UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI JOSE CARLOS KOZEN SHIMABUKURO JUNIOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI JOSE CARLOS KOZEN SHIMABUKURO JUNIOR"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI JOSE CARLOS KOZEN SHIMABUKURO JUNIOR ANÁLISE DE MÉTODOS PARAPREVISÃO DE VENDA NO COMÉRCIO DE PRODUTOS DE EMBALAGENS DESCARTÁVEIS São Paulo 2011

2 2 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI JOSE CARLOS KOZEN SHIMABUKURO JUNIOR ANÁLISE DE MÉTODOS PARAPREVISÃO DE VENDA NO COMÉRCIO DE PRODUTOS DE EMBALAGENS DESCARTÁVEIS Trabalho de conclusão de curso apresentado como exigência parcial do curso de Engenharia de Produção da Universidade Anhembi Morumbi campus centro, sob orientação doprof. M.Sc. Carlos Roberto Carneiro. Prof. Orientador: Prof. M. Sc.Carlos Roberto Carneiro São Paulo 2011

3 3 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AUTORIZAÇÃO DE PUBLICAÇÃO E DIVULGAÇÃO POR MEIO IMPRESSO E DIGITAL - TCC ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Título do Trabalho: Análise de métodos para previsão de venda no comércio de proutos deembalagens descartáveis. Modalidade do TCC: ( ) Empresarial ( X ) Estudo de Caso ( ) Dupla Titulação Orientador (a) da pesquisa/atividades do TCC: Prof. M.Sc. Carlos Roberto Carneiro Orientador(es) Autor(a):Jose Carlos Kozen Shimabukuro Junior Matrícula Número de Páginas: Data da apresentação: / / Informações de consulta e acesso ao documento no formato impresso e eletrônico Este trabalho pode ser disponibilizado para consulta nas Bibliotecas da Universidade Anhembi Morumbi. Sim ( ) Não ( X ) Este trabalho pode ser disponibilizado no site institucional da universidade? Sim ( ) Não (X); caso afirmativo, em uma das duas opções, preencham a autorização a seguir. AUTORIZAÇÃO PARA DISPONIBILIZAÇÃO DO TCC EM MEIOS ELETRÔNICOS DA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI E PARA CONSULTA DO TCC IMPRESSO Autorizo a Universidade Anhembi Morumbi, a disponibilizar gratuitamente, sem ressarcimento dos direitos autorais, o texto integral da publicação supracitada, de minha/nossa autoria, em suas Bibliotecas e em seu site, em formato PDF ou similar, para fins de leitura, consulta e/ou impressão pela Internet, a título de divulgação da produção científica gerada pelo curso de Engenharia de produção da Universidade Anhembi Morumbi. Local Data São Paulo, 29de Novembro de 2011 Assinatura do(a) autor(a):

4 4 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI JOSE CARLOS KOZEN SHIMABUKURO JUNIOR ANÁLISE DE MÉTODOS PARAPREVISÃO DE VENDA NO COMÉRCIO DE PRODUTOS DE EMBALAGENS DESCARTÁVEIS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado, como exigência parcial para a obtenção do título de Bacharel em Engenharia de produção da Universidade Anhembi Morumbi. Apresentado em: Nome: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI Nome: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI Nome: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI

5 5 FOLHA DE AUTENTICIDADE Nós confirmamos que nenhuma parte desse trabalho, exceto onde claramente indicadas e referenciadas, foram copiadas de trabalhos pertencentes a qualquer outra pessoa, exemplo, livro, apostila ou outro aluno. Nós estamoscientes que conforme a Lei nº 9.610/98 do Código Penal no Direito Civil, no Título que trata dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual, a cópia de trabalhos de outra pessoa sem a própria forma de referência poderá acarretar em penalidades jurídicas previstas na Lei e em atos disciplinares pela Universidade. Jose Carlos Kozen Shimabukuro Junior R.A

6 6 RESUMO Com bases na demanda históricas fornecida pela loja Shimapel Embalagens referente ao período estudadoe com informação que em alguns momentos o estoque não é suficiente para atender à demanda para satisfazer a necessidade de todos os clientes, não podendo oferecer todas as mercadorias procuradas.causando a empresa percada venda do produto e algumas vezes, perde até mesmo a venda do pedido inteiro, pois com a falta de um ou mais produtos o cliente acaba comprando tudo o que necessita na concorrência. Propondo melhoriapara empresa,analisando as referências bibliográfica de logística, demanda, estoque, consumidor, compras,curva ABC e método de previsão.com essas referências e com os dados das vendas fornecidos pela empresa Shimapel Embalagens, encontra-se os produtos de Classe A, Classe B e Classe C através do Cálculo da curva ABC.Com análise dos produtos da Classe A e com base nos método de previsão de venda,calcula as previsões de vendas que são comparadas com os valores de vendas reais, fornecidos pela a empresa, com o objetivo de analisarqual o melhor método de previsão de vendas e as melhorias que teremos com a implantação desse método. Palavras- chave: Demanda; estoque; curva ABC, previsão de venda.

7 7 ABSTRACT With bases in historical demand provided by store Shimapel packaging for the period studied. With information that in some instances the stock is not sufficient to meet the demand to meet the need of all customers and cannot provide all the goods sought. Causing loss of the company selling the product and sometimes even lose the sale of the entire order, because the lack of one or more products the customer ends up buying everything you need in competition. Proposing improvements to the company, analyzing the bibliographic references of logistics, demand, inventory, consumer, shopping, curve ABC and method prediction. With these references and sales data provided by company Shimapel packaging, the products is a Class A, Class B and Class C by calculating the curve ABC. With analysis of a Class a product and based on the method of forecasting sales, estimates that sales forecasts are compared with actual sales figures provided by company in order to analyze the best method of sales forecasting and improvements that we have with the implementation of the method. Keywords: Demand historical; stock; ABC curve, moving average.

8 8 SUMÁRIO 1.REVISÃO DA LITERATURA Logística A importância da Logística na Moderna Economia Os Processos Logísticos As Três Dimensões da Logística Estoques Introdução Custos dos Estoques Custos de Manutenção de Estoque Análise dos Estoques Método de estoques Estoque de Segurança Demanda Método de Previsão Como Devemos Medir a Demanda Curva ABC Parâmetros de Observação da Curva ABC Exemplo do Cálculo da Curva ABC Previsão de Vendas Método de Previsões de Vendas Método das Médias Móveis Método da Média Ponderada Método Média Móvel Ponderada Método Amaciamento Exponencial Método de Regressão Linear Método de Simulação Método de Opinião da Força de Vendas Método de Julgamento dos Executivos Método de Vendas Passadas Método de Intenção de Compra ESTUDO DE CASO Empresa Análise da Previsão de Venda no Comércio de Produtos de Embalagens Descartáveis Análise das Vendas...38

9 9 2.4.Cálculo da Curva ABC das Vendas Previsão de Venda Cálculo Método Média Móvel Cálculo Método Média Ponderada Cálculo Método Média Móvel Ponderada Comparação Entre os Métodos de Previsão de Vendas Cálculo da Previsão de vendas para CONSIDERAÇÕES FINAIS...51 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA...53 ANEXOS...54

10 10 LISTA DE TABELA Tabela 1. Nível de Atendimento Tabela 2. Tempo de entrega Tabela 3. Consumo variável e prazo de entrega Tabela 4. Movimentação de estoque Tabela 5 Valor monetário no período Tabela 6. Valor Consumido Tabela 7.Calculando o percentual do produto e o percentual acumulado Tabela 8. Percentual Tabela 9. Volume de venda mensal Tabela 10. Peso de cada mês Tabela 11. Previsão amaciada exponencialmente calculada com constante de Amaciamento Tabela 12. Cálculo da Curva ABC Tabela 13. Vendas Tabela 14. Previsão média móvel Tabela 15. Peso de cada mês Tabela 16. Previsão método média ponderada Tabela 17.Previsão método média móvel ponderada para Tabela 18. Comparação entre as porcentagens de erro Tabela 19. Previsão de venda para o primeiro semestre de

11 11 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Quadro 1. Custo diretamente proporcionais Gráfico 1. Curva ABC Gráfico 2 Curva ABC dos produtos vendidos entre Novembro 2010 à Outubro de Gráfico 3.Erro na previsão da média móvel Gráfico 4. Erro na previsão da média ponderada Gráfico 5. Erro na previsão da média móvel ponderada Gráfico 6. Comparação entre os métodos de previsão... 49

12 12 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS Abr Abril Ago Agosto DESC. Descartável Dez - Dezembro Fev - Fevereiro HIG. - Higiênico Jan - Janeiro Jul - Julho Jun - Junho LTS - Litros Mai - Maio Mar - Março ME Microempresa ML - Mililitros Nov - Novembro Out Outubro SAS - Statistical Analysis System Set - Setembro TCC Trabalho de conclusão de curso... 13

13 13 INTRODUÇÃO O trabalho de conclusão de curso (TCC) apresentado como exigência pelo curso de Engenharia de Produção consiste em um estudo de caso feito em uma empresa de embalagens descartáveis. OTCC apresenta a importância da logística, os benefícios e custo adquirido pelos métodos de estocagens de produtos.observa-se como o cálculo da curva ABC consegue fornecer através dos produtos da Classe A, uma quantidade relativamente pequena de itens,no entanto, um valor alto do total de vendas no período. Nesse estudo de caso mostra-se como um método do cálculo de previsão de venda pode facilita o cotidiano da empresa e mostrar as vantagens que a empresa pode adquirir com uma implantação de método de previsão de venda adequada. Fornecendo uma previsão de venda capaz de diminuir o nível de estoque em um comércio de embalagens descartáveis, porém sendo capaz de atender a demanda dos clientes, diminuindo a probabilidade de ocorrer falta de mercadorias aos clientes. OBJETIVOS Objetivo Geral O estudo desta monografia tem como objetivo minimizar os custos de estocagem dos produtos, verificar a quantidade necessária para comprar os produtos, de modo que atenda a demanda dos clientes. Objetivo específico O objetivo especifico é comparar através de um estudo de caso três diferentes ferramentas estatísticas para previsão de demanda e determinar a que melhor se adequa ao comércio de produtos de embalagens. Metodologia O estudo de caso é um tipo de analise qualitativo, Yin (2006) afirma que o estudo de caso é usado para responder as questões como e porque, que são questões explicativas que ocorrem com frequência em determinado período de tempo. As fontes ideais para efetuar estudos de casos são: documentos, registros de arquivos, entrevistas, observação direta e

14 14 artefatos físicos e cada uma delas requer habilidades específicas e procedimentos metodológicos específicos. A metodologia utilizada para a construção dos principais conceitos aplicados ao estudo de caso foi à pesquisa bibliográfica em livros, artigos e internet. No estudo de caso fez os levantamentos dos dados históricos de vendas de Novembro de 2010 à Outubro de 2011 para encontrar os produtos da Classe A, Classe B e Classe C. A escolha da família de produtos para análise da demanda foi focada na Classe A que representa 20 % dos itens de produtos (58,70% do valor total vendido). Os cálculos desses estudos foram elaborados todos em planilhas do Excel. Depois de realizados os cálculos, identificou-se qual método de previsão de venda era mais adequado dentro da tolerância de erro determinado pela empresa. Justificativa Uma micro ou pequena empresa precisa ter no atendimento aos seus clientes como afirma Martins (2009) o produto certo, no lugar certo e no tempo certo para atender a demanda. Necessidade da empresa adotar um método de previsão de vendas para manter um baixo investimento em estoque, sem perde venda por falta de produto. Esse estudo de caso tem uma grande importância para a empresa, pois causará uma grande melhoria, algumas delas são: a) Método de estocagem na empresa; b) Com o cálculo da previsão de venda, fornecerá um valor mais próximo da demanda; c) Ganho de tempo para efetuar os pedidos; d) Diminuição no custo para manter o estoque; e) Melhoria no atendimento e satisfação aos clientes; f) Preços mais competitivos; g) Aumento na variedade e modelos de produtos comercializados. Isso sendo bem administrado automaticamente ocorrerá um aumento no nível de serviço da empresa.

15 15 1. REVISÃO DA LITERATURA 1.1. Logística Conforme Martins (2009) a logística busca em suas atividades entregar o produto certo, no lugar certo e na hora certa, com isso sendo feito de forma mais precisa, automaticamente ocorre um aumento na lucratividade da empresa. A origem da logística é militar. Foi desenvolvida visando colocar os recursos certos no local certo, na hora certa, com um só objetivo: vencer batalhas. Para vencermos a batalha da globalização, na qual estamos todos direta ou indiretamente envolvidos, procuramos delinear os objetivos, ferramentas e componentes estratégicos, táticos e operacionais do jogo logístico. (MARTINS, (2009) P.325) A logística é responsável pelo planejamento, operação e controle de todo o fluxo de mercadoria e informação, desde a fonte fornecedora até o consumidor. Martins, (2009, p.326) A importância da Logística na Moderna Economia A logística é importante para auxiliara empresa a ter uma estratégia empresarial de sucesso, diferenciando-se das empresas concorrentes. Logística é importante porque é capaz de auxiliar empresas e organizações na agregação e criação de valor ao cliente. Ela pode ser a chave para uma estratégia empresarial de sucesso, provendo uma multiplicidade de maneiras para diferenciar a empresa concorrência através de um serviço superior ou ainda por meio de interessantes reduções de custo operacional. (ARBACHE, (2011) p. 19). Os principais pontos em que a logística se baseia são a movimentação dos produtos; a movimentação das informações, o tempo, o custo e o nível de serviços. (MARTINS, (2009) p.332). De acordo a Novaes(2007), alogística é o processo de planejar, praticar e controlar,de maneira eficiente o fluxo e o armazenamento de produtos, desde o ponto inicial do processo até o momento do consumo, com o objetivo de atender a expectativa do consumidor.

16 Os Processos Logísticos Arbache (2011) afirma que a logística empresarial moderna baseia-se nas informações da demanda e da oferta, os dois pontos básicos da cadeia de negócios, de forma que atenda a necessidade da empresa no mercado atuante,garantindo assim, a rentabilidade dos produtos ofertados. Os processos logísticos devem estar sempre dimensionados para permitir que a corporação possa criar valor para o cliente e construir um relacionamento duradouro, visto que o cliente está cada vez mais sensível ao serviço agregado ao produto. (ARBACHE (2011) p.49) Conforme Arbache (2011) os processos logísticos devem sempre criar um valor para cliente e construir um relacionamento de confiança, pois cada vez mais o cliente busca serviço de ótima qualidade As Três Dimensões da Logística Conforme Martins (2009) A logística tem três dimensões principais: a) Dimensão de Fluxo: suprimentos, transformação, distribuição e serviço ao cliente; b) Dimensão de atividades: processo operacional, administrativo de gerenciamento e de engenharia; c) Dimensão de domínio: gestão de fluxos, tomada de decisão, gestão de recursos e modelo organizacional. Os significados dessas dimensões pode ser entendido com um exemplo simples. Imaginemos um grão de milho que virá a ser pipoca. Ele crescerá em uma espiga no campo, será colhido e ensacado. O agricultor o venderá a um comerciante, que por sua vez o repassará ao pipoqueiro. Toda essa primeira fase, em termos de dimensão fluxo, corresponderá ao suprimento. A preparação da pipoca será a manufatura, e o percurso do carrinho até os fregueses será a distribuição, a atenção e o serviço ao consumidor. (MARTINS, (2009) p. 330). Martins (2009) mostra através do exemplo os três processosda dimensão da logística, desde a plantação até o consumo Estoques Introdução Conforme Ballou (2003) os estoques são desde as matérias primas, até mesmo os produtos acabados prontos para serem comercializados, eles aparecem em diversos locais de

17 17 armazenamentos como: pátios, chão de fabrica, armazém, centro de distribuição, entre outros lugares. Manter esses produtos a disposição pode variar de 20% a 40% de seus valores por ano Custos dos Estoques Manter estoque acarreta em uma série de custo para as empresas, de acordo com Martins (2009),é usual ouvir dizer que estoque custa dinheiro. Os custos podem ser definidos como: custo diretamente proporcionais à quantidade estocada; custo inversamente proporcionais à quantidade estocada e independentes da quantidade estocadas. Os custos diretamente proporcionais ocorrem quando os custos crescem com o aumento da quantidade média estocada. Por exemplo, quanto maior o estoque, maior o custo de capital investido. Do mesmo modo, quanto maior a quantidade de itens armazenados, maior a área necessária e maior o custo de aluguel. (MARTINS (2009) p. 178). O Quadro 1 mostra outro exemplo de custo diretamente proporcional, Conforme Martins (2009) esses fatores também são conhecidos, como custo de carregamento dos estoques, pela necessidade da empresa manter ou carregar os estoques. Quadro 1 Custo diretamente proporcionais Armazenagem quanto mais estoque mais área necessária mais custo de aluguel. Manuseio quanto mais estoque mais pessoas e equipamentos necessário para manusear os estoquesmais custo de mão-de-obra e de equipamento. Perdas quanto mais estoque maiores a chances de perdas mais custo decorrente de perdas. Obsolescência quanto mais estoque maiores as chances de materiais tornarem-se obsoletos mais custos decorrentes de materiais que não mais serão utilizados. Furtos e roubos quanto mais estoques maiores as chances de materiais serem furtados e/ou roubados mais custos decorrentes. Fonte:Martins. (2009) Os custos inversamente proporcionais são os custos que diminuem com o aumento do estoque médio. Por exemplo, quanto mais elevados os estoques médios, menores são os custos. São denominados custo de obtenção, no caso de itens comprados, e custo de preparação, no caso de itens fabricados internamente. Martins (2009) afirma que os custos independentes são aqueles, que não depende do nível do estoque mantido pela empresa. Por exemplo, o custo do aluguel do galpão.

18 Custos de Manutenção de Estoque Conforme Ballou (2003) os custos de manutenção de estoques resultam da estocagem ou da manutenção dos bens por um período de tempo, que se baseia na quantidade média de materiais. Estes custos podem ser agrupados em quatro classes: custos de espaço, custo de capital, custo dos serviços de estoque ecusto de risco de estoque. a) Custos de espaço- Custo referente ao tamanho necessário para poder estocar os materiais.seu cálculo é feito sobre a metragem necessária para a estocagem; b) Custos de capital Referem-se a perca da taxa de juros anuais sobre o dinheiro investido no estoque. c) Custos dos serviços de estoque - O seguro e os impostos também são umas das partes dos custos de manutenção de estoques,pois seu valor depende aproximadamente da quantidade de estoque mantida. A cobertura de seguro é uma proteção contra perdas decorrentes de incêndio, tempestade ou roubo. Os impostos são cobrados sobre os níveis de estoque encontrados no dia da avaliação; d) Custos de risco de estoque Alguns itens do estoque durante a sua manutenção, tornamse contaminados ou danificados, de alguma maneira que não pode ser comercializados Análise dos Estoques De acordo com Martins (2009) o estoque é um grande fator potencial de gestão de negócios e de lucros. Assim, cabe ao administrador verificar se está sendo correspondido o investimento ou se esta sendo um peso morto. De acordo com Martins (2009) quando existia inflação alta, possuir estoque poderia significar um investimento, pois o estoque sempre estava valorizando com o passar do tempo, com a economia com baixa inflação, isso é inverso, quanto maior estoque, maior custo para mantê-lo. Uma boa gestão do estoque é responsável pelo aumento de lucros obtidos Razões a favor dos estoques De acordo com Ballou (2003) as vantagens de manter estoques relacionam-se com o atendimento ao cliente e comas economias de custo derivadas indiretamente dele. Considere brevemente algumas delas:

19 19 a) Melhorar o serviço ao cliente: Fornecer ao cliente um nível de disponibilidade de produtos e serviço capaz de atender a necessidade do cliente, isso não apenas pode confirma a venda, mas também pode realmente aumentá-las. b) Reduzir custos: mesmo gerando custo para mantê-lo, o estoque pode indiretamente reduzir os custos operacionais e com isso pode ainda compensar o custo da sua manutenção Razões contra estoque Conforme Ballou (2003) os estoques são considerados desperdícios. Pois para mantêlo tem custo.isso acarreta em um capital que poderia estar sendo investido em outras atividades, com uma lucratividade mais vantajosa Método de estoques a seguir: Martins (2009) mostra alguns tipos de método para ter estoques, que são apresentados Sistema de reposição periódica. Conforme Martins (2009) o sistema de reprodução periódica tem como base a compra de mercadoria depois de um determinado período. Para determinar o valor de itens a ser pedido, verifica o valor máximo para estocagem e subtrai a quantidade de estoque. Quantidade a ser pedida= Estoque máximo Estoque atual Sistema da reposição continua. Conforme Martins (2009) o sistema de reposição contínua ou sistema de pedido ou lote padrão é o mais popularmétodo utilizado nas fabricas, ele funciona assim, quando o nível de estoques de um determinado produto atinge um valor previamente determinado, é gerado o pedido com base no consumo médio e no prazo de atendimento. Ponto de Pedido = consumo médio x tempo de atendimento

20 Caixeiro-Viajante. Conforme Martins (2009) o sistema caixeiro-viajante consiste em um vendedor visitar os clientes e verificar o nível de estoque dos produtos que se encontra faltando, e conversando com o cliente é gerado um pedido. Com a grande facilidade de comunicações esse sistema está ficando cada vez mais ultrapassado Contratos de Fornecimento Conforme Martins (2009) os contratos de fornecimento é o processo de compra iniciado em função de uma necessidade de produção. Assim, quando o material se faz necessário, o próprio sistema de computador emite e envia uma ordem de compra Estoque de Segurança De acordo com Martins (2009) os estoques de segurança diminuem os riscos do não atendimento aos clientes. Conforme Martins (2009) a fórmula para calcular o estoque de segurança é: ES = Zα x SD x Onde SD é o desvio padrão do consumo durante o tempo de atendimento; o TA é o tempo de atendimento e Z é o coeficiente da distribuição normal padrão, define o nível de não atendimento. O valor Z pode ser obtido diretamente do Excel, por meio da função INV.NORMP.Na Tabela 1 mostra alguns níveis de atendimento adquirido através do Excel. Tabela 1. Nível de Atendimento Nível de atendimento α (%) Valor de Zα 50 0, , , , , , , , ,325 99,99 3,620 Fonte: Autor. 2011

21 Cálculo do estoque de segurança Martins (2009) mostra um exemplo do cálculo do estoque de segurança com consumo variável e tempo de atendimento constante. Supondo que o mês tenha 30 dias. O consumo de um certo item de estoque obedece a uma distribuição normal com média de 500 unidade/mês e desvio padrão de 60 unidades/mês. O fornecedor tem sido pontual no prazo de entrega, que é invariável e igual a 5 dias. Determinar o estoque de segurança para um nível de atendimento de 99%. (MARTINS, (2009) p. 266). = 0,17 mês. = 2,33 x 60 x = 57,64 = 58 unidades Martins (2009) mostra um exemplo do cálculo do estoque de segurança com consumo constante e tempo de atendimento variável.um item de estoque tem consumo constante de 600 unidades/mês. O tempo de entrega varia discretamente segundo a Tabela 2. Determinar o estoque de segurança para um nível de atendimento de 90%. Considerar um mês de 30 dias. Tabela 2. Tempo de entrega Tempo de atendimento Fonte: Martins. (2009). Probabilidade 8 dias 5 % 9 dias 10 % 10 dias 60 % 11 dias 15 % 12 dias 10 % Tempo de atendimento médio (TA M ) = 8 x 5% + 9 x 10% + 10 x 60% + 11 x 15% + 12 x 10% TA M = 8 x 0, x 0, x 0, x 0, x 0,10 TA M = 10,15 dias D = = 20 unidade/dia Consumo médio = TA M x D = 10,15 x 20 = 203

22 22 Conforme Martins (2009) a probabilidade de o tempo de atendimento ser maior que 11 dias é de 10 %. Nesses 11 dias são consumidas 220 unidades. Assim se estabelecer um estoque de segurança de 17 unidades, 90 % das solicitações serão atendidas. Martins (2009) mostra um exemplo do cálculo do estoque de segurança com consumo e tempo de atendimento variáveis. Um item de estoque cujo consumo é variável segundo a Tabela 3 é comprado de um fornecedor, cujo prazo de entrega também varia conforme a Tabela 3. Elaborar uma análise da fixação do estoque de segurança, em função de nível de serviço diferentes. Tabela 3 Consumo variável e prazo de entrega Demanda Probabilidade Tempo de Probabilidade (Unidade/mês) atendimento % 10 dias 30 % % 15 dias 40 % % 20 dias 30 % % % - - Fonte: Martins. (2009). Considerando o mês com 30 dias Consumo médio diário = 30 unidades/dia Tempo de atendimento médio 15 dias Consumo médio = 30 x 15 = 450 Conforme Martins (2009), supondo que ES = 0, podemos fazer a seguintes considerações: D = 700 (probabilidade de 10 %) e TA = 10 dias (probabilidade de 30%) Consumo em TA = C TA = x 10 = 233,33

23 23 Como estamos considerando um estoque de 450 unidades, todos os itens serão atendidos, e as faltas serão zero.a probabilidade conjunta desse evento é 0,10 x 0,30 = 3% Agora se D = 1000 (probabilidade 15 %) e TA = 20 dias (probabilidade de 30%) C TA = x 20 = 666,67 unidades Como estamos considerando um estoque de 450 unidades. Haverá uma falta de 216 unidades.a probabilidade conjunta desse evento é 0,15 x 0,30 = 0,045 = 4,5% 1.3. Demanda De acordo com Pindyck (2002) a análise da demanda é uma ferramenta essencial e poderosa. Podendo ser aplicada a uma ampla variedade de questões interessantes e importantes. Dentre elas: a) A compreensão e previsão do mercado internacional com relação à mudança de preços do produto; b) O impacto que o governo pode causar em relação ao controle de preço (mudança no salário mínimo, incentivos aos fabricantes e etc.); c) Alteração nas taxas de impostos (as tarifas e as cotas de importação afetam consumidores e produtores). A demanda é o principal determinante do volume e esta tem impacto significativo no projeto das operações. Slack (2008, p. 718) De acordo com Pindyck (2002) a quantidade de vendas em relação à mudança de preço varia da seguinte forma, com os preços menores a quantidade vendida é maior.pois um preço baixo estimula o consumidor a consumir mais produtos e até mesmo os que não usavam, comecema usar Método de Previsão Ballou (2003) afirmaque existem vários métodos de previsão padronizados disponíveis. Foram divididos em três grupos: qualitativo, projeção histórica e casual. Cada grupo diferem em termos de acurácia relativa na previsão de longo prazo versus curto prazo, nível de sofisticação quantitativa usada e base lógica da qual deriva a previsão.

24 Método qualitativo Ballou (2003) afirma que os métodos qualitativos têm como base intuição, julgamentos e técnicas de comparação para produzir uma previsão para o futuro. A informação relacionada aos fatores que afetam a previsão é tipicamente não quantitativa, suave e subjetiva. Dados históricos são poucos relevantes para a previsão Método de projeção histórica De acordo com Ballou (2003) tendo uma quantidade razoável de dados histórico disponível, e se a tendência e variações em determinado tempo do ano são estáveis e bem definidas, esse método pode ser uma maneira eficaz de prever o futuro a um curto prazo Métodos causais Conforme Ballou (2003) os modelos causais para a previsão são constituídos sobre as premissas básicas de que o nível da variável de previsão origina-se do nível de outras variáveis relacionadas. Os modelos causais podem ser muito bons em antecipar mudanças principais na mudança de tempo e em prevê-las no período do médio e longo alcance Como Devemos Medir a Demanda De acordo com Arbache(2011) a previsão da demanda é um assunto muito difícil e complexo, pois dificilmente é previsto com grande grau de acerto. Quanto mais próximo à demanda, melhor é a previsão calculada. Por esse motivo, cresce a busca por informação de pesquisa com os consumidores ou ainda um estudo sobre as condições socioeconômicas das regiões Curva ABC. De acordo com Andrade (2002) a curva ABC é muito usada para a administração de estoques, para a definição de políticas de vendas, para estabelecimento de prioridades, para a programação da produção eoutras aplicações. A análise ABC é uma daforma mais usual de examinar estoques. Essa análise consiste na verificação, em certo espaço de tempo, do consumo, em valor monetário ou quantidades, dos itens de estoque, para que eles possam

25 25 ser classificados em ordem decrescente de importância. Aos itens mais importantes de todos, segundo a ótica do valor ou da quantidade, dá-se a denominação itens classe A, aos intermediários, itens Classe B, e aos menos importantes, itens classe C. (Martins (2003) p. 211) Pereira (2006)afirma que a curva ABC é um método de classificação de informações, com ela pode identificar os itens de maior importância, que geralmente encontra-se em menores números, a curva ABC é muito utilizada na administração de estoques, mais também como política de vendas.na administração de estoque é usado,por exemplo, como parâmetro informativo sobre a necessidade de aquisição de itens essenciais para o estoque, que geralmente tem variação conforme a demanda do consumidor. Conforme Pereira(2006) na avaliação dos resultados da curva ABC, analisa o giro dos itens no estoque, o nível da lucratividade e o grau de faturamento da organização. Os recursos na aquisição do estoque poderão ser definidos pela análise e aplicação correta dos dados fornecidos com a curva ABC Parâmetros de Observação da Curva ABC De acordo com Pereira (2006) na administração de estoque a curva ABC apresenta resultados de demanda de cada item nas seguintes áreas: a) Giro no estoque; b) Proporção sobre o faturamento no período; c) Margem de lucro obtida. Conforme Pereira(2006) os itens são classificados como: a) Classe A de maior importância.valor ou quantidade correspondendo a 20% do total de itens, que representa uma demanda de aproximadamente 65%; b) Classe B com importância média. Valor ou quantidade intermediário correspondendo a 30% do total de itens, que representa uma demanda de aproximadamente 25%; c) Classe C de menor importância. Valor ou quantidade correspondendo a 50% do total de itens, que representa uma demanda de aproximadamente 10%.

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu.

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PREVISÃO DE ESTOQUES NO CONTROLE E PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA- PRIMA EM UMA INDÚSTRIA PRODUTORA DE FRANGOS DE CORTE: UM ESTUDO DE CASO BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Ana Flávia Brito Rodrigues (Anafla94@hotmail.com / UEPA) Larissa Pinto Marques Queiroz (Larissa_qz@yahoo.com.br / UEPA) Luna Paranhos Ferreira

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

A demanda pode ser entendida como a disposição dos clientes ao consumo de bens e serviços ofertados por uma organização.

A demanda pode ser entendida como a disposição dos clientes ao consumo de bens e serviços ofertados por uma organização. Previsão da Demanda As previsões têm uma função muito importante nos processos de planejamento dos sistemas logísticos, pois permite que os administradores destes sistemas antevejam o futuro e planejem

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE. Profa. Marinalva Barboza

Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE. Profa. Marinalva Barboza Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Introdução Esta unidade tem como foco os custos de estoque. Abordará os vários custos e exercícios de fixação. Custos dos estoques

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Administrando Estoques e Processos Adequadamente

Administrando Estoques e Processos Adequadamente Administrando Estoques e Processos Adequadamente Estoque é Dinheiro Planeje e Controle seus Estoques Rev - 1105 Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com.br 1 Serviço de Apoio às Micro e

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

SEXTA PARTE. 46. Administração dos estoques modelos e sistemas básicos. 46.1. Tipos de demandas

SEXTA PARTE. 46. Administração dos estoques modelos e sistemas básicos. 46.1. Tipos de demandas Administração de Materiais 152 SEXTA PARTE 46. Administração dos estoques modelos e sistemas básicos 46.1. Tipos de demandas Quando estamos tratando das características dos estoques, um atributo muito

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

Administração de Materiais

Administração de Materiais Administração de Materiais vanessa2010.araujo@gmail.com EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO Subsistemas Adm. Materiais 1) (CESPE-SGA/AC 2008) A Administração de materiais busca coordenar os estoques e a movimentação

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Dimensionamento dos Estoques

Dimensionamento dos Estoques Administração Dimensionamento, Planejamento e Controle de Profª. Patricia Brecht Dimensionamento dos s Cada área possui interesse em aumentar os níveis de estoque para garantir a segurança e reduzir o

Leia mais

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo.

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo. Gestão de Estoques ANÁLISE DE AMBIENTE Pode-se dizer que as empresas são sistemas abertos, pois estão em permanente intercâmbio com o seu ambiente, ao mesmo tempo em que devem buscar incessantemente o

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Gestão de compras e estoques. Sistema de Reposição de Estoques

Gestão de compras e estoques. Sistema de Reposição de Estoques Gestão de compras e estoques Sistema de Reposição de Estoques Previsão de estoques... A previsão, aumento ou diminuição na compra de novos produtos depende do consumo; Quais produtos, quando e quanto deve

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS

PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS PRIAD - Adm. Materiais e Logística Prof. Célio 1 PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS QUESTÃO 1. Aponte a alternativa que não corresponde aos objetivos da Logística Empresarial

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO Carla Milanesi de Oliveira Carla_mila_lala@hotmail.com CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

PPCP Planejamento, Programação e Controle da Produção. Qualidade, confiabilidade, custo, flexibilidade

PPCP Planejamento, Programação e Controle da Produção. Qualidade, confiabilidade, custo, flexibilidade PPCP Planejamento, Programação e Controle da Produção Wheelwrigt Skinner Swamidass Leong Slack Qualidade, confiabilidade, custo, flexibilidade Custo, entrega, qualidade, serviço confiável, flexibilidade

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais QUESTÕES DE CONCURSOS Acerca de planejamento e controle da produção, e gestão da cadeia de suprimentos, julgue os seguintes itens. 01. A importância do planejamento da produção decorre principalmente da

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

Exercícios livro Gestão de Redes de Suprimentos

Exercícios livro Gestão de Redes de Suprimentos Exercícios livro Gestão de Redes de Suprimentos CAPÍTULO 6 Avaliação de desempenho e alinhamento de incentivos na rede global de suprimentos... 2 1. EXERCÍCIO EXEMPLO. Fabricante de CD s... 2 2. 2a 2b.

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

ATIVIDADES PRIMÁRIAS E DE APOIO

ATIVIDADES PRIMÁRIAS E DE APOIO abe registrar o abismo existente entre a logística da distribuição e a logística do suprimento. No primeiro caso, se 90% dos clientes tiverem as suas mercadorias entregues, houve uma eficiência de 90%.

Leia mais

EnterpriseOne 8.9 Previsão PeopleBook

EnterpriseOne 8.9 Previsão PeopleBook EnterpriseOne 8.9 Previsão PeopleBook Setembro 2003 PeopleSoft EnterpriseOne 8.9 Previsão PeopleBook SKU SCM89PFC0309 Copyright 2003 PeopleSoft, Inc. Todos os direitos reservados. Todas as informações

Leia mais

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Posicionamento em relação à Produção e Interação com outras áreas CQ FO ORNECEDORES Matéria Prima Material de Consumo

Leia mais

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas 1 Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas Aumentos repentinos no consumo são absorvidos pelos estoques, até que o ritmo de produção seja ajustado para

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES T É C N I C O E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P R O F. D I E G O B O L S I M A R T I N S 2015 ESTOQUES São acumulações de matérias-primas, suprimentos, componentes,

Leia mais

Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS. Profa. Marinalva Barboza

Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS. Profa. Marinalva Barboza Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Profa. Marinalva Barboza Atividades da gestão de materiais e a logística Segundo Pozo, as atividades logísticas podem ser vistas por duas grandes áreas: atividades

Leia mais

ESTOCAGEM. Processos e Serviços em Transporte. Curso Técnico em Logística Módulo II. Prof. Esp. Luís Teodoro Peixoto

ESTOCAGEM. Processos e Serviços em Transporte. Curso Técnico em Logística Módulo II. Prof. Esp. Luís Teodoro Peixoto ESTOCAGEM Processos e Serviços em Transporte Curso Técnico em Logística Módulo II Prof. Esp. Luís Teodoro Peixoto CONTEÚDO Vantagens de constituir estoques; Custos de Estoques: fixos e variáveis; Classificação

Leia mais

Capítulo 2 Controle de Estoques, Classificações e Composição.

Capítulo 2 Controle de Estoques, Classificações e Composição. Capítulo 2 Controle de Estoques, Classificações e Composição. Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE A gestão de estoque é, basicamente, o ato de gerir recursos ociosos

Leia mais

MPU Gestão de Materiais Parte 03 Janilson Santos

MPU Gestão de Materiais Parte 03 Janilson Santos MPU Gestão de Materiais Parte 03 Janilson Santos 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL PROF.: JANILSON EXERCÍCIOS CESPE 1) (TJ-DF Técnico)

Leia mais

Administração e Materiais e Recursos Patrimoniais

Administração e Materiais e Recursos Patrimoniais Gestão de Estoques Administração e Materiais e Recursos Patrimoniais 07 novembro Cícero Fernandes Marques Estoques Estoques podem ser uma forma das organizações se protegerem da imprevisibilidade dos processos

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Nr 01

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Nr 01 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Nr 01 CONTROLE DE ESTOQUES 1. Uma loja de departamentos pretende aproveitar o feriado de 01 de Janeiro para realizar o inventário anual de seu estoque, que possui 1.679.434 unidades

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Cabe a este setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não

Leia mais

Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA

Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA Conceitos Iniciais Prever é a arte e a ciência de predizer eventos futuros, utilizando-se de dados históricos e sua projeção para o futuro, de fatores subjetivos ou intuitivos,

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROF: HEBER LAVOR MOREIRA GISELE KARINA NASCIMENTO MESQUITA MARIA SANTANA AMARAL Flor de Lis MATERIAL

Leia mais

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Autores Adriana Gimenes Patreze Jose Roberto Soares Ribeiro 1. Introdução Esta pesquisa diagnosticou a gestão de estoques no

Leia mais

Professor Márcio Micheli. Administração de Recursos Materiais. Questões CESPE

Professor Márcio Micheli. Administração de Recursos Materiais. Questões CESPE 1. A ocorrência de custos de armazenagem depende da existência de materiais em estoque e do tempo de permanência desses materiais no estoque. 2. Materiais que requerem cuidados especiais na armazenagem

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Março/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Fevereiro/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Março/2015. Neste mês, 20,8% dos empresários conseguiram aumentar

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

DECISÕES SOBRE POLÍTICA DE ESTOQUES. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes

DECISÕES SOBRE POLÍTICA DE ESTOQUES. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes DECISÕES SOBRE POLÍTICA DE ESTOQUES Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes Setembro/2013 Introdução Estoques são acumulações de matérias-primas, de materiais em processo e de produtos

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Supply Chain Managment - SCM Conceito: Integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo 1) Definições de Previsão de Demanda 2) Mercados 3) Modelo de Previsão 4) Gestão da Demanda 5) Previsão como Processo

Leia mais

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068 Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Programa da Disciplina I Unidade II Unidade Logística Visão geral e funções Suprimentos

Leia mais

PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO. Unidade II

PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO. Unidade II PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Unidade II 2 PLANEJAMENTO E CONTROLE DE CAPITAL Morgado (01) afirma que a importância do planejamento e do controle financeiro em uma empresa está intimamente

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE LIMITES DE CRÉDITO! Uma nova abordagem para um velho problema.! Apresentação de planilha para determinação de limites de crédito.

DETERMINAÇÃO DE LIMITES DE CRÉDITO! Uma nova abordagem para um velho problema.! Apresentação de planilha para determinação de limites de crédito. UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 41 DETERMINAÇÃO DE LIMITES DE CRÉDITO! Uma nova abordagem para um velho problema.! Apresentação de planilha para determinação de limites de crédito. Carlos Alexandre Sá (calex@marlin.com.br)

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES

ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes

NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes Setembro/2013 Introdução Estimativas acuradas do volume de produtos e serviços processados pela

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise de Séries Temporais usando o Microsoft Excel 2007. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise de Séries Temporais usando o Microsoft Excel 2007. Professor Marcelo Menezes Reis Análise de Séries Temporais usando o Microsoft Excel 2007 1 INE 7001 - Procedimentos de Análise de Séries Temporais usando o Microsoft Excel 2007. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto

Leia mais

5 Estudo de caso: índice de cobrabilidade

5 Estudo de caso: índice de cobrabilidade 5 Estudo de caso: índice de cobrabilidade Neste capítulo, as metodologias abordadas nos capítulos 3 e 4 serão adaptadas e aplicadas ao contexto descrito no capítulo 1 (mensurar as variáveis que compõem

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE Barbara Batista Povoa (UFES ) barbara_povoa@hotmail.com A gestão de estoques vem ganhando cada vez mais espaço

Leia mais

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO Andréa Crispim Lima dekatop@gmail.com Manoela Alves Vasconcelos manoelavasconcelos@hotmail.com Resumo: A previsão de demanda

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA

SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA Amanda Acacia Rodrigues (UNIPAM) amandaacacia.r@gmail.com Andressa Moreira Soares

Leia mais

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Janeiro de 2008. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS Maio/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

Questões que afetam o Preço

Questões que afetam o Preço Questões que afetam o Preço Este artigo aborda uma variedade de fatores que devem ser considerados ao estabelecer o preço de seu produto ou serviço. Dentre eles, incluem-se o método de precificação, o

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia Curso: Administração Disciplina: Administração de Materiais. Unidade 1 Previsão de Demanda. Revisão 0, de 07/08/2012

Faculdade Pitágoras de Uberlândia Curso: Administração Disciplina: Administração de Materiais. Unidade 1 Previsão de Demanda. Revisão 0, de 07/08/2012 Faculdade Pitágoras de Uberlândia Curso: Administração Disciplina: Administração de Materiais Unidade 1 Previsão de Demanda Revisão 0, de 07/08/2012 Prof. João Paulo Seno jpseno.pitagoras@gmail.com O que

Leia mais

4 Gráficos de controle

4 Gráficos de controle 4 Gráficos de controle O gráfico de controle é uma ferramenta poderosa do Controle Estatístico de Processo (CEP) para examinar a variabilidade em dados orientados no tempo. O CEP é composto por um conjunto

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Administração de Materiais MPU Prof. Wendell Léo w.castellano@ig.com.br

Administração de Materiais MPU Prof. Wendell Léo w.castellano@ig.com.br Administração de Materiais MPU Prof. Wendell Léo w.castellano@ig.com.br 01.A ocorrência de custos de armazenagem depende da existência de materiais em estoque e do tempo de permanência desses materiais

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA.

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Fevereiro de 2007. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO GESTÃO DE ESTOQUE - 1 - Jéssica Taiani do Amaral - jessicataiani@hotmail.com Laurinda Oliveira Dourado - RESUMO A gestão de estoques é um assunto vital e, freqüentemente, absorve parte substancial do orçamento

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Controle de estoque Aula 03 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Estoque e sua finalidade Estoque representa uma armazenagem de mercadoria com previsão de uso futuro; Assegurar disponibilidade

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUE: UM RECURSO VITAL PARA O PROCESSO PRODUTIVO RESUMO

CONTROLE DE ESTOQUE: UM RECURSO VITAL PARA O PROCESSO PRODUTIVO RESUMO 1 CONTROLE DE ESTOQUE: UM RECURSO VITAL PARA O PROCESSO PRODUTIVO Ana Caroline de Souza (Discente do 4º ano do curso de Administração-AEMS) Dayanny Karoliny Pedroso de Oliveira (Discente do 4º ano do curso

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais