.br Daniela Punaro Baratta de Faria UNESA daniela.punaro@gmail.com

Leia mais

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE Lilian Kemmer Chimentão Resumo O presente estudo tem como objetivo a compreensão do significado e da importância da formação continuada docente para o exercício

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO

ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO NADOLNY, Lorena de Fatima PMC e UFPR lorenaedf@gmail.com GARANHANI, Marynelma Camargo-

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: DESAFIOS ATUAIS PARA A PRÁTICA DOCENTE

AS NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: DESAFIOS ATUAIS PARA A PRÁTICA DOCENTE AS NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: DESAFIOS ATUAIS PARA A PRÁTICA DOCENTE Renival Vieira de Freitas Faculdade São Luiz de França. E-mail: renofreitas@hotmail.com Magneide S. Santos Lima Universidade Lusófona

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES

O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão Educacional

Leia mais

REFLEXÃO EM PAULO FREIRE:UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

REFLEXÃO EM PAULO FREIRE:UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES REFLEXÃO EM PAULO FREIRE:UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES Everson Melquiades Araújo Silva 1 Clarissa Martins de Araújo 2 RESUMO O objetivo desse estudo é recuperar nas obras de

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

E D U S K Revista monográfica de educación skepsis.org

E D U S K Revista monográfica de educación skepsis.org ESTADO DE ARTE DA DIDÁTICA DA EDUCAÇÃO PRIMARIA HOJE: ATUALIDADES E DESAFIOS Leila Pessôa Da Costa 1 A didática tem o papel de oferecer os fundamentos teóricos e práticos para o desenvolvimento da ação

Leia mais

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO PEDAGOGO 01. Um pedagogo que tem como pressuposto, em sua prática pedagógica, a concepção de que o aluno é o centro do processo e que cabe ao professor se esforçar para despertar-lhe a atenção e a curiosidade,

Leia mais

A DOCÊNCIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE A MOBILIZAÇÃO DO SABER EXPERIENCIAL

A DOCÊNCIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE A MOBILIZAÇÃO DO SABER EXPERIENCIAL A DOCÊNCIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE A MOBILIZAÇÃO DO SABER EXPERIENCIAL Maria de Fátima Cardoso Soares (Bolsista PIBIC/UFPI) José Augusto de Carvalho Mendes Sobrinho (UFPI)

Leia mais

O AGIR DOCENTE E A CONCEPÇÃO DA METODOLOGIA DE PROJETOS

O AGIR DOCENTE E A CONCEPÇÃO DA METODOLOGIA DE PROJETOS O AGIR DOCENTE E A CONCEPÇÃO DA METODOLOGIA DE PROJETOS Suyanne Tolentino de Souza 1 Resumo: O artigo traz uma reflexão sobre as possibilidades de utilização de processos metodológicos que proporcionem

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

ESTRATÉGIAS INTERDISCIPLINARES DE ENSINO E O ESTÁGIO SUPERVIOSIONADO

ESTRATÉGIAS INTERDISCIPLINARES DE ENSINO E O ESTÁGIO SUPERVIOSIONADO Formação de Educadores ESTRATÉGIAS INTERDISCIPLINARES DE ENSINO E O ESTÁGIO SUPERVIOSIONADO Marielda Ferreira Pryjma - PUCSP 1 Mirian Célia Castellain Guebert - PUCPR 2 Resumo A presente pesquisa foi desenvolvida

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação

A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação básica, onde a prática pedagógica deve favorecer a construção do conhecimento das crianças de 0 a 6 anos

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais.

A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais. 1 A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais. Introdução Amanda Da Fonseca Cavalcanti &Isabely Fernandes Leão Nunes O ensino superior, incluso numa

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO 1 O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO Bruna Riboldi 1 Jaqueline Zanchin Josiane Melo Ketelin Oliveira Natália Moré Paula T. Pinto Nilda Stecanela2 Samanta Wessel3 Resumo Este artigo tem por

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

AÇÃO DOCENTE ENQUANTO UMA PRÁTICA REFLEXIVA: UMA PESQUISA-AÇÃO A PARTIR DA ÓTICA DO PIBID NUMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL

AÇÃO DOCENTE ENQUANTO UMA PRÁTICA REFLEXIVA: UMA PESQUISA-AÇÃO A PARTIR DA ÓTICA DO PIBID NUMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL AÇÃO DOCENTE ENQUANTO UMA PRÁTICA REFLEXIVA: UMA PESQUISA-AÇÃO A PARTIR DA ÓTICA DO PIBID NUMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL Maciane Rodrigues Feitosa-UNEAL Jailma Ramos da Silva-UNEAL Miriane Rodrigues

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: ESPAÇO DE FORMAÇÃO E FOMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: ESPAÇO DE FORMAÇÃO E FOMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR ESTÁGIO SUPERVISIONADO: ESPAÇO DE FORMAÇÃO E FOMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR Raimundo Dutra de Araújo José Augusto de Carvalho Mendes Sobrinho Resumo Esse artigo objetiva refletir sobre alguns

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO

APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO PAIXÃO LINHARES 1, MARÍLIA e MACEDO REIS 2, ERNESTO 1 Laboratório de Ciências Físicas, UENF 2 Coordenação de Física, CEFET-Campos Palavras

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade 1 Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade Maria Helena de Lima helenal@terra.com.br/helena.lima@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo. Este artigo constitui

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Como ensinar os porquês dos conceitos básicos da Matemática, visando a melhora do processo ensino e aprendizado

Mostra de Projetos 2011. Como ensinar os porquês dos conceitos básicos da Matemática, visando a melhora do processo ensino e aprendizado Mostra de Projetos 2011 Como ensinar os porquês dos conceitos básicos da Matemática, visando a melhora do processo ensino e aprendizado Mostra Local de: Paranavaí Categoria do projeto: II - Projetos finalizados

Leia mais

SOBRE OBSTÁCULOS E ERROS: A CONTRIBUIÇÃO DE BACHELARD PARA PENSAR O PAPEL DO PROFESSOR NO PROCESSO PEDAGÓGICO

SOBRE OBSTÁCULOS E ERROS: A CONTRIBUIÇÃO DE BACHELARD PARA PENSAR O PAPEL DO PROFESSOR NO PROCESSO PEDAGÓGICO SOBRE OBSTÁCULOS E ERROS: A CONTRIBUIÇÃO DE BACHELARD PARA PENSAR O PAPEL DO PROFESSOR NO PROCESSO PEDAGÓGICO Aurélia Lopes Gomes [1] Paula Rosane Vieira Guimarães 1 RESUMO: Este trabalho visa oferecer

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Ensinando por projetos transdisciplinares

Ensinando por projetos transdisciplinares Ensinando por projetos transdisciplinares Romildo Nogueira (UFRPE) ran.pe@terra.com.br Maria Cilene Freire de Menezes (UFRPE) pgensino@ufrpe.br Ana Maria dos Anjos Carneiro Leão (UFRPE) amanjos2001@yahoo.com.br

Leia mais

Palavras-chave: relação pais-escola-educadores, qualidade na educação, atuação educacional.

Palavras-chave: relação pais-escola-educadores, qualidade na educação, atuação educacional. 1 PAIS E EDUCADORES: IDENTIFICANDO SIGNIFICADOS A RESPEITO DA RELAÇÃO FAMÍLIA-ESCOLA Josiane da Costa Mafra josimafra@hotmail.com Lúcia Helena Ferreira Mendonça Costa luciacost@hotmail.com Camila Turati

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Ementário Relações Interpessoais e Ética Profissional Concepções sobre o Processo Inter-relacional no Trabalho; Competência Interpessoal; Qualidade de Vida no

Leia mais

Resumo. 1 - Introdução

Resumo. 1 - Introdução Este artigo, disponível em http://www.nied.unicamp.br/oea/, refere-se ao curso de construção de páginas para a Internet desenvolvida para professores, realizado por pesquisadores da PUCSP em 2000, junto

Leia mais

Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio

Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio João Victor Maceno Lacerda 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância Resumo: Neste

Leia mais

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA Jeferson Luiz Appel Dar-se-ia mais significação aos conteúdos conceituais a serem aprendidos pelos alunos pela necessidade de esses adquirirem um novo conhecimento

Leia mais

A SISTEMATIZAÇÃO COLETIVA DO CONHECIMENTO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE CINESIOTERAPIA

A SISTEMATIZAÇÃO COLETIVA DO CONHECIMENTO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE CINESIOTERAPIA A SISTEMATIZAÇÃO COLETIVA DO CONHECIMENTO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE CINESIOTERAPIA Adriane Mazola de Araújo Perpetuo Pura Lúcia Oliver Martins PUCPR A preocupação com a formação profissional

Leia mais

O PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Denise Dalpiaz Antunes (Mestranda/ PUCRS) Jussara Bernardi Hauschild (Mestranda/ PUCRS) Resumo Construir uma proposta pedagógica, contemplando educar, cuidar

Leia mais

A DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR

A DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR A DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Kathe Regina Altafim Menezes 1 Ainda que fôssemos surdos e mudos como uma pedra, a nossa própria passividade seria uma forma de acção. Jean-Paul Sartre Resumo Este artigo

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

No entanto, a compreensão e a implicação de ser docente envolve reflexões que necessitam cada vez mais de sentido e significado para que se possa

No entanto, a compreensão e a implicação de ser docente envolve reflexões que necessitam cada vez mais de sentido e significado para que se possa CONCEPÇÕES DE FORMAÇÃO/DOCÊNCIA DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO *Hedioneia Maria Foletto Pivetta **Silvia Maria de Aguiar Isaia A educação superior vem passando

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

A APRENDIZAGEM COLABORATIVA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA ON-LINE

A APRENDIZAGEM COLABORATIVA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA ON-LINE A APRENDIZAGEM COLABORATIVA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA ON-LINE 171-TC-C3 Data de envio: 03/05/2005 Cristiane Luiza Köb Leite Pontifícia Universidade Católica do Paraná cristianekob@hotmail.com Marileni Ortencio

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCACAO TECNOLOGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PROJETO DE PESQUISA:

CENTRO FEDERAL DE EDUCACAO TECNOLOGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PROJETO DE PESQUISA: www.tecnologiadeprojetos.com.br CENTRO FEDERAL DE EDUCACAO TECNOLOGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PROJETO DE PESQUISA: Projetos de ensino

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA SANTOS, Jéssica Paula. UFG/REGIONAL/CATALÃO jessica-g-ts@hotmail.com SANTOS, Marina da Silva. UFG/REGIONAL/CATALÃO marinaavlis@hotmail.com Orientador: Dr.ª

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

Coordenador Pedagógico: o mediador da humanização como prática na educação infantil

Coordenador Pedagógico: o mediador da humanização como prática na educação infantil Coordenador Pedagógico: o mediador da humanização como prática na educação infantil RESUMO Fernanda Azevedo Fagundes 1 Júlia Estefani Alves 2 O presente artigo, busca discutir acerca da função do Coordenador

Leia mais

e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1 CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 2 CONVERSANDO SOBRE CURRÍCULO Diferentes concepções Conteúdos e competências Sobre aprendizagens Projetos alternativos

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA SOCIOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO CRÍTICO

A CONTRIBUIÇÃO DA SOCIOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO CRÍTICO 1 A CONTRIBUIÇÃO DA SOCIOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO CRÍTICO Sandra Maria Mattar RESUMO Esta pesquisa tem por objetivo analisar a contribuição da Sociologia na formação do pedagogo, considerando-se as

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA CIÊNCIA QUÍMICA: O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM COMO POSSIBILIDADE DE FORMAÇÃO DE FUTUROS CIENTISTAS

UM NOVO OLHAR PARA CIÊNCIA QUÍMICA: O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM COMO POSSIBILIDADE DE FORMAÇÃO DE FUTUROS CIENTISTAS UM NOVO OLHAR PARA CIÊNCIA QUÍMICA: O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM COMO POSSIBILIDADE DE FORMAÇÃO DE FUTUROS CIENTISTAS Brasília DF, 06/2010 Letícia Campos Honório - Universidade Católica de Brasília

Leia mais

PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO

PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO Sylmara Fagundes da Silva Sylmara.fagundes@hotmail.com RESUMO O presente trabalho teve como objetivo analisar os resultados das

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

Filosofia para crianças? Que história é essa?

Filosofia para crianças? Que história é essa? Filosofia para crianças? Que história é essa? P Isabel Cristina Santana Diretora do CBFC ara muitos provoca espanto a minha resposta quando me perguntam: qual é o seu trabalho? e eu respondo trabalho com

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais