1. Introdução. 2. Benefícios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Introdução. 2. Benefícios"

Transcrição

1 Balanceamento De Carga Em Servidor Web Linux Cristian Martins Caetano Faculdade De Tecnologia Senac - Pelotas Tecnologia Em Redes De Computadores Resumo. Esse artigo tem como objetivo demonstrar uma tecnologia para quem possui pouca capacidade de hardware e processamento para hospedar um site que esta aumentando suas requisições mês a mês. Ainda não quer investir em uma tecnologia mais avançada foi estudada uma tecnologia em balanceamento de carga em cima de DNS usando três computadores com pouca capacidade de hardware. Abstract. This article aims to demonstrate a technology for those who have little capacity and processing hardware to host a site that is increasing their requests every month. Still not want to invest in better technology was studied technology in a load balancing over DNS using three computers with low hardware capacity. 1. Introdução O aumento da Internet vem causando diversos problemas de desempenho, incluindo baixos tempos de resposta, congestionamento da rede e interrupção de serviços. Um dos maiores desafios para o uso amplo da internet é a escalabilidade dos servidores, ou seja, sua capacidade em suportar uma demanda crescente sem que a qualidade dos serviços providos seja afetada. Uma medida frequente de sucesso de aplicações WWW e de comércio eletrônico em particular é a capacidade do sítio de responder requisições prontamente. No caso de servidores de comércio eletrônico, o sucesso do serviço é consequência da capacidade do servidor de capturar a atenção de um grande número de usuários e mantê-los satisfeitos com a qualidade do serviço provido. Por outro lado, um grande número de usuários significa sobrecarga nos servidores responsáveis pelos serviços, a qual não deve afetar a experiência dos clientes. O balanceamento de carga pode ser visto como uma solução abrangente na utilização de grandes redes porque provê um aumento na capacidade da rede melhorando seu desempenho. Os sistemas de balanceamento de carga integram seus nós para que todas as requisições provenientes dos clientes sejam distribuídas de maneira equilibrada entre os nós. Assim se tem uma ou várias máquinas que cuidam de repartir as requisições entre os servidores, de modo que cada uma cuida de determinada parte das requisições e envia de volta as respostas que serão enviadas aos usuários. Todos os servidores mantêm uma cópia integral de todos os dados, já que de qualquer forma cada servidor precisará de todos os dados para atender as requisições que chegarem até ele. Um software de controle se encarrega de sincronizar os dados entre os servidores automaticamente. Caso algum dos servidores precise ser desligado, seja por alguma falha ou então por algum tipo de manutenção, os outros continuam trabalhando normalmente. Ao voltar, o programa de controle sincroniza o servidor com os demais e ele volta à ativa. 2. Benefícios Aumento da escalabilidade - Quando muitas aplicações de conteúdo intensivo crescem para além do ponto em que um único servidor pode fornecer poder de processamento adequado, é cada vez mais importante para ter flexibilidade de adicionar mais servidores de forma rápida e transparente aos utilizadores finais. Alto desempenho O melhor desempenho é alcançado quando o poder de processamento dos

2 servidores é usado de forma inteligente. Uma infra-estrutura avançada de balanceamento de carga pode direcionar as solicitações de serviços ao utilizador final para os servidores que estão menos ocupados e, portanto, capazes de fornecer o tempo de resposta mais baixo. Alta disponibilidade e recuperação de desastres - o terceiro benefício do balanceamento de carga é a capacidade de melhorar a disponibilidade das aplicações. Se uma aplicação ou servidor falhar, o balanceamento de carga pode automaticamente redistribuir as solicitações de serviço do utilizador final para outros servidores dentro de um cluster de servidores ou para servidores de outro local. Maximização de Uptimes - Viabiliza a manutenção individualizada nos servidores sem impacto nos serviços, entre outros benefícios. 3. Processo de Instalação e Configuração O Processo de instalação e configuração das aplicações usadas no balanceamento de carga foi feita em cima do SO Linux debian. Nesse servidor foi instalado o serviço de DNS Bind 9, nos outros dois servidores foram colocados o serviço Apache 2 e hospedado um site de compra coletiva, na qual hoje tem bastante acesso, principalmente quando têm promoções com desconto atrativos. O Balanceamento de carga dessa aplicação foi feita em cima do DNS Bind 9, uma vez que o cliente faz a requisição do site, ela é feita no DNS. Este diz ao cliente que esse site que ele possui, encontra-se em outra máquina da sua rede. No DNS há duas entradas de máquinas diferentes na rede, os dois computadores possui a mesma cópia do site com as mesmas informações, que hospeda o site e esta com o serviço apache instalado, após o DNS dizer para o cliente que o site se encontra em outro computador na sua rede, o cliente faz a conexão diretamente com a ela que esta com o site hospedado Linux Debian Debian é simultaneamente o nome de uma distribuição não comercial livre (Gratuita de código fonte aberto) e de um grupo de voluntários que o mantém a volta do mundo. Uma vez que ele se baseia fortemente no projeto GNU é usualmente chamado Debian GNU/Linux. Ele é conhecido pelo seu sistema de gestão de pacotes, chamado APT, que permite: atualizações relativamente fáceis a partir de versões realmente antigas; instalações quase sem esforço de pacotes e remoção limpa dos pacotes antigos. Atualmente o Debian Stable se encontra na versão 6.0, e procura sempre manter os pacotes mais estáveis, assim, ele mantém o Gnome 2.30 e o KDE 4.4 por padrão. O grande fato de ele manter pacotes antigos garante a estabilidade e o grande foco para servidores. O Projeto Debian é mantido por doações através de organização sem fins lucrativos Software in the Public Interest (SPI).

3 Figura 1. Tela do Sistema Operacional Debian Instalação e Configuração do DNS Bind O DNS (Domain Name Server) surgiu da necessidade em traduzir nomes mais fáceis de serem lembrados como (minha faculdade), para seus respectivos endereços na rede. Para facilitar mais a identificação desses serviços, criaram-se terminações elucidativas, como.com para domínios comercias,.net para empresas networking,.org para empresas sem fins lucrativos. Bind (Berkeley Internet Name Domain) é o servidor para o protocolo DNS mais utilizado na internet, especialmente em sistemas do tipo Unix, onde ele pode ser considerado um padrão de fato. Foi criado por quatro estudantes de graduação, membros de um grupo de pesquisas em Ciência da Computação da Universidade de Berkeley e distribuído pela primeira vez com o sistema operacional 4.3BSB. O programador Paul Vixie, enquanto trabalhava para a empresa DEC, foi o primeiro mantenedor do BIND. Atualmente o ele é suportado e mantido pelo Internet systems Consortium. Por padrão no sistema operacional usado nesse projeto, quando se está fazendo a instalação do sistema operacional, pergunta-se aos serviços adicionais que se deseja para ser instalado junto. Mas para instalar o DNS na distribuição debian ou ubuntu o usuário irá usar o comando. Figura 2. Instalação do Dns Bind9.

4 Existem diversos tipos diferentes de registros DNS disponíveis, a lista a seguir não pretende de maneira alguma, ser extensa ou exaustiva, mas mostrar os mais comuns que vai encontrar por ai. - A- Address: especifica um endereço IP direto. - AAAA- Address IPv6: especifica um endereço IPv6. - NS - NameServer: especifica servidores DNS para um domínio ou subdomínio. - CNAME Canonical NAME: um apelido para um hostname. - MX Mail Xchanger: o servidor de . - PTR Pointer: aponta o hostname/domínio reverso a partir de um endereço IP. - SOA Start Of Authority: indica o responsável por respostas autoritativas por um domínio. - TXT TeXT: permite incluir um texto curto em um hostname: usado para implementar o SPF. - SRV Service; permite definir serviços disponíveis em um domínio. O DNS Bind 9 por padrão quando se faz a instalação, dentro do diretório /etc/bind/ ele cria alguns arquivos que são os seguintes: Figura 3. Arquivos do Bind. Esses são os arquivos de configuração padrão de instalação do bind9. Figura 4. Zonas do DNS O arquivo named.conf.local foi editado e adicionadas duas zonas: uma para o domínio projetointegrador1.org e uma zona reversa, ficando da seguinte maneira. Foram criados dois arquivos named.zone, named.rev, o arquivo named.zone se refere à zona projetointegrador1.org e o arquivo named.rev se refere à zona reversa responsável por fazer o domínio reverso a partir de um endereço ip. Zone é o nome do domínio que será criado neste servidor;

5 Type - tipo de servidor DNS (master ou slave); File arquivo da data base desta zona. Entender como uma consulta trafega pela internet é o primeiro passo para entender os problemas que se pode ter. O Sistema de DNS trabalha com uma estrutura fortemente hierárquica. Isso facilita que cada corporação ou entidade cuida de maneira autônoma de seu próprio DNS sem ter que recorrer a terceiros. Imagina-se se todas as vezes que se quisesse adicionar um host na zona DNS tivesse que contatar o registro.br ou o seu provedor. Embora muitas corporações ainda façam isso, talvez por desconhecerem o manuseio correto do DNS, sempre há atrasos e longas esperas para alteração tão simples. Aguardar dois dias (sem receber s) por uma mudança de MC porque seu servidor atual deu problemas e se precisa colocar outro (emergencial) para receber os s temporariamente porque o fulano do provedor ainda não concluiu seu chamado não é uma situação confortável para nenhum administrador de rede. Figura 5. Arquivo da zona (projetointegrador1.org). Esse arquivo se refere às configurações do DNS, fazendo com que a requisição quando chegue nele com informações para o site ele verifica as entradas nesse arquivo e direciona a conexão para o host onde o site se encontra hospedado, verifica-se que no DNS há duas entrada para o nome site. projetointegrador1.org. STTL - Define o tempo de duração (time-to-live) em segundos, que o registro de recurso mantém no cachê do servidor. Class - Define a classe que irá mapear a informação da zona. A classe utilizada por padrão é IN. Type - Define o tipo de registro de recurso da zona. SOA - Define o início das zonas e os parâmetros globais. Serial - Define o número de série para o arquivo da zona. Toda vez que o número de série é alterado para um valor maior, os arquivos de zonas para um servidor secundário são atualizados. Entenda o balanceamento de carga. Refresh - Define um período de tempo em segundos, para os servidores secundários verificar periodicamente se o número de série foi alterado para fazer a atualização. Expire - Define um período de tempo em segundos, que os servidores secundários possam continuar respondendo ser ter sido atualizado pelo servidor primário.

6 Minimum - Define o tempo de duração em segundos, que o registro de recurso mantêm no cachê dos servidores secundários. Figura 6. Arquivo de zona reversa. O arquivo de zona reversa faz o oposto que o Bind faz, ele converte nomes em endereços ip, e a zona reversa converte ip em nomes. Figura 7. Arquivo named.conf.options do bind. Esse arquivo com o nome named.conf.options só se usará a primeira linha dele, onde diz directory /etc/bind, onde estão armazenados os arquivos de configurações do bind Instalação e Configuração do Apache O servidor web é um programa responsável por disponibilizar páginas, fotos ou qualquer outro tipo de objeto ou navegador do cliente. Ele também pode operar recebendo dados do cliente, processando e enviando resultado para que o cliente possa tomar a ação desejada (como em aplicações web CG1s, banco de dados web,preenchimento de formulários, etc). O Apache é um servidor web extremamente configurável, robusto e de alta performance desenvolvido por uma equipe de voluntários (conhecida como Apache Group) buscando criar um servidor web com muitas características e como código fonte disponível gratuitamente via Internet. Segundo a Netcraft (http://www.netvraft.com/), o apache é mais usado que todos os outros servidores web do mundo juntos. A instalação do apache pode ser feita com serviço adicional na instalação do sistema

7 operacional ou através da linha de comando no terminal do sistema digitando apt-get install apache Configuração do Apache A configuração do apache é bem básica, por padrão na instalação já vem com os arquivos e configurados para acesso através do endereço localhost. Os arquivos de configurações do apache são os seguintes: Configurando o Arquivo Para o Site Figura 8. Arquivos do Apache 2 Criando o arquivo no diretório /etc/apache2/sites-available com o nome site e adicionando as informações nele conforma a imagem abaixo. Figura 9. Virtual host do site Esse arquivo se refere ao virtual host do site, que será hospedado no servidor: Virtualhost - ip da placa de rede do servidor. ServerAdmin do administrador do domínio. DocumentRoot diretório onde será colocado os arquivos do site de acesso. ServerName - Nome do site que foi dado no DNS. Após fazer a criação desse arquivo tem que ativar o site para que entre em funcionamento, digitando o seguinte comando, a2ensite. 4. Entendendo o Balanceamento de Carga

8 Em ambientes de produção é normal preocupações que não ocorrem com ambientes de desenvolvimento, como uma disponibilidade alta de balanceamento de carga. Outro problema bem comum é a sobre carga nas aplicações. Um cenário bem comum são as aplicações web onde o acesso de muitos usuários e consequentemente causando exaustão do hardware onde as aplicações estão hospedadas. A alta disponibilidade pode ser definida como redundância. Se um servidor falhar ou não poder responder a requisição, outro servidor assumirá da forma mais transparente possível, fazendo o processamento da requisição solicitada pelo cliente. Isso elimina as falhas das aplicações. O balanceamento de carga é uma habilidade das aplicações suportarem um número crescente de usuários a cada dia, como se fosse um sistema único. Um dos maiores desafios enfrentados pelos servidores agrupados, no caso de servidores dinâmicos como os de comércio eletrônico, é que o ganho de desempenho, isto é, a melhoria do desempenho resultante do aumento do número de processadores. A distribuição de requisições entre um número de servidores impõe novas demandas de processamentos para garantir a consistência das informações armazenadas por eles. Outra fonte de custos adicionais além da manutenção e o gerenciamento da distribuição de requisições aliado a manutenção de estado. O protocolo HTTP não faz a manutenção de estado de tal forma que cada requisição é tratada de forma independente de outras submetidas pelo mesmo usuário, podendo ser enviada a qualquer servidor que compõe a requisição hospedada. Entretanto um serviço de comércio eletrônico, por exemplo, a interação do cliente com o servidor cria certa quantidade de informação de estado, com os produtos adicionados a uma cesta de compras, a identificação dos usuários, entre outros. Nesse caso, a distribuição de requisições se deve considerar a existência dessa informação de estado. Quando se analisa um portal Internet encontra-se aproximadamente uma centena de servidores para o mesmo conjunto de tarefas. Enquanto empresas de cerca de micros em sua rede de produção contam, normalmente, com apenas uma dezena deles, não é raro que esses servidores tenham funções diferentes e capacidades diferentes. Quando se encontra servidores iguais, provavelmente, estão como forma de redundância e não balanceiam a sua carga. No momento da mudança da arquitetura de uma rede local para uma rede mais rápida, baseada em switchs e portas Fast Ethernet com o backbone em Gigabit Ethernet, não se encontra quem pergunta ou sabe qual a quantidade de acesso que um servidor recebe ou mesmo se a aplicação que nele contém suporta a quantidade de acesso. O balanceamento de carga entre servidores faz parte de uma solução abrangente em uma explosiva e crescente utilização da rede e da Internet. Provendo um aumento na capacidade da rede, melhorando a desempenho, um consistente balanceamento de carga, mostra-se hoje, como parte integrante de todo o projeto de Web Hosting e e-commerce. Mas não se pode ficar com as ideias presas de que isso é só para provedores, devem-se aproveitar as suas características e trazer para dentro das empresas esse modo de usar a tecnologia para se atender os clientes internos delas. Devem-se ressaltar três pontos principais para que uma implementação em um ambiente com balanceamento de carga nos servidores seja realizada com sucesso. O primeiro é o algoritmo usado para o balanceamento de carga, levando-se em consideração como é feito o balanceamento entre os servidores e quando um cliente fizer uma requisição para o endereço virtual (VS), todo o processo de escolha do servidor e resposta deve ocorrer de modo transparente e imperceptível para o usuário como se não existisse o balanceamento. O segundo ponto é o método usado para checar se os servidores estão vivos e funcionando, vital para que a comunicação não seja redirecionada para um servidor que acabou de ter uma falha. O terceiro é o método usado para se ter certeza que um cliente acesse ao mesmo servidor quando quiser. Balanceamento de carga entre servidores é muito mais que um simples redirecionamento de

9 tráfego dos clientes para múltiplos servidores. Para se programar corretamente, o equipamento que fará o balanceamento precisa ter características como checagem permanente da comunicação, checagem dos servidores e capacidade de redundância. Todos esses itens são necessários para que suporte o crescente volume de tráfego das redes sem vir a se tornar um gargalo ou um ponto único de falha. O balanceamento de carga será feito em round robin, na sua implementação mais simples. Round Robin funciona respondendo a requisições não apenas com um endereço ip, mais sim com uma lista de endereço ip com vários servidores contendo o mesmo conteúdo. Com isso ele funciona como se lê uma lista, cada requisição que entra para o DNS ele manda para um destino, primeira requisição ele manda para o servidor A, segundo pedido que entrar mandará para o servidor B, a terceira requisição para o servidor A novamente, e assim sucessivamente. Figura 10. round robin A imagem acima ilustra como funciona realmente o balanceamento. O cliente requisita a página, faz a consulta no DNS, o servidor DNS retorna a consulta dizendo que a página se encontra num servidor dentro do nó, feito isso a comunicação fica entre um dos servidores apache conforme a figura acima.

10 Figura 11 Captura da consulta DNS Essa captura acima se refere à consulta do host para o DNS requisitando a página solicitada que seria o site a qual o cliente quer o acesso. Após fazer essa consulta o DNS vai enviar uma resposta para o destino, dizendo que o servidor que hospeda o site está em outro nó hospedeiro, e então encaminha a conexão para o servidor. Depois de fazer à consulta no DNS a comunicação será direto entre cliente e servidor. Figura 12. Captura das consultas DNS Figura 13. Captura das trocas de pacotes entre o apache e o host

11 Conforme se pode verificar na imagem acima, as trocas de pacotes entre um dos servidores apache e seu cliente. O cliente contém o ip e o servidor apache está com Figura 14. Captura das trocas de pacotes entre o apache e o host Conforme se pode verificar na imagem acima, as trocas de pacotes entre um dos servidores apache e seu cliente. Cliente tem o ip e o server está com Requisitos de Software - Sistema operacional Debian 6. - Instalação do DNS Bind 9. - Instalação do servidor web apache Requisitos de Hardware Os requisitos para um bom balanceamento de carga são de quanto melhor o hardware da sua máquina, maior o seu desempenho e das aplicações e o tempo de resposta para o cliente será menor. Se a empresa está em início de crescimento poderá adquirir um patrimônio com menor capacidade de processamento. Lembrando que, com isso, vai ter perda de ganho com o desempenho das suas aplicações e resultará no aumento da resposta para os clientes, isso dependerá muito também de quantas requisições terá ao dia para que isso entre em vigor. 6. Estudo de caso Os testes feitos nesse projeto foram feitos em máquinas virtuais usando o virtualbox, foram criadas três máquinas virtuais com o sistema operacional debian 6 e 1 windows 7 para teste e um XP. Os servidores Linux debian 6 as configurações dos mesmos ficou assim: 346MB de memória ram 10 GB de disco rígido. Processador core i GHz

12 A máquina Virtual Windows Xp para testes ficou com as seguintes configurações: 256 MB de memória ram 5 GB de disco rígido Processador core i GHz A máquina Virtual Windows 7 ficou com as seguintes configurações: 512 MB de memória ram 15 GB de disco rígido Processador core i GHz Abaixo uma figura de como ficará a estrutura real utilizada no projeto: Figura 15 Estrutura usada para testes no projeto Os testes feitos no projeto foi fazer a requisição dos hosts para o site projetointegrador1.org fazendo com que simulasse um acesso de um cliente a um site com essa requisição então o DNS faz o balanceamento de carga direcionando a requisição para um dos servidores que contém o site hospedado, Após o host cliente fazer a comunicação com o servidor apache a conexão fica só com eles dois liberando o servidor DNS, assim quando um novo cliente fizer a requisição para o site a pergunta irá entrar no DNS e depois será enviado para o próximo servidor da fila. Os testes feitos após as configurações de todos os serviços foram usar as máquinas dos clientes e acessar o site projetointegrador1.org através do navegador, para então navegar sobre o site, preencher formulários e observando e capturando os pacotes com o Wireshark e verificando de qual dos dois servidores apache estava vindo a resposta Problemas encontrados Um dos principais problemas encontrados nesse projeto foi uma estrutura real para implantação, uma vez que em um ambiente real há problemas maiores de como estrutura da rede de onde está sendo implementado o balanceamento, e nela se terá mais clientes, mais acessos por minuto, e com isso já causando um stress maior nos servidores, uma vez que no ambiente aplicado nesse projeto foi usado dois computadores um Windows XP e um Windows 7 para acesso ao site. Com a estrutura aplicada nesse projeto, foi encontrado outro problema para realizar os testes em cima dos servidores, já que não se têm vários clientes para acessar a página, como sobrecarregar os servidores sem cliente suficiente para acessar para que então se observasse como os servidores

13 iriam se comportar quando várias requisições entrassem para eles e então fosse verificado como iria funcionar realmente o balanceamento de carga. 6.2 Testes finais Para que se pudesse realizar um teste aceitável do balanceamento de carga nessa estrutura, foi usada como saída uma ferramenta de gerar tráfego em cima dos servidores em uma determinada porta (80), que é a porta que esta rodando site projetointegrador1.org e então realizado novo teste, com a ferramenta destinou-se 900 conexões para o servidor , e 500 conexões para o servidor e então foi acessado novamente o site através dos hosts clientes. O tempo de resposta não mudou muito, mesmo com todas essas conexões, em cima dos servidores em nenhuma ocasião chegou a dar time out para o cliente fazendo com que ele reiniciasse a conexão com o servidor novamente. Conclusão No decorrer do presente trabalho observou-se que a tecnologia de balanceamento de carga em servidores web que possuem muitos pedidos de acesso é uma saída de pouco custo. Estudou-se uma estratégia de balanceamento de carga utilizando uma tecnologia não tão moderna, mas sim uma solução comum de balancear a carga utilizando o DNS com round Robin. Onde o DNS manda o pedido de acesso para um host de vez conforme a lista de entradas constada nele. Verificou-se o tempo de resposta entre um servidor com muitas requisições enviando resposta e depois analisando o tempo de resposta com dois servidores respondendo as requisições. Os resultados obtidos foram bons e o tempo de resposta da página para o cliente foi imediato uma vez que ele requisitou o site e recebeu uma resposta rápida. Isso se deve ao balanceamento feito entre os servidores e evitando um stress para um servidor e fazendo com que as aplicações funcionem da melhor forma sem sobrecarga, Detectou-se também que, com essa tecnologia, 99% de disponibilidade dos serviços, fazem com que seu site fique 24h por dia no ar. Ao necessitar de se fazer uma manutenção no site ou trocar um hardware do servidor, ao se desligar um deles, sua aplicação e serviços não irão precisar ficar fora do ar, pois ao desligar um dos servidores o outro irá ficar respondendo todas as requisições de seus serviços disponibilizados, com isso há um ganho de confiança em seus serviços uma vez que se tenha uma disponibilidade de 99%. O ponto mais positivo desse projeto se dá na recuperação de erros. Uma vez que a requisição é mandada para o servidor, que já está com algumas conexões, os pacotes podem não chegar todos com sucesso para o destino, o cliente quer a página e então irá iniciar uma nova conexão com isso. O DNS não irá mandar a requisição para o mesmo destino e sim mandá-lo para o próximo servidor que consta na lista, fazendo com que a página e os pacotes cheguem ao destino todos com sucesso. O balanceamento de carga gerado nesse trabalho pode ser de grande importância futuramente, pois cada vez mais há a necessidade de cortar custos em tecnologias de informação e disponibilidade de 100% dos serviços. 7 Referência Bibliográfica Arthuron, Luiz (2009) Balanceamento de carga com DNS. Junho. Augustus, Cesar. (2011) Instalando o Servidor Apache no Linux. Maio.

14 Caldeira, Gerson Abdon (2005) Balanceamento de carga (BIND9). Maio. Falcão, Fábio (2010). Instalando o Apache2 e configurando domínios virtuais no Linux. Maio. Feijó, Gustavo (2008). Configuração do bind 9. Maio Gonçalves, João Cláudio de Oliveira (2007). Instalando o apache. Abril-Junho. Grillo, Luiz Felipe (2005). Instalando e configurando o apache. Abril. Michellis, Deives (2005). Uma breve introdução ao DNS. Junho. Morimoto, Carlos E. (2007) Servidores em cluester e balanceamento de carga. Abril. (2008) Instalando o Apache. Maio. Oliveira, Daniel B. de (2006). Balanceamento de carga e redundância para servidores web. Maio. Ribas, Diego (2005). Replicação e balanceamento de carga usando DNS. Maio. Rocha, Cleber (2009). DHCP3- server + Bind adicionando host automaticamente. Junho. Saqueto, Luis Viscardo (2004). Configurando o Bind no Debian. Maio. Teruskin, Rafael (2002). Balanceamento de carga em servidor web. Junho.

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Serviço DNS DNS significa Domain Name System (sistema de nomes de domínio). O DNS converte os nomes de máquinas para endereços IPs que todas as máquinas da

Leia mais

Aula 3 Servidor DNS BIND

Aula 3 Servidor DNS BIND 1 Aula 3 Servidor DNS BIND Um servidor DNS é responsável em responder pelos domínios e direcionar tudo que é relacionado a ele, nele por exemplo pode se apontar onde fica www.dominio.com.br, vai apontar

Leia mais

BIND Um DNS Server Completo

BIND Um DNS Server Completo BIND Um DNS Server Completo Parque Tecnológico Itaipu (PTI) Missão ITAIPU: Gerar energia elétrica de qualidade, com responsabilidade social e ambiental, impulsionando o desenvolvimento econômico, turístico

Leia mais

DNS Linux. Rodrigo Gentini gentini@msn.com

DNS Linux. Rodrigo Gentini gentini@msn.com Linux Rodrigo Gentini gentini@msn.com Domain Name System (DNS). O DNS é o serviço de resolução de nomes usado em todas as redes TCP/IP, inclusive pela Internet que, sem dúvidas, é a maior rede TCP/IP existente.

Leia mais

GNU/Linux Debian Servidor DNS

GNU/Linux Debian Servidor DNS GNU/Linux Debian Servidor DNS Neste tutorial, será apresentado a configuração do serviço de rede DNS (Domain Name System) utilizando o sistema operacional GNU/Linux, distribuição Debian 7.5. Antes de começamos

Leia mais

Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Entendendo o DNS É o serviço responsável por: Traduzir nomes em endereços IP (e vice-versa), de um determinado

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Serviços GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de Serviços GNU/Linux Curso de extensão em Administração de Serviços GNU/Linux Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers DNS Parte 1 Linux Network Servers DNS é a abreviatura de Domain Name System. O DNS é um serviço de resolução de nomes. Toda comunicação entre os computadores e demais equipamentos de uma rede baseada no

Leia mais

Redes de Computadores. Funcionamento do Protocolo DNS. Consulta DNS. Consulta DNS. Introdução. Introdução DNS. DNS Domain Name System Módulo 9

Redes de Computadores. Funcionamento do Protocolo DNS. Consulta DNS. Consulta DNS. Introdução. Introdução DNS. DNS Domain Name System Módulo 9 Slide 1 Slide 2 Redes de Computadores Introdução DNS Domain Name System Módulo 9 EAGS SIN / CAP PD PROF. FILIPE ESTRELA filipe80@gmail.com Ninguém manda uma e-mail para fulano@190.245.123.50 e sim para

Leia mais

Resolução de nomes. Professor Leonardo Larback

Resolução de nomes. Professor Leonardo Larback Resolução de nomes Professor Leonardo Larback Resolução de nomes A comunicação entre os computadores e demais equipamentos em uma rede TCP/IP é feita através dos respectivos endereços IP. Entretanto, não

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Sistema Operacional Linux > Servidor DNS (BIND) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução O DNS é um dos serviços mais importantes na Internet porque

Leia mais

Rafael Goulart - rafaelgou@gmail.com Curso ASLinux v.3

Rafael Goulart - rafaelgou@gmail.com Curso ASLinux v.3 Conceito Serviço que traduz RESOLVE nomes de máquinas para endereços IP e endereços IP para nomes de máquina. É um sistema hierárquico e descentralizado/distribuído. Simplifica a administração do complexo

Leia mais

Configuração de um servidor DNS. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática

Configuração de um servidor DNS. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Configuração de um servidor DNS Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Configuração DNS O servidor DNS usado é o BIND versão 9. Para configuração do servidor DNS, deve-se acessar os arquivos de

Leia mais

Computação em cluster

Computação em cluster Computação em cluster Por Marcos Pitanga em 30 de maio de 2003 Introdução Este artigo tem por finalidade dar ao leitor uma visão mais integrada do que vem a ser a computação em cluster e como esta a cada

Leia mais

Universidade Católica de Brasília Pró-reitoria de Graduação Curso de Ciência da Computação

Universidade Católica de Brasília Pró-reitoria de Graduação Curso de Ciência da Computação Universidade Católica de Brasília Pró-reitoria de Graduação Curso de Ciência da Computação INTRODUÇÃO 6 LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Serviços Básicos de Rede DNS Para o correto funcionamento de

Leia mais

DNS - Domain Name System

DNS - Domain Name System DNS - Domain Name System Converte nome de máquinas para seu endereço IP. Faz o mapeamento de nome para endereço e de endereço para nome. É mais fácil lembramos dos nomes. Internamente, softwares trabalham

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 3 - DNS

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 3 - DNS Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 3 - DNS Prof.: Roberto Franciscatto Introdução O que é? Domain Name Server Introdução Domain Name Server Base de dados distribuída Root Servers

Leia mais

DNS Parte 2 - Configuração

DNS Parte 2 - Configuração DNS Parte 2 - Configuração Adriano César Ribeiro (estagiário docente) adrianoribeiro@acmesecurity.org Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Tópicos em Sistemas de Computação 1 Revisão Prof. Dr.

Leia mais

Instalação e Configuração Servidor DNS

Instalação e Configuração Servidor DNS Instalação e Configuração Servidor DNS Instalação e Configuração Servidor DNS Passo Nº 1 Conferir o nome da máquina ( já configurado no passo Servidor Configuração DHCP ). # nano /etc/hostname Passo Nº

Leia mais

DNS Ubuntu Server 14.04

DNS Ubuntu Server 14.04 DNS Ubuntu Server 14.04 1. Passo Configuração do servidor (nomes e endereçamentos exemplos) IP: 192.168.0.1 Nome da máquina: professor Nome do domínio: aula.net 2. Passo Instalar pacote DNS #apt-get install

Leia mais

V Workshop de Tecnologias de Rede do PoP-BA

V Workshop de Tecnologias de Rede do PoP-BA V Workshop de Tecnologias de Rede do PoP-BA www.pop-ba.rnp.br/wtr2014 IPv6 Um novo não tão novo protocolo de Internet Instrutor: Thiago Bomfim thiagobomfim@pop-ba.rnp.br Monitoria: Jundaí Abdon jundai@pop-ba.rnp.br

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DNS (DOMAIN NAME SYSTEM)

FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DNS (DOMAIN NAME SYSTEM) FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DNS (DOMAIN NAME SYSTEM) CURITIBA 2006 GUILHERME DE SOUZA JEAN THIAGO MASCHIO

Leia mais

Passos Preliminares: Acessando a máquina virtual via ssh.

Passos Preliminares: Acessando a máquina virtual via ssh. CIn/UFPE Sistemas de Informação Redes de Computadores Professor: Kelvin Lopes Dias Monitor: Edson Adriano Maravalho Avelar {kld,eama}@cin.ufpe.br Instalando/Configurando Servidor DNS. Este tutorial irá

Leia mais

Curso de extensão em Administração de serviços GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de serviços GNU/Linux Curso de extensão em Administração de serviços GNU/Linux Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

DNS. Parte 2 - Configuração. Tópicos em Sistemas de Computação 2014. Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org

DNS. Parte 2 - Configuração. Tópicos em Sistemas de Computação 2014. Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org DNS Parte 2 - Configuração Tópicos em Sistemas de Computação 2014 Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Estagiário Docente: Vinícius Oliveira viniciusoliveira@acmesecurity.org 1 Neste

Leia mais

UM dos protocolos de aplicação mais importantes é o DNS. Para o usuário leigo,

UM dos protocolos de aplicação mais importantes é o DNS. Para o usuário leigo, Laboratório de Redes. Domain Name Service - DNS Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução UM dos protocolos de aplicação mais importantes é o DNS. Para o usuário leigo, problemas com o DNS são interpretados

Leia mais

Artigo adaptado do link: http://www.debianfordummies.org/wiki/index.php/dfd_dns_howto

Artigo adaptado do link: http://www.debianfordummies.org/wiki/index.php/dfd_dns_howto Introdução ao DNS Artigo adaptado do link: http://www.debianfordummies.org/wiki/index.php/dfd_dns_howto Boa parte da usabilidade da Internet vem da facilidade que temos para localizar um computador conectado.

Leia mais

Configurando servidor de DNS no CentOS O Domain Name System Sistema de Nomes de Domínio é de fundamental importância em uma rede.

Configurando servidor de DNS no CentOS O Domain Name System Sistema de Nomes de Domínio é de fundamental importância em uma rede. Configurando servidor de DNS no CentOS O Domain Name System Sistema de Nomes de Domínio é de fundamental importância em uma rede. O DNS é um sistema hierárquico em árvore invertida. Tem como origem o ponto

Leia mais

DNS: Domain Name System

DNS: Domain Name System DNS: Domain Name System O objetivo desta unidade é apresentar o funcionamento de dois importantes serviços de rede: o DNS e o DHCP. O DNS (Domain Name System) é o serviço de nomes usado na Internet. Esse

Leia mais

Introdução a DNS & DNSSEC 1

Introdução a DNS & DNSSEC 1 Introdução a DNS & DNSSEC 1 David Robert Camargo de Campos Rafael Dantas Justo Registro.br 1 versão 1.0.0 (Revision: ) 1/28 DNS - Domain Name System O Sistema de Nomes de

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

edu com org pt ibm sapo cs iscap

edu com org pt ibm sapo cs iscap TEMA Serviços de nomes no Linux TEÓRICA-PRÁTICA 1. Introdução Necessidade de utilizar nomes em vez de endereços IP: Endereços IP são óptimos para os computadores No entanto, para humanos, são difíceis

Leia mais

Edital 012/PROAD/SGP/2012

Edital 012/PROAD/SGP/2012 Edital 012/PROAD/SGP/2012 Nome do Candidato Número de Inscrição - Assinatura do Candidato Secretaria de Articulação e Relações Institucionais Gerência de Exames e Concursos I N S T R U Ç Õ E S LEIA COM

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

Serviços de Redes. Servidor DNS (Bind) Professor: Alexssandro Cardoso Antunes

Serviços de Redes. Servidor DNS (Bind) Professor: Alexssandro Cardoso Antunes Serviços de Redes Servidor DNS (Bind) Professor: Alexssandro Cardoso Antunes Atividades Roteiro Objetivos Instalação (projeto) Definições, Características, Vantagens e Hierarquia Clientes, Processo de

Leia mais

Formando-Fernando Oliveira Formador- João Afonso Mediador-Cristina Goulão Curso Técnico de Informática e Gestão de Redes ufcd / 20 11/11/2013 Turma

Formando-Fernando Oliveira Formador- João Afonso Mediador-Cristina Goulão Curso Técnico de Informática e Gestão de Redes ufcd / 20 11/11/2013 Turma Formando-Fernando Oliveira Formador- João Afonso Mediador-Cristina Goulão Curso Técnico de Informática e Gestão de Redes ufcd / 20 11/11/2013 Turma -SDR LINUX ADMINISTRAÇÃO DNS significa (sistema de nomes

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Aqui estou novamente com um outro script, só que esse é bem mais funcional do que o ultimo que aqui postei.

Aqui estou novamente com um outro script, só que esse é bem mais funcional do que o ultimo que aqui postei. Olá pessoal, Aqui estou novamente com um outro script, só que esse é bem mais funcional do que o ultimo que aqui postei. Bem, quem é desenvolvedor ou aprendiz de web vai gostar desse script, pois o mesmo

Leia mais

Tutorial de TCP/IP Parte 26 Criando Registros

Tutorial de TCP/IP Parte 26 Criando Registros Introdução Tutorial de TCP/IP Parte 26 Criando Registros Prezados leitores, esta é a sexta parte, desta segunda etapa dos tutoriais de TCP/IP. As partes de 01 a 20, constituem o módulo que eu classifiquei

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática

Tópicos Especiais em Informática Tópicos Especiais em Informática DNS Prof. Ms.-Eng. Igor Sousa Faculdade Lourenço Filho 10 de novembro de 2014 igorvolt@gmail.com (FLF) Tópicos Especiais em Informática 10 de novembro de 2014 1 / 15 Introdução

Leia mais

Curso de Pós Graduação em Redes de Computadores. Módulo Laboratório de Linux Apostila 2. Serviço DNS

Curso de Pós Graduação em Redes de Computadores. Módulo Laboratório de Linux Apostila 2. Serviço DNS Curso de Pós Graduação em Redes de Computadores Módulo Laboratório de Linux Apostila 2 Serviço DNS Introdução DNS é o Servidor de Nomes do Domínio. Ele converte os nomes das máquinas para números IP, que

Leia mais

Endereço de Rede. Comumente conhecido como endereço IP Composto de 32 bits comumente divididos em 4 bytes e exibidos em formato decimal

Endereço de Rede. Comumente conhecido como endereço IP Composto de 32 bits comumente divididos em 4 bytes e exibidos em formato decimal IP e DNS O protocolo IP Definir um endereço de rede e um formato de pacote Transferir dados entre a camada de rede e a camada de enlace Identificar a rota entre hosts remotos Não garante entrega confiável

Leia mais

Servidor DNS. João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) Fatern 2009.1 1 / 15

Servidor DNS. João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) Fatern 2009.1 1 / 15 Servidor João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) Fatern 2009.1 1 / 15 O que? O que? O que o define Domain Name Server Serviço utilizado para traduzir nomes em endereços IP e vice-versa Baseado em uma hierarquia

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede O sistema de nome de domínio (DNS) é um sistema que nomeia computadores e serviços de rede e é organizado em uma hierarquia de domínios.

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Virtualização - motivação Consolidação de servidores. Consolidação de aplicações. Sandboxing. Múltiplos ambientes de execução. Hardware virtual. Executar múltiplos

Leia mais

Instalando e Configurando o DNS Server

Instalando e Configurando o DNS Server Instalando e Configurando o DNS Server Seg, 27 de Outubro de 2008 18:02 Escrito por Daniel Donda A instalação do serviço DNS no Windows Server 2008 é bem simples e de extrema importância para uma rede.

Leia mais

Neste apêndice mostraremos o que é e como funciona o serviço de nomes de domínio.

Neste apêndice mostraremos o que é e como funciona o serviço de nomes de domínio. APÊNDICE 10 Neste apêndice mostraremos o que é e como funciona o serviço de nomes de domínio. Infelizmente, informações sobre características mais avançadas não serão encontradas aqui. Para mais informações

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LABORATORIO DE REDE

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LABORATORIO DE REDE FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LABORATORIO DE REDE PROFESSOR: Dinailton Laboratorio De Rede DISCENTES: Helton Klinthon Douglas Silva Dyonathan Rodrigues Laboratório de

Leia mais

Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS. Porquê? Porque é muito mais fácil lembrar nomes do que números IP!

Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS. Porquê? Porque é muito mais fácil lembrar nomes do que números IP! Capítulo 5 DNS ( Domain Name System ) O serviço BIND Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS Porquê? Porque é muito mais fácil lembrar nomes do que números IP! Exemplo: wwwgooglept

Leia mais

Configurando um servidor DHCP

Configurando um servidor DHCP Configurando um servidor DHCP OBS.: Esse documento retrata uma configuração em uma rede do tipo rede local (192.168.xx.xx), onde existe um servidor contendo duas interfaces de rede, eth0 e eth1. Hoje em

Leia mais

Aula 2 Servidor DHCP. 2.1 dhcp

Aula 2 Servidor DHCP. 2.1 dhcp Aula 2 Servidor DHCP 2.1 dhcp DHCP é abreviação de Dynamic Host Configuration Protocol Protocolo de Configuração de Host (computadores) Dinâmico.Em uma rede baseada no protocolo TCP/IP, todo computador

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

DNS DOMAIN NAME SYSTEM

DNS DOMAIN NAME SYSTEM FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 Índice 1 DNS DOMAIN NAME SYSTEM 3 2 PROXY SERVER 6 3 DHCP DYNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL 7 4 FIREWALL 8 4.1 INTRODUÇÃO 8 4.2 O QUE É FIREWALL 9 4.3 RAZÕES PARA UTILIZAR

Leia mais

Configuração de DNS Reverso

Configuração de DNS Reverso Configuração de DNS Reverso Nos casos em que os serviços fornecidos pela Brasil Telecom exigirem configurações de DNS Reverso, estas serão executadas de forma centralizada pelo CNRS em Brasília. As solicitações

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Configuração do Servidor DNS. Mcedit /etc/named.conf. mkdir /var/named/estudolinux cp /var/named/* estudolinux

Configuração do Servidor DNS. Mcedit /etc/named.conf. mkdir /var/named/estudolinux cp /var/named/* estudolinux Configuração do Servidor DNS Mcedit /etc/named.conf mkdir /var/named/estudolinux cp /var/named/* estudolinux Configurando o Bind no Slackware 10 ::: Bind / Named Enviado por: Geyson Rogério L. Silva Data:

Leia mais

Virtual Hosts. João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) 1 / 12

Virtual Hosts. João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) 1 / 12 Virtual Hosts João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) 1 / 12 Uma pessoa pode ser conhecida por muitos nomes Um servidor WEB também No Apache, cada identidade é identificada pela diretiva Dependendo

Leia mais

Winconnection 6. Internet Gateway

Winconnection 6. Internet Gateway Winconnection 6 Internet Gateway Descrição Geral O Winconnection 6 é um gateway de acesso à internet desenvolvido dentro da filosofia UTM (Unified Threat Management). Assim centraliza as configurações

Leia mais

DNS - Domain Name System

DNS - Domain Name System 1 of 8 28-07-2011 9:21 DNS - Domain Name System Introdução Componentes dum sistema DNS Zonas e Domínios Resolução DNS Vs. WINS Ferramentas Introdução Na Internet, para que as máquinas possam comunicar

Leia mais

Configuração de Servidores. 1. Introdução. 1. Introdução. Por Rubens Queiroz de Almeida. Data de Publicação: 14 de Março de 2007

Configuração de Servidores. 1. Introdução. 1. Introdução. Por Rubens Queiroz de Almeida. Data de Publicação: 14 de Março de 2007 1. Introdução Configuração de Servidores Por Rubens Queiroz de Almeida Data de Publicação: 14 de Março de 2007 1. Introdução Os servidores DNS podem ser divididos em três tipos principais: servidores que

Leia mais

5/7/2010. Apresentação. Introdução. Ponto de vista do usuário. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux

5/7/2010. Apresentação. Introdução. Ponto de vista do usuário. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux Apresentação Servidor Web Administração de Sistemas Curso Tecnologia em Telemática Disciplina Administração de Sistemas Linux Professor: Anderson Costa anderson@ifpb.edu.br Assunto da aula Servidor Web

Leia mais

Wireshark Lab: DNS. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark.

Wireshark Lab: DNS. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Wireshark Lab: DNS Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Como descrito na seção 2.5 do livro, o Domain Name

Leia mais

Capítulo 5. nome. DNS ( Domain Name System ). O serviço BIND. Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS.

Capítulo 5. nome. DNS ( Domain Name System ). O serviço BIND. Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS. Capítulo 5 DNS ( Domain Name System ). O serviço BIND Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS. Porquê? Porque é muito mais fácil lembrar nomes do que números IP! Exemplo: www.google.pt

Leia mais

IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc.

IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc. Endereços IP Endereços IP IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc.) precisam ter endereços. Graças

Leia mais

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL 1 HTTP Uma página WWW é composta de objetos e endereçado por uma

Leia mais

Configuração de DNS em Windows Servidor 2008

Configuração de DNS em Windows Servidor 2008 Reflexão Turma S-12-ano lectivo-2010-1011 Formador-João Afonso Formando-Pedro Gonçalves 14 Unidade: 14 Configuração de DNS em Windows Servidor 2008 Instalar o DNS 1. Abra o Servidor Manager Start\Administrative

Leia mais

Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08

Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08 Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08 DNS Pedro Lorga (lorga@fccn.pt) Carlos Friaças (cfriacas@fccn.pt) Exercício Prático: DNS Objectivos Neste exercício completará as seguintes tarefas:

Leia mais

Instalando e configurando servidor de DNS no Windows 2008R2

Instalando e configurando servidor de DNS no Windows 2008R2 Instalando e configurando servidor de DNS no Windows 2008R2 1- Configure um IP estático no servidor, conforme a ilustração: 2- Clique em Ferramentas Administrativas > Gerenciamento de Servidores > Funções

Leia mais

Laboratório 3. Configurando o Serviço DNS

Laboratório 3. Configurando o Serviço DNS Neste laboratório iremos falar sobre o serviço DNS (Domain Name System). O DNS é um sistema de gerenciamento de nomes hierárquico e distríbuido visando resolver nomes de domínio em endereços de rede IP.

Leia mais

Capacitação IPv6.br. Serviços em IPv6. Serviços rev 2012.08.07-01

Capacitação IPv6.br. Serviços em IPv6. Serviços rev 2012.08.07-01 Capacitação IPv6.br Serviços em IPv6 Serviços DHCPv6 Firewall DNS NTP HTTP Proxy Proxy Reverso SMB CIFS SSH... Implementações BIND Squid IPv6 desde Julho/2001 IPv6 nativo desde Outubro/2008 BIND 9.1.3

Leia mais

Servidor de e-mail corporativo com Zimbra.

Servidor de e-mail corporativo com Zimbra. UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina Unisul TechDay 2013 Servidor de e-mail corporativo com Zimbra. Palestrante: Irineu Teza Nunes E-mail: irineu@idinf.com.br Website: www.idinf.com.br Blog: itnproducoes.blogspot.com

Leia mais

Capitulo 4: DNS (BIND)

Capitulo 4: DNS (BIND) Por Eduardo Scarpellini odraude@usa.com Capitulo 4: DS (BID) 4.1 do HOSTS.TXT ao DS a década de 70, a ARPAnet era uma pequena rede de algumas centenas de computadores. Um único arquivo, chamado HOSTS.TXT,

Leia mais

ServerAdmin servermaster@projetointegrador.com - Se o sistema detectar algo de anômalo, um mail será enviado a bazar@projeointegador.

ServerAdmin servermaster@projetointegrador.com - Se o sistema detectar algo de anômalo, um mail será enviado a bazar@projeointegador. Fundamentos de Serviços IP Gestão da Tecnologia da Informação Módulo III - Noturno Alunos: Douglas Ferreira João Victor Alves Erik Souza Raphael Beghelli Introdução Neste trabalho acadêmico será apresentando

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

RELATÓRIO DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS APLICATIVOS BIND E POSTFIX

RELATÓRIO DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS APLICATIVOS BIND E POSTFIX RELATÓRIO DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS APLICATIVOS BIND E POSTFIX EDFRANCIS PEREIRA MARQUES SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO V INTRODUÇÃO NESTE RELATÓRIO VEREMOS A IMPORTÂNCIA DE CONHECER CADA COMANDO EXECUTADO,

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II Na aula de hoje iremos conhecermos e relembrarmos duas ferramentas do Windows, chamadas de ipconfig e nslookup. Além disso, iremos discutirmos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Domain Name System (DNS) Aula 25 Máquinas na Internet são identificadas por endereços IP Nomes simbólicos são atribuídos a máquinas

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Domain Name System Arq. de Redes - Pedro Brandão - 2004 1 Objectivo / Motivação Resolução de nomes (alfanuméricos) para endereços IPs Será que 66.102.11.99 é mais fácil de decorar

Leia mais

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Curso de extensão em - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Todo o material aqui disponível pode, posteriormente,

Leia mais

LPI nível 2: Aula 11

LPI nível 2: Aula 11 Décima primeira aula de preparação LPIC-2 TUTORIAL LPI nível 2: Aula 11 Configuração do servidor BIND, criação e manutenção de arquivos de zonas e ferramentas relacionadas. por Luciano Siqueira Irum_Shahid

Leia mais

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS Foram reservados intervalos de endereços IP para serem utilizados exclusivamente em redes privadas, como é o caso das redes locais e Intranets. Esses endereços não devem ser

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

Instalando e Configurando o DNS Server

Instalando e Configurando o DNS Server Instalando e Configurando o DNS Server Seg, 27 de Outubro de 2008 18:02 Escrito por Daniel Donda Tw eetar 0 Like 0 A instalação do serviço DNS no Windows Server 2008 é bem simples e de extrema importancia

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Domain Name System (DNS) Aula 25 Máquinas na Internet são identificadas por endereços IP Nomes simbólicos são atribuídos a máquinas

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip Se, assim como a maioria, você possui um único PC ou notebook, uma opção para testar as distribuições Linux sem precisar mexer no particionamento do HD e instalar o sistema em dualboot, é simplesmente

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

Questionário de RC Nota3

Questionário de RC Nota3 Questionário de RC Nota3 Entrega: Individual e escrita à mão. Data de entrega: 30/10. Em todas as questões deverão constar o desenvolvimento da sua resposta, caso contrário a questão será desconsiderada.

Leia mais

Criando um Servidor Proxy com o SQUID. Roitier Campos

Criando um Servidor Proxy com o SQUID. Roitier Campos Criando um Servidor Proxy com o SQUID Roitier Campos Roteiro Redes de Computadores e Internet Arquitetura Cliente/Servidor e Serviços Básicos de Comunicação Componentes do Servidor e Configuração da VM

Leia mais

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Windows 2003 Server Introdução Nessa Aula: É apresentada uma visão rápida e geral do Windows Server 2003. O Foco a partir da próxima aula, será no serviço de Diretórios

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 2.5 - DNS Prof. Jó Ueyama Março/2014 1 DNS: Domain Name System Pessoas: muitos identificadores: RG, nome, passaporte. Hosts e roteadores na Internet: endereços IP (32 bits)

Leia mais

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Manual do Nscontrol Principal Senha Admin Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Aqui, você poderá selecionar quais programas você quer que

Leia mais

Faixas de endereços IP, CIDR e máscaras de tamanho variável

Faixas de endereços IP, CIDR e máscaras de tamanho variável Faixas de endereços IP, CIDR e máscaras de tamanho variável Por Carlos E. Morimoto em 26 de setembro de 2007 às 09h16 Introdução O endereçamento IP é sempre um tema importante, já que é ele que permite

Leia mais

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Sumário Introdução... 3 Windows Server 2008 R2 Hyper-V... 3 Live Migration... 3 Volumes compartilhados do Cluster... 3 Modo de Compatibilidade de Processador...

Leia mais

Proposta de serviços Plot

Proposta de serviços Plot Proposta de serviços Plot Situação da Plot e expectativas Por favor confira. A proposta depende destas informações serem corretas. A Plot possui hoje aproximadamente 30 estações de trabalho para seus funcionários

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais