Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "www.linuxsecurity.com.br"

Transcrição

1 1

2 2 Cartas dos leitores: E mais uma vez a comunidade agradece José Carlos Cirqueira Júnior ( OmegaB1te ) Analista de Desenvolvimento Sr. Renato, Sem dúvidas a comunidade de administradores de redes, analistas de segurança e fuçadores de plantão estão muito gratos mais uma vez, agora pela criação desse excelente veículo de informação. Seria excelente que esse material fosse mensal e impresso. Sou cadastrado no site, e apesar de nunca ter contribuido com nada, sou muito grato por toda a informação disponibilizada. Resposta: Muito obrigado José, faremos o possível para torná-la mensal assim que os esforços forem suficientes. Muito obrigado por suas palavras de incentivo e espero que goste dessa nova edição! Não se esqueça também que essa revista não é minha, mas de toda a comunidade! Os agradecimentos são todos direcionados a esses excelentes profissionais que nos ajudaram. Revista para venda Rodrigo Trevisan Analista de Sistemas Jr (Letti Tecnologia S/C Ltda.) Gostaria de saber se existe essa revista para venda (pois pra mim e complicado imprimir aqui na empresa). Gostei muito do conteudo, Voces estao de parabens pela revista!!! Resposta: Obrigado por suas palavras Rodrigo. Por enquanto a revista está disponível apenas online, para que não haja custos ao usuário final, já que o objetivo aqui é apenas disseminar conhecimento ok? Parabéns pela Revista eletrônica Andrey R. Freitas Profissional de Análise/desenvolvimento em Internet Parabéns pela iniciativa de criar uma revista especialmente dedicada a segurança. Gostaria de saber como posso participar da elaboração da Revista LinuxSecurity Magazine através de artigos? De quanto em quanto tempo será lançado um novo número e quantos artigos deverão serem enviados? Resposta: Obrigado Andrey, espero que tenha gostado! Para participar da LinuxSecurity Magazine, basta querer dividir seu conhecimento com a comunidade enviando seu trabalho ou artigo que tenha relação com segurança ou administração em geral para o A respeito da periodicidade da revista, ela será sempre lançada conforme o número de contribuições e o tempo livre dos colaboradores. Feliz Notícia Ernesto Paulo dos Santos Este não é pra mandar um artigo, mas sim pra agradecer e muito mesmo pelo lançamento da revista online. É um projeto simplesmente muito bom, corajoso e abnegado, de um pessoal de alta credibilidade como vocês. Acredito estar agradecendo por mim e por todos os entusiastas deste sistema maravilhoso. Resposta: Ernesto, não tenho palavras para agradecer seu de incentivo e acredito que são justamente palavras como as suas que nos incentivam a continuar com esse projeto. Falo em meu nome, em nome da revista e, com certeza, em nome de todos esses profissionais que contribuiram com artigos excelentes. Parabéns e oferecimento de colaboração Claudio Pereira Já há algum tempo acompanho seu trabalho e acho fantástico. A base de conhecimento gerada por você através do é fantástica, tanto já tendo me tirado de muitas enrascadas quanto serviu de inspiração para novos aprendizados. Recebi com festa o primeiro exemplar da Revista. Mais uma vez, parabéns. Por outro lado, gostaria de, humildemente, oferecer a você ajuda na revisão ortográfica e gramatical dos textos. Tenho certa experiência com redação e o fato de parte de meus clientes ser constituída de editoras e pessoal ligado à educação me força a uma atualização constante neste sentido. Resposta: Claudio, fico contente em saber que o projeto LinuxSecurity Brasil e seus sub projetos sejam úteis ao amigo. Fico mais contente ainda em ler o oferecimento de ajuda para a revisão dos textos, ela será muito bem vinda!

3 3 Linux Security Magazine Arthur César Oreana Te escrevo este para parabenizar pela edição de Julho da LinuxSecurity Magazine, em formato PDF. Ótimos artigos, com pessoas competentes falando sobre ferramentas e segurança. Agora, só falta fazer a publicação impressa! Estou aguardando as próximas edições e espero que a qualidade seja a mesma apresentada nesta edição.parabéns e muito sucesso! Resposta: Muito obrigado Arthur, espero que goste das próximas edições tanto quanto gostou da primeira! Magazine Wagner Stabolito - PSI Existe a intenção de publicar a revista pelos meios tradicionais? Se já é publicada, como faço para adiquirila? Resposta: Wagner, como a revista não tem fins lucrativos, nosso objetivo é distribuí-la da forma mais rápida e ampla possível. Há sim o desejo de publicá-la impressa, mas ainda não é algo imediato ok? Espero que goste das próximas edições! Felicitaciones Maurício Oliveira Gostaria de parabelizá-los pelo importante trabalho e pela iniciativa de conduzir a informação gerada a toda comunidade da informática. AOS CRIADORES, OS MEUS PARABÉNS PELA REVISTA. Resposta: Obrigado Maurício! Os criadores da revista (toda a comunidade de profissionais que participou e tornou a mesma possível) agradecem! Revista LinuxSecurity Adriano Filippin - SDCNet e-solutions Resposta: Obrigado Adriano, contamos com o amigo não apenas como leitor mas como crítico nos enviando sempre sugestões ok? Obrigado mais uma vez por suas palavras de incentivo. Revista João Alexandre Voss de Oliveira Parabéns pela revista linuxsecurity. Acabo de baixála, uma excelente iniciativaa de vcs. Ainda não li toda, mas até onde eu vi, está uma beleza. Continuem assim! Resposta: Esperamos poder continuar mantendo a qualidade da revista da melhor forma que pudermos. Muito obrigado! Agradecimento Gostaria de agradecer a todos pelos mais de 450 s recebidos com parabenizações pela revista, sugestões, dicas, e me desculpar pela relativa demora para responder cada um deles. Como já disse anteriormente, essa revista pertence a todos vocês, então retribuo a todos com um grande e sincero MUITO OBRIGADO! Elogie, critique e dê sugestões. Este espaço é seu, leitor. Envie sua carta através do abaixo. Gostaria de parabenizar todos os responsáveis pela criação da LinuxSecurity Magazine, achei as materias bem interessantes, estávamos mesmo precisando de uma publicação desse tipo, principalmente para nós que adotamos o ambiente Linux como nosso principal sistema operacional, e pode ter certeza que vou ser leitor assíduo dessa revista. Parabéns a todos.

4 4 Índice 07 - Como obter melhor performance do Apache no Unix Fabio Wakim Trentini 14 - As 1001 utilidades do FreeBSD LiveCD Edson Brandi 23 - slocate (Secure Locate) Rubens Queiroz de Almeida 26 - Monitorando tráfego de rede interna utilizando SASacct/RRDtool Diogo Florenzano Avelino colabaração de Marcus Maciel 30 - Monitoração com RRDTool Rodrigo P. Telles 35 - Construindo filtros para o qmail Diego Linke - Gamk 39 - Enriquecendo os Logs do seu sistema Unix e Facilitando a Auditoria Parte 2 Renato Murilo Langona 46 - RAID via Software em GNU/Linux - Recursos, Possibilidades e Apliações José Roberto Kerne 58 - Guia rápido para a configuração do Amavis com Postfix no Conectiva Linux 8.0 Emerson Reis 63 - Criptografia de disco Jair Valmor Basso Júnior 68 - (In)Segurança Básica no MySQL Glaudson Ocampos 76 - Introdução à Análise Forense - Parte II Leonardo Alcântara Moreira 79 - Sniffers - Básico e Detecção Sumit Dhar 87 - Corridas e chegadas Izar Tarandach 91 - Vitaminando o velho Syslogd Sandro Melo Usando o jail no FreeBSD Jean Milanez Melo

5 5 Colaboradores Diretor Executivo: Renato M. Langona Diretor de Operações: Renato M. Langona Diretor de Marketing: Renato M. Langona Colaboradores especiais: Luiz Gustavo M. Nozella Editorial É com grande honra que o projeto LinuxSecurity Brasil apresenta à comunidade nacional mais uma edição de nossa revista eletrônica. Tivemos alguns contratempos e um grande atraso para o lançamento da mesma, porém acredito que toda a espera será recompensada pelas mais de 100 páginasde informações dessa edição. Infelizmente não pudemos incluir muitos trabalhos enviados devido à falta de espaço e também ao curto tempo disponível para a revisão e diagramação de todos os textos. Esses trabalhos que não foram incluídos na segunda edição já tem lugar garantido no terceiro número de nossa revista. Gostaria mais uma vez de agradecer a comunidade por todo o apoio, todos os s com sugestões, parabenizações, além de todos os excelentes profissionais que colaboraram e continuam colaborando conosco para que esse projeto possa continuar em pleno desenvolvimento. Como disse no primeiro número, a LinuxSecurity Magazine é resultado do esforço conjunto da comunidade e a LinuxSecurity Brasil apenas é responsável por unir esses esforços e apresentar a revista, portanto ela pertence um pouco a cada um de vocês. Espero sinceramente que essa seja a segunda de diversas próximas edições e que possamos entregar ao público Brasileiro cada vez mais qualidade em conteúdo livre e que esse conteúdo seja disseminado entre profissionais da comunidade da melhor forma possível. Mais uma vez deixo a todos os membros e leitores o convite para participarem desse trabalho conjunto enviando seus artigos para próximas edições da revista. Webmaster: Renato M. Langona Assessoria Gráfica e Design: Luiz Gustavo M. Nozella Diagramação: Luiz Gustavo M. Nozella Capa: Luiz Gustavo M. Nozella Revisão: Renato M. Langona Gerente Administrativo: Renato M. Langona LinuxSecurity Magazine é uma publicaçã LinuxSecurity Brasil Solutions S/C Ltda. Distribuição Exclusiva: On-line Fax para contato: SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente) Problemas de qualidade na entrega e/ou exemplares. O SAC presta atendimento aos leitores por A LinuxSecurity Magazine não se responsabiliza por conceitos emitidos nos artigos assinados de colaboradores. A LinuxSecurity Magazine não se responsabiliza por eventual quebra de links fornecidos por colaboradores, nem pelo material exposto neste(s) link(s). Problemas com quebra de links devem ser reportados para Utilize o subject: "Link Quebrado", indicando a edição e o artigo. A fim de proteger todos os interessados e ainda estipular a divulgação de material referente ao Linux e a LinuxSecurity Magazine, convencionou-se que reproduções de texto da LinuxSecurity Magazine são permitidos, desde que se inclua a frase "Reproduzido com a permissão da LinuxSecurity Magazine ()". da

6 6

7 Como obter melhor performance do Apache no Unix por Fabio Wakim Trentini 7 Qual administrador de sistemas não deseja obter mais performance dos seus servidores web? Não que existam problemas de performance na configuração padrão do Apache, mas várias otimizações podem ser feitas no intuito de melhorar seu desempenho. Este texto mostra algumas dicas de como melhorar sua configuração para obter o máximo de performance. O começo de tudo Ao rever o processo de compilação do Apache podemos deixá-lo menor e mais eficiente. Nesta fase, existem basicamente três itens com os quais é necessário preocupar-se: de usar ou não suporte a DSO (Módulos dinâmicos), quais regras são realmente necessárias e o limite hardcoded de 256 clientes simultâneos. Se pesquisarmos pela rede, existem vários textos contraditórios a respeito de utilizar ou não suporte a módulos dinâmicos no Apache, mas o que realmente faz a diferença é saber exatamente quais módulos são necessários carregar na memória para rodar seu servidor web. Basicamente, se algum módulo não é estritamente necessário em sua configuração, não o carregue. Isso vale para as regras do Apache também. O problema de compilar o Apache estático, sem suporte aos módulos dinâmicos, é que ele funciona para aquele exato tipo de aplicação, ou seja, se você tem centenas de servidores web, que rodam configurações distintas, provavelmente você vai preferir compilá-lo com suporte a módulos e vai carregá-los conforme a necessidade de cada servidor web. As sensíveis diferenças de utilizar ou não o suporte a módulos dinâmicos é no startup do webserver, que demora aproximadamente 20% a mais de tempo do que o Apache compilado estático. Dizem também que em algumas plataformas a versão compilada com suporte a DSO fica até 5% mais lento, mas realizando testes em servidores Unix não foi notada esta diferença. O Apache vem com algumas regras especiais que podemos habilitar ou desabilitar, dependendo das necessidades de cada servidor web. Aqui estão as mais relevantes: DEV_RANDOM: Habilita suporte para o device /dev/random nas famílias de Unix que suportam tal dispositivo. A regra serve para módulos que necessitam de números aleatórios, mas o único módulo que vem junto com o Apache e utiliza desse recurso Ficha do Autor Nome: Fabio Wakim Trentini Idade: Profissão: Consultor de Sistemas Informações Adicionais É consultor de sistemas do UOLInc e mantém o site Apache Brasil. Site:

8 8 é o mod_auth_digest. EXPAT: Incorpora da biblioteca de parsing de XML Expat, para módulos do Apache que processam XML. Na distribuição do Apache não existe nenhum módulo que necessite dessa regra, mas se, por exemplo, existir a necessidade de utilizar o mod_dav (que é um módulo de terceiros), a Expat será requerida. IRIXN32 e IRIXNIS: Regras específicas para compilar o Apache na plataforma Irix (SGI). SHARED_CHAIN: Algumas plataformas têm problemas em carregar bibliotecas necessárias para certos módulos, como por exemplo, que o mod_ssl precisa carregar a lib do openssl para subir. Essa regra corrige o problema, por isso ela apenas deve ser habilitada caso necessário. WANTHSREGEX: Esta regra habilita um engine interno de processar regular expressions, em vez de utilizar o próprio engine do sistema operacional, que normalmente é suficiente. Quando você compila o Apache ele vem com um limite hardcoded de 256 clientes simultâneos, que obviamente podemos aumentar setando uma simples variável de ambiente, a CFLAGS. Ao juntar todas as otimizações, segue abaixo um exemplo de como compilar o Apache com limite de 2048 clientes simultâneos, todas as regras desabilitadas, suporte a DSO e compilando todos os módulos (inclusive o experimental mod_mmap_static, que será falado adiante): # export CFLAGS= - DHARD_SERVER_LIMIT=2048'; \./configure \ disable-rule=dev_random \ disable-rule=expat \ disable-rule=irixn32 \ disable-rule=irixnis \ disable-rule=shared_chain \ disable-rule=wanthsregex \ enable-module=most \ enable-module=mmap_static \ enable-shared=max \ prefix=/usr/local/apache \ && make && make install Depois de instalar, podemos rodar strip no executável principal e em seus módulos, no intuito de remover as tabelas de símbolos, assim: # cd /usr/local/apache/ ; strip bin/* libexec/* Controle de processos do Apache O Apache roda no Unix com um sistema de pre-forking, ou seja, quando o processo principal sobe, ele cria vários processos filhos para atender as requisições, e mantém uma faixa de processos filho reserva para algum eventual crescimento de carga. Existem cinco diretrizes que controlam isso: StartServers <número> Determina quantos processos filhos serão gerados quando o servidor web sobe. Quanto maior o número aqui, mais rápido o Apache atenderá a demanda de todos os requests por segundo, mas por outro lado ele vai gerar uma carga muito maior no servidor quando subir o webserver. O default é 5, mas em servidores com muito tráfego este número pode crescer bastante.

9 9 MinSpareServers <número> É o número mínimo de processos que ficam abertos sem atender a nenhuma requisição, e se o Apache precisar criar mais processos filhos ele vai aumentando o MinSpareServers num algoritmo de progressão geométrica até atender a nova demanda. O default é 5, e deve ser aumentado em sites de muito tráfego. Nota que se o MinSpareServers for maior que o StartServers, o número de processos filhos criados na inicialização será o número setado no MinSpareServers. MaxSpareServers <número> É o número máximo de processos que ficam abertos sem atender a nenhuma requisição, para garantir que no caso de um crescimento de demanda, já existam processos prontos para atender as requisições. O default é 10, e novamente em servidores com muito tráfego e possíveis picos de audiência, é recomendado aumentar este número. MaxClients <número> Não importa quantas requisições simultâneas o Apache pode atender, ele respeitará o numero máximo de clientes simultâneos fixado nessa diretriz. Esta diretriz é importante para colocar um limite físico de até quanto o processo pai pode gerar filhos, pois a cada filho criado é um pedaço da memória RAM que se vai da máquina em questão. O default é 256, e para aumentar este valor é necessário alterar na hora da compilação, conforme descrito no início do artigo. MaxRequestsPerChild <número> Esta diretriz serve para dizer ao webserver quantas requisições cada processo filho irá atender antes de morrer. Isto é bom para prevenir memory leaks, mas dependendo de sua plataforma e dos módulos que estão carregados no webserver, não há necessidade de terminar os processos, salvando recursos do sistema. A melhor forma de ver se seu servidor web sofre de algum memory leak é deixar este valor ilimitado (setando com valor zero), e análise no início do dia o tamanho dos processos filhos, com top, ps, ou algo do tipo, e aí no final do dia faça o mesmo teste. Se os processos aumentam de tamanho com o passar do tempo é interessante colocar algum número entre e , dependendo da gravidade do leak. Normalmente memory leaks acontecem com módulos externos, como mod_php e mod_perl, que armazenam variáveis, estruturas de dados, etc. Keepalives e Timeouts Quatro diretrizes mais importantes a respeito de timeouts do HTTP, a seguir: TimeOut <número> Este timeout é o tempo corrido desde a conexão estabelecida ate o primeiro GET do cliente, ou desde o último ACK recebido se ainda existem mais dados para vir. O default é 300 segundos, e pode ser reduzido a até 60 segundos. Um tempo menor que esse podem ocorrer alguns problemas servindo arquivos com muitos bytes. KeepAlive <on off>

10 10 O protocolo HTTP/1.1 possui o suporte de trafegar vários objetos do mesmo webserver para um cliente utilizando apenas uma conexão TCP, reduzindo o overhead do mesmo cliente abrir várias conexões com o servidor web. Dependendo das características do seu servidor web, é interessante ou não deixar o keepalive habilitado. Por exemplo, se seu servidor web serve apenas uma página HTML, feita por alguma aplicação Perl, PHP ou Java, e as imagens e outros objetos estão em outros servidores, não há a menor necessidade de habilitar esta diretriz. Com esta diretriz habilitada, mais processos filhos do Apache você terá em seu servidor. E se esta diretriz de habilitar conexões persistentes for habilitada, existem mais duas diretrizes para configurá-la, a seguir. MaxKeepAliveRequests <número> Esta diretriz impõe o limite de objetos servidos pelo servidor web numa mesma conexão TCP. O default é 100 e normalmente não há necessidade de alterar este valor. KeepAliveTimeout <número> É o tempo máximo de silêncio que o servidor mantém a conexão TCP aberta com o cliente. O default é 15 segundos, mas no caso do servidor ter muito tráfego isso pode ser reduzido em até 5 segundos, ou se o tráfego for baixo existe a possibilidade de aumentar este timeout. Caching Quanto mais, melhor. Imagine um site de notícias, que é atualizado uma vez por hora. Um dia acontece uma queda na bolsa e o dólar sobe assustadoramente. Seus clientes vão acessar sem parar seu site à procura de novas notícias no decorrer do dia. Você acaba servindo, para um único cliente, dezenas e dezenas de cópias da mesma página HTML, devido ao seu tempo de atualização. Porque então não avisar para todos os seus clientes que sua página expira uma vez por hora, para que seu servidor sirva menos páginas por segundo? Existe um módulo no Apache chamado mod_expires, que faz este tipo de negociação de objetos servido com os browsers e proxies afora, quando falamos de HTTP/1.1. Segue como usá-lo: ExpiresActive <on off> Esta diretriz habilita ou desabilita o header de caching dos documentos servidos em HTTP/1.1. Pode ser colocada dentro de um <Directory>, <Location>, <VirtualHost>, etc... ExpiresDefault <código+número> O código citado serve se você quer cachear por data de modificação (mtime) ou de acesso (atime), mais o número de segundos de expiração. Codificando o exemplo do site de notícias acima, chegamos ao seguinte trecho: <Location /noticias> ExpiresActive on ExpiresDefault M3600 </Location> ExpiresByType <mime-type> <código+número>

11 11 Esta diretriz serve para habilitar caching apenas de determinados mime types, como por exemplo, para cachear por um mês apenas as imagens jpeg do servidor em questão: ExpiresByType image/jpeg A CacheNegotiatedDocs Em vez do mod_expires, esta diretriz necessita do mod_negotiation, e serve para habilitar caching em browsers e proxies que falam somente o protocolo HTTP/1.0. Carregando objetos estáticos em RAM Existe um módulo experimental no código do Apache que chama mod_mmap_static, e serve para colocar um ou mais objetos em RAM no servidor no intuito de diminuir o acesso ao disco ou a um servidor NFS onde supostamente ficaria o DocumentRoot. Este módulo é bom quando você serve algum objeto estático que não tem constantes alterações e é amplamente utilizado, como por exemplo a imagem do logotipo de sua empresa, que está em todas as suas páginas. A desvantagem de utilizar este módulo é que se você carrega um objeto em RAM e depois altera o conteúdo do objeto no disco, apenas no próximo restart do webserver será possível ver a alteração do conteúdo. Outro problema também é que se por acaso este objeto que foi cacheado com o mod_mmap_static sumir no disco, normalmente o Apache gera um core e morre por Segmentation Fault. A sintaxe é a seguinte: MMapFile <arquivo> Nota que é aceito apenas um arquivo por vez. Se você quer carregar dez arquivos em RAM, serão dez linhas de MMapFile no seu httpd.conf. Evitar ao máximo as gorduras mod_rewrite O mod_rewrite é sem dúvida o módulo mais poderoso já criado para o Apache. Utilizando regras com regular expressions você pode reconstruir qualquer URL ou objeto a ser servido, entre outras coisas. Mas no quesito performance, ele acaba sendo um grande gargalo para a CPU devido ao processamento on-line de todas as requisições que chegam. Se for inevitável utilizá-lo, prefira regras que fazem stat() no disco em vez de regular expressions complicadas, para reduzir o consumo de CPU. mod_status Este módulo mostra o famoso serverstatus do servidor, com várias informações a respeito dos processos filhos e utilização do Apache, mas como qualquer sistema de análise on-line, este módulo faz o webserver consumir mais recursos da máquina, principalmente se a opção ExtendedStatus estiver habilitada. DirectoryIndex Esta diretriz do mod_dir fala quais arquivos e em que ordem o Apache deve procurar para carregar como página de índice. Normalmente ele vem configurado para abrir a página index.html, mas é permitido colocar vários tipos de páginas, podendo inclusive colocar apenas trechos de arquivos. E é aí que podemos ter problemas de performance. Se você pede pra ele procurar por qualquer

12 12 arquivo que começa por index, por exemplo, ele terá que procurar todos os arquivos com este nome no disco, para cada requisição que for pedida. O ideal mesmo é colocar o mínimo possível de arquivos nesta diretriz, e nunca utilizar os recursos de trechos de nomes de arquivos para ele escolher. Options O segredo desta diretriz é sempre manter o FollowSymLinks e nunca, nunca utilizar SymLinksIfOwnerMatch. Deixando o FollowSymLinks, algum usuário indevido pode criar um link simbólico para a raiz do servidor, criando um furo enorme de segurança, mas se é impossível um cliente criar um link simbólico em seu filesystem é a opção mais performática que se pode ter. HostNameLookups Esta opção serve para o Apache resolver o DNS reverso de qualquer IP que pede algum objeto, para gravar o hostname (se o DNS conseguir resolver) no log. Isto acaba com a performance do Webserver e não é recomendado. Com essas dicas já é possível melhorar consideravelmente a performance de um servidor Apache, mas o ideal é sempre analisar caso a caso, o tipo de aplicação, o perfil de clientes que acessa, enfim, existem vários conceitos de como otimizar seus servidores. Keep tuning!

13 13

14 14 As 1001 utilidades do FreeBSD LiveCD por Edson Brandi Um pouco de História No próximo dia 18 de setembro o Projeto FreeBSD LiveCD estará completando 1 ano de existência, o projeto nasceu em setembro de 2001 de uma necessidade interna do FUG-BR (Grupo Brasileiro de Usuários FreeBSD) em possuir um repair disk que fosse verdadeiramente útil. Naquela época a comunidade FreeBSD não dispunha de ferramentas adequadas para serem utilizadas em situações de emergência, o repair disk oferecido no set de CDs da distribuição oficial não era 100% funcional e o uso do mesmo para uma operação de disaster recovery deixava muito a desejar. Visando suprir essa necessidade o FUG- BR iniciou uma série de testes com o sistema, com o objetivo de gerar uma versão dos arquivos de inicialização que permitissem a execução a partir de um cd-rom de uma versão 100% funcional do sistema FreeBSD. Os primeiros resultados foram divulgados no início do mês de outubro quando o FUG-BR disponibilizou oficialmente o primeiro ISO do projeto FreeBSD LiveCD. Desde o lançamento a aceitação do projeto por parte da comunidade nacional e internacional foi muito boa e, como esperado, começaram a chegar uma série de pedidos de customização. Diante do enorme número de pedidos para a geração de versões customizadas do LiveCD, o FUG-BR decidiu disponibilizar em janeiro/2002 o conjunto de scripts que foram utilizados para a geração do ISO, de forma que qualquer usuário do sistema poderia criar de maneira extremamente simples a sua própria versão do LiveCD. Liberada a versão 1.0 do FreeBSD LiveCD Toolset, o objetivo do projeto passou a ser a integração do mesmo à árvore do ports do FreeBSD, maximizando desta forma a exposição do projeto perante a comunidade FreeBSD. Este objetivo foi alcançado em junho/ 2002, quando após alguns meses de intenso desenvolvimento, o grupo responsável pelo projeto disponibilizou uma versão totalmente nova dos scripts, contando inclusive com suporte a vários idiomas. Atualmente os scripts do FreeBSD LiveCD ToolSet estão disponíveis a todos os usuários do sistema que utilizam o ports para a instalação dos seus aplicativos (/usr/ports/sysutils/livecd/ ). Ficha do Autor Nome: Edson Brandi Idade: 25 anos Profissão: Gerente de Tecnologia Informações Adicionais Trabalha profissionalmente com FreeBSD desde 1995 tendo atuado como consultor junto a várias empresas nos últimos anos. É um membro ativo da comunidade FreeBSD, sendo o responsável pelo site FreeBSD Primeiros Passos (www.primeirospassos.org), fundador do Grupo Brasileiro de Usuários FreeBSD (www.fugspbr.org), responsável pelo projeto FreeBSD LiveCD (livecd.sourceforge.net). Atualmente trabalha como Gerente de Tecnologia no ibest (www.ibest.com.br). Site:

15 15 O próximo passo do projeto é aperfeiçoar os scripts e expandir as funcionalidades/ usos do FreeBSD LiveCD. Etapas do processo (resumido) de geração do LiveCD Ao dar boot em um computador com o FreeBSD LiveCD, você terá disponível em poucos segundos, um sistema Unix 100% funcional. Para que isso fosse possível foi necessária uma série de ajustes nos arquivos de inicialização do sistema e uma pequena customização do kernel. No nível dos arquivos de inicialização a maior alteração (se não a mais importante) foi realizada no arquivo /etc/rc. Este arquivo foi alterado de forma a não montar os sistemas de arquivos (necessários ao funcionamento do sistema) a partir do /etc/fstab, mas sim executar algumas operações alternativas. Dentre as possibilidades previstas, estava a criação dinâmica dos FS em memória RAM (MFS), auto detecção das partições existentes no HD do usuário associada a possibilidade de se utilizar arquivos imagem (vnodes) nestas partições para possibilitar salvar de forma permanente as configurações efetuadas ou ainda para instalar novos aplicativos no LiveCD. O fragmento de Shell Script que implementou essas alterações no /etc/rc pode ser visto abaixo, o mesmo está devidamente comentado de forma que você não terão dificuldades para entender seu funcionamento. (qualquer sugestão de melhora nesse script são bem vindas) ############################################ echo Gerando o /dev em MFS... mount_mfs -s c 20 -o noatime swap /dev 2>&1 tar -xzpf /mfs/dev.tgz -C / >/dev/null 2>&1 cd /dev./makedev all >/dev/null 2>&1 # # Detecta os discos IDE e os slices existentes e monta todos os slices que forem # do tipo FAT, NTFS, UFS, EXT2FS # # echo Detectando slices disponiveis... # for i in dmesg egrep ad0: ad1: ad2: ad3: awk -F : {print

16 16 $1} sort uniq do a=1 for x in fdisk /dev/$i grep sysid awk -F, {print $1} awk {print $2} do case ${x} in 5) echo Particao FAT16/32 encontrada em /dev/${i}s${a}, montando em /mnt/dos.${a}... mount -t msdos /dev/${i}s${a} /mnt/dos.${a} ;; 6) echo Particao FAT16/32 encontrada em /dev/${i}s${a}, montando em /mnt/dos.${a}... mount -t msdos /dev/${i}s${a} /mnt/dos.${a} ;; 12) echo Particao FAT16/32 encontrada em /dev/${i}s${a}, montando em /mnt/dos.${a}... mount -t msdos /dev/${i}s${a} /mnt/dos.${a} ;; 7) echo Particao NTFS encontrada em /dev/${i}s${a}, montando em /mnt/ntfs.${a}... mount -t ntfs /dev/${i}s${a} /mnt/ntfs.${a} ;; 131) echo Particao EXT2FS encontrada em /dev/${i}s${a}, montando em /mnt/ext2fs.${a}... mount -t ext2fs /dev/${i}s${a} /mnt/ext2fs.${a} ;; 165) echo Particao UFS encontrada em /dev/${i}s${a}, montando em /mnt/ufs.${a}... mount /dev/${i}s${a} /mnt/ufs.${a} ;; esac a= expr $a + 1 done done #### #### # # Verifica se existe o diretorio FreeBSD em cada slice montado, existindo ele

17 17 # busca os arquivos.flp para atachar como um virtual node # echo Verificando disponibilidade de Virtual Nodes... # for i in df -k egrep ufs dos ntfs ext2fs awk {print $6} do if [ -r ${i}/freebsd ]; then if [ -r ${i}/freebsd/tmp.flp ]; then vnconfig -c /dev/vn1c ${i}/freebsd/tmp.flp sleep 2 mount /tmp fi if [ -r ${i}/freebsd/var.flp ]; then vnconfig -c /dev/vn3c ${i}/freebsd/var.flp sleep 2 mount /var fi if [ -r ${i}/freebsd/etc.flp ]; then vnconfig -c /dev/vn4c ${i}/freebsd/etc.flp sleep 2 mount /etc. /etc/rc.conf fi if [ -r ${i}/freebsd/home.flp ]; then vnconfig -c /dev/vn5c ${i}/freebsd/home.flp sleep 2 mount /home fi if [ -r ${i}/freebsd/root.flp ]; then vnconfig -c /dev/vn6c ${i}/freebsd/root.flp sleep 2 mount /root fi if [ -r ${i}/freebsd/local.flp ]; then vnconfig -c /dev/vn7c ${i}/freebsd/local.flp sleep 2 mount /usr/local

18 18 fi if [ -r ${i}/freebsd/x11r6.flp ]; then vnconfig -c /dev/vn8c ${i}/freebsd/x11r6.flp sleep 2 mount /usr/x11r6 fi fi done # Verifica se os virtual nodes foram montados (atraves de um arquivo de controle) # se encontrar o arquivo da a particao como montada, se nao encontrar gera a particao # em MFS e descompacta os arquivos necessarios. # if [ -r /tmp/xyz123_ ]; then echo O /tmp foi montado via virtual node else mount_mfs -s c 20 -o nodev,noexec,nosuid,noatime swap / tmp 2>&1 echo Gerando /tmp em MFS fi if [ -r /var/xyz123_ ]; then echo O /var foi montado via virtual node else mount_mfs -s c 20 -o noatime swap /var 2>&1 /usr/sbin/mtree -deu -f /etc/mtree/bsd.var.dist -p /var >/dev/ null 2>&1 logs= /usr/bin/awk $1!= # { printf %s, $1 } /etc/ newsyslog.conf if [ -n $logs ]; then /usr/bin/touch $logs fi /usr/bin/touch /var/log/lastlog echo Gerando /var em MFS fi if [ -r /etc/xyz123_ ]; then echo O /etc foi montado via virtual node else mount_mfs -s c 20 -o noatime swap /etc 2>&1 tar -xzpf /mfs/etc.tgz -C / >/dev/null 2>&1

19 19 fi echo Gerando /etc em MFS if [ -r /home/xyz123_ ]; then echo O /home foi montado via virtual node else mount_mfs -s c 20 -o noatime swap /home 2>&1 echo Gerando /home em MFS fi if [ -r /root/xyz123_ ]; then echo O /root foi montado via virtual node else mount_mfs -s c 20 -o noatime swap /root 2>&1 tar -xzpf /mfs/root.tgz -C / >/dev/null 2>&1 echo Gerando /root em MFS fi if [ -r /usr/local/xyz123_ ]; then echo O /usr/local foi montado via virtual node else mount_mfs -s c 20 -o noatime swap /usr/local/etc 2>&1 tar -xzpf /mfs/local_etc.tgz -C / >/dev/null 2>&1 echo Gerando /usr/local/etc em MFS fi mount proc ############################################ Sem o fragmento acima, uma série funcionalidades do sistema seriam prejudicadas uma vez que 100% dos sistemas de arquivos seriam do tipo read only. O que o script faz é basicamente montar todos os diretórios que precisam ser read write em MFS ou VNODES. Uma vez alterado o arquivo de boot do sistema, era necessário efetuar alguns ajustes no kernel para que o / pudesse ser montado a partir do drive de CD, além de adicionar o suporte aos Vnodes. Desta forma foram adicionadas ao arquivo de configuração do kernel as seguintes linhas: options ROOTDEVNAME=\ cd9660:acd0\ options UNION pseudo-device vn 15 Uma vez feitos esses ajustes bastou gerar um CD bootavel, o que foi feito com o comando mkisofs (as opções exatas podem ser vistas nos scripts do toolset). A maioria das pessoas se surpreende ao saber que foi tão simples resolver um problema que incomodava a comunidade há tanto tempo, mas é a pura verdade. Usamos um pouco de

20 20 Shell script e um pouco de imaginação :-) Atualmente o Toolset é composto por vários scripts shell (Bourne Shell) e caso alguém tenha interesse em conhecer todas as etapas do processo de geração eu sugiro que leiam os scripts que compõem o FreeBSD LiveCD ToolSet. Na medida do possível estão todos muito bem comentados. Possibilidades de uso Essa é, sem duvida, a melhor coisa do FreeBSD LiveCD. As possibilidades de uso são inúmeras, ficando restritas na maior parte das vezes à sua necessidade/ criatividade. A partir do Toolset você pode criar discos customizados paras as mais diversas funções tais como: orepair Disk oinstall Disk ojump Start Install odisaster Recovery ox terminal oroteador obridge ofirewall oetc A maioria dos administradores de sistemas podem se beneficiar de varias dessas funções sendo considerado como sendo as mais interessantes Jump Start Install e Disaster Recovery. Para exemplificar melhor uma das possibilidades de uso do FreeBSD LiveCD, vamos fazer um estudo de caso (verídico) Uma empresa especializada na comercialização de servidores FreeBSD pré configurados precisa fornecer aos seus clientes uma maneira simples e rápida de recuperar o seu servidor ao seu estado inicial, ou seja, deixar o servidor no estado que estava quando saiu da caixa, algo semelhante aos discos de recuperação enviados junto com os equipamentos compaq. A demanda acima é um caso típico de aplicação do LiveCD, pois ele pode ser preparado de forma a espelhar um servidor recém instalado, contendo todas as aplicações e customizações necessárias, e ser utilizado como mídia de instalação em operações de disaster recovery no futuro. Caso o servidor passe por algum problema de hardware que acarrete a perda do sistema, tal como a queima de um HD, o cliente pode simplesmente substituir o HD defeituoso por um novo, dar um boot com o CD criado com o espelho do sistema e em menos de 5 minutos terá recuperado o servidor, de forma que o servidor recém instalado seja idêntico ao que existia antes do problema. Instalado o sistema, basta recuperar o backup dos dados (não existiam no momento da geração do LiveCD), e seu sistema estará de volta à produção em poucos minutos sem a necessidade de um longo downtime e sem a necessidade de que um técnico se desloque até o local para efetuar a recuperação do sistema. Existem outras possibilidades de uso de um disco preparado para essa finalidade, além da situação de emergência descrita acima, imagine que essa mesma empresa venda servidores em escala industrial e todas as máquinas saem pré-instaladas e pré-

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Estratégia para fazer cópias de segurança ( backup ) em nuvem

Estratégia para fazer cópias de segurança ( backup ) em nuvem 1 de 20 Estratégia para fazer cópias de segurança ( backup ) em nuvem Resolvi documentar uma solução que encontrei para fazer minhas cópias de segurança. Utilizo um software gratuito chamado Cobian Backup

Leia mais

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre 22:59:36 Introdução à Informática com Software Livre 1 22:59:36 O Debian é uma distribuição GNU/Linux desenvolvida abertamente por um grupo mundial de voluntários, no esforço de se produzir um sistema

Leia mais

Guia de instalação para ambiente de Desenvolvimento LINUX

Guia de instalação para ambiente de Desenvolvimento LINUX Guia de instalação para ambiente de Desenvolvimento LINUX Conteúdo deste manual Introdução O guia de instalação... 3 Capítulo 1 Instalando o servidor Web Apache... 4 Teste de instalação do Apache... 9

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual Maria Augusta Sakis Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma Máquina Virtual Máquinas virtuais são muito úteis no dia-a-dia, permitindo ao usuário rodar outros sistemas operacionais dentro de uma

Leia mais

Instalando o Debian em modo texto

Instalando o Debian em modo texto Instalando o Debian em modo texto Por ser composto por um número absurdamente grande de pacotes, baixar os CDs de instalação do Debian é uma tarefa ingrata. Você pode ver uma lista dos mirrors disponíveis

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Pfsense Introdução e Instalação

Gerenciamento de Redes de Computadores. Pfsense Introdução e Instalação Pfsense Introdução e Instalação Introdução A utilização de um firewall em uma rede de computadores possui o objetivo básico de proteção relacionado a entrada e saída de dados. Introdução O pfsense é um

Leia mais

Tutorial Kurumin GNU/Linux 6.0 1/20

Tutorial Kurumin GNU/Linux 6.0 1/20 Tutorial Kurumin GNU/Linux 6.0 1/20 Tutorial para particionamento, instalação do Kurumin GNU/Linux 6.0 e configuração de boot loader. Tutorial Kurumin GNU/Linux 6.0 2/20 Introdução... 3 Requisitos... 4

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios

Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios Objetivos Detalhar conceitos sobre o sistema operacional Linux; Operar comandos básicos de sistemas Linux em modo Texto; Realizar a manutenção de arquivos

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 6 Firewall e Proxy

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 6 Firewall e Proxy Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 6 Firewall e Proxy Prof.: Roberto Franciscatto Introdução FIREWALL Introdução Firewall Tem o objetivo de proteger um computador ou uma rede de computadores,

Leia mais

Guia Rápido de Instalação Ilustrado

Guia Rápido de Instalação Ilustrado Livre S.O. Guia Rápido de Instalação Ilustrado Introdução Este guia tem como objetivo auxiliar o futuro usuário do Livre S.O. durante o processo de instalação. Todo procedimento é automatizado sendo necessárias

Leia mais

Librix...3. Software Livre...3. Manual Eletrônico...3. Opções de Suporte...3. Configuração de Dispositivos Básicos...4

Librix...3. Software Livre...3. Manual Eletrônico...3. Opções de Suporte...3. Configuração de Dispositivos Básicos...4 Índice Introdução Librix...3 Software Livre...3 Manual Eletrônico...3 Opções de Suporte...3 Dicas para a Instalação Configuração de Dispositivos Básicos...4 Teclado...4 Mouse...5 Vídeo...5 Rede...6 Configuração

Leia mais

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Objetivo: Instalar e configurar o sistema operacional Linux CentOS e efetuar suas configurações iniciais. 1- Abra o Virtuabox e clique em novo, e configure conforme

Leia mais

INTRODUÇÃO: 1 - Conectando na sua conta

INTRODUÇÃO: 1 - Conectando na sua conta INTRODUÇÃO: Com certeza a reação da maioria dos que lerem esse mini manual e utilizarem o servidor vão pensar: "mas porque eu tenho que usar um console se em casa eu tenho uma interface gráfica bonito

Leia mais

MRTG Multi Router Traffic Grapher

MRTG Multi Router Traffic Grapher MRTG Multi Router Traffic Grapher Alunos: Mateus Matias Luiz Edu Rodrigues Higor Rocha Luis Henrique Índice Introdução... 3 Características... 4 Gerenciamento de Rede... 5 Tutorial... 6 Gráficos... 7 Bibliografia...

Leia mais

Sistemas de Monitoração de Rede. Resumo

Sistemas de Monitoração de Rede. Resumo Sistemas de Monitoração de Rede Roberto Majewski Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, novembro de 2009 Resumo Com o grande crescimento da

Leia mais

Instalador/Atualizador PIMS Multicultura Manual de Referência. Versão 12.1.4

Instalador/Atualizador PIMS Multicultura Manual de Referência. Versão 12.1.4 Instalador/Atualizador PIMS Multicultura Manual de Referência Versão 12.1.4 Sumário 1. Descrição... 3 2. Pré-requisitos... 4 3. Etapas da instalação/atualização... 8 1. Iniciando a aplicação de instalação/atualização...

Leia mais

Manual. Rev 2 - junho/07

Manual. Rev 2 - junho/07 Manual 1.Desbloquear o software ------------------------------------------------------------------02 2.Botões do programa- --------------------------------------------------------------------- 02 3. Configurações

Leia mais

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Tecgraf/PUC Rio infogrid@tecgraf.puc rio.br 1.Introdução O objetivo deste documento é podermos registrar em um único local todas as informações necessárias

Leia mais

Principais Característic

Principais Característic Principais Característic Características as Software para agendamento e controle de consultas e cadastros de pacientes. Oferece ainda, geração de etiquetas, modelos de correspondência e de cartões. Quando

Leia mais

FIREWALL, PROXY & VPN

FIREWALL, PROXY & VPN 1 de 5 Firewall-Proxy D O C U M E N T A Ç Ã O C O M E R C I A L FIREWALL, PROXY & VPN :: MANTENDO O FOCO NO SEU NEGÓCIO :: Se o foco do seu negócio não é tecnologia, instalar e manter por conta própria

Leia mais

Autor: Armando Martins de Souza Data: 12/04/2010

Autor: Armando Martins de Souza <armandomartins.souza at gmail.com> Data: 12/04/2010 http://wwwvivaolinuxcombr/artigos/impressoraphp?codig 1 de 12 19-06-2012 17:42 Desvendando as regras de Firewall Linux Iptables Autor: Armando Martins de Souza Data: 12/04/2010

Leia mais

Este livro é protegido pela Lei do direito autoral. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, transmitida,

Este livro é protegido pela Lei do direito autoral. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, transmitida, Este livro é protegido pela Lei do direito autoral. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, transmitida, modificada, distribuída, por qualquer meio, seja eletrônico,

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

5/7/2010. Apresentação. Web Proxy. Proxies: Visão Geral. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux

5/7/2010. Apresentação. Web Proxy. Proxies: Visão Geral. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux Apresentação Servidor Proxy Administração de Sistemas Curso Tecnologia em Telemática Disciplina Administração de Sistemas Linux Professor: Anderson Costa anderson@ifpb.edu.br Assunto da aula Proxy (Capítulo

Leia mais

Servidor proxy - Squid PROFESSOR : RENATO WILLIAM

Servidor proxy - Squid PROFESSOR : RENATO WILLIAM Servidor proxy - Squid PROFESSOR : RENATO WILLIAM Revisando Instalação do Squid - # apt-get install squid Toda a configuração do Squid é feita em um único arquivo, o "/etc/squid/squid.conf". Funcionamento

Leia mais

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Manual do Nscontrol Principal Senha Admin Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Aqui, você poderá selecionar quais programas você quer que

Leia mais

JBOLETO GENERATOR A maneira mais fácil para trabalhar com boletos bancários. Agradecimentos

JBOLETO GENERATOR A maneira mais fácil para trabalhar com boletos bancários. Agradecimentos Agradecimentos Ao concluir a confecção deste manual, gostaria de agradecer a equipe de desenvolvimento da empresa onde trabalho por ter ajudado e acreditado neste projeto: Márcio Morais (Analista de Sistemas),

Leia mais

Manual de Instalação. Instalação via apt-get. SIGA-ADM versão 12.02

Manual de Instalação. Instalação via apt-get. SIGA-ADM versão 12.02 Manual de Instalação Instalação via apt-get SIGA-ADM versão 12.02 Índice de capítulos 1 - Pré-requisitos para instalação..................................................... 05 2 - Instalando o SIGA-ADM..............................................................

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 9-1. O KERNEL DO LINUX Nos sistemas GNU/Linux, todas as distribuições baseadas nos sistemas GNU/Linux existentes são compatíveis, graças ao uso de um kernel único desenvolvido por uma equipe de

Leia mais

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip Se, assim como a maioria, você possui um único PC ou notebook, uma opção para testar as distribuições Linux sem precisar mexer no particionamento do HD e instalar o sistema em dualboot, é simplesmente

Leia mais

Instalação FreeBSD 9. 2 - Inicialização do CD/DVD! Ao colocar o CD/DVD como boot principal na BIOS, aparecerá a seguinte tela:

Instalação FreeBSD 9. 2 - Inicialização do CD/DVD! Ao colocar o CD/DVD como boot principal na BIOS, aparecerá a seguinte tela: Instalação FreeBSD 9 1 - Introdução! O Sistema de Instalação do FreeBSD basicamente utilizará as setas do teclado, barra de espaço ou enter para executar determinada ação. Toda vez que encontrar alguma

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Monitoramento de conectividade de rede net_connect série 2.9 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Snap Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se

Leia mais

Módulos de Multiprocessamento em um servidor Web

Módulos de Multiprocessamento em um servidor Web Módulos de Multiprocessamento em um servidor Web Calcula-se que Prefork é o melhor método para sistemas com CPU única e Worker para sistemas Multi-cpu. Dessa forma, você deve analisar antes de programar

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

Configurando o IIS no Server 2003

Configurando o IIS no Server 2003 2003 Ser ver Enterprise Objetivo Ao término, você será capaz de: 1. Instalar e configurar um site usando o IIS 6.0 Configurando o IIS no Server 2003 Instalando e configurando o IIS 6.0 O IIS 6 é o aplicativo

Leia mais

PACOTE - INSTITUIÇÕES DE ENSINO - EMPRESAS

PACOTE - INSTITUIÇÕES DE ENSINO - EMPRESAS PACOTE - INSTITUIÇÕES DE ENSINO - EMPRESAS Volume 1 ACRONUS TECNOLOGIA EM SOFTWARE GUIA DE UTILIZAÇÃO DO ACRONUS RESTAURADOR PLUS Manual do usuário 1.60 P A C O T E I N S T I T U I Ç Õ E S D E E N S I

Leia mais

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas GerNFe 1.0 Manual do usuário Página 1/13 GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas O programa GerNFe 1.0 tem como objetivo armazenar em local seguro e de maneira prática para pesquisa,

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

HOW TO. Instalação do Firewall 6.1 Software

HOW TO. Instalação do Firewall 6.1 Software Introdução HOW TO Página: 1 de 14 Para fazer a migração/instalação do 6.1 Software, é necessária a instalação do Sistema Operacional Linux Fedora Core 8. Explicaremos passo a passo como formatar a máquina,

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

SERVIDOR WEB + LOG DE ACESSO LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Responsável: Ana Luíza Cruvinel

SERVIDOR WEB + LOG DE ACESSO LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Responsável: Ana Luíza Cruvinel Versão 2.0 1. INTRODUÇÃO SERVIDOR WEB + LOG DE ACESSO LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Responsável: Ana Luíza Cruvinel Data: 02/12/2014 Logs são muito importantes para a administração segura de sistemas,

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

Manual. Pedido Eletrônico

Manual. Pedido Eletrônico Manual Pedido Eletrônico ÍNDICE 1. Download... 3 2. Instalação... 4 3. Sistema de Digitação SantaCruz... 8 3.1. Configuração... 8 4. Utilização do Sistema Digitação SantaCruz... 11 4.1. Atualizar cadastros...11

Leia mais

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL... Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...4 Configurações iniciais...5 Arquivo sudoers no Sistema Operacional

Leia mais

AULA 1 PHP O QUE É APACHE FRIENDS

AULA 1 PHP O QUE É APACHE FRIENDS O QUE É PHP Se você já programa PHP, aconselho que pule para o capítulo 7 desse livro. Pois até esse capitulo iremos abordar algoritmos em PHP até a construção de uma classe com seus métodos e atributos

Leia mais

Documentação Symom. Agente de Monitoração na Plataforma Windows

Documentação Symom. Agente de Monitoração na Plataforma Windows Documentação Symom de Monitoração na Plataforma Windows Windows Linux Windows Linux Plataforma Windows Instalação A instalação do de Monitoração do Symom para Windows é feita através do executável setup.exe

Leia mais

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 ArpPrintServer Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA... 3 REQUISITOS DE SISTEMA... 4 INSTALAÇÃO

Leia mais

GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA

GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA Você deve ter em mente que este tutorial não vai te gerar dinheiro apenas por você estar lendo, o que você deve fazer e seguir todos os passos

Leia mais

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Uma poderosa ferramenta de monitoramento Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Abril de 2008 O que é? Características Requisitos Componentes Visual O que é?

Leia mais

É o UniNorte facilitando a vida de nossos docentes e discentes.

É o UniNorte facilitando a vida de nossos docentes e discentes. ACESSO REMOTO Através do Acesso Remoto o aluno ou professor poderá utilizar em qualquer computador que tenha acesso a internet todos os programas, recursos de rede e arquivos acadêmicos utilizados nos

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico O GCO é um sistema de controle de clínicas odontológicas, onde dentistas terão acesso a agendas, fichas de pacientes, controle de estoque,

Leia mais

SPoP(Security Point of Presence) com OpenVPN

SPoP(Security Point of Presence) com OpenVPN Objetivo: Montar PoPs usando recursos de VPN(Virtual Private Network) para auxiliar no tráfego seguro de Informações em redes Wireless e usuários em viagem que tenham necessidade de acesso seguro para

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Trabalho de Sistema de Informações. Instalação e configuração aplicativo Ocomon

Trabalho de Sistema de Informações. Instalação e configuração aplicativo Ocomon Trabalho de Sistema de Informações Aluno: Paulo Roberto Carvalho da Silva Instalação e configuração aplicativo Ocomon O trabalho tem como objetivo o estudo de caso,a instalação, configuração e funcionamento

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM LINUX. SalvadorAlvesdeMeloJúnioreIsmaelSouzaAraújo

ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM LINUX. SalvadorAlvesdeMeloJúnioreIsmaelSouzaAraújo ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM LINUX SalvadorAlvesdeMeloJúnioreIsmaelSouzaAraújo INFORMAÇÃOECOMUNICAÇÃO Autor Salvador Alves de Melo Júnior e Ismael Souza Araújo Salvador Alves de Melo Júnior: Mestre

Leia mais

CAPÍTULO 4. AG8 Informática

CAPÍTULO 4. AG8 Informática 2ª PARTE CAPÍTULO 4 Este capítulo têm como objetivo: 1. Tratar das etapas do projeto de um Website 2. Quais os profissionais envolvidos 3. Administração do site 4. Dicas para não cometer erros graves na

Leia mais

01 - Entendendo um Firewall. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

01 - Entendendo um Firewall. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com 01 - Entendendo um Firewall. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com O que são Firewalls? São dispositivos constituídos por componentes de hardware (roteador capaz de filtrar

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Lazarus pelo SVN Linux/Windows

Lazarus pelo SVN Linux/Windows Lazarus pelo SVN Linux/Windows Sei que não faltam artigos sobre como obter e compilar o Lazarus e o FPC pelo SVN, mas sei também que nunca é de mais divulgar um pouco mais e talvez escrever algo diferente.

Leia mais

O que é uma distribuição de Linux

O que é uma distribuição de Linux O que é uma distribuição de Linux Publicado por brain em Sáb, 2006-03-25 20:02. :: Documentação [http://brlinux.org/linux/taxonomy/term/13] por Augusto Campos Este artigo responde a diversas dúvidas comuns

Leia mais

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 INSTALAÇÃO DO MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 Neste item aprenderemos a instalar o Microsoft SQL SERVER 2008 R2 e a fazer o Upgrade de versões anteriores do SQL SERVER 2008 R2. Também veremos as principais

Leia mais

1.1 Porque um nível de aplicação proxy?

1.1 Porque um nível de aplicação proxy? 1.0 Introdução Os proxies são principalmente usados para permitir acesso à Web através de um firewall (fig. 1). Um proxy é um servidor HTTP especial que tipicamente roda em uma máquina firewall. O proxy

Leia mais

Manual de Transferência de Arquivos

Manual de Transferência de Arquivos O Manual de Transferência de Arquivos apresenta a ferramenta WebEDI que será utilizada entre FGC/IMS e as Instituições Financeiras para troca de arquivos. Manual de Transferência de Arquivos WebEDI Versão

Leia mais

Instalando o Lazarus e outros sistemas de suporte. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Instalando o Lazarus e outros sistemas de suporte. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Instalando o Lazarus e outros sistemas de suporte Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 1 Levante e ande - Instalando o Lazarus e outros sistemas de suporte. Ano: 02/2011 Nesta Edição

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos Plano de Testes Versão DeltaInfo Soluções para web Soluções para o mundo DeltaInfo 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores

Leia mais

1 de 5 Firewall-Proxy-V4 :: MANTENDO O FOCO NO SEU NEGÓCIO ::

1 de 5 Firewall-Proxy-V4 :: MANTENDO O FOCO NO SEU NEGÓCIO :: 1 de 5 Firewall-Proxy-V4 D O C U M E N T A Ç Ã O C O M E R C I A L FIREWALL, PROXY, MSN :: MANTENDO O FOCO NO SEU NEGÓCIO :: Se o foco do seu negócio não é tecnologia, instalar e manter por conta própria

Leia mais

Omega Tecnologia Manual Omega Hosting

Omega Tecnologia Manual Omega Hosting Omega Tecnologia Manual Omega Hosting 1 2 Índice Sobre o Omega Hosting... 3 1 Primeiro Acesso... 4 2 Tela Inicial...5 2.1 Área de menu... 5 2.2 Área de navegação... 7 3 Itens do painel de Controle... 8

Leia mais

Aula 12 Lista de verificação de segurança para o Windows 7

Aula 12 Lista de verificação de segurança para o Windows 7 Aula 12 Lista de verificação de segurança para o Windows 7 Use esta lista de verificação para ter certeza de que você está aproveitando todas as formas oferecidas pelo Windows para ajudar a manter o seu

Leia mais

Professor Claudio Silva

Professor Claudio Silva Filtragem caso o pacote não seja permitido, ele é destruído caso seja permitido, ele é roteado para o destino Além das informações contidas nos pacotes o filtro sabe em que interface o pacote chegou e

Leia mais

Atividade Proposta da Disciplina: Laboratório de Rede de Computadores

Atividade Proposta da Disciplina: Laboratório de Rede de Computadores Atividade Proposta da Disciplina: Laboratório de Rede de Computadores Tratamento dos dados gerados pelo Servidor de Web a partir do arquivo de logs. Configuração do Servidor Web para armazenar em um arquivo

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para XEROX 6279. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a XEROX 6279 no manual

Leia mais

Check List de Pendências Nilko (Institucional e Gabinetes)

Check List de Pendências Nilko (Institucional e Gabinetes) Check List de Pendências Nilko (Institucional e Gabinetes) Cache O que eles indicaram para resolver o problema para não deixar nada em cache é usar, em todas as páginas, o código:

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Manual Técnico BRMA BALANCE

Manual Técnico BRMA BALANCE B R M A B a l a n c e Manual Técnico BRMA BALANCE EMPRESA Atuando no segmento de comunicação de dados desde 1998, a BRconnection vem se destacando por desenvolver e disponibilizar ao mercado a solução

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Montando Redes Ponto-a-Ponto... 3 1.2.1 Parte lógica... 3 1.2.2 Escolhendo o sistema operacional... 3 1.2.3 Instalação

Leia mais

Sistema Operacional Saber Gnu/Linux Prefeitura de São Paulo

Sistema Operacional Saber Gnu/Linux Prefeitura de São Paulo Sistema Operacional Saber Gnu/Linux Prefeitura de São Paulo Descrição Sistema operacional baseado na distribuição Debian-Linux. Otimizado para o ambiente de terminais gráficos remotos. Customizado para

Leia mais

Servidor Messenger Openfire passo-a-passo no Linux

Servidor Messenger Openfire passo-a-passo no Linux 1 of 11 23/6/2010 22:45 Servidor Messenger Openfire passo-a-passo no Linux Autor: Paulo Roberto Junior - WoLF Data: 20/10/2008 Introdução Caso não goste de ler textos, vá logo

Leia mais

SERVIDOR WEB - APACHE SERVIDOR WEB - APACHE SERVIDOR WEB - APACHE 27/02/2012

SERVIDOR WEB - APACHE SERVIDOR WEB - APACHE SERVIDOR WEB - APACHE 27/02/2012 O servidor Apache é o mais bem sucedido servidor web livre. Foi criado em 1995 por Rob McCool, então funcionário do NCSA (National Center for Supercomputing Applications). Em maio de 2010, o Apache serviu

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

TUTORIAL DE INSTALAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL VIRTUALBOX COM INSTALAÇÃO DA VERSÃO DO SISTEMA OPERACIONAL UBUNTU

TUTORIAL DE INSTALAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL VIRTUALBOX COM INSTALAÇÃO DA VERSÃO DO SISTEMA OPERACIONAL UBUNTU GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA SECITEC ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA UNIDADE DE LUCAS DO RIO VERDE CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

Leia mais

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 Comandos para manipulação de diretório 1. ls Lista os arquivos de um diretório. 2. cd Entra em um diretório. Você precisa ter a permissão de execução para entrar no diretório.

Leia mais

Como é o Funcionamento do LTSP

Como é o Funcionamento do LTSP Instalação e configuração do LTSP 5 no Ubuntu 11.04 Funcionamento do LTSP e Instalação do Servidor Como é o Funcionamento do LTSP O primeiro requisito para que o LSTP funcione bem é ter uma rede de boa

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

ATENÇÃO: Este manual foi feito para usuários que tenham conhecimentos de administrador Linux.

ATENÇÃO: Este manual foi feito para usuários que tenham conhecimentos de administrador Linux. INSTALL 2014-08-12 ================================================== Instalando e Executando o Siprev em Ambiente Linux ATENÇÃO: Este manual foi feito para usuários que tenham conhecimentos de administrador

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais