ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS."

Transcrição

1 ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. Resumo efetuado a partir do Manual Como Elaborar um plano de negócios SEBRAE/ 2013 Profa. Célia Regina Beiro da Silveira ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIOS PARA O 1º CONCURSO DE EMPREENDEDORISMO SOCIAL Capa: A capa deverá ser a que está determinada no site do concurso 1. Sumário Executivo 2. Análise de mercado 3. Análise dos concorrentes 4. Estudo de fornecedores 5. Plano de Marketing 6. Plano Operacional 7. Plano Financeiro 7.1. Investimento Fixo 7.2. Capital de Giro 7.3. Investimentos Pré-operacionais 7.4. Investimento Total 7.5. Faturamento Mensal 7.6. Custo Unitário 7.7. Custo de comercialização 7.8. Apuração dos custos dos materiais diretos (CMD) e/ou mercadorias vendidas (CMV) 7.9. Mão-de-obra Custo de Depreciação Custos Fixos Operacionais Mensais Demonstrativo dos resultados 8. Indicadores de Viabilidade 8.1. Ponto de Equilíbrio 8.2. Lucratividade 8.3. Rentabilidade 8.4. Prazo de Retorno do Investimento 1

2 ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO 1. SUMÁRIO EXECUTIVO: Embora seja a primeira parte e considerada importantíssima, pois é quando o empreendedor tem a oportunidade de despertar o interesse sobre o seu plano de negócios, deve ser a última parte a ser desenvolvida, por ser o resumo do plano de negócios, que necessitará de todas as informações pesquisadas. Deverá conter: a) Resumo dos principais pontos do plano, bem como a descrição detalhada da ideia. Deve ser mencionado: o que é o negócio; quais os principais produtos ou serviços; quem serão seus principais clientes; onde a empresa estará localizada; qual o capital que será investido; qual o faturamento mensal; que lucro espera obter do negócio e em quanto tempo haverá o retorno do investimento feito. b) Dados do empreendedor: Um resumo do CV do participante, seus dados pessoais completos (nome, endereço, carteira de identidade, telefones de contato e ) informando suas competências para o desenvolvimento da ideia proposta no plano de negócios, bem como a disponibilização de tempo para a execução da ideia, caso venha a ser o vencedor. c) Informações sobre a futura empresa: o participante precisa descrever qual é a missão de sua empresa. Mesmo que não venha constituir a sua empresa formalmente, é necessário identificar a forma jurídica como a mesma seria constituída, a fim de poder levantar os impostos decorrentes para a análise de custos, através do enquadramento tributário. Também deve ser informada a fonte de recursos, ou seja, onde, como e quando o empreendedor conseguirá os recursos necessários para iniciar seu empreendimento. 2

3 2. ANÁLISE DE MERCADO: Esta é a etapa mais importante do plano de negócios. É necessário que seja feita uma pesquisa a respeito do tema específico deste concurso, identificando o público alvo, sua faixa etária, gênero, motivações, onde mora; renda per capta, entre outros. Identifique as características gerais dos clientes: Se pessoas físicas: Qual a faixa etária? % de Homens e mulheres? Tamanho da família? Que tipo de atividade profissional? Renda familiar? Escolaridade? Onde moram? Se pessoas jurídicas: Qual o segmento de atuação? Que tipo de serviços ou produtos oferecem? Quantos empregados? Há quanto tempo estão no mercado? Tem filiais, onde? Qual a forma de pagamento que costumam comprar? Qual a reputação deste cliente no mercado? Depois que identificou seu público-alvo: precisa pesquisar qual a quantidade e frequência que eles costumam comprar o seu produto ou serviço. Onde costumam comprar, qual o preço que pagam? Agora você precisa descobrir o que leva seus clientes a comprar: o preço? A qualidade? A marca? O prazo de entrega ou de pagamento? O atendimento? O pósvendas? Depois destes levantamentos, você precisa detectar qual é o tamanho do mercado que você pretende atuar: Sua cidade? Seu estado? Brasil? Exportação? 3. ANÁLISE DOS CONCORRENTES: Conheça todas as empresas que atuam no mesmo ramo de atividade, elaborando um quadro comparativo entre a concorrência e seu plano de negócios, identificando os pontos fortes e fracos em relação a qualidade; preço; localização; condições de pagamento; atendimento pré e pós vendas; serviços ofertados; garantias do serviço; atualizações, entre outros que considerar importante. Faça um quadro comparativo entre a sua empresa e os concorrentes: 3

4 EMPRESAS SUA EMPRESA CONCORREN TE 1 CONCORREN TE 2 CONCORREN TE 3 QUALIDA DE PRE ÇO CONDIÇÕES DE PAGAMENTO LOCALIZA ÇÃO ATENDIMENTO SERVI ÇOS AOS CLIEN TES GARANTIAS OFERECIDAS 4. ESTUDO DE FORNECEDORES: São todas as pessoas ou empresas que fornecerão serviços ou produtos (matériasprimas) para o desenvolvimento de seu negócio. Verifique: preço, qualidade, prazo de entrega, condições de pagamento, entre outros que considerar importante. Relações de fornecedores podem ser encontradas em catálogos telefônicos e de feiras, sindicatos e no próprio SEBRAE. Outra fonte rica de informações é a Internet. Faça um quadro com a análise de seus principais fornecedores: (Pode ter mais de um fornecedor por produto e é recomendado que tenha no mínimo, três fornecedores.) ORDEM DESCRIÇÃO DOS ITENS A SEREM COMPRADOS NOME DO FORNECEDOR PREÇO CONDICOES DE PAGAMENTO PRAZO DE ENTREGA LOCALIZACAO 5. PLANO DE MARKETING: Informe quais produtos ou serviços serão ofertados por sua empresa. Se possível, coloque uma ilustração a respeito do(s) mesmo(s). Verifique se existe alguma legislação específica para a implementação de seu produto/serviço. Informe o preço que pretende comercializar. Finalmente, descreva as estratégias promocionais que pretende utilizar para convencer seu cliente a comprar seu produto. 4

5 Importante verificar se existe alguma exigência legal que deve ser atendida com relação ao seu produto ou serviço, tais como vigilância sanitária, normas técnicas, entre outras. Para estruturar o plano de marketing, você precisa: a) Descrever os principais produtos ou serviços de sua empresa. Aqui você deve descrever os principais itens que serão fabricados, vendidos ou os serviços que serão prestados. Se possível, fotografe ou coloque uma foto referência do produto. Para empresas de serviço, informar quais serviços serão prestados, suas características e as garantias oferecidas. b) Determinar o preço: O preço deve ser estipulado de acordo com o que o seu consumidor está disposto a pagar. Você deve considerar os custos de seu produto ou serviço e ainda a margem de lucro. O preço de venda definitivo será calculado no plano financeiro. c) Estratégias promocionais: Determinar quais são as ações que sua empresa fará para convencer seu cliente a comprar seu produto. Propaganda em rádio, TV, jornais e revistas Internet Amostra grátis Mala direto, folhetos e cartões de visita Catálogos Carro de som e faixas Brindes e sorteios Descontos Participação em feiras e eventos Determine as formar que utilizará para divulgar seu produto e levante os custos correspondentes. Use a criatividade para encontrar a melhor forma de divulgar seu produto ou serviço para o seu público-alvo. 5

6 d) Estratégias de comercialização: Quais os canais de distribuição que você utilizará, ou seja, descreva como seu cliente receberá seu produto ou serviço. e) Localização: Você precisa identificar qual é o melhor local para você instalar a sua empresa. Você deve levar em consideração: O contrato de aluguel, as condições de pagamento e o prazo de locação. As condições de segurança do entorno A facilidade de acesso; o nível de ruído, as condições de higiene e limpeza, a acessibilidade e o estacionamento. Veja o fluxo de pessoas na região e se estas são seus clientes. Verifique se existem concorrentes na proximidade Verifique a distância de seus fornecedores em função do frete. Veja se sua empresa pode se instalar no local escolhido Coloque seu endereço (mesmo fictício) e faça as considerações do porque este local foi escolhido. 6. PLANO OPERACIONAL Neste item você precisa se preocupar com: a) Layout: Você precisa definir como será a distribuição das diversas atividades em sua empresa e dos recursos físicos que serão necessários. Verifique se existe alguma legislação específica para o layout e não se esqueça de que você deve ter o local completamente acessível e adaptado para pessoas com deficiência. Veja modelo abaixo. 6

7 b) Capacidade PRODUTIVA / COMERCIAL / SERVIÇOS: É importante estimar a capacidade instalada da empresa, ou seja, o quanto pode ser produzido ou quantos clientes podem ser atendidos com a estrutura existente. c) Processos Operacionais: Você precisa registrar como a empresa irá funcionar. Faça um fluxo de todas as etapas que você precisa fazer em sua empresa e depois descreva detalhadamente como cada uma delas irá funcionar. Lembre-se de todos os processos que envolvem uma empresa, desde a produção, vendas, marketing, contas a pagar, receber, Recursos Humanos, Distribuição e pós-vendas. 7

8 d) Necessidade de Pessoal: Defina todas as pessoas que precisa para o seu negócio (Sócio, parentes, empregados...) CARGO / FUNÇÃO QUALIFICAÇÕES NECESSÁRIAS 7. PLANO FINANCEIRO Agora veremos quais os recursos que devem ser investidos para a sua empresa iniciar. Você deverá considerar os investimentos fixos, capital de giro e investimentos préoperacionais Investimento Fixo Correspondente a tudo o que você precisa comprar para que seu negócio possa funcionar. Independentemente de você já ter algum bem que será usado na empresa, você precisa relacionar. Use os modelos de quadros abaixo propostos: 8

9 Máquinas e equipamentos: NR Descrição Qtde R$ Uni R$ Total Móveis e Utensílios NR Descrição Qtde R$ Uni R$ Total Veículos NR Descrição Qtde R$ Uni R$ Total Capital de giro É o montante de recursos que você precisa para fazer a empresa funcionar normalmente, considerando a compra de materiais, matéria prima ou mercadoria, financiamento das vendas e o pagamento de suas despesas. Estimativa de gastos que precisarão de capital de giro NR Descrição Qtde R$ Uni R$ Total

10 7.3. Investimentos pré-operacionais São os gastos antes do início das atividades (Exemplos: Reformas, instalação elétrica, taxas de registro da empresa) etc.. Investimentos pré-operacionais R$ Despesas legalização da empresa Obras civis ou de reforma Divulgação Cursos e treinamentos... Outras despesas Total geral 7.4. Investimento total Somatório de todos os investimentos Descrição dos investimentos Valor % 1.Investimentos Fixos 2.Capital de Giro 3..Investimentos pré-operacionais Total 100,00 Fonte dos recursos Valor % 1.Recursos próprios 2. Recursos de terceiros 3. Outros Total 100,00 10

11 7.5. Faturamento mensal Você deve prever quanto a empresa vai faturar por mês e multiplicar pelo preço de venda que você determinou. Produto ou serviço Quantidade estimada Preço Unitário Faturamento total Total 7.6. Custo Unitário Você precisa calcular o custo de seu produto ou serviço. Se você tiver mais de um produto ou serviço, deverá fazer o cálculo para cada um deles. Material Quantidade Custo Unitário Total Total 7.7. Custo de Comercialização Devem ser considerados os impostos e comissões sobre as vendas que incidem diretamente sobre o faturamento e é considerado como um custo variável. 11

12 7.8. Apuração dos custos dos materiais diretos (CMD) e/ou mercadorias vendidas (CMV) O custo dos materiais ou das mercadorias representa o valor que você precisa para sua venda efetiva. Você deve multiplicar a quantidade estimada de vendas por produto ou serviço pelo custo unitário que você determinou. É um custo variável, pois depende do volume de vendas. 12

13 Produto/Serviço Estimativa venda (unidades) Custo Unitário R$ CMD/CMV R$ TOTAL 7.9. Mão-de-obra Você precisa calcular a mão de obra e os encargos sociais incidentes, de acordo com o seu ramo de atuação. Função Nr.empregados Salário Total TOTAL Encargos Sociais INSS % FGTS... TOTAL 7.10 Custo de Depreciação. As máquinas, equipamentos e ferramentas se desgastam ou tornam-se obsoletos com o passar dos anos, sendo necessária sua reposição, isso se chama depreciação. Para calcular a depreciação, você precisa: Relacionar as máquinas, equipamentos, ferramentas, utensílios, veículos, etc. utilizados. (São as informações de seu custo fixo). Determinar o tempo médio de vida útil (em anos) desses bens; Dividir o valor do bem pela sua vida útil em anos para saber o valor anual da depreciação; Dividir o custo anual com depreciação por 12, para calcular a depreciação mensal. 13

14 Exemplo: Computador. Tempo Médio: 3 anos. Valor: R$ 5.000,00 Depreciação anual: 5000,00 / 6 = R$ 1.666,67 / ano Depreciação mensal: 1.666,67 / 12 = R$ 138,89 ao mês. Faça este cálculo para cada bem de sua empresa. A Receita Federal considera, para efeito de vida útil, os seguintes prazos: imóveis 25 anos; máquina 10 anos; equipamentos 5 anos; móveis e utensílios 10 anos; veículos 5 anos; computadores 3 anos Ativos Fixos Valor do Bem Vida útil Depreciação anual Obras civis/reformas Máquinas e equipamentos Móveis e máquinas de escritório Veículos Outros total Depreciação mensal 14

15 7.11. Custos fixos operacionais mensais. São gastos que não se alteram em função do volume de vendas. Descrição Custo mensal em R$ Aluguel Condomínio IPTU Água Energia Elétrica Telefone Honorários Contador Pró-labore Manutenção de Equipamentos Salários + Encargos Material de limpeza Material de escritório Combustível Taxas diversas Serviços de terceiros Depreciação Outras despesas Total Demonstrativo dos resultados Agora você precisa verificar se sua empresa dará lucro: Descrição Valor % 1. Receita TOTAL com vendas (= 7.5) Total dos Custos Variáveis a) Custos com materiais diretos ou CMV (= 7.8) b) Impostos sobre vendas (= 7.7/sub total 1) c) Gastos com vendas (= 7.7/sub total 2) Total de 2 ( a+b+c) 3. Margem de contribuição (1-2) 4. Custos Fixos (= 7.11) 5. Resultado operacional (3-4) 15

16 8. INDICADORES DE VIABILIDADE 8.1. Ponto de equilíbrio 8.2. Lucratividade 16

17 8.3. Rentabilidade 8.4. Prazo de retorno do investimento 17

18 Microempreendedor Individual MEI: pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário. Sua inscrição é feita gratuitamente pela internet (www.portaldoempreendedor.gov.br). Empresário Individual: pessoa física que exerce atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou de serviços. Responde com o seu patrimônio pessoal pelas obrigações contraídas pela empresa. É optante pelo Simples Nacional, com receita bruta anual de até R$ 60 mil. O MEI pode ter um empregado e não pode ser sócio ou titular de outra empresa. O recolhimento dos impostos e contribuições é feito em valor fixo mensal, independente da receita bruta. Considerando o novo valor do salário mínimo nacional, vigente desde (R$ 724), a partir da competência janeiro/2014 o carnê do SIMEI compreenderá as seguintes parcelas: I R$ 36,20 (trinta e seis reais e vinte centavos), a título de contribuição para a Seguridade Social, relativa à pessoa do empresário, na qualidade de contribuinte individual; II R$ 1,00 (um real), a título de ICMS, caso seja contribuinte desse imposto; III R$ 5,00 (cinco reais), a título de ISS, caso seja contribuinte desse imposto. Empresa Individual de Responsabilidade Limitada EIRELI: empresa constituída por uma única pessoa, titular da totalidade do capital social. A empresa responde por dívidas apenas com seu patrimônio, e não com os bens pessoais do titular. 18

19 Sociedade Limitada: sociedade composta por, no mínimo, dois sócios, pessoas físicas ou jurídicas. A responsabilidade de cada sócio é limitada ao valor de suas cotas, mas todos respondem solidariamente pela integralização do capital social. Simples Nacional destina-se às empresas que se beneficiarão da redução e simplificação dos tributos, além do recolhimento de um imposto único. O enquadramento no Simples está sujeito a aprovação da Receita Federal e considera a atividade e a estimativa de faturamento anual da empresa. A Lei também prevê benefícios quanto à desburocratização, acesso ao mercado, ao crédito e a justiça, o estímulo à inovação e à exportação. A Lei enquadra como microempresa (ME) a pessoa jurídica com receita bruta anual igual ou inferior a R$ 360 mil. Se a receita bruta anual for superior a R$ 360 mil e igual ou inferior é R$ 3,6 milhões ela será classificada como Empresa de Pequeno Porte (EPP). Para as ME e EPP, o Simples Nacional abrange os seguintes tributos e contribuições: IRPJ, CSLL, PIS/PASEP, COFINS, IPI, ICMS, ISS e a Contribuição para a Seguridade Social Patronal. Empresas não optantes pelo Simples estarão sujeitas ao recolhimento dos seguintes tributos e contribuições: IRPJ Imposto de Renda Pessoa Jurídica; PIS Contribuição para os Programas de Integração Social; COFINS Contribuição para Financiamento da Seguridade Social; CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido; IPI Imposto sobre Produtos Industrializados (para indústria); ICMS Imposto sobre Circulação de Mercado (para indústria, comércio e serviços de transporte intermunicipal e interestadual); ISS Imposto sobre Serviços (prestação de serviços). 19

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS Maio/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS OFICINA EMPRESARIAL COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS - ATENDIMENTO COLETIVO - 01 Como tudo começou... Manuais da série Como elaborar Atividade 02 Por que as empresas fecham? Causas das dificuldades e

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 6 Plano de Negócios Empreendedorismo de Negócios com Informática - Plano de Negócios 1 Conteúdo Sumário Executivo Apresentação da Empresa Plano de Marketing

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA FRALDAS DESCARTAVEIS Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA Fevereiro/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio

Leia mais

AULA 4 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS. Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho

AULA 4 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS. Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho AULA 4 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho AVALIAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIO AVALIAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIO VÍDEO: VENDER NA INTERNET - POR QUE MINHA LOJA NÃO VENDE? Caso

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco PLANO DE NEGÓCIO Roteiro Financeiro Prof. Fábio Fusco ANÁLISE FINANCEIRA INVESTIMENTO INICIAL O investimento inicial expressa o montante de capital necessário para que a empresa possa ser criada e comece

Leia mais

1º CONCURSO EMPREENDEDORISMO SOCIAL COM TI: Edital

1º CONCURSO EMPREENDEDORISMO SOCIAL COM TI: Edital 1º CONCURSO EMPREENDEDORISMO SOCIAL COM TI: Edital As disposições deste edital visam regular a 1ª edição do Concurso Empreendedorismo Social com TI, realizado pelo LAboratory for Research on Visual Applications

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007 PLANO DE S FOLHA: 000001 1 - ATIVO 1.1 - ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 - DISPONÍVEL 1.1.1.01 - BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.0001 - (0000000001) - CAIXA 1.1.1.02 - DEPÓSITOS BANCÁRIOS 1.1.1.02.0001 - (0000000002)

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS POUSADA BOUGAINVILLE "EDNA MARIA" Empreendedor(a): EDNA MARIA DE OLIVEIRA

PLANO DE NEGÓCIOS POUSADA BOUGAINVILLE EDNA MARIA Empreendedor(a): EDNA MARIA DE OLIVEIRA PLANO DE NEGÓCIOS POUSADA BOUGAINVILLE "EDNA MARIA" Empreendedor(a): EDNA MARIA DE OLIVEIRA Dezembro/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

PizzarIFSC - Pizzaria IFSC. Pizzaria IFSC. Elaborado por: Edson Watanabe. Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40

PizzarIFSC - Pizzaria IFSC. Pizzaria IFSC. Elaborado por: Edson Watanabe. Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40 PizzarIFSC - Pizzaria IFSC Pizzaria IFSC Elaborado por: Edson Watanabe Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40 Tipo Empresa: Empresa nascente 1 - Sumário Executivo 1.1 - Resumo

Leia mais

Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro - FCO

Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro - FCO Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro - FCO 1. A Empresa 1.1. Histórico / Aspectos Organizacionais 1.2. Razão Social 1.3. CNPJ 1.4. Inscrição Estadual e/ou Municipal 1.5. Número e data de registro

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 4 1.1 - Descrição do Projeto... 4 1.2 - Dados dos Empreendedores, Perfis e Atribuições... 6 2. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA...

1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 4 1.1 - Descrição do Projeto... 4 1.2 - Dados dos Empreendedores, Perfis e Atribuições... 6 2. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 4 1.1 - Descrição do Projeto... 4 1.2 - Dados dos Empreendedores, Perfis e Atribuições... 6 2. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 7 2.1 - Dados do Empreendimento... 7 2.2 - Setor de Atividade...

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Planejando o seu negócio

PLANO DE NEGÓCIOS. Planejando o seu negócio PLANO DE NEGÓCIOS Planejando o seu negócio Projeto Gerart 2009 Plano de Negócios / Ivanete Daga Cielo, Ricardo Mercadante, Fabiana Severo da Silva, Katia Fabiane Rodrigues, Ana Caroline Franz, Patricia

Leia mais

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS 11 MODELO DE PLANO DE CONTAS Apresentamos a seguir uma sugestão de plano de contas, para as empresas de construção civil, utilizável também por aquelas que trabalham com obras por empreitada MODELO DE

Leia mais

ENTENDENDO CUSTOS, DESPESAS E PREÇO DE VENDA

ENTENDENDO CUSTOS, DESPESAS E PREÇO DE VENDA ENTENDENDO CUSTOS, DESPESAS E PREÇO DE VENDA 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 CENÁRIO ATUAL O mercado cada vez mais competitivo. Preocupação dos empresários com seus custos. Política

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

Relatório do Plano de Contas

Relatório do Plano de Contas 1 10000 ATIVO 1.01 10001 ATIVO CIRCULANTE 1.01.01 10002 DISPONIVEL 1.01.01.01 10003 CAIXA 1.01.01.01.00001 10004 CAIXA GERAL S 1.01.01.02 10020 BANCO CONTA MOVIMENTO 1.01.01.02.00001 10021 BANCO DO BRASIL

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

ANEXO 2 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA O PARTICIPANTE

ANEXO 2 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA O PARTICIPANTE ANEXO 2 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA O PARTICIPANTE 1. APRESENTAÇÃO Abaixo estão as principais informações que você precisa saber sobre o 7º Concurso Estadual de Planos de Negócio para Universitários SEBRAE/SC.

Leia mais

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO COMO ABRIR SEU NEGÓCIO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Reflexão Qual o principal motivo para buscar a formalização de seu negócio? É importante lembrarmos que: Para desenvolver suas

Leia mais

ANEXO 28c MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS - PINS SOLIDÁRIO. Identificação

ANEXO 28c MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS - PINS SOLIDÁRIO. Identificação ANEXO 28c MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS - PINS SOLIDÁRIO Nome da Entidade Identificação Razão Social CGC/CNPJ Inscrição Estadual Inscrição Municipal Descreva as Pricipais Atividades Desenvolvidas pela Entidade

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO

PLANO DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO PLANO DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO É um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma avaliação antes

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO 04 APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças, marketing,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

Plano de negócio. Conceitos, Importância e estrutura Aula 6

Plano de negócio. Conceitos, Importância e estrutura Aula 6 Plano de negócio Conceitos, Importância e estrutura Aula 6 Estrutura do plano de negócio Capa Sumário 1. Sumário executivo 2. Analise estratégica 3. Descrição da empresa 4. Produtos e serviços 5. Plano

Leia mais

Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira

Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira 1. Introdução O dia 7 de agosto do corrente ano entrou para a história como uma das mais importantes datas para a possível concretização da reforma

Leia mais

COMO ADMINISTR OS CUSTOS DE SUA EMPRESA

COMO ADMINISTR OS CUSTOS DE SUA EMPRESA 45 AR COMO ADMINISTR OS CUSTOS DE SUA EMPRESA 1 A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças,

Leia mais

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos 7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos Exemplos de Aplicação de Projetos Cálculo do Valor de um Negócio ou Empresa; Avaliar Viabilidade de Projetos; Projetos para solicitação de Financiamentos.

Leia mais

Prof. Carlos Barretto

Prof. Carlos Barretto Unidade IV CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Objetivos gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: consciência ética

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo INTRODUÇÃO É um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma

Leia mais

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos 1 Análise e Avaliação Financeira de Investimentos O objetivo desse tópico é apresentar uma das metodologias de análise e avaliação financeira de investimentos. A análise de investimentos depende do ramo

Leia mais

Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso

Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso 01 Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE-SP nas seguintes áreas: Organização Empresarial Finanças

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual 10/07 12/08 07/09 12/06 03/07 03/07 07/07 09/07 09/07 Sanção da Lei Geral da MPE (re)fundação da Frente Parlamentar da MPE Criação da subcomissão Permanente da MPE Entrada em vigor do Simples Nacional

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

Plano de Negócio. (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva

Plano de Negócio. (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva Caracterização do Empreendimento Trata o presente de análise de viabilidade de mercado e de viabilidade

Leia mais

ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO

ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO 1 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA 1.1. Razão Social: 1.2. Endereços: Fone: - Escritório - Fábrica 1.3.

Leia mais

Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro Linhas do BNDES

Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro Linhas do BNDES Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro Linhas do BNDES 1. A Empresa 1.1. Histórico / Aspectos Organizacionais 1.2. Razão Social 1.3. CNPJ 1.4. Inscrição Estadual e/ou Municipal 1.5. Número e data de

Leia mais

Total de meses de duração: 10 x 12 = 120 meses

Total de meses de duração: 10 x 12 = 120 meses CUSTO FIXO: É a soma de todas as despesas mensais de uma empresa que esteja funcionando, mesmo que não venda ou não preste nenhum serviço. CUSTO VARIÁVEL: são todos aqueles que variam conforme a quantidade

Leia mais

Etapas para a preparação de um plano de negócios

Etapas para a preparação de um plano de negócios 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: EMPREENDEDORISMO Turma: 5 ADN Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: O PLANO DE NEGÓCIO A necessidade de um plano de negócio

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

Quem tem conhecimento vai pra frente

Quem tem conhecimento vai pra frente blogdosempreendedores.com.br facadiferente.sebrae.com.br contabilidadeschmitt.com.br Fotos: Produtos do Projeto Gemas e Joias do Sebrae-PA Livro Artesanato- Um negócio genuinamente brasileiro (Sebrae,

Leia mais

Maria Tereza da Silva Santos. Confecção - Exemplo. Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos

Maria Tereza da Silva Santos. Confecção - Exemplo. Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Maria Tereza da Silva Santos Confecção - Exemplo Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Data criação: 09/01/2014 14:36 Data Modificação: 21/02/2014 14:36 Tipo Empresa: Empresa nascente 1 - Sumário

Leia mais

Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector

Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector O brasileiro é um povo sem memória, que esquece seus feitos e seus heróis...

Leia mais

Prestação de serviço de assessoria em importação. Regime tributário Lucro Presumido Lucro Presumido Serviços 32,00% 0,65%

Prestação de serviço de assessoria em importação. Regime tributário Lucro Presumido Lucro Presumido Serviços 32,00% 0,65% Prestação de serviço de assessoria em importação Regime tributário Lucro Presumido Lucro Presumido Serviços 32,00% Faturamento (Receita Bruta) R$ 20.000,00 Alíquota PIS 0,65% Valor da propriedade imobiliária

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

Controles financeiros Edição de bolso

Controles financeiros Edição de bolso 03 Controles financeiros Edição de bolso A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE-SP nas seguintes áreas: Organização Empresarial Finanças Marketing

Leia mais

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária Lei Complementar 128 Alterações na Legislação Previdenciária Microempreendedor Individual MEI Conceito: É o empresário individual, referido no art. 966 do Novo Código Civil, que tenha auferido receita

Leia mais

Plano de Contas Pag.: 1 de 7

Plano de Contas Pag.: 1 de 7 Plano de Contas Pag.: 1 de 7 1 ATIVO 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 ATIVO DISPONIVEL 1.1.1.001 NUMERARIOS 1.1.1.001.0001-0 CAIXA PEQUENO 11110 X 1.1.1.002 BANCOS CONTA MOVIMENTO 1.1.1.002.0001-5 BANCO BRADESCO

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 (Do Sr. Vaz de Lima) Altera os Anexos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, para permitir o abatimento de parcela dedutível do valor devido mensalmente

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO Fones: (83) 2-92 / 2-925 MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO Marcelo Alves de Barros, Dr. mbarros@computacao.ufcg.edu.br Este documento em forma de roteiro apresenta o conteúdo de referência para a elaboração do

Leia mais

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração.

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PLANO DE NEGÓCIIOS Prroff.. Carrllos Mellllo Saal lvvaaddoorr JJANEI IRO/ /22000066 Introdução Preparar um Plano de Negócios é uma das coisas mais úteis que um empresário

Leia mais

Uma empresa é viável quando tem clientes em quantidade e com poder de compra suficiente para realizar vendas que cubram as despesas, gerando lucro.

Uma empresa é viável quando tem clientes em quantidade e com poder de compra suficiente para realizar vendas que cubram as despesas, gerando lucro. Página 1 de 9 2. Análise de Mercado 2.1 Estudo dos Clientes O que é e como fazer? Esta é uma das etapas mais importantes da elaboração do seu plano. Afinal, sem clientes não há negócios. Os clientes não

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Empresas em geral Microempresas

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE PREÇO

CONSIDERAÇÕES SOBRE PREÇO Formação de preço CONSIDERAÇÕES SOBRE PREÇO O preço se define a partir do público a quem se dirige o produto e como a empresa se coloca em relação aos produtos e serviços dos concorrentes. Por isso, depende

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

COMECE CERTO: PLANEJAMENTO E ANÁLISE

COMECE CERTO: PLANEJAMENTO E ANÁLISE COMECE CERTO: PLANEJAMENTO E ANÁLISE 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 COMECE CERTO QUESTÕES FUNDAMENTAIS PARA O PLANEJAMENTO E ANÁLISE DE NOVOS NEGÓCIOS OBJETIVO DO DEBATE Apresentar

Leia mais

PORTFÓLIO DE ABERTURA DA EMPRESA OLIMPO SYSTEMS EIRELI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

PORTFÓLIO DE ABERTURA DA EMPRESA OLIMPO SYSTEMS EIRELI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALLAN KLEVANSKIS AMANDA MOURÃO PEDRO MAURÍCIO SAMARA DE CASTRO SHAYANE SANTOS VANESSA LOFFI PORTFÓLIO DE ABERTURA DA EMPRESA OLIMPO SYSTEMS EIRELI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Belo

Leia mais

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Contabilidade Financeira e Gerencial Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Demonstração de Resultados A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa,

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

Apresentação ao Shopping

Apresentação ao Shopping Apresentação ao Shopping O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua rede de franquias Você Sabia? Há trinta anos os Estados Unidos adotaram um modelo inovador

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S/A - CEASA/CAMPINAS CNPJ: 44.608.776/0001-64

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S/A - CEASA/CAMPINAS CNPJ: 44.608.776/0001-64 1.... ATIVO 152.101.493,67 50.040.951,48 153.182.697,98 1.10... ATIVO CIRCULANTE 12.634.079,13 49.780.167,34 14.042.894,83 1.10.10.. DISPONIBILIDADES 10.621.727,62 40.765.261,82 12.080.213,47 1101001 BENS

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 Informativo 19 - Página 285 - Ano 2009 ORIENTAÇÃO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Opção pelo SIMEI Conheça as condições para recolhimento

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

NEWTON PAIVA O seu Centro Universitário

NEWTON PAIVA O seu Centro Universitário 1 NEWTON PAIVA O seu Centro Universitário Curso: Ciências Contábeis Período: 6º Turno: Noite Sala: 106 Departamento: Ciências Contábeis Faculdade: FACISA Disciplina: Contabilidade Fiscal e Tributária AVALIAÇÃO

Leia mais

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Criamos o que as pessoas amam antes que elas saibam o que querem Hoje nossos franqueados

Leia mais

Empresário Empreendedor

Empresário Empreendedor Empresas x Tributação Empresário Empreendedor Carga Tributária Obrigações acessórias Receita Federal Receita Estadual Previdência Social Receita Municipal Situação Tributária do Negócio Para o Empresário

Leia mais

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos FORMAR SEU PREÇO Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender TODOS OS DIREITOS RESERVADOS Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio. Informações e Contatos Mania de

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

MANUAL Processo Simples Nacional

MANUAL Processo Simples Nacional 1. VISÃO GERAL 1.1 OBJETIVOS: Conforme combinação com a Equipe Teorema Joinville teríamos que criar uma tabela de Receitas, uma tabela com as alíquotas por faturamento com data inicial final de validade,

Leia mais

Consultoria, Assessoria e Desenvolvimento em Gestão de Projetos

Consultoria, Assessoria e Desenvolvimento em Gestão de Projetos OUTSOURCI NG Oferece tercerização de processos de negócios e alocação de recursos especializados nas áreas de tecnologia da informação, desenvolvimento e gerenciamento de projetos. Consultoria, Assessoria

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO O Sr. Fúlvio Oliveira, empresário de uma loja de confecções, está seriamente preocupado com seu negócio. As dívidas não param de crescer. Vamos entender sua situação.

Leia mais

APP - Interatividade

APP - Interatividade APP - Interatividade "não compartilhe o seu tempo livre - viva-o" APP - Interatividade Elaborado por: Alexandre Nogueira Cunha Data criação: 24/02/2015 00:43 Data Modificação: 01/03/2015 19:13 Tipo Empresa:

Leia mais

Grupo Educacional UNIS - MG

Grupo Educacional UNIS - MG 1º CONCURSO NEUNIS DE PLANOS DE NEGÓCIO PARA UNIVERSITÁRIOS 2014 1 REALIZAÇÃO: UNIS/MG REGULAMENTO CAPÍTULO 1 DOS OBJETIVOS Art. 1º O Concurso NEUNIS de Planos de Negócio para Universitários é uma iniciativa

Leia mais