UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA MBA EM GESTÃO DO AGRONEGÓCIO ENIO ÂNGELO TODESCHINI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA MBA EM GESTÃO DO AGRONEGÓCIO ENIO ÂNGELO TODESCHINI"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA MBA EM GESTÃO DO AGRONEGÓCIO ENIO ÂNGELO TODESCHINI MANEJO DAS PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA VITICULTURA DA SERRA GAÚCHA VISANDO O CONTROLE DAS PERDAS DE SOLO PELA EROSÃO HÍDRICA São Leopoldo 2010

2 ENIO ÂNGELO TODESCHINI MANEJO DAS PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA VITICULTURA DA SERRA GAÚCHA VISANDO O CONTROLE DAS PERDAS DE SOLO PELA EROSÃO HÍDRICA Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização apresentado como requisito parcial para a obtenção do título de Especialista em Gestão do Agronegócio, pelo MBA em Gestão do Agronegócio da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Orientador: Profa. Gisele Spricigo Co-Orientador: Antônio Conte São Leopoldo 2010

3 São Leopoldo, 28 de outubro de Considerando que o Trabalho de Conclusão de Curso do aluno Enio Ângelo Todeschini encontra-se em condições de ser avaliado, recomendo sua apresentação oral e escrita para avaliação da Banca Examinadora, a ser constituída pela coordenação do MBA em Gestão do Agronegócio. Gisele Spricigo Professora Orientadora

4 AGRADECIMENTOS À professora Gisele Spricigo pela compreensão e orientação. Ao Eng o Agr o Antonio Conte pela amizade, colaboração e ensinamentos; Aos colegas da EMATER pela amizade e cooperação. A todos os professores do curso de MBA Gestão do Agronegócio da UNISINOS pelos ensinamentos transmitidos. À EMATER pela oportunidade de auferir conhecimentos e fazer novas amizades.

5 3 RESUMO O presente trabalho relata a experiência vivenciada pelos viticultores da Serra Gaúcha na introdução e cultivo de espécies de plantas de inverno, visando principalmente o controle da erosão do solo nos vinhedos. Essa técnica proposta pela EMATER-RS teve seu início no ano de 1999, através da proposição do cultivo da aveia preta, espécie rústica, bem adaptada à região, facilitando seu manejo. A degradação do solo é umas das causas responsáveis pelo decréscimo da produtividade e, consoante, pela diminuição da receita líquida da atividade. Destarte, a finalidade almejada era, num primeiro instante, estancar a perda de solo; no seguinte, a recuperação da fertilidade do mesmo. Com efeito, a sustentabilidade da família vitícola. Usaram-se, como métodos para efetivar essa dissertação o estudo de caso descritivo e uma pesquisa de opinião junto aos extensionistas da EMATER dos principais municípios vitícolas. Como resultado básico, constatou-se o alcance dos objetivos, ou seja, o controle da erosão do solo e a preservação da fertilidade, refletindo-se em diversos outros efeitos positivos. Além de o viticultor desenvolver uma nova mentalidade perante a presença de ervas e seu manejo. Palavras-Chave: Viticultura. Erosão do Solo. Manejo das Plantas de Cobertura.

6 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DO PROBLEMA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos JUSTIFICATIVA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A PRÁTICA CONSERVACIONISTA NA FRUTICULTURA... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO DESAFIOS... Erro! Indicador não definido Benefícios da Prática Dificuldades Encontradas MANEJO DAS ESPÉCIES CULTIVADAS Aveia Preta Centeio Azevem Ervilhaca Trevo Branco Trevo Encarnado Nabo Forrageiro MÉTODOS E PROCEDIMENTOS DELINEAMENTO DA PESQUISA DEFINIÇÃO DA ÁREA/POP.-ALVO/AMOSTRA/UNID. ANÁLISE TECNICA DE COLETA DE DADOS TÉCNICAS DE ANÁLISE DE DADOS APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS QUESTIONARIO PROPOSTO... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO Motivação para se Engajar no Programa As maiores Dificuldades Encontradas na Implantação Como Avalia os Resultados Alcançados CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 32

7 ANEXO A LISTA DE FIGURAS

8 6 1 INTRODUÇÃO A região da Serra Gaúcha está localizada no nordeste do estado do Rio Grande do Sul, região Sul do Brasil. Num Estado predominantemente plano que é o Rio Grande do Sul, a Serra Gaúcha é o principal acidente geográfico, com altitudes moderadamente altas, de até cerca de 1.300m. Por estar localizada numa zona temperada do Brasil, seu clima é subtropical úmido, com invernos moderadamente frios e verões amenos (representado pela classificação climática de Köppen como Cfb). Durante o inverno, as temperaturas com relativa freqüência ficam negativas e a neve pode ocorrer, geralmente em quantidades muito pequenas e em poucos dias dessa estação. Nevadas com acumulações no solo são raras. Fortes geadas, contudo, são mais freqüentes. A região das Serras é dividida em três regiões culturais: a região gaúcha, a alemã e italiana. A região italiana, começou a ser colonizada em 1875, quando ali chegaram os primeiros imigrantes italianos. Como os alemães colonizaram as terras baixas, os italianos tiveram que subir as serras e povoar as terras altas. A cultura é praticamente a mesma do Vêneto, região de onde veio a maioria dos imigrantes. O dialeto falado por muitos é o talian, que tem sua origem no Norte da Itália. A produção de uva e vinho, trazida pelos imigrantes, se expandiu por toda a região, tornando-se a base da economia da região italiana do Rio Grande do Sul. A erosão hídrica do solo é influenciada pela chuva, solo, cobertura e manejo do solo e práticas conservacionistas. Dentre esses fatores, a cobertura e o manejo apresentam maior influência sobre a erosão hídrica do que os demais (Cogo, 1981). Do ponto de vista agronômico, a erosão hídrica do solo é concebida apenas como um fenômeno deletério, causador de perdas de nutrientes, matéria orgânica, calcário, porosidade, sementes, ou seja, fator empobrecedor do potencial produtivo da terra e, consequentemente, da família rural. De maneira geral, imensos esforços foram direcionados e inúmeros métodos desenvolvidos e aplicados no intuito de tentar conter a erosão hídrica nas áreas cultivadas. O presente trabalho teve por objetivo um estudo para identificar e analisar as vantagens e desvantagens da implantação e continuidade do programa de introdução de plantas de cobertura do solo na viticultura da Serra Gaucha, com ênfase na substituição

9 7 da manejo químico e controle da erosão solar. Compõe-se de um resumo, um referencial teórico, descrição do método de pesquisa, os benefícios auferidos e as dificuldades encontradas, bem como uma descrição do manejo das principais espécies de plantas utilizadas para o determinado fim. 1.1 DEFINIÇÃO DO PROBLEMA A degradação do solo causada pela erosão hídrica traz sérias conseqüências à rentabilidade da viticultura e, consequentemente à sustentabilidade da propriedade vitícola. Num primeiro instante, há a retirada do solo do seu ponto original; com ele ocorre a perda de matéria orgânica, nutrientes, corretivos, microorganismos, sementes, ou seja, da capacidade de armazenamento de água e de seu potencial produtivo. 1.2 OBJETIVOS Objetivo Geral Identificar e analisar as vantagens e desvantagens da implantação e continuidade do programa de introdução de plantas de cobertura do solo na viticultura da Serra Gaucha Objetivos Específicos Identificar e analisar as causas e conseqüências da erosão hídrica do solo; Identificar e analisar métodos alternativos de controle das ervas espontâneas, como alternativas na introdução e manejo de espécies cultivadas;

10 8 Apontar a proposta de substituição do manejo químico das ervas espontâneas ocorrentes nos vinhedos da Serra Gaúcha por determinadas espécies intencionalmente cultivadas, no intuito de estancar a erosão hídrica, com ênfase no trabalho que vem sendo desenvolvido pela EMATER. 1.3 JUSTIFICATIVA A produção sustentável da viticultura da Serra Gaúcha é influenciada por fatores de diversas naturezas, sendo uns de difícil administração, tais como as condições climáticas, e outros passiveis de forte ingerência humana. Dentre estes, o manejo do solo tem importância destacada, pois é reservatório de água, ar e nutrientes indispensáveis para o desenvolvimento vegetal. Historicamente, via-se a ocorrência de ervas espontâneas como concorrentes fatais para a subsistência e produção da cultura, tanto que sua denominação traduzia essa concepção: inços, daninhas, mato, concorrentes... e, destarte, a sua eliminação era praticamente obrigatória. A forma de eliminação primeiramente se concentrava no método mecânico e, posteriormente, com o advento dos herbicidas, no controle químico. Ambos os métodos tem sua eficiência no controle das ervas, porém propiciam condições adversas ao desenvolvimento da cultura. O primeiro, pelo revolvimento do solo, em muito facilita a sua degradação; o segundo, incrementa o risco de fitotoxicidade da parreira, contaminação ambiental e intoxicação de operador. A degradação do solo é umas das causas responsáveis pelo decréscimo da produtividade e, consoante, pela diminuição da receita líquida da atividade. Desta forma, a finalidade almejada é, num primeiro instante, estancar a perda de solo; no seguinte, a recuperação da fertilidade do mesmo. Com efeito, a sustentabilidade da família vitícola.

11 9 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A viticultura na Serra Gaúcha é tão antiga quanto à própria imigração italiana no RS. Sendo sustentáculo básico para famílias, hodiernamente é praticada em ha (EMATER, 2008). Naturalmente, a pessoa carrega, do local de partida para o novo, seus hábitos, crenças e conhecimentos. A atividade vitícola se desenvolveu de forma intensa, sendo uma das bases sócio-econômicas da região por diversas décadas. A cultura vinha sendo submetida ao manejo empreendido na Europa, sem considerar que, no novo mundo, as condições básicas de cultivo - edafo-climáticas, poderiam e são, diferenciadas. Dentre estas, pode-se destacar o regime pluviométrico e as temperaturas médias. O volume de chuvas é bem mais elevado no RS do que no norte da Itália; e as temperaturas médias também o são. Atrelados a esses fatores pluviometria e temperaturas, duas premissas vinham sendo encaradas de forma idêntica `a da região de origem: necessidade de aração (virar o solo) para a elevação da temperatura e as sementes das culturas poderem germinar; o controle das ervas e o desadensamento do solo eram preocupações secundárias; e a despreocupação com os efeitos das chuvas sobre o fenômeno da erosão do solo. A erosão ou degradação do solo pode ser conceituada como sendo a destruição das saliências e reentrâncias do relevo, tendendo a um nivelamento. Alguns especialistas chegam a estimar que o trabalho e atuação dos agentes erosivos causam, a cada ano, um arrasamento de 1/10 de milímetro na altitude do relevo terrestre. Para que houvesse a destruição de todo o relevo das terras emersas seria necessário cerca de sete milhões de anos. Porém, isso não poderá acontecer devido ao rejuvenescimento de certas áreas da superfície terrestre, produzido pela dinâmica natural que sofre influência de diversos fatores (Souto, 1984). Todos os solos estão sujeitos à erosão geológica ou natural; trata-se da ação dos agentes externos como sol (calor), água, animais, vegetais, etc. que, agindo sobre a rocha provocam a formação do solo. Este tipo de erosão é incontrolável, até mesmo benéfica e necessária. Serve como niveladora da crosta terrestre e renovador da natureza (Schultz, 1983).

12 10 Num trabalho de Viau (1977), citado por Nolla (1982), realizado no Centro de Treinamento da COTRIJUI em Augusto Pestana/RS, já demonstrava as diferenças entre os sistemas de manejo do solo, bem como a interferência na produtividade do solo: Quadro 01. Avaliação e Perdas de Solo por Erosão: Sistema de Cultivo Perdas de Solo (kg/ha) Produção Soja(kg/ha) Semeadura Direta Convencional Solo Descoberto E já não é mais novidade que a erosão é dos mais urgentes problemas a equacionar. Não apenas o plantio direto, mas qualquer ação ou procedimento eficaz na conservação do solo se investe, portanto de profunda significação à sustentabilidade das relações homem-meio (D Agostini, 1997). Dentro desta lógica, Ruedell (1995), diz que o plantio direto no estado do RS no início da década de 70 foi um fracasso. Conhecia-se os irrecuperáveis danos que estavam sendo ocasionados pelo uso excessivo do solo, principalmente na cultura da soja, com conseqüente degradação e erosão dos solos a nível de estado. Em função desta situação, foi intentada uma prática de semear soja após trigo, ou em áreas em pousio no inverno, sem preparar o solo, buscando uma solução para estancar estes graves problemas. Tentativa válida e pioneira pela busca de uma alternativa para estancar o processo predatório e erosivo do solo, que de uma forma galopante vinha perdendo seu potencial produtivo. Em função destas perdas, a cada ano eram necessárias reaplicações de uma enormidade de corretivos e fertilizantes para se manter o nível de produtividade das culturas. A construção de milhares de quilômetros de terraços, dos mais diferentes tipos, ocupava o tempo de equipes inteiras de Cooperativas e da assistência técnica privada e oficial. Certamente que estas construções diminuíam a velocidade das enxurradas, minimizando os efeitos de seus estragos. No entanto, as perdas de solo continuavam

13 11 ocorrendo. A prova está que antes de cada safra se fazia necessário a limpeza dos canais dos terraços, cheios de terra que havia escorrido até os mesmos, sem contar com aquela que havia sido exportada pelos canais escoadouros para estradas, açudes e rios. A Construção de terraços numa propriedade rural ficou sendo sinônimo de um solo bem protegido. Na verdade, quando bem locados, cumpriam integralmente com a sua função de minimizar, ordenar e conduzir as águas excedentes das chuvas. Porém, era evidente que a causa inicial da erosão que tem origem no impacto da gota de chuva sobre o solo desnuda e intensamente preparado não vinha sendo considerada nestas construções (Ruedell, 1995). Dentre os fatores que influenciam a erosão hídrica pode-se destacar: chuvas, principalmente pelo seu componente intensidade, sendo a quantidade num determinado tempo; o relevo do terreno; o tipo de solo; a cobertura vegetal e o manejo do solo. Quando se entendeu que o principal fator condicionador da erosão hídrica não era a força da enxurrada força horizontal das águas, mas sim a força cinética impacto da gota sobre o solo, causando a desagregação (fragmentação) do mesmo e jogando suas partículas para o alto e longe, encontrou-se a chave para a solução do problema. A força do impacto também força o material mais fino para abaixo da superfície, o que provoca a obstrução da porosidade (selagem) do solo, aumentando o fluxo superficial e a erosão. A questão não era mais tentar barrar o deslocamento horizontal das águas pluviais, mas sim proteger o solo desnudo da força das gotas da chuva. Por seu turno, a emergência de ervas junto às culturas era vista somente como concorrência, tanto que eram (às vezes ainda o são) denominadas de invasoras, concorrentes, inços, plantas daninhas, mato, requerendo sua eliminação o mais cedo possível. Conte (2002) diz que o controle de plantas daninhas nos parreirais através de capinas ou com o uso de herbicidas, tem provocado uma série de problemas, tais como: aumento da erosão do solo; incremento de incidência de doenças fúngicas do solo (Fusariose) e da parte aérea (Míldio); Dispersão de pragas como a Pérola-da-terra através de equipamentos; diminuição gradativa da matéria orgânica do solo; redução da fauna e flora do solo; desestruturação do solo; contaminação dos mananciais hídricos e outras tantas conseqüências negativas. A redução desses problemas pode ser obtida através do cultivo e correto manejo das plantas de cobertura do solo.

14 12 A conjugação destes dois conceitos: o conhecimento do principal fator erosivo e o entendimento de que a ocorrência de ervas espontâneas ou cultivadas e a sua palhada tinham um papel fundamental na proteção da superfície do solo pela interceptação das chuvas e amortecimento de sua energia, reverteu todo um quadro catastrófico nas áreas produtoras de grãos, dando ensejo ao sistema plantio direto. Por analogia, essa concepção foi adaptada e introduzida na viticultura da Serra Gaúcha no final da década de 90, por uma iniciativa da EMATER. Sob coordenação do Escritório Regional de Caxias do Sul, através de reuniões com as equipes municipais, discutiu-se e formulou-se a proposta de atuação e a metodologia do trabalho a ser implementado. 2.1 PRÁTICAS CONSERVACIONISTAS NA FRUTICULTURA Sob esse temática, o Manual de Conservação do Solo (Rio Grande do Sul, Secretaria da Agricultura, 1983) traz apenas a cobertura morta como prática, consistindo na cobertura do solo total ou parcialmente, utilizando-se capins, palhas (restevas), cascas, aparas, papel e plástico. Como benefícios, destaca: a) eficiência no controle da erosão, tanto hídrica como eólica; b) melhoramento no teor de umidade do solo: maior infiltração da água, menor evaporação e menor escorrimento superficial; c) rebaixamento da temperatura máxima do solo: em solos desnudos constataram-se temperaturas ao redor de 51 o C em pomares de São Paulo, enquanto que, em terrenos protegidos por cobertura morta, nas mesmas regiões, a temperatura máxima baixou para 31 o C. d) aumento do teor de matéria orgânica que, com o apodrecimento contínuo, vai se incorporando ao solo, na medida em que se transforma em húmus; e) aumento do sistema radicular, em extensão e número de raízes; f) controle de ervas daninhas, chegando a 75 e até 90%. Seguindo a descrição da prática, a referida fonte aponta alguns aspectos negativos que devem ser lembrados: a) perigo de fogo nos meses mais quentes, quando o material está mais seco e mais inflamável; b) perigo de estragos pela geada, pois é sabido que solos com cobertura morta apresentam, para as culturas, riscos de prejuízos muito maiores; c) foco provável de pragas e doenças; d) afloramento de raízes para a superfície, o que seria altamente prejudicial em caso de longa estiagem; e) é prática

15 13 onerosa, que se justifica somente nas pequenas propriedades, onde vem tendo alrga aceitação, pelo transporte e distribuição do material (autores afirmam que são necessários três há com capim para produzir material suficiente para a cobertura em um ha. (GALETI). Referencia a obra que para escapar de alguns desses inconvenientes, pequenos produtores da região vitivinícola do Nordeste do Estado vêm plantando, com sucesso, a ervilhaca, deixando-a em pé no terreno até a queda natural da planta, após terem colhido os grãos, prática essa que vem beneficiando grandemente a cultura da videira. As plantas de cobertura do solo ou cobertura viva são leguminosas, gramíneas ou a combinação apropriadas de espécies cultivadas especificamente para proteger o solo contra a erosão, melhorar sua estrutura e fertilidade, suprimir pragas, vegetação espontânea e patógenos. Aparentemente, o manejo de culturas de cobertura do solo pode afetar diretamente a presença de pragas, as quais conseguem diferenciar entre os pomares cultivados com e sem cobertura do solo. Isso pode ajudar na manutenção de populações de inimigos naturais que habitam o solo e as folhagens, fornecendo habitat e alimento alternativo. O planejamento de consórcios adequados, com o uso de cobertura de cultura de cobertura nos pomares, pode melhorar o controle biológico de determinadas pragas em pomares e vinhedos (Altieri, 2002). Diante deste quadro insólito da pesquisa quanto às práticas de preservação do solo na fruticultura e do hábito do viticultor em debelar qualquer forma de vegetação junto aos pomares que a EMATER propôs uma forma completamente diversa no manejo do solo sob os vinhedos. 2.2 O DESAFIO DA ADOÇÃO DA PRÁTICA CONSERVACIONISTA No intuito de obtenção de sucesso da idéia, ou seja, a adoção da proposição, muitos entraves tiveram que ser superados, dentre os quais pode-se destacar: a) a falta de base científica (pesquisa) para a argumentação, sustentação e o manejo da técnica; b) a resistência dos viticultores frente ao desafio, pois estavam habituados (modelo mental - paradigma) a manter seus vinhedos no limpo. Qualquer situação que não eliminasse

16 14 as ervas espontâneas era sinônimo de produtor relaxado, vagabundo; c) o medo da ocorrência de formigas cortadeiras e a dificuldade no controle das mesmas; d) a pressão das casas comerciais instigando os viticultores sobre os riscos de manter ervas sob o vinhedo e a tradição da dessecação eliminação pela aplicação de herbicidas. O programa teve como carro-chefe a introdução da Aveia Preta, eleita, após parcimoniosa análise, por inúmeros atributos: espécie vegetal de inverno, fundamental para vegetar no período de dormência das parreiras; ciclo curto e bem definido; facilidade de obtenção e baixo custo da semente; baixo custo e facilidade na semeadura a lanço e superficial; manejo simples da palhada acamamento; a ausência da ressemeadura natural embora a formação de sementes viáveis, estas não persistem para a safra posterior, podendo facilmente se retornar ao sistema anterior; planta rústica, suportando bem o ataque de pragas e incidência de fitomoléstias, dispensando tratamentos para seu controle; as espécie da família botânica Graminea (Poaceae) são bastante exigentes em nitrogênio para o seu desenvolvimento. Como o solo da grande maioria dos vinhedos já se encontrava com teores elevados desse nutriente, face à disponibilidade e uso de adubos orgânicos de origem animal, estar-se-ia num primeiro momento imobilizando nitrogênio na palhada da Aveia Preta. Efeito alelopático desta espécie sobre outras que ocorrem espontaneamente durante o período vegetativo da videira e que em muitas situações atrapalham e dificultam a execução dos tratos culturais nas videiras. A difusão da idéia ocorreu em todos os municípios produtores de uvas, usandose, como estratégia, diversos métodos, sendo os principais: explanação do programa junto às principais entidades parceiras secretarias da agricultura, Sindicatos dos Trabalhadores Rurais e Cooperativas; divulgação através de rádio, jornal, igreja, escolas, visitas individuais a viticultores com características empreendedoras; estabelecimento de áreas demonstrativas; realização de eventos tardes de campo, reunindo produtores para mostrar/explicar a técnica; campanhas de aquisição conjunta de sementes. Outras espécies que foram incentivadas de forma consorciada ou isoladamente com a Aveia Preta: Nabo Forrageiro, Trevo Branco e Encarnado; Azevém; Ervilhaca; Centeio; Triticale. A própria preservação das ervas espontâneas tomou outro rumo.

17 15 Muitos produtores mudaram seu parecer e passaram a simplesmente manejar essas ervas de forma mecânica (roçadas) Benefícios da Prática Altieri (2002) citando Finch & Sharp (1976) e Haynes, (1980), relata que os possíveis benefícios das plantas de cobertura do solo, em pomares e vinhedos, são: 1- Melhoria da estrutura do solo e da penetração da água, porque a adição de matéria orgânica e a ação das raízes aumentam a aeração do solo e a percentagem de agregados estáveis. Redução da necessidade de prepara do solo e da utilização de maquinário, diminuindo-se assim, a compactação e a formação de pé de arado. A cobertura vegetal suporta melhor as maquinas nos períodos chuvosos. A cultura de cobertura intercepta as gotas de chuva, reduzindo sua força e prevenindo a formação de crostas. 2- Prevenção da erosão do solo ao espalhar e tornar mais vagaroso o escorrimento superficial da água e agregando o solo junto ao sistema radicular. Koller (2009) afirma que o sistema radicular das plantas de cobertura, ao se decompor, forma sulcos ao longo do perfil do solo, aumentando a infiltração e armazenamento de água. 3- Melhoria da fertilidade do solo ao adicionar matéria orgânica durante a decomposição e tornar os nutrientes mais disponíveis através da fixação de nitrogênio. 4- Agregação das micropartículas retendo o solo junto à rizosfera. 5- Auxilio no controle de pragas, abrigando insetos predadores e parasitas benéficos. 6- Modificação do microclima reduzindo o albedo e a temperatura e aumentando a umidade no verão. 7- Redução da competição entre a cultura principal e as ervas espontâneas. 8- Redução da temperatura do solo. As diferenças na temperatura entre o sistema convencional e plantio direto pode variar de 1 a 4º C. Para Koller et al. (2009), a formação de palha na superfície, com plantas anuais de outono/inverno, pode constituir-se em adéqua estratégia de manejo para a prevenção contra períodos de falta de chuvas na primavera/verão, aumentando a capacidade de armazenamento de água no solo.

18 16 A redução da competição pelas espontâneas pode depender de diversos efeitos da palhada, tais como: a diminuição da temperatura do solo retarda ou até inviabiliza a germinação de sementes; o aumento do teor e da persistência da umidade favorece o desenvolvimento de patógenos que acabam afetando a viabilidade ou a germinação das sementes; a interceptação da luz gera uma deficiência na fotossíntese, afetando o desenvolvimento das plântulas; a camada de palha favorece o desenvolvimento e permanência de populações de insetos, ácaros, pássaros e outros espécies de animais, incrementando a pressão sobre sementes e plântulas. Altieri (2002) diz que a competição nem sempre pode explicar a diminuição do crescimento das plantas num agrossistema. Por vezes ocorrem interações bioquímicas (alelopatia) entre as plantas. Alelopatia é qualquer efeito prejudicial, direto ou indireto de uma planta sobre a outra, através da produção de compostos químicos liberados no ambiente, ou seja, é a adição e um fator tóxico ao ambiente. Os efeitos alelopáticos provocados pela cultura em desenvolvimento e aqueles provocados por seus resíduos, podem ser utilizados para reduzir populações de vegetação espontânea ao suprimir a germinação e a emergência dessas plantas ou afetar seu crescimento. Há fortes evidencias de que certas cultivares de centeio, cevada, trigo, fumo e aveia liberam substancias tóxicas no ambiente, tanto através de exsudatos radiculares quanto pela decomposição da planta Dificuldades Encontradas: Uma das mais fortes e frequentes sustentações dos viticultores para a não adoção da prática da cobertura do solo com espécies cultivadas e conduzir o vinhedo com presença de vegetação e/ou palhada era a ocorrência de formigas cortadeiras ou a dificuldade da localização dos olheiros, comprometendo o seu controle. Para superar esse medo a argumentação de que as formigas dificilmente se estabelecem em áreas vegetadas, face à elevada e constante umidade e que as mesmas dificilmente cortam plantas gramíneas, não lograva êxito. Somente após a primeira experiência por ele vivida, é que se convencia de que a presença de ervas sob o parreiral não era fator de risco quanto ao controle das formigas cortadeiras.

19 17 A grande massa seca e pela extensão da mesma, ou seja, abrangendo todo o vinhedo impregnava a imaginação do viticultor com medo do risco de escapar o fogo, pondo em perigo não só a safra, mas a estrutura física do vinhedo e as próprias parreiras. Pode-se dizer que parte desse receio encontra vinculo na memória genética, ou seja, as gerações anteriores muito sofreram com incêndios, tomando precauções de até mesmo construir a moradia em duas construções separadas por diversos metros de distancia. O modelo mental conservador do viticultor sempre é um desafio ao trabalho da extensão rural na adoção de novas idéias, principalmente quando a proposição abarca uma mudança tão radical como a proposta. A idéia de ter que se manter o pomar no limpo, ou seja, livre da presença de ervas estava tão fortemente enraizada que o maior dispêndio de tempo e energia do proponente (extensionista) foi justamente na aceitação da mudança. Seguidamente o extensionista era indagado pelo viticultor sobre os riscos de competição por nutrientes e água entre a videira e a cultura de cobertura do solo, principalmente porque havia com freqüência a opinião aconselhadora dos comerciantes, infundindo-lhe medo e dúvidas, temerosos esses de perder a venda de herbicidas. Um dos métodos mais usados na implementação da idéia foi o desafio da experimentação propondo ao produtor a adoção da prática numa pequena área e, desta maneira, ele mesmo se convencer dos resultados. Essa pequena área com cobertura do solo logo passou a ser disputada, servindo muitas vezes de pastagem para a alimentação do gado. Isso vinha comprometer o resultado final, pois a formação de grande volume de palhada é fundamental para os objetivos almejados. Em muitas áreas, os parreirais estão estabelecidos há várias décadas e o uso do sulfato de cobre é rotineiro em todos os ciclos vegetativos. Com o passar do tempo, o acúmulo de cobre no solo acaba sendo inevitável, principalmente nos primeiros centímetros superficiais, onde se encontra a maior concentração de matéria orgânica, por ficar complexado à mesma. Os altos teores de cobre no solo dificulta o estabelecimentos de plantas de cobertura do solo e reboleiras de plantas de aveia subdesenvolvidas e de coloração esbranquiçada seguidamente surgiam, dificultando o estabelecimento e desenvolvimento das plantas de aveia (Anexo A, figura 01).

20 MANEJO DAS ESPÉCIES CULTIVADAS Aveia Preta (Avena Strigosa) Planta rústica, raramente requer tratamentos fitossanitários para produção de massa seca, bem como suporta bem estresse hídrico (Anexo A, Figura 02). Conte (2002) recomenda que a semeadura seja feita no período de meados de fevereiro a meados de abril, utilizando-se de 100 a 120 Kg/ha de sementes, em vinhedos que apresentem teores de Matéria Orgânica acima de 03,0%. Em áreas tomadas por espécies perenes como gramas e capins, deve-se realizar o controle das mesmas antes da semeadura da Aveia. A Aveia produz grande volume de matéria seca, tem grande efeito alelopático e controle muito bem outras ervas espontâneas anuais que se desenvolvem na primavera/verão, tendo a ciclo que se adequa ao período de dormência da videira (Anexo 01, Figura 03). A interferência alelopática é tão acentuada que atinge a própria espécie, inviabilizando seu estabelecimento após o cultivo sucessivo de alguns anos. Contornou-se essa dificuldade com o consorciamento de espécies de outras famílias botânicas, como a Ervilhaca (Leguminosaea) ou o Nabo Forrageiro (Brassicea) ou através da sucessão do monocultivo dessa mesmas espécies. Ruedell (1995) diz que a campo tem-se verificado potencialmente viável a utilização da palha da Aveia como controladora de invasoras, principalmente gramíneas, no sistema de plantio direto. Num levantamento realizado na região de Cruz Alta/RS, verificou que em 90% da área com restevas de Aveia Preta rolada sobre a superfície do solo não se fez necessário utilizar herbicidas para eliminar as invasoras antes da implantação da cultura de verão (soja ou milho). Como produz uma grande quantidade de massa seca de difícil decomposição; como se trata de uma cultura muito importante em termos de proteção do solo contra a erosão e as perdas de água, além de ser uma cultura recicladora de nutrientes, qualidades essas que fizeram com que atualmente seja a cultura de inverno mais utilizada pelos produtores no plantio direto. Pela sua rusticidade e grande formadora de massa seca pela palhada e sistema radicular, normalmente é indicada para se iniciar o sistema de plantio direto. A precocidade na implantação visa obter-se maiores volumes de palhada e permitir que, por ocasião da poda das videiras a Aveia esteja com os grãos em massa,

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde 1 de 5 10/16/aaaa 10:13 Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde Nome Adubação Orgânica e Adubação Verde Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Adubação Orgânica Resenha

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS

PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS Lutécia Beatriz Canalli Eng. Agr., MSc Solos, Dra em Agronomia - Produção Vegetal Sistemas de produção sustentáveis

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA Maia Barnabé Sambongo Dir. Fazenda Quizenga TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA ÁREA DE 1º ANO 1. Supressão Vegetal

Leia mais

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada.

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPT. FITOTECNIA E FITOSSANITARISMO DISCIPLINA AGRICULTURA GERAL (AF001) PROFS. OSWALDO TERUYO IDO E RICARDO AUGUSTO DE OLIVEIRA MONITORA ANA SELENA

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2. Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br

AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2. Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2 Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA EROSÃO HÍDRICA FATOR TOPOGRAFIA O relevo do solo exerce

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer 16 Potencial para Adoção da Estratégia de Integração Lavoura- -Pecuária e de Integração Lavoura-Pecuária- -Floresta para Recuperação de Pastagens Degradadas Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Leia mais

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Milho + brachiaria: investimento mínimo, máximo retorno Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Pesquisadores do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Leia mais

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS PRÉ-PLANTIO ERRADICAÇÃO DE ERVAS DANINHAS Você deve erradicar as ervas daninhas da área a ser gramada. Esta operação pode ser feita através da capina mecânica ou

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA NESTA AULA SERÁ ABORDADO Importância de conservar o solo e sua influência sobre as plantas As formas e métodos de conservação do terreno Como combater

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO AMARAL, Kevin Bossoni do 1 ; CAMPOS, Ben-Hur Costa de 2 ; BIANCHI, Mario Antonio 3 Palavras-Chave:

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana. Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA

Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana. Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA NOVO PROTOCOLO AMBIENTAL (Única, Orplana e Secretaria do Meio Ambiente) Áreas mecanizáveis Extinção das queimadas

Leia mais

AGRONOMIA. Questão 1 Padrão de resposta esperado:

AGRONOMIA. Questão 1 Padrão de resposta esperado: Questão 1 O Controle Biológico de pragas pode ser vantajoso em relação ao Controle Químico : Protegendo a biodiversidade. Não deixando resíduos nos alimentos, na água, no solo. Sendo específicos. Evitando

Leia mais

Moacyr Bernardino Dias-Filho Embrapa Amazônia Oriental www.diasfilho.com.br Importância das pastagens na pecuária brasileira A maioria (> 90%) do rebanho é criado a pasto Pastagem é a forma mais econômica

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ Carteira de Agronegócios Projetos Propostos Teresina, PI novembro 2013 SUMÁRIO Características atuais dos principais setores de agronegócio piauiense

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO Nielson Gonçalves Chagas, João Tavares Nascimento, Ivandro de França da Silva & Napoleão

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Soja

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1

CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1 CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1 Edmilson José Ambrosano Eng. Agr., Dr., PqC do Pólo Regional Centro Sul/APTA ambrosano@apta.sp.gov.br Fabrício Rossi Eng. Agr., Dr.,

Leia mais

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA MADEIRA PLÁSTICA A Madeira Plástica é uma opção sustentável para quem se preocupa com a causa ambiental. O grande diferencial deste produto é que sua fabricação dá-se a partir da reciclagem de toneladas

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná

Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná Capim-marmelada e leiteiro são exemplos de grandes problemas que aconteceram nas lavouras de soja no início dos anos 80. Nesta mesma década, foram

Leia mais

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS.

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. Graciela Rodrigues Trindade (1) Bacharel em Gestão Ambiental formada

Leia mais

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 2 Tipos de vegetação Vegetação é caracterizada como o conjunto de plantas de uma determinada região. Em razão da

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS

TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS Julho 2004 TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS José Eloir Denardin Rainoldo Alberto Kochhann Neroli Pedro Cogo Ildegardis Bertol QUESTÃO São necessárias práticas complementares à Cobertura de Solo

Leia mais

Informações básicas para fazer compostagem 1.

Informações básicas para fazer compostagem 1. Educação Ambiental Desenvolvimento Sustentável. www.ecophysis.com.br Informações básicas para fazer compostagem 1. COMPOSTAR para reduzir a quantidade de resíduos orgânicos 2. REUSAR os resíduos compostados

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Cana de

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas

A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas Moacyr Bernardino Dias-Filho Engenheiro Agrônomo, pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental, Belém, PA www.diasfilho.com.br Conceito

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos COMPOSTAGEM Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos Produzir adubo na propriedade rural é uma prática fácil porque a matéria prima a ser usada éobtida de resíduos orgânicos como o lixo doméstico

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS Carlos Henrique A. Affonso & Luiz Gustavo Bento de Freitas Eng. Agrônomos; Verdyol Hidrosemeadura Ltda; São Paulo SP. vhl@uol.com.br 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO Nº do Processo SUSEP: 15414.001178/2005-04 CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro

Leia mais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Ativos do Campo - Nº 04/2013 Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Mesmo sendo as plantações florestais intensivas em utilização de mão de obra, sobretudo em regiões montanhosas,

Leia mais

A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA

A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA 1 A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA INTRODUÇÃO As recentes altas dos preços dos alimentos remetem a vários questionamentos de

Leia mais

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS A água é um recurso natural insubstituível para a manutenção da vida saudável e bem estar do homem, além de garantir auto-suficiência econômica da propriedade rural.

Leia mais

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE.

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. Alvori Cristo dos Santos, Deser, Fevereiro 2007. Há alguns anos atrás, um movimento social

Leia mais

Passo a passo na escolha da cultivar de milho

Passo a passo na escolha da cultivar de milho Passo a passo na escolha da cultivar de milho Beatriz Marti Emygdio Pesquisadora Embrapa Clima Temperado (beatriz.emygdio@cpact.embrapa.br) Diante da ampla gama de cultivares de milho, disponíveis no mercado

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

Tipos de Sistema de Produção

Tipos de Sistema de Produção Tipos de Sistema de Produção Os sistemas de cultura dominantes conjunto de plantas cultivadas, forma como estas se associam e técnicas utilizadas no seu cultivo apresentam grandes contrastes entre o Norte

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA 3 CASSIICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOA O enquadramento das terras em classes de aptidão resulta da interação de suas condições agrícolas, do nível de manejo considerado e das exigências dos diversos tipos de

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura da Ervilha Nome Cultura da Ervilha Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura da Ervilha

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

MANEJO DE ERVAS INVASORAS. Evitar o aumento da infestação de ervas invasoras

MANEJO DE ERVAS INVASORAS. Evitar o aumento da infestação de ervas invasoras MANEJO DE ERVAS INVASORAS Evitar o aumento da infestação de ervas invasoras O manejo do solo é o melhor procedimento para reduzir as ervas invasoras. O objetivo do manejo integrado de plantas invasoras

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO EXPERIÊNCIAS DA MONSANTO DO BRASIL MARCIO SCALÉA ABRIL 2007 Manejo Genética Alimentação Sanidade GENÉTICA M A N E J O ALIMENTAÇÃO S A N I D A D E FASE PRODUTIVA

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC)

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Bioenergia: energia renovável recicla o CO 2 E + CO 2 + H 2 O CO 2 + H 2 O Fotossíntese

Leia mais

PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14

PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14 PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14 Pergunta fundamental 1 Quanto custa produzir um quilo de carne????????? Pergunta fundamental 2 O que produz o pecuarista?

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AOS POLOS TECNOLÓGICOS

PROGRAMA DE APOIO AOS POLOS TECNOLÓGICOS PROGRAMA DE APOIO AOS POLOS TECNOLÓGICOS UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Polo tecnológico dos Campos de Cima da Serra Xº RELATÓRIO TÉCNICO Implementação de uma Vitrine Tecnológica para os Campos de Cima

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

GRUPO X 3 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO X 3 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 27/10/2010 PROVA GRUPO GRUPO X 3 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANTIO DIRETO E DO PLANTIO CONVENCIONAL E AS SUAS RELAÇÕES COM O MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO

A IMPORTÂNCIA DO PLANTIO DIRETO E DO PLANTIO CONVENCIONAL E AS SUAS RELAÇÕES COM O MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO A IMPORTÂNCIA DO PLANTIO DIRETO E DO PLANTIO CONVENCIONAL E AS SUAS RELAÇÕES COM O MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO Admir Bortoleti Junior (Discente do Curso de Agronomia/AEMS) Luiz Gustavo Gonçalves (Discente

Leia mais

Integração Lavoura-Pecuária-ILP

Integração Lavoura-Pecuária-ILP Integração Lavoura-Pecuária-ILP Evolução da Produção e da Área Plantada de Grãos - Brasil 144,1 149,0 131,8 135,1 123,2 119,1 114,7 122,5 PRODUÇÃO (milhões de t) +157,3% = 4,8% aa 100,3 96,8 68,4 68,3

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

Controle Plantas Infestantes

Controle Plantas Infestantes Controle de Plantas Infestantes ',' Domingo Haroldo R. C. Reinhardt Francisco Alissonda Silva Xavier Aristóteles Pires de Matos Getúlio Augusto Pinto da Cunha 118 Quais são os problemas provocados pelas

Leia mais

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins ? O QUE É O SOLO? É um meio natural, limitado, que tem origem na desagregação do material originário ou rocha-mãe, através de um processo designado

Leia mais

Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA

Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA 413 Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA Maria Isabel Cacimiro Xavier Estudante de Graduação em Gestão Ambiental, IFPB,

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

Código de Conduta Módulo Café

Código de Conduta Módulo Café Código de Conduta Módulo Café Versão 1.1 www.utzcertified.org 1 Cópias e traduções deste documento estão disponíveis em formato eletrônico no site da UTZ Certified: www.utzcertified.org Este documento

Leia mais

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA Por meio do Projeto de Georreferenciamento e Diagnóstico das Nascentes de Sorocaba, a equipe da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SEMA) selecionou a Nascente

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes 1. O que é DERIVA? DERIVA é o deslocamento horizontal que sofrem as gotas desde o seu ponto de lançamento até atingirem o seu

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 COMO: CULTIVAR SEU PRÓPRIO FERTILIZANTE E TAMBÉM ADQUIRIR FORRAGEM PARA ANIMAIS E LENHA. www.gaia-movement.

O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 COMO: CULTIVAR SEU PRÓPRIO FERTILIZANTE E TAMBÉM ADQUIRIR FORRAGEM PARA ANIMAIS E LENHA. www.gaia-movement. O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 Depois da colheita os galhos cortados são usados para cobrir a terra. Isto protege contra erosão, guarda a humidade e melhora a terra com matéria orgânica, assim que segura

Leia mais

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. (parte 1)

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. (parte 1) 6 Sistemas de irrigação (parte 1) 6.1 Considerações iniciais Aplicação artificial de água ao solo, em quantidades adequadas, visando proporcionar a umidade necessária ao desenvolvimento das plantas nele

Leia mais

193 - TRABALHOS COM HORTAS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE DIONÍSIO CERQUEIRA, SC

193 - TRABALHOS COM HORTAS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE DIONÍSIO CERQUEIRA, SC Sociedade e Natureza Monferrer RESUMO 193 - TRABALHOS COM HORTAS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE DIONÍSIO CERQUEIRA, SC Fabia Tonini 1 ; Andréia Tecchio 2 O espaço Horta Escolar pode ser utilizado como meio

Leia mais

Comportamento e Destino Ambiental de. Produtos Fitossanitários 18/09/2015. Produtos Fitossanitários

Comportamento e Destino Ambiental de. Produtos Fitossanitários 18/09/2015. Produtos Fitossanitários 2015 Comportamento e Destino Ambiental de Produtos Fitossanitários Claudio Spadotto, Ph.D. Pesquisador da Embrapa Gerente Geral da Embrapa Gestão Territorial Membro do Conselho Científico para Agricultura

Leia mais

RELATORIO QUANTITATIVO

RELATORIO QUANTITATIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA RELATORIO QUANTITATIVO PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA O Programa de Aquisição de Alimentos - PAA, tem como finalidades

Leia mais

Agrícola ISO 9001 OHSAS 18001 ISO 22000 ISO 14001

Agrícola ISO 9001 OHSAS 18001 ISO 22000 ISO 14001 Agrícola ISO 9001 OHSAS 18001 ISO 22000 ISO 14001 1 Tema: PREPARO REDUZIDO E PLANTIO DIRETO Local: Ribeirão Preto - SP Palestrante: Hilário 2 LOCALIZAÇÃO Latitude: 20º28 41 S UAM Longitude: 47º52 21 W

Leia mais

Elementos e Fatores de Diferenciação

Elementos e Fatores de Diferenciação VEGETAÇÃO Elementos e Fatores de Diferenciação VEGETAÇÃO E ZONEAMENTO CLIMÁTICO A interferência climática sobre a cobertura vegetal é um dos principais fatores que possibilitam uma pluralidade paisagística.

Leia mais

3 - Formulário de Levantamento dos Impactos Ambientais Potenciais (IAP).

3 - Formulário de Levantamento dos Impactos Ambientais Potenciais (IAP). 1 - FICHAS AMBIENTAIS ANEXO 13 FICHAS DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL (Esta ficha deve ser aplicada para todos os subprojetos e contempla o levantamento e demanda da área ambiental, inclusive os povos tradicionais

Leia mais