Guia do Servidor Linux

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia do Servidor Linux"

Transcrição

1 Guia do Servidor Linux Editado por Conectiva S.A.

2 Guia do Servidor Linux Editado por Conectiva S.A. 1.0 Edição Publicado em julho de 2000 Copyright 2000 por Conectiva Por Equipe Conectiva. Copyright Conectiva S.A. Linux é uma marca registrada e concedida por Linus Torvalds, seu criador e cedente. Windows, Windows NT e Internet Explorer são marcas registradas da Microsoft Corporation. Netware é uma marca registrada da Novell, Inc. Macintosh e Appletalk são marcas registradas da Apple Computers. Netscape Communicator é uma marca registrada da Netscape Communications Corporation. Todas as demais marcas registradas são de uso e direito de seus respectivos proprietários. As marcas registradas são de propriedade dos seus autores. A presente publicação foi produzida com todo o cuidado e zelo possíveis. O editor, porém, não assume responsabilidades sobre eventuais erros de interpretação, omissões ou danos resultantes do uso das informações aqui descritas, por terceiros, de boa ou má fé. Os autores gostariam de ser avisados sobre modificações, traduções e versões impressas. Agradecemos a todos aqueles que têm participado ativamente no desenvolvimento dos trabalhos de tradução, internacionalização, divulgação e adaptação do Linux à realidade latinoamericana, pois muito de nosso esforço está calcado no esforço participativo desta comunidade. Esperamos que este guia seja de utilidade para todos aqueles que busquem uma ferramenta de auxílio às suas atividades diárias, e que possa enriquecer e facilitar os seus conhecimentos. Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

3 (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) ISBN 1. Linux (Sistema operacional de computador) 2. Equipe Conectiva. Conectiva S.A. Rua Tocantins, 89 - Cristo Rei - Curitiba - PR CEP

4 Índice Prefácio Convenções Tipográficas Linuxconf Visão Geral Interfaces do Linuxconf Utilização do Linuxconf Habilitando o Acesso ao Linuxconf Via Rede Ajuda do Linuxconf Ativando as Configurações Ativando ou Desativando Módulos Permissão e Propriedade de Arquivos Arquivos de Configuração Comandos e Programas Residentes Controle da Atividade de Serviços Mais Funcionalidades do Linuxconf LDAP Introdução e Conceitos Serviço de Diretório Tipo de Informação Organizando a Informação Classes de Objetos Referenciando a Informação Acessando a Informação Proteção Contra Acessos Não-Autorizados

5 Funcionamento do LDAP Conceito e Utilização do slapd LDAP e o X Replicação Instalando e Configurando o LDAP Instalando os Pacotes Criando o Diretório /var/ldap Executando o Script migrate_all_offline.sh Editando o Arquivo /etc/openldap/ldap.conf Inicializando o Servidor LDAP Utilizando o LDAP Fazendo Pesquisas na Linha de Comando Configurando o Netscape Communicator Acessando o Servidor LDAP por URLs Autenticação e NSS com o LDAP Autenticação no LDAP e o NSS Configurando o PAM para Utilizar o LDAP O Cliente do pam_ldap e o nss_ldap Configurando o NSS Testando a Autenticação e o NSS Adicionando e Removendo Usuários Via LDAP Acrescentando o log do LDAP Ferramentas Gráficas para o LDAP O Cliente de LDAP GQ O Cliente de LDAP Kldap Acesso Móvel

6 Implementando o Acesso Móvel Alterando o Arquivo de Atributos Alterando o Arquivo objectclass Personalizando o slapd.conf Alterando o Arquivo LDIF Reinicializando o Servidor LDAP Configurando o Netscape RAID RAID Via Hardware e Via Software RAID Via Hardware DPT Controladoras Suportadas Controladoras DPT Controladoras ICP Vortex Tipos de Hardware Tipo Controladora Tipo Encapsulado RAID Via Software O Controlador de Múltiplos Dispositivos (MD) Níveis de RAID RAID-linear RAID RAID RAID-2 e RAID RAID RAID

7 Tipos Híbridos Desempenho de RAID Desempenho no MD RAID-0 e no MD RAID-linear Desempenho de Leitura no MD RAID Desempenho de Escrita no MD RAID Desempenho de Leitura no MD RAID-4/ Desempenho de Escrita no MD RAID-4/ Comparação dos Níveis de RAID Configuração de RAID Modo Linear RAID RAID RAID RAID Uso de RAID para Obter Alta Disponibilidade DNS Introdução e Conceitos Funcionamento do DNS Espaço de Nomes de Domínio Nomes de Domínio Domínios O Espaço de Nomes de Domínios da Internet Domínios de Primeiro Nível Delegação Servidores de Nomes Resolvedores

8 Resolução de Nomes Cache Instalando e Configurando o DNS Instalando os Pacotes Configurando o Servidor DNS Configurando Mapas de IPs Reversos Configurando um Servidor Secundário Forward Zones Repetidores Funcionalidades Alocação de Faixas de IP Inicializando o Serviço Arquivos de Configuração do BIND O Arquivo /etc/named.conf O Arquivo /var/named/nome-do-dominio O Arquivo /var/named/named.local O Arquivo /var/named/named.ca Configuração dos Clientes Configuração Através do Linuxconf O Arquivo /etc/resolv.conf Considerações Finais Redes Mistas NFS Introdução e Conceitos Instalando o NFS Instale o servidor NFS

9 Configurando o Servidor NFS Configurando um cliente NFS Samba Configurando o Servidor Samba Instalando o Samba Configuração Senhas Criptografadas Senhas Descriptografadas no Windows Senhas Descriptografadas no Windows Senhas Descriptografadas no Windows NT Configurações Básicas Compartilhando um diretório Montando um volume Samba Iniciando o Samba Configuração do cliente Utilizando o SWAT Mars-NWE Introdução e Conceitos O protocolo IPX O Bindery Scripts de Logon Autenticação de Usuários Utilitários DOS Performance Problemas Conhecidos Configuração

10 Volumes do Servidor Nome do Servidor Netware Rede Interna Placas de Rede Salvamento de Rotas Versão do Netware Tratamento de Senhas Segurança de Arquivos durante o Processo de Login Usuário Convidado Usuários com Poder de Supervisor Usuários do Netware Mapeamento Automático de Usuários Criação dos Diretórios Essenciais Script de Login Padrão Desligamento do Banner de Impressão Filas de Impressão Servidor Internet Servidor Web Introdução e Conceitos O Hipertexto O Protocolo HTTP O Apache Instalando o Apache Configurando o Apache Servidor FTP O WU-FTPD

11 Instalação e Configuração Acessos Anônimos Permitindo Envio de Arquivos Arquivos de Mensagens e Banners Arquivo de Banner O Arquivo.message Servidor Proxy Caching O Squid Instalação e Configuração Memória para Cache Arquivos de Cache Controle de Acesso Correio Eletrônico Introdução A Teoria Como Funciona a Troca de Mensagens Eletrônicas Os Protocolos Envolvidos na Troca de Mensagens SMTP POP IMAP A Prática Configuração do POP e do IMAP Configuração do SMTP Segurança no Servidor Visão Geral sobre Segurança

12 Desabilitando Serviços Desnecessários Serviços Standalone Serviços Executados Através do inetd Utilizando TCP_Wrappers Firewall Através de Filtro de Pacotes Configuração do Filtro de Pacotes Pelo Linuxconf Verificando a Integridade do Sistema Configuração do AIDE Utilização do AIDE Alta Disponibilidade Introdução Definição Disponibilidade Básica Alta Disponibilidade Disponibilidade Contínua Objetivos Cálculo da Disponibilidade Conceitos Falha Erro Defeito Failover Failback Missão A Solução Conectiva para Alta Disponibilidade Monitoração de nodos

13 Replicação de disco Sistema de arquivos Monitoração de serviços Configuração do DRBD Configuração via Linuxconf Configuração pelo modo texto Sistema de arquivos Reiserfs Configuração do Heartbeat Configuração pelo Linuxconf Configuração pelo modo texto A. Fair Scheduler Introdução e Conceitos Funcionamento Configuração B. Appletalk Instalando o Netatalk Configurando o Netatalk Exportando Diretórios Configurando Permissões de Acesso Usuários Permissões no Diretório dos Volumes Na Estação Inicializando o Netatalk C. Licenças Gerais Introdução O BSD Copyright

14 X Copyright D. Licença de Uso e Garantia de Produto Geral Licença Restrita de Produtos Antes da Instalação Garantia Limitada Limitação de Reparação e Responsabilidade Bug do Ano Geral E. Licença Pública Geral GNU Introdução Termos e Condições para Cópia, Distribuição e Modificação Como Aplicar Estes Termos a Novos Programas? Índice Remissivo

15 Lista de Tabelas 1. Convenções deste Guia Atributos de Comparação dos Vários Níveis de RAID Correspondência entre Opções do Linuxconf e do /etc/exports Lista de Figuras 1. Ícone de Nota Ícone de Dica Ícone de Atenção/Aviso Interface Gráfica do Linuxconf Executando o Linuxconf em um Xterm Configuração do Acesso ao Linuxconf Via Rede Listagem dos Serviços Ativando o Serviço Linuxconf Interface Web do Linuxconf Confirmação de Modificações na Configuração do Sistema Relatório de Alterações Lista de Módulos do Linuxconf Previsão de Modificação de Modo de Arquivos Filtrando a Listagem de Arquivos Permissão de Arquivos Controlados pelo Linuxconf Definições de Permissões de um Arquivo Lista dos Arquivos de Configuração Listagem de Comandos e Programas Residentes

16 1-16. Alteração de Configuração de Comando Controle de Serviços Configuração do Serviço finger Dados de diretório distribuídos em três servidores Árvore de Diretório LDAP Um serviço de diretório replicado com dados distribuídos em três servidores O Cliente de LDAP GQ RAID Stripping RAID RAID RAID RAID RAID Zona vs. Domínio Tela de Configuração do Servidor DNS Adicionando um Domínio Adicionando um Mapa de IP Reverso Configurando um Servidor Secundário Configurando Forwarders Configurando Repetidores Funcionalidades do Servidor Alocação de Faixas de Endereços IP Configuração do named Através do ntsysv Adicionando um Domínio Especificação do Servidor de Nomes

17 5-1. Tela de configuração do servidor NFS Tela de acesso a volumes NFS Configuração do Samba Tela de configurações Globais do Samba Ambiente de Rede SWAT Página Inicial doapache Conectiva Linux Vista no Netscape Tela Incial de Configuração do Apache Configurações Básicas do Apache Apelidos de IP Máquina Virtual do Apache Tela Inicial de Configuração do WU-FTPD Configurações Básicas do Servidor FTP Configurações de Controle de Acessos Diretório com.message Visto no Netscape Configuração da Inicialização de Serviços Configuração do /etc/services Desabilitando um Serviço Servidor FTP sem tcp_wrappers Servidor FTP Utilizando tcp_wrappers Configuração de Regras de Entrada Configuração de Guias Configuração da Guia Características Exemplo de Utilização de Firewall por Reenvio Firewall Reenvio - Origem do Pacote Firewall Reenvio - Destino do Pacote

18 8-12. Firewall Reenvio - Features Adicionando uma Regra de Origem de Pacote Adicionando uma Regra de Destino de Pacote Firewall Reenvio - Adicionando uma Regra Exemplo de Utilização de Mascaramento de IP Configurando o IP Masquerade Firewall - IP Masquerade Configuração do DRBD Arquivo de configuração Configuração do Heartbeat Nodos IPs e Serviços Chaves de Autenticação Lista de dispositivos Configurações diversas A-1. Configuração do Kernel Lista de Exemplos 2-1. Utilizando as URLs do Netscape Communicator Conteúdo para o Arquivo/etc/openldap/ldif Exemplo de Configuração do tcp_wrappers Configuração do tcp_wrappers Menos Restritiva Arquivo de Configuração do AIDE

19 Prefácio O Guia do Servidor Linux é um dos guias do Conectiva Linux - Edição Servidor 5.1. A filosofia básica deste guia é apresentar os serviços mais importantes e essenciais, como as novidades que o Servidor 5.1 traz para os administradores de rede e de sistemas. Numa linguagem rápida e fácil, o administrador pode ter uma visão geral de cada serviço, bem como uma explanação da teoria e conceitos dos programas que estão disponíveis no produto. O guia não visa ensinar cada programa ou pacote, pois na teoria poderia-se criar um novo livro para cada assunto. Além da descrição geral dos principais pacotes, o usuário pode observar exemplos da sua instalação e configuração. Como citamos, este guia apresenta os pacotes principais, essenciais, e as novidades que o sistema operacional Conectiva Linux - Edição Servidor 5.1 contém. Classificamos neste guia como pacotes principais e essenciais para um administrador os serviços de DNS, NFS, Mars-NWE, Apache, Proxy, FTP, Correio Eletrônico, Firewall e o Linuxconf. Para as novidades do produto destacamos os serviços de LDAP, RAID, Alta Disponibilidade, Fair Scheduler e Appletalk. O Linuxconf foi classificado como essencial ou importante em uma rede, porque já é um padrão da distribuição Conectiva Linux. Mas o que queremos salientar nessa versão do servidor são os novos módulos que foram desenvolvidos para ele. Antes de falar dos módulos vamos dar um pequeno conceito do Linuxconf que é um programa que centraliza as configurações de administração de sistema e de redes. Uma de suas vantagens é a interface bastante amigável, que satisfaz a maioria dos usuários; ele pode ser usado em modo gráfico, texto e até pode ser chamado via web. A Conectiva procurou, para essa versão do servidor, implementar novos módulos no programa, como também melhorar os já existentes, deixando o Linuxconf ainda mais estável. Com uma equipe especializada e trabalhando somente neste projeto, foi implementado um módulo para a configuração da solução de Boot Remoto, Fair Scheduler, um aumento de funcionalidades na configuração do Samba, DNS, NFS e muitos outros módulos que o próprio programa apresenta. Para fechar, a grande vantagem do Linuxconf é a implementação constante realizada pela equipe da Conectiva e também pela própria comunidade Linux. Acompanhe em nosso site (http://www.conectiva.com.br/atualizacoes/) sua evolução e tenha sempre em sua máquina a última versão. O Linuxconf está descrito com mais detalhes no primeiro capítulo deste guia. Enfatizamos que a interface gráfica do Linuxconf utilizada ao longo do livro não é a interface instalada por padrão. Optamos pela interface do GNOME no 19

20 Prefácio Linuxconf por ser mais simples e esteticamente melhor para apresentação nos guias. Dando continuidade ao guia, é apresentado no Capítulo 2 o conceito e funcionamento de um servidor de LDAP. Este serviço é um protocolo cliente-servidor, utilizado para acessar um serviço de Diretório - uma base de dados que se assemelha a uma lista telefônica - que guarda toda a base de informações dos seus usuários. Uma facilidade interessante é que, usando o cliente Netscape o usuário pode acessar todas as configurações de seu navegador remotamente. No terceiro capítulo é descrito o funcionamento do RAID, que é uma poderosa ferramenta para criar um subsistema de unidades de disco, rápido e confiável, através de unidades individuais. Sua função é proteger falhas no disco e não ser utilizado como um substituto para fazer backup. RAID é um serviço complexo que deve ser utilizado com cautela e por administradores experientes. O quarto capítulo apresenta o bom e velho DNS. Este serviço, além de ser conhecido por muitos, é de suma importância para a configuração de uma rede. Neste capítulo é apresentada uma introdução do seu conceito básico e configuração. Em Redes Mistas, no quinto capítulo, é demonstrado o NFS e mais dois protocolos para o Linux trabalhar com outros sistemas operacionais - Samba e Mars- NWE. O NFS é um protocolo importante, dentro do Linux, para se fazer o compartilhamento de arquivos; já o Samba permite que máquinas Linux conversem com máquinas Windows e o Mars-NWE possibilita a comunicação de máquinas ou redes Linux com máquinas ou redes Novell. Esta parte do guia é bastante importante e interessante para aqueles que estão migrando para o Linux e ainda não podem abandonar definitivamente outros sistemas operacionais. O Linux vem mostrar aqui que pode conviver amigavelmente com todos. No capítulo 6, buscamos criar uma seqüência de serviços para o administrador montar um servidor básico de Internet. Apresentamos o Apache para um servidor web, o WU-FTPD para um servidor de FTP e o Squid para um servidor de proxy. Com estes três serviços você já monta um servidor base para seu provedor Internet, por exemplo. Dando continuidade, no capítulo 7 - Correio Eletrônico - apresentamos o funcionamento do Sendmail para a configuração de um servidor de . Utilize esse capítulo para incrementar seu servidor iniciado no capítulo 6. O Capítulo 8 fala de Segurança no Servidor, apresentando algumas regras para aumentar a segurança em sua rede e também descrevendo de uma maneira bem 20

21 Prefácio clara e objetiva o que um administrador deve fazer para desabilitar os serviços não utilizados. Este é o primeiro passo que um bom administrador deve dar, desabilitar o que não está sendo usado. Saber, conhecer a rede é um dos fatores mais importantes para oferecer um mínimo de segurança para sua rede; mesmo que o administrador não conheça conceitos de segurança, conhecer a rede já é um grande passo. Leia com atenção este capítulo para dar seu primeiro salto. Para fechar a seção de capítulos, temos Alta Disponibilidade, que é apresentada no capítulo 9. Este capítulo objetiva a apresentação de conceitos e aplicações que possibilitam aumentar a disponibilidade de servidores Linux. Alta Disponibilidade vem mostrar que não é apenas mais um programa dentro de um produto, e sim, uma característica de um sistema computacional. O Conectiva Linux também vem abrindo as portas para essa filosofia. Entrando nos apêndices, temos dois assuntos importantes: o Fair Scheduler e o Appletalk. O Fair Scheduler é uma nova característica do Kernel do Conectiva Linux; ele tem a função de tornar a divisão de tarefas da CPU mais justa e proporcional a cada usuário, evitando assim o monopólio. Esta funcionalidade também foi desenvolvida dentro do laboratório da Conectiva. O apêndice do Appletalk descreve o pacote Netatalk que vem como novidade no Conectiva Linux. Com ele você pode criar redes mistas usando máquinas Macintosh e Linux. Para finalizar este guia, são apresentadas as licenças de uso gerais, a GPL e a licença de uso do produto. O Guia do Servidor do Linux vem ajudar e apresentar o novo Conectiva Linux- Edição 5.1. Aproveite ao máximo seus conceitos e exemplos. Convenções Tipográficas Durante a confecção deste guia, procuramos descrever e formatar com uniformidade os vários termos utilizados. Segue abaixo as principais convenções utilizadas. Tabela 1. Convenções deste Guia Convenção Itálico Descrição Palavras em inglês. 21

22 Prefácio Opções de Menus e Submenus Letra courier (mais fina e espaçada) Atenção Nota Dica Letra em tamanho maior que o corpo de texto; os submenus estão separados por setas. Definida para nomes de arquivos ou extensões de arquivos. Figura de um computador que serve para indicar que o texto escrito é importante. Deve-se ler com atenção. Figura de um palm-pilot, que serve para complementar um texto. Figura que apresenta uma dica sobre o assunto em questão. Figura 1. Ícone de Nota Figura 2. Ícone de Dica 22

23 Prefácio Figura 3. Ícone de Atenção/Aviso A Conectiva espera, com este material, fornecer uma base para aqueles que desejam implantar soluções avançadas em um servidor, utilizando uma plataforma Linux. Se for encontrado algum erro ortográfico ou conceitual, por favor acesse o site (http://www.conectiva.com.br/doc/errata) e preencha o formulário adequado. A Conectiva agradece o seu interesse neste produto e deseja boa sorte em seu empreendimento! Conectiva, Julho de

24 Capítulo 1. Linuxconf O propósito deste capítulo é apresentar o Linuxconf de maneira a capacitá-lo a entender o que acontece cada vez que você efetua alguma alteração, ou quando você simplesmente entra e sai do aplicativo. Não iremos apresentar e explicar cada um dos módulos do Linuxconf; ao invés disto, iremos expor o que deve ser feito para habilitar ou desabilitar estes módulos e quais são os arquivos monitorados pelo Linuxconf, entre outros tópicos. Visão Geral O Linuxconf é um sistema avançado de administração para o Linux. Ele centraliza tarefas como configuração do sistema e monitoração dos serviços existentes na máquina. Na verdade, o Linuxconf é composto por um conjunto de módulos, cada qual responsável por executar uma tarefa específica. Por exemplo, entre vários outros, existem módulos para: configuração do servidor Apache; configuração de conexões PPP; configuração de regras para o filtro de pacotes do kernel. Tendo em vista a maneira como o Linuxconf foi projetado, para adicionar uma funcionalidade ao mesmo basta que alguém escreva um novo módulo para executar a tarefa em questão. Com isto, temos uma ferramenta que pode centralizar a configuração de todo o sistema. Uma das complicações de grande parte dos programas para Linux é que eles são tão flexíveis que têm dezenas (quando não são centenas) de opções de configuração. O Linuxconf facilita a configuração destes programas, apresentando as opções de configuração existentes de maneira organizada e, muitas vezes, fazendo também a validação dos dados informados, diminuindo a ocorrência de erros grosseiros. 24

25 Capítulo 1. Linuxconf Interfaces do Linuxconf Ao contrário de várias outras ferramentas de administração, o Linuxconf tem várias interfaces de usuário: Interface texto Interface indispensável, pois pode ser utilizada a qualquer momento, seja via console ou via acesso remoto (telnet ou ssh). Esta interface elimina a necessidade de manter instalado um servidor gráfico X apenas para configurar a máquina. A Tabela 1-1 mostra alguns atalhos de teclado úteis para este modo do Linuxconf. Tabela 1-1. Atalhos de Teclado para o Linuxconf Teclas F1 F3 Ctrl-X Ctrl-A Ctrl-B Ctrl-D Ctrl-E Ctrl-F Ctrl-K Descrição abre tela de ajuda sai de uma seção/tela mostra lista pop-up da opção vai para o início da linha (Home) volta a página anterior (PageUp) apaga o caractere corrente (Delete) vai para o final da linha (End) vai para a página posterior (PageDown) apaga o texto, do cursor ao final da linha Interface web A possibilidade de configurar uma máquina através de uma interface web é fantástica, pois basta ter acesso a um navegador. Com isto, é possível configurar uma máquina através de praticamente qualquer plataforma de hardware e software, bastando que exista um navegador para a mesma. Interface gráfica Interface útil para usuários que preferem configurar o sistema através de uma inter- 25

26 Capítulo 1. Linuxconf face gráfica, tendo à sua disposição janelas, caixas de diálogo, botões, etc.. Esta interface deve ser executada em um servidor gráfico X, como o XFree86 (servidor gráfico padrão do Linux). Interface de linha de comando Alguns módulos do Linuxconf podem ser utilizados via linha de comando, o que, entre outras possibilidades, permite a utilização dos mesmos em scripts. Você poderá utilizar qualquer uma destas interfaces, dependendo apenas do seu gosto pessoal, ou do que há disponível na máquina que está sendo administrada. Utilização do Linuxconf O Linuxconf pode ser executado a qualquer momento, através da linha de comando. Para iniciá-lo, basta digitar linuxconf na linha de comando. A configuração padrão do Conectiva Linux é permitir que apenas o superusuário acesse o Linuxconf. Esta política foi escolhida por questões de segurança, pois para que outros usuários possam executá-lo, é necessário que o programa tenha o bit suid habilitado. Quando o Linuxconf é executado pela primeira vez, ele exibe uma tela de apresentação, com algumas instruções de utilização do programa. Ao ser iniciado, o Linuxconf verifica se o X está ativo. Caso afirmativo, ele inicia sua interface gráfica, como ilustrado na Figura

27 Capítulo 1. Linuxconf Figura 1-1. Interface Gráfica do Linuxconf Enfatizamos que a interface gráfica demonstrada acima, e utilizada em todos os exemplos deste capítulo, não é a interface instalada por padrão. Optamos pela interface do GNOME no Linuxconf por ser mais simples e esteticamente melhor. Para mais informações sobre a escolhe das interfaces e como instalar cada uma, favor dirigir-se ao Guia de Instalação. Como pode ser observado na Figura 1-1, o Linuxconf tem três seções: Configuração, Controle e Estado. A seção Configuração trata basicamente de configurações do sistema e a seção Estado permite a visualização de logs e informações gerais do sistema. Como o objetivo deste capítulo é entender o funcionamento do Linuxconf, nos deteremos na seção Controle, a qual permite que visualizemos e modifiquemos os padrões do Linuxconf. 27

28 Capítulo 1. Linuxconf Para utilizar a interface texto do Linuxconf, basta executá-lo no modo texto, ou então adicionar a opção --text na linha de comando: linuxconf --text. A Figura 1-2 ilustra o Linuxconf sendo executado num Xterm. Figura 1-2. Executando o Linuxconf em um Xterm Note que as informações apresentadas na interface texto são as mesmas apresentadas na interface gráfica, sendo que apenas a forma de apresentação difere entre as duas interfaces. A interface web pode ser acessada através da URL mas, para isto, você deve primeiramente configurar o Linuxconf para que ele aceite conexões via rede. Habilitando o Acesso ao Linuxconf Via Rede O primeiro passo para habilitar o acesso ao Linuxconf através da rede é ir até o menu Configuração Ambiente de Rede Diversos Acesso ao Configurador Linux via rede e marcar a opção ativa acesso via rede. Além desta opção, é útil marcar também a opção Acesso de registro no arquivo /var/log/htmlaccess.log, para que os acessos fiquem registrados neste arquivo. Logo abaixo destas opções, você encontra alguns campos para definir quais má- 28

29 Capítulo 1. Linuxconf quinas podem acessar o Linuxconf via rede. Se estes não forem preenchidos, o Linuxconf apenas aceitará conexões da rede local da primeira placa de rede detectada pelo sistema, o que é considerado um funcionamento razoavelmente seguro. Se você prefere ser mais específico, informe uma máquina ou uma rede e, opcionalmente, uma máscara de rede. Suas opções para especificar uma máquina ou uma rede são: um nome de máquina; um endereço IP; um par de endereço IP e máscara de rede; um nome de dispositivo (eth0, eth1, etc). Observe o exemplo da Figura 1-3: Figura 1-3. Configuração do Acesso ao Linuxconf Via Rede Com esta configuração, será possível acessar a interface web do Linuxconf através da interface loopback ( ), da rede / e da máquina host.qwerty.com. Quando é especificado um endereço IP ou um nome de máquina sem especificar uma máscara de rede, é assumida por padrão a máscara

30 Capítulo 1. Linuxconf Como esta interface do Linuxconf roda através do inetd, é necessário verificar se ele está habilitado. Este procedimento pode ser efetuado através da caixa de diálogo Controle Painel de Controle Controle de atividade dos serviços. Nesta caixa de diálogo, procure pelo serviço linuxconf, o qual deverá estar marcado como Inativo, como ilustrado na Figura 1-4. Figura 1-4. Listagem dos Serviços Ao selecionar esta opção, será apresentada uma caixa de diálogo de configuração do serviço. Por enquanto, preocupe-se apenas em ativar o serviço, marcando Estado como Ativo (veja Figura 1-5). 30

31 Capítulo 1. Linuxconf Figura 1-5. Ativando o Serviço Linuxconf O passo seguinte é sair do Linuxconf e escolher a opção Ativar as mudanças, para que estas alterações sejam efetivadas. Finalmente, para acessar o Linuxconf através de sua interface web, basta apontar seu navegador para isto é, se você estiver acessando da máquina local. Se estiver acessando da rede, substitua pelo nome ou endereço IP da máquina. A Figura 1-6 mostra uma página da interface web do Linuxconf. 31

Configuração de Digitalizar para E-mail

Configuração de Digitalizar para E-mail Guia de Configuração de Funções de Digitalização de Rede Rápida XE3024PT0-2 Este guia inclui instruções para: Configuração de Digitalizar para E-mail na página 1 Configuração de Digitalizar para caixa

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede O sistema de nome de domínio (DNS) é um sistema que nomeia computadores e serviços de rede e é organizado em uma hierarquia de domínios.

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Fundamentos de Administração de Sistemas

Fundamentos de Administração de Sistemas Fundamentos de Administração de Sistemas Este curso tem como objetivo ensinar aos alunos conceitos de administração de um sistema Linux. Isto inclui o gerenciamento de contas de usuários, automação de

Leia mais

Usar Atalhos para a Rede. Logar na Rede

Usar Atalhos para a Rede. Logar na Rede GUIA DO USUÁRIO: NOVELL CLIENT PARA WINDOWS* 95* E WINDOWS NT* Usar Atalhos para a Rede USAR O ÍCONE DA NOVELL NA BANDEJA DE SISTEMA Você pode acessar vários recursos do software Novell Client clicando

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Librix...3. Software Livre...3. Manual Eletrônico...3. Opções de Suporte...3. Configuração de Dispositivos Básicos...4

Librix...3. Software Livre...3. Manual Eletrônico...3. Opções de Suporte...3. Configuração de Dispositivos Básicos...4 Índice Introdução Librix...3 Software Livre...3 Manual Eletrônico...3 Opções de Suporte...3 Dicas para a Instalação Configuração de Dispositivos Básicos...4 Teclado...4 Mouse...5 Vídeo...5 Rede...6 Configuração

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Entendendo o DNS É o serviço responsável por: Traduzir nomes em endereços IP (e vice-versa), de um determinado

Leia mais

Guia do laboratório de teste: Configure o SharePoint Server 2010 como um Servidor Único com o Microsoft SQL Server

Guia do laboratório de teste: Configure o SharePoint Server 2010 como um Servidor Único com o Microsoft SQL Server Guia do laboratório de teste: Configure o SharePoint Server 2010 como um Servidor Único com o Microsoft SQL Server Este documento é fornecido no estado em que se encontra. As informações e exibições expressas

Leia mais

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 Pela grande necessidade de controlar a internet de diversos clientes, a NSC Soluções em Informática desenvolveu um novo produto capaz de gerenciar todos os recursos

Leia mais

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 2007 2012 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 FileMaker Pro 14 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 2007-2015 FileMaker, Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Aula 12 Lista de verificação de segurança para o Windows 7

Aula 12 Lista de verificação de segurança para o Windows 7 Aula 12 Lista de verificação de segurança para o Windows 7 Use esta lista de verificação para ter certeza de que você está aproveitando todas as formas oferecidas pelo Windows para ajudar a manter o seu

Leia mais

Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha

Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha Versão 1.5 Histórico de revisões Revisão Data Descrição da alteração 1.0 18/09/2015 Criação deste manual 1.1 22/09/2015 Incluído novas

Leia mais

Guia de Configuração das Funções de Digitalização

Guia de Configuração das Funções de Digitalização Guia de Configuração das Funções de Digitalização WorkCentre M123/M128 WorkCentre Pro 123/128 701P42171_pt-BR 2004. Todos os direitos reservados. A proteção de copyright aqui reclamada inclui todas as

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

Manual Técnico BRMA BALANCE

Manual Técnico BRMA BALANCE B R M A B a l a n c e Manual Técnico BRMA BALANCE EMPRESA Atuando no segmento de comunicação de dados desde 1998, a BRconnection vem se destacando por desenvolver e disponibilizar ao mercado a solução

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Administração pela Web Para MDaemon 6.0

Administração pela Web Para MDaemon 6.0 Administração pela Web Para MDaemon 6.0 Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N Technologies. Todos os Direitos Reservados. Os nomes de

Leia mais

Manual de Administração

Manual de Administração Manual de Administração Produto: NDDigital n-access Versão: 4.2 Versão do Doc.: 1.1 Autor: Lucas Santini Data: 27/04/2011 Aplica-se à: NDDigital n-billing Detalhamento de Alteração do Documento Alterado

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

MDaemon GroupWare. Versão 1 Manual do Usuário. plugin para o Microsoft Outlook. Trabalhe em Equipe Usando o Outlook e o MDaemon

MDaemon GroupWare. Versão 1 Manual do Usuário. plugin para o Microsoft Outlook. Trabalhe em Equipe Usando o Outlook e o MDaemon MDaemon GroupWare plugin para o Microsoft Outlook Trabalhe em Equipe Usando o Outlook e o MDaemon Versão 1 Manual do Usuário MDaemon GroupWare Plugin for Microsoft Outlook Conteúdo 2003 Alt-N Technologies.

Leia mais

Kerio Exchange Migration Tool

Kerio Exchange Migration Tool Kerio Exchange Migration Tool Versão: 7.3 2012 Kerio Technologies, Inc. Todos os direitos reservados. 1 Introdução Documento fornece orientações para a migração de contas de usuário e as pastas públicas

Leia mais

Guia de Inicialização para o Windows

Guia de Inicialização para o Windows Intralinks VIA Versão 2.0 Guia de Inicialização para o Windows Suporte 24/7/365 da Intralinks EUA: +1 212 543 7800 Reino Unido: +44 (0) 20 7623 8500 Consulte a página de logon da Intralinks para obter

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Curso de extensão em italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia OpenLDAP básico -, 2009.1 Licença de uso e distribuição

Leia mais

MANUAL DO ADMINISTRADOR

MANUAL DO ADMINISTRADOR WinShare Proxy admin MANUAL DO ADMINISTRADOR Instalação do WinShare Índice 1. Instalação 2. Licenciamento 3. Atribuindo uma senha de acesso ao sistema. 4. Configurações de rede 5. Configurações do SMTP

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

Entendendo o OpenLDAP. Por GABRIEL STEIN

Entendendo o OpenLDAP. Por GABRIEL STEIN Por GABRIEL STEIN CONCEITOS ABORDADOS Conceito de diretório / Serviço de diretório Organização Hierárquica - Árvore LDAP Histórico Características Atributos ObjectClasses Schemas Entrada DNs Arquivos LDIF

Leia mais

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Informática - Básico Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Índice Apresentação...06 Quais são as características do Windows?...07 Instalando o Windows...08 Aspectos Básicos...09 O que há na tela do Windows...10

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Artigo escrito por Walter Teixeira wteixeira.wordpress.com Sumário Cenário Proposto... 3 Preparação do Servidor SQL Server

Leia mais

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Satélite Manual de instalação e configuração CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Índice Índice 1.Informações gerais 1.1.Sobre este manual 1.2.Visão geral do sistema 1.3.História

Leia mais

ETEC Campo Limpo AULA 07. 1. Interpretando informações do UTILITÁRIO DE CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA

ETEC Campo Limpo AULA 07. 1. Interpretando informações do UTILITÁRIO DE CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA AULA 07 1. Interpretando informações do UTILITÁRIO DE CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA O Utilitário de configuração do sistema, o famoso "msconfig" está disponível nas versões recentes do Windows. Para abrir o

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO. Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO. Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO Serviços de impressão Os serviços de impressão permitem compartilhar impressoras em uma rede, bem como centralizar as tarefas de gerenciamento

Leia mais

Network Services Location Manager. Guia para os administradores de rede

Network Services Location Manager. Guia para os administradores de rede apple Network Services Location Manager Guia para os administradores de rede Este documento descreve o software Network Services Location (NSL) Manager e fornece informações sobre como configurar uma

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Messenger. Novell. Início Rápido 2.0 LOCALIZANDO A DOCUMENTAÇÃO DO NOVELL MESSENGER. \server\docs\readmeen.txt

Messenger. Novell. Início Rápido 2.0 LOCALIZANDO A DOCUMENTAÇÃO DO NOVELL MESSENGER. \server\docs\readmeen.txt Novell Messenger 2.0 www.novell.com Início Rápido O Novell Messenger é um produto corporativo de mensagens instantâneas compatível com várias plataformas e baseado no Novell edirectory TM. Seu sistema

Leia mais

Introdução... 1. Instalação... 2

Introdução... 1. Instalação... 2 ONTE DO Introdução... 1 O que é IPP?... 1 Qual é a função de um software Samsung IPP?... 1 Instalação... 2 Requisitos do sistema... 2 Instalar o software Samsung IPP... 2 Desinstalar o software Samsung

Leia mais

MANUAL ESCOLA FLEX. Revisado em 09/07/2008. Sistema Flex www.sistemaflex.com

MANUAL ESCOLA FLEX. Revisado em 09/07/2008. Sistema Flex www.sistemaflex.com MANUAL ESCOLA FLEX Revisado em 09/07/2008 Sistema Flex www.sistemaflex.com Índice Manual Escola Flex Índice... 2 Tela de Abertura (Splash Screen)... 3 Login... 4 Seleção de Empresas... 5 Tela Principal...

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

1. Introdução. 2. Conteúdo da embalagem

1. Introdução. 2. Conteúdo da embalagem 1 1. Introdução / 2. Conteúdo da embalagem 1. Introdução O Repetidor WiFi Multilaser é a combinação entre uma conexão com e sem fio. Foi projetado especificamente para pequenas empresas, escritórios e

Leia mais

Manual Captura S_Line

Manual Captura S_Line Sumário 1. Introdução... 2 2. Configuração Inicial... 2 2.1. Requisitos... 2 2.2. Downloads... 2 2.3. Instalação/Abrir... 3 3. Sistema... 4 3.1. Abrir Usuário... 4 3.2. Nova Senha... 4 3.3. Propriedades

Leia mais

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com Servidor IIS Servidor IIS IIS Serviço de informação de Internet; É um servidor que permite hospedar um ou vários sites web no mesmo computador e cria uma distribuição de arquivos utilizando o protocolo

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR 1 Índice: 01- Acesso ao WEBMAIL 02- Enviar uma mensagem 03- Anexar um arquivo em uma mensagem 04- Ler/Abrir uma mensagem 05- Responder uma mensagem

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID Saulo Marques FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CARAPICUIBA Sumário 1 Instalação... 4 2 Configuração inicial... 6 2.1 Scripts e Arquivos Auxiliares... 10 2.2 O Squid e suas configurações...

Leia mais

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 ArpPrintServer Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA... 3 REQUISITOS DE SISTEMA... 4 INSTALAÇÃO

Leia mais

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye 1. Introdução Esse guia foi criado com o propósito de ajudar na instalação do Neteye. Para ajuda na utilização do Software, solicitamos que consulte os manuais da Console [http://www.neteye.com.br/help/doku.php?id=ajuda]

Leia mais

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 FileMaker Pro 13 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 2007-2013 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Implementando e Gerenciando Diretivas de Grupo

Implementando e Gerenciando Diretivas de Grupo Implementando e Gerenciando Diretivas de João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) 1 / 37 Introdução a diretivas de grupo - GPO Introdução a diretivas de grupo - GPO Introdução a diretivas de grupo Criando

Leia mais

Manual Software CMS. Introdução:

Manual Software CMS. Introdução: Introdução: O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa eletrônico

Leia mais

Instalação e Configuração do AD DS no Windows Server 2012 R2 INSTALAÇÃO DO SERVIÇOS DE DOMÍNIO DO ACTIVE DIRECTORY (AD DS)

Instalação e Configuração do AD DS no Windows Server 2012 R2 INSTALAÇÃO DO SERVIÇOS DE DOMÍNIO DO ACTIVE DIRECTORY (AD DS) Instalação e Configuração do AD DS no Windows Server 2012 R2 Sumário... 2 Criando as Unidades Organizacionais... 16 Criando Grupos... 17 Criação de Usuários.... 20 Habilitando a Lixeira do AD DS.... 24

Leia mais

Follow-Up Acompanhamento Eletrônico de Processos (versão 3.0) Manual do Sistema. 1. Como acessar o sistema Requisitos mínimos e compatibilidade

Follow-Up Acompanhamento Eletrônico de Processos (versão 3.0) Manual do Sistema. 1. Como acessar o sistema Requisitos mínimos e compatibilidade do Sistema Índice Página 1. Como acessar o sistema 1.1 Requisitos mínimos e compatibilidade 03 2. Como configurar o Sistema 2.1 Painel de Controle 2.2 Informando o nome da Comissária 2.3 Escolhendo a Cor

Leia mais

Compartilhamento de recursos de forma a racionar e otimizar o uso de equipamentos e softwares. Servidores e Workstations. Segurança é um desafio, por

Compartilhamento de recursos de forma a racionar e otimizar o uso de equipamentos e softwares. Servidores e Workstations. Segurança é um desafio, por $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR $8',725,$'$7(&12/2*,$'$,1)250$d 2 &\QDUD&DUYDOKR F\QDUDFDUYDOKR#\DKRRFRPEU

Leia mais

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7) SafeNet Authentication Client 8.2 SP1 (Para MAC OS 10.7) 2/28 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Tokens Homologados... 4 5 Instruções de Instalação...

Leia mais

Kaspersky Security Center 10 SP1 (KSC 10 SP1) Como criar Exclusões

Kaspersky Security Center 10 SP1 (KSC 10 SP1) Como criar Exclusões Kaspersky Security Center 10 SP1 (KSC 10 SP1) Como criar Exclusões Regras de exclusão são grupos de condições que o Kaspersky Endpoint Security utiliza para omitir um objeto durante uma varredura (scan)

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS Servidor: O servidor é todo computador no qual um banco de dados ou um programa (aplicação) está instalado e será COMPARTILHADO para outros computadores,

Leia mais

Copyright 2015 Mandic Cloud Solutions - Somos Especialistas em Cloud. www.mandic.com.br

Copyright 2015 Mandic Cloud Solutions - Somos Especialistas em Cloud. www.mandic.com.br Sumário 1. Boas vindas... 4 2. Dashboard... 4 3. Cloud... 5 3.1 Servidores... 5 o Contratar Novo Servidor... 5 o Detalhes do Servidor... 9 3.2 Cloud Backup... 13 o Alteração de quota... 13 o Senha do agente...

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

CSAU 10.0. Guia: Manual do CSAU 10.0 como implementar e utilizar.

CSAU 10.0. Guia: Manual do CSAU 10.0 como implementar e utilizar. CSAU 10.0 Guia: Manual do CSAU 10.0 como implementar e utilizar. Data do Documento: Janeiro de 2012 Sumário 1. Sobre o manual do CSAU... 3 2. Interface do CSAU 10.0... 4 2.1. Início... 4 2.2. Update...

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X

Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X A primeira coisa a analisarmos é onde ficará posicionado o servidor de Raio-x na rede do cliente, abaixo será colocado três situações básicas e comuns

Leia mais

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II)

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) A seguir vamos ao estudo das ferramentas e aplicativos para utilização do correio

Leia mais

TRANSMISSOR ECF. Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista. Manual de Utilização

TRANSMISSOR ECF. Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista. Manual de Utilização TRANSMISSOR ECF Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista Manual de Utilização 1. Histórico de alterações Data Versão Alteração 04/12/2012 1 Criação do documento 28/02/2013 2 Revisão 2. Proposta

Leia mais

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL Documento: Tutorial Autor: Iuri Sonego Cardoso Data: 27/05/2005 E-mail: iuri@scripthome.cjb.net Home Page: http://www.scripthome.cjb.net ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

Leia mais

EMANNUELLE GOUVEIA ROLIM

EMANNUELLE GOUVEIA ROLIM EMANNUELLE GOUVEIA ROLIM Bacharel em Ciência da Computação, especialista em Gerência de Projetos e em Criptografia e Segurança da Informação. Servidora Publica. Atua na área acadêmica em cursos de Graduação

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA 26. Considerando o sistema de numeração Hexadecimal, o resultado da operação 2D + 3F é igual a: a) 5F b) 6D c) 98 d) A8 e) 6C 27. O conjunto

Leia mais

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Um guia para pequenas empresas Conteúdo Seção 1: Introdução ao Modo Windows XP para Windows 7 2 Seção 2: Introdução ao Modo Windows XP 4 Seção 3: Usando

Leia mais

ESET NOD32 Antivirus 4 para Linux Desktop. Guia de Inicialização Rápida

ESET NOD32 Antivirus 4 para Linux Desktop. Guia de Inicialização Rápida ESET NOD32 Antivirus 4 para Linux Desktop Guia de Inicialização Rápida O ESET NOD32 Antivirus 4 fornece proteção de última geração para o seu computador contra código malicioso. Com base no mecanismo de

Leia mais

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Março de 2015 Introdução O acesso móvel ao site do Novell Vibe pode ser desativado por seu administrador do Vibe. Se não conseguir acessar a interface móvel do

Leia mais

Software de gerenciamento de impressoras

Software de gerenciamento de impressoras Software de gerenciamento de impressoras Este tópico inclui: "Usando o software CentreWare" na página 3-10 "Usando os recursos de gerenciamento da impressora" na página 3-12 Usando o software CentreWare

Leia mais

Manual de Utilização Chat Intercâmbio

Manual de Utilização Chat Intercâmbio Manual de Utilização Chat Intercâmbio 1 INDICE 1 Chat Intercâmbio... 6 1.1 Glossário de Termos Utilizados.... 6 1.2 Definições de uma Sala de Chat... 7 1.3 Como Acessar o Chat Intercâmbio... 8 1.4 Pré-requisitos

Leia mais

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede VirtueMart v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados ÍNDICE 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 Permissões 4 4.2 Instalação

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

Configuração de um servidor FTP. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática

Configuração de um servidor FTP. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Configuração de um servidor FTP Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática FTP: o protocolo de transferência de arquivos transferir arquivo de/para hospedeiro remoto modelo cliente/servidor cliente:

Leia mais

Advanced Group Policy Management (AGPM) 2.5

Advanced Group Policy Management (AGPM) 2.5 Advanced Group Policy Management (AGPM) 2.5 Última revisão feita em 02 de Setembro de 2008. Objetivo Neste artigo iremos conhecer um dos cinco componentes do MDOP 2008. Você vai aprender sobre o Advanced

Leia mais

Instalando e usando o Document Distributor 1

Instalando e usando o Document Distributor 1 Instalando e usando o 1 O é composto por pacotes de software do servidor e do cliente. O pacote do servidor deve ser instalado em um computador Windows NT, Windows 2000 ou Windows XP. O pacote cliente

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Guia de conexão na rede wireless

Guia de conexão na rede wireless 1 Guia de conexão na rede wireless Este documento tem por objetivo orientar novos usuários, não ambientados aos procedimentos necessários, a realizar uma conexão na rede wireless UFBA. A seguir, será descrito

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Planejando uma política de segurança da informação

Planejando uma política de segurança da informação Planejando uma política de segurança da informação Para que se possa planejar uma política de segurança da informação em uma empresa é necessário levantar os Riscos, as Ameaças e as Vulnerabilidades de

Leia mais

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado)

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado) Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado) Índice Instruções de Instalação....... 1 Requisitos do sistema........... 1 Código de autorização.......... 1 Instalando...............

Leia mais

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09 ÍNDICE Sobre o SabeTelemarketing 03 Ícones comuns à várias telas de gerenciamento Contato Verificar registros 09 Telas de cadastro e consultas 03 Menu Atalho Nova pessoa Incluir um novo cliente 06 Novo

Leia mais

2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO

2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO 2.1. COMPARTILHANDO O DIRETÓRIO DO APLICATIVO 3. INTERFACE DO APLICATIVO 3.1. ÁREA DO MENU 3.1.2. APLICANDO A CHAVE DE LICENÇA AO APLICATIVO 3.1.3 EFETUANDO

Leia mais

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO MANUAL DE INSTALAÇÃO COM IMAGEM ISO Revisão: Seg, 21 de Março de 2011 www.sneplivre.com.br Índice 1. Instalação...4 1.1. Pré Requisitos...4 1.2. Na Prática...4 1.2.1. Download...4

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

Guia de uso do Correio Eletrônico Versão 1.1

Guia de uso do Correio Eletrônico Versão 1.1 Guia de uso do Correio Eletrônico Versão 1.1 Índice Introdução ao Serviço de E-mail O que é um servidor de E-mail 3 Porque estamos migrando nosso serviço de correio eletrônico? 3 Vantagens de utilização

Leia mais

Grid e Gerenciamento Multi-Grid

Grid e Gerenciamento Multi-Grid Principais Benefícios Alta disponibilidade, Escalabilidade Massiva Infoblox Oferece serviços de rede sempre ligados através de uma arquitetura escalável, redundante, confiável e tolerante a falhas Garante

Leia mais