UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE SÃO LUÍS DE MONTES BELOS CURSO DE PEDAGOGIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE SÃO LUÍS DE MONTES BELOS CURSO DE PEDAGOGIA"

Transcrição

1 UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE SÃO LUÍS DE MONTES BELOS CURSO DE PEDAGOGIA REGIMENTO DA PRÁTICA DE ENSINO E ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA SÃO LUÍS DE MONTES BELOS 2014

2 UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE SÃO LUÍS DE MONTES BELOS CURSO DE PEDAGOGIA REGIMENTO DA PRÁTICA DE ENSINO E ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA Documento elaborado pela coordenação adjunta de Estágio Curricular Supervisionado e aprovado pelo colegiado do curso de Pedagogia da UEG, UnU. de São Luís de Montes Belos, com o objetivo de orientar e regulamentar as atividades do estágio. Coordenadora: Veralucia de Melo Martins da Mata SÃO LUÍS DE MONTES BELOS

3 REGIMENTO DA PRÁTICA DE ENSINO E ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA TÍTULO I DA DEFINIÇÃO Art. 1 o Este instrumento legal regulamenta o componente curricular Estágio Curricular Supervisionado, Obrigatório do Currículo Pleno do Curso de Pedagogia, com habilitações em Magistério para os Anos Iniciais do Ensino Fundamental e Magistério para a Educação Infantil, da UEG Unidade Universitária de São Luís de Montes Belos, em relação aos prérequisitos, coordenação, supervisão e orientação dos estagiários, elaboração do planejamento, relatórios de estágio e critérios de avaliação. Art. 2 o - As disciplinas de Práticas Pedagógicas, Estágio Curricular Supervisionado em Docência nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental I e II, Estágio Curricular Supervisionado em Docência na Educação Infantil I e II, Atividades de Orientação em Docência e as Práticas Pedagógicas diluídas nas disciplinas específicas, têm como objetivo dar suporte teórico metodológico e vivencial ao acadêmico para que o mesmo possa aperfeiçoar-se por meio das Práticas de observação, semirregência e regência dentro do Estágio Curricular Supervisionado, levando o mesmo a refletir, analisar e atuar no processo de ensino-aprendizagem na Educação Infantil, nos anos iniciais do Ensino Fundamental, bem como a intervir em outros sistemas e instituições de ensino formal e não formal. Parágrafo Único - A atuação do acadêmico abrangerá os trabalhos relacionados ao ensino e à aprendizagem desenvolvida nas instituições públicas (Estaduais/Municipais) ou privadas na cidade de São Luís de Montes Belos vinculadas às atividades de prática pedagógica e de docência em sala de aula. Art. 3 o - A Prática de Ensino é componente curricular e as aulas teórico-práticas deverão ocorrer em sala de aula e em outros espaços, escolares e não escolares, cumprindo com a Matriz Curricular de 2009 e o Caderno 2/2010, Resolução CA022/2010. O Estágio Curricular Supervisionado compõe-se de carga horária semestral de 100 horas para atividades práticas na escola campo e orientações aos acadêmicos nas dependências da UEG Unidade Universitária de São Luís de Montes Belos. Ambas as matrizes estão de acordo com o Currículo Pleno do Curso de Licenciatura em Pedagogia. Art. 4º - O Estágio Curricular Supervisionado, as Práticas Pedagógicas e as práticas diluídas, constituem-se como ações interdisciplinares reflexivas desenvolvidas nas escolas campo ou outras instituições nas quais o acadêmico atuará cumprindo a carga horária devida e estipulada pela Matriz Curricular do referido curso de pedagogia. As disciplinas de que se trata este artigo serão desenvolvidas concomitantemente e de forma indissociáveis. 1 0 Considerando que todas as práticas e estágios devem acontecer de forma interdisciplinar, obedecendo ao eixo temático e à dimensão pedagógica direcionada pela Matriz Curricular proposta pelo curso, as Práticas Pedagógicas e Estágio Supervisionado se darão da seguinte forma: I. No 1º ano (1º e 2º períodos), a Prática Pedagógica será componente curricular conforme a Matriz Curricular de 2009, com habilitação em Docência na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. 3

4 II. No 2º ano (3º e 4º períodos), a Prática Pedagógica se dará de forma diluída nas disciplinas do semestre conforme a Matriz Curricular de 2009, com habilitação em Docência na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. III. No 3º ano (5º e 6º períodos), a Prática Pedagógica se dará de forma diluída nas disciplinas específicas e o Estágio Curricular Supervisionado em Docência na Educação Infantil acontecerá de forma sistematizada pelo professor orientador, conforme matriz curricular de 2009, com habilitação em Docência na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. IV. No 4º ano (7º e 8º períodos), a Prática Pedagógica se dará nas disciplinas específicas e o Estágio Curricular Supervisionado em Docência nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental acontecerá de forma sistematizada, pelos professores orientadores.( conforme diretriz em anexo) 2 o O acadêmico que exerce atividade de docência regular em educação no Ensino Fundamental ou na Educação Infantil poderá ter redução na carga horária do Estágio Curricular, composta de 200 (duzentas) horas para o 4º ano e 200 (duzentas) horas para o 3º ano, em até 50 % das horas previstas na Matriz Curricular para o estágio obrigatório, desde que apresente documentos comprobatórios do exercício da atividade profissional, no período de realização da atividade por mais de 06 (seis) meses. I. Ressalta-se que as demais horas de estágio deverão ser cumpridas em outra instituição. A redução deverá ser realizada em cada etapa, descontando 50% de cada atividade estabelecida por este documento. 3º - Ao requerer o aproveitamento como estágio de suas atividades profissionais, o acadêmico deverá apresentar os seguintes documentos: a) cópia da documentação em que se fique configurado seu vínculo empregatício (apostila de nomeação ou equivalente; declaração assinada pelo diretor, subsecretário ou Secretario Municipal de Educação); b) documento comprovante de seu horário de trabalho, carga horária e descrição das atividades que executa. TÍTULO II DA PARTE TEÓRICA Art. 5º - A parte teórica das Práticas Pedagógicas, Práticas Diluídas, Atividades de Orientação, Estágio Curricular Supervisionado em Docência nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental I e II e Estágio Curricular Supervisionado em Educação Infantil I e II, destinase a propiciar o embasamento teórico ao acadêmico quanto ao conhecimento dos processos didáticos metodológicos do processo de ensino e aprendizagem desses níveis de ensino. Art. 6º - As atividades correspondentes à parte teórica serão desenvolvidas em sala de aula de acordo com o plano de trabalho elaborado pelo professor orientador juntamente com seus alunos de Estágio Supervisionado e Prática de Ensino. Art. 7º - A avaliação da parte teórico/prática deverá ser feita priorizando o perfil profissional desejado quanto à competência e habilidades previstas nas diretrizes curriculares do Curso de Pedagogia, utilizando os diversos instrumentos preconizados nos planos de trabalho do professor. 1º - O rendimento da parte teórica será avaliado por meio das atividades estabelecidas e propostas pelos planos de trabalho dos professores que serão desenvolvidos durante o 4

5 semestre pertinente com a prática, ressaltando que, todos os professores deverão utilizar critérios de avaliação. 2º - Será aprovado o aluno que obtiver, no mínimo, média 7,0 (sete) e frequência mínima de 75% nas aulas teóricas de Prática de Ensino e Estágio Curricular Supervisionado nos dois bimestres, cumprido a carga horária específica para as atividades do Estágio Supervisionado; e a média final 5,0 (cinco) em N-3, conforme determina o Regimento Interno da Unidade. 3º - A avaliação se dará de modo processual e sistêmico, ao longo do semestre. O desenvolvimento das competências previstas nas diretrizes curriculares deverá ser acompanhado, orientado individualmente e/ou em grupo pelo professor, recebendo menções avaliativas com finalidade de retroalimentar o processo ensino-aprendizagem. I Critérios de avaliação: Assiduidade; pontualidade; envolvimento com as atividades de sala de aula e/ou gestão; frequência aos encontros com o orientador, preenchimento adequado de fichas e registros, preenchimento adequado de fichas e registros obrigatórios, organização de portfolio, artigo final. TÍTULO III DA PARTE PRÁTICA Art. 8 o - O Estágio Curricular Supervisionado em Docência nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental I e II, consiste no desenvolvimento e no envolvimento profissional do acadêmico junto às instituições públicas ou privadas com modalidades do Ensino Fundamental do 1 o ao 5 o ano, pertencentes à comunidade. E, ainda, das atividades constantes deste regimento que regulamenta e orienta o mesmo, considerando o plano de trabalho do professor regente da escola campo. 1º - Estágio Curricular Supervisionado em Docência nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental I e II é dividido em três fases (observação, semirregência e regência) obedecendo a Carga Horária de 200 (100 horas em cada semestre), os Eixos Temáticos e as Dimensões respectivas a cada período propostas na Matriz Curricular do Curso de Pedagogia. Art. 9 o O Estágio Curricular Supervisionado na Educação Infantil I e II (3º ano/2011, matriz de 2009), consiste no desenvolvimento, e no envolvimento profissional do acadêmico junto às instituições escolares públicas ou privadas que desempenhem atividades de ensino na Educação Infantil, pertencentes à comunidade. E, ainda, das atividades constantes deste regimento que regulamenta e orienta o mesmo, considerando o plano de trabalho do professor regente da escola campo. Parágrafo Único - O Estágio Supervisionado em Docência na Educação Infantil I e II é dividido em três fases (observação, semirregência e regência) obedecendo a Carga Horária de 200 horas (100 horas em cada semestre), os Eixos Temáticos e as Dimensões respectivas a cada período propostas na Matriz Curricular do Curso de Pedagogia. TÍTULO IV DIVISÃO DA CARGA HORÁRIA PARA AS ATIVIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 10 Educação Infantil I E II 5

6 1º SEMESTRE: Observação e Semirregência: Prática 100h sendo: Observação 50h 20h para a sistematização das ações com acompanhamento do professor orientador fora da escola-campo, sendo: Contato com o CEMEI para assinatura do termo de compromisso e definição dos dias disponíveis na instituição. Elaboração do cronograma pessoal de trabalho para o semestre (deverá ser entregue em 4 vias: professor e coordenador de estágio - UEG e professor e coordenador do CMEI) Sistematização de relatórios Discussão e planejamento das oficinas temáticas a partir do diagnóstico da escola campo e de outras necessidades específicas da turma. Encontros com orientador (mínimo dois) 15 h de observação em sala de aula 15h para trabalhos realizados junto ao CMEI, sendo: Levantamento diagnóstico: estrutura física, proposta pedagógica, cultura organizacional, relação família e escola Leitura e análise sistemática do planejamento Auxílio aos departamentos e a outras turmas, conforme necessidade. Semirregência - 50h 20h para a sistematização das ações com acompanhamento do professor orientador fora da escola-campo, sendo: Elaboração dos relatórios, organização das fichas, planos de ensino, atividades e demais documentos comprobatórios Encontros com orientador (mínimo três) Execução das oficinas pedagógicas (facultativo ser na escola campo) 15h de semirregência, considerando 5h planejamento, seleção e preparação do material didático 10h de semirregência, na presença do professor regente 15h para trabalhos realizados junto à instituição, sendo: Auxílio aos diferentes departamentos e a outras turmas do CMEI, conforme necessidade Acompanhamento e análise do Planejamento Participativo (nas unidades que permitirem a participação acadêmica) Acompanhamento e auxílio nos projetos desenvolvidos pela escola 2º SEMESTRE Prática 100h Regência 40h para a sistematização das ações, sendo: Elaboração do cronograma pessoal de trabalho no semestre (deverá ser entregue em 4 vias: professor e coordenador de estágio - UEG e professor e coordenador do CMEI) Encontros com orientador (mínimo quatro) Elaboração de relatórios, organização das fichas e demais documentos comprobatórios Planejamento, seleção e preparação do material didático para regência 6

7 Planejamento e execução de projeto pedagógico e/ou cultural 25h regência 35 horas de atividades relacionadas à docência: Acompanhamento e auxílio em projetos e atividades desenvolvidas no CEMEI ou em outros espaços Observação e acompanhamento de reuniões de pais Palestras voltadas para a formação docente (sujeitas à avaliação do professor orientador) Art Ensino Fundamental I e II 1º SEMESTRE: Observação e Semirregência: Prática 100h Fase de Observação 30h 5h para a sistematização das ações, sendo: - 1h para elaboração do cronograma de trabalho semestral. Deverá ser impresso em 3 vias, sendo: uma para o professor de estágio (UEG), uma para o professor regente (escola-campo) e uma para o portfólio. - 2h para elaboração de relatório - 2h para encontro com orientador 15h de observação em sala de aula 10h para trabalhos realizados junto à escola 1, tais como: - Levantamento diagnóstico com base no Projeto Político Pedagógico (PPP) e/ou entrevista com grupo gestor. - Auxílio aos diferentes departamentos e a outras turmas, conforme necessidade da escola (leitura, tabuada e reforço dos alunos, acompanhamento de aula-campo, ornamentação, elaboração de recursos didáticos, auxílio à gestão, etc...). Fase de Semirregência 70h 10h para a sistematização das ações, sendo: - 6h elaboração dos relatórios e organização das fichas - 4h para encontro com orientador 15h de semirregência e auxílio ao professor dentro da sala de aula, sendo: - 5h para planejamento, seleção e preparação de material didático - 10h semirregência (regência de curta duração por disciplina ou período), na presença do professor regente. 30h para trabalhos realizados junto à escola 2, sendo: - Auxílio aos diferentes departamentos e a outras turmas, conforme necessidade da escola. 1 2 Com registros de resumo sucinto das atividades desenvolvidas. Com registros de resumo sucinto das atividades desenvolvidas. 7

8 - Observação e acompanhamento de reuniões de pais, conselhos de classe e Planejamento Participativo, Trabalho coletivo, etc. (conforme permissão das escolas). - Acompanhamento e auxílio nos projetos desenvolvidos pela escola. 15h Planejamento e execução de projeto pedagógico e/ou cultural (em sala), sendo 5h para planejamento e elaboração do material didático e 10h para execução. 2º SEMESTRE: Regência: 100 h Regência 20h para a sistematização das ações, sendo: - 02h Elaboração do cronograma de trabalho semestral do acadêmico (deverá ser entregue ao professor- orientador e professor regente da escola campo. - 06h Encontro com orientador ) - 06h Elaboração de relatório e organização das fichas - 06h Planejamento, seleção e preparação do material didático para regência 30h de regência (preferencialmente na mesma turma onde foram realizadas as observações e semirregências). 30h Atividades relacionadas à docência, sendo facultativo ser fora da escola campo. - Acompanhamento e auxílio em projetos e atividades desenvolvidas na escola ou em outros espaços. - Palestras voltadas para a formação docente (sujeitas à avaliação do professor orientador). 20h Oficinas pedagógicas; - 15h Planejamento e elaboração de materiais didáticos, plano de aula, folders, convites. - 05h Realização das oficinas na Unidade Universitária/ São Luís de Montes Belos. Parágrafo Único A etapa de regência deverá ser realizada na(s) turma(s) onde foram realizadas as observações e semirregência. Art Cada fase deverá ser cumprida, obedecendo a data limite para sua realização, conforme cronograma, sendo facultativo ao aluno, antecipá-las, mas não prorrogá-las. As datas limites serão apresentadas pelo coordenador do Estágio Curricular Supervisionado aos professores orientadores no início de cada ano letivo para apreciação, sempre levando em conta o calendário anual da Rede Municipal de Ensino e os acordos feitos com os diretores e coordenadores das escolas que a compõem. Parágrafo único: As atividades de Estágio deverão ter início, inclusive nas escolas-campo, a partir da segunda semana do ano letivo da UnU, não podendo ultrapassar trinta dias do início do período letivo da UnU. Art Cabe ao estagiário, na primeira visita à escola, assinar o termo de compromisso do 8

9 estágio, definir, em conjunto com o diretor ou responsável legal pela escola-campo, o melhor dia e hora para sua realização, e o mesmo indicará a turma disponível e o período em que a escola poderá recebê-lo para a realização do estágio. Art O campo de estágio, informado previamente pelo coordenador adjunto aos professores orientadores e fixado no mural para conhecimento e divulgação junto aos acadêmicos, será definido previamente com o Secretário Municipal de Educação, antes do início das aulas. Parágrafo único: Preferencialmente, o estágio deverá ser feito na Rede Municipal de Ensino. Caso o aluno resolva fazer estágio em uma escola particular, deverá informar previamente à coordenação, que buscará, junto ao diretor da escola campo, firmar a parceria. Não será permitida mais de uma escola particular a cada ano por turma, sob risco de comprometer a parceria normalmente firmada com o Município. Caso ocorra a indicação de mais de uma, a equipe formada por professores e coordenador do estágio definirá por apenas uma delas. Art O professor orientador tem por obrigação, acompanhar o acadêmico em 25% da carga horária destinada às atividades práticas a serem cumprida em cada semestre. As atividades realizadas serão definidas pelos professores e apresentadas à coordenação do estágio. Todas elas deverão ser registradas na ficha de acompanhamento de atividades do professor orientador e entregues à coordenação até o dia 18 de cada mês, para comprovação de carga horária. Art Para a realização do estágio é obrigatório o uso do jaleco. O planejamento deverá ser realizado junto ao professor orientador e/ou regente, sob pena da não validação da etapa de estágio então realizada. È de responsabilidade do acadêmico estagiário o preenchimento das fichas e a elaboração de relatórios de todas as atividades realizadas. Art. 17 O Portfólio deverá ser uma produção analítica dotada de reflexões sobre as atividades desenvolvidas na escola campo a partir de todas as etapas de realização do Estágio Supervisionado. A data limite para entrega dos relatórios finais do Estágio Curricular Supervisionado deve ser no máximo até 15 dias antes da data prevista para o encerramento do semestre. A DA OBSERVAÇÃO O acadêmico observará a escola/sala de aula como um todo para facilitar o reconhecimento da mesma, salientando a importância da observação para com a comunidade escolar (gestor, professor, funcionários, pais, alunos), bem como o processo de interação com o funcionamento da Secretaria, Biblioteca, coordenação, gestão e demais áreas envolvidas no processo de ensino-aprendizagem. Art A fase de Observação é utilizada para análise e assimilação da realidade das instituições de ensino, seguindo orientações do professor regente em consonância com plano de trabalho detalhado, apresentado antecipadamente pelo professor de Prática de Ensino e de Estágio Supervisionado. Parágrafo Único O acadêmico só poderá iniciar a fase seguinte ou dar continuidade ao estágio após cumprir as exigências de carga horária da fase anterior, conforme o plano de trabalho do professor em consonância com a Matriz Curricular do Curso de Pedagogia B DA SEMIRREGÊNCIA 9

10 Nesta fase, o aluno estará se preparando para assumir a regência. As atividades podem ser realizadas nas instituições públicas ou privadas contemplando projetos interdisciplinares ou disciplinas específicas propostas pelo professor regente, sempre sob supervisão do professores orientadores e regentes; com carga horária determinada pela Matriz Curricular do Curso de Pedagogia e por este documento. Art A fase da Semirregência será realizada preferencialmente na escola-campo onde o acadêmico fez a observação, inclusive, deve ser na mesma série em que fez a observação para não descaracterizar o estágio. A semirregência estará sob orientação do professor de Estágio Supervisionado durante as aulas teóricas, visando o preparo do licenciando para assumir as atividades de regência na escola campo. Art A fase de semirregência será feita através das atividades contextualizadas ou interdisciplinares com suporte pedagógico do professor regente e/ou do professor orientador, pré-estabelecidas no plano de trabalho do acadêmico. C DA REGÊNCIA O acadêmico ministrará aulas contemplando diferentes disciplinas, podendo o mesmo, também realizar projetos interdisciplinares envolvendo os Temas Transversais, entre outros. Depois de cumpridas as etapas e exigências legais, o estagiário apresentará relatórios de cada fase desenvolvida, para, posteriormente, montar o portfólio para comprovar a ação e atuação acadêmica. A supervisão, a orientação educacional e o planejamento devem ser sistematizados e acompanhados pelo professor orientador e/ou professor de prática desde o planejamento até a execução do mesmo. Art A fase de Regência realizar-se-á até completar a carga horária exigida no regulamento ou Matriz Curricular do Curso de Pedagogia, sendo uma exigência legal o cumprimento da carga horária de todas as fases para a conclusão do referido curso no qual será habilitado. TÍTULO V DA EQUIPE DE ESTÁGIO Art A organização, orientação e supervisão dos assuntos referentes a estágios ficam sob a responsabilidade da Equipe de Estágio, órgão subordinado à Diretoria da UEG da Unidade de São Luís de Montes Belos. Art. 23 São membros da Comissão de Estágio: a) o coordenador pedagógico; b) o coordenador de curso; c) o coordenador adjunto de estágio supervisionado; d) os professores orientadores de Estágio Curricular Supervisionado. e) professores das disciplinas de Atividades de Orientação em Docência Art. 24 Compete à Comissão de Estágio: I. zelar pelo cumprimento deste Regimento; II. Julgar as transgressões disciplinares dos estagiários, sem prejuízo da competência da Diretoria da UnU. de São Luis de Montes Belos; 10

11 III. propor ao Conselho Acadêmico solução sobre os casos omissos neste Regimento; IV. participar de reuniões deliberativas. TÍTULO VI DAS ATRIBUIÇÕES Art Das atribuições do Coordenador Adjunto 1º - Compete ao Coordenador Adjunto de Estágio Supervisionado/Prática Pedagógica: I. acompanhar e propor modificações na Política de Estágio Curricular Supervisionado e Prática Pedagógica; II. supervisionar o cumprimento das normas estabelecidas; III. apoiar os professores-orientadores de estágio e práticas pedagógicas; IV. desenvolver permanentemente mecanismos para identificar oportunidades de estágio junto aos setores público e privado; V. divulgar as ofertas de estágio aos alunos em condições de estagiar; VI. concentrar e organizar a documentação relativa aos estágios e projetos desenvolvidos em cada uma das escola campo; VII. administrar o conjunto de ações que dizem respeito à implementação e execução dos estágios; VIII. assinar por expedientes, correspondências, certidões, declarações e outros documentos referentes ao estágio; IX. autorizar atividades externas de estágio a serem cumpridas em escolas ou entidades conveniadas, desde que satisfeitos os critérios aprovados no colegiado do curso; X. organizar, coordenar, fomentar e acompanhar as atividades do estágio curricular e extracurricular; XI. estabelecer e divulgar o calendário anual das atividades de estágio, fixando o período e as formalidades a serem cumpridas pelos alunos para a inscrição nas atividades e dos prazos para cumprimentos das tarefas; XII. promover reuniões, palestras, seminários e outras atividades com objetivo de resolver possíveis problemas que surgirem ao longo do cumprimento das atividades de estágio supervisionado; XIII. divulgar as experiências do estágio junto à comunidade interna e externa através de publicações e eventos. XIV. apreciar e supervisionar propostas de convênios e de termos aditivos; XV. manter atualizados os arquivos referentes ao estágio supervisionado e práticas pedagógicas; 11

12 XVI. desenvolver outras atividades correlatas à sua função, quando solicitada. XVII. sistematizar, elaborar e alterar fichas e formulários para planejamento, acompanhamento e avaliação do estágio e prática pedagógica; XVIII. divulgar aos estudantes e professores a política de estágio supervisionado do curso, contendo diretrizes e normas a serem cumpridas e coordenar a elaboração do Plano de Estágio Curricular Supervisionado e de Práticas Pedagógicas de acordo com especificidades do curso. XIX. encaminhar à coordenação de curso e coordenação geral o nome dos professores de estágio supervisionado e prática pedagógica com os respectivos locais de realização dos estágios e o tipo de atividades (cronograma). Art. 26º - das atribuições do professor orientador/supervisor 1º - São atribuições do professor de Prática de Ensino e Estágio Supervisionado: I. Planejar, acompanhar e avaliar as atividades do estágio e prática pedagógica junto à coordenação de estágio, bem como orientar e esclarecer os acadêmicos no processo de preenchimento das fichas, montagem de projetos interdisciplinares, na elaboração de questionários, na produção do material didático a ser usado no Estágio Supervisionado como suporte teórico-prático, sanando as dúvidas pertinentes a cada ação acadêmica no contexto de sua prática pessoal e profissional. II. Elaborar o calendário para atendimento aos acadêmicos, considerando que o horário será cumprido na unidade e fora do horário das aulas teóricas, também marcadas com antecedência. III. Montar o cronograma e discutir com o coordenador de estágio, para apresentação das oficinas, minicursos e projetos, os quais serão propostos ao acadêmico de acordo com a exigência legal da Matriz Curricular do curso. IV. Acompanhar o desenvolvimento da regência do Estágio, bem como o cumprimento da carga horária teórica e prática exigida pela Matriz Curricular, para facilitar a sistematização e acompanhamento do acadêmico e a sua atuação na instituição campo. V. Repassar à coordenação de Prática e Estágio Supervisionado as fichas de Estágio e Práticas de Ensino devidamente preenchidas ao término do cumprimento da carga horária da disciplina proposta a cada período, através do portfólio, onde o acadêmico catalogará os documentos que comprovem a efetivação da sua ação (observação, semirregência e regência). 2º - O professor de Estágio Supervisionado acompanhará a regência do acadêmico através da observação direta de, no mínimo, cinco aulas ministradas pelo estagiário. 3º - O professor orientador deverá chegar na hora prevista para o início da aula, a fim de assistir e avaliar o aluno, e não se retirar antes do término da mesma, no caso da regência do acadêmico. I - Cabe ao professor intervir, junto ao estagiário, caso julgue que a ação deste compromete a aprendizagem dos alunos. Art O professor de Prática de Ensino e Estágio Supervisionado deverá possuir formação acadêmica e experiência na área da educação na modalidade na qual deverá atuar, além de ser 12

13 conhecedor do Projeto Pedagógico do Curso de Pedagogia, bem como das especificidades da instituição ou escola campo. Art A formação teórica será ministrada na sala de aula de acordo com o programa de Ensino dos professores Atividade de Orientação em Docência da Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental, que deve ser apresentado ao acadêmico no primeiro dia de aula para regulamentação e averiguação das normas propostas, articulado com o trabalho realizado pelos professores de e orientações práticas ocorrerão em horários previamente agendados com os professores orientadores de Estágio Supervisionado nas dependências da UEG, Unidade Universitária de São Luís de Montes Belos/ Go. Art A orientação do Estágio Supervisionado deverá acontecer nas dependências da UEG Unidade Universitária de São Luís de Montes Belos, em horário diferente ao momento de aula da sua turma, sendo agendado previamente pelo acadêmico para os dias e horários estabelecidos no plano de trabalho de cada professor. Art O Estágio Curricular Supervisionado deverá dedicar 12h aulas semanais para a orientação e visitas às escolas campo. Tais atividades deverão ser comprovadas por meio de fichas de registro das visitas e orientações (Registrar o nome do estagiário e a natureza da orientação realizada). Art Cabe aos estagiários I. conhecer o regulamento do Estágio Supervisionado e cumprir suas diretrizes, respeitando suas normas de funcionamento; II. ter um professor orientador, durante o período de realização do Estágio. III. ser apresentado à instituição indicada pelo professor orientador onde deve realizar o estágio; ser infirmado sobre as instituições parceiras do estágio para o ano letivo. IV. recorrer, junto a Coordenação de Estágio Supervisionado, da decisão do professor orientador que estiver em desacordo com as propostas para o Estágio Supervisionado; V. solicitar mudança de local de estágio quando as normas estabelecidas e o planejamento do estágio não estiverem sendo seguidos. VI. manter sigilo e ética sobre as atividades e informações a que tiver acesso na instituição, evitando expor a escola-campo em que estiver estagiando, bem como cumprir suas normas de organização interna; VII. comunicar, com antecedência mínima de dois dias, ao professor regente, a necessidade de falta justificada ao estágio; VIII. elaborar e submeter à apreciação do professor orientador, os relatórios parciais de atividades do estágio, bem como apresentar o portfólio dentro do prazo estipulado pela equipe de estágio; IX. frequentar as atividades de estágio e os encontros de orientação, nos horários estabelecidos; X. cumprir rigorosamente a carga horária de estágio a ser trabalhada na prática, em cada etapa que constar no projeto de estágio; 13

14 TITULO VII DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art Os professores de Estágio Supervisionado em Docência nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental I e II, do Estágio Supervisionado em Docência em Educação Infantil I e II, das Atividades de Orientação em Docência, das Práticas Pedagógicas diluídas nas disciplinas específicas avaliarão o acadêmico levando em conta as aulas práticas e teóricas, assim como o cumprimento da carga horária e o desempenho individual realizado nas atividades estabelecidas em cada fase e de acordo com o programa de ensino dos mesmos. Art O número de estagiários por professores de Prática de Ensino e Estágio Supervisionado é, em média, de 20 alunos. Art Nas turmas de Prática de Ensino e Estágio Supervisionado, as orientações dos professores devem ser dadas com fins específicos para o enriquecimento e o aprofundamento das aulas práticas, ou sugestões de temas para projetos de ensino/interdisciplinares, preenchimento de fichas, montagem e elaboração de portfólio ou outras atividades que possam ser desenvolvidas na escola campo. Art O acadêmico será obrigado a fazer o estágio nas disciplinas propostas pelo plano do professor regente (escola-campo), cumprindo a carga horária estabelecida pela Matriz Curricular do Curso de Pedagogia, sendo acompanhado pelo professor orientador. Art. 36 O acadêmico será aprovado mediante o cumprimento da carga horária estabelecida pela Matriz curricular do curso de Pedagogia, bem como pelo desempenho pessoal e profissional do mesmo na instituição campo, considerando a questão teórica realizada em sala de aula na UEG, em consonância com o cumprimento do plano de curso proposto pelo professor das disciplinas, com atividades e avaliações estabelecidas e determinadas anteriormente. Art O Estágio Curricular Supervisionado Obrigatório deve, preferencialmente, ser realizado na cidade sede da Unidade Universitária que oferece o curso, conforme art. 19 da resolução do CSA 022/2010. No parágrafo único do mesmo artigo, consta: O Estágio Curricular Supervisionado Obrigatório poderá ser oferecido fora da cidade sede desde que seja analisado em comum acordo entre: o Coordenador de Curso, Coordenador Adjunto de Estágio Supervisionado, Professor Orientador de Estágio e acadêmico estagiário, considerando as condições da parte concedente, registrando em ata e encaminhada a PrG, para conhecimento, no prazo de 30 dias da data da decisão. A equipe de estágio decidiu por não permitir o estágio fora do município. Mesmo que os alunos assumissem o compromisso de subsidiarem as despesas de locomoção e estadia para os professores de estágio, entendemos que há três impedimentos legais para que assim ocorra. Primeiro, por se tratar de uma Universidade pública, ela não pode receber subsídios de pessoa física para cumprir sua missão acadêmica; segundo, a Universidade tem o compromisso de resguardar a integridade física e profissional de seus docentes, uma vez que há riscos, inclusive de acordo com a Lei nº de 07/12/1977 de acidentes decorrentes desse deslocamento. Terceiro, a legislação da UEG prevê o estágio preferencialmente, no município sede. 14

15 Art Após a confecção dos diários de Estágio com a distribuição dos alunos por professor orientador, através de critérios que facilite para o desenvolvimento do acadêmico em sua atuação profissional e para o professor conhecer melhor seu aluno, será vedada a mudança de professor, por solicitação do aluno. No caso dos diários de práticas diluídas, a carga horária e a atividade realizada deverão ser especificadas no diário. Art A Coordenação de Prática de Ensino e Estágio Curricular Supervisionado fará reuniões e relatórios bimestrais com os professores das disciplinas Estágio Curricular Supervisionado, para melhor interação com o processo, levantando questões pertinentes à atuação teórica e prática tanto do professor quanto do acadêmico, as quais servirão de parâmetro para as práticas posteriores. Art Os casos omissos serão resolvidos em reuniões das coordenações (Curso de Pedagogia, Geral, Prática de Ensino e Estágio Curricular Supervisionado e professores das disciplinas) ou no colegiado do Curso de Pedagogia. Art Mediante o Conselho Acadêmico do Curso de Pedagogia este Regimento entra em vigor na data de sua aprovação pelo colegiado do curso. São Luís de Montes Belos, fevereiro de Veralucia de Melo Martins Da Mata Coord. Adj. Estágio Supervisionado Selma Maria Coordenadora do Curso 15

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO 1) UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO Itaberaí/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

Regulamento dos Estágios Supervisionados do Curso de Pedagogia CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Regulamento dos Estágios Supervisionados do Curso de Pedagogia CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Regulamento dos Estágios Supervisionados do Curso de Pedagogia CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º Os Estágios Supervisionados na Gestão e Docência da Educação Infantil e na

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES À RESOLUÇÃO Nº 684/09 CONSEPE, REFERENTE À PRÁTICA DE ENSINO/ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO

NORMAS COMPLEMENTARES À RESOLUÇÃO Nº 684/09 CONSEPE, REFERENTE À PRÁTICA DE ENSINO/ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS COORDENADORIA DE LICENCIATURA EM TEATRO COLEGIADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM TEATRO NORMAS COMPLEMENTARES

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 111 DE 18 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 111 DE 18 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 111 DE 18 DE JULHO DE 2011. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

Faculdade de Educação de Alta Floresta FEAFLOR

Faculdade de Educação de Alta Floresta FEAFLOR REGIMENTO DE PRÁTICA DE FORMAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE ALTA FLORESTA - Alta Floresta/2009 SUMÁRIO 1 Apresentação... 3 2 DA DEFINIÇÃO... 3 3 DA FINALIDADE... 5 4 DAS DISPOSIÇOES

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA E LÍNGUAS ESTRANGEIRAS (INGLESA, ESPANHOLA E ALEMÃ) CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO forma: A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte 1. Primeiro contato com a administração e o serviço de supervisão

Leia mais

Regulamento dos Estágios Supervisionados do Curso de Educação Física CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO II DA NATUREZA

Regulamento dos Estágios Supervisionados do Curso de Educação Física CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO II DA NATUREZA Regulamento dos Estágios Supervisionados do Curso de Educação Física CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º Os Estágios Supervisionados de formação no Curso de Educação Física/FAED/UFGD

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

Curso de Engenharia de Elétrica

Curso de Engenharia de Elétrica Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Engenharia de Elétrica Cascavel-PR 2011 - 2 - CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA Matriz 23 Junho de 2013 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA CREDENCIAMENTO: Decreto Publicado em 05/08/2004 RECREDENCIAMENTO: Decreto Publicado em 15/12/2006

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA CREDENCIAMENTO: Decreto Publicado em 05/08/2004 RECREDENCIAMENTO: Decreto Publicado em 15/12/2006 REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG (Ato de Aprovação: Resolução do Reitor Nº 47/2010 de 30/04/2010) Art. 1º O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

F A C U L D A D E N A Z A R E N A D O B R A S I L REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO B A C H A R E L A D O E M T E O L O G I A

F A C U L D A D E N A Z A R E N A D O B R A S I L REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO B A C H A R E L A D O E M T E O L O G I A F A C U L D A D E N A Z A R E N A D O B R A S I L REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO B A C H A R E L A D O E M T E O L O G I A 2 CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GUARUJÁ 2013 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º - O Estágio

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés REGULAMENTO DO ESTAGIO SUPERVISIONADO Regulamenta o Estágio Supervisionado do Curso de Pedagogia no âmbito da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés. CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES Art.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS.

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS. REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL O presente regulamento fundamenta-se nos termos

Leia mais

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (Lei Nº 11.788 / 2008) Regulamenta as atividades do Estágio Curricular da FAMEC e estabelece normas

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010 O Diretor das Faculdades Integradas Campo Grandenses, no uso de suas atribuições regimentais e por decisão dos Conselhos Superior, de Ensino, Pesquisa, Pós Graduação e Extensão e de Coordenadores, em reunião

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE Considerando o significado e a importância do Estágio como parte fundamental da formação profissional, define-se

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

Nome do curso: Pedagogia

Nome do curso: Pedagogia Nome do curso: Pedagogia MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Artigo 1º - O ESTÁGIO SUPERVISIONADO, previsto na Lei nº 9394/96 de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 20 de dezembro de 1996, visa a complementar

Leia mais

Escola Superior de Ciências Sociais ESCS

Escola Superior de Ciências Sociais ESCS Escola Superior de Ciências Sociais ESCS Manual do Estágio Supervisionado Curso de Graduação - Licenciatura em História MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Conforme legislação em

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS Art. 1. Os estágios supervisionados específicos, obrigatórios e não-obrigatórios

Leia mais

RESOLUÇÃO N 003/2010

RESOLUÇÃO N 003/2010 RESOLUÇÃO N 003/2010 Institui regulamento para o cumprimento das atividades de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia da FCH/ FUMEC. O PRESIDENTE DO COLEGIADO DE CURSOS NO USO DE SUAS

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 4 Regulamento de Estágio do Curso de Serviço Social DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio Supervisionado, previsto no Currículo do Curso de Serviço Social será desenvolvido de acordo com as normas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório do Bacharelado em Ciências Biológicas 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento normatiza as atividades do Estágio Supervisionado em Publicidade e Propaganda

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DO ISEI RESOLUÇÃO Nº 01/ 2007, DE 29 DE JUNHO DE 2007

CONSELHO SUPERIOR DO ISEI RESOLUÇÃO Nº 01/ 2007, DE 29 DE JUNHO DE 2007 CONSELHO SUPERIOR DO ISEI RESOLUÇÃO Nº 01/ 2007, DE 29 DE JUNHO DE 2007 Aprova o regulamento dos Estágios Supervisionados dos cursos de Graduação - Licenciaturas do ISEI. O Presidente do Conselho Superior

Leia mais

COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º. As Práticas de Campo do Curso de Enfermagem parte integrante

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I- DA EXIGÊNCIA - Resolução CNE/CP 1/ 2002, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura,

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA.

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO São Paulo 2010 CAPÍTULO I DO CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º - O Estágio

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 067/2011

RESOLUÇÃO nº 067/2011 RESOLUÇÃO nº 067/2011 Disciplina os estágios obrigatórios e não obrigatórios na Universidade Federal do Amazonas. A PRÓ-REITORA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO e PRESIDENTE DA CÂMARA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DO CONSELHO

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 74/2010

RESOLUÇÃO Nº 74/2010 RESOLUÇÃO Nº 74/2010 Institui e regulamenta o estágio supervisionado curricular nos cursos de graduação da UFES. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 02/2010 INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE DIVINÓPOLIS-ISED REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE DIVINÓPOLIS

RESOLUÇÃO Nº 02/2010 INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE DIVINÓPOLIS-ISED REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE DIVINÓPOLIS RESOLUÇÃO Nº 02/2010 INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE DIVINÓPOLIS-ISED Estabelece critérios a serem considerados para o desenvolvimento do Estágio Supervisionado dos Cursos de Licenciatura do ISED. Instituto

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL Este Regulamento e a Resolução do Conselho Superior da Uneal (CONSU/UNEAL) que o aprovou foram

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Serviço Social é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Faculdade de Alta Floresta - FAF REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE ALTA FLORESTA - FAF

Faculdade de Alta Floresta - FAF REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE ALTA FLORESTA - FAF REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE ALTA FLORESTA - FAF Alta Floresta/2011 Sumário DA FINALIDADE E DA COORDENAÇÃO 03 DOS OBJETIVOS 04 DO CURRÍCULO E DA CARGA HORÁRIA

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA REGULAMENTO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CACOAL 2010 Considerando as exigências

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DA FINALIDADE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO (OBRIGATÓRIO) Art.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA RESOLUÇÃO Nº 03/2011 Fixa normas para o Estágio Supervisionado em

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2007

RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2007 RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2007 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO, DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, MODALIDADE LICENCIATURA DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Vice-Reitor

Leia mais

No Estágio Curricular Supervisionado em História II a carga horária será de: Teoria- 40h/aula e Prática - 60h: Estágio de regência na escola.

No Estágio Curricular Supervisionado em História II a carga horária será de: Teoria- 40h/aula e Prática - 60h: Estágio de regência na escola. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA CURSO DE HISTÓRIA/LICENCIATURA MANUAL DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO EM HISTÓRIA Apresentação O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

Bem vindo! Você, acadêmico de Psicologia, chegou ao meio do curso, e a partir de agora até a formatura, é também um estagiário.

Bem vindo! Você, acadêmico de Psicologia, chegou ao meio do curso, e a partir de agora até a formatura, é também um estagiário. FACULDADE DE PSICOLOGIA Bem vindo! Você, acadêmico de Psicologia, chegou ao meio do curso, e a partir de agora até a formatura, é também um estagiário. Estagiário é todo aluno, regularmente matriculado,

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO Guarapuava 2013 1 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS Art. 1º As atividades de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CAPÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR Art. 1º O presente Regimento trata do Estágio Curricular dos cursos de graduação da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Unidade Universitária de Palmeiras de Goiás Rua S-7, s/ nº _ Setor Sul_ Palmeiras de Goiás-GO Fone/ Fax: (64) 3571-1198 (64) 3571-1173 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA I - INTRODUÇÃO Art. 1º Art. 2º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as Atividades Complementares do Curso de

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA DO IFPE NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA DO IFPE NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés REGULAMENTO DO NUCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE AIMORÉS Este Regulamento se aplica ao curso de Direito da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés TÍTULO I DOS

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES FUNDAÇÃO FUPAC GOVERNADOR VALADARES 2010 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO INTRODUÇÃO Todo aluno

Leia mais

CAPÍTULO I CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS

CAPÍTULO I CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS VOTO CONSU 2009-02 de 23/04/2009 2011-03 de 24/03/2011 2012-19 de 14/06/2012 REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Estabelece as normas institucionais para a realização de Estágios

Leia mais

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA APRESENTAÇÃO 1. CARGA HORÁRIA DE ESTÁGIO 2. A COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS 2.1. SUPERVISÃO GERAL DE ESTÁGIOS 2.2. COORDENADORES DE CURSO 2.3. PROFESSORES

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Esta Resolução entra em vigor nesta data, alterando a Resolução CONSEPE 3/2007 e revogando as disposições contrárias.

R E S O L U Ç Ã O. Esta Resolução entra em vigor nesta data, alterando a Resolução CONSEPE 3/2007 e revogando as disposições contrárias. RESOLUÇÃO CONSEACC/CP 05/2012 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE FARMÁCIA DO CAMPUS CAMPINAS DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus CONSEACC

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA Art. 1. Este Regulamento normatiza as atividades relacionadas com o Trabalho de Conclusão de Curso do Curso

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA TÍTULO I Dos Princípios gerais Art. 1. Este regimento Interno disciplina

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA Universidade Federal de Goiás Instituto de Química ORIENTAÇÕES E NORMAS SOBRE O ESTÁGIO CURRICULAR PARA ESTUDANTES DO CURSO DE

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA Regula o funcionamento do Núcleo de Prática Jurídica NPJ do curso de Direito Bacharelado da Fibra. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º Estágio Supervisionado em Administração (ESA), é a disciplina

Leia mais

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA - ACITA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA - ACITA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT REGULAMENTO GERAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DA FAIT ATUALIZADO EM 22 DE MAIO DE 2013. PARA VIGÊNCIA A PARTIR DE 2013 2º SEMESTRE Itapeva- SP 1 ANO DE 2013 - REGULAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO 2013 Coordenação Pedagógica: Prof. Ms José Luiz de Miranda Alves Coordenação do Núcleo de Estágio - NEST: Profª. Ms

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES Art. 1º - O Estágio Curricular, baseado na lei nº 6.494,

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR 2008 Diretora Geral: Profª. Drª. Irmã Olga de Sá Vice-Diretora: Profª. Irmã Raquel Godoi Retz Coordenação Pedagógica: Prof. Ms José Luiz de Miranda Alves Coord. do Núcleo

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE SEÇÃO I DO OBJETIVO Art. 1º O presente Regulamento tem por

Leia mais

FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Caracterização A elaboração do Trabalho de Curso fundamenta-se nas Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular

Regulamento de Estágio Curricular Regulamento de Estágio Curricular REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR O presente regulamento normatiza o Estágio Curricular em acordo com a Lei nº 11.788, de 25/09/2008, componente do Projeto Pedagógico

Leia mais

Regulamento Geral das Atividades Complementares do CENTRO UNIVERSITÁRIO SANT ANNA

Regulamento Geral das Atividades Complementares do CENTRO UNIVERSITÁRIO SANT ANNA Regulamento Geral das Atividades Complementares do CENTRO UNIVERSITÁRIO SANT ANNA São Paulo - 2010 CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As Atividades Complementares, com a sigla ACs, de todos os

Leia mais

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório Regulamento Estágio Curricular Obrigatório CST em Fabricação Mecânica CST em Gestão de Recursos Humanos CST em Mecatrônica Industrial 1 CAPÍTULO I DA JUSTIFICATIVA E FINALIDADES Art. 1º - O programa de

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenador Geral de Estágio: Prof. Ricardo Constante Martins

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES COMPLEMENTARES DO CURSO DE AGRONOMIA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES COMPLEMENTARES DO CURSO DE AGRONOMIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Diretoria de Ensino Curso de Agronomia - Câmpus Sertão

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. ATIVIDADES COMPLEMENTARES.

MANUAL DO ALUNO. ATIVIDADES COMPLEMENTARES. MANUAL DO ALUNO. ATIVIDADES COMPLEMENTARES. IDENTIFICAÇÃO DO (A) DISCENTE NOME: ENDEREÇO: CURSO: PERIODO: TURMA: Trabalhar o discente para torná-lo um empreendedor e facilitar sua inclusão no mercado de

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ- BREVES FACULDADE DE LETRAS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ- BREVES FACULDADE DE LETRAS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ- BREVES FACULDADE DE LETRAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS/PORTUGUÊS INTRODUÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO ATIVIDADE COMPLEMENTAR Curso de Ciências Contábeis

REGULAMENTO ATIVIDADE COMPLEMENTAR Curso de Ciências Contábeis REGULAMENTO ATIVIDADE COMPLEMENTAR Curso de O presente regulamento normativa as Atividades Complementares, componente do Projeto Pedagógico do Curso da Faculdade de Presidente Epitácio FAPE. DA NATUREZA

Leia mais

ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Fixa normas para o funcionamento das Atividades Complementares para o curso de Administração da Universidade Federal de Mato Grosso, campus Rondonópolis/Mato

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Curso de Administração Hospitalar Faculdade São Camilo - RJ

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Curso de Administração Hospitalar Faculdade São Camilo - RJ REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Curso de Administração Hospitalar Faculdade São Camilo - RJ 2 TÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Artigo 1º - O Curso de Administração da Faculdade São Camilo mantém

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1. APRESENTAÇÃO O curso de Educação Física da FISMA, através de sua orientação de estagio supervisionado obrigatório, vem por meio de o presente documento estabelecer as diretrizes básicas da realização

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este Regulamento define, no âmbito da Faculdade INEDI, as atividades complementares, bem como os procedimentos a serem

Leia mais

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº. 13/2008, DE 03 DE ABRIL DE 2008 Aprova o Regulamento de Monitoria Faculdade de Lucas do Rio Verde. O Presidente do Conselho Pedagógico - COP, face ao disposto no

Leia mais

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 RESOLUÇÃO Nº.06/2008 Dispõe sobre a Normatização do Programa. de Cursos de Pós-Graduação Lato

Leia mais

CAPÍTULO I - Conceituação e Objetivos

CAPÍTULO I - Conceituação e Objetivos REGULAMENTO GERAL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC Ensino Técnico do Centro Paula Souza CAPÍTULO I - Conceituação e Objetivos Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso - TCC constitui-se numa atividade

Leia mais

RESOLUÇÃO FADISA Nº. 005/2006 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA

RESOLUÇÃO FADISA Nº. 005/2006 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA RESOLUÇÃO FADISA Nº. 005/2006 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA O Presidente do CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO- FADISA, Professor Dr. ELTON DIAS

Leia mais