Palavras-chaves: Armadilhas de significação, Escrita, Imagem, Leitura, Tecnologias do Eu.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chaves: Armadilhas de significação, Escrita, Imagem, Leitura, Tecnologias do Eu."

Transcrição

1 A ESCRITA E A IMAGEM: A LEITURA DO EU EM SI MESMO Marinete Aparecida Martins Universidade de Sorocaba (UNISO) Sorocaba-SP. Maria Lucia de Amorim Soares Universidade de Sorocaba (UNISO) Sorocaba- SP. Resumo Este trabalho apresenta um conto, A Marmita, de Ítalo Calvino, sob um olhar foucaultiano. Marcovaldo, um operário pobre, através do seu almoço diário preparado pela mulher numa marmita, dialoga consigo mesmo através das tecnologias do eu ótica, discursiva, narrativa, jurídica e prática. Assim, ao ver-se, expressar-se, narrar-se, julgar-se e dominar-se, constitui-se como sujeito o eu em si mesmo, conscientizando situações que vão da fome à discriminação, já que a marmita contém as sobras da janta de ontem. Por conseqüência, faz um convite a pensar o mundo como experimentação, ao produzir nas conexões entre imagem e palavras escritas, armadilhas de significação. Palavras-chaves: Armadilhas de significação, Escrita, Imagem, Leitura, Tecnologias do Eu. Quebrando estratagemas Ao experimentarmos a leitura de um conto de Ítalo Calvino imbricado nas tecnologias do eu de Michel Foucault, tecnologias desenvolvidas em várias dimensões por Jorge Larrosa (1994), percebemos que a história ali constituída é a do próprio sujeito realizando certo número de operações sobre seu corpo e sua alma, pensamentos e conduta, obtendo assim uma transformação de si mesmo, com

2 o fim de alcançar um certo estado de felicidade (caso fosse possível), pureza, sabedoria. Rompendo com as questões filosóficas tradicionais, como: o que é o mundo? O que é o homem? O que é a verdade? O que é conhecimento? Marcovaldo, personagem de Calvino, em Marcovaldo ou as Estações na cidade (1999), analisa essas questões sobre uma outra forma de perguntar: o que somos nós em nossa atualidade? Logo fazendo diferir a questão da ética de outros pensadores, para isso usando o pensar de Foucault. Para Foucault a ética é o tipo de relação que é preciso ter consigo mesmo e que determina que o indivíduo se constitui a si mesmo como sujeito moral de suas próprias ações. Assim, ao produzirmos uma leitura do conto A Marmita, com base nas tecnologias do eu foucaultianas, buscamos traçar uma história das diferentes maneiras como o homem desenvolve um saber acerca de si mesmo, relacionando técnicas específicas utilizadas para entender-se a si mesmo quando se interpreta, julga-se, descreve-se, domina-se, narra-se, decifra-se e pune-se em sua própria subjetividade. As tecnologias do eu Larrosa (1994, p. 54) afirma que Foucault no segundo e terceiro volumes da História da Sexualidade, além de explorar a questão política, torna a problemática ética dominante e analisa meticulosamente práticas orientadas à manipulação da existência pessoal. Para Veiga Neto (2004, p. 99): No processo pelo qual nos transformamos de indivíduo em sujeito moral moderno, sempre estão atuando também as práticas divisórias que (...) são os elementos constituintes de outro eixo: o do ser-poder. O próprio Foucault (1984, p. 15) afirma que artes da existência, técnicas de si, tecnologias de si ou tecnologias do eu são práticas reflexivas e voluntárias através das quais os homens fixam sua conduta, se transformam e modificam seu singular e

3 fazem de sua vida uma obra que contém valores estéticos respondendo a critérios de estilo. Bujes (2002, p. 22) defende que as tecnologias da subjetividade, as tecnologias do eu, operam na constituição das pessoas de tal modo que a experiência de si é ensinada às crianças como novos membros de uma cultura, e que isso não se dá de modo aleatório. Entretanto é Larrosa (1994) quem distingui cinco dimensões fundamentais que constituem os dispositivos pedagógicos que produzem e mediam a experiência de si : a ótica, a discursiva, a jurídica, a narrativa e a prática, conforme a seguir: O desdobramento do sujeito (dimensão ótica ou ver-se): em um amplo sentido, a reflexão representa a reprodução de objetos em imagens de um espelho. Nesta conotação ótica, designa-se que é o modo como a pessoa tem algum conhecimento de si mesma, um auto-conhecimento que para ser possível requer uma exteriorização e objetivação da própria imagem no qual a pessoa vê-se a si mesma. A dicotomia entre o interior e exterior (dimensão discursiva ou expressar-se): a linguagem apresenta de forma continuada, representa e duplica em um meio exterior que já estava apresentado e visível no interior. Nesta dimensão discursiva constitui-se e estabelece-se o que a pessoa pode e deve dizer acerca si mesmo, afinal a linguagem apresenta aos outros o que já é presente na própria pessoa. A cisão entre o presente e o rastro do passado (dimensão narrativa ou narrarse): a narrativa compreende substancialmente os processos que estão relacionados com a ativação da memória, com a recordação, com o armazenamento, afinal aquilo que somos depende, em vasta parte das histórias que nos ligam temporalmente. Ao narrar-se o sujeito diz o que mantém do que viu em si mesmo. A lógica jurídica do dever (dimensão jurídica ou julgar-se): moralmente a construção e intervenção da experiência de si nos remetem ao juízo determinado pela lei, à norma e aos estilos. Assim, temos a constituição

4 concomitante do sujeito que julga um conjunto de critérios e um campo de aplicação o seja, este apenas se põe em reflexão quando está constituído por sua sujeição à lei, à norma e ao estilo. A crítica das práticas (dimensão prática ou praticar-se): consciente da lei, da norma e do valor o sujeito tem que fazer algo consigo mesmo, desvencilhando o poder que é a ação sobre as possíveis ações. Ademais, a dimensão prática tem como certo a busca do domínio do sujeito por si mesmo. O Conto: A Marmita Os prazeres daquele recipiente redondo e achatado conhecido como marmita consistem antes de mais nada no fato de ele ser desatarraxável. Já o movimento de desatarraxar a tampa dá água na boca, especialmente quando não se sabe o que há dentro, porque é a esposa quem lhe prepara a marmita todas as manhãs, por exemplo. Destampada a marmita, vê-se a comida ali socada: lingüiças e lentilhas, ou ovos duros e beterrabas, ou então polenta e bacalhau, tudo bem arrumado naquela área de circunferência como os continentes e os mares nos mapas-múndi, e mesmo quando é pouca coisa produz o efeito de algo substancial e compacto. A tampa, uma vez desatarraxada, serve de prato, e assim se obtém dois recipientes e se pode começar a dividir o conteúdo. O carregador Marcovaldo, desatarraxada a marmita e rapidamente aspirado o perfume, pega os talheres que traz sempre no bolso, embrulhados, desde quando almoça de marmita em vez de voltar para casa. Os primeiros golpes do garfo servem para despertar um pouco aquelas comidas entorpecidas, dar a relevância e a atração de um prato recém-servido na mesa àqueles alimentos que ficaram ali amontoados tantas horas. Então se começa a ver que a comida é pouca e se pensa: É melhor comer devagar, mas já foram levadas à boca, velozes e famélicas, as primeiras garfadas. O primeiro gosto é o da tristeza da comida fria, mas logo recomeçam os prazeres, reencontrando-se os sabores da mesa familiar, transportados para um cenário insólito. Agora, Marcovaldo começou a mastigar

5 lentamente: está sentado no banco de uma alameda, perto do lugar onde trabalha; como sua casa fica longe e, para ir lá ao meio-dia, perde tempo e furos nos bilhetes do bonde, ele carrega o almoço na marmita, comprada de propósito, e come ao ar livre, observando quem passa, e depois bebe água numa fonte. Se é outono e faz sol, escolhe os lugares onde chegam alguns raios; as folhas vermelhas e brilhantes que caem das árvores servem de guardanapo; as cascas do salame vão para os cachorros vagabundos que não demoram a se tornar amigos dele; e das migalhas de pão se encarregam os pássaros, numa hora em que a alameda estiver deserta. Enquanto come, pensa: Por que me dá prazer reencontrar aqui o sabor da comida de minha mulher, mas em casa, entre brigas, choros, dívidas que surgem a cada conversa, não consigo aprecia-la?. E depois pensa: Agora me lembro, isso é o que sobrou da janta de ontem. E é de novo tomado pelo descontentamento, talvez porque tenha de almoçar os restos, frios e meio rançosos, talvez porque o alumínio da marmita passe um sabor metálico aos alimentos, mas o pensamento que lhe ocupa a cabeça é: Mas não é que a lembrança de Domitilla consegue estragar até as refeições longe dela?. Nisso percebe que está quase no fim, e de novo lhe parece que aquele prato é algo de muito saboroso e raro, e come com entusiasmo e devoção os últimos restos do fundo da marmita, aqueles que têm mais gosto de metal. Depois, contemplando o recipiente vazio e gorduroso, é outra vez tomado pela tristeza. Então embrulha e guarda tudo, levanta-se, ainda é cedo para voltar ao trabalho, nos grandes bolsos do casaco os talheres batucam contra a marmita vazia. Marcovaldo dirige-se a um botequim e pede um copo de vinho cheio até em cima; ou então vai a um café e saboreia uma xicrinha; depois olha os doces na vitrine, as caixas de balas e torrões, se convence de que não é exatamente aquilo que deseja, que não quer nada, observa por um momento o futebol totó para convencer-se de que pretende enganar o tempo e não o apetite. Volta para a rua. Os bondes estão novamente cheios, já é quase hora de recomeçar o trabalho; e ele se prepara. Acontece que a mulher, Domitilla, por decisão própria, comprou uma grande quantidade de lingüiça. E, durante três noite seguidas, Marcovaldo teve de jantar lingüiça e nabo. Mas aquela lingüiça deveria ser de cachorro; só o

6 cheiro bastava para tirar-lhe o apetite. Quanto ao nabo, essa hortaliça pálida e escorregadia, era o único vegetal que Marcovaldo jamais suportara. Ao meio-dia, de novo: a mesma lingüiça e nabo frio e gorduroso na marmita. Desligado como era, desatarraxava sempre a tampa com curiosidade e gula, sem se lembrar o que havia comido na noite anterior, e todo dia era a mesma desilusão. No quarto dia, espetou o garfo lá dentro, farejou mais uma vez, ergueu-se do banco e, segurando a marmita aberta na mão, encaminhou-se distraidamente pela alameda. Os transeuntes viam aquele homem passando com um garfo numa das mãos e um recipiente com lingüiça na outra, e não se decidindo a levar à boca a primeira garfada. De uma janela, um menino disse: Ei, você ai! Marcovaldo levantou os olhos. No segundo andar de uma rica mansão, um menino estava com os cotovelos apoiados no parapeito, onde havia um prato. Ei, você! O que está comendo? Lingüiça e nabo! Felizardo! disse o menino. Hum... resmungou Marcovaldo, vagamente. Imagine que sou obrigado a comer fritada de miolos... Marcovaldo examinou o prato no parapeito. Havia uma fritada de miolos macios e encrespados como cúmulos. As narinas dele vibraram. Por que, você não gosta de miolos...? perguntou à criança. Não, me deixaram aqui de castigo porque não quero comer. Mas vou jogar tudo pela janela. E de lingüiça, você gosta? Ah, sim, parece uma lombriga... Em nossa casa nunca se come lingüiça... Então você me dá o seu prato e eu lhe dou o meu. Viva! O menino ficou todo contente. Ofereceu ao homem o seu prato de porcelana com um garfo de prata lavrada, e o homem lhe deu a marmita com o garfo de estanho. E assim os dois começaram a comer: o menino no parapeito e Marcovaldo sentado num banco ali em frente, um e outro lambendo os lábios e dizendo que nunca tinham provado coisa tão boa. Mas de repente, por trás do menino aparece uma governanta com as mãos na cintura.

7 Senhorzinho! Meu Deus! O que está comendo? Lingüiça! exclama o menino. E quem foi que lhe deu isso? Aquele homem ali. E apontou para Marcovaldo, que interrompeu sua lenta e diligente mastigação de um bocado de miolo. Cuspa tudo! Era só o que faltava! Cuspa tudo! Mas é tão boa... E o seu prato? O garfo? Estão com aquele homem... E apontou de novo para Marcovaldo, que mantinha o garfo no ar, com um pedaço de miolo mordido espetado. Ela se pôs a gritar: Ladrão! Ladrão! Os talheres! Marcovaldo se levantou, olhou ainda por um momento a fritada deixada pela metade, aproximou-se da janela, pousou prato e garfo no parapeito, fixou a governanta com desdém e se afastou. Ouviu a marmita rolar pela calçada, o choro do menino, a batida da janela que foi fechada com maus modos. Inclinou-se para recolher a marmita e a tampa. Estavam um pouco amassadas; a tampa não fechava bem. Enfiou tudo no bolso e foi para o trabalho. (CALVINO, 1999, p ) Marcovaldo e sua marmita, Foucault e Larossa Advoga Larrosa (1994, p. 57) que: o ser humano, na medida em que mantém uma relação reflexiva consigo mesmo, não é senão o resultado dos mecanismos nos quais essa relação se produz e se medeia. Assim, ao perpetrarmos uma leitura do conto de Calvino com o texto-base que Larrosa desenvolve sobre as tecnologias do eu de Foucault, deparamo-nos com Marcovaldo, um carregador que vive em conflito familiar e se vê obrigado a enfrentar situações que vão da fome à discriminação, vivenciando algumas das tecnologias de si, através de reflexões que o personagem faz do seu cotidiano. Sua vida inusitada tem como ponto de partida, no conto em questão, seu almoço, refeição desconfortável colonizada pelo tempo e pelo espaço capitalista.

8 Ao colocar-se fora de si para dialogar consigo mesmo, questiona-se sobre seu eu encontrando-se nas dimensões óptica e jurídica. Com o desdobramento do sujeito, na dimensão ótica Marcovaldo tem a possibilidade de voltar-se para o seu interior e dele extrair a compreensão do que é. Na lógica jurídica, a do dever, Marcovaldo toma consciência da norma e do estilo da própria vida. Observemos o trecho a seguir: Porque me dá prazer reencontrar aqui o sabor da comida da minha mulher, mas em casa, entre brigas, choros, dívidas que surgem a cada conversa, não consigo apreciá-la... Mas não é que Domitilla consegue estragar até as refeições longe dela? (Calvino, 1999, p. 42) O exame do pensamento de Marcovaldo leva-nos à dimensão óptica porque me dá prazer reencontrar aqui o sabor da comida da minha mulher... Agora me lembro, isso é o que sobrou da janta de ontem e a jurídica mas não é que Domitilla consegue estragar até as refeições longe dela, intrinsecamente ligadas. Torna-se possível, portanto, desvelarmos através das tecnologias do eu, propostas por Foucault, apesar de brevemente, não só a análise, mas a constituição do sujeito como sujeito. Para aceder à verdade é suficiente Marcovaldo ver o que é evidente: as coisas da vida não têm significação, têm existência, e por serem concretas apresentam-se medíocres. A conexão se finda Pretendemos ao longo deste pequeno ensaio apresentar uma alternativa de leitura, uma entre tantas outras possíveis, que nos permitisse desvelar em um conto do escritor italiano Ítalo Calvino as tecnologias do eu propostas por Foucault, com a assessoria pedagógica de Larrosa. Ao comungar com a afirmação larrosiana (1994, p. 82) de que o sujeito não se vê sem ser ao mesmo tempo visto, não se diz sem ser ao mesmo tempo dito, não se julga sem ser ao mesmo tempo julgado e não se domina sem ser ao mesmo tempo dominado, afirmamos que a experiência de si, se constituindo no interior de aparatos que produzem a verdade, de

9 mecanismos que levam à submissão às leis, de formas de auto-afeição em que o próprio sujeito aprende a participar expondo-se a olhares, em enunciados, em narrações, em juízos e em afeições alheias. Ao comungar com a proposta foucaultina de que o mundo é uma experimentação, dispositivo que nos permite alcançar a história da nossa própria verdade, afirmamos que nos conhecer é um ato perigoso, com armadilhas de significação. Referências bibliográficas Bujes, Maria Isabel Edelweiss. A invenção do eu infantil: dispositivos pedagógicos infantis. Revista Brasileira de Educação, nº 21, set/out/nov/dez Disponível em: Calvino, Ítalo. Marcovaldo ou as Estações na cidade. São Paulo: Cia das Letras, Foucault, Michel. A história da sexualidade O uso dos prazeres. 7 ed. Rio de Janeiro: Graal, LARROSA, Jorge. Tecnologias do Eu e Educação. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. O sujeito da educação Estudos foucautianos. Petrópolis: Vozes, 1994, p VEIGA NETO, José Alfredo da. Foucault & a educação. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

O EU PROFESSORA QUE ENSINA MATEMÁTICA: CONSTITUINDO A DOCENCIA ATRAVÉS DE NARRATIVAS.

O EU PROFESSORA QUE ENSINA MATEMÁTICA: CONSTITUINDO A DOCENCIA ATRAVÉS DE NARRATIVAS. O EU PROFESSORA QUE ENSINA MATEMÁTICA: CONSTITUINDO A DOCENCIA ATRAVÉS DE NARRATIVAS. Suelen Assunção Santos CESUCA (Faculdade Inedi) suelenassuncao@yahoo.com.br Samuel Edmundo López Bello Universidade

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

A FORMA EDUCANDO COMO EXPERIÊNCIA DE SI: UM ESTUDO DA SUBJETIVIDADE SOB A PERSPECTIVA DE MICHEL FOUCAULT

A FORMA EDUCANDO COMO EXPERIÊNCIA DE SI: UM ESTUDO DA SUBJETIVIDADE SOB A PERSPECTIVA DE MICHEL FOUCAULT 1 A FORMA EDUCANDO COMO EXPERIÊNCIA DE SI: UM ESTUDO DA SUBJETIVIDADE SOB A PERSPECTIVA DE MICHEL FOUCAULT RAMOS, Douglas Rossi 1 ; CARDOSO JR, Hélio Rebello; ROCHA, Luiz Carlos da (Universidade Estadual

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM Introdução O artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 9.394/96) determina que

Leia mais

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa FIM DE SEMANA Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa CENA 1 EXTERIOR / REUNIÃO FAMILIAR (VÍDEOS) LOCUTOR Depois de uma longa semana de serviço, cansaço, demoradas viagens de ônibus lotados...

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Outubro 2013

Atividades Pedagógicas. Outubro 2013 Atividades Pedagógicas Outubro 2013 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Labirinto de vidro 2013 Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 43 Início e fim? Um silêncio denso

Leia mais

APOCALIP-SE. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 2ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

APOCALIP-SE. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 2ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r APOCALIP-SE Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 2ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r APOCALIP-SE Ser humano não é ser uma pessoa, ser humano é ser um aluno. Aluno de que e de quem?

Leia mais

E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha

E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha um verde que saía da metade do casco e se espalhava manso até a beirada. Viviam dizendo que ela era lerda, preguiçosa até. É preciso reconhecer

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

David pensou que o pai, às vezes, dizia coisas raras, estranhas. A mãe suspirou fundo ao enfiar de novo a agulha.

David pensou que o pai, às vezes, dizia coisas raras, estranhas. A mãe suspirou fundo ao enfiar de novo a agulha. ESTRELAS DE NATAL David acordou. O pai tinha aberto a janela e estava a olhar para as estrelas. Suspirava. David aproximou-se. Ouviu novo suspiro. O que tens, pai? perguntou. O pai pôs-lhe as mãos nos

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

O PENSAMENTO DE FOUCAULT E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO *

O PENSAMENTO DE FOUCAULT E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO * O PENSAMENTO DE FOUCAULT E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO * ANTONIO FLAVIO BARBOSA MOREIRA ** ão é tarefa fácil resumir, de modo simples, claro, preciso e rigoroso, o pensamento de um autor de textos

Leia mais

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Comunicação Espiritual J. C. P. Novembro de 2009 Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Resumo: Trata-se de uma comunicação pessoal de um amigo do grupo

Leia mais

Comprovação dos índices de refração

Comprovação dos índices de refração Comprovação dos índices de refração 1 recipiente de vidro; 1 bastão de vidro, e Glicerina. 1. Encha até a metade o recipiente com glicerina, depois basta afundar o bastão de vidro na glicerina e pronto!

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

SEGREDO NO CAIR DA TARDE

SEGREDO NO CAIR DA TARDE SEGREDO NO CAIR DA TARDE Ele chegou a galope, num alazão que eu não conhecia. Depois o alazão ergueu-se em duas patas e desapareceu e meu irmão também desapareceu. Fazia tempo que eu o chamava e ele não

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil Sugestão: estes exercícios devem ser feitos depois de estudar a Unidade 11 por

Leia mais

Assim caminha a luz. Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem. Em linha reta...

Assim caminha a luz. Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem. Em linha reta... A UU L AL A Assim caminha a luz Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem para dar uma volta. - Olha, pai, como a Lua está grande! - diz Ernesto. - É, aparentemente isso é verdade. Mas pegue essa moeda

Leia mais

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons.

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons. Olá, você esta acessando um dos materiais vencedores no concurso InternÉtica 2011, realizado pela SaferNet Brasil e o Instituto Childhood Brasil. Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet

Leia mais

CASA DE FAMÍLIA intervenção dos Vira-Latas sob o signo do sangue a ser realizada na Praça da Matriz / Largo da Freguesia do Ó

CASA DE FAMÍLIA intervenção dos Vira-Latas sob o signo do sangue a ser realizada na Praça da Matriz / Largo da Freguesia do Ó CASA DE FAMÍLIA intervenção dos Vira-Latas sob o signo do sangue a ser realizada na Praça da Matriz / Largo da Freguesia do Ó Uma sala de jantar de uma casa. A mesa está coberta com toalha vermelha. Cadeiras,

Leia mais

Contando os Pontos Números Binários

Contando os Pontos Números Binários Atividade 1 Contando os Pontos Números Binários Sumário Os dados são armazenados em computadores e transmitidos como uma série de zeros e uns. Como podemos representar palavras e números usando apenas

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA

O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA C. S. LEWIS O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA ILUSTRAÇÕES DE PAULINE BAYNES Martins Fontes São Paulo 1997 CAPÍTULO I Uma estranha descoberta ERA uma vez duas meninas e dois meninos: Susana, Lúcia,

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Olhos nos olhos. Qual é o impacto da utilização da videoconferência no processo penal e a interferência dessa medida no trabalho do advogado?

Olhos nos olhos. Qual é o impacto da utilização da videoconferência no processo penal e a interferência dessa medida no trabalho do advogado? Olhos nos olhos Se o interrogatório O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, atua em Brasília há 30 anos e é um dos mais respeitados criminalistas do país. Tendo a liberdade como fator preponderante

Leia mais

LITERATURA COM CRIATIVIDADE....Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao Senhor? 1 Crônicas 29.

LITERATURA COM CRIATIVIDADE....Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao Senhor? 1 Crônicas 29. 1. APRESENTAÇÃO PESSOAL LITERATURA COM CRIATIVIDADE...Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao Senhor? 1 Crônicas 29.5 2. OBJETIVO Transformar vidas ensinando

Leia mais

Dicas Para Emagrecer com Saúde

Dicas Para Emagrecer com Saúde 2011 www.blog.vivaplenamente.com Página 1 DIREITOS DE DISTRIBUIÇÃO Você pode distribuir este e-book livremente, assim como presenteá-lo a través do seu site ou blog aos seus visitantes e clientes. A única

Leia mais

IDENTIDADES, HISTÓRIAS E MEMÓRIA

IDENTIDADES, HISTÓRIAS E MEMÓRIA 1 Julinete Vieira Castelo Branco (UFPI) GT 11 História, Memória e Educação IDENTIDADES, HISTÓRIAS E MEMÓRIA Este estudo pretende despertar algumas reflexões, acerca da discussão atual sobre as formas de

Leia mais

Carta do Chefe índio Seattle ao Grande Chefe de Washington, Franklin Pierce, em 1854, em resposta à proposta do Governo norte-americano de comprar grande parte das terras da sua tribo Duwamish, oferecendo

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

Perdão. Fase 7 - Pintura

Perdão. Fase 7 - Pintura SERM7.QXD 3/15/2006 11:18 PM Page 1 Fase 7 - Pintura Sexta 19/05 Perdão Porque, se vocês perdoarem as pessoas que ofenderem vocês, o Pai de vocês, que está no Céu também perdoará vocês. Mas, se não perdoarem

Leia mais

Como uma onda no mar...

Como uma onda no mar... Como uma onda no mar... A UU L AL A Certa vez a turma passou férias numa pequena cidade do litoral. Maristela costumava ficar horas a fio admirando a imensidão azul do mar, refletindo sobre coisas da vida

Leia mais

FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR INTRODUÇÃO

FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR INTRODUÇÃO FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR Palara-chave: conceitos da criança, pedagogia Nerli Nonato Ribeiro Mori Nara Cristina Miranda Universidade Estadual de Maringá INTRODUÇÃO

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

Romance familiar poesia familiar

Romance familiar poesia familiar Romance familiar poesia familiar Em busca de imagens para uma apresentação, dou com a foto, feita em estúdio, de um garoto de 11 anos de idade chamado Walter Benjamin (1892-1940). Serve de ilustração a

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães 2 No dia em que Iracema e Lipe voltaram para visitar a Gê, estava o maior rebuliço no hospital. As duas crianças ficaram logo

Leia mais

QUESTÃO 1 Leia a tirinha a seguir:

QUESTÃO 1 Leia a tirinha a seguir: Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 6 Ọ ANO EM 2012 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: QUESTÃO 1 Leia a tirinha a seguir: No último quadrinho, Calvin constata

Leia mais

ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA

ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA 1 Mês: Sucção vigorosa Levanta a cabeça e rasteja as pernas, se deitado de frente Sustenta a cabeça momentaneamente Preensão de objetos que vão à mão Aquieta-se com

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

Desenvolvimento Eixo movimento - crianças de 4 a 8 meses. Objetivos Dimensões Atividades Material Indicador. Reconhecimento progressivo de segmentos

Desenvolvimento Eixo movimento - crianças de 4 a 8 meses. Objetivos Dimensões Atividades Material Indicador. Reconhecimento progressivo de segmentos Desenvolvimento Eixo movimento - de 4 a 8 meses. Objetivos Dimensões Atividades Material Indicador. Reconhecimento progressivo de segmentos Papel laminado. Espelho de parede. e elementos do próprio Almofadas.

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 CINDERELA 3 CINDERELA Cinderela era uma moça muito bonita, boa, inteligente e triste. Os pais tinham morrido e ela morava num castelo. A dona do castelo era uma mulher

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Detetive por acaso. Comédia de Pedro Bandeira

Detetive por acaso. Comédia de Pedro Bandeira Detetive por acaso Comédia de Bandeira Personagens: Malasartes,, Detetive Policial da Capital Federal, do Valoverde, 1 o Criado, 2 o Criado, Cozinheiro Cena 1 Cenário: Uma árvore recortada em compensado

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

INTRODUÇÃO: SOBRE A INFÂNCIA HOJE

INTRODUÇÃO: SOBRE A INFÂNCIA HOJE INTRODUÇÃO: SOBRE A INFÂNCIA HOJE Num dia desses, na internet, olhando pequenos filmes de crianças brincando, deparamo-nos com uma infinidade de possibilidades. Encontramos o menino Maurício, brincando

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades: OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL V - 2012 A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito

Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito Autor: Regis Mesquita Blog Nascer Várias Vezes - http://www.nascervariasvezes.com/ "Não ser autêntico é uma forma de evitar aquilo

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

UM SOL ALARANJADO. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas. Amanhece, e pessoas começam a sair das casas.

UM SOL ALARANJADO. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas. Amanhece, e pessoas começam a sair das casas. SEQUÊNCIA 1 - EXTERIOR - DIA VILA UM SOL ALARANJADO Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas.

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

UM SOL ALARANJADO. Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA QUARTO

UM SOL ALARANJADO. Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA QUARTO SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA UM SOL ALARANJADO Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. Por uma janela, vemos o sol nascendo ao fundo de uma série de casas

Leia mais

imediato, a magia (o âmbito da comunhão) da participação onde se tem a distância.

imediato, a magia (o âmbito da comunhão) da participação onde se tem a distância. A CRIANÇA EM WALTER BENJAMIN E FLORESTAN FERNANDES FLORES, Zilá Gomes de Moraes - UNIJUÍ GT: Educação de Crianças de 0 a 6 anos/ n.07 Agência Financiadora: Não contou com financiamento. Na atualidade muitos

Leia mais

Bang, Bang 2008. VOZ A (masculina) BANG! Chega disso. Tic-tac-tic-tac.

Bang, Bang 2008. VOZ A (masculina) BANG! Chega disso. Tic-tac-tic-tac. Bang, Bang 2008 Texto de Nuno Ramos reproduzido por alto-falante: (masculina) BANG! Chega disso. Tic-tac-tic-tac. VOZ B (feminina) Domingo, 27 de janeiro de dois mil e lá vai pedrada. BOA NOITE. Está começando.

Leia mais

O QUE É A FILOSOFIA? DA CRIAÇÃO CONCEITUAL AO APRENDER 1

O QUE É A FILOSOFIA? DA CRIAÇÃO CONCEITUAL AO APRENDER 1 O QUE É A FILOSOFIA? DA CRIAÇÃO CONCEITUAL AO APRENDER 1 Jurandir Goulart Soares 2 Salvador Leandro Barbosa 3 Resumo: O presente trabalho pretende apontar a partir da contribuição dos filósofos franceses

Leia mais

O SESC em Santa Catarina

O SESC em Santa Catarina O SESC em Santa Catarina Doutor Roulf e os seus dentes Agora uma última dica: Olá meus amigos! Sou o Dr. Roulf. O flúor protege nossos dentes - ele está presente na água e no creme dental. Você também

Leia mais

Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes.

Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes. I Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes. Três vezes. A última foi no dia da execução. Eu não

Leia mais

A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES

A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES JOGO EURO RUN www.novas-notas-de-euro.eu A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES A Ana e o Alex são da mesma turma e amigos inseparáveis. Estão sempre a viver aventuras incríveis e hoje não é exceção.

Leia mais

A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES

A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES JOGO EURO RUN www.novas-notas-de-euro.eu A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES - 2 - A Ana e o Alex são da mesma turma e amigos inseparáveis. Estão sempre a viver aventuras incríveis e hoje não é exceção.

Leia mais

COLACIO. J SLIDES APRESENTA

COLACIO. J SLIDES APRESENTA COLACIO. J SLIDES APRESENTA A LIÇÃO RECEBIDO POR E-MAIL DESCONHEÇO A AUTORIA DO TEXTO: CASO VOCÊ CONHEÇA O AUTOR, ENTRE EM CONTATO QUE LHE DAREI OS DEVIDOS CRÉDITOS Éramos a única família no restaurante

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

BRASIL. Edição especial para distribuição gratuita pela Internet, através da Virtualbooks, com autorização do Autor.

BRASIL. Edição especial para distribuição gratuita pela Internet, através da Virtualbooks, com autorização do Autor. 1 BRASIL Fernando Ribeiro Alves Edição especial para distribuição gratuita pela Internet, através da Virtualbooks, com autorização do Autor. O Autor gostaria imensamente de receber um e-mail de você com

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2

UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2 UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Silvia de Souza acadêmica 3º ano Pedagogia UNICENTRO 1 Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2 RESUMO: Este artigo dialogou com

Leia mais

Histórias em Sequência

Histórias em Sequência Histórias em Sequência Objetivo Geral Através das histórias em sequência fazer com que os alunos trabalhem com a oralidade, escrita, causalidade e vivências pessoais. Objetivos Específicos Trabalho envolvendo

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

O Boneco de Neve Bonifácio e o Presente de Natal Perfeito

O Boneco de Neve Bonifácio e o Presente de Natal Perfeito O Boneco de Neve Bonifácio e o Presente de Natal Perfeito Era uma vez um boneco de neve chamado Bonifácio, que vivia numa terra distante onde fazia muito frio. Ele era um boneco especial, porque podia

Leia mais

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai.

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai. Conto de Natal Já um ano havia passado desde o último Natal. Timóteo estava em pulgas para que chegasse o deste ano. Menino com cara doce, uma tenra idade de 10 aninhos, pobre, usava roupas ou melhor,

Leia mais

Como Vemos as Coisas? Uma proposta para o ensino de Óptica e Visão no Ensino Fundamental

Como Vemos as Coisas? Uma proposta para o ensino de Óptica e Visão no Ensino Fundamental Como Vemos as Coisas? Uma proposta para o ensino de Óptica e Visão no Ensino Fundamental Valéria Rangel Soares Uma pergunta antiga que desde a Antiguidade despertou a curiosidade do homem. Como Vemos as

Leia mais

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho alternativo, onde encontra com um sujeito estranho.

Leia mais

CRIANÇAS DIALOGAM COM O TEXTO LITERÁRIO

CRIANÇAS DIALOGAM COM O TEXTO LITERÁRIO 16º CONGRESSO DE LEITURA DO BRASIL WILLIANA PEREIRA SALDANHA CRIANÇAS DIALOGAM COM O TEXTO LITERÁRIO Comunicação oral apresentada no 16ºCOLE, vinculada ao seminário 02- X Seminário sobre Biblioteca no

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO IV A GRUPO IV B GRUPO IV C GRUPO IV

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Meu pássaro de papel

Meu pássaro de papel ALUNO (A): ANO: 3º TURMA: (A) (C) PROFESSOR (A): VALOR DA AVALIAÇÃO: 40 pontos DATA: CENTRO EDUCACIONAL SAGRADA FAMÍLIA 22 / 08 / 2013 TRIMESTRE: 2º NOTA: COMPONENTE CURRICULAR: LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO

Leia mais

Centro de Desenvolvimento Infantil Estimulopraxis

Centro de Desenvolvimento Infantil Estimulopraxis Centro de Desenvolvimento Infantil Estimulopraxis Janeiro de 2013 Este documento tem como objectivo ajudar as pessoas mais próximas do GB a complementar o trabalho executado ao longo das sessões de Reabilitação

Leia mais

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa O GIGANTE EGOÍSTA Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa Todas as tardes, quando vinham da escola, as crianças costumavam ir brincar para o jardim do Gigante. Era um grande e belo jardim, todo atapetado

Leia mais

O PROTOCOLO BÁSICO PARA OCASIÕES FORMAIS

O PROTOCOLO BÁSICO PARA OCASIÕES FORMAIS O PROTOCOLO BÁSICO PARA OCASIÕES FORMAIS Janeiro de 2001 O PROTOCOLO BÁSICO PARA OCASIÕES FORMAIS 1) Saber que o pão se corta sempre com as mãos, que um homem não se deve sentar até que todas as mulheres

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

Porque evitar o "NÃO" e a linguagem negativa. M. H. Lorentz

Porque evitar o NÃO e a linguagem negativa. M. H. Lorentz Porque evitar o "NÃO" e a linguagem negativa. M. H. Lorentz A linguagem tem por objetivo a comunicação entre os seres humanos, portanto quanto mais precisa for a linguagem, melhor será o resultado de nossa

Leia mais

O alimento enquanto tática e estratégia 1

O alimento enquanto tática e estratégia 1 O alimento enquanto tática e estratégia 1 Autora: Beatrice Corrêa de Oliveira Gonçalves Mestranda do Programa de Pósgraduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Resumo:

Leia mais

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra feita de carne fria musgosa e invasiva, salpicada de verde e branco. A princípio não o vi, mas depois encostei a cara ao vidro e tentei ficar mais

Leia mais

Peça de Teatro Sinopse Argumento

Peça de Teatro Sinopse Argumento 1 Peça de Teatro Sinopse Duas crianças da comunidade...(comunidade local onde será encenada a peça) se encontram, conversam à respeito de limpar a rua e ser útil de alguma forma para o meio em que habitam.

Leia mais