Alimentos Transgênicos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alimentos Transgênicos"

Transcrição

1 Alimentos Transgênicos Daiany Fiorati 1, Fernanda Garcia 1, Giovana Colombo 1, Juliana Nonose 1, Luciana Osaku 1, Mariana Dalose 1, Renata Nonose 1, Renato Pinheiro 1, Tatiana Giovanini 1, Letícia Feitoza 2, Thaís Collet 2, Vanessa Gaspar 2, Dulcinéia Gianotto 3 1. Alunos do Ensino Médio do Colégio Platão 2. Acadêmicas do Curso de Ciências Biológicas da Universidade Estadual de Maringá 3. Professora da Disciplina de Prática de Ensino da Universidade Estadual de Maringá INTRODUÇÃO A modificação genética de plantas e animais (produção de organismos transgênicos) é uma prática quase tão antiga quanto a civilização. O homem tem selecionado aquelas que lhes são úteis ou interessantes e, por meio dos esquemas de cruzamento, essas características têm sido preservadas e estabelecidas. Entretanto grande parte da população desconhece esse processo, assim como o que são os benefícios e malefícios por ele causado. Transgênico é qualquer organismo que tenha sido modificado geneticamente de acordo com os métodos da engenharia genética introduzindo a um organismo, uma ou mais seqüências de DNA originados de uma outra espécie, ou até mesmo a seqüência modificada do DNA da mesma espécie. Em geral, são vários os motivos dessa manipulação nos genes dos organismos. Como primeiro exemplo pode ser citado o aumento do valor bioquímico, acrescentando nutrientes que antes não estavam presentes. Como segundo exemplo a eliminação do uso de agrotóxicos, adicionando toxinas que matam os predadores.

2 A modificação genética é defendida e atacada com igual ferocidade. Defensores afirmam que a técnica é segura e que será possível produzir alimentos mais baratos e mais nutritivos, como é o caso do arroz dourado e da alface com vacinas para a prevenção de doenças. Seu cultivo será mais eficiente do que o convencional, aumentando a produção agrícola do planeta, e para os mais otimistas, esta poderia ser a solução para abastecer a crescente população mundial. Já os opositores afirmam que a técnica ainda não é conhecida o suficiente para ser aplicada em grande quantidade e para o consumo humano. Há riscos de superpragas onde a quantidade exagerada de veneno no organismo transgênico pode, teoricamente, criar ervas daninhas e insetos extremamente resistentes, que não poderiam mais ser combatidos pelos agrotóxicos comuns. Há ainda riscos de alergias que podem ser causadas pelas diversas substâncias as quais são tóxicas ao homem, produzidas pelas plantas para se defender de agressores. Outro problema seria a polinização cruzada com plantas nativas, o gene exterminador pode ser levado pelo vento junto com os grãos de pólen e fecundar as flores de plantas silvestres ou domésticas, tornando-as também estéreis, e provocando uma irreparável destruição. Apesar disso, os alimentos trânsgenicos já estão a venda. No entanto, como os cultivos trânsgenicos não são separados dos tradicionais, e como a regulação de rotulagem é inadequada, os consumidores estão sendo impedidos de exercer o seu direito de escolha, uma vez que não há como identifica-los. Dessa forma foi proposto um projeto a ser desenvolvido pelos alunos de Ensino Médio do Colégio Platão, sob a orientação de acadêmicas do curso de Ciências Biológicas da Universidade Estadual de Maringá, objetivando a busca de informações a respeito do assunto em questão.

3 OBJETIVO E JUTIFICATIVA Tendo em vista a importância da formação de opiniões, bem como o esclarecimento a respeito de temas atuais, este projeto tem como objetivo gerar maior conhecimento, a partir da busca de informações a respeito de organismos transgênicos, criando assim a possibilidade de formulação de argumentos para discussão de aspectos positivos e negativos da obtenção e comercialização dos mesmos. Além do aspecto de formação de opinião acerca de um tema bastante atual e discutido, o presente projeto tem também o intuito de apresentar aos alunos uma maneira de desenvolvimento de uma pesquisa científica. DESENVOLVIMENTO Para o desenvolvimento desse projeto buscou-se informações em jornais, revistas, internet, livros e debates. Foram realizadas reuniões semanais entre alunos e acadêmicas. Em algumas destas reuniões foram apresentados seminários pelos alunos enfocando os seguintes temas: lesgilação, metodologia para obtenção de organismos transgênicos, soja e milho transgênicos e projetos em desenvolvimento. Além disso, realizou-se uma aula prática em laboratório na Universidade Estadual de Maringá na qual os alunos puderam acompanhar a extração de DNA bacteriano simulando um dos primeiros passos para a obtenção de um organismo transgênico. RESULTADOS E DISCUSSÃO Durante a aula prática desenvolvida pelos alunos em um laboratório da UEM, sob a orientação das acadêmicas, foi realizada a extração de DNA de bactérias, representando este um

4 dos primeiros passos para obtenção de um organismo transgênico. No dia anterior, as acadêmicas deixaram a bactéria E. coli em meio de cultura a 37º C em um agitador por dezoito horas. Ao chegarem no laboratório cada aluno ficou responsável por "cuidar" de um tubo de ensaio contendo aproximadamente 2 ml de meio de cultura e bactérias E. coli. O tubo de ensaio foi agitado para que nenhuma célula ficasse depositada no fundo. Logo após foi usada uma pipeta automática para adicionar 0,2 ml de um detergente chamado SDS, para lisar as células bacterianas. Foi agitado novamente o conteúdo para que ficasse homogêneo. O tubo foi colocado em banho-maria a uma temperatura de aproximadamente 60º C por quinze minutos. Após retirar do banho-maria, o tubo foi imediatamente mergulhado no gelo até ficar bem gelado. Finalmente foi pego uma pipeta pasteur e gotejado lentamente de 3 a 6 ml de etanol 95% na parede do tubo de ensaio para não misturar com a nova face formada. Nessa nova face foi observado o DNA bacteriano com um aspecto de fio de algodão. Em alguns experimentos não foi possível visualizar o DNA porque não ocorreu a lise celular completa. Além da aula prática, os alunos realizaram pesquisas, as quais foram apresentadas em forma de seminários, para os quais foram formados quatro grupos, sendo que cada grupo apresentou um dos seguintes temas: Metodologia para obtenção de organismos transgênicos Os cientistas identificam nos organismos os genes de interesse, os quais com o auxílio de enzimas são isolados. Os genes, junto com os segmentos do DNA responsáveis por sua ativação, são inseridos em plasmídeos, moléculas de DNA com capacidade de duplicação autônoma existentes no interior de agrobactérias como por exemplo a Agrobacterium tunefaciens.

5 Assim os embriões dos organismos são infectados pelas agrobactérias. Nesse processo os genes portadores da instrução são assimilados para produzir a característica de interesse (Figura 1). Figura 01. Esquema de obtenção de uma planta transgênica, pela engenharia genética.

6 Como na técnica convencional de melhoramento genético, as primeiras plantas transgênicas são submetidas a cruzamentos entre indivíduos da mesma espécie, permitindo a seleção daquelas que apresentam padrões desejados. São as sementes destas que irão germinar nos campos de culturas geneticamente modificadas. Após o estado de multiplicação de sementes e a introdução de novas características aos transgênicos obtém-se variados organismos com ótimas características para o cultivo, facilitando a tarefa dos agricultores. Soja e milho: Transgênicos em circulação Estudos mostram que antes das leis sobre transgênicos entrarem em vigor no Brasil, agricultores do Rio Grande do Sul já cultivavam soja transgênica, em uma área de três milhões de hectares e vendiam para o mercado consumidor como "soja comum". Os produtores preferem essa produção primeiramente porque implantando o gene da resistência de uma bactéria, a planta fica mais resistente a uso de herbicidas e inseticidas, podendo assim, receber mais agrotóxicos do que o normal. Com isso diminui-se os gastos com herbicidas, consequentemente aumentando os lucros em até 30%, sendo que a quantidade de produção da lavoura transgênica é a mesma de uma lavoura normal. O problema é que com a utilização exagerada de veneno pode gerar insetos e ervas daninhas extremamente resistentes, que não poderiam ser combatidos pelos defensivos agrícolas comuns. Devido a esse problema os agricultores teriam que plantar uma porcentagem entre 10% e 50% de plantas não modificadas para garantir o cruzamento entre espécies de pragas, diminuindo assim a resistência. Com relação ao cultivo de milho transgênico no Brasil existe uma determinada bactéria, de difícil combate até mesmo com os mais poderosos agrotóxicos, que destroi completamente as lavouras. Mas hoje em dia, com as técnicas da engenharia

7 genética é possível implantar um certo tipo de bacilo que utiliza essa bactéria como fonte de alimento, acabando assim com essa praga. Em alguns países o cultivo de transgênicos é permitido, como por exemplo a Argentina que exporta grãos geneticamente modificados por meio de contrabando para países como o Brasil, onde existem leis que proíbem o cultivo desses OGMs. Como não há uma rígida fiscalização, passam facilmente pelas fronteiras chegando ao mercado sem o conhecimento da população. Leis de Organismos Transgênicos Por se tratar de um assunto ainda recente, são poucas as leis que tratam sobre organismos modificados geneticamente. Existe a lei que estabelece normas para o uso das técnicas de engenharia genética e liberação no meio ambiente de transgênicos visando proteger a vida e a saúde do homem, dos animais e das plantas, bem como o meio ambiente. Os principais artigos dessa lei são: Art. 2º As atividades e projetos, inclusive os de ensino, pesquisa científica, desenvolvimento tecnológico e de produção industrial que envolvam OGM no território brasileiro, ficam restritos as entidades de direito público ou privado. Art. 7º Caberá aos órgãos de fiscalização do Ministério da Saúde, do Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária e do Ministério do Meio Ambiente e da Amazônia Legal, dentro do campo de suas competências, observado o parecer técnico conclusivo da CTNBio: a fiscalização de todas as atividades e projetos relacionados a OGM; registro de produtos contendo OGM ou derivados de OGM a serem comercializados; a expedição de autorização para o funcionamento de laboratório, instituição ou empresa que desenvolverá atividades relacionadas a OGM; autorização para a entrada no

8 país de qualquer produto contendo OGM ou derivado de OGM; manter cadastro de todas as instituições e profissionais que realizem atividades e projetos relacionados a OGM. Art. 8º É vedado nas atividades relacionadas a OGM: qualquer manipulação genética de organismos vivos; a produção, armazenamento ou manipulação de embriões humanos destinados a servir de material biológico disponível; a intervenção in vivo em material genético de animais; a liberação ou o descarte no meio ambiente de OGM em desacordo com as normas estabelecidas pela CTNBio. Art. 12. Fica a CTNBio autorizada a definir valores de multas, nas seguintes infrações: implementar projeto sem cadastramento da entidade dedicada à pesquisa e manipulação de OGM; liberar no meio ambiente qualquer OGM sem sua prévia aprovação; implementar projeto sem manter registro de seu acompanhamento individual; deixar de notificar, ou fazê-lo de forma não imediata, à CTNBio, e às autoridades da Saúde Pública, sobre acidente que possa provocar a disseminação de OGM. A lei citada está em vigor desde maio de 1995, e as entidades que desenvolviam atividades proibidas por essa lei, já deveriam ter se regulamentado desde junho de No entanto a CTNBio, principal responsável pela fiscalização de OGM, irá rever normas para os mesmos. A idéia é uniformizar os procedimentos e experimentos ligados com OGMs e quais informações as empresas interessadas em testar e comercializar transgênicos deverão prestar à CTNBio. Porém, a revisão das regras não impedirá que novos pedidos de liberação sejam levados à comissão, e também que os processos já aprovados tenham que voltar à aprovação da CTNBio. Ainda existem alguns projetos de lei no senado federal, tais como o que proíbe a comercialização e produção de qualquer OGM até 2004, o que obriga todos os produtos com modificação

9 transgênica em sua composição, trazerem a expressão no rótulo: "ATENÇÃO, ALIMENTO TRANSGÊNICO". Apesar das leis citadas, empresas e instituições que lidam com OGM não estão sendo fiscalizadas pela CTNBio e por outros órgãos do governo. Consequentemente alimentos transgênicos tem sido comercializados ilegalmente, chegando "camuflados" à mesa dos consumidores ". Projetos em desenvolvimento Projetos de organismos transgênicos estão sendo desenvolvidos com o objetivo de beneficiar tanto os consumidores quanto os produtores. Esses organismos são modificados principalmente para produzir proteínas e funcionar como vacinas. Em benefício aos consumidores, tem-se o projeto do arroz, desenvolvido pelos professores Ingo Potrykus e Peter Beyer, como uma forma de acabar com a fome e a desnutrição nos países asiáticos. Esse novo cereal é rico em betacaroteno, agente construtor da vitamina A, que combate doenças infecciosas e previne contra a cegueira noturna. Existem também os alimentos desenvolvidos pela Embrapa, como o projeto do leite dietético, onde uma molécula transgênica inclusa na ração das vacas, altera a síntese de gordura na glândula mamaria do animal, produzindo um leite com menos taxa de gordura e com mais proteína. O projeto da alface com a proteína Lack 1, capaz de imunizar o organismo humano contra a Leishmaniose também está sendo desenvolvido, juntamente com projeto da soja alterada para produzir insulina e o hormônio responsável pelo crescimento humano. Como exemplo de alimento visando principalmente o benefício do produtor, tem-se o feijão que se tornou resistente ao vírus do mosaico dourado, que deforma as vagens e causa nanismo da planta, assim como o amarelamento das folhas. Logo, o produto geneticamente modificado fica tolerante ou imune ao mosaico dourado do feijoeiro. Acredita-se nos benefícios desses OGMs. Resta saber se estes não trarão malefícios a população ou desequilíbrios na

10 cadeia alimentar, motivo pelo qual ainda não estão no mercado de alguns países. CONSIDERAÇÕES FINAIS Com o avanço da tecnologia e o desenvolvimento da engenharia genética, mais precisamente a biotecnologia, a qual tornou possível a prática da obtenção de organismos transgênicos, pode-se considerar inevitável a crescente criação de novos organismos geneticamente modificados (OGM). Embora não seja ainda possível a previsão das futuras conseqüências que esses organismos poderão causar, tanto na área da saúde quanto na área ambiental, é preciso que a população, como um todo esteja ciente sobre a utilização dos trangênicos. A informação deve se fazer sempre presente para que não haja opiniões, leis e conclusões precipitadas sobre a produção e comercialização dos OGMs. É imprescindível a realização de pesquisas e testes envolvendo os organismos transgênicos, antes que estes sejam lançados no mercado, no entanto não se deve ignorar o fato de que os benefícios trazidos por eles, tais como a maior facilidade de produção e o implemento vitamínico que podem ter, podem representar uma alternativa plausível para a necessidade mundial de minimização de problemas sociais, como a fome e a subnutrição.

11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALDRIDGE, Susan. The Thread of life, The Story of genes and genetic Engineering, Cambridge University Press, 1996 AMABIS, José Mariano, MARTHO, Gilberto Rodrigues, Biologia das Populações, vol.3, 1ª edição, 1997 São Paulo, ed. Moderna LOPES, Sônia. Bio vol.3, 3ª edição, 1998 São Paulo, ed. Saraiva Jornal Folha de SP, 4 de agosto de 2000, edição especial "transgênicos" Jornal Folha de SP, 13 de maio de 2001, edição especial "medo de comida". Members.Nbci.Com/que_merda/trangenicos.htm Revista Veja, 10 de junho de 1998 Editora Abril. Revista Veja, 7 de outubro de 1998 Editora Abril. Revista Veja, 13 de outubro de 1999 Editora Abril. Revista Veja, 28 de março de 2001 Editora Abril. Revista Superinteressante, março de 1999 Editora Abril. Revista Superinteressante, novembro de 2000 Editora Abril. Revista A Granja, junho de 2001 Editora Centaurus. - Acessado em 22 de junho de Acessado em 22 de junho de Acessado em 22 de junho de 2001

Mesa de controvérsia sobre transgênicos

Mesa de controvérsia sobre transgênicos Mesa de controvérsia sobre transgênicos Transgênicos: questões éticas, impactos e riscos para a Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional e o Direito Humano à Alimentação Adequada e Saudável Posição

Leia mais

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade Como toda nova ciência ou tecnologia, ela gera dúvidas e receios de mudanças. Isto acontece desde os tempos em que Galileo afirmou que era a Terra que girava em torno do Sol ou quando Oswaldo Cruz iniciou

Leia mais

Jardel Peron Waquim Engenheiro Agrônomo

Jardel Peron Waquim Engenheiro Agrônomo Jardel Peron Waquim Engenheiro Agrônomo São os organismos que tiveram inseridos em seu código genético, genes estranhos de qualquer outro ser vivo Isolar o gene desejado, retirando-o da molécula de DNA

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza)

PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza) PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza) Altera a Lei Nº 11.105, de 24 de março de 2005, que regulamenta os incisos II, IV e V do 1 o do art. 225 da Constituição Federal, estabelece normas

Leia mais

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA 1 ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA Luiz Carlos Bresser Pereira Ministro da Ciência e Tecnologia Trabalho escrito maio de 1999 para ser publicado no site do MCT. O País presencia hoje intenso debate

Leia mais

Um dos grandes problema agrários do Brasil é a sua estrutura fundiária: de um lado, um pequeno número de grandes proprietários de terras

Um dos grandes problema agrários do Brasil é a sua estrutura fundiária: de um lado, um pequeno número de grandes proprietários de terras Um dos grandes problema agrários do Brasil é a sua estrutura fundiária: de um lado, um pequeno número de grandes proprietários de terras A distribuição das propriedades rurais O Instituto Brasileiro de

Leia mais

HISTÓRICO DA BIOSSEGURANÇA NO BRASIL. Dra. Luciana Di Ciero. e-mail: ldiciero@esalq.usp.br www.anbio.org.br

HISTÓRICO DA BIOSSEGURANÇA NO BRASIL. Dra. Luciana Di Ciero. e-mail: ldiciero@esalq.usp.br www.anbio.org.br HISTÓRICO DA BIOSSEGURANÇA NO BRASIL Simpósio sobre biossegurança de Organismos Geneticamente Modificados Dra. Luciana Di Ciero Diretora Científica da ANBIO e-mail: ldiciero@esalq.usp.br www.anbio.org.br

Leia mais

TECNOLOGIA DO DNA RECOMBINANTE E TRANSGÊNICOS

TECNOLOGIA DO DNA RECOMBINANTE E TRANSGÊNICOS TECNOLOGIA DO DNA RECOMBINANTE E TRANSGÊNICOS As décadas de 1970 e de 1980 marcaram as grandes transformações por que passaria a biologia com as descobertas da organização do funcionamento e da variação

Leia mais

Em alguns países como o Estados Unidos, não existe regulamentação específica para o controle do uso da tecnologia de DNA/RNA recombinante.

Em alguns países como o Estados Unidos, não existe regulamentação específica para o controle do uso da tecnologia de DNA/RNA recombinante. 32 Em alguns países como o Estados Unidos, não existe regulamentação específica para o controle do uso da tecnologia de DNA/RNA recombinante. Os OGMs liberados no meio ambiente são regulados pelas agências

Leia mais

Plantas Transgênicas

Plantas Transgênicas Plantas Transgênicas Organismo geneticamente modificado (OGM): Transgênico Organismo que recebeu um ou mais genes de outro organismo e passa a expressar uma nova característica de especial interesse. DNA

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

RELAÇÕES DE CONSUMO FRENTE AOS ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS. Leonardo Ayres Canton Bacharel em Direito

RELAÇÕES DE CONSUMO FRENTE AOS ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS. Leonardo Ayres Canton Bacharel em Direito RELAÇÕES DE CONSUMO FRENTE AOS ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS Leonardo Ayres Canton Bacharel em Direito INTRODUÇÃO A primeira norma a tratar sobre as atividades envolvendo organismos geneticamente

Leia mais

Seleção Artificial. "A seleção feita pelo homem visa apenas seu próprio bem; a da natureza visa, de forma exclusiva, o bem do indivíduo modificado".

Seleção Artificial. A seleção feita pelo homem visa apenas seu próprio bem; a da natureza visa, de forma exclusiva, o bem do indivíduo modificado. Biotecnologia Seleção Artificial Processo conduzido pelo ser humano de cruzamentos seletivos com o objetivo de selecionar características desejáveis em animais, plantas e outros seres vivos. "A seleção

Leia mais

Assembléia Legislativa do Estado do Paraná Centro Legislativo Presidente Aníbal Khury Comissão de Constituição e Justiça

Assembléia Legislativa do Estado do Paraná Centro Legislativo Presidente Aníbal Khury Comissão de Constituição e Justiça SUBSTITUTIVO GERAL AO PROJETO DE LEI 307/2003. SÚMULA: Veda o cultivo, a manipulação, a importação, a industrialização e a comercialização de Organismos Geneticamente Modificados (OGMs) no Estado do Paraná,

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA, LEI Nº 12.128, de 15 de janeiro de 2002 Procedência - Governamental Natureza PL 509/01 DO- 16.826 DE 16/01/02 * Revoga Leis: 11.403/00; 11.463/00; e 11.700/01 * Ver Lei Federal 8.974/95 Fonte ALESC/Div.Documentação

Leia mais

Melhoramento Genético

Melhoramento Genético Melhoramento Genético Cibele Lima Douglas de Alencar Matheus Paiva Silva Pablo Medeiros Pedro Vierira César Rogério Ayres Alves O melhoramento genetico é uma ciência utilizada para a obtenção de indivíduos

Leia mais

ADN. Ficha de Trabalho. 1 - Identifique algumas das aplicações das análises de ADN?

ADN. Ficha de Trabalho. 1 - Identifique algumas das aplicações das análises de ADN? Pág 1 ADN Ficha de Trabalho 1 - Identifique algumas das aplicações das análises de ADN? R: As aplicações são efectuadas em: Medicina Forense, testes de ADN e Engenharia genética. 1- Quais as potencialidades

Leia mais

Mutação e Engenharia Genética

Mutação e Engenharia Genética Mutação e Engenharia Genética Aula Genética - 3º. Ano Ensino Médio - Biologia Prof a. Juliana Fabris Lima Garcia Mutações erros não programados que ocorrem durante o processo de autoduplicação do DNA e

Leia mais

O público-alvo são meninas de 9 a 11 anos e o serviço faz parte do Calendário Nacional de Vacinação.

O público-alvo são meninas de 9 a 11 anos e o serviço faz parte do Calendário Nacional de Vacinação. Clipping Eletrônico Segunda-feira dia 09/03/2015 Portal Acrítica Saúde - 09 de março de 2015. Fonte: http://acritica.uol.com.br/manaus/prefeitura-disponibilizaravacina-hpv-ubss_0_1316868336.html Prefeitura

Leia mais

As bactérias operárias

As bactérias operárias A U A UL LA As bactérias operárias Na Aula 47 você viu a importância da insulina no nosso corpo e, na Aula 48, aprendeu como as células de nosso organismo produzem insulina e outras proteínas. As pessoas

Leia mais

Transgênicos. Aspectos legais, éticos e de biossegurança. Victor Martin Quintana Flores

Transgênicos. Aspectos legais, éticos e de biossegurança. Victor Martin Quintana Flores Transgênicos Aspectos legais, éticos e de biossegurança Victor Martin Quintana Flores Plantas geneticamente transformadas Aspectos relevantes das plantas transgêncas aumento da produtividade das lavouras,

Leia mais

Definido o contexto: monitoramento pós-liberação comercial de plantas geneticamente modificadas. Paulo Augusto Vianna Barroso

Definido o contexto: monitoramento pós-liberação comercial de plantas geneticamente modificadas. Paulo Augusto Vianna Barroso Definido o contexto: monitoramento pós-liberação comercial de plantas geneticamente modificadas Paulo Augusto Vianna Barroso Experimentação com OGM Regulada pela Lei de Biossegurança (11.105/2005) Experimentação

Leia mais

Gerenciando o Monitoramento Pós-Liberação o Comercial no Brasil

Gerenciando o Monitoramento Pós-Liberação o Comercial no Brasil logo_ilsi_al... Gerenciando o Monitoramento Pós-Liberação o Comercial no Brasil O Ponto de Vista da Indústria Avaliação do Risco Ambiental de Culturas Geneticamente Modificadas Geraldo U. Berger, Ph.D.

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

Sumário Executivo. Contaminação transgênica global persiste

Sumário Executivo. Contaminação transgênica global persiste Sumário Executivo Este é o terceiro relatório Registros de Contaminação Transgênica (http://www.gmcontaminationregister.org), que analisa casos de contaminação, plantios ilegais e liberação de organismos

Leia mais

Audiência Pública Nº 02/2007

Audiência Pública Nº 02/2007 Audiência Pública Nº 02/2007 Requerimentos da CIBio da Monsanto do Brasil Ltda. para liberação comercial de algodão geneticamente modificado: Processo n o 01200.004487/04-48 - Algodão MON 1445 Processo

Leia mais

Organismos Geneticamente Modificados (OGM) Paulo Monjardino

Organismos Geneticamente Modificados (OGM) Paulo Monjardino Organismos Geneticamente Modificados (OGM) Paulo Monjardino O que são OGM? Organismos que são manipulados geneticamente por técnicas de biotecnologia molecular com vista a introduzir-se ou suprimir-se

Leia mais

CULTURA DE TECIDOS VEGETAIS

CULTURA DE TECIDOS VEGETAIS CULTURA DE TECIDOS VEGETAIS Transformação Genética Vegetal Prof. Fernando Domingo Zinger INTRODUÇÃO A transformação genética é a transferência (introdução) de um ou vários genes em um organismo sem que

Leia mais

A transgenia não é a única estratégia para a transformação genética de plantas

A transgenia não é a única estratégia para a transformação genética de plantas A transgenia não é a única estratégia para a transformação genética de plantas MARIA HELENA BODANESE ZANETTINI - DEPARTAMENTO DE GENÉTICA, INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, UFRGS maria.zanettini@ufrgs.br A base

Leia mais

Os impactos das plantas transgênicas no sistema de produção de alimentos

Os impactos das plantas transgênicas no sistema de produção de alimentos Os impactos das plantas transgênicas no sistema de produção de alimentos ENTREVISTA Entrevista concedida a Lucas Tadeu Ferreira e Maria Fernanda Diniz Avidos Foto: Cláudio Bezerra Produtos geneticamente

Leia mais

Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman.

Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman. Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman.com Começa a segunda onda prevista de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

A tecnologia da transgênese e seu respaldo jurídico

A tecnologia da transgênese e seu respaldo jurídico A tecnologia da transgênese e seu respaldo jurídico Dezidério Machado Lima 1 Resumo Com o advento de novas técnicas da engenharia genética, valores de cunho ético, religioso, econômico e jurídico foram

Leia mais

AS NORMAS DE BIOSSEGURANÇA E A FISCALIZAÇÃO DE OGM NO ÂMBITO DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA

AS NORMAS DE BIOSSEGURANÇA E A FISCALIZAÇÃO DE OGM NO ÂMBITO DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA AS NORMAS DE BIOSSEGURANÇA E A FISCALIZAÇÃO DE OGM NO ÂMBITO DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA ADAILTON TOMÁZ DA SILVA, Eng. Agr. M.Sc FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DFA/MG MEMBRO DA

Leia mais

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA Analise a seguinte situação hipotética (1): Uma equipe de pesquisadores está realizando um inventário da biodiversidade de uma área tropical ainda inexplorada, porém já sofrendo grande impacto de fragmentação

Leia mais

Alimentos transgênicos: mitos e verdades

Alimentos transgênicos: mitos e verdades Alimentos transgênicos: mitos e verdades Celeste Aparecida Pimentel Professora do Departamento de Ciências Humanas Campus VI UNEB celesteaparecidapei@yahoo.com.br Resumo Neste estudo apresento os alimentos

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Milho e Sorgo Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Sete Lagoas Março 2012 Economia do Uso de Novas Tecnologias A escolha racional do agricultor: Aumento da produtividade dos

Leia mais

TRANSGÊNICOS: FECHE A BOCA E ABRA OS OLHOS.

TRANSGÊNICOS: FECHE A BOCA E ABRA OS OLHOS. TRANSGÊNICOS: FECHE A BOCA E ABRA OS OLHOS. Esta cartilha foi produzida pelo Idec, no âmbito do projeto Consumer Organizations and the Cartagena Protocol on Biosafety: Protecting the Consumer s Right to

Leia mais

CONSUMIDOR. Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar. Tendências: Como foi produzido

CONSUMIDOR. Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar. Tendências: Como foi produzido Tendências: Como foi produzido CONSUMIDOR Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar Carne Não Transgênica Milhões Tons. 80,0 75,0 70,0 65,0

Leia mais

Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz. Soja. Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio

Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz. Soja. Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz Soja Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio A soja (Glycine max (L.) Merrill) que hoje é cultivada mundo afora, é

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL... Seção II Da Saúde... Art. 199. A assistência à saúde é livre à iniciativa privada. 1º

Leia mais

Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97

Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97 Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97 Dispõe sobre as normas de classificação dos experimentos com vegetais geneticamente modificados quanto aos níveis de risco e de contenção. A COMISSÃO TÉCNICA

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 32, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 32, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 32, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

As árvores transgênicas

As árvores transgênicas documento informativo - wrm Arvores Transgênicas Movimento Mundial pelas Florestas As árvores transgênicas Até agora o debate sobre os organismos geneticamente modificados- também chamados de transgênicos-

Leia mais

O que há de errado com os transgênicos

O que há de errado com os transgênicos O que há de errado com os transgênicos Especialistas em genética estão modificando formas de vida, alterando artificialmente os genes para produzir plantas e animais que nunca teriam existido em um processo

Leia mais

Inovação Biotecnológica e Cultivares: Proteção e Apropriação No Agronegócio Elza Durham Rio de Janeiro, 20 de agosto de 2013

Inovação Biotecnológica e Cultivares: Proteção e Apropriação No Agronegócio Elza Durham Rio de Janeiro, 20 de agosto de 2013 Inovação Biotecnológica e Cultivares: Proteção e Apropriação No Agronegócio Elza Durham Rio de Janeiro, 20 de agosto de 2013 Tópicos - Agricultura e Biotecnologia - Proteção e Apropriação na Agroindústria

Leia mais

The Plant Cell, Sept. 2011, www.plantcell.org 2011 American Society of Plant Biologists. All rights reserved.

The Plant Cell, Sept. 2011, www.plantcell.org 2011 American Society of Plant Biologists. All rights reserved. The Plant Cell, Sept. 2011, www.plantcell.org 2011 American Society of Plant Biologists. All rights reserved. Porquê estudar plantas? (TTPB1) Guião de Ensino Visão Geral As Plantas fornecem-nos oxigénio,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (2004) 20 QUESTÕES ACERCA DE PRODUTOS ALIMENTARES GENETICAMENTE MODIFICADOS (GM)

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (2004) 20 QUESTÕES ACERCA DE PRODUTOS ALIMENTARES GENETICAMENTE MODIFICADOS (GM) ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (2004) 20 QUESTÕES ACERCA DE PRODUTOS ALIMENTARES GENETICAMENTE MODIFICADOS (GM) Estas perguntas e respostas foram preparadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em resposta

Leia mais

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar:

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: 22 PROVA DE BIOLOGIA II QUESTÃO 40 A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: a) Se não existisse o processo inflamatório, os microorganismos

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA DO FEIJÃO GM DA EMBRAPA

AUDIÊNCIA PÚBLICA DO FEIJÃO GM DA EMBRAPA AUDIÊNCIA PÚBLICA DO FEIJÃO GM DA EMBRAPA Vamos destacar nessa apresentação a questão da reprodução do feijão, já que é uma espécie Neotropical (México, América Central), onde a maioria absoluta das espécies

Leia mais

O que são os «OGM s»???

O que são os «OGM s»??? O que são os «OGM s»??? Em Portugal, como em toda a União Europeia, apenas está autorizada a libertação deliberada no ambiente para o cultivo do milho geneticamente modificado, ou como vulgarmente é denominado,

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO

NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO Fredy Moreinos Netafim Brasil Sist. Equips. Irrigação Ltda Rua Salvador Scaglione, 135 14066-446 Ribeirão Preto SP 55 16 2111.8000 netafim@netafim.com.br O Brasil

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

PLANTAS TRANSGÊNICAS

PLANTAS TRANSGÊNICAS Plantas Transgênicas 15 PLANTAS TRANSGÊNICAS 5.2 A transformação genética é a transferência (introdução) de um ou vários genes em um organismo sem que haja a fecundação ou o cruzamento. Os organismos transformados

Leia mais

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro Potencial da Doru luteipes (Scudder, 1876) (Dermaptera: Forficulidae) no controle da Spodoptera frugiperda (J. E. Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae). Willian Sabino RODRIGUES¹; Gabriel de Castro JACQUES²;

Leia mais

As simpáticas focas da Antártida

As simpáticas focas da Antártida SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 06 / 05 / 203 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE CIÊNCIAS 8.º ANO/EF UNIDADE: ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

Conhecimento feito por Jornalistas

Conhecimento feito por Jornalistas Conhecimento feito por Jornalistas Lugar de jornalista não é só no jornal. É nos livros também, principalmente quando eles colocam em prática sua capacidade de informar com precisão, profundidade e didatismo.

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO - sistematização de informações disponíveis visando identificar o perigo potencial e avaliar a possibilidade de exposição.

ANÁLISE DE RISCO - sistematização de informações disponíveis visando identificar o perigo potencial e avaliar a possibilidade de exposição. ANÁLISE E IMPACTOS DO PROTOCOLO DE CARTAGENA PARA O BRASIL 41 Deise M. F. Capalbo* A análise de risco é um processo comparativo que deve ser conduzido, caso a caso, com embasamento cientifico e por processo

Leia mais

DESAFIOS DA PRODUÇÃO DE SEMENTES ORGÂNICAS E BIODINÂMICAS. Eng.Agr. MSc. PEDRO JOVCHELEVICH doutorando em melhoramento de plantas FCA-UNESP

DESAFIOS DA PRODUÇÃO DE SEMENTES ORGÂNICAS E BIODINÂMICAS. Eng.Agr. MSc. PEDRO JOVCHELEVICH doutorando em melhoramento de plantas FCA-UNESP DESAFIOS DA PRODUÇÃO DE SEMENTES ORGÂNICAS E BIODINÂMICAS Eng.Agr. MSc. PEDRO JOVCHELEVICH doutorando em melhoramento de plantas FCA-UNESP Introdução No Brasil já existem mais de 19 mil propriedades orgânicas

Leia mais

TÍTULO: RESPONSABILIDADE PENAL E CIVIL DOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS TRANSGÊNICOS

TÍTULO: RESPONSABILIDADE PENAL E CIVIL DOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS TRANSGÊNICOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: RESPONSABILIDADE PENAL E CIVIL DOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS TRANSGÊNICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

Sobre a incompetência do sistema de registro de agrotóxicos

Sobre a incompetência do sistema de registro de agrotóxicos Sobre a incompetência do sistema de registro de agrotóxicos Reginaldo Minaré A produção agrícola ocupa posição de destaque na comunidade brasileira, produz, de fato, os alimentos necessários à população

Leia mais

Projeto Laboratório de Ensino de Genética Jogo Memorizando a Genética

Projeto Laboratório de Ensino de Genética Jogo Memorizando a Genética Universidade Federal de Minas Gerais UFMG Instituto de Ciências Biológicas ICB Projeto Laboratório de Ensino de Genética Jogo Memorizando a Genética Alunos: Bárbara Luiza Júlia Miranda Marina Amaral Priscilla

Leia mais

Exercícios de Monera e Principais Bacterioses

Exercícios de Monera e Principais Bacterioses Exercícios de Monera e Principais Bacterioses 1. (Fuvest) O organismo A é um parasita intracelular constituído por uma cápsula protéica que envolve a molécula de ácido nucléico. O organismo B tem uma membrana

Leia mais

Kaline Aguiar Gonzalez Vale

Kaline Aguiar Gonzalez Vale UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS NÚCLEO DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E MELHORAMENTO Kaline Aguiar Gonzalez Vale INTRODUÇÃO Biotecnologia???

Leia mais

OGMs no Contexto da Agro-biotecnologia - Breve explicação científica / prática - Pedro Fevereiro psalema@itbq.unl.pt

OGMs no Contexto da Agro-biotecnologia - Breve explicação científica / prática - Pedro Fevereiro psalema@itbq.unl.pt OGMs no Contexto da Agro-biotecnologia - Breve explicação científica / prática - Pedro Fevereiro psalema@itbq.unl.pt www.cibpt.org Seminário Biotecnologia Uma Inovação na Agricultura Portuguesa Feira Nacional

Leia mais

PRODUTO ORGÂNICO. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

PRODUTO ORGÂNICO. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PRODUTO ORGÂNICO Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2009 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta

Leia mais

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11 Céleres Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 199/97 a 2010/11 O CASO DO ALGODÃO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DO MILHO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DA SOJA TOLERANTE A HERBICIDA

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 12 de agosto de 2015.

Clipping de notícias. Recife, 12 de agosto de 2015. Clipping de notícias Recife, 12 de agosto de 2015. Recife, 12 de agosto de 2015. Recife, 12 de agosto de 2015. Recife, 11 de agosto de 2015. Recife, 12 de agosto de 2015. 12/08/2015 USO INDISCRIMINADO

Leia mais

BIOLOGIA. 02 A afirmação O tecido ósseo pode ser citado como o único exemplo de tecido que não possui células vivas pode ser classificada como

BIOLOGIA. 02 A afirmação O tecido ósseo pode ser citado como o único exemplo de tecido que não possui células vivas pode ser classificada como BIOLOGIA 01 O crescimento externo dos artrópodes ocorre pelo processo denominado ecdise, caracterizado pela troca do exoesqueleto. Assinale o gráfico que melhor representa o crescimento desses animais.

Leia mais

CUIDAR DA TERRA ALIMENTAR A SAÚDE CULTIVAR O FUTURO

CUIDAR DA TERRA ALIMENTAR A SAÚDE CULTIVAR O FUTURO CUIDAR DA TERRA ALIMENTAR A SAÚDE CULTIVAR O FUTURO Por que é importante dar preferência aos produtos orgânicos? Os sistemas de produção orgânica se baseiam em princípios da agroecologia e, portanto, buscam

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

Transformação genética de milho com construções gênicas contendo o gene AtDREB2A visando tolerância à seca¹

Transformação genética de milho com construções gênicas contendo o gene AtDREB2A visando tolerância à seca¹ Transformação genética de milho com construções gênicas contendo o gene AtDREB2A visando tolerância à seca¹ Vanessa Diniz Barcelos Vasconcelos 2, Newton Portilho Carneiro 3 1 Trabalho financiado pelo CNPq/Fapemig

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB13.02 16 de dezembro de 2013 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

Projeto Genoma e Proteoma

Projeto Genoma e Proteoma Projeto Genoma e Proteoma Grupo 3: *Artur S. Nascimento *Bárbara S. Costa *Beatrice Barbosa *Tamyres S. E. Guimarães *Yara Cavalcante O que é genoma? O genoma é o conjunto de todo o material genético que

Leia mais

Considerações. Uso do termo ingrediente. Foco em alimentos. Enzimas (coadjuvantes) Ingredientes e ferramentas (bio/nanotecnologia, encapsulação)

Considerações. Uso do termo ingrediente. Foco em alimentos. Enzimas (coadjuvantes) Ingredientes e ferramentas (bio/nanotecnologia, encapsulação) Campinas, 11 de agosto de 2010 Ingredientes Considerações Uso do termo ingrediente Foco em alimentos Enzimas (coadjuvantes) Ingredientes e ferramentas (bio/nanotecnologia, encapsulação) Complexidade Tema

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL NA BIOTECNOLOGIA. 2011 Dannemann Siemsen. All rights reserved.

PROPRIEDADE INTELECTUAL NA BIOTECNOLOGIA. 2011 Dannemann Siemsen. All rights reserved. PROPRIEDADE INTELECTUAL NA BIOTECNOLOGIA PROPRIEDADE INTELECTUAL Constituição Federal Cláusula de Patentes LPI 9,279/96 INPI Instituto Nacional de Propriedade Industrial Patentes de Fármacos e químicos

Leia mais

Tipos de Sistema de Produção

Tipos de Sistema de Produção Tipos de Sistema de Produção Os sistemas de cultura dominantes conjunto de plantas cultivadas, forma como estas se associam e técnicas utilizadas no seu cultivo apresentam grandes contrastes entre o Norte

Leia mais

Unidade IV Tecnologia Aula 21.2 Conteúdo: Genética e sociedade

Unidade IV Tecnologia Aula 21.2 Conteúdo: Genética e sociedade A A Unidade IV Tecnologia Aula 21.2 Conteúdo: Genética e sociedade 2 A A Habilidade: Conhecer sobre células- troncos, projeto genoma e engenharia genética. 3 A A Células-tronco Autorrenovação e diferenciação

Leia mais

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, o

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

TÍTULO DO PROGRAMA. A História do Alimento SINOPSE

TÍTULO DO PROGRAMA. A História do Alimento SINOPSE TÍTULO DO PROGRAMA A História do Alimento SINOPSE O documentário defende as pesquisas científicas e a engenharia genética envolvendo alimentos. Faz um retrospecto da produção agrícola para mostrar que

Leia mais

c) Locus Gênico Local do cromossomo onde se localiza um gene.

c) Locus Gênico Local do cromossomo onde se localiza um gene. Aula Biologia Tio Ton Biologia 1) Conceitos Prévios a) Genética É a ciência que estuda a transmissão de características hereditárias de pais para filhos ao longo das gerações. b) Gene Segmento da molécula

Leia mais

AGROTÓXICOS: INTOXICAÇÕES PROJETO REBÔJO

AGROTÓXICOS: INTOXICAÇÕES PROJETO REBÔJO ENCARNITA SALAS MARTIN * INTRODUÇÃO AGROTÓXICOS: INTOXICAÇÕES PROJETO REBÔJO Agrotóxicos, defensivos agrícolas, praguicidas, pesticidas ou biocidas, são denominações de substâncias químicas naturais ou

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2010 1ª fase www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2010 1ª fase www.planetabio.com 1- O Índice de Massa Corporal (IMC) é o número obtido pela divisão da massa de um indivíduo adulto, em quilogramas, pelo quadrado da altura, medida em metros. É uma referência adotada pela Organização

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROPOSTAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROPOSTAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL Agrotóxicos: meu bem, meu mal? Incentivo ao Ensino de Ciências, Saúde e Meio Ambiente. AUTORA: LAURA CAROLINE HELD ORIENTADOR: DARIO XAVIER PIRES

Leia mais

Questão 89. Questão 91. Questão 90. alternativa A. alternativa E

Questão 89. Questão 91. Questão 90. alternativa A. alternativa E Questão 89 O esquema representa o sistema digestório humano e os números indicam alguns dos seus componentes. Nível de açúcar no sangue mg/100ml 200 150 100 50 B A 0 1 2 3 4 5 Número de horas após a alimentação

Leia mais

BIOTECNOLOGIA E ENGENHARIA GENÉTICA. Profa. Maria Paula

BIOTECNOLOGIA E ENGENHARIA GENÉTICA. Profa. Maria Paula BIOTECNOLOGIA E ENGENHARIA GENÉTICA Profa. Maria Paula FERRAMENTAS Enzimas: de restrição, DNA-ligase, DNA-polimerase, transcriptase Vetores: plasmídeos, vírus 1) PGH O número de genes é muito menor do

Leia mais

Módulo 6 Parte 4.2 A aula que queremos dar Redação

Módulo 6 Parte 4.2 A aula que queremos dar Redação Módulo 6 Parte 4.2 A aula que queremos dar Redação Redação 1 o ou 2 o ano médio Tema: Corrigir uma redação Aula:! Olá, seja bem-vindo a Educare, meu nome é Professor Roberto e estou aqui para ajudá-lo.

Leia mais

DNA r ecomb m i b n i a n nt n e

DNA r ecomb m i b n i a n nt n e Tecnologia do DNA recombinante DNA recombinante molécula de DNA contendo sequências derivadas de mais de uma fonte. As primeiras moléculas de DNA recombinante 1972 Paul Berg : vírus SV40 + plasmídeo 1973:

Leia mais

Ministério da Agricultura

Ministério da Agricultura Ministério da Agricultura CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto) A presente lei estabelece o controlo e fiscalização da produção, do comércio e da importação e exportação de sementes e mudas

Leia mais

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista A atividade agrícola e o espaço agrário Prof. Bruno Batista A agropecuária É uma atividade primária; É obtida de forma muito heterogênea no mundo países desenvolvidos com agricultura moderna, e países

Leia mais

Darwin, os transgêncios e a imunodeficiência

Darwin, os transgêncios e a imunodeficiência Darwin, os transgêncios e a imunodeficiência Antônio Inácio Andrioli "No curso da evolução corretamente entendida não como um processo teleológico ou rigidamente determinado, mas como um processo que contém

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Página: 2504 de 2619 ESPELHO DE S DE 1 Apoio à pesquisa e preservação de recursos genéticos e biotecnologia Custos financeiros: Despesas de custeio - 3

Leia mais