ESTÁGIO EM CLÍNICA CIRÚRGICA

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTÁGIO EM CLÍNICA CIRÚRGICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA PROGRAMA ESTÁGIO EM CLÍNICA CIRÚRGICA MÓDULO: TRIMESTRAL 10º, 11º e 12º PERÍODOS 4º. TRIMESTRE / 2015 COORDENADOR: PROF. MARCO TÚLIO COSTA DINIZ SUBCOORDENADORA: PROFa. MAGDA MARIA PROFETA DA LUZ

2 SUPERVISÃO DOS MÓDULOS ESTÁGIO EM CLÍNICA CIRÚRGICA 4º TRIMESTRE DE 2015 Cirurgia de Cabeça e Pescoço (IAG): Prof. Alexandre de Andrade Sousa Coloproctologia (IAG): Prof. Antônio Lacerda Filho Esôfago, estômago, Duodeno (IAG): Prof. Marco Antônio G. Rodrigues Fígado, Vias Biliares, Pâncreas e baço (IAG): Profa. Vivian Resende Neurocirurgia (HC): Prof. Sebastião Natanael Silva Gusmão Parede (IAG): Prof. Manoel Jacy Vilela Lima Pediatria (HC): Prof. Edson Samesima Tatsuo Cirurgia geral - Hospital Risoleta T. Neves: Médico Mário Pastore Cirurgia vascular (HC) e Hospital Risoleta T. Neves: Prof. Túlio Pinho Navarro Hospital Semper: Profa. Maria Isabel Toulson D. Correia Hospital Santa Rita: Médico Dr. Roberto Guimarães Cabezas Andrade Hospital Dia Sagrada Família: Profa. Magda Maria Profeta da Luz Hospital Cristiano Machado: Profa. Beatriz Deoti Rodrigues Urologia (HC): Prof. Carlos Eduardo Corradi Fonseca Endoscopia (IAG): Prof. Vitor Arantes Cirurgia Plástica (HC): Prof. Paulo Roberto da Costa Santa Casa de Misericórdia: Prof. Andy Petroianu DATA DE INÍCIO: 21/09/2015 DATA DE TÉRMINO: 15/12/2015 OBJETIVOS DA DISCIPLINA Objetivos Gerais: Os objetivos gerais são oferecer conhecimento e habilidade em: * Assistência médica pré, per e pós-operatória a pacientes com afecções cirúrgicas * Assistência a intercorrências médicas a pacientes internados (em regime de plantão) * Relacionamento profissional com outros médicos e demais profissionais da saúde * Relação médico-paciente-familiares, com enfoque técnico, psicológico, ético e legal, com especificidade ao paciente cirúrgico Objetivos Específicos: Conhecer a importância da relação cirurgião-paciente, da responsabilidade profissional e dos aspectos médico-legais da prática cirúrgica

3 Estar apto a relacionar-se com os diversos profissionais de saúde que atuam nos ambulatórios e nas enfermarias, em particular com os da enfermagem, sabendo conviver com eles e respeitá-los Conhecer as demandas da urgência cirúrgica e ser capaz de atender às de menor complexidade (cateterismo venoso central, cateterismo vesical de alívio, cateterismo nasogástrico e nasoentérico, punções, drenagens, suturas, curativos etc.) Dominar as indicações e saber realizar punção abdominal e drenagem de coleção intraperitoneal guiada por ultra-sonografia Ser capaz de realizar a admissão e prescrição admissional do paciente em uma enfermaria cirúrgica, orientando-o em relação à rotina da Unidade e às condutas iniciais tomadas Estar apto a fazer o exame clínico diário, registrando-o no prontuário médico, destacando os dados na folha de evolução Ser capaz de indicar e prescrever antibioticoprofilaxia, tromboprofilaxia e derivados do sangue quando indicados Saber auxiliar e instrumentar em procedimentos cirúrgicos de pequeno e médio porte Ser capaz de se comportar adequadamente na sala cirúrgica Conhecer e saber prescrever os cuidados e preparos pré-operatórios imediatos, além de estar apto a dar o apoio psicológico aos pacientes nesse momento Valorizar e conhecer os cuidados médicos pós-operatórios, sendo capaz de prescrevê-los corretamente e de orientar adequadamente a enfermagem e demais profissionais da saúde em relação à sua realização Saber conscientizar os pacientes em relação aos benefícios de algumas condutas pré-operatórias (interrupção do tabagismo, suporte nutricional etc.) e pós-operatórias mediatas (inspirações profundas, tosse, deambulação precoce, etc.) Ser capaz de prestar assistência médica pós-operatória, diagnosticar e tratar as complicações cirúrgicas. Conhecer os principais medicamentos empregados no pós-operatório, estando apto a prescrevê-los Saber prescrever dieta oral, enteral e parenteral no paciente cirúrgico, com base em suas necessidades calórico-protéicas e no gasto energético Saber calcular as necessidades diárias de água, eletrólitos e glicose dos pacientes e o seu balanço hídrico e estar apto a prescrever a hidratação venosa pós-operatória Conhecer os principais exames realizados nos pacientes cirúrgicos, sendo capaz de indicá-los e interpretá-los Saber apresentar os casos clínicos aos demais colegas, durante visita aos doentes ou em reuniões clínico-científicas

4 Conhecer as condutas propedêutico-terapêuticas nas principais afecções cirúrgicas Comportar-se adequadamente no plantão hospitalar, respeitando os horários de entrada e saída, sabendo priorizar os atendimentos e registrálos da maneira adequada Ser capaz de construir relação médico-paciente respeitosa e demonstrar interesse e dedicação ao paciente INFORMAÇÕES GERAIS Com o objetivo de proporcionar aos alunos um internato principalmente prático, uma programação teórica básica será ministrada apenas às terças-feiras, de 14:30h às 16:30h. As aulas serão curtas para que possam abranger vários conteúdos. Os alunos devem chegar às enfermarias às 7h da manhã para que possam realizar o atendimento, a prescrição, a evolução clínica no prontuário e a discussão com o médico residente do caso. As atividades de cada estágio serão determinadas pelos coordenadores dos módulos. RODÍZIO O internato tem a duração aproximada de três meses, sendo realizado rodízio entre alguns grupos, de acordo com a tabela abaixo. Grupo Grupo Nº. de alunos do rodízio 07/07 Hospital Dia Sagrada Família Hospital Santa Rita Pediatria Plástica 06/06 Coloprocto CCP 06/06 Risoleta Prof. Tulio Navarro Risoleta Prof. Mario Pastore 10/10 Endoscopia EED Parede Prof. Túlio HC 07/07 06/06 FVB Neurocirurgia 07/07

5 EED: Esôfago, Estômago e Duodeno CCP: Cirurgia de Cabeça e Pescoço FVB: Fígado e Vias Biliares OBS: Não haverá rodízio nos cenários: SEMPER, SANTA CASA DE MISERICÓRDIA, UROLOGIA e HOSPITAL CRISTIANO MACHADO. Data do rodízio: 03/11/2015 PLANTÕES Os internos deverão cumprir 12 horas de plantão semanal em seus respectivos cenários de estágio. Os alunos alocados na enfermaria deverão procurar o médico-residente de plantão na enfermaria. Com ele, os alunos farão as admissões dos pacientes e os procedimentos e os atendimentos solicitados ao plantão de cirurgia. Os alunos alocados no Pronto Atendimento (PA ou PS) farão os atendimentos junto com o médico-residente de plantão sob supervisão. Caberá ao supervisor do estagio definir a escala de plantão de acordo como a disponibilidade da grade curricular. AULAS TEÓRICAS Serão oferecidas aulas teóricas todas as terças-feiras de 14:30 às 16:30 horas. O programa das aulas está relacionado abaixo. Local: Salão Nobre - FM Data Tema Professor 22/09/2015 Cirurgia Colorretal Profa. Magda Profeta Câncer colorretal Obstrução intestinal 29/09/2015 NÃO HAVERÁ AULA 06/10/2015 Cirurgia Colorretal Profa. Magda Profeta Doenças inflamatórias intestinais

6 13/10/2015 Esôfago/Estômago Lesão Cáustica Esôfago Prof. Marco Antônio Gonçalves Rodrigues Megaesôfago CA Esôfago 20/10/2015 Esôfago/Estômago Hérnia hiatal e doença do refluxo Prof. Marco Túlio Costa Diniz Cirurgia Bariátrica 27/10/2015 Cirurgia da parede abdominal Prof. Rafael Barbuto 03/11/2015 Cirurgia das vias biliares Anatomia das vias biliares Prof. Cristiano Xavier Lima Profa. Vivian Resende Colecistolitíase e coleciste aguda Coledocolitíase e colangite 10/11/2015 Cirurgia Vascular Prof. Túlio Pinho Navarro 17/10/2015 Endoscopia Digestiva Prof. Vitor Arantes Endoscopia digestiva alta Colonoscopia Outros procedimentos 24/10/2015 Cirurgia de cabeça e pescoço Prof. José Maria Porcaro Salles Prof. Alexandre Andrade 01/12/2015 Acessos venosos Noções básicas de anestesia Prof. Renato Santiago Gomez AVALIAÇÕES PROVA FINAL: 40 PONTOS Baseada nos temas das aulas teóricas DATA: 15/12/2015

7 HORÁRIO: 14:30h SALA: Salão Nobre OSCE: 40 PONTOS DATA: 09/12/2015 AVALIAÇÃO FORMATIVA/CONCEITO: 20 PONTOS PORTIFÓLIO O portifólio é a base para a AVALIAÇÃO FORMATIVA/CONCEITO, que vale 20 pontos. O modelo de como fazer o portifólio encontra-se no final deste programa. O interno deve arquivar a sua presença, verificada pela FICHA SEMANAL DE ACOMPANHAMENTO DE ESTÁGIO, como um apêndice do portifólio. O aluno deve entregar o portifólio no final de cada estágio ao supervisor responsável. Por exemplo, as turmas que tem rodízio devem entregar o portifólio e as fichas semanais de acompanhamento de estágio até o dia do rodízio. Neste trimestre, a data do rodízio é 03/11/15. No segundo estágio, o portifólio deve ser entregue até dia 11/12/2015. Recomenda-se àqueles que não tenham rodízio, mostrar o portifólio parcial ao supervisor do estágio na última semana do estágio. Isso facilitará a sua avaliação. OBS.: Os internos que estão fazendo o internato no exterior também devem fazer o portifólio. CONTATO PROF. MARCO TÚLIO COSTA DINIZ : BIBLIOGRAFIA 1. Current. Diagnosis & Treatment. Surgery. Thirteen edition. Gerard M. Doherty. McGraw Hill Medical International Edition. 2. Sabiston. Textbook of Surgery. The Biological Basis of Modern Surgical Practice 18th Edition. Elsevier FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG CIR DEPARTAMENTO DE CIRURGIA DISCIPLINA DE INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA AVALIAÇÃO DO SUPERVISOR Aluno: Período: Matrícula: Local de estágio:

8 Trim/20 Nome do instrutor: Prezado Supervisor, Tento em vista o final do trimestre, é chegada a hora de avaliar o desempenho do estágio, sendo sua participação fundamental. Solicitamos a gentileza de preencher a avaliação abaixo referente ao desempenho do aluno do seu estágio. Agradecemos sua valiosa contribuição e nos colocamos a disposição. Cordialmente, Prof. Marco Túlio Costa Diniz Coordenador Esta avaliação vale: * 20 pontos para alunos distribuídos em um único local de estágio. * 10 pontos alunos distribuídos no sistema de rodízio. Esta avaliação deverá ser entregue, pelo aluno, na Secretaria do Departamento de Cirurgia, no horário de 08:00 às 12:00h, no período marcado. Características para avaliação Assiduidade Pontualidade Insuficiente Regular Suficiente Satisfatório Muito Satisfatório Interesse/envolvimento no serviço Ëtica Relacionamento com o instrutor Capacidade de propor soluções para novos desafios Habilidade de realizar exame focado na queixa Habilidade de realizar atendimento proposto segundo as instruções Capacidade de prestar informações relevantes ao paciente Capacidade de terminar a tarefa em tempo adequado Nota Final/Pontos: Nome, assinatura e carimbo do Supervisor: FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG DEPARTAMENTO DE CIRURGIA DISCIPLINA DE INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA CIR FICHA SEMANAL DE ACOMPANHAMENTO DE ESTÁGIO Aluno: Período:

9 Matrícula: Local de estágio: Trim/20 Nome do instrutor Semana Dia da semana 2ª f data HORAS REALI- ZADAS DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE REALIZADA* ASSINATURA/CARIMBO SUPERVISOR 3ª f 4ª f 5ª f 6ª f *Plantão Pronto Atendimento(PA), plantão enfermaria(enf), endoscopia digestiva alta (EDA), colonoscopia(col), ambulatório(amb), bloco cirúrgico(bc). Assinatura/ carimbo do Professor responsável Orientações: Prezado aluno, Esta é a sua presença. Você deve imprimir uma folha desta por semana e preenchê-la. No final do seu estágio, entregue estas folhas no departamento de cirurgia, APÓS a verificação e assinatura do supervisor do seu estágio. Você deve colocá-la como apêndice do portifólio. Cordialmente, Professor Marco Túlio Costa Diniz Coordenador do Internato de Clínica Cirúrgica Matéria para o OSCE 1. Cuidado pré-operatório geral 2. Cuidado pré-operatório específico (paciente idoso, obeso, desnutrido, hematológico, diabético, doença da tireoide, insuficiência adrenal) 3. Preparo pré-operatório (termo de consentimento, prevenção de complicações) 4. Cuidado pós-operatório (drenos, tubos, cuidados com ferida operatória, trasnsfusão sanguínea, íleo pós-operatório, disfunções pulmonares, controle da dor, soroterapia)

10 5. Complicações pós-operatórias (complicações da ferida operatória,complicações respiratórias, complicações cardíacas, complicações peritoneais, disfunçãoo hepática pós-operatória, complicações urinárias, complicações infeciosas, complicações do sistema nervoso central e psiquiátricas, febre pós-operatória) 6. Princípios do eletrocuatério 7. Antibioticos e cirurgia 8. Distúrbio hidroeletrolíco no paciente cirúrgico 9. Câncer de laringe, avaliação do nódulo tireoidiano,câncer da tireoide, hiperparatireoidismo) 10. Câncer de pulmão, pneumotórax 11. Esôfago (anatomia, fisiologia, métodos diagnósticos das doenças do esôfago) 12. Doenças do esôfago (acalasia, divertículos, doença do refluxo gastroesofágico, esôfago de Barret, hérnia de hiato, tumores do esôfago, perfuração e lesões causticas) 13. Abdome agudo 14. Abscesso intra-abdominal 15. Estômago e duodeno (anatomia, fisiologia, métodos diagnósticos das doenças do estômago e duodeno) 16. Estômago e duodeno (úlcera duodenal, úlcera gástrica, gastrinoma, hemorragia digestiva alta, obstrução pilórica, câncer de estômago, linfoma gástrico) 17. Fígado (anatomia, fisiologia, métodos diagnósticos das doenças do fígado) 18. Fígado (Metástase hepática, avaliação do nódulo hepático, hipertensão porta, abscesso hepático) 19. Via biliar (anatomia, fisiologia, métodos diagnósticos das doenças da via biliar) 20. Via biliar (icterícia, cálculos da vesícula biliar e da via biliar, colecistite aguda, colecistite enfisematosa, íleo biliar, colangite, coledocolitíase, síndrome póscolecistectomia, câncer da vesícula, pólipo da vesícula, câncer da via biliar, pancreatite, colangite esclerosante) 21. Pâncreas (anatomia, fisiologia, métodos diagnósticos das doenças do pâncreas) 22. Pâncreas (pâncreas anular, pancreatite aguda, pancreatite crônica, pseudocistopancreático, abscesso pancreático, ascite pancreática, câncer de pâncreas, neoplasias císticas do pâncreas, câncer de papila duodenal) 23. Baço (anatomia, fisiologia, métodos diagnósticos das doenças do baço) 24. Baço (indicações de esplenectomia, doenças cirúrgicas do baço, abscesso esplênico, esplenose, estado pós-esplenectomia) 25. Apendicite aguda e tumores do apêndice 26. Intestino delgado (anatomia, fisiologia, métodos diagnósticos das doenças do intestino delgado) 27. Intestino delgado (síndrome do intestino curto, obstrução do intestino delgado, doença de Crohn, fístulas intestinais, isquemia mesentérica) 28. Cólon, reto e ânus (anatomia, fisiologia, métodos diagnósticos das doenças do cólon, reto e ânus) 29. Cólon, reto e ânus (obstrução colorretal, câncer de cólon, câncer de reto, pólipos do cólon, prevenção do câncer colorretal, doença diverticular dos cólons, volvolo colônico, retocolite ulcerativa, colite associada a antibiótico, megacólon chagásico, hemorroidas, abscesso perianal) 30. Parede abdominal 31. Doenças vasculares (doença cérebro vascular, Aneurisma de aorta, Doença arterial periférica, Pé diabético, Trombose venosa profunda, Isquemia arterial aguda, Varizes de membros inferiores)

11 32. Neurocirurgia ( Hipertensão intracraniana e hidrocefalia, Tumores intracranianos e lesões vasculares) 33. Urologia (câncer de próstata) 34. Ética em cirurgia Procedimentos que o aluno deve saber simular no OSCE (inclui conceitos teóricos sobre indicações, como fazer e complicações) 1. Punção de veia central e periférica 2. Cateterismo vesical de alivio 3. Cateterismo vesical de demora 4. Cateterismo nasogástrico 5. Sutura de pele (fixação de dreno, fechamento de ferida operatória) 6. Paracentese 7. Toracocentese EXEMPLO PORTFOLIO DE APRENDIZAGEM INTERNATO DE CLÍNICA CIRÚRGICA (Preencher um portfolio para cada módulo do Internato entregando no último dia de atividade do respectivo Módulo ao supervisor do mesmo)

12 Nome do(a) Interno(a) do(a) Interno(a) Local do Internato / Módulo / Supervisor do Módulo - Prof. Período do Módulo / /2015 a / /2015 ( o Trimestre de 2015) Atividades por Módulo (1/2 internato) Enfermaria (evolução e prescrição diárias) Ambulatório (atendimento e acompanhamento) Procedimentos cirúrgicos (auxílio e assistência) Visita aos pacientes (apresentação e assistência) Plantões (atendimento, acompanhamento, operações) Procedimentos invasivos (punções, intubações, Paracentese, toracocentese, curativos etc.) Desejável (esperado) >60 dias >12 dias >12 dias >20 corridas >8 plantões >16 procedimentos MODELO A SER SEGUIDO Data - / / Atividade 1 (Enfermaria, Ambulatório, Proc. Cirúrgicos, Visita aos doentes, Plantões ou Proc. Invasivos) Descrição da atividade 1 (Listar nome, registro e diagnóstico dos pacientes examinados, atendidos, operados, discutidos) Ensinamentos e reflexões (Apresentar e discutir os ensinamentos obtidos com tal atividade escolha um ou mais aprendizados gerados direta ou indiretamente com a atividade) Atividade 2 (Enfermaria, Ambulatório, Proc. Cirúrgicos, Visita aos doentes, Plantões ou Proc. Invasivos) Descrição da atividade 2 (Listar nome, registro e diagnóstico dos pacientes examinados, atendidos, operados, discutidos) Ensinamentos e reflexões (Apresentar e discutir os ensinamentos obtidos com tal atividade escolha um ou mais aprendizados gerados direta ou indiretamente com a atividade) Atividade 3 (Enfermaria, Ambulatório, Proc. Cirúrgicos, Visita aos doentes, Plantões ou Proc. Invasivos) Descrição da atividade 3 (Listar nome, registro e diagnóstico dos pacientes examinados, atendidos, operados, discutidos) Ensinamentos e reflexões (Apresentar e discutir os ensinamentos obtidos com tal atividade escolha um ou mais aprendizados gerados direta ou indiretamente com a atividade)

13 EXEMPLO 03/02/2009 Atividade 1 - Enfermaria (Evolução, avaliação de exs.laboratório e tomografia, prescrição) Descrição da atividade 1 José Onofre Pires, reg , neoplasia de pâncreas, pré-operatório Ensinamentos e reflexões - Aspecto tomográfico de um tumor pancreático metastático, cuidados pré-operatórios com o paciente ictérico, abordagem dos familiares de pacientes oncológicos em relação ao prognóstico Atividade 2 - Visita aos doentes (Prof. Marco Antônio) Descrição da atividade 2 : José Onofre Pires, neo pâncreas metastático (apresentei caso) Cláudia Maria Dias, colecistolitíase (pós-op de CVL) Maria Paula Correia, nódulo tireoidiano (pré-operatório) João Carlos Pereira, carcinoma do reto (pós-operatório) Manoel Dias Ribeirto, carcinoma esofágico (pós-operatório, fístula cervical) Ensinamentos e reflexões Discussão sobre genética e câncer, importância da relação médicopaciente na prevenção de problemas ético-legais, posologia da reposição de vitamina K em pacientes ictéricos para prevenir hemorragia perioperatória, manejo das fístulas esofágicas cervicais, importância e opções para nutrição precoce pós-operatória 04/02/2009 Atividade 1 - Ambulatório de Coloproctologia (Prof. Sérgio Alexandre) Descrição da atividade 1 : Maria Dias Nunes, reg , fístula perianal Carlos Gomes Meira, reg , hemorróidas Maria Pacheco, reg , câncer coloretal Cláudio Pires, reg , doença de Crohn Marina Nunes Medeiros, reg , pós-operatório apendicectomia Ensinamentos e reflexões - Preparo e realização do exame proctológico, Procedimento de retosigmoidoscopia (dificuldades relacionados ao preparo inadequado), Importância do toque retal no diagnóstico de tumores anoretais, Conduta em paciente com sangramento anal, Indicação cirúrgica na doença hemorroidária, Dificuldade burocrática na autorização de procedimentos cirúrgicos eletivos, Manejo e uso de drogas em pacientes com doenças inflamatórias intestinais, Estadiamento pré-operatório nos tumores colorretais 05/02/2009 Atividade 1 - Plantão no Pronto Atendimento (Prof. Marcelo Rausch) Descrição da atividade 1 : Jose Carlos Dias, apendicite aguda, atendimento, diagnóstico, preparo e operação Paula Maria, infecção pós-operatória (hérnia inguinal), atendimento, curativo e alta Michelle Correia Pacheco, hemorragia digestiva alta por úlcera gástrica, atendimento, assistência a endoscopia, evolução, prescrição, reserva de sangue Cláudio Gomes, pós-operatório tardio de gastrectomia evoluindo com ascite, tomografia, diagnóstico de carcinomatose peritoneal Fernanda Maria Dias, cirrose etílica com ascite tensa, avaliação e paracentese (realizei sobre supervisão) Pedro Gomes, AVC com entubação prolongada, traqueostomia (auxiliei na sala de emergência) Ensinamentos e reflexões Quadro clínico e valor do exame físico no diagnóstico de abdome agudo cirúrgico, Importância da referência e contra-referência para os pacientes cirúrgicos, Valor da anamnese detalhada no diagnóstico da causa da hemorragia digestiva (uso de antiinflamatório), Técnica e cuidados na realização de paracentese de alívio X propedêutica, Dificuldade na realização de traqueostomia em paciente com pescoço curto e muito infiltrado. Preferência por realizar tais procedimentos em ambiente adequado (centro cirúrgico).

14 QUADRO RESUMO Ao término do Módulo, o Interno deve também preencher o quadro resumo com base nas atividades preenchidas, extraindo do portfolio as informações nos seguintes quadros : Atividades Enfermaria (evolução e prescrição diárias) Ambulatório (atendimento e acompanhamento) Procedimentos cirúrgicos (auxílio e assistência) Visita aos pacientes (apresentação e assistência) Plantões (atendimento, acompanhamento, operações) Procedimentos invasivos (punções, cateterismos, entubações, paracentese, toracocentese, curativos etc.) Quantidade dias dias procedimentos visitas plantões procedimentos PROCEDIMENTOS INVASIVOS (supervisionados) Cateterismo vesical de alivio ou demora Cateterismo nasogástrico Punção venosa periférica Punção venosa central (auxílio) Curativos Suturas de pele Intubação orotraqueal Paracentese Toracocentese Outros Especificar : QUANTIDADE

ESTÁGIO EM CLÍNICA CIRÚRGICA

ESTÁGIO EM CLÍNICA CIRÚRGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA PROGRAMA ESTÁGIO EM CLÍNICA CIRÚRGICA MÓDULO: TRIMESTRAL 10º PERÍODO 1o. TRIMESTRE / 2015 COORDENADOR GERAL: PROF. MARCO

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA X COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA ( ) 18.01 Abdome Agudo Diagnóstico (algoritmo) ( ) 18.02 Abdome Agudo Inflamatório Diagnóstico e Tratamento ( ) 18.03 Abdome Agudo na Criança ( ) 18.04 Abdome Agudo

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS GERAIS O Programa de Residência Médica opcional de Videolaparoscopia em Cirurgia do Aparelho Digestivo (PRMCAD) representa modalidade de ensino de Pós Graduação visando ao aperfeiçoamento ético,

Leia mais

ESTÁGIO EM CLÍNICA CIRÚRGICA

ESTÁGIO EM CLÍNICA CIRÚRGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA PROGRAMA ESTÁGIO EM CLÍNICA CIRÚRGICA MÓDULO: TRIMESTRAL 10º PERÍODO 4º. TRIMESTRE / 2016 COORDENADOR: PROF. MARCO TÚLIO

Leia mais

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Cirurgia do Esôfago Painel de perguntas e filmes cirúrgicos

Leia mais

MANHÃ / SEGUNDA-FEIRA 8:00H. MODÚLO TEÓRICO: AFECÇÕES CIRÚRGICAS - MANHÃ / SEGUNDA-FEIRA Horário: 10:30 às 12:00 SALA 164

MANHÃ / SEGUNDA-FEIRA 8:00H. MODÚLO TEÓRICO: AFECÇÕES CIRÚRGICAS - MANHÃ / SEGUNDA-FEIRA Horário: 10:30 às 12:00 SALA 164 4 MÓDULO TEÓRICO PRÁTICO AFECÇÕES CIRÚRGICAS (ESPECIALIDADES) e CIRURGIA AMBULATORIAL 4.1 MÓDULO PRÁTICO: AFECÇÕES CIRÚRGICAS (ESPECIALIDADES) MANHÃ / SEGUNDA-FEIRA 8:00H HORA 24/08 31/08 07/09 14/09 21/09

Leia mais

DATA hora SALA AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR

DATA hora SALA AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR DATA hora SALA AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

02 de Agosto de 2015 (Domingo)

02 de Agosto de 2015 (Domingo) 02 de Agosto de 2015 (Domingo) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:45 10:10 MESA REDONDA: AFECCOES VASCULARES FREQUENTES NA PRATICA DIARIA DO CIRURGIAO 8:45-9:00

Leia mais

João Marcos + Raphael + Aisha + Clarissa + Tiago + Marcelo

João Marcos + Raphael + Aisha + Clarissa + Tiago + Marcelo DATA HORA AULA PROGRAMADA SALA MÓDULO PROFESSOR 05/02/2016 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica 14:10 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica Cirúrgica 15:25

Leia mais

PEDIATRIA CLÍNICA 1. OBJETIVOS

PEDIATRIA CLÍNICA 1. OBJETIVOS PEDIATRIA CLÍNICA PROGRAMA PARA O 6º. ANO DE MEDICINA 2015 Estágio obrigatório em tempo integral, que visa à formação em Pediatria Geral, em estagio prático, sob supervisão docente, com ênfase ao raciocínio

Leia mais

DISCIPLINA DE INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA

DISCIPLINA DE INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA PROGRAMA DISCIPLINA DE INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA MÓDULO: TRIMESTRAL 11 o E 12º PERÍODOS 1o. TRIMESTRE / 2013 COORDENADOR

Leia mais

DISCIPLINA DE INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA

DISCIPLINA DE INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA PROGRAMA DISCIPLINA DE INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA MÓDULO: TRIMESTRAL 11 o E 12º PERÍODOS 4o. TRIMESTRE / 2013 COORDENADOR

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO: Enfermagem DEPARTAMENTO: Ciências Básicas da Saúde DISCIPLINA: Enfermagem em Clínica Médica Cirúrgica I PROFESSORA RESPONSÁVEL:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA. Departamento de Cirurgia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA. Departamento de Cirurgia UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA Departamento de Cirurgia C I R U R G I A 4 2º. semestre / 2015 8 o. período COORDENADORA: SUBCOORDENADOR: CHEFE DO DEPARTAMENTO: SUBCHEFE DO DEPARTAMENTO:

Leia mais

203 A. 16:30-17:20 Trauma cervical Clinica Cirúrgica Raphael 17:20-18:10 Queimaduras Clínica Cirúrgica Raphael

203 A. 16:30-17:20 Trauma cervical Clinica Cirúrgica Raphael 17:20-18:10 Queimaduras Clínica Cirúrgica Raphael CRONOGRAMA INTERNATO DE CIRURGIA 1º 2013 9º PERÍODO DATA/LOCAL HORÁRIO AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 24/5/2013 11:00-11:50 Lesões corporais Medicina Legal Andressa 11:50-12:40 Lesões corporais Medicina

Leia mais

Cristina Costa Duarte Lanna(coordenadora), Adriana Maria Kakehasi e Gilda Aparecida Ferreira.

Cristina Costa Duarte Lanna(coordenadora), Adriana Maria Kakehasi e Gilda Aparecida Ferreira. FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG DEPARTAMENTO DO APARELHO LOCOMOTOR Av. Prof.Alfredo Balena 190-1 0 andar - sala 193 Caixa postal 340 - CEP: 30.130-100 031-3409-9757 dalo@medicina.ufmg.br ALO Nome do Estágio

Leia mais

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias MÓDULO I NUTRIÇÃO CLÍNICA 1-Absorção, digestão, energia, água e álcool 2-Vitaminas e minerais 3-Proteínas, lipídios, carboidratos e fibras 4-Cálculo das necessidades energéticas 5-Doenças do aparelho digestivo

Leia mais

DISCIPLINA DE INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA

DISCIPLINA DE INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA PROGRAMA DISCIPLINA DE INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA MÓDULO: TRIMESTRAL 11 o E 12º PERÍODOS 3o. TRIMESTRE / 2014 COORDENADOR

Leia mais

DISCIPLINA DE INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA

DISCIPLINA DE INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA PROGRAMA DISCIPLINA DE INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA MÓDULO: TRIMESTRAL 11 o E 12º PERÍODOS 3o. TRIMESTRE / 2014 COORDENADOR

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES MAPA AUDITÓRIO LARGO DA ORDEM (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO 8:15 8-30 TEMA LIVRE SELECIONADO 8:30

Leia mais

ESTÁGIO EM CLÍNICA CIRÚRGICA

ESTÁGIO EM CLÍNICA CIRÚRGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA PROGRAMA ESTÁGIO EM CLÍNICA CIRÚRGICA MÓDULO: TRIMESTRAL 10º PERÍODO 3º. TRIMESTRE / 2016 COORDENADOR: PROF. MARCO TÚLIO

Leia mais

DISCIPLINA DE INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA

DISCIPLINA DE INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA PROGRAMA DISCIPLINA DE INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA MÓDULO: TRIMESTRAL 11 o E 12º PERÍODOS 1o. TRIMESTRE / 2014 COORDENADOR

Leia mais

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES Conceitos CONSULTAS Atendimentos sem urgência por ordem de chegada. Não existe dentro do Pronto-Socorro e em nenhum local do hospital prévia marcação de

Leia mais

SERVIÇO DE GASTROENTEROLOGIA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PRESIDENTE DUTRA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA

SERVIÇO DE GASTROENTEROLOGIA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PRESIDENTE DUTRA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PRESIDENTE DUTRA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA Coordenador: Arnaldo de Jesus Dominici Adalgisa de Sousa Paiva Ferreira INTRODUÇÃO A Residência Médica é uma modalidade de ensino de

Leia mais

ESTÁGIO EM CLÍNICA CIRÚRGICA

ESTÁGIO EM CLÍNICA CIRÚRGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA PROGRAMA ESTÁGIO EM CLÍNICA CIRÚRGICA MÓDULO: TRIMESTRAL 10º PERÍODO 1º. TRIMESTRE / 2017 COORDENADOR: PROF. MARCO TÚLIO

Leia mais

2. PRÉ- REQUISITOS PARA A INSCRIÇÃO:

2. PRÉ- REQUISITOS PARA A INSCRIÇÃO: EDITAL DE CONVOCAÇÃO DO EXAME DE SUFICIÊNCIA CATEGORIA ESPECIAL PARA OBTENÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA EM CIRURGIA DO APARELHO DIGESTIVO 2010 Pelo presente edital, o CBCD Colégio Brasileiro de Cirurgia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: : PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnico em enfermagem Qualificação:

Leia mais

DISCIPLINA DE INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA

DISCIPLINA DE INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA PROGRAMA DISCIPLINA DE INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA MÓDULO: TRIMESTRAL 11 o E 12º PERÍODOS 3o. TRIMESTRE / 2014 COORDENADOR

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE COLOPROCTOLOGIA (SBCP) COMISSÃO DE ENSINO E APERFEIÇOAMENTO MÉDICO

SOCIEDADE BRASILEIRA DE COLOPROCTOLOGIA (SBCP) COMISSÃO DE ENSINO E APERFEIÇOAMENTO MÉDICO SOCIEDADE BRASILEIRA DE COLOPROCTOLOGIA (SBCP) COMISSÃO DE ENSINO E APERFEIÇOAMENTO MÉDICO PROPOSTA DE CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ESPECIALIDADE DE COLOPROCTOLOGIA Abril de 2010 À Comissão Nacional de Residência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE MEDICINA E ENFERMAGEM SELEÇÃO DE MONITOR NÍVEL I EDITAL Nº 02/2014/DEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE MEDICINA E ENFERMAGEM SELEÇÃO DE MONITOR NÍVEL I EDITAL Nº 02/2014/DEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE MEDICINA E ENFERMAGEM SELEÇÃO DE MONITOR NÍVEL I EDITAL Nº 02/2014/DEM 1. A Universidade Federal de Viçosa, através do presente edital,

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

05/05/2014 NOTA TÉCNICA

05/05/2014 NOTA TÉCNICA Data: 05/05/2014 NOTA TÉCNICA 82/2014 Medicamento Material Solicitante Juiz Renato Luís Dresch Procedimento 4ª Vara da Fazenda Pública Municipal Cobertura Processo número: 0847203-25.2014 TEMA: Cirurgia

Leia mais

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO)

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) 02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. Procedimentos Robóticos em Cirurgia abdominal 8:45-9:00 Cirurgia Robótica das afecções do

Leia mais

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Dor abdominal Difusa Localizada Abdome agudo Sem abdome agudo Exames específicos Tratamento específico Estabilizar paciente (vide algoritmo específico) Suspeita

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec: PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: Qualificação Técnica de Nível Médio de

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

A Gastroenterologia Visão e perspectivas atuais

A Gastroenterologia Visão e perspectivas atuais A Gastroenterologia Visão e perspectivas atuais A opção pela Gastroenterologia 23 Sociedades Federadas Regionais 54 Serviços de Gastroenterologia reconhecidos e aprovadas pelo MEC 1986 Sede do VI Congresso

Leia mais

1. RESUMO EXECUTIVO. Data: 19/03/2014 NOTA TÉCNICA 48/2014. Medicamento Material Procedimento Cobertura

1. RESUMO EXECUTIVO. Data: 19/03/2014 NOTA TÉCNICA 48/2014. Medicamento Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA 48/2014 Solicitante Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Processo número: 1.0421.14.000078-5/001 TEMA: Cirurgia bariátrica em paciente com obesidade mórbida Data: 19/03/2014 Medicamento Material

Leia mais

Código: ENFDIG Disciplina: DIDÁTICA GERAL Fase: 5ª Grade curricular: 2000 Pré-requisitos: Psicologia da Educação DESCRIÇÃO DO PROGRAMA:

Código: ENFDIG Disciplina: DIDÁTICA GERAL Fase: 5ª Grade curricular: 2000 Pré-requisitos: Psicologia da Educação DESCRIÇÃO DO PROGRAMA: 21cir FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecimento: Portaria nº 604, de 31 de maio de 1995 E-mail: denf@unir.br Campus Porto Velho/RO. BR 364,

Leia mais

CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido

CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido Eu, RG n solicito e autorizo o Dr. Fausto A. de Paula Jr, CRM-SP 103073, medico otorrinolaringologista,

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014

PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014 PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014 21/08 QUINTA-FEIRA 7:50 8:00 Abertura 8:00 9:30 Mesa Redonda: CEC de Esôfago 8:00 8:15 Ferramentas de estadiamento na neoplasia esofágica. É possível individualizar

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 Define e regulamenta as atividades da sala de recuperação pós-anestésica (SRPA) O Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO HOSPITAL DE BASE ESTÁGIO DE FORMAÇÃO EM ENDOSCOPIA. PROF. KENJI MIYAZAKI Chefe do Serviço de Endoscopia

FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO HOSPITAL DE BASE ESTÁGIO DE FORMAÇÃO EM ENDOSCOPIA. PROF. KENJI MIYAZAKI Chefe do Serviço de Endoscopia FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO HOSPITAL DE BASE ESTÁGIO DE FORMAÇÃO EM ENDOSCOPIA PROF. KENJI MIYAZAKI Chefe do Serviço de Endoscopia PROFª. MARIA REGINA PEREIRA DE GODOY Coordenadora da

Leia mais

INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA

INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA PROGRAMA INTERNATO EM CLÍNICA CIRÚRGICA MÓDULOS: 1) CIRURGIA, ORTOPEDIA, NEUROCIRURGIA Hospital João XXIII e Hospital

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 8. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 8. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 3 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 7 Cronograma de Aulas Pág. 8 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM DOR Unidade Dias e Horários

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM NO SUPORTE À CIRURGIA ROBÓTICA

Leia mais

ADENDO MODIFICADOR DO EDITAL N.º 13/2015-IEP/HCB

ADENDO MODIFICADOR DO EDITAL N.º 13/2015-IEP/HCB ADENDO MODIFICADOR DO EDITAL N.º 13/2015-IEP/HCB Por este instrumento o Conselho de Pós-Graduação (CPG) do Programa de Pós-Graduação em Oncologia do Hospital de Câncer de Barretos Fundação Pio XII, torna

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EDITAL DE SELEÇÃO DE MONITORES

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EDITAL DE SELEÇÃO DE MONITORES 1 UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EDITAL DE SELEÇÃO DE MONITORES PERÍODO LETIVO 2013.1 A Coordenação do Curso de Graduação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM PLANO DE CURSO DISCIPLINA ENFERMAGEM MÉDICO CIRÚRGICA

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

Estágio Supervisionado III

Estágio Supervisionado III Estágio Supervisionado III Prof. Jorge Fernandes de Lima Neto INSTRUÇÕES A) Minha visão do estágio supervisionado antes de iniciá-lo: Preencher esse formulário descrevendo sua visão de estágio. faça duas

Leia mais

HOSPITAL PELÓPIDAS SILVEIRA PROGRAMA DE ESTÁGIOS E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL. RODÍZIO EM NEUROINTENSIVISMO PARA RESIDENTES (160h)

HOSPITAL PELÓPIDAS SILVEIRA PROGRAMA DE ESTÁGIOS E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL. RODÍZIO EM NEUROINTENSIVISMO PARA RESIDENTES (160h) HOSPITAL PELÓPIDAS SILVEIRA PROGRAMA DE ESTÁGIOS E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PRECEPTOR RESPONSÁVEL Dra. Maria Goreth Pereira: goreth_pereira@hotmail.com PRECEPTORES ENVOLVIDOS Edna Lucia Freitas Daiana

Leia mais

I FELLOWSHIP EM VIDEOCIRURGIA DO APARELHO DIGESTIVO

I FELLOWSHIP EM VIDEOCIRURGIA DO APARELHO DIGESTIVO I FELLOWSHIP EM VIDEOCIRURGIA DO APARELHO DIGESTIVO Carga horária Carga Horária Total: 420 horas Carga Horária Teórica: 120 horas Carga Horária Prática : 240 horas Monografia: 60 horas 1. COORDENAÇÃO Nome:

Leia mais

CURSOS PRÉ-CONGRESSO MÓDULO I - MOTILIDADE DIGESTIVA BAIXA Hotel Serra Azul, Gramado, 24 de Setembro de 2008

CURSOS PRÉ-CONGRESSO MÓDULO I - MOTILIDADE DIGESTIVA BAIXA Hotel Serra Azul, Gramado, 24 de Setembro de 2008 1 MÓDULO I - MOTILIDADE DIGESTIVA BAIXA Hotel Serra Azul, Gramado, 24 de Setembro de 2008 08:00 08:15 Etiopatogenia da Incontinência Anal 08:15 08:30 Etiopatogenia da Constipação Intestinal 08:30 08:45

Leia mais

SUBSECRETARIA PARA ASSUNTO DE GESTÃO HOSPITALAR Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano

SUBSECRETARIA PARA ASSUNTO DE GESTÃO HOSPITALAR Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano 1 SUBSECRETARIA PARA ASSUNTO DE GESTÃO HOSPITALAR Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano PROTOCOLO OSTOMIZADO AUTORES: Francisco Mario de Azevedo Barros Médico Cirurgião Geral do

Leia mais

Planilha do Internato em Cirurgia - 1º / 2014

Planilha do Internato em Cirurgia - 1º / 2014 Planilha do Internato em Cirurgia - 1º / 2014 DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 21/03/2014 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome

Leia mais

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve.

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve. 24 de Outubro de 2006. Professor Amphilophio. Tomografia computadorizada do abdome e da pelve TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

sondagem Friday, April 23, 2010 Seja bem-vindo(a) ao e-learning Sondagem Nasoenteral! Page 1 of 6

sondagem Friday, April 23, 2010 Seja bem-vindo(a) ao e-learning Sondagem Nasoenteral! Page 1 of 6 Seja bem-vindo(a) ao e-learning Sondagem Nasoenteral! Page 1 of 6 Definição Sondagem Nasoenteral é a introdução através da cavidade nasal/oral de uma sonda de poliuretano ou outro material, posicionada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM SAMANTHA CORREA VASQUES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM SAMANTHA CORREA VASQUES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM SAMANTHA CORREA VASQUES RELATÓRIO ESTÁGIO CURRICULAR III- SERVIÇOS DA REDE HOSPITALAR: UNIDADE DE RECUPERAÇÃO PÓS ANESTÉSICA PORTO ALEGRE

Leia mais

2009/2010 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DE ANESTESIA

2009/2010 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DE ANESTESIA 2009/2010 COMISSÃO CIENTÍFICA Celínia Antunes Cristina Baião Fernanda Príncipe Henrique Dias Jorge Coelho José Alberto Martins José David Ferreira Marcos Pacheco Nuno Tavares Lopes Paulo Amorim Paulo Figueiredo

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA

COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA Pedido de Credenciamento de Programa Nome Completo da Instituição COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA Complexo Hospital Universitário Professor Edgard Santos (HUPES), Centro Pediátrico Professor Hosannah

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA I CONGRESSO DA REGIONAL NORDESTE DO CAPITULO BRASILEIRO DA IHPBA

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA I CONGRESSO DA REGIONAL NORDESTE DO CAPITULO BRASILEIRO DA IHPBA PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA I CONGRESSO DA REGIONAL NORDESTE DO CAPITULO BRASILEIRO DA IHPBA SALA C 21/10/10 Quinta-feira 08:00-09:15 Mesa-Redonda: Fígado I Moderador: Dr. José Huygens Garcia (CE) Secretário:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: : Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE, SAÚDE e SEGURANÇA Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO

Leia mais

LINHA DE CUIDADOS DE SAÚDE EM ONCOLOGIA

LINHA DE CUIDADOS DE SAÚDE EM ONCOLOGIA SAÚDE EM DIA O Programa Saúde em Dia consiste em linhas de cuidados integrais, com foco na patologia e na especialidade médica, direcionados a melhoria da saúde dos beneficiários de planos de saúde empresariais.

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

Remuneração Hospitalar. Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global

Remuneração Hospitalar. Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global Remuneração Hospitalar Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global Sobre a Unimed Vitória UNIMED VITÓRIA / ES 310.000 CLIENTES, SENDO DESTES, 20.000 EM ATENÇÃO PRIMÁRIA; 2.380 MÉDICOS COOPERADOS; 208 PRESTADORES

Leia mais

Processo Pedagógico de Formação do aluno do curso medico do UNI-BH

Processo Pedagógico de Formação do aluno do curso medico do UNI-BH Processo Pedagógico de Formação do aluno do curso medico do UNI-BH A proposta pedagógica para formação do medico dentro do curso do UNI-BH baseia-se na estruturação em três módulos de conteúdo bem definido

Leia mais

ESTÁGIO EM CLÍNICA CIRÚRGICA

ESTÁGIO EM CLÍNICA CIRÚRGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA PROGRAMA ESTÁGIO EM CLÍNICA CIRÚRGICA MÓDULO: TRIMESTRAL 10º PERÍODO 2º. TRIMESTRE / 2019 COORDENADOR: PROFa. MAGDA MARIA

Leia mais

PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 R1, R2, R3 HSF

PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 R1, R2, R3 HSF PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 (CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA) R1, R2, R3 HSF Residência em Medicina Intensiva Introdução: A Residência em Medicina Intensiva foi criada nesta instituição

Leia mais

Prezados Associados,

Prezados Associados, Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o FISCO SAÚDE traz agora guias de procedimentos por assunto. O conteúdo está distribuído

Leia mais

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico. Qualificação:Sem certificação técnica

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico. Qualificação:Sem certificação técnica Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico:Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnico de Enfermagem Qualificação:Sem

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Capítulo I Da Definição e Finalidade Art. 1º Entende-se como Estágio Supervisionado o conjunto de atividades práticas direcionadas para o aprendizado e o desenvolvimento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC: DR. JOSÉ LUÍZ VIANA COUTINHO CÓDIGO: 073 EIXO TECNOLÓGICO: HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: QUALIFICAÇÃO: MÓDULO: COMPONENTE CURRICULAR: C.H. SEMANAL: PROFESSOR:

Leia mais

Obstrução Intestinal no Adulto

Obstrução Intestinal no Adulto Obstrução Intestinal no Adulto Dra. Ana Cecília Neiva Gondim Cirurgia Geral / Coloproctologia Serviço de Coloproctologia do HUWC/UFC Introdução Obstrução intestinal é causa frequente de abdome agudo 20%

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

SELEÇÃO INTERNA DE PROFESSORES. Curso de Medicina EDITAL DE SELEÇÃO

SELEÇÃO INTERNA DE PROFESSORES. Curso de Medicina EDITAL DE SELEÇÃO SELEÇÃO INTERNA DE PROFESSORES Curso de Medicina EDITAL DE SELEÇÃO A coordenadora do curso de Medicina, Profa. Alessandra Duarte Clarizia, nos termos das regras fixadas pela Pró-Reitoria de Graduação do

Leia mais

ESTÁGIO EM CLÍNICA CIRÚRGICA

ESTÁGIO EM CLÍNICA CIRÚRGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA PROGRAMA ESTÁGIO EM CLÍNICA CIRÚRGICA MÓDULO: TRIMESTRAL 10ºPERÍODO 4º. TRIMESTRE / 2018 COORDENADOR: PROFa. MAGDA MARIA

Leia mais

DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR SALA 26/07/ :00 Apresentação do internato Denny

DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR SALA 26/07/ :00 Apresentação do internato Denny DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR SALA 26/07/2018 17:00 Apresentação do internato Denny 30/07/2018 Apresentação do internato - para todos alunos HSJD Apresentação do internato - para todos alunos

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação

Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação 1. Tipo de trabalho e responsabilidades principais O Gastrenterologista Pediátrico é um médico com formação em Pediatria

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Semiologia e Semiotécnica II Professor: Petrúcia Maria de Matos E-mail: petruciamatos@hotmail.com Código: Carga Horária:

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Hospital Figueira da Foz. Sala 5. Sala 1. Intervenção cirúrgica com transmissão (TAPP) Hospital

Hospital Figueira da Foz. Sala 5. Sala 1. Intervenção cirúrgica com transmissão (TAPP) Hospital Quinta feira, 5 de Março 2015 Cursos pré Congresso 08:30 13:00 Cirurgia mamária Cancro da mama e tratamento sistémico primário Indicação para quimioterapia neoadjuvante Como monitorizar a resposta com

Leia mais

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: MEDICINA DEPARTAMENTO: DECIGE DISCIPLINA: CLÍNICA CIRÚRGICA CÓDIGO: CARGA HORÁRIA: 585 HORAS CRÉDITOS: 22 PROFESSOR RESPONSÁVEL: 3ª ENFERMARIA - PROF. PEDRO EDER PORTARI FILHO

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 3 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 8 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM DOENÇAS FUNCIONAIS E MANOMETRIA

Leia mais

ROUQUIDÃO. Prevenção e Tipos de Tratamento

ROUQUIDÃO. Prevenção e Tipos de Tratamento ROUQUIDÃO Prevenção e Tipos de Tratamento O que é Rouquidão? Quais são as causas da rouquidão? Como a rouquidão é avaliada? Quando devo procurar uma avaliação especializada? Como tratar as desordens vocais?

Leia mais